Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Introdução a Ricoeur

Introdução a Ricoeur

Ler a amostra

Introdução a Ricoeur

Duração:
142 páginas
1 hora
Lançados:
17 de set. de 2021
ISBN:
9786555623444
Formato:
Livro

Descrição

Estas páginas pretendem fornecer uma nova e sintética introdução ao pensamento de Ricoeur - certamente um dos maiores filósofos do século XX -, porém sem jamais perder de vista a unidade e a coerência do seu itinerário filosófico. Apesar da vastidão complexa de sua obra, o autor considerou melhor deter-se mais amplamente em seu último trabalho, "La Mémoire, L'Histoire, L'Oubli" ["A Memória, a História, o Esquecimento"], grande publicação da última década. Neste livro, o conceituado professor Domenico Jervolino analisa com esmero a trajetória do pensador francês em duas partes: "O Itinerário Intelectual de Paul Ricoeur" e "Memória, História, Esquecimento no Último Ricoeur". Ao final, o leitor encontra o discurso de Ricoeur proferido na Universidade de Barcelona, em abril de 2001, momento em que todo o seu percurso intelectual é exposto por ele próprio a partir de um belíssimo texto.
Lançados:
17 de set. de 2021
ISBN:
9786555623444
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Introdução a Ricoeur

Livros relacionados

Amostra do livro

Introdução a Ricoeur - Domenico Jervolino

LISTA das abreviaturas

Aquilo que vem em seguida não é uma bibliografia de Ricoeur; limitei-me às obras mais frequentemente citadas, elencadas em ordem cronológica, e remetendo às notas para as demais; nas notas; as páginas citadas entre parênteses referem-se à tradução italiana que, como sempre, usei livremente.

KJ = Karl Jaspers et la philosophie de l’existence (com Mikel Dufrenne). Paris: Seuil, 1947.

VI = Philosophie de la volonté – 1. Le volontaireet l’involontaire [A filosofia da vontade: I.

O voluntário e o involuntário]. Paris: Aubier Montaigne, 1950.

HV = Histoire et vérité. Paris: Seuil, 1955, 1967³. Trad. bras.: História e verdade. Rio de Janeiro: Companhia Editora Forense, 1968.

FC = Philosophie de la volonté – 2. Finitude etculpabilité. I. L’homme faillible. II. La symbolique du mal [Filosofia da vontade. II Finitude e culpabilidade: 1. O homem falível. 2. A simbólica do Mal]. Paris: Au- bier Montaigne, 1960.

DI = De l’interprétation – Essai sur Freud. Paris: Seuil, 1965. Trad. bras.: Da Interpretação. Ensaio sobre Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

CI = Le conflit des interprétations – Essais d’herméneutique. Paris: Seuil, 1969. Trad. bras.: I. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Rio de Janei­- ro: Imago, 1978; e II. Do texto à ação Ensaios de Hermenêutica II. Porto: Rés Editora, 1989.

MV = La métaphore vive. Paris: Seuil, 1975. Trad. bras.: A metáfora viva. São Paulo: Loyola, 2000.

TR = Temps et récit, 3 vols. Paris: Seuil, 1983- 1985. Trad. bras.: Tempo e narrativa (t. I, 1994, t. II, 1995). Campinas: Papirus. Leituras: 1. Em torno ao político, 1995; 2. A região dos filósofos. São Paulo: Loyola, 1996; 3. Nas fronteiras da filosofia. São Paulo: Loyola, 1996.

TA = Du texte à l’action – Essais d’herméneutique II, Paris: Seuil, 1986. Trad. port.: Do texto à ação. Ensaios de Hermenêutica II. Porto: Rés Editora, 1989.

E = À l’école de la phénoménologie. Paris: Vrin, 1986. Trad. bras.: Na escola da fenome­- nologia. Petrópolis: Vozes, 2009.

SA = Soi-même comme un autre, Paris: Seuil, 1990. Trad. bras.: O si mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1990.

CC = La critique et la conviction. Paris: Calmann-Lévy, 1995. Trad. bras.: A crítica e a convicção. São Paulo: Edições 70, 2009.

RF = Réflexion faite – Autobiographie intellectuelle. Paris: Éditions Esprit, 1995.

MHO = La mémoire, l’histoire, l’oubli, Paris: Seuil, 2000. Trad. bras.: A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

Para a bibliografia de Ricoeur, tanto primária quanto secundária, a fonte principal é constituída por Frans Dirk Vansina, Paul Ricoeur – Bibliographie primaire et secondaire/ Primary and Secondary Bibliography, 1935-2000, Leuven University Press – Lovaina: Éditions Peeters, 2000 – última atualização de um trabalho imponente que ocupou o estudioso belga por aproximadamente quarenta anos. Em italiano, os leitores poderão consultar também as notas bibliográficas que encerram os meus trabalhos: Il cogito e l’ermeneutica – La questione del soggetto in Ricoeur. Gênova: Marietti, 1993²; e Ricoeur – L’amore difficile. Roma: Studium, 1995.

Entre os estudos mais recentes, posteriores à bibliografia de Vansina, sublinho sobretudo dois volumes de Jean Greisch: Le cogito herméneutique – L’herméneutique philosophique et l’héritage cartésien. Paris: Vrin, 2000; e Ricoeur – L’itinérance du sens. Millon: Grenoble, 2001.

Agrada-me acrescentar a estes trabalhos de um ilustre estudioso e amigo, que já é um dos protagonistas da hermenêutica contemporânea, a menção de uma diligente tese de doutorado em vias de publicação por La Città del sole de Nápoles, numa coleção do Instituto italiano para os estudos filosóficos, de Lorenzo Altieri, intitulada Le metamorfosi di Narciso – Il cogito itinerante di Paul Ricoeur.

I

O ITINERÁRIO INTELECTUAL

DE PAUL RICOEUR

Paul Ricoeur é certamente um dos maiores filósofos do século XX. Ele não cessa de surpreender os seus leitores e intérpretes com sua extraordinária fecundidade intelectual. Em 2000, com a idade de 87 anos e depois de uma imponente produção intelectual, ele nos doou uma obra nova e diligente, destinada certamente a deixar um traço relevante na literatura filosófica contemporânea: La mémoire, l’histoire, l’oubli. Testemunha privilegiada do nosso tempo, dos seus sofrimentos e angústias, bem como das suas difíceis esperanças, Ricoeur caracterizou num famoso ensaio a sua reflexão filosófica com a imagem do caminho longo a ser percorrido pacientemente até o fundo, enfrentando todos os obstáculos e todas as asperezas do itinerário, aproveitando todas as ocasiões de encontro e de confronto.¹ Ao longo da sua laboriosa existência filosófica, ele foi constantemente fiel a esse estilo de pensamento, e nós desejaríamos segui-lo nesse caminho, no fim do qual se divisa a terra prometida de uma ontologia não certamente triunfante, mas sobretudo militante e quebrada, que, como Moisés, o sujeito que fala e reflete pode somente entrever de longe antes de morrer.

Trata-se de uma ontologia que jamais se tornará uma ontoteologia no sentido criticado por Heidegger: ela será antes o discurso problemático da nossa inserção no ser, uma hermenêutica da existência ou da vida, inseparável da exegese dos sinais e das obras nos quais a existência ou a vida se expressam e se refletem.

1. A juventude e o exórdio filosófico

Paul Ricoeur nasceu em Valença (França) no dia 27 de fevereiro de 1913.² Bem cedo a sombra da morte envolve a existência do pequeno Paul: a mãe, Florentine Favre, morre poucos meses depois, e o pai, Jules, professor de inglês no liceu de Valença, tomba na Grande Guerra em 1915. Essa morte prematura, sentida como profundamente injusta, motivará a aversão do filho em relação à crueldade da guerra. Os dois órfãos, Paul e a irmã um pouco mais velha, Alice, que morrerá de tuberculose também ela em tenra idade, são entregues aos cuidados dos avós paternos e da tia Adèle em Rennes, onde transcorrem a juventude no clima afetuoso, mas igualmente austero, de uma família de sólida formação protestante. No liceu de Rennes, Paul, que logo se caracteriza como aluno extremamente estudioso e apaixonado pela leitura, amadurece sua vocação filosófica, sofrendo a influência do professor Roland Dalbiez, que é um estudioso de valor: de inspiração neotomista, crítico do idealismo do pensamento moderno, foi o primeiro filósofo na França a escrever sobre Freud.

Ricoeur, sempre muito atento em reconhecer os próprios débitos intelectuais, declara: "Hoje estou convicto de que devo ao meu primeiro professor de filosofia a resistência que opus à pretensão da imediatidade, da adequação e da apodicticidade do cogito cartesiano e do ‘Eu penso’ kantiano, pois a continuação dos meus estudos universitários teria me conduzido ao âmbito da tendência dos herdeiros franceses daqueles dois fundadores do pensamento moderno".³ Ricoeur atribui a Dalbiez também o primeiro germe do seu sucessivo interesse pela problemática psicanalítica (interesse que comporta de novo a ênfase de um limite da reflexão) e sobretudo o exemplo de um forte sentido da integridade intelectual. Ele recorda a exortação do seu primeiro professor de filosofia: Quando um problema vos perturba, vos angustia, vos incute medo, não procureis contornar o obstáculo, mas enfrentai-o de peito aberto. E acrescenta: Não sei até que ponto tenho sido fiel a este preceito; posso apenas dizer que nunca o esqueci

Integridade intelectual, profundo sentido do real, o questionamento da consciência imediata de si são características que acompanharão Ricoeur em todo o seu caminhar filosófico. Estas características explicam também o seu relacionamento de fidelidade crítica em relação à tradição reflexiva do pensamento moderno – de Descartes a Husserl –, tradição que ele encontra bem cedo, como vimos, já nos anos de universidade, transcorridos na universidade de Rennes, graças àqueles que ele chama os herdeiros franceses dos fundadores do pensamento moderno. Estão justamente elencados entre os expoentes da filosofia reflexiva francesa aqueles pensadores que viveram entre os séculos XIX e XX, como Lachelier (1832-1918) e Lagneau (1851-1894), aos quais ele dedica o seu mémoire de maîtrise acerca de Le problème de Dieu chez Lachelier et Lagneau no ano acadêmico de 1933-34. Este mémoire, garante-nos Ricoeur, foi elaborado num dos períodos de armistício da guerra interior entre a fé e a razão, guerra que o jovem estudioso aprende a enfrentar durante esses seus anos de universidade.

A tradição reflexiva francesa é renovada naqueles mesmos anos por Jean Nabert, autor em 1924 de uma importante obra sobre L’éxperience philosophique de la liberté, que exercerá notável influência em Ricoeur sobretudo nas décadas de 50 e 60. Também a fenomenologia de Husserl, que o jovem estudante do interior descobre durante o ano de aperfeiçoamento em Paris (1934-35), será entendida por ele como variante inovadora da tradição reflexiva do pensamento moderno.

Em relação a tal tradição Ricoeur conservará constantemente a posição de que a filosofia comporta um momento reflexivo – o retorno sobre si mesmo do sujeito, a busca de uma reapropriação de si – mas, ao mesmo tempo, tenderá a separar o método reflexivo da afirmação orgulhosa – de cunho idealista ou de algum modo subjetivista – do primado da consciência. Para Ricoeur, a consciência não é origem ou fundamento, mas tarefa, não é transparência, mas opacidade: ela requer um empenho constante de esclarecimento, de reunificação, para recuperar o esforço ou desejo de existir que se expressa na multiplicidade das operações do sujeito e dos sinais nos quais elas se objetivam.

No que se refere à fenomenologia husserliana, Ricoeur não cessará de ver no método fenomenológico um recurso de valor inestimável para captar os fenômenos em toda a sua riqueza, mas manterá suas reservas em relação aos desdobramentos idealistas do Husserl maduro. Segundo Ricoeur, na aproximação fenomenológica, estão presentes os elementos para conectar uma dinâmica profunda que conduza a própria fenomenologia além do idealismo, na fidelidade ao rigor da interrogação e àquela que ele considera a descoberta mais importante de Husserl, ou seja, a intencionalidade da consciência.

De resto é justamente graças ao tema da intencionalidade – com o qual se rompe a identificação cartesiana entre consciência e consciência de si, e

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Introdução a Ricoeur

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor