Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

Ulva lactuca: Aspectos Químicos na Determinação da Atividade Antioxidante Total
Ulva lactuca: Aspectos Químicos na Determinação da Atividade Antioxidante Total
Ulva lactuca: Aspectos Químicos na Determinação da Atividade Antioxidante Total
E-book52 páginas20 minutos

Ulva lactuca: Aspectos Químicos na Determinação da Atividade Antioxidante Total

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Ulva lactuca é uma macroalga marinha bioindicadora de poluição, que se prolifera em áreas com concentrações elevadas de rejeito orgânico devido à sua capacidade de fixação de nutrientes, o que evidencia sua função biorremediadora de ambientes aquáticos. Esta capacidade, atrelada às altas taxas de crescimento, a torna ideal para a utilização no tratamento de água em sistemas de aquicultura multitrófica integrada (AMTI), como alternativa ao tratamento químico. Dados da literatura demonstram as propriedades antioxidantes de compostos fenólicos, bem como a presença destes no gênero Ulva. Desta forma, este estudo avaliou a atividade antioxidante total pelo método do DPPH, fenóis totais pelo método de Folin-Denis, e teor de açúcares redutores pelo método de Somogyi-Nelson, de extratos, frações e polissacarídeos extraídos de U. lactuca cultivada em AMTI. Estes experimentos tiveram por objetivo determinar a influência das condições de cultivo nas propriedades antioxidantes relatadas na literatura para algas selvagens da mesma espécie. As frações aquosas apresentaram os maiores teores de compostos fenólicos, porém, menores atividades antioxidantes, o que motivou o isolamento e determinação do teor de açúcares redutores dos polissacarídeos, uma vez que o método utilizado para a determinação de fenóis totais também apresenta resultados positivos em amostras de caráter redutor. As frações hexânicas apresentaram os melhores resultados de atividade antioxidante, com CE50 igual a 0,5 mg/mL.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento12 de mai. de 2022
ISBN9786525229607
Ulva lactuca: Aspectos Químicos na Determinação da Atividade Antioxidante Total
Ler a amostra

Relacionado a Ulva lactuca

Artigos relacionados

Avaliações de Ulva lactuca

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    Ulva lactuca - Rodrigo C. F. Barbosa

    1 INTRODUÇÃO

    1.1 Ulva lactuca

    Ulva lactuca (LINNAEUS, 1753) é uma espécie de macroalga marinha, do gênero Ulva, o qual é representado por mais de 124 espécies descritas, amplamente distribuídas pelo mundo em ambientes marinhos, costeiros e estuarinos, como também em ecossistemas de água salobra (PHYCOLOGICAL SOCIETY OF AMERICA, 2015).

    São algas verdes (Chlorophyta) mais conhecidas como alfaces-do-mar (Figura 1), que geralmente são abundantes desde as zonas entremarés (áreas que ficam expostas apenas em períodos de maré baixa), até o infralitoral (zonas que se encontram permanentemente submersas), onde fornecem abrigo e nutrientes para fauna de invertebrados e vertebrados marinhos (LOBBAN e HARRISON, 1997). Podem ser encontradas fixas em diversos tipos de substratos consolidados como costões rochosos expostos à ação das ondas, no sedimento de baías, estuários protegidos ou até flutuando livremente na coluna d’água (HAYDEN e WAALAND, 2004).

    C:\Users\RODRIGOPC\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCacheContent.Word\ulvafasc001.jpg

    Figura 1: Ulva lactuca (Anderson et al., 2016).

    Uma grande variedade de algas marinhas é utilizada como alimento fresco em muitas partes do mundo, principalmente no continente asiático. No Japão, espécies pertencentes ao gênero Ulva são tradicionalmente consumidas como aonori, um produto misto incluindo outras algas verdes (VASCONCELOS e GONÇALVES, 2013).

    Nos países ocidentais o principal uso de algas é como ficocoloides, espessantes e agentes gelatinizantes para várias aplicações industriais, incluindo a indústria alimentícia (WONG e CHEUNG, 2000; ABBOTT, 1996).

    De acordo com Ye et al. (2012), este tipo de alga é responsável pelo fenômeno conhecido como green tide, ou maré verde, onde se observa a proliferação da mesma em áreas com ocorrência de altas concentrações de compostos nitrogenados, oriundos de rejeitos orgânicos, como resposta à variação da oferta de nutrientes. Desta forma,

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1