P. 1
ENGRENAGENS CILÍNDRICAS DE DENTES RETOS

ENGRENAGENS CILÍNDRICAS DE DENTES RETOS

|Views: 734|Likes:

More info:

Published by: Ricardo Ferreira de Souza on Jul 14, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/17/2014

pdf

text

original

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL

ENGRENAGENS CILÍNDRICAS DE DENTES RETOS As engrenagens cilíndricas de dentes retos, ilustradas na Figura 1, têm dentes paralelos ao eixo de rotação e são utilizadas para transmitir movimento entre dois eixos paralelos. De todos os tipos de engrenagens, esta constitui a configuração mais simples, sendo, por essa razão, empregada para desenvolver as relações cinemáticas primárias da forma de dente.

Figura 1 – Par de engrenagens cilíndricas de dentes retos

NOMENCLATURA A terminologia para os dentes de engrenagens retas está ilustrada na Figura 2. O círculo primitivo (ou diâmetro primitivo) é um círculo teórico sobre o qual todos os cálculos são geralmente baseados. Os círculos primitivos de um par de engrenagens acopladas são tangentes entre si. O pinhão é a menor das duas engrenagens. A maior é freqüentemente denominada coroa, ou engrenagem (usualmente em projeto utilizase a seguinte terminologia: engrenagem motora constitui o pinhão, e engrenagem movida constitui a coroa). O passo frontal (ou passo circular) é a distância, medida no círculo primitivo, de um ponto de um dente ao correspondente ponto no dente adjacente. Assim, o passo circular é igual à soma da espessura de dente e do vão frontal (vão entre dentes). O módulo m é a razão entre o diâmetro primitivo e o número de dentes. A unidade habitual de comprimento é o milímetro. O módulo é o índice de tamanho de dente no SI. O diametral de Pitch P é a razão entre o número de dentes da engrenagem e o diâmetro primitivo. Logo, é o recíproco do módulo. Uma vez que o passo diametral é utilizado somente com unidades americanas, é expresso como dentes por polegada. A altura da cabeça ha (também conhecida por adendo) é a distância radial entre o topo do dente (circunferência de cabeça) e o círculo primitivo. A altura do pé hf (também conhecida como dedendo) é a distância radial do fundo de dente (circunferência de pé) ao círculo primitivo. A altura completa do dente (ht), é a soma do adendo e do dedendo (ht = ha + hf). A folga do fundo do dente (c) é a distância, sobre a linha de centros, entre a superfície de pé de uma engrenagem e a superfície de cabeça de uma engrenagem conjugada.

Prof. Cristiano J. Scheuer

a velocidade no círculo primitivo de ambas engrenagens vale: (4) Logo. nela. chega-se a seguinte relação: (6) onde. permanece. respectivamente. a relação entre raios e velocidades angulares é (5) Wilfred Lewis introduziu uma equação para estimar á tensão de flexão em dentes de engrenagens. sem escorregamento. Desenvolvendo a equação de Lewis.TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL Figura 2 – Nomenclatura para dentes de engrenagens cilíndricas de dentes retos. Cristiano J. P = diametral de Pitch (dentes por polegada) z = número de dentes d = diâmetro primitivo (pol ou mm) m = módulo (mm) = passo frontal FUNDAMENTOS Quando duas engrenagens estão acopladas. ainda hoje. seus círculos primitivos rolam uns sobre os outros. e as velocidades angulares como o 1 e 2. como a base para a maioria dos projetos de engrenagens. Observe as seguintes relações úteis: (1) (2) (3) onde. Tal equação. anunciada em 1892. desse modo. Considerando os raios primitivos como r1. e r2. a forma do dente entrava na formulação. Scheuer . = tensão máxima no dente da engrenagem (MPa) = carga transmitida (kN) P = diametral de Pitch (dentes por polegada) Prof.

obtém-se (12) Prof. carga transmitida ( determinados pelas eq. (8). (10) (11) onde. (6). = tensão de escoamento do material a partir do qual a engrenagem é fabricada (MPa) = fator de segurança = potência do sistema (kW) = velocidade linear do sistema (m/min) O valor da velocidade linear ( ) é dado através da eq. são (8) (9) (10) onde. Os valores de Y estão tabulados na Tabela 1. (Esses valores correspondem a um ângulo de pressão normal de 20°) Os valores da tensão máxima ( ). d = diâmetro primitivo da engrenagem (mm) = velocidade angular da engrenagem (rpm) Substituindo a eq. (9). acrescenta-se um fator de forma de Lewis Y (valor tabelado dado em função do número de dentes e da geometria do dente) na eq. Scheuer . (9) e (10): ) e do fator de velocidade ( ). (6) torna-se: (7) Tabela 1 – Valores do fator de forma de Lewis Y. Assim. a eq. (11) na eq.TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL = fator de velocidade = largura do denteado (mm) Caso a coroa e o pinhão de um sistema com duas engrenagens acopladas sejam fabricados a partir de um mesmo material. Cristiano J.

pode-se determinar a carga transmitida ao dente da engrenagem. Determine o tamanho do pinhão (largura do denteado – .TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL A partir da eq. diâmetro primitivo – d. Para determinar a largura do denteado . Prof. devido às imprecisões dos perfis dos dentes. Assim: A partir da eq. considerando que a engrenagem e o pinhão são fabricadas a partir do mesmo material Entretanto. utilizamos a eq. primeiramente precisamos determinar os valores das incógnitas Assim. Resolução: A partir da eq.6 kW girando a uma rotação de 1120 rpm. Cristiano J. Esse sistema é acionado por um motor de 74. podemos determinar o passo frontal fornecido no enunciado do exercício. podemos determinar o diâmetro primitivo do pinhão. (8) 2. a partir da potencia fornecida pela fonte motora. Scheuer . (3).6 kW.3 MPa). e o diâmetro primitivo do pinhão calculado anteriormente ( ): A partir do valor de fornecido no enunciado (59. (1). embutindo um fator de segurança calculamos através da eq. Vale à pena esclarecer que o fator de velocidade ( ). (7). tendo como base os dados fornecidos no enunciado: Pot = 74. tem como finalidade responder pelo fato da força instantânea atuante entre os dentes em contado ser um pouco maior do que a carga transmitida ( ). (12). e pelo efeito dinâmico devido à elasticidade dos dentes e doa eixos durante o funcionamento. e passo frontal – ).3 MPa. Exercício resolvido: Considere um par de engrenagens de um redutor de 1:4 (com diametral de Pitch P = 3). considerando que ambas as engrenagens (pinhão e coroa) são fabricadas a partir de um material que apresenta = 59. . considerando o valor do diametral de Pitch (P = 3). onde o pinhão apresenta 18 dentes e a coroa apresenta 72 dentes. e ambas com geometria de dente normal de 20º. tendo em vista que o enunciado do exercício nos dá os valores de diametral de Pitch (P = 3) e número de dentes (z = 18). primeiramente determinando a carga transmitida ( ) através da eq. 1120 rpm. (11). também conhecido como equação de Barth.

(10) Agora. determinamos o valor de para o pinhão e coroa através da eq. através da eq. tanto o pinhão quanto a coroa deverão ter largura superior a 10. encontramos: . e a velocidade angular fornecida no enunciado ( ): A partir do valor de determinado.93 mm Exercício resolvido parte 2: Com os mesmos dados do exercício resolvido anteriormente.4 mm) determinado anteriormente. calculamos através da eq. (5). calculamos sua velocidade angular a partir da eq. considerando o diâmetro primitivo do pinhão e a velocidade angular deste: Prof. e o número de dentes da coroa z = 72 (fornecidos no enunciado do exercício): A partir do valor do diâmetro primitivo da coroa. (1). substituindo 18 dentes ( na eq. (6): Assim. Resolução: Da mesma forma como resolvido anteriormente. 11 (tendo em vista o valor do diâmetro primitivo (d = 152. considerando-se engrenagens fabricadas a partir de materiais diferentes (coroa fabricada com material de ). Cristiano J. porém agora considerando engrenagens de materiais diferentes (para materiais diferentes não se considera o fator de forma de Lewis ). primeiramente para o pinhão: Para calcularmos a largura do denteado da coroa. devemos primeiramente determinar o seu diâmetro primitivo a partir da eq. determine a largura do denteado para o pinhão e para a coroa. considerando o diametral de Pitch P = 3. Scheuer . e extraindo da Tabela 1 para uma engrenagem de Assim. entretanto. (7) e isolando ).TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL Para determinarmos o valor do fator de velocidade ( ) primeiramente devemos calcular a velocidade linear do pinhão.

(8) . Assim sendo. o que era de se esperar. se poderá gerar desalinhamento no engrenamento. Assim. encontramos: OBS: Sempre se devem utilizar engrenagens com mesma largura. Scheuer . determinamos a velocidade linear desta através da eq. o fator de velocidade daquela será igual ao deste ( ). emprega-se engrenagens com largura de denteado de maior valor calculado ( ). 1120 x ¼ =280 rpm. Considerando que a coroa é feito de um material com segurança 2. Prof. (6) e isolando . a velocidade linear do pinhão e da coroa.TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL Também poderíamos determinar a velocidade angular da coroa considerando que constitui uma redução de ¼. corresponde a velocidade linear do sistema de engrenamento. calculamos através da eq. uma vez que. substituindo na eq. A partir do valor de (11) e d calculado para a coroa. tendo em vista que a velocidade linear da coroa é igual ao pinhão. e assim. a partir de um coeficiente de Tendo em vista que a carga transmitida pela coroa é a mesma que a transmitida pelo pinhão. Cristiano J. Que é igual ao encontrado para o pinhão. pois do contrário.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->