Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Conhecimento escolar e luta de classes: a pedagogia histórico-crítica contra a barbárie

Conhecimento escolar e luta de classes: a pedagogia histórico-crítica contra a barbárie

Ler a amostra

Conhecimento escolar e luta de classes: a pedagogia histórico-crítica contra a barbárie

Duração:
518 páginas
11 horas
Lançados:
24 de ago. de 2021
ISBN:
9786588717295
Formato:
Livro

Descrição

"O livro de Dermeval Saviani e Newton Duarte expressa a concepção de conhecimento escolar mais avançada que interessa à classe trabalhadora na luta contra a barbárie e a desumanização, que negam ou anulam direitos universais básicos, e, portanto, interessa na luta pela superação do sistema capitalista que estruturalmente as produziu. Um livro certamente indispensável na formação de professores nas licenciaturas das universidades e dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia, mas não só. Indispensável na formação de quadros dos movimentos sociais e culturais da classe trabalhadora do campo e da cidade, na formação sindical e dos partidos políticos. Os quinze capítulos podem ser discutidos em conjunto num curso ou separadamente, em seminários, pois cada um trata de aspectos que incidem sobre o conhecimento que interessa na luta de classe.

No fim da apresentação, os autores indicam que o caminho proposto pela pedagogia histórico-crítica implica decidir-se entre a escolha de "se submeter ao ilusoriamente mais cômodo jugo da ignorância ou assumir os riscos da busca de conhecimento sobre o mundo, a vida e sobre si mesmo". Trata-se de uma proposta a ser construída coletivamente pari passu com a luta de classe nos pequenos e grandes desafios. A Comuna de Paris, 150 anos depois, não foi e não será em vão!"
[Gaudêncio Frigotto]
Lançados:
24 de ago. de 2021
ISBN:
9786588717295
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Conhecimento escolar e luta de classes

Leia mais de Dermeval Saviani

Livros relacionados

Artigos relacionados

Amostra do livro

Conhecimento escolar e luta de classes - Dermeval Saviani

Dermeval Saviani & Newton Duarte

O SENTIDO DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO HUMANA

Pode-se considerar como consensual a definição da educação como formação humana. A questão, portanto, que necessita ser examinada é em que consiste a formação humana. Ao admitir que determinados homens, as crianças e os jovens, são formados por outros homens, os adultos, cabe verificar se isso é possível e, em caso positivo, se é legítimo. Estamos aí diante de uma questão filosófica por excelência, ligada aos problemas da possibilidade, da legitimidade, do valor e dos limites das ações humanas.

No livro Educação brasileira: estrutura e sistema (SAVIANI, 2021b), cuja primeira edição data de 1973, empreendeu-se a análise da estrutura do homem visando resolver os problemas da possibilidade, da legitimidade, do valor e dos limites da educação, à semelhança do que fizera Immanuel Kant com a questão do conhecimento.

A educação revelava-se impossível na medida em que fossem levados em conta apenas os elementos que caracterizam a estrutura do homem em seu aspecto empírico. Ou seja, uma vez constatado que o homem é um ser situado, determinado pelas condições dos meios natural e cultural, escapa-lhe a possibilidade de realização do ato educativo.

No entanto a análise do aspecto pessoal, isto é, da liberdade, mostrava o homem como um ser que, embora situado, se revelava capaz de intervir pessoalmente na situação para aceitar, rejeitar ou transformar. Enquanto ser livre, ele mostrava-se capaz de optar e tomar decisões. Esse aspecto já permitia responder positivamente à questão da possibilidade da educação. Se o homem é livre e capaz de intervir na situação, então ele pode intervir na vida das novas gerações para educá-las. Mas ficava sem solução o problema da legitimidade da educação: com que direito o educador vai interferir na vida do educando se este, como ele, é igualmente livre, porque também pertencente ao gênero humano?

A análise do aspecto intelectual, isto é, da consciência, revela que o homem não se mantém preso às suas condições situacionais nem pessoais. Ele é capaz de transcender a situação, assim como as opções e os pontos de vista pessoais, para se colocar na perspectiva universal, entrando em comunicação com os outros e reconhecendo suas condições situacionais, suas opções e suas próprias opiniões. Funda-se, aí, a legitimidade da educação, que emerge, então, como a comunicação entre pessoas livres em graus diferentes de maturação humana. Nessa formulação o valor da educação se expressa como promoção do homem. Enunciamos, então, uma primeira definição de educação: a educação, enquanto comunicação entre pessoas livres em graus diferentes de maturação humana, é promoção do homem, de parte à parte, ou seja, tanto do educando como do educador.

A formação humana coincide, nessa acepção, com o processo de promoção humana levado a efeito pela educação. Dessa forma, a filosofia da educação cumpre o papel preliminar de estabelecer a própria identidade de seu objeto, isto é, a educação.

Determinado o objeto, entre as várias funções da filosofia da educação, tais como o esclarecimento das formas de abordagem, a referência aos clássicos, a diferenciação das concepções pedagógicas e a clareza conceitual e terminológica, destaca-se a vigilância crítica. Esta atribui à filosofia da educação a tarefa precípua de acompanhar reflexiva e criticamente a atividade educacional, de modo a explicitar os seus fundamentos, aclarar a contribuição das diversas disciplinas pedagógicas e avaliar o significado das soluções escolhidas. Explicitam-se, por esse caminho, o valor e os limites da ação educativa.

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO, A FORMAÇÃO HUMANA E A SITUAÇÃO ATUAL

Se admitirmos que a tarefa de vigilância crítica da filosofia da educação corresponde ao caráter da filosofia como uma reflexão radical, rigorosa e de conjunto sobre os problemas que a realidade apresenta, cumpre voltarmos os olhos para a realidade atual para vermos qual é sua nota distintiva.

Como se caracteriza a situação atual? Constatamos que é mais ou menos recorrente o entendimento de que a situação atual é caracterizada, de forma genérica, pela crise de paradigmas. Ora, é também recorrente a ideia de que as situações de crise são épocas propícias para a filosofia, já que obriga a compreender as raízes da crise e pensar alternativas à sua superação. Mas, independentemente das crises, parece mais ou menos evidente a importância da filosofia para a formação do homem e, por consequência, também para a formação do educador.

Com efeito, se a educação é uma atividade específica dos seres humanos, se ela coincide com o processo de formação humana, isso significa que o educador digno desse nome deverá ser um profundo conhecedor do homem.

A filosofia é a forma mais elaborada do grau mais elevado de compreensão do homem atingido pelo próprio homem. Antonio Gramsci (1978, p. 34-35) dizia que a filosofia é uma especialidade que interessa a todos os homens. Enquanto as especialidades, de modo geral – veja-se o exemplo da entomologia –, interessa a uma pequena parcela de homens, a filosofia trata daquilo que é a qualidade humana por excelência, isto é, o pensamento, razão pela qual ela interessa a todos. Por isso, o pensador italiano entendia que todos os homens são filósofos, porque todos pensam, elaboram os próprios pensamentos e expressam a compreensão que têm de si mesmos e das coisas. Esclarecia, entretanto, que, se todos os homens são filósofos, nem todos exercem, na sociedade, a função de filosofar. Daí, então, os especialistas em filosofia, que, contudo, se dedicam a uma especialidade que interessa não apenas a poucos homens, mas a todos, à humanidade em seu conjunto.

O conteúdo da filosofia é a história, ou seja, a produção da própria existência humana no tempo. Assim, podemos concluir que a filosofia e a história da educação constituem o núcleo duro da formação do educador.

Entretanto, se o conteúdo da filosofia é a história, o método de filosofar pode elidir a história ao fazer abstração de seu movimento concreto e convertê-la em ideias que se justificam por si mesmas, se movimentam de forma autônoma e, na sua formulação mais extrema, se transformam em geradoras do próprio mundo real. Esse modo de filosofar é conhecido pelo nome de metafísica.

O antídoto ao modo metafísico de filosofar é a historicização, ou seja, a concepção que toma a história não apenas como o conteúdo da filosofia, mas também como o seu método, que unifica na história o conteúdo e a forma da filosofia.

Com base nessas premissas, podemos analisar a situação atual e a crise que a configura.

FENOMENOLOGIA DA ÉPOCA ATUAL

As ideias que hoje parecem ser hegemônicas se manifestam como expressão de crise na medida em que não se afirmam positivamente, mas se expressam como negação daquilo que é denominado metafísica do sujeito, característica da modernidade. Daí a crítica à razão, à consciência, às noções de verdade e de objetividade, à substituição da epistemologia pela linguística e da lógica pela semântica, chegando-se à conclusão de que não faz sentido falar de conhecimento das coisas, já que tudo se resume a jogos de linguagem. Mas dizer que tudo é linguagem não é um enunciado metafísico? Isso é afirmado precisamente, no entanto, como forma de se contrapor à metafísica, que teria caracterizado as concepções filosóficas anteriores, de maneira especial aquela da modernidade.

Nesse contexto, o século XX parece um parêntesis histórico, uma espécie de sonho (para os socialistas) ou um pesadelo (para a burguesia) de que o capitalismo seria ultrapassado, cedendo lugar a uma sociedade socialista. Acordamos no fim desse século, os primeiros com a desilusão de que este fora apenas um sonho e os segundos com o alívio de que tinha sido somente um pesadelo, e retomaram-se as críticas à razão que haviam marcado as principais tendências filosóficas da passagem do século XIX para o XX, como se este último século não tivesse existido. Retomemos o fio da história para tentar dissipar essas falácias filosóficas.

A ideia de que a metafísica é algo que está além da física, entendido esse além como algo que a ultrapassa porque a precede e a fundamenta, deriva de uma leitura de Aristóteles que não corresponde nem à forma como se desenvolveram os estudos desse filósofo nem ao modo como foram dispostos os seus escritos. Com efeito, os estudos sobre a física precederam os da metafísica, cujo nome, por sua vez, deriva do fato de que, na organização da obra de Aristóteles, foram chamados de metafísicos aqueles postos depois dos escritos sobre a física.

Por outro lado, sabemos também que foi a física aristotélica, de caráter ptolomaico, que esteve na base da sua metafísica. Tanto assim que, com a substituição da física ptolomaica pela física de Copérnico, no fim da Idade Média, a metafísica aristotélica veio a ruir, o que fez emergir a necessidade de uma nova metafísica, de base copernicana. Essa foi a tarefa a que se impôs René Descartes, tendo-a formulado em Discurso do método, obra que inaugurou a filosofia moderna, e dando-lhe uma forma acabada em Meditações sobre filosofia primeira.

A metafísica dos tempos antigos e medievais, isto é, a metafísica aristotélica, era uma metafísica do objeto (ou objetivista). Em contrapartida, a metafísica da modernidade consistia em uma metafísica do sujeito (ou subjetivista).

De qualquer maneira, não procede a afirmação de que a metafísica é um pensamento substantivador, ou seja, que atribui às suas ideias centrais o caráter de substância, de uma coisa que se sustenta em si e por si. Esse entendimento tem levado a se ponderar que a metafísica da modernidade, por ser uma metafísica do sujeito, consideraria o sujeito como uma substância, como algo que subsiste em si e por si.

A história da filosofia moderna pode ser lida como a história da erosão da noção de substância, isto é, como um processo que começou admitindo a ideia de substância, mas progressivamente a eliminou.

Com efeito, se a referida afirmação é válida para Descartes, para quem o sujeito era res cogitans – uma coisa pensante –, e o objeto, uma res extensa – uma coisa material –, ela é só parcialmente válida no caso de George Berkeley, em cujo pensamento já não há lugar para as substâncias materiais, restando apenas a substância espiritual; e, finalmente, já não tem nenhuma validade em relação a Kant, para quem a própria noção de sujeito transcendental tampouco possui caráter substantivo, reduzindo-se à mera função de conhecimento.

As ideias hoje hegemônicas, ao mesmo tempo em que situam o marxismo como um pensamento próprio da modernidade, portanto, marcado pela metafísica do sujeito, o criticam por ter se limitado a análises totalizantes, objetivantes, sociologizantes, não deixando espaço para os indivíduos, para os sujeitos nem para os aspectos psicológicos.

Faz-se preciso, pois, restabelecer o entendimento de que o pensamento de Marx é caracteristicamente antimetafísico, manifestando-se provavelmente como a forma mais acabada de um modo de filosofar que unifica, na história, o conteúdo e a forma da filosofia. É, assim, uma filosofia ao mesmo tempo histórica e historicizadora, em que estão em causa não os indivíduos ou sujeitos abstratos, mas os indivíduos reais, sujeitos históricos que se constituem como síntese de relações sociais.

Por isso, diante do neopragmatismo que hoje busca reabilitar o pragmatismo alçando-o, pela via da filosofia analítica, à condição de pensamento hegemônico, conviria retomar as teses de Marx sobre Ludwig Feuerbach (MARX, s.d.b, p. 9-13). Poderíamos dizer que a tese 2, por exemplo, tem pontos de contato com o pragmatismo quando afirma:

O problema da possibilidade de atribuir ao pensamento humano uma verdade objetiva não é um problema teórico, mas sim um problema prático. É na prática que o homem deve demonstrar a verdade, ou seja, a realidade e o poder do seu pensamento. A controvérsia em torno da realidade ou irrealidade do pensamento – isolado da prática – é um problema puramente escolástico [MARX, s.d.b, p. 10, grifo do original].

Isso é também reforçado pela tese 8: "Toda a vida social é essencialmente prática. Todos os mistérios que desembocam na teoria do misticismo encontram solução racional na prática humana e na compreensão dessa prática" (MARX, s.d.b, p. 12, grifo do original).

Mas o limite do pragmatismo consiste em não tomar essa prática enquanto prática humana histórica, como está explicitado na tese 6:

Feuerbach dissolve a essência religiosa na essência humana. Mas a essência humana não é uma abstração imanente ao indivíduo isolado. Na realidade, é o conjunto das relações sociais. Feuerbach, não entrando na crítica desta essência real, vê-se por isso obrigado: 1º - a prescindir do processo histórico, considerando o sentimento religioso em si e pressupondo um indivíduo humano abstrato, isolado. 2º - a essência só pode conceber-se, por conseguinte, de um modo genérico, como uma generalidade interna, silenciosa, que una de um modo natural muitos indivíduos [MARX, s.d.b, p. 11-12, grifos do original].

Poderíamos, pois, aplicar ao neopragmatismo o conteúdo da tese 7: Feuerbach não vê, portanto, que o ‘sentimento religioso’ é, por sua vez, um produto social, e que o indivíduo abstrato por ele analisado pertence a uma determinada forma de sociedade (MARX, s.d.b, p. 12), tese esta traduzida ou, para ficar em seu universo vocabular, redescrita nos seguintes termos: O neopragmatismo não vê, portanto, que o comportamento dos indivíduos, em geral, e o ‘comportamento linguístico’, em particular, é, por sua vez, um produto social, e que o indivíduo falante abstrato por ele analisado pertence a uma determinada forma de sociedade (MARX, s.d.b, p. 12).

Logo, para compreender o modo de ser do homem, isto é, para entender como ele se forma historicamente, nada melhor do que um modo de filosofar que tenha a história como conteúdo e forma. Esse modo de filosofar, como já foi assinalado, atinge sua expressão mais elaborada com o marxismo. Cumpre, pois, retomar a contribuição de Marx na discussão do problema da formação do ser humano em sua manifestação histórica concreta sob a forma social capitalista.

PERSPECTIVA HISTÓRICO-ONTOLÓGICA DA FORMAÇÃO HUMANA

A perspectiva histórico-ontológica da formação humana faz-se presente ao longo de toda a obra de Karl Marx. Diante dos limites de espaço deste texto, optamos por analisar a formação humana em um dos trabalhos do autor, os Manuscritos econômico-filosóficos, de 1844 (MARX, 2008), sem perder de vista as relações entre esse escrito juvenil de Marx e o restante de sua obra.

Nos Manuscritos, a formação humana é analisada na relação entre o processo histórico de objetivação do gênero humano e a vida do indivíduo como um ser social. O que faz do indivíduo um ser genérico, ou seja, um representante do gênero humano, é a atividade vital, a qual é definida por Marx como aquela que assegura a vida de uma espécie. No caso dos seres humanos, sua atividade vital, que é o trabalho, distingue-se daquelas de outras espécies vivas por ser uma atividade consciente e que se objetiva em produtos que passam a ter funções definidas pela prática social. Por meio do trabalho, o ser humano incorpora, de forma historicamente universalizadora, a natureza no campo dos fenômenos sociais. Nesse processo as necessidades humanas se ampliam, ultrapassando o nível das necessidades de sobrevivência e surgindo necessidades propriamente sociais.

Esclareçamos, porém, um pouco mais, o processo de objetivação do ser humano que ocorre na atividade. A forma básica e primeira de atividade humana é a de transformação da natureza. O produto do trabalho é, ao mesmo tempo, a realização de um objetivo previamente existente na mente humana e a transformação da atividade dos sujeitos em propriedades dos objetos:

Precisamente por isso, na elaboração do mundo objetivo [é que] o homem se confirma, em primeiro lugar e efetivamente, como ser genérico. Esta produção é a sua vida genérica operativa. Através dela a natureza aparece como a sua obra e a sua efetividade (Wirklichkeit). O objeto do trabalho é portanto a objetivação da vida genérica do homem: quando o homem se duplica não apenas na consciência, intelectual [mente], mas operativa, efetiva [mente], contemplando-se, por isso, a si mesmo num mundo criado por ele [MARX, 2008, p. 85, grifos do original].

No longo período da história social marcado pela divisão das sociedades em classes antagônicas, as relações de produção existentes entre as classes fundamentais caracterizaram-se pela divisão social do trabalho, acarretando que a objetivação do ser humano e a apropriação dos resultados dessa objetivação ocorressem sob formas que impediram que a totalidade da riqueza material e não material fosse posta a serviço da realização e do desenvolvimento da totalidade dos seres humanos.

Nas sociedades divididas em classes antagônicas, os resultados da produção material realizada pelas classes dominadas beneficiam as classes dominantes. No caso da sociedade capitalista, uma parcela considerável dos produtos da atividade de trabalho é incorporada no capital. Ou seja, a apropriação dos produtos da atividade humana dá-se sob uma forma social que aliena esses produtos da classe que os produz:

A efetivação do trabalho tanto aparece como desefetivação que o trabalhador é desefetivado até morrer de fome. A objetivação tanto aparece como perda do objeto que o trabalhador é despojado dos objetos mais necessários não somente à vida, mas também dos objetos de trabalho. Sim, o trabalho mesmo se torna um objeto, do qual o trabalhador só pode se apossar com os maiores esforços e com as mais extraordinárias interrupções. A apropriação do objeto tanto aparece como estranhamento (Entfremdung) que, quanto mais objetos o trabalhador produz, tanto menos pode possuir e tanto mais fica sob o domínio do seu produtor, do capital [MARX, 2008, p. 80-81].

Ocorre que não há outra maneira de o indivíduo humano formar-se e desenvolver-se como ser genérico senão pela dialética entre a apropriação da atividade humana objetivada no mundo da cultura (aqui entendida como tudo aquilo que o ser humano produz em termos materiais e não materiais) e a objetivação da individualidade por meio da atividade vital, isto é, do trabalho. Na sociedade capitalista o trabalho produz riqueza objetiva e subjetiva, mas nem uma nem outra podem ser plenamente apropriadas por aqueles que trabalham:

(O estranhamento do trabalhador em seu objeto, pelas leis nacional-econômicas, em que quanto mais o trabalhador produz, menos tem para consumir; que quanto mais valores cria, mais sem-valor e indigno ele se torna; quanto mais bem formado o seu produto, tanto mais deformado ele fica; quanto mais civilizado seu objeto, mais bárbaro o trabalhador; que quanto mais poderoso o trabalho, mais impotente o trabalhador se torna; quanto mais rico de espírito o trabalho, mais pobre de espírito e servo da natureza se torna o trabalhador.) […] O trabalho produz maravilhas para os ricos, mas produz privação para o trabalhador. Produz palácios, mas cavernas para o trabalhador. Produz beleza, mas deformação para o trabalhador. Substitui o trabalho por máquinas, mas lança uma parte dos trabalhadores de volta a um trabalho bárbaro e faz da outra parte máquinas. Produz espírito, mas produz imbecilidade, cretinismo para o trabalhador [MARX, 2008, p. 82].

Para Marx, a superação positiva da propriedade privada, ou seja, a superação da sociedade capitalista, não significaria a abolição do trabalho, nem mesmo o abandono da riqueza material e espiritual produzida pelo trabalho alienado, mas sim a superação dessa forma histórica da atividade humana que é o trabalho alienado pela sua transformação em autoatividade. Isso significa uma mudança de quatro aspectos da atividade humana: a relação do sujeito com os resultados da atividade humana, a relação do sujeito com sua própria atividade, a relação do sujeito consigo mesmo como ser genérico, isto é, representante do gênero humano, e a relação do sujeito com os outros sujeitos.

O produto do trabalho contém a atividade humana nele fixada. Ele é a objetivação do trabalho, a atividade transformada em objeto: "A efetivação (Verwirklichung) do trabalho é sua objetivação" (MARX, 2008, p. 80). Nesse sentido, o produto do trabalho consiste na realização efetiva do sujeito, na transformação da atividade do sujeito em um objeto social. Mas, nas condições em que o trabalho ocorre na sociedade capitalista, o produto do trabalho é uma mercadoria que pertence ao capital.

Nossa interpretação da terminologia e dos conceitos empregados por Marx nos Manuscritos econômico-filosóficos é a de que, nessa obra, há uma diferença decisiva entre objetivação (Vergegenständlichung) e exteriorização (Entäusserung). O primeiro desses conceitos, ou seja, o de objetivação, refere-se a um processo necessário à humanização tanto do mundo externo quanto dos próprios seres humanos. Poderia parecer, à primeira vista, que objetivação fosse a mesma coisa que exteriorização, mas ao menos nos Manuscritos econômico-filosóficos Marx parece empregar o termo Entäusserung como uma das características do processo de alienação ou estranhamento. Isso fica bastante claro na seguinte passagem, que citamos em toda sua extensão para não deixar dúvidas:

Em que consiste, então, a exteriorização (Entäusserung) do trabalho? Primeiro, que o trabalho é externo (äusserlich) ao trabalhador, isto é, não pertence ao seu ser, que ele não se afirma, portanto, em seu trabalho, mas nega-se nele, que não se sente bem, mas infeliz, que não desenvolve nenhuma energia física e espiritual livre, mas mortifica sua physis e arruína o seu espírito. O trabalhador só se sente, por conseguinte e em primeiro lugar, junto a si [quando] fora do trabalho e fora de si [quando] no trabalho. O seu trabalho não é portanto voluntário, mas forçado, trabalho obrigatório. O trabalho não é, por isso, a satisfação de uma carência, mas somente um meio para satisfazer necessidades fora dele. Sua estranheza (Fremdheit) evidencia-se aqui [de forma] tão pura que, tão logo inexista coerção física ou outra qualquer, foge-se do trabalho como de uma peste. O trabalho externo, o trabalho no qual o homem se exterioriza, é um trabalho de auto-sacrifício, de mortificação. Finalmente, a externalidade (Äusserlichkeit) do trabalho aparece para o trabalhador como se [o trabalho] não fosse seu próprio, mas de um outro, como se [o trabalho] não lhe pertencesse, como se ele no trabalho não pertencesse a si mesmo, mas a um outro. Assim como na religião a auto-atividade da fantasia humana, do cérebro e do coração humanos, atua independentemente do indivíduo e sobre ele, isto é, como uma atividade estranha, divina ou diabólica, assim também a atividade do trabalhador não é a sua auto-atividade. Ela pertence a outro, é a perda de si mesmo [MARX, 2008, p. 82-83, grifos do original].

A objetivação, que é a única forma de o ser humano efetivar-se, desenvolver-se, torna-se alienante, mas isso não significa, de maneira nenhuma, que necessariamente a objetivação produza alienação. As relações sociais capitalistas é que transformam aquilo que seria humanização em seu oposto, ou seja, em alienação. Elas transformam, conforme anteriormente citado, a realização efetiva do trabalho em desefetivação do trabalhador, a objetivação em perda do objeto e em servidão ao mesmo tempo, posto que o objeto assume a forma de capital.

Se, no futuro, a humanidade vier a construir uma sociedade verdadeiramente comunista, terão sido superadas as relações capitalistas de produção e o mundo resultante da objetivação deixará de ser alheio, inimigo e hostil no que se refere ao indivíduo e passará a ser a confirmação de sua individualidade: Consequentemente, quando, por um lado, para o homem em sociedade a efetividade objetiva (gegenständliche Wirklichkeit) se torna em toda parte efetividade das forças essenciais humanas (menschliche Wesenskräfte) enquanto efetividade humana e, por isso, efetividade de suas próprias forças essenciais, todos os objetos tornam-se [a] objetivação de si mesmo para ele, objetos que realizam e confirmam sua individualidade enquanto objetos seus, isto é, ele mesmo torna-se objeto [MARX, 2008, p. 110, grifos do original].

Isso porque na sociedade comunista a forma de apropriação do objeto do trabalho se modifica radicalmente em comparação com a da sociedade capitalista, na qual as relações dos seres humanos com o mundo são reduzidas a uma única forma de apropriação: o ter, a posse imediata. "A propriedade privada nos fez tão cretinos e unilaterais que um objeto somente é o nosso [objeto] se o temos, portanto, quando existe para nós como capital ou é por nós imediatamente possuído, comido, bebido, trazido em nosso corpo, habitado por nós etc., enfim, usado" (MARX, 2008, p. 108, grifos do original).

A superação dessa unilateralidade ocorrerá, na sociedade comunista, pela transformação da apropriação em um processo de apropriação omnilateral.

O homem se apropria da sua essência omnilateral de uma maneira omnilateral, portanto como um homem total. Cada uma das suas relações humanas com o mundo, ver, ouvir, cheirar, degustar, sentir, pensar, intuir, perceber, querer, ser ativo, amar, enfim todos os órgãos da sua individualidade, assim como os órgãos que são imediatamente em sua forma como órgãos comunitários […] são no seu comportamento objetivo ou no seu comportamento para com o objeto a apropriação do mesmo, a apropriação da efetividade humana; seu comportamento para com o objeto é o acionamento da efetividade humana (por isso ela é precisamente tão multíplice (vielfach) quanto multíplices são as determinações essenciais e atividades humanas), eficiência humana e sofrimento humano, pois o sofrimento, humanamente apreendido, é uma autofruição do ser humano [MARX, 2008, p. 108, grifos do original].

Assim, superadas as relações sociais alienadas, mudam radicalmente as relações dos seres humanos tanto com os produtos já existentes na cultura como com os produtos gerados pelas atividades dos indivíduos. A objetivação que o indivíduo realiza por meio de sua atividade passa a ser um processo no qual sua individualidade se transforma em objeto social, objeto que realiza o indivíduo e enriquece os demais seres humanos. Igualmente, a apropriação dos objetos sociais já existentes na cultura forma o indivíduo como ser humano:

Os sentidos do homem social são sentidos outros que não os do não social; [é] apenas pela riqueza objetivamente desdobrada da essência humana que a riqueza da sensibilidade humana subjetiva, que um ouvido musical, um olho para a beleza da forma, em suma as fruições humanas todas se tornam sentidos capazes, sentidos que se confirmam como forças essenciais humanas, em parte recém cultivados, em parte recém engendrados. Por isso não só os cinco sentidos, mas também os assim chamados sentidos espirituais, os sentidos práticos (vontade, amor etc.), numa palavra o sentido humano, a humanidade dos sentidos, vem a ser primeiramente pela existência do seu objeto, pela natureza humanizada. A formação dos cinco sentidos é um trabalho de toda a história do mundo até aqui [MARX, 2008, p. 110, grifos do

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Conhecimento escolar e luta de classes

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor