Aproveite milhões de e-books, audiolivros, revistas e muito mais, com uma avaliação gratuita

Apenas $11.99 por mês após o período de teste gratuito. Cancele quando quiser.

A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll
A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll
A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll
E-book281 páginas1 hora

A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll

Nota: 0 de 5 estrelas

()

Ler a amostra

Sobre este e-book

Coletânea de textos sobre a história do Rock and Roll enquanto movimento musical e cultural do século XX.
IdiomaPortuguês
Data de lançamento27 de jan. de 2016
A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll
Ler a amostra

Relacionado a A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll

Ebooks relacionados

Artigos relacionados

Categorias relacionadas

Avaliações de A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll

Nota: 0 de 5 estrelas
0 notas

0 avaliação0 avaliação

O que você achou?

Toque para dar uma nota

A avaliação deve ter pelo menos 10 palavras

    Pré-visualização do livro

    A História Do Mundo Segundo O Rock And Roll - Lucila Simões Saidenberg

    A História do

    Mundo Segundo o

    Rock and Roll e

    Outros Escritos

    Por Lucila Simões Saidenberg

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg 2

    [ 2 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg Índice:

    Introdução - 05

    1) O Sagrado Mês de Outubro - 06

    2) 31 de Outubro - 08

    3) A história do mundo segundo o Rock and Roll

    Introdução: O Rock como revolução cultural dos Jovens. - 10

    Capítulo 1: O Rock and Roll como catalisador da igualdade

    social (EUA, os anos 50 do século 20) - 13

    Capítulo 2: O Rock como protesto por justiça social (anos 60 do

    século 20) - Parte 1 - 17

    Capítulo 2: O Rock como protesto por justiça social (anos 60 do

    século 20) - Parte 2 - 20

    Capítulo 3: O Rock como cura para o tédio e protesto contra a

    cultura consumista (anos 70 do século 20) - 23

    Capítulo 4: A volta do Rock como movimento social e político

    (anos 80 do século 20) - 28

    Capítulo 5: O declínio do Rock nos anos 90, e perspectivas para

    o novo século. - 31

    4) U2, o Superbowl, e o mais recente capítulo da emocionante

    novela: U2 e seu caso de amor com a cultura americana (ou:

    damned if you do, damned if you don’t) - 35

    5) U2, o Prêmio Grammy, o CEO e a atual guerra da indústria

    fonográfica contra os fãs - 38

    6) Rock & Roll x Espiritualidade: U2 e a Transcendência - 42

    7) Pequena História do Rock Irlandês - 45

    8) Bono e O’neill na África - 48

    9) Elvis Presley - 51

    10) Um Mundo Sem Companhias Gravadoras - 55

    11) As três Glórias - 59

    12) Deus salve a Guitarra Elétrica! (Parte 1) - 62

    13) Deus salve a Guitarra Elétrica! (Parte 2) - 66

    14) As Mulheres no Rock - 70

    3

    [ 3 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg 15) Rock, Roll e a fã feminina - 76

    16) Agora eu sei por que isso se chama uma peregrinação - 81

    17) A Imagem de Bono - 86

    18) O Que Comem as Estrelas - 90

    19) Por que é impossível fazer pouco do trabalho humanitário

    de Bono e manter a própria credibilidade - 96

    4

    [ 4 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg Introdução

    No início do que eu conheço por Internet, antes ainda das redes

    sociais, a primeira comunidade virtual da qual participei foi um

    grupo de correspondência por email criado por fãs da banda de

    rock irlandesa U2.

    Daí o tema recorrente da maioria dos textos neste livro, que é

    uma compilação das colunas que fui convidada a escrever para o

    site deles. Com o tempo, a comunidade mudou-se para as redes

    sociais, o site foi reformulado, e o material removido de lá e

    devolvido a mim.

    Assim, e dado todo o trabalho de pesquisa dedicado a estes

    textos, considerei que seria interessante publicá-los em um livro,

    para que não fiquem completamente relegados ao esquecimento.

    Deixando de lado um pouco a tietagem natural que caracteriza a

    produção de escritos para um fã-clube, tentei também pesquisar

    e condensar a História do Rock and Roll como um todo e como

    um movimento cultural em particular, e espero que isso possa

    servir como ponto de partida para todos os que desejarem saber

    mais sobre o assunto.

    Aproveito também para deixar claro que não tenho vinculação

    nenhuma com a banda U2, não os conheço pessoalmente, e esta

    não é uma tentativa de escrever uma biografia, nem nada do

    gênero. Meus textos são apenas as impressões de uma fã.

    5

    [ 5 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg O Sagrado Mês de Outubro

    Outubro de 2001.

    Outubro é um mês sagrado. Bom, pelo menos deveria ser… para

    nós, fãs do U2.

    Em um mundo ideal, e eu tenho certeza que vocês vão

    concordar comigo, todos os aspectos das nossas vidas diárias

    seriam regidos pelo nosso amor por essa banda de Rock.

    Uma vez livres para expressar o nosso amor pelo U2 sem

    constrangimento, nós nos vestiríamos como eles, falaríamos

    usando expressões tiradas das letras das canções, nos

    comportaríamos seguindo os exemplos (positivos, eu espero)

    deles, e até comeríamos (e beberíamos) alimentos que nos

    lembram a banda. O U2 seria, efetivamente, uma religião. Aliás,

    muitos de nós já fazemos tudo isso de qualquer maneira, para

    falar a verdade…

    Se o U2 é uma religião, (ou pelo menos deveria ser), nós

    precisamos de festivais. Não pode haver religião sem eles.

    Nos velhos bons tempos da Wire original, lá por 1999, foram

    propostas datas como os aniversários dos U2ers, (é claro), e

    demais datas do calendário oficial, como MLK Day, e

    Mandela Day a serem devidamente adotadas e adaptadas para

    sua nova função.

    E, é claro, o mês de Outubro inteiro. Eu acho que nem é preciso

    explicar o porquê, mas lá vai assim mesmo:

    Para os antigos Celtas, Outubro era o último mês do ano, um

    mês de mudanças, e de preparação para os difíceis meses de

    inverno que se aproximam. Mas acima de tudo, Outubro

    simbolizava o fim e o início do ano agrícola, um período de

    descanso depois de muito trabalho nos campos, no resto do ano.

    Era um mês de esperança, mas também de melancolia. Esse

    6

    [ 6 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg sentimento parece se refletir perfeitamente tanto no disco, como

    na canção de nome October.

    Os U2ers, modernos Cristãos, mostram aqui toda a influência

    que o passado Celta da Irlanda ainda exerce sobre a cultura do

    país, mesmo que a intenção inicial deles tenha sido apenas

    fazer música

    Um mês que merece tanto uma música, como um disco inteiro

    do U2 batizados em seu nome, tem obrigatoriamente de ser

    especial, certo? Pelo menos para nos… Certo?

    Voltando à antiga Wire, naquela época foi resolvido que, em

    um mundo ideal, o Sagrado Mês de Outubro seria uma

    espécie de Ramadan, onde os fãs dormiriam o dia todo e

    fariam festas regadas a muito U2 a noite inteira.

    As festividades do Sagrado Mês de Outubro culminariam, é

    claro, com as festividades do aniversário de Larry Mullen Jr., no

    dia 31, que é em si só, um dia cheio de seu próprio simbolismo.

    Mas isso já é assunto pra coluna da semana que vem…

    7

    [ 7 ]

    A História do Mundo Segundo o Rock and Roll e Outros Escritos - Lucila Simões Saidenberg 31 de Outubro

    Outubro de 2001.

    Duendes, demônios, fantasmas, abóboras, crianças fantasiadas,

    o início do inverno no hemisfério norte, a adoção de tradições

    Celtas pelos Cristãos, e o grupo de Rock U2.

    O que é que tudo isso tem em comum? Eu explico: o dia 31 de

    Outubro.

    Os duendes, demônios, fantasmas, abóboras e crianças

    fantasiadas fazem parte de Halloween, a festa dos horrores, o

    dia das bruxas, em 31 de Outubro.

    31 de Outubro, para os antigos Celtas, marcava o início do

    inverno. O solo congelado, aparentemente sem vida, faz

    germinar as sementes tornando possível o florescimento das

    plantas na primavera.

    Na tradição Celta, esse era um dia de introspecção, e de

    reverência aos espíritos dos antepassados. Um dia mágico no

    qual todo tipo de seres sobrenaturais andavam pelo mundo. Os

    Cristãos mais tarde adotaram a data, transportada para primeiro

    de novembro, com um novo nome: dia de todos os santos, ou

    all hollows, de onde deriva o nome Halloween. E até no

    Brasil essa tradição acha expressão no dia das almas, em 2 de

    novembro.

    31 de Outubro era e ainda é um dia mágico, de fim e início,

    onde tudo é possível.

    E o U2? O que é que o U2 tem a ver com o dia 31 de Outubro?

    Eu explico: Larry Mullen Jr. É no mínimo curioso que o rapaz

    que tomou a

    Está gostando da amostra?
    Página 1 de 1