Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021)

Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021)

Ler a amostra

Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021)

Duração:
1.367 páginas
16 horas
Lançados:
17 de mai. de 2021
ISBN:
9786589533092
Formato:
Livro

Descrição

PREVIDÊNCIA SOCIAL ANOTADA 2021 – 3ª Edição – Um Livro com conteúdo móvel e videoaulas

O MAPA PREVIDENCIÁRIO

De acordo com a nova Reforma da Previdência Social (EC nº 103/2019).

Inclui a Lei 14.126, de 22/03/2021 e o Termo de Acordo – RE 1.171.152/SC

Este livro proporciona o acesso à seleção normativa e jurisprudencial, elaborada pelos seus organizadores, para a mais eficiente consulta e para o mais ágil acesso ao material jurídico necessário ao estudo, à atualização e à prática do Direito Previdenciário.

O texto é o resultado de um esforço de pesquisa e de sistematização da legislação previdenciária com anotações que indicam o sentido dos precedentes judiciais mais importantes desse âmbito do Direito.

Os objetivos fundamentais dessa obra são os de permitir que seus leitores:

A um só tempo, conheçam o sistema normativo, de forma detalhada, e o que dizem os tribunais a respeito, obtendo a compreensão de como deve ser entendida a legislação previdenciária;

Identifiquem quais teses tiveram sucesso, quais foram recusadas, e como deve se agir para a real proteção dos direitos previdenciários.

DIFERENCIAIS DA OBRA:

* Legislação previdenciária disposta de forma sistemática, com enunciados de súmulas e precedentes qualificados;
* Videoaulas de atualização, produzidas pelo Prof. José Antonio Savaris, com os temas mais importantes do Direito Previdenciário
Organização da obra realizada por dois experientes e reconhecidos previdenciaristas brasileiros, Prof. Dr. José Antonio Savaris e Prof. Mariana Amelia Flauzino Gonçalves;
* Inovação tecnológica que assegura atualização aos leitores e ampliação do conteúdo da obra por QR CODES (hiperlinks);
* Quadros comparativos e analíticos que facilitam a compreensão da evolução legislativa em matéria previdenciária e, de forma esquematizada, as mudanças promovidas pela Emenda Constitucional 103/2019.
* Principais dispositivos normativos da Constituição Federal e do Regulamento da Previdência Social, atualizado pelo Decreto 10.1410/2020, selecionados pelos autores em função de sua pertinência temática com a prática de concessão e revisão de benefícios previdenciários.
* Atualizada de acordo com a última Reforma da Previdência Social, esta 2ª Edição oferece Quadros Comparativos que facilitarão a análise da evolução legislativa e Quadros Analíticos para auxiliar a compreensão do impacto da Emenda Constitucional nº 103/2019 sobre os benefícios dos sistemas previdenciários – RGPS e RPPS.

A presente obra reflete, em suma, o que seus organizadores, profissionais experientes e especializados no direito previdenciário, entendem como necessário para o estudo e para a atuação no campo da seguridade social.

Com esses atributos, este livro se apresenta como indispensável para estudantes e igualmente para – novos ou experientes – profissionais que atuam na área previdenciária.

INCLUI

Quadros analíticos das alterações promovidas pela EC nº 103/2019 para benefícios do RGPS e do RPPS

Quadros comparativos com evolução legislativa das aposentadorias voluntárias e da pensão por morte do RGPS e seus critérios de cálculo

Principais dispositivos normativos da Constituição Federal e do Regulamento da Previdência Social.

Relação de QR Codes para acesso a conteúdo adicional

Índice Remissivo
Lançados:
17 de mai. de 2021
ISBN:
9786589533092
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021)

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021) - José Antonio Savaris

Capa

PREVIDÊNCIA

SOCIAL ANOTADA

JOSÉ ANTONIO SAVARIS

MARIANA AMELIA FLAUZINO GONÇALVES

(Organizadores)

PREVIDÊNCIA

SOCIAL ANOTADA

3ª Edição

435568.png

Curitiba – 2021

435427.png

Rua Itupava, 118 – Alto da Rua XV, CEP 80045-140 Curitiba – Paraná

Fone: (41) 3075.3238 • Email: alteridade@alteridade.com.br

www.alteridade.com.br

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO

SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

Catalogação: Meri Gleice Rodrigues de Souza – Bibliotecária CRB-7/6439

Projeto gráfico e diagramação: Know-how Desenvolvimento Editorial Ltda.

Capa: Jonny M. Prochnow

A capa contém elementos gráficos Freepik.com.

Senhor, quando te vimos com fome,

ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo,

ou na prisão, e não te servimos?

Mateus, 25:44

435732.png

NOTA DOS ORGANIZADORES

À 2ª EDIÇÃO

A decisão pela realização de mais uma nova edição da presente obra se deve à circunstância de que o ano de 2020 constituiu um período de intensa agitação normativa e jurisprudencial em matéria previdenciária e processual previdenciária, destacadamente em razão dos desafios que a crise sanitária, social e econômica derivada da Pandemia impôs ao mundo político-jurídico.

Para servir como fiel instrumento de suporte ao estudo e ao cotidiano dos operadores jurídicos são necessárias a revisão e a atualização das referências legislativas e jurisprudenciais (no âmbito do Regime Geral da Previdência Social e no do Regime Próprio de Previdência Social).

Esta nova edição se encontra atualizada em relação a todas as frentes que se propõe encarar, agregando às inovações do conteúdo móvel, proporcionado pelos QR CODES, as videoaulas de atualização que serão por nós disponibilizadas, em face de eventuais grandes alterações na legislação ou de uma movimentação especialmente importante na jurisprudência.

E seguiremos com essas atualizações até quando a sistematização das atualizações se fizer necessária, por meio de nova edição.

A publicação que a Alteridade Editora ora oferece à comunidade jurídica passou também por nova revisão de texto e de suas referências bibliográficas.

Renovamos neste espaço nossa gratidão pela gentil acolhida que nossa proposta editorial encontrou junto à comunidade jurídica.

Os autores

Curitiba, abril de 2021.

435732.png

NOTA DOS ORGANIZADORES

É com grande alegria que apresentamos à comunidade jurídica a edição atualizada de nosso Previdência Social Anotada.

O objetivo fundamental deste trabalho é o de oferecer aos seus leitores um amparo imediato e seguro para a consulta e o estudo do Direito Previdenciário contemporâneo.

A organização deste livro encarou três principais desafios. Primeiro, o de selecionar os textos normativos indispensáveis para a boa compreensão da previdência social. Segundo, o de correlacionar à legislação escolhida as decisões judiciais mais importantes, que se prestam como norte interpretativo das normas previdenciárias; Terceiro, o de estruturar o trabalho de forma didática, de modo a facilitar a sua consulta e a aprendizagem.

No plano legislativo, buscamos selecionar os textos constitucionais que disciplinam de modo fundamental os regimes de previdência social. Para melhor compreensão, o leitor terá acesso aos dispositivos constitucionais relativos aos direitos sociais, em especial aos direitos de seguridade social. A legislação infraconstitucional é composta pela Lei nº 9.717/1998, que dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência social, além dos diplomas legais que dispõem sobre a organização da Seguridade Social, instituem o Plano de Custeio e conformam o Regime Geral da Previdência Social. A Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS também é objeto de nossas anotações, tendo em conta a íntima conexão do benefício de prestação continuada com os benefícios de natureza previdenciária.

Por outro lado, é dos mais estimulantes o esforço de pesquisa, seleção e anotação dos precedentes jurisprudenciais à legislação. Exige constante acompanhamento, investigação e análise. Um labor atento que pode ser assemelhado a uma recreativa peregrinação pelo universo jurisdicional. Nosso objetivo, com as anotações, foi sempre o de municiar o leitor com o acesso a decisões que, em última análise, indicam como deve ser lida e compreendida a legislação previdenciária.

A estruturação do trabalho, por fim, orientou-se pelas seguintes perguntas: a) Como podemos tornar mais sistemático o estudo e, portanto, mais compreensível o direito previdenciário, utilizando como exclusiva base material a legislação e os precedentes judiciais qualificados? b) Quais ferramentas nos auxiliariam a tornar a consulta amigável, quiçá intuitiva? c) De que forma seria possível manter o leitor informado com os pontos fundamentais de nosso objeto de estudo, os quais seguem se movendo nas instâncias políticas e judiciais?

A jurisprudência selecionada, portanto, estará sempre relacionada a dispositivo normativo que lhe faça referência, de modo direto ou indireto. E também sempre o leitor encontrará um linha-resumo a respeito do quê, especificamente, os precedentes estão a tratar.

Tendo em conta nossos objetivos, esse trabalho não poderia prescindir de um esmiuçado índice remissivo e de informações, postas na forma de anexo, que precisam estar ao alcance de qualquer profissional ou estudante, como súmulas e julgamentos previdenciários proferidos de acordo com a sistemática de casos repetitivos, que foram exaustivamente catalogados.

Esta edição também materializa nossa inédita experiência – ou aventura – com os QR CODES, pensados para propiciar ao leitor o acesso a textos ou vídeos com conteúdos fundamentais que somente irromperam após o fechamento desta publicação.

Em suma, nosso desejo foi o de contribuir para o processo de compreensão do direito previdenciário, mediante elaboração de uma ferramenta de consulta simples, objetiva e tão completa, quanto possível.

O gentil leitor não encontrará neste texto discussões de perspectiva dogmática e tampouco há aqui incursões de cunho teórico ou metajurídico, que chegaram a ser propostas pelos organizadores deste livro em outros trabalhos.

É com essa intenção e nessa motivação que apresentamos, respeitosamente, nosso Previdência Social Anotada, em sua segunda edição.

José Antonio Savaris e Mariana Amelia Flauzino Gonçalves

SUMÁRIO

Índice de Links – Atualização

Índice de Quadros Analíticos de Benefícios (Emenda Constitucional 103/2019)

Siglas e Abreviaturas

Introdução

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Emenda Constitucional Nº 3, de 17 de Março de 1993

Emenda Constitucional Nº 20, de 15 de Dezembro de 1998

Emenda Constitucional nº 41, de 19 de dezembro de 2003

Emenda Constitucional nº 47, de 5 de julho de 2005

Emenda Constitucional nº 70, de 29 de março de 2012

Emenda Constitucional nº 88, de 7 de maio de 2015

Emenda Constitucional nº 103, de 12 de novembro de 2019

Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991

Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991

Quadro Comparativo – Evolução Legislativa da Aposentadoria por Tempo de Serviço / Aposentadoria por Tempo de Contribuição / Aposentadoria Voluntária (requisitos legais)

Quadro comparativo – Evolução Legislativa dos critérios de cálculo de Aposentadoria por Tempo de Serviço / Aposentadoria por Tempo de Contribuição / Aposentadoria Voluntária

Quadro comparativo – Evolução Legislativa da Aposentadoria por tempo de Serviço do professor / Aposentadoria por Tempo de Contribuição do Professor / Aposentadoria Voluntária do Professor (requisitos legais)

Quadro comparativo – Evolução Legislativa da Aposentadoria Especial (Requisitos Legais; Critérios para Enquadramento; Critérios de Cálculo; Meios de Prova; Conversão de Tempo de Serviço)

Quadro comparativo – Evolução Legislativa da Pensão por Morte (Requisitos Legais; Data de Início; Critério de Cálculo; Regras de Cessação)

Lei Nº 8.742, de 7 de Dezembro de 1993

Lei Nº 9.717, de 27 de Novembro de 1998

Lei Nº 9.876, de 26 de Novembro de 1999

Lei nº 10.666, de 8 de Maio de 2003

Lei Nº 10.887, de 18 de Junho de 2004

Lei Complementar Nº 142, de 8 de Maio de 2013

Lei Nº 13.982, de 2 de Abril de 2020

Lei Nº 14.126, de 22 de Março de 2021

Anexos

Regulamento da Previdência Social

Termo de Acordo no Recurso Extraordinário 1.171.152/SC

Súmulas Vinculantes do Supremo Tribunal Federal em Matéria Previdenciária

Súmulas do Supremo Tribunal Federal em Matéria Previdenciária

Súmulas do Superior Tribunal de Justiça em Matéria Previdenciária

Súmulas dos Tribunais Regionais Federais em Matéria Previdenciária

Súmulas da Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais (TNU) em Matéria Previdenciária

Teses de Casos Repetitivos do Supremo Tribunal Federal em Matéria Previdenciária

Teses de Casos Repetitivos do Superior Tribunal de Justiça em Matéria Previdenciária

Enunciados do Conselho de Recursos da Previdência Social

Lista de Siglas do INSS

Espécies de Benefícios da Previdência Social Brasileira

Valor Limite para Direito ao Auxílio-Reclusão

Histórico do Valor do Salário Mínimo e Teto para Contribuição

Códigos de Receita de Contribuição Previdenciária (GPS)

435732.png

ÍNDICE DE LINKS – ATUALIZAÇÃO

https://www.alteridade.com.br/qrcode/021/verificado.txt – Apresentação do Trabalho

https://www.alteridade.com.br/qrcode/022/Template_modelo_22 – Constituição da República de 1988

https://www.alteridade.com.br/qrcode/023/Template_modelo_23.pdf – Sistema dos Juizados Especiais Federais

https://www.alteridade.com.br/qrcode/024/Template_modelo_24.pdf – Direito Processual Previdenciário

https://www.alteridade.com.br/qrcode/025/Template_modelo_25.pdf – Lei nº 8.212, de 24.07.1991 – LCSS

https://www.alteridade.com.br/qrcode/026/Template_modelo_26.pdf – Lei nº 8.213, de 24.07.1991 – LBPS

https://www.alteridade.com.br/qrcode/027/Template_modelo_27.pdf – Ações Revisionais Previdenciárias

https://www.alteridade.com.br/qrcode/028/Template_modelo_28.pdf – Lei nº 8.742, de 07.12.1993 – LOAS

https://www.alteridade.com.br/qrcode/029/Template_modelo_29.pdf – Legislação Complementar

https://www.alteridade.com.br/qrcode/030/Template_modelo_30.pdf – Videoaulas de atualização com o Prof. José Antonio Savaris

435732.png

ÍNDICE DE QUADROS ANALÍTICOS DE BENEFÍCIOS (EMENDA CONSTITUCIONAL 103/2019)

Aposentadoria por Incapacidade Permanente (RPPS)

Aposentadoria Compulsória (RPPS)

Aposentadoria Voluntária dos Servidores em Geral (RPPS)

Aposentadoria Voluntária do Servidor Público com Deficiência

Aposentadoria dos Agentes Públicos de Segurança (RPPS)

Aposentadoria Voluntária pelo Exercício de Atividades Prejudiciais à Saúde (RPPS)

Aposentadoria Voluntária pelo Exercício do Cargo de Professor (RPPS)

Pensão por Morte – Critério de Cálculo (RPPS e RGPS)

Aposentadoria Voluntária do Segurado com Deficiência (RGPS)

Aposentadoria Voluntária pelo exercício de Atividades Prejudiciais à Saúde (Aposentadoria Especial – RGPS)

Aposentadoria Voluntária dos Segurados em Geral (RGPS)

Aposentadoria Voluntária pelo Exercício de Funções de Magistério – Professor (RGPS)

435732.png

SIGLAS E ABREVIATURAS

435732.png

INTRODUÇÃO

Reconhecendo a importância da dimensão pragmática do Direito, o presente texto materializa um trabalho voltado eminentemente ao estudo e à prática do direito previdenciário.

A opção por uma abordagem pragmática do direito previdenciário decorre da percepção de que o conhecimento desse campo jurídico é alargado quando se tem como alicerce os problemas concretos que emanam da interação do sistema normativo com a realidade do mundo em que vivemos.

Certamente que o conhecimento do direito de proteção social exige o domínio de seu sistema normativo, isto é, do conjunto de regras e princípios que conformam o sistema de seguridade social. E isso já é um verdadeiro desafio, em um contexto de constantes alterações e reformas de que é objeto nossa previdência social. Esse saber pressupõe, também por certo, o conhecimento das categorias elementares do direito da previdência e da assistência social.

Sem embargo, embora reclame o cumprimento espontâneo de suas imposições normativas, o Direito apenas deixa transparecer seu real significado no momento em que é aplicado a um determinado caso concreto, mediante atuação de um órgão jurisdicional.

Isso porque a norma é o sentido do texto legal após o ato de interpretação. A norma não diz, senão com a interpretação e a aplicação. A interpretação que determina a norma apenas é alcançada por meio da concreta resolução dos ­problemas jurídicos nela fundamentada. Em última análise, o Direito não é (não é Direito) sem se manifestar na prática e como uma prática¹.

O domínio dos textos legais, por isso, está longe de oferecer conhecimento suficiente à complexidade do direito fundamental de proteção social. Conhecer os atos normativos é um ponto de partida, mas jamais uma linha de chegada.

Com efeito, é impensável conhecer o direito previdenciário sem se atentar para as soluções judiciais que são oferecidas aos mais diversos problemas que surgem, pelo só fato da não-onipotência do legislador, pelo só fato de que o Direito não é um conjunto de normas, mas o produto da constituição da norma no caso concreto. Bem compreendido, a realização concreta do direito não se confunde com a mera aplicação de normas pressupostas, embora possa ter nessas normas os seus imediatos critérios².

Com isso em mente, projetou-se um esforço intelectual que se prestasse como imediato apoio aos profissionais da área previdenciária, oferecendo acesso ao texto legal entremeado com as principais decisões judiciais, muitas das quais já representam a última palavra às inquietações mais presentes no cotidiano do previdenciarista.

O texto congrega os mais importantes textos legislativos em matéria previdenciária e a jurisprudência consolidada a ele correlata. Não se trata de uma legislação anotada, para que cada artigo fosse objeto de apontamento jurisprudencial, mas de um inventário de orientações jurisprudenciais que se pode perceber como definitivas e que oferecem respostas aos temas mais importantes, transversais e estruturais.

O objetivo deste livro é contextualizar profissionais e estudantes no universo das problemáticas já suscitadas para a melhor compreensão do sistema normativo da previdência social.

O direito previdenciário segue sendo alterado pelo legislador em nível constitucional e infraconstitucional. Ele também segue sendo construído pela jurisprudência, naquilo que o define e lhe dá mais precisão, ainda que ao tempo em que ela ofereça resposta definitiva a determinadas questões, outras perguntas apareçam.

O presente trabalho espelha, portanto, o direito previdenciário contemporâneo, esse terreno movediço, de conhecimento por vezes espinhoso, mas sedutor, cujo acesso com essa obra pretendemos favorecer.

1 NEVES, Antonio Castanheira. Metodologia jurídica: problemas fundamentais. Coimbra: Coimbra, 1993. p. 25.

2 NEVES, Antonio Castanheira. Metodologia jurídica: problemas fundamentais. Coimbra: Coimbra, 1993. p. 17.

435732.png

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA

FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

PREÂMBULO

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

TÍTULO I

Dos Princípios Fundamentais

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I – a soberania;

II – a cidadania;

III – a dignidade da pessoa humana;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V – o pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II – garantir o desenvolvimento nacional;

III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

...

TÍTULO II

Dos Direitos e Garantias Fundamentais

...

CAPÍTULO II

DOS DIREITOS SOCIAIS

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 90/2015)

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;

II – seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;

III – fundo de garantia do tempo de serviço;

IV – salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;

V – piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho;

VI – irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo;

VII – garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável;

VIII – décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria;

IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;

X – proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa;

XI – participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da empresa, conforme definido em lei;

XII – salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20/1998)

XIII – duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho;

XIV – jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva;

XV – repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos;

XVI – remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinquenta por cento à do normal;

XVII – gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal;

XVIII – licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias;

XIX – licença-paternidade, nos termos fixados em lei;

XX – proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei;

XXI – aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei;

XXII – redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança;

XXIII – adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;

XXIV – aposentadoria;

XXV – assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53/2006)

XXVI – reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho;

XXVII – proteção em face da automação, na forma da lei;

XXVIII – seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;

XXIX – ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28/2000)

a) (Revogada). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28/2000)

b) (Revogada). (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28/2000)

XXX – proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil;

XXXI – proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência;

XXXII – proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos;

XXXIII – proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20/1998)

XXXIV – igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso.

Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a simplificação do cumprimento das obrigações tributárias, principais e acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiaridades, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e XXVIII, bem como a sua integração à previdência social. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 72/2013)

Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte:

I – a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas ao Poder Público a interferência e a intervenção na organização sindical;

II – é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à área de um Município;

III – ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas;

IV – a assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista em lei;

V – ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato;

VI – é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações coletivas de trabalho;

VII – o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado nas organizações sindicais;

VIII – é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a partir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.

Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à organização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores, atendidas as condições que a lei estabelecer.

Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.

§ 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e disporá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

§ 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas da lei.

Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e empregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus interesses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão e deliberação.

Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empregados, é assegurada a eleição de um representante destes com a finalidade exclusiva de promover-lhes o entendimento direto com os empregadores.

...

TÍTULO III

Da Organização do Estado

...

CAPÍTULO II

DA UNIÃO

...

Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:

...

XXI – normas gerais de organização, efetivos, material bélico, garantias, convocação, mobilização, inatividades e pensões das polícias militares e dos corpos de bombeiros militares; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

...

XXIII – seguridade social;

...

Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas neste artigo.

...

Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

...

XII – previdência social, proteção e defesa da saúde;

...

XIV – proteção e integração social das pessoas portadoras de deficiência;

...

§ 1º No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.

§ 2º A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados.

§ 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.

§ 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.

...

CAPÍTULO VII

DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Seção I

Disposições Gerais

Art. 37. [...]

XI – a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsidio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41/2003)

§ 13. O servidor público titular de cargo efetivo poderá ser readaptado para exercício de cargo cujas atribuições e responsabilidades sejam compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental, enquanto permanecer nesta condição, desde que possua a habilitação e o nível de escolaridade exigidos para o cargo de destino, mantida a remuneração do cargo de origem. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

§ 14. A aposentadoria concedida com a utilização de tempo de contribuição decorrente de cargo, emprego ou função pública, inclusive do Regime Geral de Previdência Social, acarretará o rompimento do vínculo que gerou o referido tempo de contribuição. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

§ 15. É vedada a complementação de aposentadorias de servidores públicos e de pensões por morte a seus dependentes que não seja decorrente do disposto nos §§ 14 a 16 do art. 40 ou que não seja prevista em lei que extinga regime próprio de previdência social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

Art. 38. [...]

V – na hipótese de ser segurado de regime próprio de previdência social, permanecerá filiado a esse regime, no ente federativo de origem. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

Seção II

Dos Servidores Públicos (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18/1998)

Art. 39. [...]

§ 9º É vedada a incorporação de vantagens de caráter temporário ou vinculadas ao exercício de função de confiança ou de cargo em comissão à remuneração do cargo efetivo. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

Art. 40. O regime próprio de previdência social dos servidores titulares de cargos efetivos terá caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo ente federativo, de servidores ativos, de aposentados e de pensionistas, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

§ 1º O servidor abrangido por regime próprio de previdência social será aposentado: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

I – por incapacidade permanente para o trabalho, no cargo em que estiver investido, quando insuscetível de readaptação, hipótese em que será obrigatória a realização de avaliações periódicas para verificação da continuidade das condições que ensejaram a concessão da aposentadoria, na forma de lei do respectivo ente federativo; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103/2019)

Seta_direita

ver art. 10, § 1º, II, da EC 103/2019, para regra transitória da aposentadoria por incapacidade permanente – que estabeleceu os requisitos para concessão dessa prestação e terá vigência até que lei federal discipline os benefícios do regime próprio de previdência social dos servidores da União;

Seta_direita

ver art. 26, caput e § 2º, II, c/c art. 10, § 4º, da EC 103/2019, para regra transitória de cálculo da aposentadoria por incapacidade permanente no RPPS da União;

Seta_direita

ver art. 26, caput e § 3º, II, c/c art. 10, § 4º, da EC 103/2019, para regra transitória de cálculo da aposentadoria por incapacidade permanente quando decorrer de acidente de trabalho, de doença profissional e de doença do trabalho, no RPPS da União.

II – compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, aos 70 (setenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta e cinco) anos de idade, na forma de lei complementar; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 88/2015)

Seta_direita

ver art. 10, § 1º, III, da EC 103/2019, para regra transitória da aposentadoria compulsória no RPPS, vigente até que lei discipline os benefícios do regime próprio de previdência social dos servidores da União;

Seta_direita

ver art. 26, § 4º, da EC 103/2019, para regra transitória de cálculo da aposentadoria por compulsória no RPPS da União.

III – no âmbito da União, aos 62 (sessenta e dois) anos de idade, se mulher, e aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, na idade mínima estabelecida mediante emenda às respectivas Constituições e Leis

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Previdência Social Anotada 3a Ed. (2021)

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor