Aproveite milhões de eBooks, audiolivros, revistas e muito mais

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Memórias do Calabouço

Memórias do Calabouço

Ler a amostra

Memórias do Calabouço

Duração:
242 páginas
3 horas
Lançados:
12 de mai. de 2021
ISBN:
9786586460087
Formato:
Livro

Descrição

Prêmio Bartolomé Hidalgo na categoria Testemunhos.
Pepe Mujica, Mauricio Rosencof e Eleutério Fernández Huidobro não eram prisioneiros: eles eram reféns da ditadura cívico militar que tomou o poder no Uruguai em 1973. Se as famílias fizessem denúncias no exterior, se os companheiros Tupamaros atentassem contra os militares, se um resgate fosse tentado, os três reféns seriam executados.
A comida era pouca, às vezes nenhuma. O frio intenso. Quando queriam ir ao banheiro, eram amarrados, encapuzados, e habitualmente espancados no trajeto. De tão precárias as condições, apegaram-se ao capuz, o mesmo que os vendava, e o utilizavam de travesseiro, de coberta, mantinham-no limpo, da forma como era possível em condições tão insalubres.
Comunicar-se era definitivamente proibido. Ainda assim, batendo os dedos contra a parede, num código morse improvisado, conversavam, lutavam, militavam, jogavam xadrez.
Finalmente libertados, em 1985, Mauricio Rosencof, o Russo, e Eleutério Fernández Huidobro, o Nhato, colocam-se diante de um gravador para narrar todo o vivido naqueles 12 anos. Pepe Mujica, futuro presidente do Uruguai, editou o livro. Eduardo Galeano escreveu o prefácio. Assim publica-se a primeira edição de "Memórias do Calabouço", livro fundamental para se compreender as ditaduras sul-americanas.
Lançados:
12 de mai. de 2021
ISBN:
9786586460087
Formato:
Livro

Sobre o autor


Relacionado a Memórias do Calabouço

Livros relacionados

Amostra do livro

Memórias do Calabouço - Mauricio Rosencof

2020. Memórias do Calabouço por Maurício Rosencof e Eleutério Fernández Huidobro.

Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil em 2009.

Projeto gráfico: Vinicius Oliveira

Revisão: Gladstone Alves e Fernanda Mota

Preparação: Lígia Garzaro

Tradução: Ana Helena Oliveira e Paloma Santos

Edição: Felipe Damorim e Leonardo Garzaro

Imprensa: Beatriz Reingenheim

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Rosencof, Mauricio

Memórias do calabouço / Maurício Rosencof, Eleuterio Fernández Huidobro ; tradução Ana Helena Oliveira , Paloma Santos. -- 1. ed. -- Santo André, SP : Rua do Sabão, 2020.

Título original: Memorias del calabozo

ISBN 978-65-991786-0-3

1. Fernández Huidobro, E.,1942-2016 (Eleuterio). 2. Presos políticos - Uruguai – Biografia. 3. Prisioneiros políticos – Uruguai. 4. Rosencof, Maurício, 1933. 5. Uruguai - História I. Rosencof, Mauricio, 1933-. II. Título.

20-40941 CDD-923.41

Índices para catálogo sistemático:

1. Prisioneiros : Memórias 923.41

Maria Alice Ferreira - Bibliotecária - CRB-8/7964

Todos os direitos desta edição reservados à:

Editora Rua do Sabão

Rua da Fonte, 275 sala 62B

09040-270 - Santo André, SP.

www.editoraruadosabao.com.br

facebook.com/editoraruadosabao

instagram.com/editoraruadosabao

twitter.com/edit_ruadosabao

youtube.com/editoraruadosabao

pinterest.com/editorarua

Prólogo

Poucas vezes, no decorrer destes longos anos, puderam se olhar no espelho: viram outra pessoa. Magros como faquires, triturados pela incessante tortura, os reféns da ditadura militar uruguaia passaram por vários quartéis, condenados à solidão de calabouços um pouco maiores que um caixão. Não podiam sequer falar com os objetos; não havia objetos nas celas, não havia nada. Dormiam sobre o chão gelado de concreto, atentos a qualquer ruído de grades ou passos de botas, o que podia anunciar uma nova rodada de torturas. Às vezes não lhes davam nem água, o que os obrigava a beber a própria urina. Às vezes lhes negavam comida, e eles comiam moscas, larvas, papéis, terra. Às vezes acontecia um milagre: um sopro de ar fresco trazia um aroma de laranjas através de algum buraquinho da janela vedada; ou ainda, pelo mesmo buraquinho, entrava uma aleluia, ou uma pena de pássaro. E, às vezes, ecoava na parede alguma mensagem do preso vizinho: uma mensagem falada com os nós dos dedos.

Esta obra celebra uma vitória da palavra humana. Dois dos reféns, Mauricio Rosencof e Nhato Fernández Huidobro, rememoram nestas páginas sua experiência naquele reino de silêncio e terror. Contam como conseguiram salvar sua condição humana, presos à vida como a hera ao muro, contra um sistema tentou enlouquecê-los e objetificá-los.

A comunicação, obtida por um improvisado Código Morse, foi a chave dessa salvação. Tamborilavam os dedos, reconquistando assim o direito à voz que lhes havia sido negado; através da parede, se encorajavam e se consolavam, discutiam, compartilhavam experiências e delírios, pessoas e fantasmas, sonhos e recordações. Aquela música tamborilada, aqueles humildes ruídos eram a melhor sinfonia de Beethoven; neles, ressoava a maravilha do universo. Proibida a boca, falavam os dedos. Falava a linguagem verdadeira, que é a que nasce da necessidade de dizer.

O encontro entre Mauricio e Nhato através da parede não reforça apenas a força da dignidade e o poder de astúcia de nossos presos políticos: esse diálogo alucinante é, além de tudo, o mais certeiro símbolo do fracasso de um sistema que quis transformar todo o Uruguai em um país de surdos-mudos.

Eduardo Galeano

Dedicatória

Dedicamos este trabalho a:

Simón Riquelo, Mariana Zaffaroni, Beatriz Washington e Andrea Hernández; filhos de María Asunción Artiogas, Aída Sanz, Blanca Altman, María Emilia Islas, Yolanda Cascos, filhos de nosso povo, desaparecidos, estejam onde estiverem.

Adolfo Wassen, do Movimento de Liberação Nacional Tupamaros — MLN, Ada Burgueño, dos Grupos de Ação Unificadora, Maria do Rosário Carretero, do Partido pela Vitória do Povo, Eduardo Bleier, do Partido Comunista. Oscar Baliñas, da Frente Esquerda de Liberação, Luis Batalla, do Partido Democrático Cristão, Oscar Banzzino, do Partido Trabalhador Revolucionário, Gilberto Coghlan, da Resistência Trabalhadora Estudantil, Oscar Fernandéz, do Partido Comunista Revolucionário, Roberto Gomensoro, do Movimento 26 de Março, Iván Morales, da Organização Popular Revolucionária 33, Manuel Toledo, do Partido Socialista, Zelmar Michelini, da 99, Héctor Gutiérrez Ruiz, do Partido Nacional, Enrique Erro, da União Popular...

Neles e por eles, a todos de nosso povo que morreram na luta por sua liberdade.

Os mortos não têm ideais: eles são os ideais.

CONVOCAMOS fraternalmente a todos os sobreviventes de todas as clandestinidades, exílios e prisões a dar seu testemunho. A levantar, entre todos, um grande monumento à dor, sacrifício e heroísmo do povo uruguaio nestes anos de combate.

Para que não se esqueça. Para que seja visto desde muito longe. Para que dê forças. Para que alerte. Para que indique caminhos...

Os autores [1987]

Introdução

Na década de sessenta, como única forma de salvar seus privilégios, a oligarquia afundou o Uruguai em uma acentuada crise econômica.

Após essa crise, as demais foram se desencadeando: a social, a política, a moral...

O povo uruguaio resistiu em pagar as consequências necessárias para o resgate de interesses minoritários e anti-históricos.

A partir de 1968, a oligarquia recorre à violência sistemática. Começa então, sem piedade, uma violenta repressão.

Entre as muitas formas de confronto aos quais o povo recorreu para combater o avanço do fascismo, estava a luta armada. Os Tupamaros foram uma dessas expressões organizadas.

Durante o ano de 1972, o MLN sofre uma severa derrota. Após isso, o Exército, última carta da oligarquia, avançou sobre as demais posições populares.

Dissolveu o Parlamento em junho de 1973, tornou ilegal a Convenção Nacional dos Trabalhadores (que manteve por mais de quinze dias uma heroica greve geral de resistência ao golpe de estado), proibiu os partidos políticos, aniquilou a autonomia universitária, liquidou as liberdades, torturou e encarcerou em massa, assassinou e cometeu as piores atrocidades...

Numa noite de setembro de 1973, nove militantes do MLN — inclusive nós — foram tirados de surpresa de suas celas na Penitenciária de Libertad.

Na solidão da madrugada gelada de inverno, até o motor dos caminhões que nos aguardavam pareciam querer falar mais baixo para que os demais presos (milhares), não escutassem, para que ninguém soubesse o que iria acontecer.

Era, e foi desde o princípio, uma transferência vergonhosa.

Ali, no mais profundo da consciência tenebrosa de quem tomou essa decisão, e na consciência dos oficiais, cabos e soldados que vendavam nossos olhos, pairava a sensação de que estavam fazendo algo de ruim. Sempre ficava o resquício desse sentimento.

Nós também sentíamos isso e nos propusemos a demonstrar que o ser humano, seja quem for, pode resistir a tamanha crueldade sem que se transforme em uma planta ou em um animal. Sem se aniquilar.

Essa longa viagem dos nove reféns da tirania durou, exatamente, onze anos, seis meses e sete dias. Houve, na história da humanidade, vastamente torturada, muitos antecedentes. Ela é a fonte da dor. Deus não deve ter soprado o barro para fazer os homens: o mais provável é que ele o tenha batido.

Adolfo Wasem, Raúl Sendic, Jorge Manera, Julio Marenales, José Mujica, Jorge Zabalaza, Henry Engler, Mauricio Rosencof e Eleutério Fernández fomos marcados pelas mãos da tirania.

Muitos de nós foram presos e torturados várias vezes na década de sessenta. Todos presos e torturados no ano de 1972. Alguns torturados novamente em 1973 antes do sequestro que nos transformará — novo requinte — em reféns.

Tentar encontrar causas racionais na conduta animalesca dos comandos militares que assolaram o Uruguai é descomunal e impossível. Podemos tentar, apesar do risco, ao menos salientar as razões mais óbvias.

Uma delas: consideravam-nos dirigentes do MLN e, consequentemente (de acordo com o peculiar mecanismo de suas engrenagens mentais), seria decisivo impedir o nosso acesso a todas as possibilidades de comunicação com o mundo exterior para liquidar não somente o MLN, mas também ao que chamavam de subversão, ou seja, o protesto do povo uruguaio.

Vale a pena deter-se um pouco neste tema. Eles concebem o mundo conforme seus parâmetros. Portanto, o universo seria um quartel.

Liquidado o Comando Supremo, todos os demais, até mesmo os impensados, seriam liquidados. Às vezes, quando a realidade apresentada é semelhante a um Exército, a prática possibilita justificativas que fazem com que eles se mantenham fortes e convictos no erro.

Outra questão material e concreta: qualquer coisa que o MLN fizesse teria como resposta a morte ou o castigo corporal desses nove militantes, então éramos reféns no sentido mais exato da palavra.

Por último: fomos detidos em 1972. Nesse momento, as condições não eram as mais favoráveis para nos assassinarem, apesar de terem tentado. Depois, a única alternativa que sobrou foi a de tentar nos deixar loucos; se empenharam cuidadosamente para que isso acontecesse.

Assim, fomos separados em três grupos de três e espalhados pelos quartéis do interior do país. Um trio em cada uma das três divisões do Exército afastadas de Montevidéu.

No último ano, sempre isolados, ficamos na Penitenciária de Libertad.

Cada divisão, seguindo uma espécie de normas de punição, usou sistemas diferentes: na quarta divisão, éramos transferidos de surpresa de quartel a cada poucos meses. O trio seguia completo de cá para lá.

Na terceira, os reféns permaneciam sempre nos vãos de um porão do Batalhão de Engenharia nº 3, em Paso de los Toros.

Na segunda, cada refém era trancado sozinho em quartéis diferentes, onde também éramos transferidos periodicamente.

Isso explica por que é muito difícil relatar, em um único trabalho, a experiência dos nove reféns. Cada grupo viveu um pedaço diferente e específico daquele inferno.

Instalados em mundos diferentes, múltiplos fatores como doenças, incidentes, características pessoais, fizeram com que cada trio vivesse, dentro de um sistema repressivo semelhante, experiências distintas, sendo o testemunho de cada um a única maneira viável de contar todas elas.

Esse trabalho deseja ser o começo, um convite para que os demais reféns contem suas experiências, e deseja também ser fundamentalmente isso: um testemunho.

No nosso caso, em particular, houve um motivo especial para começar esse trabalho: um dia, calculamos que não sairíamos vivos (ou lúcidos) daquelas sepulturas, e juramos, falando com leves batidas na parede, de uma masmorra para outra, que qualquer um dos dois que sobrevivesse daria seu testemunho... para que o sacrifício não fosse em vão.

Nós dois sobrevivemos, mas Adolfo Wasen não.

Com sua morte, o juramento se tornou obrigatório.

E não foi somente Wasen: muitos companheiros e companheiras pereceram nas prisões, calabouços e salas de tortura. Nós, que fomos eleitos pelo azar para ficar, temos o dever, por todos eles e por nosso povo, de testemunhar.

Nosso testemunho é o de todos.

Nós tivemos, em 1987, a oportunidade de cumprir a nossa promessa, de nos sentar em frente a um gravador e lembrar...

Decidimos não fazer literatura com a gravação. Ajustar somente o que fosse imprescindível para eliminar coisas supérfluas e fazer com que a linguagem falada ficasse inteligível quando passada para a escrita.

Manter, na medida do possível, as qualidades e os defeitos de toda recordação espontânea. Qualquer outra coisa poderia, na nossa opinião, ser um desrespeito com o sofrimento de tantas pessoas.

Os compromissos inadiáveis de nosso companheiro Mujica na militância, o impossibilitaram de estar conosco, mão a mão, na tarefa concreta. Se ficássemos esperando estarem os três juntos para empreendê-la, correríamos o risco de que fosse postergado não se sabe até quando. Mujica nos motivou na tarefa e revisou os resultados...

Vamos deixá-los loucos

MR: Naquele dia, enquanto estávamos fazendo faxina, nos enfiaram bruscamente em calabouços, suspenderam os banhos de sol e os trabalhos. Então, pousou um avião que trazia presos do interior, não me lembro se de Paysandu ou de Artigas. Os espancaram brutalmente.

Isso ocasionou uma reação em todo o complexo penitenciário. Com as canecas de alumínio que usávamos para tomar café com leite, começamos a bater, todos nós, nas grades de ferro. Depois disso, tivemos a sensação de que iam implementar medidas punitivas, particularmente conosco. Isso já tinha acontecido com um prisioneiro (aquele a quem insultavam sempre que passavam em frente ao pavilhão).

FH: Gritavam a ele: Maricas!.

MR: Tínhamos provocado um tumulto com as canecas de alumínio e o resultado veio às duas ou três da madrugada...

FH: No dia 7 de setembro de 1973 (teria que olhar em um calendário para confirmar se foi quinta ou sexta-feira), chegam e mandam nos levantar e nos vestir. Pelo menos me mandaram fazer isso. Eu deveria me levantar, me vestir, pegar a escova de dentes, o sabonete, o papel higiênico e nada mais.

MR: Havia um médico franzino que, silenciosamente, nos fazia testes com um estetoscópio. Faziam tudo em silêncio; às escondidas...

FH: Angustiante...

MR: Me levaram ao andar térreo e me colocaram junto com você. Sussurramos: O que está acontecendo?. Não sei, você me disse.

FH: Essa deve ter sido a última vez que conversamos.

MR: Que nos vimos...

FH: Que nos vimos.

MR: Por muitos anos não voltamos a ver a cara um do outro, apesar de estarmos sempre juntos, separados por uma parede.

FH: Nos levaram a um banheiro no piso térreo, um que só os militares usavam. Colocaram algodões em meus olhos, uma venda e, em seguida, um capuz. Depois me amarraram com um arame.

MR: Tudo em silêncio. Os capuzes, eram uns sacos enormes.

FH: Sim, não era um capuz comum.

MR: Eram de lona, sujos.

FH: Compridos.

MR: Iam até o peito.

FH: Íamos usá-los por muito tempo...

MR: Muito tempo.

FH: Ninguém dizia nada. Nem o oficial à tropa ou o cabo aos soldados. A ordem era não pronunciar uma só palavra, todos os comandos eram dados por gestos. Também não ouvi, apesar de ter dormido mal, quando os caminhões chegaram. E olha que sempre ouvia.

MR: É curioso; quando descemos vi vários camburões.

FH: Estavam estacionados ali, mas não escutei qualquer ruído. Aquela era uma operação silenciosa. Como se quisessem que os outros presos não soubessem. Foi uma transferência assustadora, uma transferência que nos fazia pensar que estavam fazendo algo grave.

MR: Muitos e muitos anos depois, quando eu já estava livre, durante uma reportagem para a BBC em Londres, um jornalista me disse algo que eu não sabia: que o coronel encarregado da operação havia dito: Já que não conseguimos matá-los quando caíram, vamos deixá-los loucos. Isso firmaria os embates que se iniciavam naquele momento.

As leis da irrealidade

FH: Nos jogaram num camburão como se fôssemos lixo. Começamos a perder a noção de quantos presos havia e de quem éramos. O silêncio e a escuridão eram totais.

MR: O destino, desconhecido. Atiraram em um terceiro. Quem? Cheguei a duvidar de que tivesse um terceiro, a duvidar de que mesmo você estivesse ali. Eu estava? Aquilo era irreal, assustador.

FH: Era inútil gritar, xingar, fazer qualquer coisa. Quando eu tentava me acomodar de alguma forma, recebia um golpe ou um violento empurrão para que eu voltasse à posição anterior.

MR: Sabe em que momento pude constatar quem estava indo comigo? Quando Pepe começou a pedir insistentemente que o deixassem cagar. Pepe estava doente.

FH: Tinha diarreias crônicas.

MR: Ouvi você dizer: Deixem ele ir, ele está doente.

FH: Passaram-se muitas horas de viagem...

MR: Sempre estávamos confusos quanto às horas, assim como quanto às características da estrada. Uma estrada importante nos dava a absurda sensação de que íamos a um lugar civilizado. Quando começavam os sacolejos, pensávamos: pra que merda de lugar estamos indo?. Eu perdia a noção do tempo, porque, de repente, a cabeça ia em direção a outros acontecimentos, lembranças, e não tinha noção de quanto tempo passava. Podiam ser três horas ou trinta minutos.

FH: O que é certo é que passou um tempo. Pepe, que evidentemente não podia aguentar mais, disse: bem, companheiros, me desculpem, mas eu vou cagar aqui mesmo.

MR: Então, o problema foi o cheiro, que a guarda já não aguentava mais. Ao fim, depois de muitas horas, chegamos a um quartel.

FH: Nos desceram amarrados e encapuzados, tal como subimos no caminhão, e assim nos deixaram em um calabouço, parados, em pé.

MR: Depois de passar pelas botas de um bando de gente que nos encheu de porrada, houve uma vistoria, onde comandantes e oficiais nos olhavam como se fôssemos animais de zoológico. Um comandante observava, como Napoleão num quadro.

FH: No outro dia de madrugada, sem ter dormido e tendo ficado todo o tempo em pé,

Você chegou ao final dessa amostra. para ler mais!
Página 1 de 1

Análises

O que as pessoas acham de Memórias do Calabouço

0
0 notas / 0 Análises
O que você achou?
Nota: 0 de 5 estrelas

Avaliações do leitor