Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

O homem mais rico da Babilônia (Traduzido)

O homem mais rico da Babilônia (Traduzido)

Ler a amostra

O homem mais rico da Babilônia (Traduzido)

notas:
4.5/5 (2 notas)
Duração:
176 páginas
4 horas
Lançados:
9 de fev. de 2022
ISBN:
9791220897341
Formato:
Livro

Descrição

À sua frente se estende seu futuro como uma estrada que leva à distância. Ao longo dessa estrada estão as ambições que você deseja realizar...desejos que você deseja gratificar.
Para que suas ambições e desejos sejam realizados, você deve ter sucesso com dinheiro. Use os princípios financeiros explicitados nas páginas que se seguem. Deixe que eles o guiem para longe das restrições de uma bolsa enxuta até aquela vida mais plena e feliz que uma bolsa cheia torna possível.
Como a lei da gravidade, eles são universais e imutáveis. Que eles provem para você, como provaram para tantos outros, uma chave segura para uma bolsa gorda, saldos bancários maiores e progresso financeiro gratificante.

LO, O DINHEIRO É ABUNDANTE
PARA AQUELES QUE ENTENDEM
AS REGRAS SIMPLES DE SUA AQUISIÇÃO 
Lançados:
9 de fev. de 2022
ISBN:
9791220897341
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a O homem mais rico da Babilônia (Traduzido)

Livros relacionados

Amostra do livro

O homem mais rico da Babilônia (Traduzido) - George Samuel Clason

Sobre o Autor

GEORGE SAMUEL CLASON nasceu na Louisiana, Missouri, em 7 de novembro,

1874. Ele freqüentou a Universidade de Nebraska e serviu no Exército dos Estados Unidos durante a Guerra Hispano-Americana. Começando uma longa carreira na publicação, ele fundou a Clason Map Company de Denver, Colorado, e publicou o primeiro atlas rodoviário dos Estados Unidos e Canadá. Em 1926, ele publicou o primeiro de uma famosa série de panfletos sobre parcimônia e sucesso financeiro, usando parábolas ambientadas na antiga Babilônia para fazer cada um de seus pontos. Estes foram distribuídos em grandes quantidades por bancos e companhias de seguros e tornaram-se familiares a milhões, sendo o mais famoso O Homem mais rico da Babilônia, a parábola da qual o presente volume toma seu título. Estas parábolas babilônicas se tornaram um clássico moderno e inspirador.

Prefácio

Nossa prosperidade como nação depende da prosperidade financeira pessoal de cada um de nós como indivíduos.

Este livro trata dos sucessos pessoais de cada um de nós. Sucesso significa conquistas como resultado de nossos próprios esforços e habilidades. Uma preparação adequada é a chave do nosso sucesso. Nossos atos não podem ser mais sábios do que nossos pensamentos. Nossos pensamentos não podem ser mais sábios do que nossa compreensão.

Este livro de curas para bolsas magras foi denominado um guia para o entendimento financeiro. Este, de fato, é seu propósito: oferecer àqueles que são ambiciosos para o sucesso financeiro uma visão que os ajudará a adquirir dinheiro, a manter o dinheiro e a fazer com que seus excedentes ganhem mais dinheiro.

Nas páginas que se seguem, somos levados de volta à Babilônia, o berço no qual foram cultivados os princípios básicos das finanças agora reconhecidos e utilizados em todo o mundo.

Aos novos leitores, o autor está feliz em estender o desejo de que suas páginas possam conter para eles a mesma inspiração para o crescimento das contas bancárias, maiores sucessos financeiros e a solução de difíceis problemas financeiros pessoais tão entusiasticamente relatados pelos leitores de costa a costa.

Aos empresários que distribuíram estas histórias em quantidades tão generosas para amigos, parentes, funcionários e associados, o autor aproveita esta oportunidade para expressar sua gratidão. Nenhum endosso poderia ser maior do que o de homens práticos que apreciam seus ensinamentos porque eles, eles mesmos, conseguiram êxitos importantes aplicando os próprios princípios que ele defende.

A Babilônia tornou-se a cidade mais rica do mundo antigo porque seus cidadãos eram as pessoas mais ricas de seu tempo. Eles apreciavam o valor do dinheiro. Praticavam sólidos princípios financeiros ao adquirir dinheiro, manter dinheiro e fazer com que seu dinheiro ganhasse mais dinheiro. Eles providenciavam para si mesmos o que todos nós desejávamos... rendimentos para o futuro. G. S. C.

Um Esboço Histórico da Babilônia

Nas páginas da história não há cidade mais glamourosa do que a Babilônia. Seu próprio nome conjura visões de riqueza e esplendor. Seus tesouros de ouro e jóias eram fabulosos. Uma cidade naturalmente tão rica como a que se encontra em um cenário adequado de luxo tropical, rodeada de ricos recursos naturais de florestas e minas. Tal não era o caso. Ela estava localizada ao lado do rio Eufrates, em um vale plano e árido. Não tinha florestas, nem minas - nem mesmo pedra para construção. Não estava nem mesmo localizada sobre uma rota natural de comércio. As chuvas eram insuficientes para cultivar.

A Babilônia é um excelente exemplo da capacidade do homem de atingir grandes objetivos, utilizando todos os meios à sua disposição. Todos os recursos de apoio a esta grande cidade foram desenvolvidos pelo homem. Todas as suas riquezas foram feitas pelo homem.

A Babilônia possuía apenas dois recursos naturais - solo fértil e água no rio. Com uma das maiores realizações de engenharia deste ou de qualquer outro dia, os engenheiros babilônicos desviaram as águas do rio por meio de represas e imensos canais de irrigação. Longe daquele vale árido, esses canais foram para despejar as águas que davam vida sobre o solo fértil. Este é um dos primeiros feitos de engenharia conhecidos pela história. Culturas tão abundantes como a recompensa por este sistema de irrigação que o mundo nunca havia visto antes.

Felizmente, durante sua longa existência, a Babilônia foi governada por sucessivas linhas de reis aos quais a conquista e o saque foram apenas acidentais. Enquanto se envolvia em muitas guerras, a maioria delas eram locais ou defensivas contra conquistadores ambiciosos de outros países que cobiçavam os fabulosos tesouros da Babilônia. Os governantes notáveis da Babilônia vivem na história por causa de sua sabedoria, empreendimento e justiça. A Babilônia não produziu monarcas que procurassem conquistar o mundo conhecido para que todas as nações prestassem homenagem a seu egoísmo.

Como cidade, a Babilônia não existe mais. Quando aquelas forças humanas energizantes que construíram e mantiveram a cidade por milhares de anos foram retiradas, ela logo se tornou uma ruína deserta. O local da cidade fica na Ásia a cerca de seiscentas milhas ao leste do Canal de Suez, ao norte do Golfo Pérsico. A latitude está cerca de trinta graus acima da linha do Equador, praticamente a mesma de Yuma, Arizona. Possuía um clima semelhante ao desta cidade americana, quente e seco.

Hoje, este vale do Eufrates, outrora um populoso distrito agrícola irrigado, é novamente um desperdício árido chovido pelo vento. A erva escassa e os arbustos do deserto lutam pela existência contra as areias sopradas pelo vento. Desapareceram os campos férteis, as cidades mamutes e as longas caravanas de mercadorias ricas. Faixas nômades de árabes, assegurando uma vida escassa por cuidar de pequenos rebanhos, são os únicos habitantes. Assim tem sido desde o início da era cristã.

Os pontos deste vale são colinas de terra. Durante séculos, eles foram considerados pelos viajantes como nada mais. A atenção dos arqueólogos foi finalmente atraída por eles por causa dos pedaços de cerâmica quebrados e tijolos lavados pelas ocasionais tempestades de chuva. Expedições, financiadas por museus europeus e americanos, foram enviadas aqui para escavar e ver o que podia ser encontrado. Picaretas e pás logo provaram que estas colinas eram cidades antigas. Túmulos da cidade, eles poderiam muito bem ser chamados.

A Babilônia era uma delas. Sobre ela por algo como vinte séculos, os ventos haviam espalhado o pó do deserto. Construído originalmente de tijolos, todas as paredes expostas haviam se desintegrado e voltado à terra mais uma vez. Assim é a Babilônia, a cidade rica, hoje. Um monte de terra, há tanto tempo abandonada que nenhuma pessoa viva sequer sabia seu nome até ser descoberta, removendo cuidadosamente o lixo de séculos das ruas e os destroços caídos de seus nobres templos e palácios.

Muitos cientistas consideram que a civilização da Babilônia e de outras cidades deste vale é a mais antiga das quais há um registro definitivo. Datas positivas têm sido comprovadas há 8.000 anos.

Um fato interessante neste contexto é o meio utilizado para determinar estas datas. Descobertas nas ruínas da Babilônia estavam as descrições de um eclipse do sol. Os astrônomos modernos calcularam prontamente o tempo em que tal eclipse, visível na Babilônia, ocorreu e assim estabeleceram uma relação conhecida entre seu calendário e o nosso.

Desta forma, provamos que há 8000 anos atrás, os Sumeritas, que habitavam a Babilônia, viviam em cidades muradas. Só se pode conjeturar por quantos séculos antes tais cidades haviam existido. Seus habitantes não eram meros bárbaros que viviam dentro de muros de proteção. Eles eram um povo educado e esclarecido. Até onde vai a história escrita, eles foram os primeiros engenheiros, os primeiros astrônomos, os primeiros matemáticos, os primeiros financeiros e o primeiro povo a ter uma linguagem escrita.

Já foi feita menção aos sistemas de irrigação que transformaram o vale árido em um paraíso agrícola. Os restos destes canais ainda podem ser rastreados, embora a maior parte deles estejam cheios de areia acumulada. Alguns deles eram de tal tamanho que, quando vazios de água, uma dúzia de cavalos podia ser montada ao longo de seus traseiros. Em tamanho, eles se comparam favoravelmente com os maiores canais do Colorado e Utah.

Além de irrigar as terras do vale, os engenheiros babilônicos completaram outro projeto de magnitude semelhante. Por meio de um elaborado sistema de drenagem, eles recuperaram uma imensa área de terreno pantanoso na foz do Eufrates e dos rios Tigre e colocaram este também sob cultivo.

Heródoto, o viajante e historiador grego, visitou a Babilônia enquanto estava em seu auge e nos deu a única descrição conhecida por um forasteiro. Seus escritos dão uma descrição gráfica da cidade e de alguns dos costumes incomuns de seu povo. Ele menciona a notável fertilidade do solo e a abundante colheita de trigo e cevada que eles produziram.

A glória da Babilônia desvaneceu-se, mas sua sabedoria foi preservada para nós. Por isso, estamos em dívida com sua forma de registro. Naquele dia distante, o uso do papel não havia sido inventado. Em vez disso, eles gravaram laboriosamente sua escrita em tábuas de argila úmida. Quando terminadas, estas foram cozidas e se tornaram azulejos duros. Em tamanho, eram de cerca de seis por oito polegadas, e uma polegada de espessura.

Estas placas de argila, como são comumente chamadas, foram usadas muito como usamos as formas modernas de escrita. Sobre elas estavam gravadas lendas, poesia, história, transcrições de decretos reais, as leis da terra, títulos de propriedade, notas promissórias e até mesmo cartas que eram enviadas por mensageiros para cidades distantes. A partir destas tábuas de barro, é-nos permitido ter uma visão dos assuntos íntimos e pessoais do povo. Por exemplo, uma tabuleta, evidentemente a partir dos registros de um armazenista do campo, relata que na data determinada um determinado cliente trouxe uma vaca e a trocou por sete sacos de trigo, sendo três entregues na ocasião e os outros quatro para aguardar o prazer do cliente.

Enterrados em segurança nas cidades em ruínas, os arqueólogos recuperaram bibliotecas inteiras destas tabuletas, centenas de milhares delas.

Uma das grandes maravilhas da Babilônia eram as imensas muralhas que circundavam a cidade. Os antigos os classificavam com a grande pirâmide do Egito como pertencentes às sete maravilhas do mundo. A rainha Semiramis é creditada por ter erguido as primeiras muralhas durante a história inicial da cidade. As escavadeiras modernas não foram capazes de encontrar nenhum vestígio das muralhas originais. Nem sua altura exata é conhecida. De acordo com as referências feitas pelos primeiros escritores, estima-se que elas tinham cerca de 50 a 60 pés de altura, revestidas no lado externo com tijolos queimados e ainda mais protegidas por um fosso profundo de água.

As últimas e mais famosas paredes foram iniciadas cerca de seiscentos anos antes da época de Cristo pelo rei Nabopolassar. Em escala tão gigantesca ele planejou a reconstrução, ele não viveu para ver o trabalho terminado. Isto foi deixado a seu filho, Nabucodonosor, cujo nome é familiar na história bíblica.

A altura e o comprimento destas últimas paredes cambaleia a crença. Eles são relatados como tendo uma autoridade confiável com cerca de 150 metros de altura, o equivalente à altura de um moderno edifício de escritórios de quinze andares. O comprimento total é estimado entre nove e onze milhas. O topo era tão largo que uma carruagem de seis cavalos podia ser conduzida ao redor deles. Desta tremenda estrutura, pouco resta agora, exceto porções das fundações e do fosso. Além da devastação dos elementos, os árabes completaram a destruição extraindo o tijolo para fins de construção em outro lugar.

Contra os muros da Babilônia marcharam, por sua vez, os exércitos vitoriosos de quase todos os conquistadores daquela era de guerras de conquista. Uma série de reis sitiou a Babilônia, mas sempre em vão. Os exércitos invasores daquele dia não deviam ser considerados levianamente. Os historiadores falam de unidades como 10.000 cavaleiros, 25.000 carruagens, 1200 regimentos de soldados a pé com 1000 homens para o regimento. Muitas vezes seriam necessários dois ou três anos de preparação para montar materiais de guerra e

Você chegou ao final dessa amostra. Cadastre-se para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de O homem mais rico da Babilônia (Traduzido)

4.5
2 notas / 1 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor

  • (5/5)
    Livro muito bom! Pena q não tem o final... Para resumir o livro ensina que devemos tratar nossas dívidas como inimigos a serem destruídos, trabalhar arduamente e também salvar 10% de tudo aquilo que conquistarmos com nosso trabalho ao longo de nossas vidas. Adoraria ver o final das páginas mas não consegui, infelizmente.