Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Como passar em concursos da Polícia Militar: 840 questões comentadas

Como passar em concursos da Polícia Militar: 840 questões comentadas

Ler a amostra

Como passar em concursos da Polícia Militar: 840 questões comentadas

Duração:
1.144 páginas
8 horas
Editora:
Lançados:
3 de fev. de 2021
ISBN:
9786555151183
Formato:
Livro

Descrição

Para que você consiga um ótimo aproveitamento deste livro, atente para as seguintes orientações:
1. Tenha em mãos um vademecum ou um computador no qual você possa acessar os textos de lei citados. Neste ponto, recomendamos o Vade Mecum de Legislação FOCO – confira em www.editorafoco.com.br.
2. Se você estiver estudando a teoria (fazendo um curso preparatório ou lendo resumos, livros ou apostilas), faça as questões correspondentes deste livro na medida em que for avançando no estudo da parte teórica.
3. Se você já avançou bem no estudo da teoria, leia cada capítulo deste livro até o final, e só passe para o novo capítulo quando acabar o anterior; vai mais uma dica: alterne capítulos de acordo com suas preferências; leia um capítulo de uma disciplina que você gosta e, depois, de uma que você não gosta ou não sabe muito, e assim sucessivamente.
4. Iniciada a resolução das questões, tome o cuidado de ler cada uma delas sem olhar para o gabarito e para os comentários; se a curiosidade for muito grande e você não conseguir controlar os olhos, tampe os comentários e os gabaritos com uma régua ou um papel; na primeira tentativa, é fundamental que resolva a questão sozinho; só assim você vai identificar suas deficiências e "pegar o jeito" de resolver as questões; marque com um lápis a resposta que entender correta, e só depois olhe o gabarito e os comentários.
5. Leia com muita atenção o enunciado das questões. Ele deve ser lido, no mínimo, duas vezes. Da segunda leitura em diante, começam a aparecer os detalhes, os pontos que não percebemos na primeira leitura.
6. Grife as palavras-chave, as afirmações e a pergunta formulada. Ao grifar as palavras importantes e as afirmações você fixará mais os pontos-chave e não se perderá no enunciado como um todo. Tenha atenção especial com as palavras "correto", "incorreto", "certo", "errado", "prescindível" e "imprescindível".
7. Leia os comentários e leia também cada dispositivo legal neles mencionados; não tenha preguiça; abra o vademecum e leia os textos de leis citados, tanto os que explicam as alternativas corretas, como os que explicam o porquê de ser incorreta dada alternativa; você tem que conhecer bem a letra da lei, já que mais de 90% das respostas estão nela; mesmo que você já tenha entendido determinada questão, reforce sua memória e leia o texto legal indicado nos comentários.
8. Leia também os textos legais que estão em volta do dispositivo; por exemplo, se aparecer, em Direito Penal, uma questão cujo comentário remete ao dispositivo que trata de falsidade ideológica, aproveite para ler também os dispositivos que tratam dos outros crimes de falsidade; outro exemplo: se aparecer uma questão, em Direito Constitucional, que trate da composição do Conselho Nacional de Justiça, leia também as outras regras que regulamentam esse conselho.
9. Depois de resolver sozinho a questão e de ler cada comentário, você deve fazer uma anotação ao lado da questão, deixando claro o motivo de eventual erro que você tenha cometido; conheça os motivos mais comuns de erros na resolução das questões: DL – "desconhecimento da lei"; quando a questão puder ser resolvida apenas com o conhecimento do texto de lei; DD – "desconhecimento da doutrina"; quando a questão só puder ser resolvida com o conhecimento da doutrina; DJ – "desconhecimento da jurisprudência"; quando a questão só puder ser resolvida com o conhecimento da jurisprudência; FA – "falta de atenção"; quando você tiver errado a questão por não ter lido com cuidado o enunciado e as alternativas
Editora:
Lançados:
3 de fev. de 2021
ISBN:
9786555151183
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Como passar em concursos da Polícia Militar

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Como passar em concursos da Polícia Militar - Alana Grimaldi

Coordenadores

1. Língua Portuguesa

Cassia Diniz e Henrique Subi

Leia a charge para responder às questões que se seguem.

(Chargista Duke. https://www.otempo.com.br)

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) As informações da charge permitem concluir corretamente que

(A) o cenário econômico opõe-se à condição de miséria da personagem.

(B) a situação de miséria da personagem passa despercebida por todos.

(C) o desinteresse da personagem por um emprego levou-a à miséria.

(D) a personagem ficou miserável em decorrência da falta de emprego.

(E) a mudança na conjuntura econômica ajudou a vida da personagem.

A tirinha expõe fatos em ordem cronológica, como em uma linha do tempo. Isso é percebido pelo crescimento da barba e do cabelo da personagem. Logo, podemos concluir que sua miséria decorreu do fato de não encontrar vagas de trabalho. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) No contexto em que está empregada, a locução verbal Vai trabalhar equivale a

(A) uma solicitação, no modo verbal indicativo, permeada de sentido de sarcasmo.

(B) um conselho, no modo verbal subjuntivo, permeada de sentido de orientação.

(C) uma recomendação, no modo verbal imperativo, permeada de sentido de hostilidade.

(D) uma advertência, no modo verbal subjuntivo, permeada de sentido de humor.

(E) uma ordem, no modo verbal imperativo, permeada de sentido de cortesia.

A locução está na segunda pessoa do singular do modo imperativo, que caracteriza comandos, ordens ou recomendações. O caráter de hostilidade da personagem oculta, por sua vez, pode ser interpretado pelas letras maiúsculas do texto, que indicam que está gritando, bem como o vocativo utilizado – vagabundo. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Em conformidade com a norma-padrão, a ideia contida nas placas está corretamente expressa em:

(A) Acabou as vagas.

(B) Não tem-se vagas.

(C) Não existem vagas.

(D) Falta vagas.

(E) Vivem-se a falta de vagas.

A: incorreta. Deveria ser acabaram as vagas; B: incorreta. O correto seria não se tem vagas; C: correta, pela aplicação de todas as normas do padrão culto da língua; D: incorreta. Deveria ser faltam vagas; E: incorreta. A oração tem sujeito indeterminado, então deveria constar vive-se a falta de vagas. HS

Leia o texto para responder às questões a seguir.

Uso de inteligência artificial pode aumentar desemprego no Brasil, diz FGV

Responsável por reduzir burocracias, automatizar processos e aumentar a eficiência, o uso de inteligência artificial (IA) pode aumentar o desemprego no País em quase 4 pontos porcentuais nos próximos 15 anos. Os dados são de um estudo desenvolvido pelo professor Felipe Serigatti, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com a Microsoft.

Para simular o impacto da adoção de IA na economia brasileira, a pesquisa estipulou três cenários: um conservador, no qual a taxa de crescimento da adoção de IA pelo mercado brasileiro é de 5%, durante 15 anos. Nesse panorama, a economia também cresce menos do que o estimado para os próximos anos. No cenário intermediário, o número é de 10%, com crescimento estável. Já no mais agressivo, em um mundo em que a economia tem projeção otimista de crescimento, a adoção de IA subiria 26% no período – é nesse último que o desemprego pode aumentar em 3,87 pontos porcentuais, no saldo geral da população.

No mais severo dos cenários, os mais afetados serão os trabalhadores menos qualificados, que poderão ver o desemprego aumentar em 5,14 pontos porcentuais; já o número de vagas qualificadas pode subir com a adoção massiva de inteligência artificial, em até 1,56 ponto percentual. A inteligência artificial aumentará a desigualdade, alertou Serigatti, que é professor de Economia da FGV.

A pesquisa analisou seis segmentos diferentes da economia: agricultura, pecuária, óleo e gás, mineração e extração, transporte e comércio e setor público (educação, saúde, defesa e administração pública). Os trabalhadores mais afetados no cenário mais agressivo são os mais qualificados dos setores de óleo e gás e de agricultura, dois dos principais pilares da economia brasileira. O primeiro tem redução nos empregos de 23,57%, e o segundo, de 21,55%.

(Bruno Romani, Uso de inteligência artificial pode aumentar desemprego no Brasil, diz FGV. https://link.estadao.com.br. Adaptado)

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) A leitura comparativa entre a charge de Duke e o texto do Estadão permite afirmar que

(A) o desemprego tende a se manter estável nos próximos anos, já que existe uma projeção otimista de crescimento.

(B) o cenário desolador do desemprego no Brasil será plenamente revertido em até 15 anos, graças ao crescimento econômico.

(C) a redução do desemprego é uma realidade remota que privilegiará eventualmente os trabalhadores menos qualificados.

(D) a piora na economia continuará a tirar com mais vigor postos de trabalho, já que nenhuma projeção prevê crescimento econômico.

(E) o recrudescimento do desemprego vivido no presente do país é uma realidade que tende a se estender pelos próximos anos.

A intertextualidade dos dois textos é construída a partir do relacionamento da falta de vagas para o personagem da charge e da razão dessa falta de vagas exposta pelo texto: a adoção crescente de sistemas de inteligência artificial. Segundo este último, o cenário de desemprego tende a piorar nos anos seguintes, atingindo mais fortemente os trabalhadores com menos qualificação técnica. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) As informações textuais deixam evidente que

(A) o impacto do desemprego gerado pela adoção da inteligência artificial é igual nos seis segmentos diferentes da economia, de acordo com a pesquisa da FGV.

(B) a pesquisa mostra que o desemprego será o mesmo nos próximos 15 anos, independentemente da forma como a inteligência artificial seja adotada.

(C) o melhor cenário para a economia brasileira é o mais agressivo, no qual não haverá impactos negativos com redução de postos de trabalhos.

(D) a inteligência artificial aumentará a desigualdade social, principalmente em um cenário agressivo com projeção otimista de crescimento econômico.

(E) a adoção da inteligência artificial na economia poderá trazer desemprego, mas, paradoxalmente, trará crescimento financeiro à população em geral.

A: incorreta. O impacto em cada segmento estudado é bastante diferente, como fica claro no último parágrafo do texto; B: incorreta. O segundo parágrafo do texto traz a informação de que foram testados três cenários diferentes da economia e da adoção de sistemas de inteligência artificial, sendo os resultados bastante diferentes entre eles; C: incorreta. Ao contrário, este é pior cenário, aquele que leva ao maior índice de desemprego; D: correta, conforme se lê no terceiro parágrafo do texto; E: incorreta. Não se pode depreender essa informação de qualquer passagem do texto. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Assinale a alternativa em que a informação apresentada é coerente com o exposto no texto.

(A) No cenário intermediário, o número é de 10%, com crescimento inconstante. Já no mais ofensivo, em um mundo em que a economia tem projeção limitada de crescimento, a adoção de IA subiria 26% no período.

(B) No mais rigoroso dos cenários, os mais afetados serão aqueles trabalhadores com menos qualificação, já o número de vagas qualificadas poderá subir com a adoção intensiva de inteligência artificial.

(C) Para simular o efeito da adoção de IA na economia brasileira, a pesquisa estabeleceu três cenários: um deles é reacionário, no qual a taxa de crescimento da adoção de IA pelo mercado brasileiro é de 5%, durante 15 anos.

(D) A inteligência artificial, cuja responsabilidade é diminuir burocracias, automatizar processos e intensificar a eficiência, promete reduzir a falta de emprego no País em 4 pontos porcentuais nos próximos 15 anos.

(E) A pesquisa da FGV aponta que os trabalhadores mais privilegiados no cenário mais agressivo são os mais qualificados dos setores de óleo e gás e de agricultura, dois dos pilares menos influentes da economia brasileira.

Todas as alternativas trazem informações com o conteúdo inverso do que aquele exposto no texto, com exceção da letra B, que deve ser assinalada por ser a única que se manteve fiel aos dados apresentados. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Considere as passagens do texto:

• Para simular o impacto da adoção de IA na economia brasileira, a pesquisa estipulou três cenários... (2º parágrafo)

• No mais severo dos cenários, os mais afetados serão os trabalhadores menos qualificados, que poderão ver o desemprego aumentar em 5,14 pontos porcentuais... (3º parágrafo)

Os termos destacados são responsáveis por articular os enunciados do texto, estabelecendo entre eles, respectivamente, relações de sentido de

(A) finalidade e explicação.

(B) consequência e causa.

(C) causa e consequência.

(D) finalidade e adição.

(E) causa e explicação.

A preposição para introduz a ideia de finalidade. Note que podemos substituí-la: "a pesquisa estipulou três cenários com a finalidade de simular o impacto.... Já na segunda passagem, a palavra que" exerce a função de conjunção integrante, abrindo a oração subordinada adjetiva explicativa – logo, tem sentido de explicação. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) De acordo com a norma-padrão, o título do texto está corretamente reescrito e pontuado em:

(A) FGV diz que, uso de inteligência artificial pode aumentar desemprego no Brasil.

(B) FGV diz – uso no Brasil de inteligência artificial pode aumentar desemprego.

(C) Diz FGV, uso de inteligência artificial no Brasil pode aumentar desemprego.

(D) No Brasil, uso de inteligência artificial pode aumentar desemprego, diz FGV.

(E) No Brasil uso de inteligência artificial pode aumentar desemprego diz FGV.

A: incorreta. Não há vírgula depois de que; B: incorreta. O uso das aspas está incorreto e o travessão deveria ser substituído por dois-pontos; C: incorreta. O período tem grave problema de clareza. Para solucioná-lo, a vírgula deveria ser substituída pela conjunção que ou a oração diz que poderia ser movida para o final do período; D: correta. A redação atende a todas as normas do padrão culto da língua; E: incorreta. O período é idêntico ao da alternativa D, porém com erros de pontuação e sem as aspas que são obrigatórias para a citação literal de texto de outra autoria. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Assinale a alternativa em que a forma verbal destacada expressa sentido de projeção futura.

(A) ... os mais afetados serão os trabalhadores menos qualificados... (3º parágrafo)

(B) O primeiro tem redução nos empregos de 23,57%... (4º parágrafo)

(C) ... a pesquisa estipulou três cenários... (2º parágrafo)

(D) ... alertou Serigatti, que é professor de Economia da FGV. (3º parágrafo)

(E) Os dados são de um estudo desenvolvido pelo professor Felipe Serigatti... (1º parágrafo)

Verbos que têm sentido de projeção futura são aqueles que estão conjugados no futuro do presente do indicativo. O único nessa condição é serão. Os demais estão no presente (letras B, D e E) ou no pretérito perfeito (letra C). HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Leia a charge para responder às questões a seguir.

(http://chargeonline.com.br)

As informações da charge permitem concluir que

(A) a imprecisão dos pedidos ao gênio faz com que ele desista de realizá-los.

(B) a capacidade de realizar os pedidos existe, mas o gênio não quer atendê-los.

(C) o gênio se declara incapaz de resolver a situação de desemprego, que também o afeta.

(D) o homem faz pedidos comuns e parecidos ao gênio, o que o deixa bem irritado.

(E) o gênio é mais um na estatística do desemprego e, por isso, quer ajudar o homem.

A carga satírica da charge decorre do gênio informar ao homem que é incapaz de atender aos seus pedidos, pois eles equivalem a acabar com o desemprego – situação, aliás, da qual ele confessa também ser vítima ao afirmar que sua condição de gênio é apenas um bico, ou seja, um trabalho informal. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Sem prejuízo à norma-padrão e ao sentido do texto, a frase do gênio está devidamente reescrita em:

(A) E você acha que, desde que eu posso arrumar todos esses empregos, eu estou aqui fazendo bico de gênio?

(B) E E você acha que, como eu posso arrumar todos esses empregos, eu estarei aqui fazendo bico de gênio?

(C) E E você acha que, quando eu pude arrumar todos esses empregos, eu estaria aqui fazendo bico de gênio?

(D) E E você acha que, caso eu pudesse arrumar todos esses empregos, eu estaria aqui fazendo bico de gênio?

(E) E E você acha que, ainda que eu posso arrumar todos esses empregos, eu estarei aqui fazendo bico de gênio?

O período original transmite a ideia de condição, pois usa a conjunção se e o verbo no futuro do pretérito do indicativo. Logo, a nova redação proposta precisa de uma conjunção com o mesmo valor (condicional) e o verbo ter sido mantido no futuro do pretérito. Encontramos essa fórmula somente na alternativa D, com a conjunção caso. HS

Leia o texto para responder às questões de números a seguir.

Mais ócio, por favor

Quando o sociólogo italiano Domenico De Masi lançou o conceito de ócio criativo, em seu livro homônimo de 2000, foi alçado à condição de pensador revolucionário e à lista dos mais vendidos.

O sucesso se deveu à explicação do espírito daquele tempo, ao apontar que tão essencial ao crescimento profissional quanto o estudo e o trabalho eram os momentos de desconexão com a labuta que abririam as portas para a criatividade e para pensar fora da caixinha. A intenção era alcançar uma fusão entre estudo, trabalho e lazer para aprimorar o conhecimento, vivenciar diferentes experiências e instigar a criatividade.

Com o lançamento de Uma Simples Revolução, um best-seller, o sociólogo prega uma nova guinada no pensamento empresarial.

Ao analisar as taxas de desemprego e de desocupação, para De Masi, a única saída é reduzir a carga de trabalho individual e abrir novas vagas. Se as regras do jogo não mudarem, o desemprego – aberto ou oculto – está destinado a crescer em dimensão patológica, escreve.

O Brasil é um dos países que vivem essa realidade, com um desemprego de mais de 13 milhões de pessoas, segundo dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mais de 5 milhões de pessoas procuram trabalho no país há um ano ou mais, o que representa quase 40% desse total.

A lógica do mercado não ajuda a melhorar esses números. As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, mesmo que isso signifique mais horas extras.

Só que, de acordo com o sociólogo, quanto mais horas um indivíduo trabalha, mais ele contribui para a taxa de desocupação. Na Alemanha, onde todos trabalham, em média, 1.400 horas, o desemprego está em 3,8% e o emprego está em 79%. Já na Itália, onde um italiano trabalha em média 1.800 horas, o desemprego está em 11% e o emprego está em 58%, detalha.

Para eliminar o desemprego, o único remédio válido é reduzir as horas de trabalho, mantendo o salário e aumentando o número de vagas, diz, em entrevista ao UOL.

(Lúcia Valentim Rodrigues, Mais ócio, por favor. https://noticias.uol.com.br. Adaptado)

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) As informações do texto, fundamentadas no pensamento de Domenico De Masi, evidenciam que

(A) E o pensamento revolucionário sugere que as pessoas trabalhem mais horas diárias, mesmo em um cenário social marcado pelo desemprego.

(B) E o aumento de horas extras laborais elimina as possibilidades do ócio criativo, mas, por outro lado, é a chave para a criação de postos de trabalho.

(C) E o aumento do desemprego precisa ser combatido com redução da carga horária dos trabalhadores, acompanhada da diminuição de seus salários.

(D) E a situação de emprego na Alemanha é melhor do que na Itália porque naquele país o trabalho está acima da média mundial, o que aumenta a produtividade.

(E) E a saúde do sistema produtivo com garantia de empregabilidade depende da redução da carga de trabalho individual, o que garantiria a abertura de novas vagas.

O texto traz a ideia central do novo livro de Domenico de Masi, Uma simples revolução, no qual o sociólogo expõe sua tese de que a única solução viável para o aumento da empregabilidade é a redução da jornada normal de trabalho, abrindo novas vagas para suprir a totalidade do período de trabalho (por exemplo, em vez de um trabalhador exercendo suas funções por 8 horas diárias, seriam 2 trabalhadores na função por 4 horas cada um). HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) De acordo com Domenico De Masi, uma ação que tem efeito negativo no sistema produtivo das empresas é

(A) E a oferta de mais vagas de trabalhos para os cidadãos.

(B) E a busca pela redução das folhas de pagamento.

(C) E a tentativa de fundir estudo, trabalho e lazer.

(D) E o aperfeiçoamento profissional por meio do ócio.

(E) E a alteração da lógica do mercado vigente.

O sociólogo aponta a dificuldade na luta contra o desemprego criada pela intenção das empresas de reduzir sua folha de pagamento, ou seja, diminuir as despesas com salários e encargos trabalhistas. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Considere as passagens:

Quando o sociólogo italiano Domenico De Masi lançou o conceito de ócio criativo [...], foi alçado à condição de pensador revolucionário... (1º parágrafo)

A intenção era alcançar uma fusão entre estudo, trabalho e lazer para aprimorar o conhecimento, vivenciar diferentes experiências e instigar a criatividade. (2º parágrafo)

"Se as regras do jogo não mudarem, o desemprego – aberto ou oculto – está destinado a crescer em dimensão patológica", escreve. (4º parágrafo)

No contexto em que estão empregados, os termos significam, correta e respectivamente:

(A) E elevado; estimular; doentia.

(B) E conduzido; coibir; mórbida.

(C) E rebaixado; promover; promissora.

(D) E promovido; restringir; limitada.

(E) E assemelhado; induzir; esperançosa.

Alçado é sinônimo de elevado, lançado. Instigar é o mesmo que estimular, provocar. Já patológica é sinônimo de doentia. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Assinale a alternativa em que se transcreve uma passagem do texto na qual o termo destacado é empregado em sentido figurado.

(A) EO sucesso se deveu à explicação do espírito daquele tempo... (2º parágrafo)

(B) EAs empresas tentam reduzir suas folhas de paga- mento... (6º parágrafo)

(C) E... o sociólogo prega uma nova guinada no pensamento empresarial. (3º parágrafo)

(D) E... mais ele contribui para a taxa de desocupação. (7º parágrafo)

(E) E… que abririam as portas para a criatividade … (2º parágrafo)

Sentido figurado ou conotativo é o uso da palavra com significado diverso daquele usual, estabelecido no dicionário. Isso ocorre somente na letra E, onde portas não significa o móvel que permite entrar num determinado lugar – afinal, a criatividade não tem portas. A palavra foi usada com sentido de caminhos, possibilidades. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Coube Domenico De Masi criação do conceito de ócio criativo, referindo-se desconexão necessária com a labuta como caminho para se chegar____ experiências criativas do ser humano.

Em conformidade com a norma-padrão, as lacunas do enunciado devem ser preenchidas, correta e respectiva- mente, com:

(A) a ... à ... a ... a

(B) à ... a ... à ... às

(C) a ... a ... à ... às

(D) à ... a ... a ... à

(E) à ... à ... à ... as

Não ocorre crase antes de nome próprio masculino (a). O verbo caber não rege a preposição a, portanto não ocorre crase antes de criação (a). O verbo pronominal referir-se rege a preposição a, logo ocorre crase antes da palavra feminina definição (à). O verbo chegar rege a preposição a, portanto ocorre crase antes da palavra feminina experiências (às). HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) De acordo com a norma-padrão, a concordância nominal está plenamente atendida em:

(A) E Reduzindo a carga de trabalho para 1 400 horas, o Brasil estaria quites em relação aos números internacionais.

(B) E A situação do Brasil está meia complicada, com o desemprego de 13 milhões de pessoas.

(C) E No Brasil, há bastante pessoas que procuram emprego há um ano ou mais, segundo o IBGE.

(D) E Os altos índices de desemprego e a falta de novas vagas criam um clima social de desalento.

(E) E De acordo com Domenico De Masi, é necessário a diminuição da taxa de desocupação.

A: incorreta. O adjetivo quite deve concordar com Brasil e permanecer no singular; B: incorreta. O advérbio meio, sinônimo de parcialmente, não é flexionado no gênero; C: incorreta. Bastante, quando é adjetivo, remetendo a quantidade, deve concordar em número com seu determinante (bastantes pessoas); D: correta. As normas de concordância foram integralmente respeitadas; E: incorreta. Necessária, no trecho, é predicativo do sujeito diminuição, portanto deve concordar com o gênero feminino. HS

(Soldado – PM/SP – VUNESP – 2019) Sem prejuízo de sentido ao texto, o trecho – As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, mesmo que isso signifique mais horas extras. (5º parágrafo) – está corretamente reescrito em:

(A) E As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, apesar de isso significar mais horas extras.

(B) E As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, quando isso significa mais horas extras.

(C) E As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, se isso significar mais horas extras.

(D) E As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, tanto que isso significa mais horas extras.

(E) E As empresas tentam reduzir suas folhas de pagamento, porque isso significa mais horas extras.

A locução conjuntiva mesmo que, utilizada no trecho original, tem valor concessivo, de modo que deve ser substituída por outra conjunção concessiva para que não haja alteração no sentido do período. A única opção que traz uma oração subordinada adverbial concessiva é a letra A, caracterizada pela conjunção apesar de. HS

Passeio noturno

Cheguei em casa carregando a pasta cheia de papéis, relatórios, estudos, pesquisas, propostas, contratos. Minha mulher, jogando paciência na cama, um copo de uísque na mesa de cabeceira, disse, sem tirar os olhos das cartas, você está com um ar cansado. Os sons da casa: minha filha no quarto dela treinando impostação de voz, a música quadrifônica do quarto do meu filho. Você não vai largar essa mala?, perguntou minha mulher, tira essa roupa, bebe um uisquinho, você precisa aprender a relaxar.

Fui para a biblioteca, o lugar da casa onde gostava de ficar isolado e como sempre não fiz nada. Abri o volume de pesquisas sobre a mesa, não via as letras e números, eu esperava apenas. Você não pára de trabalhar, aposto que os teus sócios não trabalham nem a metade e ganham a mesma coisa, entrou a minha mulher na sala com o copo na mão, já posso mandar servir o jantar?

A copeira servia à francesa, meus filhos tinham crescido, eu e a minha mulher estávamos gordos. É aquele vinho que você gosta, ela estalou a língua com prazer. Meu filho me pediu dinheiro quando estávamos no cafezinho, minha filha me pediu dinheiro na hora do licor. Minha mulher nada pediu, nós tínhamos conta bancária conjunta. Vamos dar uma volta de carro?, convidei. Eu sabia que ela não ia, era hora da novela. Não sei que graça você acha em passear de carro todas as noites, também aquele carro custou uma fortuna, tem que ser usado, eu é que cada vez me apego menos aos bens materiais, minha mulher respondeu.

Os carros dos meninos bloqueavam a porta da garagem, impedindo que eu tirasse o meu. Tirei os carros dos dois, botei na rua, tirei o meu, botei na rua, coloquei os dois carros novamente na garagem, fechei a porta, essas manobras todas me deixaram levemente irritado, mas ao ver os párachoques salientes do meu carro, o reforço especial duplo de aço cromado, senti o coração bater apressado de euforia. Enfiei a chave na ignição, era um motor poderoso que gerava a sua força em silêncio, escondido no capô aerodinâmico. Saí, como sempre sem saber para onde ir, tinha que ser uma rua deserta, nesta cidade que tem mais gente do que moscas. Na avenida Brasil, ali não podia ser, muito movimento. Cheguei numa rua mal iluminada, cheia de árvores escuras, o lugar ideal. Homem ou mulher? Realmente não fazia grande diferença, mas não aparecia ninguém em condições, comecei a ficar tenso, isso sempre acontecia, eu até gostava, o alívio era maior. Então vi a mulher, podia ser ela, ainda que mulher fosse menos emocionante, por ser mais fácil. Ela caminhava apressadamente, carregando um embrulho de papel ordinário, coisas de padaria ou de quitanda, estava de saia e blusa, andava depressa, havia árvores na calçada, de vinte em vinte metros, um interessante problema a exigir uma grande dose de perícia. Apaguei as luzes do carro e acelerei. Ela só percebeu que eu ia para cima dela quando ouviu o som da borracha dos pneus batendo no meiofio. Peguei a mulher acima dos joelhos, bem no meio das duas pernas, um pouco mais sobre a esquerda, um golpe perfeito, ouvi o barulho do impacto partindo os dois ossões, dei uma guinada rápida para a esquerda, passei como um foguete rente a uma das árvores e deslizei com os pneus cantando, de volta para o asfalto. Motor bom, o meu, ia de zero a cem quilômetros em nove segundos. Ainda deu para ver que o corpo todo desengonçado da mulher havia ido parar, colorido de sangue, em cima de um muro, desses baixinhos de casa de subúrbio.

Examinei o carro na garagem. Corri orgulhosamente a mão de leve pelos páralamas, os párachoques sem marca. Poucas pessoas, no mundo inteiro, igualavam a minha habilidade no uso daquelas máquinas.

A família estava vendo televisão. Deu a sua voltinha, agora está mais calmo?, perguntou minha mulher, deitada no sofá, olhando fixamente o vídeo. Vou dormir, boa noite para todos, respondi, amanhã vou ter um dia terrível na companhia.

Referência: FONSECA, Rubem. Passeio Noturno, in: Contos Reunidos. São Paulo: Companhia das Letras. 1994.

Com base no texto Passeio noturno responda as questões abaixo:

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Marque a alternativa CORRETA que corresponda ao perfil psicológico do personagem protagonista da história:

(A) E Possui hábitos incomuns aos demais cidadãos no tocante aos seus deveres do cotidiano, mas age de forma previsível e irrepreensível para satisfazer seus desejos íntimos.

(B) E Possui hábitos anormais aos demais cidadãos no tocante aos seus deveres do cotidiano, mas age de forma esperada e magistral para satisfazer seus desejos íntimos.

(C) E Possui hábitos incomuns aos demais cidadãos no tocante aos seus deveres do cotidiano, mas age de forma irreprovável e incensurável para satisfazer seus desejos íntimos.

(D) E Possui hábitos comuns aos demais cidadãos no tocante aos seus deveres do cotidiano, mas age de forma imprevisível e repreensível para satisfazer seus desejos íntimos.

O conto descreve, em discurso indireto livre, um dia totalmente comum de um cidadão, com hábitos que se igualam aos da maioria das pessoas. Porém, a personagem tem desejos íntimos de cunho ilícito e totalmente reprováveis, sendo capaz de agir de forma imprevisível e condenável para satisfazê-los. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Leia o trecho apresentado e marque a alternativa CORRETA.

"(...) ao ver os párachoques salientes do meu carro, o reforço especial duplo de aço cromado, senti o coração bater apressado de euforia. (...). Saí, como sempre sem saber para onde ir, tinha que ser uma rua deserta, nesta cidade que tem mais gente do que moscas. Na avenida Brasil, ali não podia ser, muito movimento. Cheguei numa rua mal iluminada, cheia de árvores escuras, o lugar ideal. Homem ou mulher? Realmente não fazia grande diferença (...)."

Baseado no trecho apresentado, podemos afirmar que o autor desvela uma personagem que demonstra:

(A) E Amor à máquina e a seus semelhantes.

(B) E Necessidade de guiar seu carro pelas ruas ermas da cidade.

(C) E Desprezo a seus semelhantes, um desejo de transgredir.

(D) E Medo de dirigir pela avenida Brasil por ser muito movimentada.

A personagem demonstra profundo desprezo e desinteresse pelas outras pessoas, ao lado de um incontrolável desejo de transgredir as normas, provavelmente decorrente da rotina absolutamente repetitiva que vive. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Leia o trecho a seguir:

"(...) Então vi a mulher, podia ser ela, ainda que mulher fosse menos emocionante, por ser mais fácil. (...) Ela só percebeu que eu ia para cima dela quando ouviu o som da borracha dos pneus batendo no meiofio. (...) ouvi o barulho do impacto partindo os dois ossões, dei uma guinada rápida para a esquerda, passei como um foguete rente a uma das árvores e deslizei com os pneus cantando, de volta para o asfalto. Motor bom, o meu, ia de zero a cem quilômetros em nove segundos. (...)."

Marque a alternativa CORRETA que corresponda ao momento da narrativa que é evidenciado pelo trecho acima:

(A) E Momento ápice ou clímax da narrativa.

(A) E Momento subsequente ao ápice ou clímax da narrativa.

(A) E Momento do desfecho final da narrativa.

(A) E Momento introdutório da trama da narrativa.

Trata-se do clímax, ou ápice, da narrativa, o momento em que é revelada ao leitor a situação que mais se esperava – no caso, saber qual era a razão dos passeios noturnos da personagem principal do conto. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Leia o trecho apresentado e responda à questão abaixo:

A família estava vendo televisão. Deu a sua voltinha, agora está mais calmo?, perguntou minha mulher, deitada no sofá, olhando fixamente o vídeo. Vou dormir, boa noite para todos, respondi, amanhã vou ter um dia terrível na companhia.

Com base no trecho acima, marque a alternativa CORRETA que corresponda à inferência feita pela mulher em relação ao passeio de carro feito pelo marido:

(A) E mulher inferiu que o passeio não seria uma maneira do marido liberar o estresse diário.

(B) E A mulher inferiu que o passeio seria uma maneira do marido, relaxado, conduzir o carro sem um objetivo específico.

(C) E A mulher inferiu que o passeio seria uma maneira do marido se ocupar com algo inútil que aumentasse o nível de estresse diário.

(D) E A mulher inferiu que o passeio seria uma maneira do marido liberar o estresse diário.

A pergunta está mais calmo? demonstra o raciocínio da mulher: ela conclui que o hábito do marido sair a dirigir de noite serve para diminuir seu nível de estresse. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) De acordo com os critérios da seleção vocabular e emprego das variedades de língua padrão e não padrão, leia as orações a seguir e marque a alternativa CORRETA, de acordo com a norma culta.

(A) A ansiedade era grande, mais a habilidade do condutor era maior.

(B) Estava eufórico com o feito, mas relaxado o suficiente para voltar à casa.

(C) O condutor fingia se surpreender mas e mas a cada instante.

(D) Não era apenas um fugitivo, mais alguém feliz com o que acabara de fazer.

A questão cobra do candidato o conhecimento das palavras mais e mas. Mais é advérbio de intensidade, mas é conjunção adversativa. O primeiro está ligado a um substantivo, um adjetivo, um verbo ou outro advérbio; o segundo introduz uma nova oração. A única construção correta, portanto, é a letra B, que deve ser assinalada. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Marque a alternativa que apresenta a justificativa CORRETA para o emprego das locuções e palavras em destaque nas orações abaixo:

1). Muitas das vezes que fui à igreja, ele estava lá.

2). Muitas vezes fui à biblioteca.

3). Ele marcou um horário com o dentista, a fim de verificar a situação de seus dentes.

4). O latim é uma língua afim com o italiano.

(A)1 várias vezes; 2 de um determinado número de vezes; 3 afinidade; 4 propósito.

(B)1 sem um determinado número de vezes; 2 de um determinado número de vezes; 3 – semelhança; 4 razão.

(C)1 de um determinado número de vezes; 2 várias vezes; 3 objetivo; 4 semelhante.

(D)1 de um indeterminado número de vezes; 2 às vezes; 3 semelhante; 4 intento.

A expressão muitas das vezes indica que, num determinado número de vezes, o sujeito encontrou o outro na igreja. A expressão muitas vezes é sinônima de várias vezes, uma quantidade indeterminada de vezes. A fim é locução prepositiva com valor de finalidade, é sinônima de com o objetivo de. Afim é adjetivo, sinônimo de parecido, semelhante. HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Quanto ao emprego de pronomes, marque a alternativa CORRETA.

(A) Os pneus, troquei-os logo após o passeio noturno.

(B) Me espantei com a potência do motor e a rigidez dos parachoques.

(C) Não maltratei-a, apenas acelerei até deixar ela caída em meio a poeira.

(D) Depois, me encaminhei para casa eufórico e feliz.

A: correta. A oração respeita a norma culta de colocação pronominal ao usar a ênclise; B: incorreta. Não se usa próclise no começo de oração (espantei-me); C: incorreta. O advérbio de negação determina a próclise (não a maltratei); D: incorreta. A vírgula, para fins de colocação pronominal, equivale a um início de oração, determinando a ênclise (encaminhei-me). HS

(Soldado – PM/MG – PMMG – 2018) Marque a alternativa que contenha a seleção de palavras para o preenchimento CORRETO dos espaços nas frases abaixo, na sequência em que aparecem:

1. Este teatro

vamos é mantido pela universidade.

2. O policial esteve no local

ocorrera o crime.

3. Domingo,

fomos ao clube, fez sol.

4. A cidade de

ele vem fica no norte do estado.

5. Já era noite,

a lua apareceu.

(A)Onde, aonde, onde, aonde, onde.

(B)Quando, aonde, aonde, aonde, aonde.

(C)Onde, aonde, quando, onde, onde.

(D)Aonde, onde, quando, onde, quando.

1: Como o verbo ir rege a preposição a, o correto é aonde; 2: O verbo estar não rege preposição, portanto utilizamos onde; 3: A lacuna deve ser preenchido com um advérbio de tempo, no caso, quando; 4: Após a preposição de, utiliza-se sempre onde; 5: novamente, a lacuna pede um advérbio de tempo (quando). HS

Texto I

A Rua

(Fragmento)

EU AMO A RUA. Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria revelado por mim se não julgasse, e razões não tivesse para julgar, que este amor assim absoluto e assim exagerado é partilhado por todos vós. Nós somos irmãos, nós nos sentimos parecidos e iguais; nas cidades, nas aldeias, nos povoados, não porque soframos, com a dor e os desprazeres[...], mas porque nos une, nivela e agremia o amor da rua.

(...) a rua é um fator da vida das cidades, a rua tem alma! (...) a rua é a agasalhadora da miséria. Os desgraçados não se sentem de todo sem o auxílio dos deuses enquanto diante dos seus olhos uma rua abre para outra rua (...).

A rua nasce, como o homem, do soluço, do espasmo. Há suor humano na argamassa do seu calçamento. Cada casa que se ergue é feita do esforço exaustivo de muitos seres, e haveis de ter visto pedreiros e canteiros, ao erguer as pedras para as frontarias, cantarem, cobertos de suor, uma melopeia tão triste que pelo ar parece um arquejante soluço. A rua sente nos nervos essa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora das obras humanas. (...) A rua é a eterna imagem da ingenuidade. Comete crimes, desvaria à noite, treme com a febre dos delírios, para ela como para as crianças a aurora é sempre formosa, para ela não há o despertar triste, e quando o sol desponta e ela abre os olhos esquecida das próprias ações, é (...) tão modesta, tão lavada, tão risonha, que parece papaguear com o céu e com os anjos...

A rua faz as celebridades e as revoltas, a rua criou um tipo universal, tipo que vive em cada aspecto urbano, em cada detalhe, em cada praça, tipo diabólico que tem, dos gnomos e dos silfos das florestas, tipo proteiforme, feito de risos e de lágrimas, de patifarias e de crimes irresponsáveis, de abandono e de inédita filosofia, tipo esquisito e ambíguo com saltos de felino e risos de navalha, o prodígio de uma criança mais sabida e cética que os velhos de setenta invernos, mas cuja ingenuidade é perpétua, voz que dá o apelido fatal aos potentados e nunca teve preocupações, criatura que pede como se fosse natural pedir, aclama sem interesse, e pode rir, francamente, depois de ter conhecido todos os males da cidade, poeira d’oiro que se faz lama e torna a ser poeira – a rua criou o garoto!

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, pp. 28–31.Vocabulário

Agremia: do verbo agremiar; juntar num mesmo grupo. Canteiros: pedreiros responsáveis pelas construções com pedra. Frontarias: fachada principal; frente.

Melopeia: melodia; canção melodiosa.

Silfos: seres mágicos do ar presente em mitologias europeias. Proteiforme: que muda de forma frequentemente.

Potentados: majestades; maiorais; pessoas de grande poder.

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) No título do texto, o autor faz uso de um artigo definido acompanhando o substantivo rua. Esse emprego constrói o seguinte efeito de sentido:

(A) Indica uma rua conhecida apenas pelo leitor acionando o imaginário deste.

(B) Revela a singularidade das ruas mostrando elementos que as diferem entre si.

(C) Aponta para uma rua específica, definida, e que possui características próprias.

(D) Faz referência à ideia de rua num sentido generalizante, às ruas de maneira geral.

O uso do artigo definido singular demonstra a intenção do autor de transmitir a ideia de conceito de rua, uma noção geral do que ela significa. HS

Considere o trecho abaixo para responder às questões seguintes:

Esse sentimento de natureza toda íntima não vos seria revelado por mim. (1º§)

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) A expressão Esse sentimento, que inicia o trecho, faz referência:

(A) a algo que será dito só posteriormente.

(B) ao desejo da rua, representado no texto.

(C) ao amor apresentado na frase anterior.

(D) a um sentimento exclusivo do leitor.

O sentimento a que se refere o autor é o amor, que ele expressa na oração anterior. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O trecho apresenta uma oração cuja construção verbal ilustra a voz:

(A) passiva sintética.

(B) ativa.

(C) reflexiva.

(D) passiva analítica.

A forma verbal seria revelado está na voz passiva analítica, tendo o pronome mim como agente da passiva. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O pronome vos exemplifica um registro formal da Língua e aponta para a segunda pessoa do discurso exercendo a função sintática de:

(A) vocativo.

(B) objeto indireto.

(C) sujeito.

(D) agente da passiva.

Vos, na oração, é objeto indireto do verbo revelar – quem revela, revela algo (objeto direto – esse sentimento) a alguém (objeto indireto – vos, o mesmo que a vós). HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Ao tratar da rua, nota-se que o autor privilegia uma abordagem essencialmente:

(A) poética.

(B) técnica.

(C) objetiva.

(D) distanciada.

O texto tem a função poética prevalente, o que se nota pelos adjetivos rebuscados, as construções complexas dos períodos e o uso de metáforas para descrever a rua. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) No terceiro parágrafo, ao comparar o nascimento da rua com o do homem, o autor, em linhas gerais, quer dar destaque:

(A) à grande quantidade de homens e ruas que surgem nos grandes centros urbanos.

(B) à superioridade dos homens em relação às ruas que são por aqueles construídas.

(C) ao modo prático pelo qual ambos são projetados antes de serem realizados.

(D) ao trabalho físico, muscular, ao esforço que se percebe na concepção de ambos.

O nascimento do ser humano é um trabalho físico intenso que se desenrola durante o trabalho de parto – há dores, suor e esforço muscular forte e contínuo para que o resultado aconteça. Segundo o autor, as mesmas características podem ser encontradas na construção, ou nascimento, da rua. HS

Considere o trecho abaixo para responder às questões seguintes:

"tão modesta, tão lavada, tão risonha, que parece papaguear com o céu e com os anjos..." (3º§)

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O vocábulo tão é repetido no trecho cumprindo papel enfático e deve ser classificado, morfologicamente, como:

(A) adjetivo.

(B) pronome indefinido.

(C) advérbio.

(D) preposição.

Tão é advérbio de intensidade, que está modificando os adjetivos modesta, lavada e risonha. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) A conjunção destacada na passagem relaciona ideias e possui valor semântico de:

(A) causa.

(B) consequência.

(C) conformidade.

(D) finalidade.

A conjunção que, nesse caso, é consecutiva, isto é, exprime a ideia de consequência. Temos o fato da rua ser tão modesta, tão lavada, tão risonha e a consequência dela parecer papaguear com o céu e com os anjos. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Analisando-se a questão de forma mais ampla, ao afirmar, na última oração do texto, que a rua criou o garoto, o autor assume um posicionamento irônico e crítico uma vez que:

(A) o papel fundante de existência de garotos na rua é de ordem só familiar.

(B) a responsabilidade pelo surgimento desses garotos é da sociedade e não da rua.

(C) a palavra criar foi empregada, exclusivamente, no sentido de destinar cuidados.

(D) não é possível inferir responsabilidades pela origem dos garotos na rua.

A crítica social e a ironia do autor são evidentes no último parágrafo, construído sobre a função poética para descrever o garoto de rua, que é uma consequência de nossa sociedade e não das características da rua. HS

Texto II

Rua da Amargura

(Vinicius de Moraes)

A minha rua é longa e silenciosa como um caminho que foge

E tem casas baixas que ficam me espiando de noite

Quando a minha angústia passa olhando o alto.

A minha rua tem avenidas escuras e feias

De onde saem papéis velhos correndo com medo do vento

E gemidos de pessoas que estão eternamente à morte.

A minha rua tem gatos que não fogem e cães que não ladram

Tem árvores grandes que tremem na noite silente

Fugindo as grandes sombras dos pés aterrados.

A minha rua é soturna...

Na capela da igreja há sempre uma voz que murmura louvemos

Sozinha e prostrada diante da imagem

Sem medo das costas que a vaga penumbra apunhala. [...]

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Há uma diferença essencial no modo como os dois textos caracterizam a rua. Assim, os textos I e II, fazem, respectivamente, uma representação desse espaço que é:

(A) objetiva e subjetiva.

(B) descritiva e argumentativa.

(C) generalizante e específica.

(D) negativa e positiva.

Vimos que o primeiro texto traz uma proposta de descrever o conceito de rua, uma ideia geral do que ela significa. Neste segundo texto, o autor descreve a sua rua, ou seja, uma rua específica, determinada. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) A locução adjetiva da amargura, presente no título, caracteriza a rua, mas percebe-se que se trata da caracterização do ânimo do enunciador. Essa afirmação pode ser comprovada MELHOR pelo seguinte verso do poema:

(A) A minha rua é longa e silenciosa como um caminho que foge (v.1).

(B) Quando a minha angústia passa olhando o alto. (v. 3).

(C) E gemidos de pessoas que estão eternamente à morte. (v.6).

(D) Tem árvores grandes que tremem na noite silente (v.8).

Amargura é sinônimo de tristeza, desgosto. O verso que melhor destaca esse sentimento no eu-lírico é: "Quando a minha angústia passa olhando o alto. Note que os gemidos" do sexto verso também representam a amargura, porém esta não é do eu-lírico, mas das pessoas – logo, não atende ao que pede o enunciado. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O texto II é marcado pela presença de muitos adjetivos. Desse modo, assinale a alternativa em que a palavra destacada NÃO é um exemplo de adjetivo.

(A) "Quando a minha angústia passa olhando o alto." (v.3).

(B) "De onde saem papéis velhos correndo com medo do vento" (v.5).

(C) "Fugindo as grandes sombras dos pés aterrados." (v.9).

(D) "Sem medo das costas que a vaga penumbra apunhala." (v.13).

A única palavra destacada que não tem função de adjetivo é alto, na alternativa A, que deve ser assinalada. Nessa construção, alto é substantivo, o que fica claro pela presença do artigo definido masculino singular o. Foi usada como sinônimo de para cima. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Em E gemidos de pessoas que estão eternamente à morte.(v.6), o termo em destaque possui o acento grave. Essa presença justifica-se em função do vocábulo feminino que compõe uma locução:

(A) prepositiva.

(B) adjetiva.

(C) adverbial.

(D) conjuntiva.

Ocorre crase nas locuções adverbiais formadas com palavras femininas. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O verso De onde saem papéis velhos correndo com medo do vento (v.5) apresenta uma forma verbal no gerúndio. Tal forma nominal é caracterizada por indicar uma ação:

(A) em processo.

(B) passada concluída.

(C) hipotética.

(D) pontual, no presente.

O gerúndio é a forma verbal que representa a ação em curso, que está acontecendo no momento em que se fala. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) No décimo verso, o vocábulo destacado em A minha rua é soturna... deve ser entendido como sinônimo de:

(A) pobre.

(B) religiosa.

(C) desconhecida.

(D) melancólica.

Soturna é sinônimo de melancólica, triste, fúnebre. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Ao reescrever o verso A minha rua tem avenidas escuras e feias (v.4), haveria incorreção gramatical apenas na seguinte alternativa:

(A) A minha rua possui avenidas escuras e feias.

(B) Na minha rua, existe avenidas escuras e feias.

(C) A minha rua contém avenidas escuras e feias.

(D) Na minha rua, há avenidas escuras e feias.

A única alternativa que não atende ao padrão culto da língua é a letra B, que deve ser assinalada. Conforme a gramática normativa, o verbo existir deve concordar com avenidas, portanto deve ser flexionado no plural – existem. HS

Texto III

Em três anos, violência urbana mata mais de 120 jovens

em Rio Preto, SP

Assassinatos e acidentes de trânsito são as principais causas de morte. No Brasil, morte de jovem por homicídio cresceu mais de 200% em 30 anos.

Um estudo do centro latino-americano mostra que a violência envolvendo jovens cresceu mais de 200% nas últimas três décadas no país. Foram computados casos de mortes por homicídio e no trânsito. No noroeste paulista, as autoridades afirmam que os crimes estão controlados, mas para as famílias das vítimas, muita coisa ainda precisa ser feita para que a população se sinta segura.

No Brasil, a morte de jovens por homicídio e acidente cresceu quase 210% nos últimos 30 anos. As estatísticas fazem parte do Mapa da Violência, divulgado pelo Centro de Estudos Latino-americanos.

Apesar de em São José do Rio Preto (SP), o número de mortes ter diminuído, as estatísticas não deixam de ser preocupantes. O levantamento feito entre 2009 e 2011 mostra que durante esse período: 45 jovens foram assassinados e 83 morreram no trânsito.

O tenente da Polícia Militar Ederson Pinha explica porque pessoas de 18 a 30 anos estão entre as principais vítimas. Hoje o jovem com 18 anos já tem a carteira de habilitação e tem um veículo, além da motocicleta, que cresce com os jovens. Tem também a questão da imaturidade e inexperiência ao volante. Quando o jovem percebe que não tem essa maturidade, ele já se envolveu no acidente, afirma o tenente.

Tão preocupante quanto as mortes de jovens no trânsito é o número de acidentes provocados por eles. A imprudência, o consumo de álcool e o excesso de velocidade têm transformado veículos em verdadeiras armas nas mãos de alguns motoristas. [...]

(Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/sao-jose-do-rio-preto- aracatuba/noticia/2013/07/em-tres-anos-violencia-urbana-mata- mais-de-120-jovens-em-rio-preto-sp.html. Acesso em 23/05/18)

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) O texto III tem um caráter mais objetivo na apresentação de uma ideia. Assinale a alternativa que apresenta um elemento que não contribui para essa objetividade:

(A) Indicação de um lugar específico ao qual os fatos fazem referência.

(B) O uso de dados estatísticos que ilustram as informações apresentadas.

(C) A avaliação pessoal do jornalista em relação ao aumento da violência.

(D) O emprego de um argumento de autoridade, no caso, o do tenente da Polícia.

A objetividade do texto jornalístico decorre do uso de dados concretos, números e lugares específicos que permitem ao leitor identificar com precisão o fato que está sendo informado. Opiniões pessoais interferem nessa objetividade, justamente por serem internas ao sujeito – isto é, decorrem de suas experiências e posições políticas e sociais, sua vivência e postura diante da vida. HS

Considere o trecho abaixo para responder às questões seguintes.

"muita coisa ainda precisa ser feita para que a população se sinta segura." (1º§)

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Atente para a análise da classe gramatical do vocábulo destacado em muita coisa(1º§). Em seguida, assinale a alternativa em que se destaca um exemplo de palavra de mesma classificação morfológica.

(A) Todos estudaram bastante.

(B) Algumas pessoas chegaram atrasadas.

(C) Queria muito a sua ajuda.

(D) Ficaram bem agitados os alunos.

No trecho original, muita é adjetivo, pois foi flexionado em gênero e número para concordar com o substantivo coisa. Apenas a letra B traz palavra com função adjetiva, todas as demais são advérbios – tanto que são inflexíveis, não se alteram em gênero e número. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Em A imprudência, o consumo de álcool e o excesso de velocidade têm transformado veículos em verdadeiras armas nas mãos de alguns motoristas.(5º§), nota-se que a concordância da forma verbal é feita com:

(A) ‘o vocábulo veículos flexionado no plural.

(B) o sujeito indeterminado na 3ª pessoa.

(C) o sujeito composto que a precede.

(D) verdadeiras armas, que é sujeito posposto.

O verbo ter está conjugado na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, uma vez que foi grafado com acento circunflexo. Logo, está concordando com o sujeito composto da oração: A imprudência, o consumo de álcool e o excesso de velocidade. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) A construção Apesar de, que introduz o terceiro parágrafo, possui valor semântico:

(A) alternativo.

(B) aditivo.

(C) explicativo.

(D) concessivo.

Apesar de é locução conjuntiva concessiva, equivalente a mesmo que, embora. HS

(Soldado – PM/SE – IBFC – 2018) Todos os vocábulos abaixo, retirados do texto III, são acentuados pela mesma regra que justifica o acento da palavra violência, EXCETO:

(A) diminuído.

(B) homicídio.

(C) famílias.

(D) inexperiência.

Violência é paroxítona terminada em ditongo crescente, por isso é acentuada, assim como homicídio, famílias e inexperiência. Já diminuído, por sua vez, leva acento no i do hiato sozinho na sílaba. HS

Leia o texto para responder às questões de abaixo.

A pirataria para o brasileiro é algo tão comum que mal pensamos que este ato, na verdade, é ilegal. Nada como comprar aquele DVD pirata no camelô ou baixar um filminho no Pirate Bay para assistir com a namorada no final de semana, não é verdade? Entretanto, você já se indagou alguma vez se poderia ser punido por isso?

Existe uma lenda urbana em nosso país que define como criminoso apenas quem lucra com a pirataria digital. Em outras palavras, a crença que circula de boca em boca é que somente vendedores ambulantes, falsificadores e sites que hospedam esse tipo de conteúdo são passíveis de punição jurídica. Entretanto, não é bem assim que funciona.

O STJ já reforçou mais de uma vez que o download de obras que possuem direitos autorais configura crime. Mas por que ninguém é preso ou recebe multas? Simples: a aceitação cultural é tão grande que não existe quase nenhum tipo de fiscalização ou punição para a reprodução e distribuição deste tipo de conteúdo.

(Vinicius Munhoz, Como a pirataria é castigada em outros países do mundo? Disponível em: www.tecmundo.com.br. 14.07.2015.)

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) A partir da leitura do texto, conclui-se corretamente que o autor

(A) parte do pressuposto de que o leitor reproduz filmes piratas porque isso ainda não é crime no Brasil.

(B) dialoga com o leitor como se este considerasse comum assistir a filmes adquiridos por meio da pirataria.

(C) considera aceitável comercializar filmes piratas, contanto que o lucro da venda seja usado para pagar direitos autorais.

(D) defende que quem praticar a reprodução ilegal de filmes deve ser preso, como qualquer outro tipo de criminoso.

(E) julga adequada a maneira como o STJ tem punido exemplarmente aqueles que insistem em assistir a filmes piratas.

A: incorreta, pois o STJ já reforçou que configura crime, porém por ter alta aceitação cultural não existe quase nenhum tipo de fiscalização ou punição; B: correta, já que o leitor acredita na lenda urbana de que somente vendedores ambulantes, falsificadores e sites que hospedam esse tipo de conteúdo são passíveis de punição jurídica; C: incorreta, não há nada no texto que se configure essa afirmativa; D: incorreta, pois não há uma defesa sobre isso, há apenas a constatação de que ninguém é preso ou recebe multas; E: incorreta, a alegação é exatamente o contrário, não há punição. CD

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) O trecho do segundo parágrafo – Entretanto, não é bem assim que funciona. –, no contexto em que está inserido, apresenta uma afirmação

(A) condizente com a crença da maioria dos brasileiros.

(B) contrária ao que já foi exposto pelo STJ.

(C) a favor do comportamento de quem compra DVD pirata.

(D) divergente do que afirma o senso comum.

(E) desfavorável ao discurso que condena a pirataria.

A: incorreta, pois a conjunção Entretanto introduz uma adversidade, portanto é contrária à crença do brasileiro; B: incorreta, pois a afirmação está se referindo à crença do brasileiro; C: incorreta, pois exatamente a compra de DVD pirata é que é contrário ao que se pensa não ser ilegal; D: correta, pois a conjunção Entretanto tem valor de oposição (adversativa), por isso é contrário (divergente) ao que se afirma o senso comum de que apenas quem vende é o ilegal: E: incorreta, pois é exatamente o contrário, está se condenando a pirataria. CD

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) O termo que apresenta valor consecutivo na seguinte passagem do texto:

(A) Existe uma lenda urbana em nosso país que define como criminoso apenas quem lucra...

(B) … somente vendedores ambulantes, falsificadores e sites que hospedam esse tipo de conteúdo são passíveis de punição...

(C) Entretanto, não é bem assim que funciona.

(D) O STJ já reforçou mais de uma vez que o download de obras...

(E) ... a aceitação cultural é tão grande que não existe quase nenhum tipo de fiscalização ou punição...

A: incorreta, pois, nessa frase, é pronome relativo retomando lenda urbana equivalendo a a qual; B: incorreta, pois é pronome relativo retomando vendedores ambulantes, falsificadores e sites e equivale a os quais; C: incorreta, pois é BEM ASSIM QUE é uma locução conjuntiva ; D: incorreta, pois é conjunção integrante, introduzindo uma oração subordinada com função de objeto direto; E: correta, pois temos a causa: a aceitação cultural é grande TANTO QUE (consequentemente) não existe quase nenhum tipo de fiscalização ou punição. CD

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) Uma frase escrita em conformidade com a norma culta e coerente com o que se afirma no trecho do texto – O STJ já reforçou mais de uma vez que o download de obras que possuem direitos autorais configura crime. – é:

(A) Está sendo feito o download das obras que tem direitos autorais, embora o STJ tenha esclarecido de que é crime.

(B) O download de obras com direitos autorais constitui crime, conforme expresso reiteradamente pelo STJ.

(C) Apesar do STJ já ter avisado de que é crime fazer download de obras desrespeitando os direitos autorais, isto vêm acontecendo.

(D) Não é novidade que são criminosos, segundo o STJ, quem se dedica a fazer download de obras que dispõe de direitos autorais.

(E) Tratam-se de crimes praticar o download de obras que mantém direitos autorais, o que já foi denunciado pelo STJ.

A: incorreta, pois na frase não se afirma que está sendo feito o download, além disso a presença da preposição depois de esclarecido está incorreta, já que o termo não rege preposição; B: correta, a frase afirma que o download de obras com diretos autorais configura crime, conforme o STJ tem reforçado; C: incorreta, pois fere a norma culta, um sujeito (O STJ) não pode ser preposicionado, o verbo AVISAR não rege preposição e o verbo VIR só terá acento se estiver no plural, como o sujeito da frase em que se insere é o pronome TUDO, o verbo não tem acento, corrigindo: Apesar DE O STJ já ter avisado QUE é crime fazer download de obras que possuem direitos autorais, isto VEM acontecendo; D: incorreta, pois fere a norma culta já que o verbo dispor deve concordar com o sujeito a que se refere obras, corrigindo: Não é novidade que são criminosos, segundo o STJ, quem se dedica a fazer download de obras que dispõem de direitos autorais; E: incorreta, além de não preservar o sentido original da frase, fere a norma culta, o verbo só concorda com o sujeito e de crimes é objeto indireto do verbo TRATAR, portanto não deve ir para o plural, além disso o verbo MANTER deve ir para o plural concordando com o sujeito obras , corrigindo: Trata-se de crimes praticar o download de obras que mantêm direitos autorais, o que já foi denunciado pelo STJ. CD

Leia a tirinha para responder às questões a seguir.

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) É correto afirmar que o efeito de humor da tirinha está associado ao fato de

(A) a personagem crer que o mundo continua tão perigoso quanto antes, ainda que mais civilizado com a tecnologia.

(B) o mundo ter se tornado um lugar perigoso para se viver apenas recentemente, após os avanços promovidos pela tecnologia.

(C) o progresso promovido pela tecnologia ter reduzido os perigos do mundo, mesmo que este continue violentíssimo.

(D) a tecnologia ser apresentada como a causa para o mundo ser visto como um lugar onde sempre houve perigo.

(E) o surgimento da tecnologia aparecer como responsável por tornar o mundo um lugar mais perigoso do que já era antes.

A: incorreta, porque a personagem acha o mundo mais perigoso do que antes; B: incorreta, pois a personagem diz que o mundo sempre foi um lugar perigoso; C: incorreta, porque a personagem acha o que o progresso promovido pela tecnologia tornou o mundo perigosíssimo; D: incorreta, pois, segundo a personagem, o mundo já era perigoso antes da tecnologia; E: correta, porque está de acordo com o pensamento da personagem, o advento da tecnologia tornou o mundo perigosíssimo. CD

(Oficial – PM/SP – 2016 – VUNESP) Dois vocábulos formados a partir do mesmo processo de derivação pelo qual foi formado o termo perigosíssimo são:

(A) palestra e tecnologia.

(B) advento e tecnologia.

(C) perigoso e recentemente.

(D) palestra e recentemente.

(E) perigoso e lugar.

A palavra perigosíssimo é formada por sufixação, sendo assim, A: incorreto, pois palestra é palavra primitiva e tecnologia é formada por composição de dois radicais (do grego tekno=ofício e logía=estudo); B: incorreta, porque advento é palavra primitiva, vindo do latim adventus e tecnologia é composição (do grego tekno=ofício e logía=estudo); C: correta, pois perigoso e recentemente são formados por sufixação, respectivamente oso e mente;

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Como passar em concursos da Polícia Militar

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor