Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado: Supervisor de entrada
NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado: Supervisor de entrada
NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado: Supervisor de entrada
E-book189 páginas1 hora

NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado: Supervisor de entrada

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

De acordo com a NR 33, espaço confinado é "qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio". Na área do trabalho em espaço confinado, o treinamento adequado e a reciclagem periódica são fundamentais. Esta publicação destaca os conceitos e normas relacionadas, avaliação e controle de riscos ocupacionais e em processos laboratoriais, equipamentos e instrumentos utilizados, fatores de riscos nas áreas classificadas e operações de salvamento.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento13 de set. de 2018
ISBN9788553400706
NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado: Supervisor de entrada
Ler a amostra

Relacionado a NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado

Ebooks relacionados

Avaliações de NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    NR 33 - Segurança e saúde em espaço confinado - SENAI-SP Editora

    Hierarquia legal | Interfaces da NR-33 com as demais normas | Responsabilidades previdenciárias, civis e criminais

    Este capítulo trata da hierarquia da legislação brasileira para se compreender como a Norma Regulamentadora é determinada, suas interfaces com as demais normas e as responsabilidades previdenciárias civis e criminais.

    HIERARQUIA LEGAL

    Quanto à hierarquia, as leis seguem a seguinte ordem e dividem-se em:

    Figura 1 – Representação gráfica da hierarquia legal no Brasil.

    YARA SANCHEZ

    Por estar no topo da hierarquia, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, aqui tratada por Constituição Federal, tem maior importância por conter os elementos estruturais da nação e a definição fundamental dos direitos do homem, considerado como indivíduo e como cidadão, e coloca-se acima de todas.

    Por este motivo, a Constituição Federal deve ser obedecida igualmente por todos os cidadãos.

    Seguindo a hierarquia, vêm as leis federais ordinárias; em terceiro lugar, a Constituição Estadual; em seguida, as leis estaduais ordinárias e, por último, as leis municipais. Surgindo conflito entre elas, observar-se-á essa ordem de precedência quanto à sua aplicação.

    Complementando esta hierarquia, têm-se os atos administrativos e legais, nos quais se encontram, por exemplo, as normas regulamentadoras:

    Decretos: são atos administrativos normativos, com posição inferior à lei, portanto, não podem contrariá-la, originários do Poder Executivo. O decreto aprova o regulamento, que explica a lei e é ato administrativo de competência privativa do Chefe do Executivo federal, estadual e municipal.

    Resoluções: são atos administrativos normativos inferiores ao decreto, expedidos pelas autoridades do Poder Executivo (mas não pelo Chefe do Executivo), cuja função é explicar e complementar os regulamentos.

    Portarias: são atos administrativos ordinatórios internos.

    Normas regulamentadoras (NR): são instituídas por Portarias do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

    Embora as NRs sejam atos administrativos internos (instituídas por Portarias), são amparadas pela Lei federal n. 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Essa lei, ao alterar o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), determinou em seu art. 155 o seguinte:

    Art. 155. Incumbe ao órgão de âmbito nacional competente em matéria de segurança e medicina do trabalho:

    I – estabelecer, nos limites de sua competência, normas sobre a aplicação dos preceitos deste Capítulo, especialmente os referidos no art. 200.

    Art. 200. Cabe ao Ministério do Trabalho estabelecer disposições complementares às normas de que trata este Capítulo, tendo em vista as peculiaridades de cada atividade ou setor de trabalho, [...].

    INTERFACES DA NR-33 COM AS DEMAIS NORMAS

    De acordo com a hierarquia das leis no Brasil, as normas regulamentadoras são determinadas por portarias que, por sua vez, são amparadas pela Lei n. 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Em sua maioria, as normas se inter-relacionam e se completam.

    Figura 2 – Representação gráfica das interfaces da NR-33 com as demais normas e leis.

    YARA SANCHEZ

    A seguir, apresentam-se as leis e as normas regulamentadoras ou normas técnicas que se inter-relacionam ou se complementam com a NR-33.

    Em primeiro lugar, a NR-33 relaciona-se diretamente com o Decreto-lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943, que instituiu a Consolidação das Leis do Trabalho (arts. 155, 157, 158 e 200).

    Entre as normas regulamentadoras que se relacionam com a NR-33, encontram-se as seguintes:

    Quadro 1 – Normas regulamentadoras que se relacionam com a NR-33

    OBSERVAÇÃO

    Uma vez que a promulgação ou revisão de normas de segurança são bastante dinâmicas, sugere-se consultar sempre o site do Ministério do Trabalho e Emprego, disponível em: http://portal.mte.gov.br/legislacao/normas-regulamentadoras-1.htm.

    Tendo em vista que a NR-33 determina diversos procedimentos de maneira abrangente, são necessários detalhamentos que deem conta das especificações técnicas. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) realiza este trabalho por meio das Normas Brasileiras (NBR). Apresentam-se a seguir as principais NBRs relacionadas à NR-33:

    NBR (ABNT) – 14009 – Análise Preliminar de Riscos (APR): embora esta norma tenha sido elaborada para determinar procedimentos de análises de riscos em máquinas, ela sugere as diretrizes básicas para elaborar a APR em diversos ambientes ou processos produtivos.

    NBR (ABNT) – 14606 – Postos de Serviço – Entrada em Espaço Confinado: trata dos procedimentos para entrada em espaços confinados em postos de serviços.

    NBR (ABNT) – 14787 – Espaço Confinado – Prevenção de Acidentes, Procedimentos e Medidas de Proteção: ao compararmos a NR-33 com esta norma técnica, notam-se diversas semelhanças ou complementações.

    Instrução Normativa – IN 1, de 11 de abril de 1994, do Ministério do Trabalho: trata do Programa de Proteção Respiratória.

    RESPONSABILIDADES PREVIDENCIÁRIAS, CIVIS E CRIMINAIS

    Apresentam-se os principais itens da legislação que atribuem direitos, deveres e responsabilidades de cada um dos envolvidos nos trabalhos em espaços confinados e determinam as responsabilidades civis, criminais, administrativas e previdenciárias em caso de acidentes de trabalho relacionados ou não com espaços confinados.

    Enfatiza-se que a coletânea legal aqui apresentada é de domínio público e tem como objetivo lembrar aos envolvidos nos trabalhos em espaços confinados quais são suas responsabilidades legais na eventualidade de acidentes. Não se pretende transformar este conteúdo em consultoria jurídica.

    Constituição Federal de 1988

    "Capítulo I – Dos direitos e deveres individuais e coletivos.

    Art. 5º [...]

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1