P. 1
Cópia de Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

Cópia de Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

|Views: 545|Likes:
Publicado porarnoudgermano

More info:

Published by: arnoudgermano on Jul 15, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/26/2014

pdf

text

original

CÂMARA DOS DEPUTADOS

QUESTÕES SOBRE PROCESSO LEGISLATIVO E REGIMENTO INTERNO
2a edição
Luciana Botelho Pacheco Paula Ramos Mendes

Centro de Documentação e Informação Coordenação de Publicações Brasília – 2002

CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA LEGISLATIVA Diretor: Afrísio Vieira Lima Filho CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO Diretora: Suelena Pinto Bandeira COORDENAÇÃO DE PUBLICAÇÕES Diretora: Nelda Mendonça Raulino CONSULTORIA LEGISLATIVA Diretor: Ricardo José Pereira Rodrigues Capa: Arte de Athos Bulcão “As pastoras”, 1967, 98 x 82, óleo sobre eucatex 1998, 1 edição; 2000, 1 reimpressão; 2001, 2 reimpressão Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação – CEDI Coordenação de Publicações – CODEP Anexo II, térreo Praça dos Três Poderes 70160-900 – Brasília (DF) Telefone: (61) 318-6865; fax: (61) 318-2190 publicacoes.cedi@camara.gov.br
a a a

SÉRIE Fontes de referência. Consultoria n. 10

Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) Coordenação de Biblioteca. Seção de Catalogação. Pacheco, Luciana Botelho. Questões sobre processo legislativo e regimento interno / Luciana Botelho Pacheco, Paula Ramos Mendes. – 2. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2002. 212 p. – (Série fontes de referência. Consultoria ; n. 10) ISBN 85-7365-260-8 1. Processo legislativo, Brasil. 2. Câmara dos Deputados, regimento, Brasil. I. Mendes, Paula Ramos. II. Título. III. Série. CDU 342.537(81) ISBN 85-7365-260-8

SUMÁRIO
Apresentação ................................................................. Prefácio à Primeira Edição ................................................ Prefácio à Segunda Edição................................................ Processo Legislativo ........................................................ Sessões Preparatórias...................................................... Órgãos da Câmara .......................................................... Proposições Conceito e Espécies ...................................................... Iniciativa e Apresentação .............................................. Retirada e Arquivamento............................................... Distribuição às Comissões ............................................. Regimes de Tramitação................................................. Comissões Regras Gerais de Funcionamento.................................... Tramitação de Proposições ............................................ Sessões da Câmara dos Deputados Normas Gerais............................................................. Questões de Ordem...................................................... 76 82 62 69 33 43 51 53 59 7 9 11 13 18 22

Discussão de Proposições .............................................. Votação de Proposições.................................................

86 90

Regras de Preferência ................................................... 103 Destaques................................................................... 107 Redação do Vencido e Redação Final.................................. 112 Prejudicialidade .............................................................. 117 Matérias Sujeitas a Tramitação Especial Propostas de Emenda à Constituição ............................... 119 Projetos de Iniciativa do Presidente da República com Solicitação de Urgência ................................................. 128 Projetos de Código ....................................................... 129 Projetos de Consolidação............................................... 134 Projetos de Alteração do Regimento Interno..................... 136 Propostas de Fiscalização e Controle ............................... 138 Autorização para Instauração de Processo Criminal contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado ...................................................................... 141 Processo nos Crimes de Responsabilidade do Presidente e do Vice-Presidente da República e de Ministros de Estado ..... 143 Comparecimento de Ministros de Estado e Outras Autoridades perante a Câmara dos Deputados .................... 144 Pedidos Escritos de Informação a Ministro de Estado e Outras Autoridades ......................................................... 146

.............. 197 ........................... 186 Veto Presidencial..................... 161 Consultoria Legislativa e Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ........................ 182 Créditos Adicionais ...... 179 Lei Orçamentária Anual .. 166 Comissões Parlamentares de Inquérito.................................................................................... 175 Plano Plurianual . 182 Tomada de Contas do Presidente da República ........................................ 177 Lei de Diretrizes Orçamentárias........... 174 Matérias Relativas ao Orçamento..................................... 193 Índice de Assuntos ..... 148 Participação da Sociedade Civil na Câmara dos Deputados .............................. 181 Emendas aos Projetos Referentes a Matéria Orçamentária .........................Participação na Comissão Representativa do Congresso Nacional e no Conselho da República ........................................................................ 147 Direitos e Deveres dos Deputados ...................... 184 Medidas Provisórias ............................................................................................. 167 Matérias Sujeitas a Apreciação Conjunta ..............................................................................................

devendo contar. É esta importância que gostaríamos de destacar. especialmente os regimentais. quando lançada a primeira edição. por meio dessas Questões. Mas também é certo que. indispensável ainda à eficiência dos gabinetes parlamentares e todos os órgãos da Câmara dos Deputados. Muitos dos eleitos para esta Casa aqui vêm pela primeira vez. assim aprofundando suas noções de democracia. no momento em que temos a satisfação de lançar esta edição. a pertinência da obra se consolida e manifesta. vem atender de forma mais completa ao crescente interesse que desperta. dever público e responsabilidade social.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 7 APRESENTAÇÃO Chega à sua segunda edição a obra que temos o prazer de apresentar. Com este trabalho. toda a sociedade brasileira. cidadania. e. do funcionamento da Casa. e assim participando . Mais uma vez. tornando público e facilitado o aspecto orgânico da instituição. o livro tem-se apresentado como um importante difusor. numa nova legislatura. com um imprescindível instrumento de acesso ao intrincado universo da atividade legislativa. seus meandros e particularidades. Para os reeleitos ou mais experientes. por fundamental à apreensão e compreensão de todos os aspectos do processo legislativo na Câmara dos Deputados. Acompanhando as modificações introduzidas. em especial os da área legislativa. desde 1998. profissionais e estudantes de várias áreas. fora de seus muros. de modo geral. representa decerto a atualização necessária. Revista e ampliada. poderão tomar contato com a prática e a vivência cotidiana do Poder Legislativo.

8 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno da evolução das instituições brasileiras. nos últimos anos. caráter didático e sistemática acessível. que a caracterizam como uma das mais bem-vindas publicações da Câmara dos Deputados. naturalmente. a obra mantém. Aécio Neves Presidente da Câmara dos Deputados Outubro de 2002 .

têm o objetivo de conferir ao leitor maior praticidade na hipótese de aprofundar sua consulta. contemplando-se maior número de pormenores e incidentes processuais. Na seção referente às normas do processo legislativo em si. ampliou-se bastante o conteúdo anterior. a abordar temas não diretamente ligados ao processo legislativo. portanto. para abrigar as questões referentes ao Regimento Interno não diretamente afetas ao processo propriamente dito. Não apenas alterações no regimento e em outros diplomas legais tornaram necessária essa reelaboração. e as remissões incluídas. principalmente. editadas em 1995. o Regimento Comum do Congresso Nacional. Nas informações de rodapé concentram-se algumas poucas observações e. a Constituição Federal ou a combinação de dispositivos de mais de um desses diplomas (casos em que se .Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 9 PREFÁCIO À PRIMEIRA EDIÇÃO Este volume representa uma reelaboração das Questões sobre processo legislativo na Câmara dos Deputados. o Regimento Interno da Câmara dos Deputados. como os referentes. por exemplo. todo o texto preparado em 1995 foi revisto. a obra careceu de alteração em seu título. a saber. aos direitos e deveres dos Deputados ou à composição e às atribuições dos órgãos da Câmara. para atender a dúvidas relacionadas a outros itens constantes do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e não atinentes ao processo propriamente dito. o que ocasionou inevitável modificação de conteúdo. mas também a necessidade de se lhe ampliarem os objetivos. A organização das questões se orientou pelo campo temático de assuntos. as indicações de dispositivos legais orientadores do conteúdo das respostas. Além disso. bem como abundantes notas de rodapé. Tendo passado.

O lançamento deste volume. Dessa maneira. que coincide com o início de nova legislatura. do Dr. Márcia Maria Bianchi Prates. quem não se sentir suficientemente esclarecido com o teor das respostas que encontrar poderá valer-se da indicação em nota de rodapé para consultar a legislação específica em seu contexto completo. Brasília. que orientaram os aspectos relacionados às comissões de inquérito e à matéria orçamentária. o reconhecimento pela contribuição recebida da Dra. promove necessária atualização de informações que foram modificadas por diversas alterações legais. Os autores renovam o agradecimento a todos que colaboraram na elaboração do volume editado em 1995 e acrescentam aqui. para esta versão de 1998.10 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno adotou a indicação "c/c" – combinado com). Flávio Euclydes Ramos Jacopetti e do Dr. público esse que se renova em grande número a cada quatro anos. outubro de 1998 Os autores . Além disso. com a assunção de novos parlamentares. Francisco de Paula Schettini. pretende municiar de informação todo o público afeto à elaboração legislativa.

e renovam os agradecimentos a todos os que colaboraram na elaboração dos volumes editados anteriormente. outubro de 2002 As autoras . As alterações feitas na presente edição devem-se.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 11 PREFÁCIO À SEGUNDA EDIÇÃO Este volume amplia. legais e regimentais aprovadas no curso da última legislatura. Brasília. Algumas alterações meramente formais também foram feitas. As inovações mais significativas dizem respeito aos novos órgãos criados na Casa e suas respectivas competências — a Comissão de Legislação de Participação. a quem coube a revisão dos aspectos referentes à tramitação das matérias orçamentárias na presente edição. Roberto Bocaccio Piscitelli. As autoras agradecem a valiosa colaboração do Dr. publicado em 1998. o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar — e às novas regras constitucionais e regimentais referentes aos institutos da imunidade parlamentar e das medidas provisórias. revê e atualiza nosso Questões sobre processo legislativo e Regimento Interno. em sua maior parte. à necessidade de adaptação do texto anterior às regras constitucionais. a Ouvidoria Parlamentar. com vista exclusivamente ao aperfeiçoamento do texto original.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

13

PROCESSO LEGISLATIVO

1

O que é processo legislativo?
É a sucessão de atos diversos realizados para a produção das leis em geral. O conteúdo, a forma e a seqüência desses atos obedecem a uma série de regras próprias.

2

Onde se encontram as regras do processo legislativo em nível federal?
No caso da produção das leis federais, essas regras são ditadas pela Constituição Federal, pela Lei Complementar no 95, de 26 de fevereiro de 1998, pelos Regimentos Internos da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e pelo Regimento Comum das duas Casas. Enquanto a Constituição Federal dita algumas regras de âmbito geral relativas a iniciativa, quorum para aprovação, encaminhamento de uma Casa à outra, sanção e veto, aos regimentos internos coube disciplinar todos os demais detalhes do processo legislativo, como os relativos aos trabalhos das comissões, prazos para emendamento, prazos para emissão de pareceres, regras de votação e destaques, por exemplo. Já a Lei Complementar no 95, de 1998, que regulamenta o art. 59,

14

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

parágrafo único, da Constituição Federal, dispõe sobre elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis.1

a

3

Que espécies de normas jurídicas são produzidas de acordo com as regras do processo legislativo?
As enumeradas no art. 59 da Constituição Federal, a saber: emendas constitucionais, leis complementares, leis ordinárias, leis delegadas, medidas provisórias, decretos legislativos e resoluções.

4

O que é processo legislativo bicameral?
Processo legislativo bicameral é aquele que envolve a manifestação de vontade de duas câmaras legislativas para a produção das normas jurídicas. No Brasil, submetem-se a esse tipo de procedimento as emendas à Constituição Federal, as leis federais complementares, ordinárias e delegadas, as medidas provisórias, os decretos legislativos federais e as resoluções comuns das duas Casas do Congresso Nacional, devendo todas essas espécies normativas ser apreciadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, conforme o caso.

1

Observa-se que algumas de suas regras foram alteradas pela Lei Complementar no 107/2001.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

15

5

Qual é, em linhas gerais, o rito mais comum do procedimento legislativo bicameral?2
Um projeto aprovado em uma das Casas, designada "Casa de origem", é encaminhado, em autógrafos, à segunda Casa, designada "Casa revisora", a qual poderá rejeitá-lo, aprová-lo integralmente ou aprová-lo com emendas. No primeiro caso, a proposição será arquivada; no segundo caso, encaminhada à promulgação ou ao Presidente da República, conforme se trate de matéria de competência exclusiva do Congresso Nacional ou dependente de sanção ou veto do Poder Executivo; no terceiro caso, será reencaminhada à Casa de origem, para que esta aprecie as emendas propostas pela Casa revisora.

6

Que regras regem a tramitação dos projetos que vão de uma Casa à outra?
As duas Casas do Congresso Nacional são independentes entre si e produzem os atos de sua competência de acordo com as regras dos respectivos regimentos internos. Há um mínimo de regras, entretanto, definidas na Constituição Federal e no Regimento Comum das duas Casas, que obrigam ao mesmo tempo Câmara e Senado: são as disposições comuns do processo legislativo, que visam a dar similaridade de tratamento aos projetos que saem de uma Casa e são remetidos à outra, para apreciação.

2

Arts. 65 e 66, CF.

57. 44. 134 a 140 do Regimento Comum. parágrafo único. Submetem-se. e b) nos arts. às diretrizes orçamentárias. §§ 4o e 6o. 166. ainda. 7 Existem projetos que tramitam conjuntamente nas duas Casas?3 Sim. CF. aos créditos adicionais e aos planos e programas nacionais. a deliberação em sessão conjunta das duas Casas os vetos presidenciais a projetos de lei (ver questão 300).16 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Tais regras encontram-se: a) no art. que veio alterar o rito de tramitação dessas espécies normativas (ver questões 288 e seguintes). caput. 66. coincidindo sempre com a duração dos mandatos dos Deputados. c/c art. além das medidas provisórias editadas pelo Poder Executivo anteriormente à publicação da Emenda Constitucional no 32/2001. regionais e setoriais (ver questões 269 a 285). Tramitam conjuntamente pelas duas Casas do Congresso Nacional os projetos relativos ao plano plurianual. que têm a duração de quatro anos. 8 Como se organizam legislativos em geral?4 os trabalhos O Congresso Nacional organiza seus trabalhos por legislaturas. 3 4 Art. CF. . Art. ao orçamento anual. 65 da Constituição Federal. c/c art.

. sendo designado "sessão legislativa extraordinária" o período de trabalhos legislativos decorrente da convocação. interrompendo-se entre 1o e 31 de julho — salvo quando ainda não tenha sido votada a lei de diretrizes orçamentárias. CF. § 6o. o Congresso Nacional só pode reunir-se por convocação extraordinária6. e correspondem a cada uma das reuniões do Plenário da Casa (ver questão 96. Art. em horário determinado pelo Regimento Interno. 57. Do mesmo modo não se confundem as sessões legislativas extraordinárias. com as sessões extraordinárias da Câmara dos Deputados. Fora desses períodos. que são anuais. letra b). cada uma delas iniciando-se em 15 de fevereiro. 57.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 17 Uma legislatura compõe-se de quatro sessões legislativas ordinárias. § 2o. que constituem um período extraordinário de trabalhos do Congresso Nacional. não se confundem com as sessões ordinárias da Câmara dos Deputados. 5 6 Art. que acontecem de segunda a sexta-feira. As sessões legislativas ordinárias. CF. que correspondem às reuniões de Plenário marcadas para dia ou horário não coincidente com o das ordinárias. que constituem o calendário anual de trabalhos ordinários do Congresso Nacional. o que impede a interrupção até que se ultime o processo de sua votação (ver questão 278)5 — e encerrando-se em 15 de dezembro de cada ano.

4o. no primeiro caso. . já que o mandato dos membros da Mesa é renovado a cada biênio. já diplomado na data da sessão preparatória. e. sempre a partir de 1o de fevereiro do primeiro ano de cada legislatura. §§ 5o e 6o. quem assume os trabalhos é o Deputado mais idoso dentre aqueles de maior número de mandatos já exercidos. é facultado tomar 7 8 Art. RICD.18 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno SESSÕES PREPARATÓRIAS 9 O que são sessões preparatórias?7 São sessões realizadas pelo Plenário exclusivamente para a posse dos Deputados e para a eleição da Mesa. 4o. no primeiro e também no terceiro ano de cada legislatura. no segundo caso. Art. se houver sido reeleito Deputado. ocorrem. o Regimento da Câmara cogita de três hipóteses: a) ao Deputado que. 10 Há possibilidade de um Deputado tomar posse fora da sessão preparatória?8 Sim. a ela não tenha comparecido. se não. Deve presidir a sessão preparatória destinada à posse dos parlamentares o Presidente da Mesa anterior. RICD.

11 Qual o quorum de presença exigido para a realização da sessão preparatória destinada à eleição da Mesa?9 Deve estar presente no mínimo a maioria absoluta dos Deputados. 9 Art. a posse deverá ocorrer no prazo de até trinta dias contados do fato que ensejou a convocação (como a morte ou o afastamento de um titular. Em qualquer hipótese. b) no caso de Deputado eleito no curso da legislatura. exceto durante período de recesso do Congresso Nacional. por exemplo. . o Deputado empossado fora da sessão preparatória deve prestar o compromisso em sessão e junto à Mesa. o que atualmente corresponde a 257 Deputados. a posse deverá ocorrer no prazo de até trinta dias contados de sua diplomação. c) no caso de Deputado convocado a assumir o mandato por convocação do Presidente. que demanda a convocação de suplente). 7o. ou seja.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 19 posse no prazo de até trinta dias contados da realização da sessão preparatória. o equivalente ao primeiro número inteiro superior à metade do total. quando o faz perante o Presidente. RICD. caput.

mas vinculado ao princípio da proporcionalidade partidária. c) a distribuição dos cargos da Mesa pode também ser fruto de acordo entre todas as lideranças. 7o e 8o. § 1o. devendo a composição partidária da Mesa ser. abrandando-se os critérios puramente matemáticos. f) o registro pode ser feito individualmente ou por chapa. 12 Art. o Deputado só pode se candidatar aos cargos que. de acordo com este mesmo princípio. e) os candidatos a cada cargo podem ser indicados pelos respectivos partidos por meio da liderança ou requerer o registro da candidatura independentemente de indicação partidária. tanto quanto possível. . CF. 10 11 Arts. tendo prioridade na escolha as de maior sobre as de menor representação. ou seja. proporcional à da própria Casa12. possam ser disputados por seu partido. desde que. a determinação de quais serão disputados por este ou aquele partido é feita por escolha das lideranças. neste último caso. d) fixada a distribuição. em algumas ocasiões. seja por acordo ou por escolha das lideranças após a divisão numérica.11 b) a determinação de quantos cargos da Mesa cada partido pode disputar é feita por critérios matemáticos. nos termos referidos anteriormente. 58. têm sido aceitas.20 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 12 Quais as regras gerais a serem observadas para a eleição da Mesa?10 As regras gerais são as seguintes: a) o direito a registrar-se candidato a cargo da Mesa não é livre. fixado o número de cargos que cada um pode disputar. Por liberalidade da Mesa. os Deputados só têm direito regimental a se candidatar aos cargos que couberem a seu partido. queiram disputar cargo previamente distribuído à sua bancada. RICD. candidaturas avulsas desvinculadas do princípio da proporcionalidade partidária.

bem como a realização de segundo turno para o cargo. h) a apuração dos votos para Presidente. se nenhum deles alcançar este número. se for o caso. sempre precedem a apuração dos votos para os demais cargos. concorrendo os dois candidatos mais votados na primeira e considerando-se eleito em segundo turno o mais votado. deve ser realizada nova eleição para aquele cargo. .Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 21 g) considera-se eleito para cada cargo o candidato que receber maioria absoluta dos votos.

14 a 19-A. com quatro Suplentes de Secretário. ainda. RICD. dois Vice-Presidentes e quatro Secretários. são órgãos da Câmara a Mesa. as comissões. A Mesa conta. também. que embora não tenha sido incluído expressamente no Regimento como tal. . 14 O que é a Mesa?14 A Mesa é o órgão de direção dos trabalhos legislativos e dos serviços administrativos da Câmara dos Deputados. o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. é também órgão inequivocamente integrante da estrutura institucional da Casa.22 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno ÓRGÃOS DA CÂMARA 13 Quais são os órgãos da Câmara? Segundo o Título II do Regimento Interno.13 Cumpre observar. Arts. criado pela Resolução no 25/2002. Compõem a Mesa sete membros titulares: um Presidente. a Procuradoria Parlamentar e a Ouvidoria Parlamentar. o Colégio de Líderes. 13 14 A Ouvidoria foi introduzida no referido Título pela Resolução no 19-A/2001.

na ausência de todos os membros da Mesa. as de seu Presidente. 17. As atribuições da Mesa são fixadas no art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 23 Aos Vice-Presidentes. Suas decisões devem ser tomadas pelo consenso de seus membros e. 15 16 Resolução no 28/2002. no art. são sucessivamente chamados a substituí-los os Secretários e os Suplentes. além da Liderança do Governo. compete substituir o Presidente em suas ausências e impedimentos. 15 O que é o Colégio de Líderes?16 O Colégio de Líderes é um órgão decisório. assume a direção dos trabalhos o Deputado mais idoso dentre aqueles de maior número de legislaturas. 19. todos segundo sua numeração ordinal. no art. integrado por todas as lideranças de partidos e blocos parlamentares. quando isto não for possível. RICD. . os quais são ponderados em função da expressão numérica da bancada que cada líder representa. em sessão. no art. finalmente. na ausência do Presidente e dos Vice-Presidentes. 20. Art. as dos demais membros são fixadas pela própria Mesa. por meio de ato normativo específico. as dos Suplentes de Secretário. segundo sua numeração ordinal. 15 do Regimento Interno. pela maioria absoluta de votos. 19-A15. as do Primeiro-Secretário.

orientando sua bancada. . 17 Arts. b) participar dos trabalhos de qualquer comissão. letra e). mas podendo encaminhar e requerer verificação de votação (ver questões 132 e 136). Os líderes são os representantes dos partidos ou blocos parlamentares perante a Câmara. por tempo proporcional ao tamanho de sua bancada (ver questão 104).24 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 16 O que são as lideranças partidárias?17 As lideranças são constituídas de líder e vice-líderes. d) indicar os membros da bancada que irão integrar cada comissão. Gozam de uma série de prerrogativas e atribuições regimentais. Cada líder pode indicar vice-líderes. f) inscrever os membros da bancada para o período das comunicações parlamentares (ver questão 103). entre outras: a) usar da palavra. na proporção de um para cada quatro Deputados de sua bancada. e) registrar os candidatos aos cargos da Mesa que possam ser disputados por seu partido (ver questão 12. 9o e 10. a saber. sem direito a voto. c) encaminhar a votação das proposições no Plenário. durante as sessões. facultada a designação de um como primeiro-vice-líder. RICD.

apenas aqueles com representação no mínimo equivalente a um centésimo do total de Deputados. a qual se compõe de um líder e de cinco vice-líderes. 11. RICD.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 25 17 Todos os partidos com assento na Casa têm direito a liderança?18 Não. . 9o. durante cinco minutos. participar dos trabalhos das comissões e fazer uso da palavra durante as sessões. os que deixarem de preencher este requisito têm direito a indicar um de seus integrantes para orientar a bancada na votação das proposições e para falar em sessão. caput e § 4o. com as prerrogativas de encaminhar votação. Art. 18 O que é a Liderança do Governo?19 É a representação dos interesses do Poder Executivo dentro da Câmara. uma vez por semana. O Presidente da República pode indicar até seis Deputados para exercerem a Liderança do Governo. 18 19 Art. RICD.

21. sendo nomeados pelo Presidente da Casa para mandato de dois anos. da atuação do Ministério Público ou da Advocacia-Geral da União para promover medidas judiciais ou extrajudiciais de reparação. Art. de seus órgãos e membros quando atingidos em sua honra ou imagem perante a sociedade. com observância.26 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 19 O que são blocos parlamentares?20 Os blocos parlamentares são organismos previstos no Regimento Interno que reúnem duas ou mais bancadas. 12. os partidos envolvidos têm de reunir pelo menos três centésimos do total de membros da Casa. A Procuradoria Parlamentar tem autonomia para providenciar ampla publicidade reparadora nos casos de veiculação. em razão do exercício do mandato ou de suas funções institucionais. em colaboração com a Mesa. 20 O que é a Procuradoria Parlamentar?21 A Procuradoria Parlamentar é o órgão da Câmara destinado a promover. RICD. de matéria ofensiva à imagem da Casa ou de seus membros. tanto quanto possível. as quais passam a atuar na Câmara sob liderança comum (os líderes dos partidos que os integram perdem suas prerrogativas e atribuições regimentais). do princípio da 20 21 Art. RICD. a defesa da Casa. Para formar bloco parlamentar. depende. contudo. em órgão de comunicação ou de imprensa. Os membros da Procuradoria Parlamentar são onze. .

ilegalidades e abusos constatados. quando cabível. b) ilegalidades ou abuso de poder. propor. ao Ministério Público ou a outro órgão competente as denúncias recebidas que necessitem de maiores esclarecimentos.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 27 proporcionalidade partidária. proporcionalmente. encaminhar ao TCU. 21 O que é a Ouvidoria Parlamentar?22 A Ouvidoria Parlamentar é o órgão da Câmara destinado a receber e examinar as reclamações e representações de pessoas físicas ou jurídicas sobre: a) violação ou qualquer forma de discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais. a da própria Câmara. . Compete a ele. ou seja. c) mau funcionamento administrativos da Casa. dos serviços legislativos e d) assuntos recebidos pelo sistema 0800 de atendimento à população. à Polícia Federal. a composição partidária do órgão deve refletir. ainda. além daquelas necessárias à regularidade dos trabalhos legislativos e administrativos. a abertura de sindicância ou inquérito. É órgão de ligação direta entre a Câmara dos Deputados e a população. incumbido de propor medidas para sanar as violações. 22 Resolução no 19/2001. responder aos cidadãos e às entidades quanto às providências tomadas e realizar audiências públicas com segmentos da sociedade civil.

dentre os membros da Casa. 23 Art. . a cada dois anos. b) temporárias. 23 O que são as comissões?23 As comissões são órgãos de caráter eminentemente técnico. as criadas exclusivamente para desempenhar determinada tarefa. podendo assumir a forma de comissão de inquérito. os quais compõem seu campo temático ou área de atividade. 22.28 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 22 Como se compõe Parlamentar? a Ouvidoria É composta por um Ouvidor-Geral e dois Ouvidores Substitutos. as que integram a estrutura institucional da Casa e são especializadas no trato de determinados assuntos. designados pelo Presidente da Câmara. RICD. comissão especial ou comissão externa. co-partícipes do processo legislativo e das atividades de fiscalização e controle da administração pública. São basicamente de dois tipos: a) permanentes.

também. . pessoalmente. Podem. 24. remetendo-as à Mesa para renumeração e redistribuição. ou conceder-lhe audiência para expor assunto de relevância de seu ministério. planos nacionais. informações sobre assunto previamente determinado. civil. ainda: a) dividir proposições que tratem de diferentes matérias. com ou sem emendas. i) acompanhar e apreciar programas de obras. ou formular projetos delas decorrentes. em alguns casos. RICD. o poder de substituir o Plenário em sua deliberação final. por intermédio da Mesa. reclamações ou representações de qualquer pessoa contra atos ou omissões de autoridades ou entidades públicas. d) convocar Ministro de Estado ou qualquer titular de órgão diretamente subordinado à Presidência da República para prestar.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 29 24 Que poderes têm as comissões?24 As comissões têm poderes para examinar e dar parecer sobre as proposições que lhes são encaminhadas. recomendando ao Plenário sua aprovação. e) encaminhar. têm. regionais e setoriais de desenvolvimento e sobre eles 24 Art. ou sua rejeição. pedidos escritos de informação a Ministro de Estado ou a qualquer titular de órgão diretamente subordinado à Presidência da República. c) apresentar proposições à Câmara. f) realizar audiências públicas com entidades da sociedade g) receber petições. b) sugerir o arquivamento de proposições. h) solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidadão. aprovando ou rejeitando projetos de lei (ver questão 76).

palestras ou seminários. para elucidação de matéria sujeita a seu pronunciamento. 25 Art. 25 c/c art. 33. § 1o. o número de membros é estabelecido pela Mesa. m) estudar qualquer assunto compreendido em seu campo de atividade. o número total de vagas será no máximo equivalente a 506 (513 Deputados menos os sete membros da Mesa). ou seja. em articulação com a comissão mista permanente de que trata o art. ouvidos os líderes. . a fiscalização e o controle dos atos do Poder Executivo. incluídos os da administração indireta. prevalecendo o quantitativo anterior enquanto não modificado. RICD. 25 Qual o número comissões?25 de membros das No caso das comissões permanentes. podendo promover conferências. 166 da Constituição Federal. j) exercer. n) solicitar audiência ou colaboração de órgãos ou entidades da administração pública direta ou indireta e da sociedade civil. elaborando o respectivo decreto legislativo. Devem ser observados os seguintes limites: a) o número total de vagas não pode ultrapassar o da composição da Casa. exposições. não computados os membros da Mesa. l) propor a sustação de atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa. nos termos constitucionais e regimentais. no início da primeira e da terceira sessões legislativas de cada legislatura.30 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno emitir parecer.

27 do Regimento Interno. no art. . a composição da Casa. Podem. Para isto.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 31 b) o número de membros de cada comissão não pode ser inferior a cinco centésimos nem superior a doze centésimos do total de membros da Casa. a composição das comissões deve refletir. as regras a serem seguidas são matemáticas e encontram-se prescritas. 34. ser criadas comissões especiais para apresentação de projeto de reforma do Regimento 26 Art. No caso das comissões temporárias. 26 Como é feita a distribuição das vagas das comissões entre os partidos e blocos parlamentares? O critério a ser seguido baseia-se. como no caso das vagas da Mesa. passo a passo. RICD. ou seja. 27 O que são comissões especiais? 26 As comissões especiais são comissões temporárias constituídas para examinar e dar parecer sobre propostas de emenda à Constituição. projetos de código e proposições mais complexas que envolvam matéria de competência de mais de três comissões de mérito. no princípio da proporcionalidade partidária. ainda. o número de membros deve ser definido no próprio ato (requerimento ou projeto de resolução) de que resultar sua criação. tanto quanto possível.

salvo se importarem em ônus para a Casa. RICD. RICD. quando sua constituição depende de deliberação do Plenário. § 1o. § 2o. 27 28 29 Arts. RICD. criadas para apurar fato determinado — algum acontecimento relevante para a vida pública e a ordem constitucional. 29 O que são comissões externas?29 São comissões temporárias constituídas para atuar fora da Câmara dos Deputados e representá-la nos atos a que tenha sido convidada ou a que tenha de assistir. 28 O que são comissões de inquérito?28 São comissões temporárias com poderes de investigação equiparados aos das autoridades judiciais. 205. Art. 35 a 37. Podem ser constituídas por ato do Presidente. 38. legal. econômica e social do País (ver questões 256 a 267). e 218. . de ofício ou a requerimento de qualquer Deputado. Arts.32 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Interno ou para apreciação de denúncia oferecida contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e Ministros de Estado por crime de responsabilidade27.

emenda. 31 O que é proposta de emenda à Constituição?31 É uma espécie de proposição destinada a propor alterações ao texto constitucional vigente. 60. secreto. CF c/c art. Para ser submetida à deliberação da Câmara. 100. RICD. . requerimento. indicação. Art. do voto direto. 201. 30 31 Art. podendo consistir nas seguintes espécies: proposta de emenda à Constituição.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 33 PROPOSIÇÕES Conceito e Espécies 30 O que é proposição?30 Proposição é toda matéria submetida à deliberação da Casa. devem ser observados os seguintes requisitos exigidos pela Constituição Federal: a) não conter em suas disposições qualquer tendência para abolição da forma federativa do Estado. RICD. parecer. projeto. recurso e proposta de fiscalização e controle.

que se destinam igualmente a regular as matérias inseridas na competência normativa da União e pertinentes às atribuições legislativas do Congresso Nacional. embora também se sujeitem a sanção ou a veto do Presidente da República. em lei complementar. . 22 e 24. letras a. c) ser apresentada por agente legítimo (ver questão 45. Arts. a sanção ou a veto do da República. regular as União33 e Nacional34. da separação dos Poderes ou dos direitos e garantias individuais. Art. b) não se encontrar o País sob vigência de estado de sítio. 48. Diferenciam-se as seguintes espécies: a) projetos de lei ordinária. diferenciam-se especialmente dos projetos de lei ordinária por serem submetidos a dois turnos de 32 33 34 Art. Presidente b) projetos de lei complementar. após aprovados. que se destinam a matérias inseridas na competência normativa da pertinentes às atribuições legislativas do Congresso sujeitando-se. b. CF. 32 O que é projeto?32 É uma proposição destinada a regular matérias disciplinadas ou disciplináveis em lei ordinária. RICD. 109. CF. conforme o caso. em decretos legislativos ou em resoluções. mas apenas aquelas para as quais o texto constitucional tenha exigido expressamente disciplina mediante lei complementar. estado de defesa ou intervenção federal.34 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno universal e periódico. c e d).

processual. 69. 35 36 Art. c) substitutivas. d) projetos de resolução. 33 O que é emenda?36 Emenda é a proposição acessória destinada a alterar a forma ou conteúdo de outra proposição — chamada principal — à qual se vincula indissoluvelmente em todos os atos da tramitação. destinadas a modificar proposição principal mas sem alterar sua essência. aspectos da e) aditivas. Arts. RICD. que se destinam a formalizar os atos de competência exclusiva do Congresso Nacional mencionados no art. destinadas a substituir por outras algumas partes da proposição principal.35 c) projetos de decreto legislativo. legislativo ou administrativo) da Câmara dos Deputados. não se sujeitam a sanção ou a veto do Presidente da República. destinadas a fundir outras emendas. RICD. ou uma emenda com o texto da proposição principal. destinadas a suprimir partes da proposição principal. As emendas podem ser de vários tipos: a) supressivas. 148. b) aglutinativas. CF c/c art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 35 apreciação e necessitarem de maioria absoluta de votos favoráveis para serem aprovados. . destinadas a acrescentar disposições novas à proposição principal. 118 e 119. 49 da Constituição. que se destinam a regular assuntos de interesse interno (político. d) modificativas.

Art. ao contrário do que às vezes se imagina. CF. 34 O que é substitutivo?38 Substitutivo é uma emenda substitutiva. RICD. com a peculiaridade de. § 8o. sofrendo apenas uma restrição de ordem constitucional: não são admitidas emendas que visem a aumentar despesa prevista em projetos de iniciativa exclusiva do Presidente da República ou que disponham sobre organização dos serviços administrativos da Câmara dos Deputados. . 63. podendo promover alterações meramente formais ou de conteúdo à proposição principal. 118. como emendas de redação. Deve-se registrar que o costume da Casa tem aceito. 118. algumas 37 38 39 Art. RICD. salvo quando o Regimento disponha diferentemente. substituir seu texto integralmente por outro. ao invés de substituir apenas algumas partes da proposição principal. 35 O que é emenda de redação?39 Emenda de redação é uma emenda modificativa que tem por fim sanar vício de linguagem.36 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno O poder de emendamento é bastante amplo. Vale observar que. dos Tribunais Federais e do Ministério Público37. a apresentação de substitutivo não é atribuída privativamente aos relatores. § 4o. incorreção de técnica legislativa ou lapso manifesto da proposição principal. do Senado Federal. podendo ser feita por qualquer Deputado. Art.

RICD. ou o envio de projeto sobre matéria de sua iniciativa exclusiva (ver questões 49 a 51). adequando-o às boas regras de redação e técnica legislativa. a realização de ato administrativo ou de gestão. 37 O que é indicação?41 É uma espécie de proposição que pode assumir duas finalidades: a) sugerir a outro Poder a adoção de providência. 36 O que é subemenda?40 É a emenda destinada a alterar outra emenda. visando à elaboração de projeto sobre matéria de iniciativa da Câmara. ou b) sugerir a manifestação de uma ou mais comissões acerca de determinado assunto. . no segundo caso. No primeiro caso. neste último caso.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 37 do tipo "substitutivo" que incidem globalmente sobre todo o texto da proposição principal. desde que. 118. RICD. não incida sobre emenda com a mesma finalidade. Art. § 7o. a indicação deve ser apresentada por meio de requerimento escrito. aditiva ou supressiva. sujeito a despacho do Presidente da Câmara. 113. podendo ser substitutiva. as indicações recebidas pela Mesa são 40 41 Art.

b) sujeitos a despacho do Presidente. Se indeferidos. ouvida a Mesa.38 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno automaticamente encaminhadas às comissões competentes. destinando-se. em geral. Os requerimentos sujeitos a despacho do Presidente. 38 O que é requerimento?42 Requerimento é proposição destinada aos mais variados tipos de solicitações. à solicitação de providências relacionadas ao desenrolar dos trabalhos em Plenário. nos anais da Câmara. São apresentados. 42 Art. para apreciação. recurso para o Plenário. em caso de indeferimento. de informações. discussão de uma proposição por partes. ouvida a Mesa. c) sujeitos à deliberação do Plenário. normalmente. 114 e seguintes. durante a sessão e admitem. . RICD. O Regimento Interno da Câmara prevê três tipos de requerimentos: a) sujeitos a despacho do Presidente. são sempre escritos e englobam apenas dois tipos: os que solicitam encaminhamento de pedido de informações a Ministro de Estado ou a qualquer titular de órgão diretamente subordinado à Presidência da República (ver questão 224) e os que solicitam inserção. os autores podem interpor recurso ao Plenário. documentos ou discursos de representante de outro Poder (quando não lidos integralmente pelo orador que a eles fez remissão). informações sobre a ordem dos trabalhos etc. tais como prorrogação de prazo para o orador que está na tribuna. Os requerimentos sujeitos apenas a despacho do Presidente podem ser verbais ou escritos.

sempre escritos. por sua aprovação. no qual um dos membros da comissão.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 39 Finalmente. c) parecer da comissão. serão todos os que não tenham sido expressamente previstos no texto do Regimento Interno. faz a exposição circunstanciada da matéria em apreciação. No caso de parecer exclusivamente a emenda. compõe-se de três partes: a) relatório. é dispensável a parte do relatório. total ou parcial. b) voto do relator. O parecer. sempre. concluindo. No que diz respeito ao conteúdo. que normalmente assume a forma escrita (só excepcionalmente pode ser oral). 39 O que é parecer?43 Parecer é uma espécie de proposição mediante a qual as comissões se pronunciam sobre as demais proposições submetidas a seu exame. os requerimentos sujeitos à deliberação do Plenário. 126 e seguintes. aos aspectos referentes ao âmbito de atuação temática de cada uma delas 43 Art. designado relator. ou sua rejeição integral. . além daqueles relacionados nos incisos I a XIX de seu art. ao final. onde este expõe sua opinião sobre a matéria em apreciação. RICD. 117. com ou sem emendas. onde se espelha o resultado final da votação da matéria na comissão. apresentando a conclusão desta após a apreciação do voto apresentado pelo relator e a indicação dos Deputados votantes e dos respectivos votos. o parecer emitido por cada comissão técnica deve restringir-se.

no sentido da rejeição total e da aprovação. 41 O que é parecer de mérito? Parecer de mérito é aquele que examina determinada proposição sob o ponto de vista exclusivamente da conveniência e oportunidade técnico-política de sua aprovação ou rejeição. De acordo com decisão da Presidência da Casa publicada no DCN de 30 de maio de 1990. 32 do Regimento Interno). são considerados divergentes "os pareceres de mérito antagônicos. 44 Art.40 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno (definido no art. RICD. 55. assim entendidos os que concluam. . considerando-se como não-escrito o que extrapolar esta competência44. em relação à mesma proposição. parágrafo único. com ou sem emendas". independentemente de sua adequação à ordem jurídicoconstitucional ou financeiro-orçamentária do País. 40 O que é parecer divergente? O Regimento não o define expressamente.

não mais podem ser contestados. não se submetendo à votação pelo Plenário (ver também questão 76. 54. uma vez emitidos. Diz-se que são terminativos porque. e de Finanças e Tributação (ou. em sua maioria. . de parecer opinativo da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. se for o caso. são julgados pelo Plenário e dependem. parte final e seguintes).Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 41 42 O que é parecer terminativo?45 Parecer terminativo é o tipo de parecer emitido pelas Comissões de Constituição e Justiça e de Redação. presidências das comissões. 43 O que é recurso? Recurso é uma espécie de proposição destinada a alterar decisões tomadas por órgãos da Casa (Presidência da Câmara. ou de adequação financeira e orçamentária das proposições. o prazo para apresentação do recurso é de cinco sessões contadas a partir da publicação de aviso específico no avulso da Ordem do Dia da Câmara. Os recursos. comissões. Conselho de Ética e Decoro Parlamentar). pela comissão especial referida na questão 61. se não forem objeto de recurso específico. parte final) quando se pronunciam. sobre os aspectos de constitucionalidade. RICD. Em geral. respectivamente. Excetuam-se desta regra os recursos contra decisões sobre: 45 Art. Mesa. juridicidade e técnica legislativa e redação. em alguns casos.

RICD. 95. . RICD.42 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno a) questão de ordem46. Sua tramitação obedece a regras específicas (ver questões 215 e seguintes). casos em que devem ser apresentados imediatamente após o anúncio da respectiva decisão. caso em que devem ser apresentados no prazo de duas sessões a partir da publicação do despacho respectivo ou imediatamente após anunciada a decisão. 141. 80. RICD. Art. requerimento de retificação de ata47 e prejudicialidade de matéria em apreciação48. 44 O que é proposta de fiscalização e controle?50 É uma espécie de proposição destinada a apurar irregularidades no âmbito da administração pública. RICD. § 1o. se se tratar de matéria urgente. b) conflito de competência entre comissões49. Art. § 8o. Art. 164. Art. § 2o. 46 47 48 49 50 Art. RICD. 61.

excetuados os partidos políticos (ver questões 246 e seguintes). na forma prevista no texto constitucional.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 43 Iniciativa e Apresentação 45 Quem pode apresentar proposições à Câmara dos Deputados? A prerrogativa da apresentação depende da espécie de proposição. . do Presidente da República. do Senado Federal ou. 201. c) por mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da Federação (devendo. 32. RICD. da Mesa. RICD. Resolução no 21/2001. cada uma delas. d) pelo Senado Federal. tem sido possível a apresentação de sugestões de iniciativa legislativa por associações e órgãos de classe. Já os projetos de lei em geral podem ser de iniciativa de qualquer membro ou comissão da Câmara dos Deputados. com a criação da Comissão de Legislação Participativa52. caput. XVII. As propostas de emenda à Constituição só podem ser apresentadas51: a) por. de cidadãos (ver questão 52). no mínimo. sindicatos e entidades organizadas da sociedade civil. 60. um terço do total de Deputados. art. Desde maio de 2001. I. 51 52 Art. ter-se manifestado pela maioria de seus membros). CF c/c art. b) pelo Presidente da República.

pareceres e propostas de fiscalização e controle) têm sua iniciativa reservada aos Deputados. a iniciativa de Deputados não pode incidir sobre matérias reservadas constitucional ou regimentalmente a outros agentes do processo legislativo (ver questões 48 a 51). pelos Tribunais Superiores ou pelo Procurador-Geral da República (ver questões 50 e 51). requerimentos. recursos. às comissões ou à Mesa. . 46 Há algum limite temático à iniciativa de Deputados na apresentação de proposições? Sim. de decreto legislativo. projetos de decreto legislativo podem ser apresentados também pelo Senado Federal. conforme o caso. Além disso. indicações. emendas.44 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Determinados projetos de lei podem ainda ser apresentados pelo Supremo Tribunal Federal. deve limitar-se à disciplina das matérias inseridas na competência legislativa da União e pertinentes às atribuições da Câmara dos Deputados ou do Congresso Nacional. Quanto às demais espécies de proposições (projetos de resolução.

. da Câmara dos Deputados ou do Congresso Nacional? Neste caso. §§ 1o e 2o. cabendo desta decisão recurso ao Plenário53. a proposição deverá receber parecer terminativo de inconstitucionalidade e anti-regimentalidade ao ser examinada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 137.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 45 47 O que ocorre se o Deputado apresentar proposição de iniciativa reservada a outro agente do processo legislativo ou sobre matéria estranha à competência legislativa da União. a Presidência da Casa deverá recusar o recebimento e devolver a proposição ao Deputado. por exemplo. RICD. o que impedirá a continuidade de sua tramitação (ver também questões 42 e 61). 48 Existem matérias cuja iniciativa cabe privativamente às comissões ou à Mesa? Sim. já nos projetos referentes a ratificação de tratados internacionais. é de sua competência privativa a elaboração de projetos de resolução dispondo sobre o regulamento 53 Art. Com relação à Mesa. são apresentados privativamente pela Comissão de Ciência e Tecnologia. Não ocorrendo esta devolução inicial. a iniciativa cabe sempre à Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional. Comunicação e Informática (a partir de mensagem do Poder Executivo). Os projetos de decreto legislativo destinados a ratificar atos de concessão de emissoras de rádio e televisão.

promoções.46 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno interno das comissões. matéria tributária e orçamentária. 84. XI e XVII. remuneração. da CF. VI. ou aumento de sua remuneração. 15. reforma e transferência de militares para a inatividade. RICD. reforma e transferência para a reserva. observado o disposto no art. e) criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública. seu regime jurídico. 49 Quais as matérias cuja iniciativa legislativa é reservada privativamente ao Presidente da República?55 A Constituição Federal reserva ao Presidente da República a iniciativa das leis que fixem ou modifiquem os efetivos das Forças Armadas ou disponham sobre: a) criação de cargos. polícia e pessoal da Câmara dos Deputados54. § 1o e art. provimento de cargos. estabilidade e aposentadoria de civis. seu regime jurídico. estabilidade. bem como sobre organização. f) militares das Forças Armadas. funções ou empregos públicos na administração direta e autárquica. Art. 61. provimento de cargos. d) organização do Ministério Público e da Defensoria Pública da União. 84. . normas gerais para a organização do Ministério Público e da Defensoria Pública dos Estados. serviços públicos e pessoal da administração dos Territórios. 54 55 Art. CF. b) organização administrativa e judiciária. do Distrito Federal e dos Territórios. c) servidores públicos da União e Territórios. funcionamento.

CF.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 47 Projetos de lei relativos a orçamento. § 2o. Art. atribuições e estatuto do Ministério Público da União. regionais e setoriais previstos na Constituição Federal também só podem ser apresentados ao Congresso Nacional pelo Chefe do Poder Executivo (ver questões 269 e seguintes)56. alteração do número de membros dos tribunais inferiores. 56 57 58 Art. etc. alteração da organização judiciária. 165. 127. tais como o Estatuto da Magistratura. plano plurianual. II. diretrizes orçamentárias. . CF. 50 Quais os assuntos sobre os quais podem o Supremo Tribunal Federal e os Tribunais Superiores apresentar 57 projetos de lei? Ao Supremo Tribunal Federal e aos Tribunais Superiores é reservada a iniciativa de projetos de lei sobre matérias de interesse institucional do Poder Judiciário. CF. 51 Sobre que matérias pode o ProcuradorGeral da República apresentar projetos de lei?58 Cabe-lhe a iniciativa de leis que disponham sobre organização. bem como sobre criação e extinção de seus cargos e serviços auxiliares. Arts. 93 e 96. planos e programas nacionais.

61. 53 Podem os projetos de lei de iniciativa popular versar sobre qualquer matéria? Sim. desde que respeitadas as iniciativas reservadas pela Constituição Federal a outros agentes do processo legislativo. . com não menos de três décimos por cento dos eleitores de cada um deles (ver também questões 246 e seguintes). 54 Quando e perante que órgão são apresentadas as proposições no âmbito da Câmara dos Deputados? A apresentação de proposições é feita: a) em Plenário: 59 Art.48 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 52 Quais os requisitos para a apresentação de projetos de lei de iniciativa popular?59 Subscrição por. CF. § 2o. um por cento do eleitorado nacional. distribuído por pelo menos cinco Estados. no mínimo.

b. quando se tratar de iniciativa do Senado Federal. do Procurador-Geral da República ou de cidadãos65. XVII. c) perante a Mesa. RICD. III. 101. c/c art. RICD. Art. no caso de emendas aglutinativas62. RICD. exposições e propostas da sociedade civil (ver questões 246 e seguintes)66. 120. no caso dos pareceres emitidos pelas comissões e de alguns requerimentos específicos63. 82. Art. Art. no caso de sugestões de iniciativa legislativa e de pareceres técnicos. — no momento em que a matéria respectiva for anunciada. 101. . 122. d) diretamente à Comissão de Legislação Participativa. RICD. no caso das proposições em geral60. Art. RICD. Art. 32. — no momento da votação da parte da proposição a que se refiram. nos casos de proposta de fiscalização e controle e de emendas e subemendas a projetos que dispensem a deliberação do Plenário (ver questão 84)64.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 49 — durante os últimos dez minutos da Ordem do Dia. a e b. 101. parte final). de outro poder. II. — no momento da discussão da matéria61. Art. no caso de emendas a projetos sujeitos à deliberação do Plenário (ver questão 116. RICD. 101. I. a. b) perante comissão. 60 61 62 63 64 65 66 Art. RICD. § 4o. II.

Art. nas mesmas condições da anterior. deve ser apresentada em três vias: Casa. RICD. § 1o. em termos explícitos e concisos. RICD. 111. . redigida com clareza. autenticada em cada página pelos autores.50 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 55 Como deve ser proposição?67 apresentada uma A proposição. por cópia. subscrita pelos autores. mas as atribuições e prerrogativas regimentais atinentes à autoria serão exercidas por um só dos signatários. 102. de 1998. com as assinaturas. destinada à tramitação propriamente dita. tendo precedência o primeiro sobre os seguintes. observadas as normas contidas na Lei Complementar no 95. a) uma. c) uma. destinada à publicação no Diário da Câmara dos Deputados e em avulsos. quem é considerado autor?68 Todos os subscritores são considerados autores da proposição. destinada ao arquivo da b) uma. 56 67 68 Art. na ordem de subscrição. Em se tratando de proposição subscrita por mais de um Deputado. de todos os subscritores.

O Presidente pode deferir o requerimento de retirada. com prévia autorização do colegiado. 69 Art. mas isto dependerá de decisão do Presidente da Câmara ou do Plenário. apenas o Plenário pode conceder a retirada. o requerimento de retirada deve ser subscrito por pelo menos metade mais um dos subscritores. 104. RICD. se a proposição ainda não tiver recebido parecer de nenhuma comissão ou se.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 51 Retirada e Arquivamento 57 Uma proposição pode ser retirada depois que já estiver em tramitação?69 Sim. Em se tratando de proposição de iniciativa coletiva. conforme o caso. sem consulta ao Plenário. . tiver recebido pareceres contrários de todas as comissões de mérito a que tenha sido distribuída. ao contrário. em se tratando de proposição de iniciativa de comissão ou da Mesa. ou que tenha recebido pareceres favoráveis de todas as comissões a que tenha sido distribuída. o requerimento deve ser subscrito pelo respectivo presidente. no caso de proposição pendente de parecer de alguma comissão.

105. ou nele tenham tramitado. RICD. Procurador-Geral da República. RICD. caso em que a discussão deverá ser reaberta na legislatura seguinte. ou autores. exceto. 70 71 72 Art. RICD. 166. para o recebimento de novas emendas72. O desarquivamento depende de requerimento do autor. parágrafo único. já tiverem pareceres favoráveis de todas as b) se já houverem sido aprovadas em algum turno de votação. ainda se encontrem em tramitação na Casa. encerrada uma legislatura. d) se de iniciativa popular. de outro Poder ou do 59 É possível o proposições?71 desarquivamento de Sim. a proposição retoma a tramitação do estágio em que se encontrava. com uma exceção: proposição com a fase de discussão em Plenário encerrada na legislatura anterior. neste último caso: a) se comissões. Desarquivada. quando declaradas prejudicadas (ver questão 177) ou quando. c) se originárias do Senado.52 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 58 Em que casos se dá o arquivamento de proposição?70 As proposições são arquivadas quando rejeitadas definitivamente. 105. Art. . Art. dentro dos primeiros cento e oitenta dias após iniciada a nova legislatura. mas apenas no caso de proposições que tenham ido para o arquivo em função do término da legislatura.

à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. seja concernente à matéria tratada na proposição. publicadas no Diário da Câmara dos Deputados e em avulsos e. despachadas às comissões competentes para emissão de parecer. II. quando envolver aspectos financeiros ou orçamentários públicos. ainda. cada proposição é distribuída. 32 do Regimento Interno. juridicidade. no prazo de duas sessões. Arts. caput. RICD. . para exame de sua adequação ao Plano 73 74 Art. técnica legislativa e redação e. as proposições são numeradas. Além destas. 137. 53 e 34. 61 A que comissões é distribuída cada proposição?74 As proposições são distribuídas àquelas comissões permanentes cujo campo temático ou área de atividade. datadas. para exame dos aspectos de constitucionalidade. à Comissão de Finanças e Tributação. para que a examinem quanto ao mérito. nos termos definidos no art. RICD.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 53 Distribuição às Comissões 60 O que ocorre com as proposições após sua apresentação à Casa?73 Uma vez recebidas pela Mesa.

75 Art. à Lei de Diretrizes Orçamentárias e ao Orçamento (ver também questão 63). a regra é diferente: a distribuição é feita apenas para uma comissão temporária. criada exclusivamente para o exame da proposição. e finalmente 3o) Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 2o) se for o caso. Comissão de Finanças e Tributação. 62 Sim. a ordem é: Há alguma ordem para a distribuição às comissões permanentes?75 1o) comissões exclusivamente de mérito. juridicidade.54 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Plurianual. redação e adequação financeira e orçamentária. RICD. especial (ver questão 27). pelo menos metade dos membros designados para a comissão especial deverão ser também integrantes das comissões permanentes que deveriam ser chamadas a opinar sobre a proposição em causa. . Observe-se que. tanto de mérito quanto de constitucionalidade. técnica legislativa. Nesta hipótese. no caso de a proposição tratar de matéria que envolva competência de mais de três comissões de mérito. 53.

técnica legislativa e adequação financeira e orçamentária. Nesse caso. a Mesa verificar que já existe em tramitação na Casa outra da mesma espécie. e que ainda não conste da Ordem do Dia ou. . Essas comissões têm seu campo temático próprio. 76 77 Art. quando se tratar de matéria sujeita à apreciação conclusiva das comissões (ver questão 76). também examinam os aspectos de mérito. Art. apresentada determinada proposição. 139. 142. tratando de matéria idêntica ou correlata. técnica legislativa e adequação financeira e orçamentária das proposições? Não necessariamente. além dos de constitucionalidade.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 55 63 As Comissões de Constituição e Justiça e de Redação e de Finanças e Tributação só examinam os aspectos de constitucionalidade. das proposições. sem incorporação. parágrafo único. I. RICD. juridicidade. juridicidade. determina-se a apensação. e quando as proposições tratam de matéria nele inserida. 64 Quando pode ocorrer tramitação conjunta (ou por dependência) de duas ou mais proposições?76 Quando. RICD. que ainda não haja recebido parecer da primeira das comissões de mérito a que tenha sido distribuída77. que passam a tramitar conjuntamente.

as quais constarão como "apensadas". Em Plenário. nos autos do processo em que estarão tramitando. 142. pode o Deputado requerer que determinada proposição seja apensada a outra idêntica ou correlata?78 Sim. d). mas isto pode ser invertido por meio de requerimento que transfira a preferência para qualquer das apensadas (ver questão 159. 66 O que significa a precedência de uma proposição sobre outra? Significa que. a que tiver precedência deverá figurar na frente das demais. RICD. 78 Art. a que figurar na frente terá preferência para votação sobre as demais. antes que haja recebido parecer da primeira das comissões de mérito a que tenha sido distribuído. quando se tratar de projeto sujeito à apreciação conclusiva das comissões.56 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 65 Em caso de omissão da Mesa no momento da distribuição das proposições. . mas o requerimento só pode ser deferido se a matéria ainda não estiver incluída na devida Ordem do Dia ou.

. 143. que proposição tem precedência sobre outra?79 Neste caso. tem precedência: a) a proposição do Senado sobre a da Câmara. 79 Art. embora na prática às vezes se costume identificar como "principal" aquela que deve ter precedência sobre as demais para fins de apensação.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 57 67 Na tramitação conjunta de proposições. RICD. e b) a proposição mais antiga sobre as mais recentes. há alguma considerada "principal" em relação às demais? Não. 68 No caso de tramitação conjunta.

57. c/c art.58 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 69 No caso de proposições apensadas. deve ser um só o parecer emitido por cada comissão em relação a toda a matéria. 142. no âmbito das comissões. Observe-se que. II. concluir pela aprovação de várias. o parecer emitido pode concluir pela aprovação de uma proposição apensada e pela rejeição da que tenha precedência. de forma individualizada. não havendo qualquer impedimento regimental nesse sentido. também. Poderá. RICD. . como devem ser os pareceres das comissões?80 Embora as comissões devam se pronunciar em relação a cada uma das proposições apensadas. na forma de substitutivo. I. 80 Art.

c) o quorum previsto para deliberação. Em alguns casos e condições específicos. A urgência só não dispensa: a) a publicação e a distribuição. entretanto. agiliza a apreciação das proposições. as proposições tramitam em regime de urgência ou de prioridade. em avulsos ou por cópias. por seus prazos mais céleres e por dispensar alguns interstícios e formalidades regimentais. Art. b) os pareceres das comissões ou de relator especialmente designado em Plenário. RICD. 151. . 81 82 Art. 152 e seguintes. RICD. em substituição às mesmas.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 59 Regimes de Tramitação 70 Quais os regimes de tramitação de proposições?81 O regime normal de tramitação das proposições é o regime ordinário. se houver. 71 O que é a tramitação em regime de urgência?82 É um regime de tramitação que. da proposição principal e das emendas.

ou se as comissões não se julgarem habilitadas a proferi-lo naquela sessão. o qual deverá ser aprovado também por maioria absoluta de votos. RICD. as quais têm o prazo de cinco sessões para emitir seus pareceres. e se os pareceres ainda não houverem sido emitidos. por exemplo — ou por requerimento aprovado pelo Plenário. em substituição às comissões.60 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno O regime de urgência pode ser determinado pela natureza da matéria tratada na proposição — como é o caso dos projetos sobre declaração de guerra. Findos os prazos concedidos às comissões. IV. o Presidente deve designar relatores para fazê-lo oralmente em Plenário. um regime excepcional de tramitação pelo qual determinada matéria pode ser incluída automaticamente na Ordem do Dia de uma sessão já em andamento. terão elas o prazo de cinco sessões para fazê-lo83. no segundo caso. 157. tanto num como noutro caso a matéria é incluída na Ordem do Dia. de fato. 83 Art. e 155 do Regimento Interno. No primeiro caso. 72 O que é a urgentíssima"? chamada "urgência Esta expressão. a matéria recebida é encaminhada às comissões competentes para seu exame. foi consagrada pelo costume da Casa e corresponde ao regime de urgência descrito nos arts. embora não conste do Regimento Interno. . É. a proposição é incluída na Ordem do Dia da sessão seguinte à da aprovação do requerimento de urgência. se não houver parecer. 153. Decorre da aprovação de requerimento subscrito pela maioria absoluta de Deputados (ou por líderes de partidos que representem este número).

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 61 73 O regime de urgência solicitado pelo Presidente da República para projetos de sua iniciativa é o mesmo previsto no Regimento Interno para as proposições em geral?84 Não. logo após a apreciação das proposições em regime de urgência. aos quais o Regimento confere este regime especial de tramitação. sobrestando-se a apreciação de todas as demais matérias até que se ultime a votação daquela (ver questão 195). sucessivamente. a urgência solicitada pelo Presidente da República para proposições de sua iniciativa decorre de disposição constitucional e o trâmite é diferente: a Câmara dos Deputados e o Senado Federal devem examinar a proposição. 84 85 Art. 74 Quais as características do regime de tramitação com prioridade?85 O regime de tramitação com prioridade é um regime de tramitação um pouco mais célere que o ordinário. cada qual. CF c/c art. Em não o fazendo. RICD. Pode ser adotado em virtude de requerimento aprovado pelo Plenário ou decorrer de determinações regimentais. a proposição será incluída na Ordem do Dia da respectiva Casa para deliberação. . em até quarenta e cinco dias. Art. como é o caso dos projetos de iniciativa de outro Poder. §§ 1o a 4o. ou dos que se destinem a regulamentar dispositivo constitucional. 158. 204. dispensando algumas exigências regimentais para que determinada proposição seja incluída na Ordem do Dia da sessão imediatamente subseqüente. RICD. 64. por exemplo.

no caso de matéria em regime de prioridade. O relator dispõe sempre da metade dos prazos destinados à comissão para emitir seu parecer. RICD. no caso de emendas apresentadas em Plenário.62 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno COMISSÕES Regras Gerais de Funcionamento 75 Quais os prazos de que dispõem as comissões e os relatores para emitir pareceres sobre as proposições submetidas a seu exame?86 Os prazos das comissões variam conforme o regime de tramitação da matéria. sendo de: a) quarenta sessões. no caso de matéria em regime de urgência. no caso de matéria em regime de tramitação ordinária. 52. 86 Art. c) cinco sessões. exceto se a matéria se encontrar sujeita a regime de urgência. d) o mesmo prazo da proposição principal. mas poderá solicitar ao Presidente prorrogação de mais metade do prazo original. b) dez sessões. .

76 Que efeitos têm os pareceres emitidos pelas comissões? Em relação às proposições em geral. o presidente designará outro membro para relatá-la na mesma reunião ou até a reunião seguinte. entretanto. Este efeito deriva do chamado "poder conclusivo das comissões". No caso de não-cumprimento do prazo final pela comissão. ou sua rejeição. com ou sem emendas. se o relator não apresentar o parecer até o início da discussão da matéria.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 63 Uma vez esgotados os prazos sem a aprovação de parecer pela comissão. isto é. pode o autor da proposição requerer ao presidente do órgão a inclusão da matéria na pauta. quando referentes ao mérito. diretamente ao Plenário. devendo o parecer ser dado oralmente por relator designado em substituição à comissão. dispensando a deliberação do Plenário sobre o assunto — exceto se forem divergentes entre si (ver questões 40 e 78) ou se contra eles se interpuser recurso subscrito por no mínimo um décimo dos membros da Casa. expressam apenas a opinião dos órgãos técnicos a respeito do tema. se se tratar da última a se pronunciar. o Presidente da Câmara tem a faculdade de encaminhar a proposição desde logo à comissão seguinte ou. Em relação especificamente a determinados projetos de lei. Nesse caso. os pareceres das comissões. têm o poder de decidir conclusivamente sobre a aprovação ou rejeição das proposições a que se referem. recomendando ao Plenário sua aprovação. os pareceres de mérito emitidos pelas comissões têm efeito decisório. hipótese em que a matéria respectiva deverá ser apreciada também pelo Plenário. que é justamente o poder que .

substituir o Plenário na deliberação do projeto87. inciso II. salvo na hipótese de interposição de recurso. . de iniciativa popular. salvo na hipótese de apresentação de recurso também subscrito por. todos os demais projetos de lei sujeitam-se à apreciação conclusiva das comissões. a deliberação final do Plenário sobre tais aspectos é dispensada. um décimo dos membros da Casa (ver questão 42). § 1o.64 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno têm os órgãos técnicos de. tal como se dá com os pareceres de mérito emitidos com poder conclusivo pelas comissões. 68. CF. de código. enumera todos os tipos de projetos de lei cuja apreciação não é conclusiva: projetos de lei complementar. § 2o. no mínimo. 87 Art. o efeito também decisório dos chamados "pareceres terminativos" da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação a respeito da constitucionalidade. Nesse caso. relativos a matéria que não possa ser objeto de lei delegada (nos termos previstos no art. juridicidade. da Constituição). ainda. 58. 77 Como saber se um projeto de lei se sujeita à apreciação conclusiva das comissões? O art. I. técnica legislativa e redação e da Comissão de Finanças e Tributação quanto à adequação financeira e orçamentária das proposições. 24. dispensando a deliberação final do Plenário. do Regimento Interno. que tenham recebido pareceres divergentes (ver questão 40) ou que estejam em regime de urgência. em alguns casos. Vale mencionar. Fora desses casos. oriundos do Senado Federal (ou por ele emendados) que tenham sido aprovados pelo Plenário de qualquer das Casas. de autoria de comissão.

embora com emendas ou substitutivos diferentes. deixa de existir o caráter conclusivo da apreciação e a proposição segue seu trâmite. que também pode constar do avulso. RICD. . um deles deve ter concluído pela aprovação integral da proposição e o outro pela sua rejeição (ver questão 40). no alto da etiqueta que contém o despacho de distribuição aos órgãos técnicos. para serem considerados divergentes. Quando são ambos pela aprovação. 24. a solução regimental é a de se convocar reunião conjunta das comissões que os emitiram para a adoção de um texto final de consenso88. como se se tratasse de proposição originalmente sujeita à deliberação do Plenário. a expressão "art. costuma-se reconhecer o caráter conclusivo da apreciação de determinado projeto pelas comissões quando a Mesa faz consignar. 88 Art. 49. 78 O que ocorre quando duas ou mais comissões de mérito emitem pareceres divergentes sobre um projeto sujeito à sua apreciação conclusiva? Nesse caso. a partir de então. Observe-se que.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 65 Na prática. II".

o recurso precisa indicar expressamente. o Deputado deve contar com o apoiamento (por assinaturas) de pelo menos um décimo do total de membros da Casa. devendo ser interposto no prazo de até cinco sessões contado da publicação dos respectivos pareceres (durante a fluência deste prazo. Dirigido ao Presidente da Casa. 80 Em que situações fica um Deputado impedido de presidir reunião ou de ser designado relator de matéria em comissão?89 O Deputado não pode presidir reunião de comissão quando esteja em apreciação matéria da qual seja autor ou relator.66 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 79 Como e quando pode o Deputado recorrer ao Plenário contra a apreciação conclusiva de determinado projeto pelas comissões? Para recorrer ao Plenário contra a apreciação conclusiva de determinado projeto pelas comissões. 43. não pode. . RICD. ser designado relator de matéria da qual seja autor. 89 Art. também. dentre a matéria apreciada pelas comissões. o avulso da Ordem do Dia de cada sessão da Câmara deve consignar a data final para a interposição do recurso). aquilo que se pretende seja objeto de deliberação do Plenário.

83 Como é aferida Deputados nas 91 comissões? a presença reuniões dos das Para a abertura das reuniões. em caso de empate. havendo pedido de 90 91 Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 67 81 Quem tem direito a voto nas comissões? Todos os seus membros titulares — incluídos o relator e o presidente — e todos os suplentes que estejam substituindo os titulares ausentes. as deliberações são tomadas por maioria de votos. RICD. Art. presente a maioria absoluta dos membros da comissão. . Durante as reuniões. devendo prevalecer. 50. a presença mínima — metade dos membros da comissão — é aferida com base nas assinaturas em livro próprio. 56. RICD. § 2o. o voto do relator. 82 Qual o quorum de deliberação nas comissões?90 Salvo disposição constitucional em contrário.

ou seja. apura-se a presença mínima — maioria absoluta dos membros da comissão.68 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno verificação de votação (ver questão 132). . o equivalente ao primeiro número inteiro superior à metade — pela chamada nominal dos Deputados.

letra b). pelo despacho de distribuição da Mesa. desde logo. Findo esse prazo.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 69 Tramitação de Proposições 84 Como procede o presidente de comissão ao receber uma proposição encaminhada ao órgão para exame e parecer? O presidente deve designar um dos membros como relator da matéria. preliminarmente. para exame e apresentação de seu relatório e voto. verificando. se se trata de matéria sujeita à apreciação conclusiva da comissão ou à deliberação do Plenário (ver questões 76 e 77). a proposição principal e as eventuais emendas apresentadas serão entregues ao relator. Em se tratando de matéria sujeita à apreciação conclusiva da comissão. para que qualquer Deputado possa apresentar emendas à proposição (ver questão 54. a qual só ocorrerá em Plenário (ver questão 54. dispensando-se a fase de abertura de prazo para emendamento. a proposição será encaminhada. letra a). contado a partir da publicação de aviso no avulso da Ordem do Dia das Comissões. ao relator designado para examiná-la. deverá ser aberto prazo de cinco sessões. . Em se tratando de matéria sujeita à apreciação do Plenário.

oferecer-lhe emenda (inclusive substitutivo). o relator pode propor sua aprovação. Art. recebidas as emendas. 119. abre-se novo prazo para que os demais membros possam apresentar emendas ao substitutivo proposto pelo relator93. a da 92 93 Art. após essa fase.70 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 85 Quais as possibilidades de conclusão do voto do relator?92 Ao apreciar qualquer matéria. a matéria encontra-se pronta para ser votada pela comissão. antes de dar seu parecer sobre ela. a partir daí. o relator. propor sua rejeição. em seguida. haverá apenas a fase de apresentação de destaques e. proponha preliminarmente à comissão dividi-la em várias proposições separadas. total ou parcial. as quais deverão ser remetidas à Mesa para efeito de renumeração e redistribuição. II. 57. quando diferentes matérias se encontram tratadas na mesma proposição. É possível também que. RICD. que poderão incidir sobre todas as proposições em apreciação. 86 O que ocorre quando o relator propõe substitutivo à proposição principal? No caso de matéria sujeita à apreciação conclusiva da comissão. RICD. No caso de matéria sujeita à apreciação do Plenário. . sugerir seu arquivamento ou ainda formular projeto dela decorrente. podendo oferecer novo substitutivo. a comissão deverá abrir prazo de cinco sessões para a apresentação de destaques. deve o relator manifestar-se sobre elas.

desde que a matéria não esteja em regime de urgência (de acordo com a interpretação dominante na Casa hoje). ou àquele 94 Art. adiando-se a discussão por aquele prazo. qualquer membro da comissão poderá solicitar vista dos autos. . 87 Apresentado o parecer do relator. 88 O que é voto em separado? Embora o Regimento Interno não o defina expressamente. se o pedido for feito por mais de um membro. Em qualquer caso. não estando expressamente prevista no Regimento Interno). não podendo haver atendimento a pedidos sucessivos em relação ao mesmo parecer. na verdade. 57. XVI. a oportunidade para se pedir vista de determinado parecer é uma só. A partir do momento em que for anunciada a discussão do parecer pelo presidente.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 71 votação (essa regra dos destaques em comissão quando a matéria ainda se sujeita à deliberação do Plenário só passou a existir a partir de 1995. e vem se firmando pelo costume. e esta lhe será concedida por duas sessões. RICD. há possibilidade de pedido de vista pelos membros da comissão?94 Sim. a prática consagrada na Casa tem ensinado que o voto em separado. a vista será conjunta. é sempre um voto alternativo ao do relator. permanecendo os autos na própria comissão.

durante a discussão da matéria e antes da votação pela comissão. 95 Art. constará dos autos e será publicado no avulso da proposição principal. pelo menos do ponto de vista do Regimento Interno. no momento imediatamente posterior ao da votação em Plenário. o dele também passa a constituir voto em separado). exclusivamente no das comissões. . mediante a qual o Deputado expõe as razões do voto já efetuado. com vista exclusivamente à publicação95.72 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno que vier a ser aprovado pela maioria da comissão (no caso de o voto do relator não ser adotado pela comissão. 89 Qual a diferença entre voto em separado e declaração de voto? A figura da declaração de voto não existe. entre voto em separado e declaração de voto diz respeito ao âmbito de sua aplicação — o primeiro. a rigor. portanto. a segunda. no âmbito das comissões. Ao final. RICD. a segunda. Trata-se de instituto previsto especificamente para as votações do Plenário. posterior ao momento da votação. A diferença. no do Plenário — e também ao momento em que podem ser apresentados — o primeiro. parágrafo único. O voto em separado pode ser elaborado por qualquer membro e divergir ou não das conclusões do voto vencedor na comissão. encerrando manifestação escrita. 182.

91 Pode o relator alterar o voto por ele apresentado?97 Sim. o relator. 96 97 Art. 57. Nesse caso. poderão usar da palavra. . sem direito a voto. VII. 57. XI. durante a discussão da matéria. o relator pode se convencer. os demais membros e os líderes. RICD. Deputados não pertencentes à comissão poderão também usar da palavra. por dez minutos cada um. RICD.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 73 90 Quem pode usar da palavra na discussão de matéria em comissão?96 Anunciada a discussão de determinada matéria. Art. o autor da proposição em pauta. por quinze minutos cada um. pode pedir ao presidente prazo até a reunião seguinte para apresentar seu parecer reformulado. de que são pertinentes sugestões de alteração oferecidas pelos demais membros da comissão.

93 Quais as possibilidades de resultado na votação de um parecer em comissão? O parecer do relator pode ser aprovado na íntegra ou apenas em parte. Uma terceira possibilidade é a de sua rejeição integral. Em qualquer dessas duas hipóteses. 57. .74 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 92 Quando e como se faz a votação do parecer?98 A votação ocorre logo após o encerramento da discussão da matéria. Se se tratar de matéria que exija votação secreta. passará a constituir o "parecer da comissão". no caso de vir a ser superado em alguns pontos em função da aprovação de destaques. os votos são dados por meio de cédulas e os Deputados votam em cabines próprias. IX. RICD. desde que haja quorum (ver questão 83). tomando-se os votos dos Deputados um a um. oralmente. 98 Art. O processo adotado pode ser o simbólico — mediante o qual o presidente convida os Deputados favoráveis ao parecer do relator a permanecerem como se encontram — ou o nominal.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 75 94 O que ocorre se for rejeitado o voto do relator?99 Rejeitado pela comissão o voto do relator. os autos do processo respectivo são remetidos à comissão seguinte (segundo a ordem constante do despacho de distribuição da Mesa). . determinar sua inclusão na Ordem do Dia da Câmara. se se tratar da última ou única comissão a emitir parecer. para eventual apresentação de recurso (ver questão 79). o voto do relator passará a constar dos autos como voto em separado. 58 e 59. 99 100 Art. até a reunião seguinte. fielmente. XII. b) em se tratando de matéria sujeita à apreciação do Plenário. RICD. 95 O que ocorre após o encerramento da apreciação da matéria na comissão?100 Encerrada a apreciação da matéria numa comissão. dar ao Plenário ciência das decisões tomadas pelos órgãos técnicos. Nesse caso. 57. RICD. o presidente nomeará um dos demais membros para redigir. para que esta adote uma das seguintes providências: a) em se tratando de matéria sujeita à apreciação conclusiva das comissões. o qual deverá espelhar. ou "parecer vencedor". a posição majoritária na comissão. os autos devem ser enviados à publicação e remetidos à Mesa. o "voto vencedor". Arts.

76

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

SESSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS
Normas Gerais

96
tipos:

De que espécies são as sessões da Câmara dos Deputados?101
As sessões da Câmara dos Deputados podem ser de quatro

a) preparatórias, as realizadas antes do início da primeira e da terceira sessões legislativas de cada legislatura, destinadas exclusivamente à posse dos novos Deputados e à eleição da Mesa (ver questão 9); b) ordinárias, as realizadas uma vez por dia, em todos os dias úteis de uma sessão legislativa, iniciando-se às quatorze horas, exceto às sextas-feiras, quando se iniciam às nove horas; c) extraordinárias, as realizadas em dias ou horários diversos dos previstos para as ordinárias; d) solenes, as realizadas para grandes comemorações ou homenagens especiais, convocadas especificamente para isto. As sessões da Câmara dos Deputados são, em regra, públicas, só podendo ser secretas se assim deliberar o Plenário.102

101 102

Art. 65, RICD. Art. 69, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

77

97

Como se divide o tempo das sessões ordinárias?103
As sessões ordinárias, que têm duração de cinco horas, são divididas em quatro fases, que se sucedem na seguinte ordem: 1a) Pequeno Expediente, com duração de sessenta minutos improrrogáveis; 2a) Grande Expediente, com duração de cinqüenta minutos improrrogáveis; 3a) Ordem do Dia, com duração de três horas prorrogáveis; 4a) Comunicações Parlamentares, desde que haja tempo entre o final da Ordem do Dia e o horário previsto para o término da sessão. O Presidente da Câmara pode não designar Ordem do Dia para determinadas sessões ordinárias, transformando-as em sessões exclusivamente de debates.

98

Qual o número mínimo de presença de Deputados para a abertura das sessões?104
As sessões podem ser iniciadas com a presença, na Casa, de pelo menos dez por cento do total da composição da Câmara, ou seja, 52 Deputados. Se, à hora do início da sessão, não estiver presente na Casa este número, o Presidente deverá aguardar meia
103 104

Art. 66, RICD. Art. 79, §§ 2o e 3o, RICD.

78

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

hora e, persistindo a falta de quorum, declarará que não pode haver sessão, determinando a atribuição de faltas aos ausentes.

99

O que é o Pequeno Expediente?105
Pequeno Expediente é a primeira fase da sessão, especialmente destinada aos discursos parlamentares de curta duração, aos quais não se permitem apartes. Durante o Pequeno Expediente, o Deputado previamente inscrito pode usar da palavra por cinco minutos ou, se preferir, pode encaminhar o respectivo discurso, por escrito, à Mesa, para ser publicado no Diário da Câmara dos Deputados. O discurso encaminhado para publicação não deve exceder três laudas datilografadas em espaço dois.

100

Como se faz a inscrição de um Deputado para o Pequeno Expediente?106
A inscrição dos oradores é feita perante a Mesa, em caráter pessoal e intransferível, em livro próprio, diariamente, das oito às treze horas e trinta minutos, exceto às sextas-feiras, quando o período de inscrições se encerra às nove horas.

105 106

Arts. 79 a 81, RICD. Art. 81, § 2o, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

79

101

O que é o Grande Expediente?107
O Grande Expediente é a fase da sessão que sucede ao Pequeno Expediente, destinando-se aos pronunciamentos parlamentares de maior duração — até 25 minutos, aí incluídos os eventuais apartes concedidos.

102

Como se organiza a distribuição de oradores para o Grande Expediente?108
A lista de oradores para o Grande Expediente é organizada mediante sorteio promovido pela Mesa entre os parlamentares. À Mesa compete disciplinar, em ato próprio, sua forma e o momento do uso da palavra pelos sorteados.

103

O que é o período das Comunicações Parlamentares?109
Quando a Ordem do Dia se esgota antes das dezenove horas (prazo final da sessão), o Presidente pode conceder a palavra aos oradores indicados pelas lideranças partidárias para pronunciamentos não excedentes a dez minutos, chamados
107 108 109

Arts. 87 e 88, RICD. Art. 87, parágrafo único, RICD. Art. 90, RICD.

RICD. § 1o. 82 e seguintes. permitidos apartes. Art. 105 O que é Ordem do Dia?111 A Ordem do Dia é a fase da sessão que sucede ao Grande Expediente e destina-se à discussão e votação de proposições. RICD. e o tempo a ser concedido a cada liderança será sempre proporcional ao tamanho da bancada que representa. 110 111 Art. durante os quais não são 104 O que são as chamadas comunicações de liderança?110 São comunicações feitas pelos líderes partidários acerca de assuntos de relevância nacional.80 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno "comunicações parlamentares". . 66. Podem se dar a qualquer momento da sessão.

ou seja. caput. 148. 112 113 Art. 257 Deputados. excetuados os casos de propostas de emenda à Constituição. § 2o. projetos de lei complementar e projetos de alteração do Regimento Interno da Casa. RICD. para os quais se exigem dois turnos de apreciação. 107 Em quantos turnos se fazem a discussão e a votação das proposições?113 Em geral. a apreciação das proposições é feita em um só turno de discussão e votação. Essa presença mínima é aferida pelo registro dos nomes no painel eletrônico do plenário.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 81 106 Qual o quorum de presença para o início da Ordem do Dia e como é ele aferido pela Presidência?112 A Ordem do Dia somente pode ser iniciada quando presente a maioria absoluta dos membros da Câmara. . 82. CF c/c art. Art. RICD. 60.

. esclarecimentos sobre as normas regimentais ou constitucionais que estão sendo aplicadas. Art. em dúvida sobre o modo como estejam sendo conduzidos os trabalhos. e não deve ultrapassar três minutos. indicando os dispositivos regimentais ou constitucionais objeto da dúvida suscitada. A questão de ordem não pode se referir a matéria diversa da que esteja sendo tratada no momento de sua formulação. pede a palavra. 114 115 Art. § 4o. 109 Como deve ser formulada uma questão de ordem?115 Sua formulação deve ser objetiva. 95. caput. solicitando da Presidência da Câmara ou de comissão.82 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Questões de Ordem 108 O que é questão de ordem?114 É o instrumento pelo qual um Deputado. RICD. 95. conforme o caso. RICD.

95.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 83 110 Como se dá a solução de uma questão de ordem?116 Primeiramente é dada a palavra a algum Deputado para contraditar o autor da questão de ordem. §§ 6o e 8o. o qual deve ser aprovado pelo Plenário. 95. § 8o. . o que impede que seja votado imediatamente?118 Antes de ser apreciado pelo Plenário. recurso para o Plenário. §§ 8o e 9o. em seguida. é preciso requerimento específico subscrito por pelo menos um terço dos presentes. cabendo. o recurso apresentado depende de parecer da Comissão de Constituição e Justiça e de 116 117 118 Art. RICD. Para que o recurso tenha efeito suspensivo. o Presidente deve resolver a questão formulada. 111 O recurso susta a apreciação da matéria a que se referiu a questão de ordem?117 Não necessariamente. de sua decisão. 112 Apresentado recurso contra decisão sobre questão de ordem. 95. RICD. RICD. Art. Art.

113 Há diferenças de procedimento em relação a questão de ordem formulada durante reunião de comissão e a feita em Plenário?119 A diferença substancial diz respeito ao órgão a que se pode recorrer no caso de não serem satisfatórios os esclarecimentos prestados pela Presidência: em se tratando de comissão. Art. 96. no caso de recurso a questão de ordem formulada no âmbito de comissão. Ao intérprete resta distingui-lo do de questão de ordem por exclusão. ou seja. o Regimento Interno não menciona expressamente a possibilidade de requerimento para obtenção de efeito suspensivo. ademais. 57. Só após publicado o parecer daquela comissão pode o recurso ser submetido à deliberação do Plenário. XXI.84 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Redação. RICD. . RICD. entendendo ser cabível a reclamação apenas nos 119 120 Art. nem a necessidade de prévia oitiva da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. a instância recursal é o Presidente da Câmara e não o Plenário da própria comissão. 114 Qual a diferença entre questão de ordem e reclamação?120 O Regimento Interno deixa o conceito de reclamação em aberto. a ser elaborado no prazo máximo de três sessões.

e para reclamar sobre falha nos serviços administrativos da Casa. quais sejam. juridicidade e técnica legislativa. para considerar como não escrito parecer que extrapola competência de comissão. de uma proposição cujo parecer terminativo recebido das comissões competentes tenha sido objeto de recurso (ver questão 42).Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 85 casos específicos ali mencionados. 115 O que é apreciação preliminar em Plenário?121 Apreciação preliminar é a apreciação que o Plenário faz a respeito da constitucionalidade. ou da adequação ou compatibilidade financeira e orçamentária. RICD. 121 Art. 144 e seguintes. A apreciação preliminar precede o exame de mérito da proposição em Plenário. .

RICD. Art. I. 120. A discussão é também a fase dos trabalhos apropriada para a apresentação de emendas à proposição123. durante cinco minutos. RICD. antecipando sua posição contrária ou favorável à proposição.86 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Discussão de Proposições 116 Em que consiste a fase de discussão de uma proposição?122 É a fase dos trabalhos destinada ao debate sobre a matéria em apreciação. 117 Como devem proceder os Deputados que desejem discutir matéria incluída na Ordem do Dia?124 Devem inscrever-se previamente junto à Secretaria-Geral da Mesa. Nela. RICD. para expor sua opinião favorável ou contrária à proposição. . antes do início dos debates. Art. 172. 165 e seguintes. § 1o. 122 123 124 Art. os Deputados previamente inscritos junto à Mesa usam da palavra.

§ 1o. a oradores favoráveis e contrários à proposição. duas vezes cada um. 171. 177. RICD. pelo autor ou relator. Art. Quais os critérios de concessão da palavra aos oradores?126 Sempre que possível. o requerimento de adiamento tem de ser subscrito por no mínimo 125 126 127 Art. por cinco minutos. alternadamente. e apresentado antes de iniciada a discussão. requerimento esse que deverá ser subscrito por líder. RICD. . 119 120 Como se pode dar o adiamento da fase da discussão?127 Mediante a aprovação de requerimento nesse sentido pelo Plenário. respeitando a ordem de inscrição. No caso de proposições que tramitam em regime de urgência. RICD. o Presidente deverá conceder a palavra. Art. mas quando se tratar do autor ou de relator da matéria. 174.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 87 118 Quantas vezes pode o Deputado usar da palavra na discussão?125 Uma só vez. exceto nos casos de expressa proibição regimental.

178. . 179. 122 O que ocorre quando a proposição recebe emendas durante a discussão?129 Emendada em Plenário. Art. a proposição retorna às comissões competentes para que se pronunciem sobre as emendas apresentadas. e o prazo de adiamento não pode ultrapassar duas sessões.88 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno um décimo dos membros da Casa. por decurso dos prazos regimentais ou por deliberação do Plenário sobre requerimento subscrito por. RICD. no mínimo. RICD. 128 129 Art. cinco centésimos dos membros da Casa. 121 Quando se dá o encerramento da discussão?128 O encerramento da discussão ocorre por ausência de oradores.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 89 123 A partir de que momento a matéria emendada durante a discussão pode voltar a figurar na Ordem do Dia para votação?130 Após a publicação dos pareceres das comissões sobre as emendas. RICD. 179. . 130 Art. parágrafo único.

"abstenção". escusar-se de tomar parte na votação. . 131 Art. RICD. se houver sido este o caso. no caso de votação eletrônica. ou após a publicação dos pareceres das comissões sobre as emendas apresentadas durante a discussão. se houver quorum.90 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Votação de Proposições Quando se dá a votação de uma proposição?131 A votação. 124 125 Como podem votar os Deputados? O Deputado pode manifestar sua opinião votando favorável ou contrariamente a uma proposição. também. segunda e última fase da apreciação das proposições. 180 e seguintes. ocorre imediatamente após o encerramento da discussão. registrando. pode. ou declarar-se impedido de participar da votação.

127 Pode o Deputado fazer alguma declaração oral no momento da votação?133 Não. para efeito de quorum. para ser publicada. declaração de voto (ver também questão 89). só será computado no resultado final o último voto por ele proferido. 180. 128 Pode o Deputado retificar seu voto? Sim. . nesses casos. deve fazer comunicação de seu impedimento à Mesa. 182. sendo seu voto considerado em branco. § 6o.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 91 126 Em que situações deve o Deputado declarar-se impedido de participar da votação?132 Quando se tratar de causa própria ou de assunto em que tenha interesse individual. por escrito. enviar à Mesa. depois da votação. a possibilidade de sua manifestação se restringe a. o Deputado pode votar novamente enquanto estiver em andamento o processo de votação. Art. RICD. 132 133 Art. RICD. tendo percebido que votou de forma equivocada. parágrafo único.

os Deputados devem acionar os botões próprios para registrar "sim". determina que os Deputados favoráveis à aprovação permaneçam como se encontram. 47. CF c/c art. de rejeição de veto presidencial. todas as deliberações da Câmara são tomadas por maioria de votos. de projetos de lei complementar. No primeiro caso. Art. entre outros —. RICD. Nas votações ostensivas. Na hipótese de o sistema eletrônico apresentar defeito. RICD. 134 135 Art. no segundo caso. 184 e seguintes. podem ser empregados os processos simbólico ou nominal. de cassação de mandato de Deputado. presente a maioria absoluta dos membros da Casa. proclamando o resultado manifesto dos votos. o Presidente. ou seja. os votos são colhidos oralmente por chamada nominal dos Deputados. "não". ao anunciar uma votação.92 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 129 Qual o quorum de deliberação no Plenário?134 Salvo nos casos em que a Constituição Federal exija quorum de votação qualificado. diferente do previsto para as deliberações em geral — como ocorre na apreciação de propostas de emenda à Constituição. 130 Quais as modalidades e sistemas de votação existentes?135 As votações podem ser ostensivas (quando são públicos os votos de cada parlamentar) ou secretas (quando não há identificação dos votos). 183. ou "abstenção". .

O nominal é empregado: a) nos casos em que se exige quorum qualificado de deliberação. o Deputado vota em cabine indevassável e os votos são depositados em urna à vista do Plenário. os votos são colhidos por meio do sistema eletrônico ou de cédulas. No caso do primeiro. nas votações ostensivas. A votação nominal se faz. por exemplo. quando o sistema usado é o da chamada nominal dos Deputados. 136 Arts. b) quando há pedido de verificação de votação (ver questão demais casos expressamente previstos pelo c) nos Regimento.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 93 Nas votações secretas. RICD. pelo painel eletrônico do plenário. 132). na votação de propostas de emenda à Constituição ou de leis complementares (ver questão 129). salvo nos casos em que este não esteja em operação ou nos de deliberação sobre licença para processar o Presidente e o Vice-Presidente da República ou os Ministros de Estado por crimes comuns ou de responsabilidade. 185 e 186. 131 Em que casos são empregados. normalmente. o sistema registra apenas os nomes dos votantes e o resultado final dos votos dados. pelas cédulas. os processos simbólico ou nominal?136 O processo simbólico é o empregado nas votações em geral. . como.

185. apurando-se pelo painel eletrônico o resultado da votação. § 4o. imediatamente após a proclamação do resultado de uma votação efetuada por processo simbólico. os pedidos de verificação de votação só podem ocorrer um a cada hora. RICD. 185.94 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 132 O que é verificação de votação?137 Denomina-se verificação de votação o processo pelo qual. é preciso requerimento de. ou líderes que representem este número. seis centésimos do total de membros da Casa ou líderes que representem este número. a requerimento de pelo menos um décimo do total de membros da Casa. §§ 1o a 5o. salvo deliberação contrária do Plenário. 133 Podem-se requerer verificações de votação?138 sucessivas Não. 137 138 Art. no mínimo. desta vez pelo processo nominal. . RICD. havendo dúvida quanto à efetiva presença da maioria absoluta de Deputados em Plenário (quorum constitucionalmente exigido). o qual é concedido automaticamente. procede-se a nova votação da matéria. não necessitando ser votado pelo Plenário. Para ocorrer a verificação de votação. Art.

§ 1o. 188. 135 Quando se emprega o sistema de cédulas em votações secretas?140 Esse sistema é usado nas deliberações sobre perda de mandato de Deputado. . RICD. a requerimento de um décimo dos membros da Casa.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 95 134 Em que situações se adota o sistema eletrônico em votações secretas?139 O sistema eletrônico é usado para deliberação sobre suspensão de imunidades de Deputado durante estado de sítio. caput. 188. 139 140 Art. ou nos casos em que assim delibere o Plenário. sobre suspensão das imunidades constitucionais dos membros da Casa durante estado de sítio. nas eleições internas em geral e ainda nos casos em que o painel eletrônico não esteja em operação. Art. ou de líderes que representem este número. RICD.

tendo preferência o autor e o relator. no máximo. podendo fazê-lo pessoalmente ou indicando Deputado para representar a liderança. RICD. RICD. Art. caput e § 2o. ou contrariamente a ela. pronuncia-se em defesa da proposição em pauta. no caso de oradores em geral. Art. no momento em que se anuncia uma votação. e um minuto. sendo dois a favor e dois contrários. . 141 142 143 Art. 192. RICD. §§ 1o e 2o. 192. quando se tratar de encaminhamento pelas lideranças. Os líderes também têm a prerrogativa de usar da palavra para orientar suas bancadas.96 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 136 O que é encaminhamento de votação?141 É o ato por meio do qual o Deputado. 192. 137 Quem pode encaminhar a votação?142 Podem encaminhar a votação quatro oradores. 138 Qual a duração dos discursos de encaminhamento?143 Tais pronunciamentos não podem exceder cinco minutos.

193. bem como o autor ou o relator da matéria. RICD. exceto quando se tratar de matéria em regime de urgência. 189 e seguintes. O requerimento. . RICD. Art. ou líderes que representem este número. e a cinco sessões. no caso de matéria em regime de urgência. Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 97 139 É possível adiar uma votação?144 Qualquer líder. 144 145 146 Art. 140 Existem restrições ao requerimento de adiamento da votação?145 Ele só poderá ser concedido uma vez e por prazo não superior a duas sessões. quando o requerimento deverá ser subscrito por um décimo dos membros da Casa. ressalvados os destaques (ver questão 159) ou deliberação diversa do Plenário. §§ 1o e 3o. poderá requerer o adiamento da votação de proposição. em qualquer caso. nos demais casos. deve ser apresentado até o início da votação da matéria. 141 Como se processa proposições?146 a votação de As proposições são sempre votadas em globo. RICD. 193.

letra d). Art. excetuando-se os destaques destinados a votar partes da proposição original (ver questão 159. 147 148 Art. c/c art. letra d). IV. ficam prejudicados a proposição original. 191. 191.98 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 142 Como se dá a votação proposição que tenha substitutivo de comissão?147 de uma recebido O substitutivo é posto em votação antes da proposição original. II. 163. 143 O que ocorre quando é aprovado um substitutivo de comissão em Plenário?148 Com a aprovação do substitutivo. RICD. . salvo se houver destaque sobre esta última com o fim de lhe dar preferência na votação (ver questão 159. V. as respectivas emendas e os destaques a elas referentes. RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 99 144 Como se processa a votação de matéria quando não existe substitutivo. 145 O que ocorre quando. conforme tenham recebido parecer favorável ou contrário por parte das comissões. Art. é apresentada uma emenda aglutinativa?150 Recebida a emenda pela Mesa. ou quando ele é rejeitado?149 Inexistindo substitutivo. ou sendo este rejeitado. . 189. RICD. 146 Como se dá a votação de emendas?151 As emendas são votadas em grupos. V. são votadas primeiramente as emendas e por último a proposição original. 122. RICD. 191. esta poderá adiar a votação da matéria por uma sessão para fazer publicar e distribuir em avulsos o texto resultante da fusão. RICD. durante a votação. 149 150 151 Art. Art.

100

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

No grupo das emendas com parecer favorável incluem-se as de determinada comissão, quando sobre elas não haja manifestação em contrário de outra. No grupo das emendas com parecer contrário incluem-se aquelas sobre as quais as comissões competentes para o exame do mérito tenham-se manifestado pela rejeição, ainda que tenham recebido parecer de constitucionalidade, juridicidade, boa técnica legislativa e adequação financeira e orçamentária.

147

Em que hipótese a emenda não é submetida a votação?152
Não é submetida a votos emenda declarada inconstitucional ou injurídica pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação, ou financeira e orçamentariamente incompatível pela Comissão de Finanças e Tributação, ou se no mesmo sentido se pronunciar a comissão especial referida na questão 61, parte final, em decisão irrecorrida ou mantida pelo Plenário.

148

Quais emendas isoladamente?153

são

votadas

As emendas com pareceres divergentes entre as comissões e as emendas que tenham sido objeto de requerimento de

152 153

Art. 189, § 6o RICD. Art. 189, § 2o, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

101

destaque são votadas uma a uma, conforme sua ordem e natureza (ver questão 149).

149

Em que ordem emendas?154

são

votadas

as

Dentre as emendas de cada grupo são votadas, pela ordem: 1o) as supressivas; 2o) as aglutinativas; 3o) as substitutivas; 4o) as modificativas; 5o) as aditivas.

150

Como são votadas emendas que tenham subemendas?155
As emendas com subemendas normalmente são votadas uma a uma, exceto se o Plenário, por proposta de qualquer Deputado, decidir votá-las em grupos; neste caso, uma vez aprovado o grupo, são consideradas aprovadas as emendas com as alterações feitas pelas subemendas. Votadas uma a uma as emendas com subemendas, o procedimento é o seguinte: a emenda é votada antes e com
154 155

Art. 191, VIII, RICD. Art. 191, IX, RICD.

102

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

ressalva da subemenda, exceto quando se tratar de subemenda supressiva ou substitutiva, casos em que são votadas antes das emendas sobre as quais incidem.

151

Como é votado substitutivo da Câmara a proposição originária do Senado?156
O substitutivo da Câmara a proposição originária do Senado é considerado como uma série de emendas e votado em globo, exceto: a) se qualquer comissão se manifestar favoravelmente a uma ou mais emendas e contrariamente a outra ou outras, caso em que a votação se fará em grupos, segundo o sentido dos pareceres; b) quando for aprovado requerimento para a votação de qualquer emenda destacadamente.

156

Art. 190, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

103

Regras de Preferência

152

O que é preferência?157

Preferência é a primazia na discussão, ou na votação, de uma proposição sobre outra, ou outras.

153

Qual é a ordem regimental de preferência entre os projetos em geral?158
Os projetos em regime de urgência têm preferência sobre os em prioridade, que, por sua vez, têm preferência sobre os de tramitação ordinária e, entre estes, os projetos para os quais tenha sido concedida preferência, seguidos dos que tenham pareceres favoráveis de todas as comissões a que foram distribuídos.

157 158

Art. 159, caput, RICD. Art. 159, § 1o, RICD.

159. 2o) estado de defesa.160 4o) acordos internacionais. 3o) matéria considerada urgente. qual a ordem de preferência por assunto?159 A ordem de preferência é a seguinte: 1o) declaração de guerra e correlatos. RICD.104 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 154 Dentre os projetos que tramitam em regime de urgência. proposições de 159 160 161 Art. 5o) fixação dos efetivos das Forças Armadas. § 3o. . 153. RICD. RICD. Art. Art. § 2o. estado de sítio e intervenção federal nos Estados. 155 Quais proposições têm preferência sobre as demais dentro do grupo das que tramitam em regime de prioridade?161 Têm preferência sobre as demais as iniciativa da Mesa ou de comissões permanentes. 159.

se forem idênticos em seus fins. 160. . o Presidente deve regular a preferência pela ordem de apresentação ou. pela maior importância das matérias a que se reportarem. RICD. RICD. 159. 157 Até que momento podem os Deputados requerer preferência para votação ou discussão de uma proposição sobre as do mesmo grupo?163 Até ser iniciada a Ordem do Dia. se simultâneos.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 105 156 Qual a ordem de preferência entre os requerimentos?162 A ordem de preferência é a seguinte: a) o requerimento sobre proposição em Ordem do Dia tem votação preferencial. c) quando ocorrer a apresentação de mais de um requerimento. § 4o. b) o requerimento de adiamento de discussão ou de votação deve ser votado antes da proposição a que disser respeito. Art. e a adoção de um prejudicará os demais. antes de iniciar-se a discussão ou votação da matéria a que se refira. serão postos em votação conjuntamente. 162 163 Art. o mais amplo tendo preferência sobre o mais restrito.

e) o dispositivo destacado de projeto para votação em separado precede. c) havendo mais de um substitutivo. o texto deste será votado antes das emendas aditivas a ele correspondentes.106 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 158 Quais outras regras de preferência devem ser obedecidas na votação?164 Também devem ser obedecidas na votação as seguintes regras: a) a proposta de emenda à Constituição tem preferência na votação em relação às proposições em tramitação ordinária. g) se a votação do projeto se fizer separadamente em relação a cada artigo. depois das emendas que lhe tenham sido apresentadas. aquele apresentado por último será votado em primeiro lugar. f) quando ao mesmo dispositivo forem apresentadas várias emendas da mesma natureza. a proposição original é votada por último. 191. na votação. a preferência será regulada pela ordem inversa de sua apresentação. RICD. havendo emendas de mais de uma comissão. b) o substitutivo de comissão tem preferência na votação sobre o projeto. 164 Art. ou seja. terão preferência as de comissão sobre as demais. d) na hipótese de rejeição de todos os substitutivos. as emendas à proposição original. . a preferência será regulada pela ordem inversa de sua apresentação.

Pode ter as seguintes finalidades: a) retirar partes do texto em votação.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 107 Destaques 159 O que é destaque e quais as suas finalidades?165 Destaque é um instrumento criado pelo Regimento Interno que permite a supressão ou a inserção de novos dispositivos na proposição no momento em que está sendo votada. de emenda ou subemenda c) determinar que parte da proposição em votação seja dela separada para constituir proposição autônoma. 161. e) suprimir partes da proposição em votação. as quais só voltarão a integrá-lo se aprovadas posteriormente. quando a preferência recair sobre outro (ver questão 158. d) votar proposição ou substitutivo. . parte separadamente e não em grupos. ou parte deles. em votação separada (Destaque para Votação em Separado — DVS). RICD. b) votar emenda. letra b) ou sobre proposição apensada. 165 Art. com tramitação própria.

108

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

160

Como são apresentados os destaques?
Por meio de requerimento, que pode ser de dois tipos: a) de concessão automática, apresentados pelas bancadas dos partidos dentro da "cota" a que tenham direito (ver questão 163); b) dependentes de deliberação do Plenário, os apresentados pelos Deputados em geral.

161

Qual o limite de prazo para a apresentação de requerimentos de destaque?166
Os requerimentos de destaque devem ser apresentados até o anúncio da votação da proposição.

162

Existe apoiamento mínimo para apresentação de requerimentos de destaque?167
Isto depende do tipo de destaque a ser requerido.

166 167

Art. 162, I, RICD. Art. 161, I e § 2o, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

109

Os requerimentos de Destaque para Votação em Separado — DVS, se não forem apresentados por bancada (ver questão 163), devem ser subscritos por um décimo dos membros da Casa, ou líderes que representem este mínimo de 52 Deputados; os demais requerimentos de destaque podem ser apresentados por qualquer Deputado individualmente.

163

O que é o chamado "destaque de bancada"?168
O costume da Casa apelidou de "destaque de bancada" os requerimentos de destaque de concessão automática, que podem ser apresentados pelas lideranças dos partidos dentro de uma determinada "cota" que o Regimento prevê. Essa cota varia conforme o número de membros da bancada, de acordo com a tabela seguinte: − de 5 até 24 Deputados: um destaque; − de 25 até 49 Deputados: dois destaques; − de 50 até 74 Deputados: três destaques; − de 75 ou mais Deputados: quatro destaques.

168

Art. 161, § 2o, RICD.

110

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

164

Em que casos destaque?169
Os destaques não são admissíveis:

não

é

admitido

a) em se tratando de emendas, para constituição de grupos diferentes daqueles a que pertençam; b) para retirada de expressão que inverta o sentido da proposição ou a modifique substancialmente; c) quando o texto destacado não puder ser ajustado à proposição em que deva ser integrado formando sentido completo; d) para constituição de projeto em separado quando a disposição a destacar seja de projeto do Senado, ou se a matéria for insuscetível de constituir proposição de curso autônomo.

165

Quando não são de concessão automática, em que momento são postos em votação os requerimentos de destaque?170
No caso de requerimento de destaque de parte de proposição para constituição de projeto autônomo, assim como nos de DVS, os requerimentos são votados antes da proposição principal sobre a qual incidem; nos demais casos, os requerimentos são votados após a deliberação sobre a proposição principal e suas emendas.

169 170

Art. 162, RICD. Art. 162, VII, RICD.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno

111

166

Como se procede à votação de proposição a que tenha sido concedido destaque para votação em separado?171
Primeiramente é submetida a votos a matéria principal e, em seguida, a destacada, que somente voltará a integrar o texto se for aprovada.

167

É necessário que o autor do requerimento de destaque encaminhe a votação da matéria destacada?172
Sim, uma vez que será considerado insubsistente o destaque se, anunciada a votação da matéria destacada, o autor do requerimento não pedir a palavra para encaminhá-la (ver questão 136).

171 172

Art. 162, VI, RICD. Art. 162, XIII, RICD.

169 Feita a redação do vencido pela comissão competente. a proposição e respectivas emendas são encaminhadas à comissão competente.112 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno REDAÇÃO DO VENCIDO E REDAÇÃO FINAL 168 O que é redação do vencido?173 É a redação do texto de uma proposição aprovada em primeiro turno. para redigir o novo texto. com emendas. 194. . na forma das alterações produzidas pelas emendas. 173 Art. o que ocorre? A matéria é publicada e encaminhada à Mesa. para votação em segundo turno. RICD. Uma vez encerrada a votação em Plenário.

194. deve a matéria aguardar o interstício de duas sessões para que seja apreciada em segundo turno. . após publicada ou distribuída em avulsos. sem que a matéria haja sido emendada. 172 É competente: Que comissão é competente para elaborar a redação do vencido e a redação final?176 174 175 176 Art. com as eventuais emendas aprovadas. 195. c/c art. A redação final deve ser submetida a votação. se considerar necessário. parágrafo único. Art. RICD. o que ocorre?174 Nesse caso. § 6o. A comissão competente para elaborar a redação final pode propor emendas de redação. 197 c/c art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 113 170 Encerrada a votação. RICD. se houver. 216. II. 150. 171 O que é redação final?175 É a redação do texto final da proposição (aprovada em turno único ou segundo turno. Art. conforme o caso). em primeiro turno. RICD.

RICD. no caso de projeto de alteração do Regimento Interno de autoria de Deputados ou comissão permanente. quando já tenha sido feita a redação do vencido em primeiro turno. − projeto de alteração do Regimento Interno. − projeto de código. se aprovados sem modificações. b) substitutivos emendas. aprovados em segundo turno. no caso de: − proposta de emenda à Constituição.114 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno a) a Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 173 Sim. quando de autoria de comissão especial. nos casos de: Pode a redação final ser dispensada?177 a) propostas de emenda constitucional e projetos aprovados em segundo turno. no caso das proposições em geral. 177 Art. . sem c) projetos oriundos do Senado aprovados sem emendas. c) a Mesa. b) a comissão especial respectiva. 195. § 2o.

200. uma vez que a proposição original. RICD. 65. 175 O que ocorre com proposição aprovada pela Câmara e emendada pelo Senado Federal?179 Retorna à Câmara. conforme o caso: Qual o destino dado à proposição. para apreciação exclusivamente das emendas aprovadas pelo Senado Federal. b) ao Senado. parágrafo único. Art. CF c/c art. 65. CF.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 115 174 A proposição aprovada encaminhada. já foi objeto de deliberação pela Casa. . em si. ou c) à promulgação pelo Presidente do Congresso Nacional. após aprovada em definitivo pela Casa?178 em definitivo pela Câmara é a) à sanção do Presidente da República. para revisão. 178 179 Art.

como Casa iniciadora. 137. 66.181 180 181 Art. não tem poderes para alterar as emendas propostas pela Casa revisora. parágrafos e alíneas. desde que desta cisão não resulte prejuízo para o sentido original das emendas. CF. cabendo-lhe apenas aprová-las ou rejeitá-las. no momento da votação.116 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 176 Como se dá a apreciação das emendas do Senado Federal a proposições originárias da Câmara?180 A Câmara dos Deputados. Art. . Regimento Comum. O Regimento Comum do Congresso Nacional permite à Casa iniciadora dividir as emendas. em artigos.

182 Art. salvo as destacadas. h) requerimento com a mesma. . RICD. ou oposta. à de outra já aprovada ou rejeitada naquela votação. de teor idêntico ou de finalidade oposta. conforme parecer da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. substitutivo aprovado. f) emendas a projeto rejeitado. ressalvados os destaques. com respectivas emendas. finalidade de outro já aprovado. quando a votação se der artigo por artigo. c) proposição apensada a outra. a matéria que se enquadre em um dos seguintes casos: a) projeto idêntico a outro aprovado ou rejeitado na mesma sessão legislativa. ou absolutamente contrária. que tenha e) emenda de matéria idêntica. sendo arquivada. g) artigos de projeto que forem conseqüência de outro rejeitado. b) projeto semelhante a outro considerado inconstitucional.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 117 PREJUDICIALIDADE 177 Quais os casos em que se dá a prejudicialidade de proposição?182 Considera-se prejudicada. ou transformado em diploma legal. 163. d) proposição. que tenha sido aprovada ou rejeitada.

164. em função do passar do tempo e de eventuais mudanças dele advindas.118 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 178 Há outros casos de declaração de prejudicialidade? Sim. RICD. I. ou alguma de suas comissões. . que. RICD. não mais possa produzir os efeitos desejados. tenha proferido prejulgamento no sentido da prejudicialidade de proposições daquela espécie.184 183 184 Art. por decisão do Presidente da Câmara ou de comissão pode ser declarada prejudicada: a) a proposição pendente de deliberação que tenha perdido a oportunidade de ser apreciada. II. Art. 164. isto é.183 b) a proposição da mesma espécie de outra sobre a qual a Câmara dos Deputados.

o voto direto. a separação dos Poderes ou os direitos e garantias individuais. secreto. 201 e seguintes. a saber: a) se a proposta não contém disposições tendentes a abolir a forma federativa do Estado. 185 186 Art. 180 Que aspectos da proposta de emenda à Constituição são examinados na fase de admissibilidade?186 São examinados os aspectos exigidos pela Constituição Federal. a proposta de emenda à Constituição é despachada pelo Presidente da Casa à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 60. Art. CF.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 119 MATÉRIAS SUJEITAS A TRAMITAÇÃO ESPECIAL Propostas de Emenda à Constituição 179 Como se inicia a tramitação de proposta de emenda à Constituição?185 Apresentada à Câmara dos Deputados. universal e periódico. que deverá se pronunciar sobre sua admissibilidade constitucional. . RICD.

pelo Senado Federal. com o apoiamento de um terço da composição da Câmara. caput. após o que a comissão deverá devolver a proposta à Mesa com o respectivo parecer.120 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno b) se foi apresentada pelo Presidente da República. no mínimo. 181 Qual o prazo concedido à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação para se pronunciar sobre a admissibilidade da proposta de emenda à Constituição?187 Esse prazo é de cinco sessões. ou por mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da Federação. e c) se o País não se encontra sob estado de sítio. 202. 202. RICD. do total de Deputados. 182 O que sucede com a proposta de emenda à Constituição considerada inadmissível pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação?188 Considerada inadmissível a proposta. RICD. a não ser que o autor. por um terço. ou de líderes que representem este 187 188 Art. . de defesa ou sob intervenção federal. § 1o. a matéria vai ao arquivo. Art.

quanto ao mérito. § 2o. . 202. deve ser designada comissão especial para examiná-la. Art. 202. 183 O que ocorre com a proposta de emenda à Constituição que tenha recebido parecer pela admissibilidade?189 Admitida a proposta pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. e nas primeiras dez sessões do prazo que lhe cabe para proferir parecer. requeira a deliberação do Plenário sobre a preliminar de admissibilidade. § 3o. RICD. 184 Quando e perante que órgão podem ser apresentadas emendas a proposta de emenda à Constituição?190 As emendas a proposta de emenda à Constituição somente podem ser apresentadas perante a comissão especial respectiva. no prazo de quarenta sessões da Câmara dos Deputados. RICD.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 121 mínimo de 171 Deputados. 189 190 Art.

o voto direto. Todavia. dos membros da Câmara dos Deputados. 201. e não podem conter disposições tendentes a abolir a forma federativa do Estado. . 202. RICD. 191 Art. a separação dos Poderes e os direitos e garantias individuais. 186 A quem compete fazer o exame da admissibilidade das emendas a proposta de emenda à Constituição? O Regimento Interno da Câmara dos Deputados não se manifesta quanto ao exame de admissibilidade de emendas a proposta de emenda à Constituição. secreto. c/c art.122 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 185 Quais os requisitos para a apresentação de emendas a proposta de emenda à Constituição?191 As emendas devem ser subscritas por um terço. § 3o. a orientação dominante na Casa tem sido no sentido de que cabe à comissão especial fazer esta análise. no mínimo. universal e periódico.

os Deputados que não pertençam à comissão também poderão fazê-lo. a matéria estará pronta para discussão. por quinze minutos improrrogáveis. VI. ou dispensada a sua leitura se for distribuído em avulsos. parte final).193 Encerrada a discussão. presente a maioria absoluta dos membros da comissão. até o encerramento da discussão. poderão usar a palavra. o autor da proposta. RICD. 57. . o relator poderá solicitar ao presidente prazo não superior a uma sessão para reformular seu parecer. ou após a apresentação do parecer reformulado. Não ocorrendo isto. RICD.192 Durante a discussão. É possível. se for o caso. o relator. VII. os demais membros e os líderes. 192 193 Art. 57. O parecer será tido como aprovado se obtiver maioria de votos. Art. a apresentação de destaques (ver questão 86. mas por dez minutos.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 123 187 Como se dá a votação do parecer do relator sobre proposta de emenda à Constituição na comissão especial? Lido o parecer. a matéria estará pronta para ser colocada em votação.

189 Em quantos turnos se dá a apreciação da proposta de emenda à Constituição?195 A proposta é submetida a dois turnos de discussão e votação. § 5o. RICD. RICD. com interstício de cinco sessões entre um e outro. 202. .124 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 188 A partir de quando pode a proposta de emenda à Constituição ser incluída na Ordem do Dia da Câmara dos Deputados?194 Após a publicação do parecer da comissão observado o interstício mínimo de duas sessões. § 6o. 202. 194 195 Art. Art. especial.

após sua aprovação nesta Casa? Aprovada na Câmara. § 7o. em dois turnos de votação. em votação nominal. 202. obtiver três quintos dos votos dos seus membros (atualmente 308 votos favoráveis). 60. 191 Como prossegue a tramitação da proposta de emenda à Constituição apresentada na Câmara. . RICD. 196 Art. para apreciação. em dois turnos. CF c/c art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 125 190 Como se processa a votação de proposta de emenda à Constituição e qual o quorum necessário para sua aprovação?196 Considerar-se-á aprovada na Câmara dos Deputados a proposta que. a proposta é encaminhada ao Senado Federal. § 2o. Estará aprovada em definitivo se obtiver naquela Casa os votos de três quintos dos senadores.

197 Questão de ordem no 10. 367 do Regimento Interno do Senado Federal —. do Regimento Interno da Câmara e. de 10. nos termos dos arts.126 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 192 O que ocorre com a proposta de emenda à Constituição aprovada com emendas na Casa revisora? De acordo com decisão da Mesa da Câmara dos Deputados — proferida em 21 de outubro de 1997. no art.128. com despacho — na Câmara dos Deputados — à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação e à comissão especial. que.11. Cumpre observar.98. de acordo com o que ficou decidido pela Presidência a respeito de uma questão de ordem levantada sobre o assunto. 203. 201 a 203 do Regimento Interno. caput. se houver parte da proposta que tenha sido aprovada pelas duas Casas sem desconformidade de texto. em 1998197. com base no art. ainda. estará apta a ser promulgada como emenda constitucional. . a proposta de emenda à Constituição que for aprovada com emendas pela Casa revisora voltará a tramitar na Casa iniciadora como proposta nova. subsidiariamente.

§ 8o. as disposições regimentais relativas ao trâmite e apreciação dos projetos de lei em geral. que convocará sessão conjunta das duas Casas para promulgação da emenda. parágrafo único. RICD.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 127 193 O que ocorre com proposta de emenda à Constituição aprovada em definitivo por ambas as Casas do Congresso Nacional?198 Sua aprovação é comunicada ao Presidente do Senado. 194 Na ausência de norma específica. 198 199 Art. RICD. 202. 203. 201 a 203 do Regimento Interno. . Art. no que não colidir com o especialmente prescrito nos arts. o que se aplica à tramitação de propostas de emenda à Constituição?199 São aplicáveis às propostas de emenda à Constituição.

haverá também sobrestamento da pauta de deliberação dos demais assuntos. 204. RICD. da Constituição Federal). 64. 2o e 3o. determina que os projetos de iniciativa do Presidente da República com urgência solicitada deverão ser apreciados pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal em até quarenta e cinco dias. cada qual. Caso contrário. . A apreciação de eventuais emendas do Senado pela Câmara dos Deputados201 deverá ocorrer no prazo de dez dias. sucessivamente. da Constituição Federal. 200 201 Art. 64.128 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Projetos de Iniciativa do Presidente da República com Solicitação de Urgência 195 Como se dá a tramitação de projeto de lei de iniciativa do Presidente da República com solicitação de 200 urgência? O art. §§ 1o. sob pena de se sobrestar a deliberação quanto aos demais assuntos até que se ultime a sua votação. caput. Os projetos de iniciativa do Presidente da República sempre iniciam sua tramitação na Câmara dos Deputados (art.

o Presidente deve nomear comissão especial para emitir parecer sobre o projeto e as emendas. Art. RICD. § 4o. No decurso da mesma sessão. 205. eleitos o presidente e os vice-presidentes e designado o relator-geral e tantos relatores parciais quantos forem necessários. o Presidente deve comunicar o fato ao Plenário e determinar sua inclusão na Ordem do Dia da sessão seguinte. 205 e seguintes. . RICD. 197 Qual o prazo para apresentação de emendas ao projeto de código?203 Depois de nomeada comissão especial pelo Presidente da Casa. sendo publicado e distribuído em avulsos.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 129 Projetos de Código 196 Como se inicia a tramitação de projeto de código?202 Recebido pela Mesa projeto de código. 202 203 Art. abre-se o prazo de vinte sessões para apresentação de emendas. que serão encaminhadas aos respectivos relatores.

RICD. 206. RICD. § 6o.130 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 198 Qual o prazo para os apreciarem as emendas?204 relatores Encerrado o prazo de oferecimento de emendas. 199 Qual o prazo do relator-geral?205 O relator-geral tem o prazo máximo de quinze sessões para apresentar seu parecer. § 5o. 205. RICD. 200 Qual o prazo dado à comissão especial para discussão e votação do projeto de código?206 O projeto de código deve ser discutido e votado. 205. . com suas emendas. que serão imediatamente encaminhados ao relator-geral. Art. os relatores parciais terão o prazo de dez sessões para entregar seus pareceres. 204 205 206 Art. Art. em dez sessões.

após publicados e distribuídos em avulsos. 207 208 209 Art. RICD. 208 e 209. com emendas. o projeto. Art. Arts. Aprovado na Câmara. RICD. obedecido o interstício regimental de duas sessões. 202 O que ocorre com o projeto de código após sua aprovação pelo Plenário?208 O projeto e as emendas serão encaminhados à comissão especial para elaboração da redação final em cinco sessões. as emendas e os pareceres. 210. para revisão. 203 De volta à Câmara. o projeto de código será encaminhado ao Senado Federal. RICD. 207. como se ultima a tramitação do projeto de código?209 As emendas do Senado Federal serão encaminhadas à comissão especial para que recebam parecer em dez sessões. vão a Plenário para serem apreciados em turno único.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 131 201 Quando o projeto de código pode ser incluído na Ordem do Dia?207 Assim que for concluída a fase de discussão e votação. .

132 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Publicadas as emendas e o parecer. § 4o. o projeto de código será incluído obrigatoriamente na Ordem do Dia. 205. 210 211 Art. § 7o. apenas quanto às modificações propostas pelo Senado Federal. 204 Aprovado definitivamente na Câmara. em duas sessões. RICD. para sanção?210 O projeto de código definitivamente aprovado será enviado à sanção no prazo improrrogável de três sessões. é vedada a tramitação simultânea de mais de dois projetos de código. 205 Existe alguma limitação numérica à tramitação de projetos de código?211 Sim. . em turno único. qual o prazo para o envio do projeto de código ao Poder Executivo. RICD. Art. 210. para discussão e votação.

para o prosseguimento de sua tramitação regimental. incorporadas as alterações aprovadas. Aprovado o relatório nesta Casa. 207 Como se dá a adequação do projeto de código às alterações constitucionais e legais? A Casa que tiver de ultimar a tramitação do projeto encaminhará à outra Casa relatório apontando as alterações que se fizerem necessárias. . deverá ser feita comunicação à outra.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 133 206 O que ocorre com o projeto de código em tramitação no Congresso Nacional há mais de três legislaturas?212 Será submetido a uma revisão para sua adequação às alterações constitucionais e legais promulgadas desde sua apresentação antes de sua discussão final na Casa que o encaminhará à sanção. 212 Resolução no 1/2000-CN.

209 É possível fazer modificação no mérito dos dispositivos legais submetidos a consolidação? Definitivamente não. sempre. a supressão e a conjugação de textos legais vigentes. 213 Art. a correção. . 212. Os projetos de consolidação deverão estar restritos aos aspectos formais. RICD. o aditamento. resguardando-se. a matéria de mérito.134 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Projetos de Consolidação 208 Qual é a finalidade dos projetos de consolidação?213 Os projetos de consolidação têm como finalidade a sistematização.

214 Art. após o que serão submetidos à apreciação do Plenário da Câmara. 213.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 135 210 A quem caberá o exame dos projetos de consolidação?214 Os projetos de consolidação serão apreciados pelo Grupo de Trabalho de Consolidação das Leis e pela Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. RICD. .

RICD. Art. 216. de comissão permanente ou de comissão especial criada para esse fim. caput. 215 216 Art. RICD. 212 Quando e perante que órgão devem ser apresentadas emendas a projeto de resolução que altera o Regimento Interno?216 As emendas podem ser apresentadas em Plenário no prazo de cinco sessões após a publicação do projeto e sua distribuição em avulsos. § 1o. da Mesa. 216.136 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Projetos de Alteração do Regimento Interno 211 Qual é o instrumento legislativo adequado para modificar o Regimento Interno?215 O instrumento legislativo adequado para modificar o Regimento Interno é projeto de resolução de iniciativa de Deputado. .

para que seja apreciado o mérito do projeto e de suas emendas. III. juridicidade e técnica legislativa. se se tratar de projeto que envolva matéria de sua competência. devendo ser aprovado por maioria de votos. se houver. 32. bem como sobre o mérito. para que seja examinado o mérito das emendas recebidas. c) à Mesa. com as respectivas emendas. b) à comissão especial que o houver elaborado. 216. que proferirá parecer sobre os aspectos de constitucionalidade. 214 Como se dá a apreciação do projeto pelo Plenário? Após a publicação e distribuição em avulsos dos pareceres das comissões. RICD. § 2o. é distribuído: a) à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. o que ocorre?217 O projeto. o projeto é incluído na Ordem do Dia para apreciação em dois turnos. se houver sido este o caso. nos termos do que prevê o art. presente a maioria absoluta dos membros da Casa.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 137 213 Após encerrado o prazo de emendas. . do Regimento Interno. 217 Art.

253. e d) as petições. 60. Art. operacional e patrimonial. incluídos os da administração indireta. b) os atos de gestão administrativa do Poder Executivo.219 218 219 Art. dos Ministros de Estado. do Procurador-Geral da República e do Advogado-Geral da União. nos termos do art. orçamentária. que importarem. RICD. reclamações ou representações de qualquer pessoa física ou jurídica contra ato ou omissão das autoridades e entidades públicas. crime de responsabilidade. seja qual for a autoridade que os tenha praticado. RICD.138 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Propostas de Fiscalização e Controle 215 São os seguintes: Quais são os atos ou fatos sujeitos à fiscalização e controle do Congresso Nacional. dos Ministros do Supremo Tribunal Federal. seus órgãos e entidades. 70 da Constituição Federal. tipicamente. financeira. ou imputados a membros da Casa. . c) os atos do Presidente e do Vice-Presidente da República. de suas Casas e comissões?218 a) todos os atos passíveis de fiscalização contábil. no âmbito da União.

II. político. RICD. . econômico. 61. inclusive os da administração indireta. administrativo. 217 Como deve proceder a comissão ao receber proposta de fiscalização e controle?221 A proposta deve ser distribuída a um relator.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 139 216 Quem detém a prerrogativa de apresentar proposta de fiscalização e controle e como deve ser ela formulada?220 As propostas de fiscalização e controle dos atos do Poder Executivo. 220 221 Art. quando concluir pela aprovação. devendo indicar especificamente o ato e a fundamentação da providência objetivada (ver questão 44). I. que fará um relatório prévio a respeito da oportunidade e conveniência de sua acolhida e de seu alcance jurídico. RICD. social e orçamentário. o plano de execução e a metodologia de avaliação a serem empregados. definindo. podem ser apresentadas por qualquer Deputado à comissão técnica competente. 61. Art.

Caso seja aprovado. RICD. III. encarregado de sua implementação. . o mesmo relator ficará 222 Art. 61.140 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 218 Deve esse relatório prévio ser submetido à comissão?222 Sim.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 141 AUTORIZAÇÃO PARA INSTAURAÇÃO DE PROCESSO CRIMINAL CONTRA O PRESIDENTE E O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA E OS MINISTROS DE ESTADO 219 Como se dá a tramitação de pedido de autorização para instauração de processo criminal contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado?223 Solicitada. . 223 Art. publicado no Diário da Câmara dos Deputados. distribuído em avulsos e incluído na Ordem do Dia da sessão seguinte à de seu recebimento pela Mesa. lido no expediente. O acusado. será este encaminhado à Mesa. ou seu advogado. RICD. Proferido o parecer dentro de cinco sessões contadas da manifestação do acusado ou do término do prazo do parágrafo anterior. que é a comissão competente para examinar e dar parecer sobre a solicitação. pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal. autorização para a instauração de processo penal comum contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado. poderá manifestar-se no prazo de dez sessões. 217. o Presidente da Câmara a receberá e deverá notificar o acusado e despachar o expediente à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação.

da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. parte final).142 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Considerar-se-á autorizada a instauração do processo se parecer nesse sentido. . for aprovado por dois terços dos membros da Casa. pelo processo de chamada dos Deputados (ver questão 131. em votação nominal.

emitirá parecer no sentido de instauração ou não do respectivo processo (a ser feita pelo Senado Federal. O parecer deverá ser aprovado pela comissão no prazo de cinco sessões contadas do oferecimento da manifestação do acusado. ou após dez sessões. será ele incluído na Ordem do Dia da sessão seguinte. A instauração do processo será autorizada se nesse sentido forem os votos de dois terços dos membros da Casa. Vice-Presidente da República ou Ministros de Estado por crime de responsabilidade?224 Deferido o recebimento da denúncia pelo Presidente da Câmara. 224 Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 143 PROCESSO NOS CRIMES DE RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE E DO VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA E DE MINISTROS DE ESTADO 220 Como se processa a denúncia de cidadão à Câmara dos Deputados contra Presidente. 52. da CF). . será esta despachada a uma comissão especial que. nos termos do art. vice-presidentes e relator em quarenta e oito horas. Decorridas quarenta e oito horas da publicação do parecer da comissão especial. RICD. se esta manifestação não ocorrer. após eleger seu presidente. 218.

. ou b) por iniciativa da própria autoridade. 50. CF. informações sobre assunto previamente determinado. quando as convocarem para prestar. 219. 225 Art.144 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno COMPARECIMENTO DE MINISTROS DE ESTADO E OUTRAS AUTORIDADES PERANTE A CÂMARA DOS DEPUTADOS 221 Em que casos podem os Ministros de Estado ou os titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da República comparecer perante a Câmara ou suas comissões?225 O comparecimento destas autoridades pode se dar nos seguintes casos: a) por iniciativa da própria Câmara ou de suas comissões. RICD c/c art. quando pretender expor assunto de relevância de sua pasta. pessoalmente.

conforme o caso). A ausência sem justificação adequada implica crime de responsabilidade. RICD. 223 O não-comparecimento do convocado para prestar informações tem alguma conseqüência?227 Sim. § 1o. 223. 219. § 2o. RICD. Este requerimento será decidido pela maioria da respectiva composição plenária (Casa ou comissão. 219.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 145 222 Como é feita a convocação de Ministro de Estado ou de titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da República?226 Qualquer Deputado ou membro de comissão poderá apresentar o requerimento para a convocação. cabendo ao Presidente da Câmara promover a instauração do procedimento legal cabível. c/c art. . 226 227 Art. Art.

RICD. 116. consultas. . Não se admitem sugestões de providências a tomar. conselhos ou questionamentos acerca dos propósitos da autoridade a que se dirige.146 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno PEDIDOS ESCRITOS DE INFORMAÇÃO A MINISTRO DE ESTADO E OUTRAS AUTORIDADES 224 A que se podem referir os pedidos escritos de informações a Ministros de Estado ou titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da República?228 Tais pedidos somente podem referir-se a ato ou fato relacionado com matéria legislativa em trâmite. pertinente às atribuições do Congresso Nacional ou sujeito a sua fiscalização e controle. 228 Art.

com a observância. Art. quais os critérios exigidos?230 A eleição deverá se dar de acordo com as regras regimentais previstas para eleição dos membros da Mesa (ver questão 12). RICD. 229 230 Art. e obedecido. . 224. dentro do possível. o critério da proporcionalidade partidária. RICD. 225. das regras regimentais para eleição dos membros da Mesa (ver questão 12). a Mesa deve conduzir o processo eleitoral para a escolha dos membros da Comissão Representativa do Congresso Nacional que funcionará durante o recesso parlamentar. não sendo exigida a observância do princípio da proporcionalidade partidária. 226 Na eleição dos dois cidadãos que devam integrar o Conselho da República. no que couber.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 147 PARTICIPAÇÃO NA COMISSÃO REPRESENTATIVA DO CONGRESSO NACIONAL E NO CONSELHO DA REPÚBLICA 225 Como é feita a escolha dos membros da Câmara dos Deputados que irão compor a Comissão Representativa do Congresso Nacional?229 Na última sessão ordinária de cada sessão legislativa.

b) respeitar e cumprir a Constituição. as leis e as normas internas da Casa e do Congresso Nacional. que constitui parte integrante do Regimento Interno. são deveres fundamentais do Deputado: a) promover a defesa do interesse público e da soberania nacional. c) zelar pelo prestígio. 231 Art. d) exercer o mandato com dignidade e respeito à coisa pública e à vontade popular. a sua g) tratar com respeito e independência os colegas. não prescindindo de igual tratamento. f) examinar todas as proposições submetidas apreciação e voto sob a ótica do interesse público. as autoridades. zelo e probidade.148 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno DIREITOS E DEVERES DOS DEPUTADOS 227 Quais os deveres fundamentais dos Deputados?231 De acordo com o que dispõe o Código de Ética e Decoro Parlamentar. e) apresentar-se à Câmara durante as sessões legislativas ordinárias e extraordinárias e participar das sessões do Plenário e das reuniões de comissão de que seja membro. . aprimoramento e valorização das instituições democráticas e representativas e pelas prerrogativas do Poder Legislativo. agindo com boa-fé. 3o do Código de Ética e Decoro Parlamentar. os servidores da Casa e os cidadãos com os quais mantenha contato no exercício da atividade parlamentar. além das sessões conjuntas do Congresso Nacional.

18 do Código de Ética e Decoro Parlamentar. junto à Mesa. art. j) apresentar as declarações obrigatórias de que trata o art. 228 Que informações o Deputado é obrigado a apresentar à Câmara durante o exercício do mandato? Ao assumir o mandato. bem como noventa dias antes das eleições. até o trigésimo dia seguinte ao encerramento do prazo para entrega da declaração de imposto de renda das pessoas físicas. inciso XII. cópia da que houver encaminhado ao Tesouro. mediante aprovação da maioria absoluta de seus membros. também. Anualmente. Essa responsabilidade pelo sigilo poderá ser repassada exclusivamente ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Todas essas informações aqui referidas deverão ser autuadas em processos formalizados. nos termos garantidos pela Constituição Federal. os quais ficarão em arquivo próprio. quando este o solicitar. no último ano da legislatura. resguardado o devido sigilo. incluindo os passivos de sua responsabilidade de valor igual ou superior à sua remuneração como parlamentar. disponibilizando as informações necessárias ao seu acompanhamento e fiscalização. .Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 149 h) prestar contas do mandato à sociedade. o Deputado deverá apresentar à Mesa declaração de bens e rendas. 5o. i) respeitar as decisões legítimas dos órgãos da Casa. o Deputado estará obrigado a apresentar à Mesa.

232 Art. com c) número de pronunciamentos realizados nos diversos tipos de sessões da Câmara. d) número de pareceres que tenha subscrito como relator.150 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 229 Há outro tipo de declaração obrigatória que o Deputado deva prestar à Casa no reinício do mandato? Sim. b) número de presenças percentual sobre o total. na Mesa. 17. às sessões ordinárias. e em especial sobre: a) cargos. onde constam os seguintes dados referentes: 1) ao desempenho das atividades parlamentares. ou em nome da Casa durante o mandato. em comissões. 230 O que é o Sistema de Acompanhamento e Informações do Mandato Parlamentar?232 É um arquivo eletrônico relativo a cada Deputado. . quando iniciar-se a apreciação de matéria que envolva direta e especificamente seus interesses patrimoniais. Código de Ética e Decoro Parlamentar. a declaração de impedimento para votar. funções ou missões que tenha exercido no Poder Executivo. organizado e mantido pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e posto à disposição dos cidadãos através da Internet e outras redes de comunicação similares.

. g) número. b) no caso das sessões deliberativas. pelo sistema nominal. por meio de registro no painel eletrônico do plenário até o encerramento da Ordem do Dia (quando o painel não está funcionando.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 151 e) relação das comissões e subcomissões proposto ou das quais tenha participado. 2) à existência de processos em curso ou ao recebimento de penalidades disciplinares. projetos. 233 Art. 231 Como é aferido o comparecimento dos Deputados à Casa?233 O comparecimento é aferido diariamente: a) no caso das sessões de debates. por meio de registro de presença em postos eletrônicos instalados pela Casa. i) votos dados nas proposições submetidas à apreciação. j) outras atividades pertinentes ao mandato. requerimentos. h) licenças solicitadas e respectiva motivação. a presença é registrada em listas no plenário). recursos. destinação e objetivos de viagens oficiais ao exterior realizadas com recursos do poder público. na legislatura. indicações. 227. emendas. cuja inclusão tenha sido requerida pelo Deputado. pareceres e propostas de fiscalização e controle. RICD. por infração aos preceitos do Código de Ética e Decoro Parlamentar. que tenha f) número de propostas de emendas à Constituição.

de Prefeitura de capital ou de chefe de missão diplomática temporária. Governador de Território. 232 Em que casos o Deputado pode licenciar-se do exercício do mandato?234 O Deputado pode obter licença para: a) desempenhar missão temporária de caráter diplomático ou cultural. 235. Art. e d) assumir cargo de Ministro de Estado. b) tratar. por meio de assinatura em lista de presença própria de cada órgão técnico. de interesses particulares. 234 235 Art. do Distrito Federal. de Território. RICD. 233 Em que casos pode ser declarado vago o cargo de Deputado?235 Nos casos de falecimento. RICD. 238. c) tratar da própria saúde. .152 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno c) no caso das reuniões de comissão. sem remuneração. renúncia ou perda do mandato. Secretário de Estado.

Assim. o Deputado que infringir qualquer das proibições do art. à terça parte das sessões ordinárias da Câmara (ver questão 8). perder o mandato por simples ato da Mesa o Deputado que: a) deixar de comparecer. por decisão da maioria absoluta dos membros da Câmara. ainda. RICD c/c art. 240. . c) tiver a perda do mandato decretada pela Justiça Eleitoral. em cada sessão legislativa ordinária. Pode. b) perder ou tiver suspensos seus direitos políticos. 236 Art. 54 da Constituição Federal. 55. que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado ou cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar. nos termos expressamente previstos na Constituição Federal. pode perder o mandato. nos casos previstos na Constituição Federal. CF.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 153 234 Como pode ocorrer a perda do mandato de Deputado?236 Por decisão da maioria absoluta dos membros da Câmara dos Deputados ou por ato da Mesa.

vantagens indevidas. 3) celebrar acordo que tenha por objeto a posse do suplente. o regular andamento dos trabalhos legislativos para alterar o resultado de deliberação. 2) perceber. 4) fraudar.154 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 235 Que atos são considerados incompatíveis com o decoro parlamentar. a qualquer título. que integra o Regimento Interno e disciplina esta matéria. condicionando-a a contraprestação financeira ou à prática de atos contrários aos deveres éticos ou regimentais dos Deputados. 4o do Código de Ética e Decoro Parlamentar. em proveito próprio ou de outrem. no exercício da atividade parlamentar. prestar informação falsa nas declarações de bens e rendas que é obrigado a apresentar periodicamente à Câmara (ver questões 228 e 229). nas mesmas condições. podendo determinar a perda do mandato de um Deputado?237 De acordo com o Código de Ética e Decoro Parlamentar. 5) omitir intencionalmente informação relevante ou. constituem procedimentos incompatíveis com o decoro parlamentar: 1) abusar das prerrogativas constitucionais asseguradas aos membros do Congresso Nacional. 237 Art. por qualquer meio ou forma. .

238 239 240 Art. Código de Ética e Decoro Parlamentar. por atos ou palavras. há outras punições aplicáveis a Deputados pela prática de atos que atentem contra a ética e o decoro parlamentar?238 O Código de Ética e Decoro Parlamentar prevê dois tipos de condutas puníveis: as consideradas "incompatíveis" com o decoro parlamentar (mencionadas na questão 235). outro parlamentar. Arts. suspensão de prerrogativas regimentais e suspensão temporária do exercício do mandato. bem como ao que reincidir nas condutas puníveis com censura verbal. as quais. a Mesa ou comissão ou os respectivos Presidentes. 5o. verbal e escrita. são puníveis com a perda do mandato. 237 Que atos atentatórios ao decoro parlamentar são puníveis com censura verbal e escrita?240 A censura verbal pode ser aplicada àqueles que perturbarem a ordem das sessões da Câmara ou das reuniões de comissão. 55. por determinação constitucional239. II. Código de Ética e Decoro Parlamentar. CF. 11 e 12 . art. .Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 155 236 Além da perda do mandato. puníveis com penalidades mais brandas como censura. A censura escrita será aplicável ao Deputado que praticar ofensas físicas ou morais nas dependências da Câmara ou desacatar. e as consideradas simplesmente "atentatórias" ao decoro e à ética parlamentar. bem como aos que infringirem as regras de boa conduta nas dependências da Casa.

37 da Constituição Federal. Código de Ética e Decoro Parlamentar. de interesse específico de pessoa física ou jurídica que tenha contribuído para o financiamento de sua campanha eleitoral. colega ou qualquer pessoa sobre a qual exerça ascendência hierárquica com o fim de obter qualquer espécie de favorecimento. 14. usar verbas de gabinete em desacordo com os princípios fixados no caput do art. ou às reuniões de comissão. 239 Em que casos pode ser aplicada a penalidade de suspensão temporária do mandato?242 O Deputado poderá ser punido com esse tipo de penalidade se usar dos poderes e prerrogativas do cargo para constranger ou aliciar servidor. ainda. § 1o. o registro de presença às sessões. 241 242 Art. revelar o conteúdo de debates ou deliberações que a Câmara ou comissão hajam resolvido devam ficar secretos. ou. Art.156 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 238 Quais as condutas puníveis com a suspensão de prerrogativas 241 regimentais? Revelar informações e documentos oficiais de caráter reservado. por qualquer meio ou forma. de que o Deputado tenha tido conhecimento na forma regimental. Código de Ética e Decoro Parlamentar. . 13. se vier a fraudar. e relatar matéria submetida à apreciação da Câmara.

. Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 157 240 Quais as autoridades competentes para aplicar cada tipo de penalidade? A censura verbal é aplicável de ofício pelos presidentes de comissão. e pelo Presidente da Câmara. dependendo. e dependem de processo disciplinar prévio instaurado perante o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar245. proporá a aplicação da penalidade e encaminhará o parecer final à Mesa. 241 Como se dá o processo de suspensão de prerrogativas regimentais?246 Recebida representação de qualquer cidadão contra Deputado e verificadas a existência dos fatos e respectivas provas. Ao final da apuração. Código de Ética e Decoro Parlamentar. nos demais casos. de provocação do ofendido ou das presidências das comissões ou da Casa. 11. no prazo de trinta dias.244 As penalidades de suspensão de prerrogativas regimentais. para publicação 243 244 245 246 Art. Código de Ética e Decoro Parlamentar. Código de Ética e Decoro Parlamentar. que deverá instaurar o respectivo processo para a apuração sumária dos fatos. 13 e 14. Arts.243 A censura escrita é aplicável pela Mesa. assegurada ampla defesa ao acusado. conforme o caso. quando a conduta tenha sido praticada no recinto dos órgãos técnicos. Código de Ética e Decoro Parlamentar. 13. Art. concluindo o Conselho pela procedência da representação. a Mesa a encaminhará ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. suspensão temporária do exercício do mandato e perda do mandato são de competência do Plenário. 12.

por provocação da Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional. finalmente. após o que o relator — ou uma subcomissão de inquérito constituída em seu lugar — procederá às diligências e à instrução probatória que entender necessárias. o processo deverá ser encaminhado à Mesa. Esgotado o prazo sem a apresentação da defesa. Observa-se que a provocação da Mesa poderá ser decorrente do recebimento de representação popular contra o Deputado. e inclusão na Ordem do Dia do Plenário. concluindo pela procedência ou improcedência da representação. .158 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno em avulsos e inclusão na Ordem do Dia do Plenário. 14. 242 Como se desencadeia e evolui o processo disciplinar destinado à aplicação das penalidades de suspensão temporária ou de perda de mandato de Deputado?247 Esse tipo de processo se inicia perante o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. concluindo o Conselho pela improcedência da representação. Código de Ética e Decoro Parlamentar. o Conselho deverá remeter cópia da representação ao Deputado acusado. findas as quais deverá proferir parecer também no prazo de cinco sessões. que o acusado poderá recorrer à Comissão de Constituição e Justiça e de Redação de 247 Art. o presidente deverá nomear-lhe defensor dativo para oferecê-la em novo e igual prazo. Uma vez aprovado o parecer pelo Conselho. publicação e distribuição em avulsos. Cumpre observar. para apresentar defesa escrita. com indicação de provas. Instaurado o processo. para a leitura no expediente. no prazo de cinco sessões. o processo será arquivado.

F. A Constituição Federal garante que os Deputados "são invioláveis. 243 Os Deputados gozam de imunidade parlamentar?248 Sim. 244 Os Deputados podem ser processados por crime comum?249 Antes da EC no 35/2001. por suas opiniões. sustar o andamento da ação. os Deputados só podiam ser processados pelo Supremo Tribunal Federal após autorização da Câmara. C. regimental ou do Código de Ética. até a decisão final. poderá. seja na esfera penal. . Isto quer dizer que os Deputados não podem ser processados. 248 249 Art. mas o STF ao receber a denúncia dá andamento à ação e comunica à Câmara dos Deputados que. o foro privilegiado continua. C.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 159 qualquer decisão do Conselho que contrariar norma constitucional. 53. palavras e votos". por iniciativa de partido político nela representado e pelo voto da maioria de seus membros. palavras e votos emitidos enquanto Deputados. civil e penalmente.F. 53. pelos atos decorrentes de suas opiniões. seja na esfera civil. Hoje. Art.

250 Art. . 14. presente a maioria absoluta dos membros da Casa. suspensão temporária do exercício do mandato e perda do mandato? O Código de Ética e Decoro Parlamentar não prevê quorum nem processo especial para a deliberação do Plenário sobre a aplicação da penalidade de suspensão de prerrogativas regimentais a Deputado. o que faz supor deva incidir aí a regra geral aplicável às deliberações legislativas. em votação aberta. Para a aplicação das penalidades de suspensão temporária e perda do mandato.160 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 245 Como deve deliberar o Plenário para aplicar as penalidades de suspensão de prerrogativas regimentais. em escrutínio secreto250. Código de Ética e Decoro Parlamentar. ao contrário. decisão por maioria de votos. ou seja. há regras específicas: o Plenário só estará autorizado a aplicar a penalidade se assim decidir a maioria absoluta de seus membros. caput.

respectivamente. a sociedade civil teve ampliada a possibilidade de participar diretamente dos trabalhos legislativos.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 161 PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL NA CÂMARA DOS DEPUTADOS 246 Como pode a sociedade civil participar dos trabalhos da Câmara dos Deputados?251 Com o advento das Resoluções nos 19 e 21/2001. além da iniciativa popular de projetos de lei. 253 e 254. da viabilidade de oferecimento de pareceres técnicos. a Ouvidoria Parlamentar (ver questão 21) e a Comissão de Legislação Participativa (ver questão 247). exposições. ainda. 251 Arts. . da possibilidade de apresentação de petições ou reclamações contra atos de autoridades públicas e. etc.. garantida constitucionalmente. Hoje. que criaram. a sociedade civil está legitimada a oferecer sugestões de iniciativa legislativa (ver questão 249) à Comissão de Legislação Participativa. RICD.

sindicatos e entidades organizadas da sociedade civil. Aprovada pelo plenário da comissão. rejeitada. 248 Como se dá a análise das sugestões pela Comissão de Legislação Participativa? Recebida a sugestão. 252 Art. exposições e propostas oriundas de entidades científicas e culturais. RICD. 32. será encaminhada ao arquivo da comissão. a sugestão passará a tramitar na Casa como proposição de autoria da própria Comissão de Legislação Participativa. e b) os pareceres técnicos. exceto partidos políticos. XVII.162 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 247 Qual a competência da Comissão de Legislação Participativa?252 A Comissão de Legislação Participativa é comissão permanente da Câmara dos Deputados que tem como competência receber e examinar: a) as sugestões de iniciativas legislativas apresentadas por associações e órgãos de classe. . ela será distribuída a um relator que emitirá parecer pela sua aprovação ou rejeição.

250 Há alguma restrição quanto à matéria objeto de sugestão? Sim. ordinária e complementar. projetos de decreto legislativo. projetos de lei. Cabe mencionar ainda que as sugestões necessariamente se referir a assuntos de esfera federal. projeto de decreto legislativo convocando plebiscito ou referendo. devem . do Supremo Tribunal Federal. ou seja. Também não serão aceitas sugestões relacionadas a matéria de iniciativa privativa do Presidente da República. e emendas à lei orçamentária anual e ao plano plurianual. dos Tribunais Superiores e do Ministério Público. Não podem ser apresentadas sugestões de proposta de emenda à Constituição Federal. requerimentos de convocação. projetos de resolução. informação e audiência pública. proposta de fiscalização e controle.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 163 249 Quais sugestões legislativas podem ser apresentadas? Todas aquelas cuja iniciativa esteja inserida na competência das comissões permanentes. requerimento de criação de CPI ou quaisquer outras proposições sobre as quais as comissões permanentes não tenham iniciativa.

obedecidas. aceitando-se. Art. c) o projeto será instruído com documento hábil da Justiça Eleitoral quanto ao contingente de eleitores alistados em cada unidade da Federação. no mínimo. as seguintes condições: a) a assinatura de cada eleitor deverá ser acompanhada de seu nome completo e legível. garantida pelo art. entre outras. em formulário padronizado pela Mesa da Câmara. 255. 61. § 2o. distribuído pelo menos por cinco Estados. 252 A que se destinam as reuniões de audiência pública?254 As reuniões de audiência pública com entidade da sociedade civil — que podem ser realizadas por qualquer comissão — são 253 254 Art. os dados referentes ao ano anterior. RICD. 252. b) as listas de assinatura serão organizadas por Município e por Estado. um centésimo do eleitorado nacional. RICD c/c art. com não menos de três milésimos dos eleitores de cada um deles.164 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 251 Como pode ser exercida a iniciativa popular de lei. CF. Território e Distrito Federal. 61 da Constituição Federal?253 A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à Câmara dos Deputados de projeto de lei subscrito por. se não disponíveis outros mais recentes. para esse fim. . endereço e dados identificadores de seu título eleitoral.

255 Art. .Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 165 destinadas a instruir matéria legislativa em trâmite. as entidades da administração federal indireta. eventualmente. bem como a tratar de assuntos de interesse público relevante. 259. aos Deputados em geral e ao órgão de assessoramento institucional. as entidades de classe de grau superior. de empregados e empregadores. por intermédio de suas comissões. autarquias profissionais e outras instituições de âmbito nacional da sociedade civil poderão credenciar junto à Mesa representantes para. prestar esclarecimentos específicos à Câmara. às lideranças. RICD. 253 Quais as entidades que poderão credenciar representantes junto à Câmara dos Deputados e com que finalidade?255 Os ministérios.

são organizadas sob a forma de núcleos temáticos de consultoria e assessoramento. Neste caso. no âmbito da Câmara dos Deputados. A Consultoria Legislativa e a Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira. recebida a solicitação de trabalho. 255 Pode o parlamentar solicitar a elaboração de minutas de pronunciamentos.166 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno CONSULTORIA LEGISLATIVA E CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA 254 A quem pode o parlamentar recorrer para a elaboração de proposições? Para a elaboração de todos os tipos de proposições legislativas os Deputados podem solicitar. integrantes da estrutura administrativa da Câmara dos Deputados. no âmbito da Câmara dos Deputados? Qualquer Deputado pode solicitar à Consultoria Legislativa a elaboração de minutas de discursos parlamentares. é designado um consultor para a elaboração escrita da minuta de pronunciamento a ser proferido em Plenário. os trabalhos da Consultoria Legislativa e da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira. .

CF. RICD. objeto fundamental de investigação da comissão parlamentar de inquérito. mediante requerimento de um terço de seus membros. . em conjunto ou separadamente. se for o caso. 35."256 257 O que é fato determinado?257 Fato determinado. que terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais. serão criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal. além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas. § 3o. 58. Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 167 COMISSÕES PARLAMENTARES DE INQUÉRITO 256 Qual a definição constitucional a respeito das comissões parlamentares de inquérito? A Constituição Federal determina: "As comissões parlamentares de inquérito. para a apuração de fato determinado e por prazo certo. sendo suas conclusões. é o acontecimento de relevante 256 257 Art. § 1o. para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores. encaminhadas ao Ministério Público.

RICD. cujo impetrante era o Presidente da CPI destinada a investigar irregularidades nas concessões e benefícios 258 259 Art. . 259 Qual o prazo para a conclusão dos trabalhos de uma CPI? O Regimento Interno da Câmara determina que a comissão tem o prazo de cento e vinte dias. mediante deliberação do Plenário. que deve ser devidamente caracterizado no requerimento de constituição da comissão. o requerimento será devolvido ao autor. § 2o.193/6. 35.168 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno interesse para a vida pública e a ordem constitucional. apontando fato determinado a ser apurado por prazo certo. § 3o. 258 Como se dá a tramitação de requerimento de criação de CPI na Câmara dos Deputados?258 Apresentado requerimento com a assinatura de um terço dos membros da Câmara dos Deputados. 35. que poderá recorrer desta decisão para o Plenário. econômica e social do País. prorrogável por até sessenta dias. o Supremo Tribunal Federal. para concluir seus trabalhos. Caso contrário.259 Todavia. em decisão no Habeas Corpus no 71. no prazo de cinco sessões. RICD. Art. legal. o Presidente da Casa determinará sua publicação.

acabou criando entendimento diverso ao determinar que aquela comissão pudesse funcionar regularmente até o final da legislatura em que teve início. o qual depende de aprovação pelo Plenário. RICD. Art. ainda. 260 Pode uma CPI interromper seu prazo de funcionamento nos períodos de recesso parlamentar?260 Sim. § 4o. § 3o. excedentes ao número preceituado. e esta é a regra geral. enquanto na Casa já estiverem funcionando outras cinco. RICD. . O Regimento Interno prevê.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 169 previdenciários. Somente se computará o prazo durante o recesso parlamentar se a própria CPI deliberar que prosseguirá com seus trabalhos nesse período. a possibilidade de se criarem novas comissões de inquérito. mediante projeto de resolução apresentado por um terço dos membros da Câmara (171 Deputados). mediante requerimento. 35. 260 261 Art. 35. 261 Qual a limitação de número relativa ao funcionamento das Comissões Parlamentares de Inquérito?261 A norma regimental da Câmara dos Deputados determina que não será admitida a criação de nova CPI.

requerer a audiência de Deputados e Ministros de Estado. ou do Poder Judiciário. mesmo antes de finda a investigação dos demais. f) se forem diversos os fatos inter-relacionados objeto do inquérito. tomar depoimentos de autoridades federais. inquirir testemunhas sob compromisso. 36. e requisitar os serviços de quaisquer autoridades. ouvir indiciados. c) incumbir qualquer de seus membros. necessários aos seus trabalhos. ou funcionários requisitados dos serviços administrativos da Câmara. d) deslocar-se a qualquer ponto do território nacional para a realização de investigações e audiências públicas. bem como. os de qualquer órgão ou entidade da administração pública direta. em caráter transitório. e) estipular prazo para o atendimento de qualquer providência ou realização de diligência sob as penas da lei. estaduais e municipais. RICD. da realização de sindicâncias ou diligências necessárias aos seus trabalhos. uma comissão de inquérito instituída na Câmara dos Deputados tem poderes para: a) requisitar funcionários dos serviços administrativos da Câmara. dando conhecimento prévio à Mesa. indireta e fundacional. 262 Art. inclusive policiais. . pronunciar-se em separado sobre cada um deles. b) determinar diligências.170 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 262 Quais os poderes de uma CPI?262 Além dos poderes de autoridade judicial. exceto quando da alçada de autoridade judiciária. requisitar de órgãos e entidades da administração pública informações e documentos.

264 Como serão escolhidos o presidente. 263 Art. O relator será indicado pelo presidente. Na composição das comissões parlamentares de inquérito deverá ser assegurada. os vice-presidentes e o relator de uma CPI? O presidente e os vice-presidentes serão escolhidos por eleição. tanto quanto possível.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 171 263 Como deve ser composta uma CPI?263 Sua composição numérica deverá estar indicada no próprio requerimento (ou projeto de resolução) de sua criação. ou independentemente desta se. sendo prática comum a indicação do autor do requerimento ou do projeto de resolução. . Os componentes serão designados pelo Presidente da Câmara por indicação dos líderes. 35. não se fizer a escolha. § 5o. pelos membros da própria comissão. a representação proporcional dos partidos e dos blocos partidários da Câmara dos Deputados. RICD. no prazo de 48 horas após a criação da CPI.

prevalecendo. o voto do relator. nos casos em que seja rejeitado o relatório apresentado pelo relator? Rejeitado o relatório original. ou seja. O relatório original constará dos autos como voto em separado. presente a maioria absoluta dos membros. dentre os integrantes da CPI. .172 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 265 Qual o quorum para deliberação em CPI? O mesmo exigido para deliberações legislativas em geral. para redigir o texto vencedor. 266 Quais os procedimentos adotados nas Comissões Parlamentares de Inquérito. conforme a vontade da maioria dos membros da comissão. maioria de votos. é designado novo relator. em caso de empate.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 173 267 Qual o procedimento a ser adotado quando se encerram os trabalhos da CPI com a aprovação de um relatório?264 Terminados os trabalhos. § 1o. para que promovam a responsabilização civil ou criminal por infrações apuradas e adotem outras medidas decorrentes de suas funções institucionais. f) ao Poder Judiciário. punição da autoridade responsável. de decreto legislativo ou de resolução. indisponibilidade de bens. projeto de lei. 166. 266 Art. para as providências de alçada desta ou do Plenário. CF. b) ao Ministério Público ou à Advocacia-Geral da União. 265 264 . assinalando prazo hábil para seu cumprimento. oferecendo. e) à Comissão Mista de Planos. d) à comissão permanente que tenha maior pertinência com a matéria. RICD. conforme o caso. c) ao Poder Executivo. para adotar as providências saneadoras de caráter disciplinar e administrativo decorrentes do art. Orçamentos Públicos e Fiscalização266 e ao Tribunal de Contas da União. à qual incumbirá fiscalizar o atendimento do prescrito no inciso anterior. 37. e demais dispositivos constitucionais e legais aplicáveis. suspensão dos direitos políticos. com suas conclusões. que será publicado no Diário da Câmara dos Deputados e encaminhado: a) à Mesa. Art. com a cópia da documentação. ou ainda indicação. a comissão apresentará relatório circunstanciado. para as providências previstas no art. ressarcimento ao erário. 37. 71 da Constituição Federal. Conforme o caso: nulidade do ato. instituição da ação penal cabível. quando se trate de recomendar providência de sua exclusiva competência. perda da função pública. da Constituição265. §§ 2o a 6o.

. sua tramitação exigirá a formação de comissões mistas de Deputados e Senadores. para a elaboração dos respectivos pareceres. e reunião conjunta das duas Casas em sessão. para a deliberação final.174 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno MATÉRIAS SUJEITAS A APRECIAÇÃO CONJUNTA 268 Como se dá a apreciação conjunta de uma matéria nas duas Casas do Congresso Nacional? Quando a Constituição exige que a apreciação de determinada matéria se faça conjuntamente pelas duas Casas do Congresso Nacional.

economicidade. diretrizes e orçamentos que os representantes da sociedade interferem na formulação das políticas públicas. Mais do que isso. legitimidade. e . as diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais (inclusive créditos adicionais) são de iniciativa exclusiva do Poder Executivo. operacional e patrimonial da União. conforme mandamento constitucional. programas. seus órgãos e entidades. aplicação das subvenções e renúncia de receitas. fiscalização contábil. o Congresso Nacional. o Parlamento é o elo entre as políticas públicas e as aspirações do cidadão. orçamentária. Além disso. mediante o controle externo. realiza.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 175 Matérias Relativas ao Orçamento 269 Qual a importância da matéria orçamentária para o Congresso Nacional? É pela apreciação dos projetos relativos ao orçamento que o Congresso Nacional desempenha a sua missão constitucional de participar do controle das finanças públicas. É na análise dos planos. quanto à legalidade. financeira. 270 A quem incumbe a iniciativa de matérias relativas ao orçamento? As leis que estabelecem o plano plurianual.

na Resolução no 1. de forma que haja compatibilidade entre o planejamento das ações de governo e a alocação dos recursos do erário. da Constituição Federal. do Congresso Nacional. . prioridades. prevista no art. 271 Onde se encontram definidas as disposições que regulam a tramitação de matéria orçamentária? A tramitação das proposições relativas a estas matérias está sujeita a procedimentos específicos definidos na Constituição Federal. diretrizes e metas? O Plano Plurianual — PPA.176 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno submetidas. e no Regulamento Interno da Comissão Mista de Planos. e suas alterações. a uma comissão mista permanente. a Lei de Diretrizes Orçamentárias — LDO. nesta ordem hierarquizados na Constituição Federal. como é o caso da lei complementar que contiver normas para a elaboração e organização dos próprios instrumentos acima referidos. por determinação constitucional. a Lei Orçamentária Anual — LOA. Todavia. de 2001. 272 Quais as peças que compõem as ações de governo relativas à obtenção e alocação de recursos no cumprimento de seus objetivos. quaisquer outros projetos de lei envolvendo matéria relativa à execução e controle das receitas e das despesas públicas são de iniciativa geral. § 9o. esses instrumentos são articulados entre si. Orçamentos Públicos e Fiscalização. 165. composta por Senadores e Deputados.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 177 .

o planejamento das ações de governo. abrangendo todas as despesas de capital e outras delas decorrentes. constituindo a lei maior que orienta a alocação destas despesas a médio prazo. 274 Qual o prazo para que o Poder Executivo encaminhe ao Congresso Nacional o projeto relativo ao PPA? O projeto de lei relativo ao PPA deve ser encaminhado até 31 de agosto (quatro meses antes do encerramento do primeiro exercício financeiro do mandato presidencial). contendo a programação para o período compreendido entre o início do segundo ano do mandato e o final do primeiro exercício financeiro do mandato presidencial subseqüente. estabelece.178 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Plano Plurianual 273 Qual a função do Plano Plurianual? O Plano Plurianual. bem como aquelas relativas aos programas de duração continuada. . de forma regionalizada. que o Poder Executivo é obrigado a submeter ao Congresso Nacional no primeiro ano do respectivo mandato.

Será assegurado ao Poder Legislativo o acesso irrestrito. podendo estas referirem-se à definição de objetivos. o Poder Executivo enviará ao Congresso Nacional. . De acordo com a Lei no 9. à quantificação de metas. de 21 de julho de 2000. até o dia 15 de abril de cada exercício. Podem igualmente referir-se ao próprio texto das respectivas leis. para fins de consulta. 276 O PPA está periódica? sujeito a avaliação Sim. à programação de investimentos setoriais e regionais. de acordo com as prioridades do País e do governo. que instituiu o PPA para o período de 2000/2003. relatório de avaliação do PPA.989.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 179 275 Como se dá a atuação do parlamentar nesses projetos? A atuação do parlamentar nos projetos de lei relativos aos Planos Plurianuais se dá por meio da apresentação de emendas. ao Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento do Plano Plurianual — Sigplan — ou ao que vier a substituí-lo.

§ 9o. a qual não poderá ser interrompida sem a aprovação desse projeto. dispõe sobre as alterações na legislação tributária e estabelece a política de aplicação nas agências oficiais financeiras de fomento. orienta a elaboração da lei orçamentária anual. a gestão orçamentária e financeira. pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional até 15 de abril do ano anterior àquele a que se refere. Na ausência da lei complementar prevista no art. que tratará de matérias orçamentárias e financeiras. anualmente. a LDO tem disciplinado. e devolvido para sanção até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa.180 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Lei de Diretrizes Orçamentárias 277 Como se conceitua a Lei de Diretrizes Orçamentárias? A Lei de Diretrizes Orçamentárias é a norma legislativa que compreende as metas e prioridades da administração pública federal. . 278 Qual o prazo para que o Poder Executivo encaminhe ao Congresso Nacional o projeto da LDO? O projeto da LDO será encaminhado. incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente. suplementarmente. 165. da Constituição Federal.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 181 279 Quais as prerrogativas de Deputado relativamente ao projeto da LDO? Além de discutir e votar o projeto de lei. a partir do encerramento do prazo definido no item anterior. Orçamentos Públicos e Fiscalização. b) de até sete dias para a realização de audiências públicas. a partir da distribuição. a contar da distribuição dos avulsos. As emendas só serão apreciadas quando compatíveis com o Plano Plurianual e não contrariarem as normas de funcionamento da comissão. a partir do encerramento do prazo para a apresentação de emendas. o parlamentar poderá apresentar emendas ao projeto na Comissão Mista de Planos. c) de até quinze dias para a apresentação de emendas perante a comissão. d) de até cinco dias para publicação e distribuição dos avulsos das emendas. 280 Como se dá a tramitação da LDO? Os prazos para tramitação da LDO são os seguintes: a) de até cinco dias para publicação e distribuição dos avulsos. . e) de até trinta e cinco dias para que a comissão encaminhe à Mesa do Congresso Nacional o seu parecer sobre o projeto e as emendas. a partir do seu recebimento.

. que deliberarão em sessão conjunta. o trabalho é dividido por subcomissões temáticas. e votado o parecer final. Numa etapa subseqüente. para encaminhamento. Como instrumento de execução do planejamento governamental. um parecer preliminar do relator-geral. a LOA deve ser compatível com a Lei de Diretrizes Orçamentárias do exercício financeiro a que se refira e com o PPA aprovado para o período. recebe inicialmente. o orçamento da seguridade social e o orçamento de investimento das empresas estatais. 282 Como se dá a tramitação da Lei Orçamentária Anual? O projeto de lei orçamentária anual é encaminhado ao Congresso Nacional até 31 de agosto. ao Plenário das duas Casas. Ainda no âmbito da comissão. Orçamentos Públicos e Fiscalização. enfim. Devido a sua complexidade.182 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Lei Orçamentária Anual 281 O que é a Lei Orçamentária Anual? A Lei Orçamentária Anual é o instrumento que compreende o orçamento fiscal. É nesta lei que se estima a receita e se fixa a despesa que a administração pública federal está autorizada a realizar num determinado exercício. é feita a sistematização pelo relator-geral. onde recebe os pareceres dos relatores setoriais. no âmbito da Comissão Mista de Planos. também passíveis de emendas. que pode ser emendado.

em meio magnético. Créditos Adicionais 284 O orçamento pode ser alterado durante o exercício? Os projetos de lei de créditos adicionais objetivam alterar a lei orçamentária em vigor. segundo as normas e procedimentos fixados pela comissão. mediante reforço da programação em andamento — créditos suplementares — ou inclusão de novas dotações — créditos especiais.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 183 Emendas aos Projetos Referentes a Matéria Orçamentária 283 Como se dá a apresentação de emendas a todas essas proposições? As emendas serão apresentadas. pode abrir créditos extraordinários. A . Para o caso de despesas imprevisíveis e urgentes. e terão a assinatura do autor. substituída por autenticação eletrônica. através de medida provisória. o próprio Poder Executivo. sempre que possível.

a criação de títulos novos.184 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno autorização para abertura de créditos suplementares e especiais se ampara no excesso de arrecadação. no que se refere aos créditos suplementares e especiais. 285 Podem os pedidos de créditos adicionais ser emendados? Sim. as emendas serão apresentadas na Comissão Mista de Planos. . do Congresso Nacional e do Regulamento Interno da comissão. de 2001. as normas da Resolução no 1. seguem as linhas gerais das emendas ao projeto da LOA. em projetos de lei de crédito suplementar. em créditos vetados e na reserva de contingência. ou seja. no cancelamento de outras despesas. ficando vedada. Orçamentos Públicos e Fiscalização. em operações de créditos. observadas as restrições constitucionais. na existência de superávit financeiro do exercício anterior.

é este encaminhado à Comissão Mista de Planos. ação derivada de norma constitucional. Orçamentos Públicos e Fiscalização. Recebido o parecer prévio do TCU.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 185 Tomada de Contas do Presidente da República 286 Como se procede à análise das contas do Presidente da República? Uma das formas qualificadas de fiscalização e controle dos atos do Poder Executivo é a apreciação da prestação de contas do Presidente da República. acompanhado do Balanço Geral da União e de outras demonstrações correlatas. por meio do qual a administração procura evidenciar a realização dos programas de governo e a execução orçamentária e financeira. elabore parecer prévio. Tais contas são apresentadas em extenso relatório sobre o exercício financeiro. 287 Como tramita a prestação de contas do Presidente da República? Recebida a mensagem de encaminhamento da prestação de contas. Tal parecer deve ser conclusivo e elaborado no prazo de sessenta dias de seu recebimento. no papel de órgão auxiliar do Legislativo. o Presidente do Congresso Nacional a encaminha ao Tribunal de Contas da União para que. cujo parecer deve concluir pela apresentação de relatório e projeto de .

quando discordar dos termos do relatório aprovado por aquele colegiado. aprovando ou rejeitando as contas do Os parlamentares podem apresentar emendas ao projeto de decreto legislativo. . a apresentação de voto em separado.186 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno decreto legislativo. Orçamentos Públicos e Fiscalização é também facultada. como na votação de pareceres em geral. Presidente. sendo que ao membro da Comissão Mista de Planos.

Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 187 Medidas Provisórias 288 Onde está disciplinada a apreciação de medidas provisórias? Antes da promulgação da Emenda Constitucional no 32/2001.CN. que alterou o instituto das medidas provisórias. . Observa-se que as medidas provisórias editadas antes da Emenda Constitucional no 32/2001 e ainda pendentes de apreciação no Congresso Nacional continuam a ter sua tramitação regida pela referida Resolução no 1/89. de acordo com o previsto na Resolução no 1/89 . editou-se para regular sua tramitação a Resolução no 1/2002-CN. como a apreciação desse tipo de ato normativo passou a dever ser feita por cada Casa separadamente. Após a aprovação da referida Emenda. sua tramitação se fazia conjuntamente nas duas Casas do Congresso Nacional. contudo.

4o. a tramitação de uma medida provisória no Congresso Nacional?267 Editada a medida pelo Poder Executivo. Art. para o Plenário desta. 2o. Todavia. constitucionalidade e mérito. o Presidente do Congresso Nacional fará publicar e distribuir em avulso a matéria e nomeará uma comissão mista (composta por Deputados e Senadores) para examiná-la quanto aos aspectos de 268 admissibilidade. insistiu no exame prévio da medida provisória por uma comissão de natureza mista. embora determinando a apreciação da matéria pelo plenário de cada Casa separadamente. com apoio de três membros da comissão. nos novos moldes traçados pela EC no 32/2001 e pela Resolução no 1/2002-CN. 268 267 . é vedada a apresentação de emendas que versem matéria estranha àquela tratada na medida provisória. Resolução no 1/2002-CN.188 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 289 Como se inicia. Observa-se que a necessidade do exame por essa comissão mista vem da Emenda Constitucional no 32/2001. que. 269 Art. Dessa decisão poderá o autor recorrer. 290 Como é feita a apresentação de emendas às medidas provisórias?269 Qualquer Deputado ou Senador poderá apresentar emendas à medida provisória nos seis dias que se seguirem a sua publicação no Diário Oficial da União. que decidirá por maioria simples. cabendo ao presidente da comissão o seu indeferimento liminar. Resolução no 1/2002-CN.

partidos políticos e direito eleitoral. d) já disciplinada em projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional e pendente de sanção ou veto do Presidente da República. 167. § 3o. 5o.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 189 291 Quais os requisitos para a admissibilidade de uma medida provisória?270 A Constituição Federal admite a edição de medida provisória unicamente em casos de urgência e relevância da matéria nela tratada. Resolução no 1/2002-CN. versar sobre matéria: a) relativa a nacionalidade. parte final. orçamento e créditos adicionais e suplementares. c) reservada a lei complementar. de poupança popular ou qualquer outro ativo financeiro. 62. Art. CF. organização do Poder Judiciário e do Ministério Público. direitos políticos. . a carreira e a garantia de seus membros. processual penal e processual civil. b) que vise a detenção ou seqüestro de bens. A Resolução no 1/2002-CN instituiu mais um requisito de admissibilidade para a medida provisória que não estava previsto na Constituição Federal: sua adequação financeira e orçamentária271. cidadania. ressalvado o previsto no art. planos plurianuais. diretrizes orçamentárias. caput e § 1o. 270 271 Art. direito penal. da Constituição Federal. As medidas provisórias não poderão. ainda.

quando concluir pela adoção de qualquer delas. deverá este ser publicado em avulsos e no Diário da Câmara dos Deputados e apreciado pelo plenário da Casa até o vigésimo oitavo dia de 272 273 Art. 293 O que ocorre após esgotado o prazo destinado à comissão para proferir seu parecer à medida provisória?273 Tendo a comissão apresentado o parecer. da Resolução no 1/2002-CN. 6o.190 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 292 Quais as atribuições da comissão mista designada para dar parecer sobre medida provisória?272 A comissão mista terá o prazo de quatorze dias. 2o. referente à necessidade de a medida ter sido enviada ao Congresso Nacional acompanhada de documento expondo sua motivação. Resolução no 1/2002-CN. contado da publicação da medida provisória no DOU. devendo. Resolução no 1/2002-CN Art. 5o. também. mérito e sobre o cumprimento da exigência prevista no art. apresentar um projeto de lei de conversão para a matéria. § 1o. se manifestar sobre as emendas apresentadas à medida provisória. bem como um projeto de decreto legislativo disciplinando as relações jurídicas decorrentes dos atos praticados enquanto estiveram em vigor os textos a serem suprimidos ou alterados. para emitir parecer único sobre toda a matéria. constitucionalidade. devendo se manifestar separadamente sobre os aspectos de admissibilidade. A comissão deverá. . adequação financeira e orçamentária.

o processo será encaminhado para exame diretamente ao Plenário da Câmara dos Deputados. 274 275 Art. . o plenário decidirá. sendo nomeado um relator para proferir o parecer em substituição à comissão. 7o.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 191 vigência da medida provisória. embora deva aguardar a finalização do trâmite na Câmara para votá-la. será arquivada. Resolução no 1/2002-CN. o Senado Federal poderá iniciar a discussão da matéria. se a medida provisória atende aos pressupostos constitucionais de relevância e urgência e de adequação financeira e orçamentária. 294 Como é feita a apreciação da medida provisória no Plenário?274 Antes de examinar o mérito. 8o. Em caso negativo. ao exame do mérito. preliminarmente. 295 O que ocorre se a Câmara dos Deputados não concluir a apreciação da medida provisória até o vigésimo oitavo dia de sua publicação?275 Se a Câmara dos Deputados não concluir a apreciação da medida provisória até o término do seu prazo no vigésimo oitavo dia de sua publicação. § 2o. em caso positivo. Não apresentado o parecer da comissão dentro do prazo. passar-se-á. Resolução no 1/2002-CN. em seguida. Art.

no prazo de três dias. passados quarenta e cinco dias de sua publicação. até o final da apreciação.192 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 296 Aprovada a matéria na Câmara dos Deputados. deverá ser encaminhada à outra Casa. CF e art. Resolução no 1/2002-CN. isto é. sobrestando-se todas as demais deliberações até que se ultime sua votação. Fazendo o Senado Federal qualquer modificação no texto aprovado pela Câmara. tomará esta a forma de emenda. Resolução no 1/2002-CN. Art. Após. com sobrestamento. de qualquer outro tipo de deliberação. voltando a matéria à Casa iniciadora para seu exame. 7o. que também a examinará em regime de urgência e nas mesmas condições. que terá até o quadragésimo segundo dia de sua vigência para apreciá-la. a medida provisória ainda não houver tido sua apreciação ultimada pelo Congresso Nacional?277 Entrará em regime de urgência na Casa em que estiver tramitando. 297 O que acontece se. 276 277 Art. 62. § 6o. qual o passo seguinte?276 A matéria será encaminhada ao Senado Federal. 9o. .

11. 278 Art.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 193 298 Que conseqüências advêm se o Congresso Nacional não concluir a apreciação da medida provisória dentro do prazo de sua vigência. nestas. a comissão mista deverá reunir-se novamente para elaborar o projeto de decreto legislativo destinado a regular as relações jurídicas constituídas durante o prazo de sua vigência. Esgotado o prazo assim prorrogado sem deliberação. a vigência da medida provisória ficará automaticamente prorrogada por mais sessenta dias. Esse procedimento será observado. 299 Qual a diferença básica de apreciação entre as medidas provisórias editadas anteriormente à aprovação da Emenda Constitucional no 32/2001 e as demais? O forum de apreciação: naquelas. . Câmara e Senado deliberam separadamente. ou se vem a rejeitá-la?278 Não concluída a apreciação dentro dos primeiros sessenta dias. também. Resolução no 1/2002-CN. o órgão competente é o plenário do Congresso Nacional (as duas Casas em conjunto). quando for aprovado projeto de lei de conversão com redação diferente da proposta pela comissão mista em seu parecer. ou no caso de ser rejeitada a medida provisória.

na prática. têm-se convocado tantas sessões extraordinárias quantas se façam necessárias para superar esse obstáculo. Note-se que. só podendo ser rejeitados pelo voto da maioria absoluta de Deputados e Senadores. Quando esgotado sem deliberação o prazo de trinta dias para apreciação de veto presidencial. este é incluído na Ordem do Dia da sessão imediata. A apreciação dos vetos deve ser feita no prazo de trinta dias a contar da data de seu recebimento. . 66.194 Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno Veto Presidencial 300 Como se processa a apreciação dos vetos presidenciais?279 A apreciação dos vetos presidenciais é feita em sessão conjunta das duas Casas do Congresso Nacional. em escrutínio secreto. CF. 279 Art. sobrestando-se todas as demais deliberações até que se ultime sua votação.

ÍNDICE DE ASSUNTOS .

.

51 iniciativa popular. 220 instrumento legislativo para modificação do Regimento Interno. autarquia profissional e entidade da sociedade civil . 183 ANÁLISE DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA procedimento tomado pelo Congresso Nacional. 76 projetos com pareceres divergentes. 287 APRECIAÇÃO CONCLUSIVA casos. 49 iniciativa privativa do STF e Tribunais Superiores. 193 ARQUIVAMENTO DE PROPOSIÇÃO. 180 prazo para pronunciamento da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 182 ♦ parecer favorável. 190 APROVAÇÃO DEFINITIVA DE PROJETO DE CÓDIGO prazo para envio ao Poder Executivo. 252 AUTORIZAÇÃO PARA INSTAURAÇÃO DE PROCESSO CRIMINAL contra deputado. 130 ADIAMENTO DE DISCUSSÃO. 52. 268 classificação das sessões. 54 APROVAÇÃO DE PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL quórum. 181 procedimento ♦ parecer desfavorável. 45 AUDIÊNCIA PÚBLICA. 53 iniciativa privativa de comissões ou da Mesa. 46 forma. 55 iniciativa do Procurador-Geral da República. 186 ADMISSIBILIDADE DE MEDIDA PROVISÓRIA. 291 ADMISSIBILIDADE DE PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL aspectos examinados. 268 APRECIAÇÃO DE PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL turnos. 50 limites. 120 ADIAMENTO DE VOTAÇÃO requerimento. entidade da administração federal indireta. 211 ministério. 204 APROVAÇÃO DEFINITIVA DE PROPOSIÇÃO destino.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 197 Os números remetem às questões A ABSTENÇÃO votação de proposição. entidade de classe de grau superior. 276 B BLOCO PARLAMENTAR. 46 prazo e lugar da apresentação. 174 APROVAÇÃO DEFINITIVA DE PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL procedimento de ambas as Casas do Congresso Nacional. 222 critérios para eleição de dois cidadãos para o Conselho da República. 77 conceito. 226 denúncia de crime de responsabilidade contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os ministros de Estado. 140 ADMISSIBILIDADE DE EMENDAS A PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO. 79 APRECIAÇÃO CONJUNTA. 289 requisitos. 19 C CÂMARA DOS DEPUTADOS atos ou fatos sujeitos à sua fiscalização e controle. 156 ♦ restrição. 54 seguimento. 115 APRESENTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO À CÂMARA DOS DEPUTADOS agentes legitimados. SINDICATOS E ENTIDADES ORGANIZADAS DA SOCIEDADE CIVIL apresentação de proposição. para sanção. 45. 58 ASSOCIAÇÕES E ÓRGÃOS DE CLASSE. 244 contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os ministros de Estado. 219 AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE PLANO PLURIANUAL. 215 apreciação conjunta de matéria com o Senado Federal. 48 iniciativa privativa do Presidente da República. 225 comparecimento de ministro de Estado ou titular de órgão da Presidência da República. 300 APRECIAÇÃO PRELIMINAR EM PLENÁRIO. 125. 189 APRECIAÇÃO DE VETO PRESIDENCIAL PELO CONGRESSO NACIONAL. 96 Comissão Representativa do Congresso Nacional ♦ escolha dos membros. 78 recurso ao Plenário.

113 questão de ordem formulada em reunião. 47 admissibilidade de proposta de emenda à Constituição ♦ prazo de pronunciamento. 181 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO exame de proposição. 222 ♦ conseqüência do nãocomparecimento. 237 competência para aplicação a deputado. 96 ♦ legislativa ordinária. 8. 48 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO exame de proposição.198 Índice de Assuntos credenciamento de representante. 48 órgãos. 83 apreciação conclusiva de projeto de lei. 24 parecer. 43 direito de voto. 7 ♦ extraordinária. 96 ♦ legislativa extraordinária. 45 análise das sugestões. 23 conflito de competência ♦ prazo para recurso contra decisão. 77 ♦ parecer divergente. 5 CASA REVISORA. 63 parecer terminativo. 45. 82 recurso contra apreciação conclusiva de projeto. 79 reunião de audiência pública. 15 COMISSÃO aferição da presença do deputado às reuniões. 69 pedido de vista. 60 sessão ♦ conjunta. 252 tipos. 84 ♦ proposta de fiscalização e controle. 223 não-conclusão da apreciação de medida provisória ♦ conseqüência. 63 parecer terminativo. 39 ♦ divergente. 42 COMISSÃO DE INQUÉRITO ver COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. 151 CASA DE ORIGEM. 221 ♦ forma de convocação. 54. 246 perda de mandato de deputado. 8. 113 quórum para deliberação. 96 votação de substitutivo à proposição originária do Senado Federal. 13 participação nos trabalhos da sociedade civil. 122 ♦ encerramento da apreciação da matéria. 240 CENSURA VERBAL atos atentatórios ao decoro parlamentar ♦ punição. 42 ♦ proposição de deputado fora do limite temático. 75 ♦ proposição apensada. 60 composição. 253 Ministro de Estado ou outras autoridades ♦ comparecimento. 247 . 76 exame e parecer sobre proposição ♦ procedimento do presidente. 234 processo de denúncia de cidadão de crime de responsabilidade do Presidente e do Vice-Presidente da República e ministros de Estado quórum de presença para abertura das sessões. 54 ♦ competência para examinar proposição. 78 apresentação de proposição. 295 organização. polícia e pessoal ♦ iniciativa privativa da Mesa. 84 iniciativa privativa de proposição. 251 CÓDIGO ver PROJETO DE CÓDIGO COLÉGIO DE LÍDERES. 5 CCJR ver COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO CENSURA ESCRITA atos atentatórios ao decoro parlamentar ♦ punição. 248 competência. 93 ♦ prazo para emissão. 75 ♦ possibilidades de resultado de votação. 81 distribuição das vagas. 90 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. 23 uso da palavra para discussão de matéria. 95 ♦ proposição para exame e parecer. 25 conceito. 48 poderes. 98 recebimento de proposições. COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA ratificação de atos de concessão de emissoras de rádio e televisão ♦ iniciativa privativa de projeto de decreto legislativo. 87 procedimento ♦ discussão de proposição. 26 distribuição de proposição. 240 CIDADÃO iniciativa de leis. funcionamento. 96 ♦ ordinária. 237 competência para aplicação a deputado. 61 efeitos legislativos dos pareceres. 217 ♦ questão de ordem formulada durante reunião.

29 COMISSÃO MISTA procedimento após admissão de medida provisória. 103 prazo. 258 trabalhos ♦ prazo para conclusão. 48 COMISSÃO ESPECIAL conceito. 262 presidente ♦ escolha. 259 ♦ procedimento adotado após encerramento com a aprovação do relatório. 177.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 199 COMISSÃO DE MÉRITO ver COMISSÃO COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES ratificação de tratados internacionais ♦ iniciativa privativa de projeto de decreto legislativo. 211 votação de parecer do relator sobre proposta de emenda à Constituição. 215 escolha de membros da Câmara dos Deputados para composição da Comissão Representativa. 255 CONTROLE ver FISCALIZAÇÃO E CONTROLE CPI ver COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO CREDENCIAMENTO DE ENTIDADES JUNTO À CÂMARA DOS DEPUTADOS. 28 ♦ constitucional. 265 COMISSÃO PERMANENTE. 267 ♦ procedimento nos casos de rejeição. 257 funcionamento ♦ limite numérico. 8 CONSELHO DA REPÚBLICA eleição dos representantes da Câmara dos Deputados ♦ critérios. 266 requerimento de criação ♦ procedimento para tramitação. 229 oral em votação ♦ impossibilidade. 264 relatório ♦ procedimento adotado após encerramento com a aprovação. 13 CONSOLIDAÇÃO DE LEIS ver PROJETO DE CONSOLIDAÇÃO DE LEIS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA elaboração de proposições ♦ auxílio ao deputado. 97 CONGRESSO NACIONAL apreciação ♦ conjunta de proposições. 200 ♦ opinião sobre emendas do Senado Federal a projeto de código. 267 ♦ procedimento nos casos de rejeição de relatório. 127 prejudicialidade ♦ casos. 187 COMISSÃO EXTERNA conceito. 256 fato determinado. 260 poderes. 126. 225 COMISSÃO TEMPORÁRIA. 285 conceito. 289 COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO composição. 264 quórum para deliberação. 27 prazo ♦ discussão e votação de projeto de código. 284 CRIME DE RESPONSABILIDADE processo contra o Presidente e o Vice-Presidente da República ou ministros de Estado perante a Câmara dos Deputados ♦ denúncia de cidadão. 226 CONSELHO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR. 23 distribuição de proposição ♦ ordem. 261 interrupção do prazo no período do recesso parlamentar. 254 ♦ elaboração de minuta de discurso. 300 atos ou fatos sujeitos à sua fiscalização e controle. 264 relator ♦ escolha. 253 CRÉDITOS ADICIONAIS apresentação de emendas. 225 organização dos trabalhos. 263 conceito. 178 vacância do cargo de deputado . 266 vice-presidentes ♦ escolha. 203 projeto de reforma do Regimento Interno da Câmara dos Deputados. 104 COMUNICAÇÕES PARLAMENTARES conceito. 254 CONSULTORIA LEGISLATIVA auxílio ao deputado ♦ elaboração de proposições. 268 ♦ veto presidencial. 220 D DECLARAÇÃO impedimento para votar ♦ casos. 225 eleição de dois membros ♦ critérios exigidos. 23 COMUNICAÇÕES DE LIDERANÇA. 62 COMISSÃO REPRESENTATIVA DO CONGRESSO NACIONAL escolha de membros da Câmara dos Deputados.

240 declaração ♦ vacância. 167 inadmissibilidade. 232 ♦ formas de perda. 10 ♦ fora da sessão preparatória. 80 deveres fundamentais. suspensão temporária do exercício do mandato e perda do mandato. 100 mandato ♦ licenciamento do exercício. 79 requerimento de apensação de proposição. 125 ♦ retificação. 80 ♦ presença. 233 voto ♦ características. 56 censura escrita ♦ competência para aplicação. 89 ♦ DECRETO LEGISLATIVO ver PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO DELIBERAÇÃO ver QUÓRUM DE DELIBERAÇÃO DENÚNCIA DE CRIME DE RESPONSABILIDADE ver CRIME DE RESPONSABILIDADE DEPUTADO atos atentatórios contra a ética e o decoro parlamentar ♦ punição. 98 ♦ presença para o início da Ordem do Dia. 160 requerimento ♦ necessidade de apoiamento mínimo. 161 ♦ votação. 229 designação como relator ♦ impedimento. 233 voto ♦ proposição. 227 prestação de informações à Câmara durante o exercício do mandato ♦ obrigatoriedade.200 Índice de Assuntos DECORO PARLAMENTAR ver ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR casos. 106 recurso ao Plenário contra a apreciação conclusiva de projeto. 241 suspensão temporária do mandato ♦ casos para aplicação. 245 processo disciplinar. 159 encaminhamento de votação. 138 Grande Expediente ♦ distribuição de oradores. 9. 245 ♦ perda. 279 presença ♦ registro. 127 ♦ obrigatória à Câmara no reinício do mandato. 236 processo por crime comum. 81 solicitação ♦ auxílio para a elaboração de proposições. 244 proposição ♦ prazo para requerimento de preferência para votação ou discussão. 102 impedimento para participar de votação ♦ declaração. 231 apresentação de proposição ♦ fora do limite temático. 97 ♦ legislatura e mandato. 242 suspensão de prerrogativas regimentais ♦ condutas puníveis. 242 vacância do cargo. 117 duração ♦ comunicação. 227 discussão de matéria incluída na Ordem do Dia ♦ procedimento. 8 encaminhamento de votação de proposição ♦ duração de discurso. 241 ♦ preparo de minuta de discurso à Consultoria Legislativa. 243 inscrição para o Pequeno Expediente. 238 ♦ processo. 228 processamento de solicitação do Supremo Tribunal Federal para instauração de processo criminal. 128 uso da palavra ♦ discussão de proposição. 126 imunidade parlamentar. 160 conceito e finalidade. 65 reunião de comissão ♦ impedimento para presidência. 234. 235 aferimento de freqüência. 236 atos incompatíveis com a ética e o decoro parlamentar ♦ punição. 240 censura verbal ♦ competência para aplicação. 233 ♦ oral durante votação. 10 prerrogativas relativas ao projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias. 118 DESARQUIVAMENTO DE PROPOSIÇÃO ver PROPOSIÇÃO DESTAQUE apresentação. 242 posse. 234 ♦ penalidades de suspensão de prerrogativas regimentais. 153 quórum ♦ abertura de sessão da Câmara dos Deputados. 165 votação ♦ encaminhamento pelo autor do ♦ . 47 ♦ limite temático. 275 autoria de proposição. 47 atuação em projeto de Plano Plurianual. 239 ♦ processo disciplinar. 162 ♦ prazo para apresentação.

163 DESTAQUE DE CONCESSÃO AUTOMÁTICA ver DESTAQUE DE BANCADA DESTAQUE PARA VOTAÇÃO EM SEPARADO concessão. 253 ENTIDADE DA SOCIEDADE CIVIL credenciamento de representante junto à Câmara dos Deputados. 136 duração dos discursos. 207 procedimento após encerramento de prazo. 208 EMENDA CONSTITUCIONAL NO 32. 35 EMENDA MODIFICATIVA. 255 DVS ver DESTAQUE PARA VOTAÇÃO EM SEPARADO EMENDA A PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO exame de admissibilidade. 165. 145 EMENDA A PROJETO DE CÓDIGO parecer e tramitação. 253 participação em reunião de audiência pública de comissão. LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DISCUSSÃO DE PROJETO DE CÓDIGO prazo da comissão especial. 12 EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL ver PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO EMENDA A MEDIDA PROVISÓRIA apresentação. 163 requerimento ♦ necessidade de apoiamento mínimo. DE 2001 tramitação de medida provisória. 33 EMENDA SUBSTITUTIVA. 150 publicação na Ordem do Dia. 167 DESTAQUE DE BANCADA conceito. 290 EMENDA A PROPOSIÇÃO apresentação. 117 recebimento de emenda. 33 EMISSORA DE RÁDIO E TELEVISÃO concessão ♦ iniciativa privativa da Comissão de Ciência e Tecnologia. 197 prazo da comissão especial da Câmara dos Deputados. 116 concessão da palavra. 196 EMENDA A PROJETO REFERENTE A MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA apresentação. 11 regras gerais. 123 tipos. 282 EMENDA AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA apresentação. 33 EMENDA SUBSTITUTIVA ver também SUBSTITUTIVO EMENDA SUPRESSIVA. 280 EMENDA A PROJETO DE RESOLUÇÃO PARA ALTERAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO apresentação. 148 ♦ não-submissão. 138 procedimento. 118 DISCURSO DE DEPUTADO elaboração de minuta ♦ solicitação à Consultoria Legislativa. 122 requerimento de preferência. 280 EMENDA AO PROJETO DE LEI DE CRÉDITOS ADICIONAIS E ELEIÇÃO DA MESA quórum de presença. 280 EMENDA AO PROJETO DE PLANO PLURIANUAL apresentação. 288 EMENDA DE REDAÇÃO. 200 DISCUSSÃO DE PROPOSIÇÃO adiamento.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 201 requerimento. 280 conceito. 252 ENTIDADE DE CLASSE DE GRAU SUPERIOR credenciamento de representante junto à Câmara dos Deputados. 121 inscrição de deputado. 202 prazo para apreciação pelos relatores. 90 ♦ deputado. 33 EMENDA AGLUTINATIVA conceito. 147 ♦ ordem. 186 EMENDA ADITIVA. 166 DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ver PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. 157 turnos. 162 proposição ♦ procedimento de votação. 253 ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR atos atentatórios . 149 apresentação. 120 conceito. 119 encerramento. 289 ♦ disciplinamento. 33 discussão ♦ recebimento. 146 ♦ isolada. 122 votação de subemenda ♦ procedimento. 137 ENTIDADE DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL INDIRETA credenciamento de representante junto à Câmara dos Deputados. 48 ENCAMINHAMENTO DE VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO conceito. 107 uso da palavra ♦ comissão. 203 prazo dos relatores para apreciação. 33 votação de proposição. Comunicação e Informática. 197 prazo para apresentação. 33 votação.

18 indicação para o exercício dentro da Câmara dos Deputados. 7 LEI ORÇAMENTÁRIA alteração. 281 função. 7 LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL projeto ♦ apresentação de emendas. 54 ♦ requisitos. 243 INDICAÇÃO. 282 conceito. 277 função. 271 tramitação conjunta. 101 oradores ♦ distribuição. 270 normas aplicáveis à tramitação. 15 conceito. 7 LEI ORDINÁRIA ver PROJETO DE LEI ORDINÁRIA LICENÇA ver MANDATO DE DEPUTADO LICENCIAMENTO ver MANDATO DE DEPUTADO LIDERANÇA DO GOVERNO conceito. 284 apresentação de emendas. 251 limite temático. 279 tramitação. 16 ♦ M MAIORIA ABSOLUTA sessão preparatória. 102 I IMUNIDADE PARLAMENTAR. 282 ♦ conjunta. 52 LEI COMPLEMENTAR NO 95. 231. 55 elaboração de lei federal. 196 EXERCÍCIO DO MANDATO DE DEPUTADO licenciamento.202 Índice de Assuntos punição. 37 INICIATIVA POPULAR DE LEI apresentação. 244 L LDO ver LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LEGISLATURA. 18 participação no Colégio de Líderes. 278 ♦ prerrogativas do deputado relativas ao. 2 LEI DE CRÉDITOS ADICIONAIS apresentação de emendas ao projeto. 228 . 280 conceito. 280 ♦ conjunta. 53 INSTAURAÇÃO DE PROCESSO CRIMINAL contra o Presidente e o VicePresidente da República e os ministros de Estado. 8 LEI ver também PROJETO DE LEI. 235 ÉTICA PARLAMENTAR ver ÉTICA E DECORO ♦ ♦ PARLAMENTAR EXAME DE ADMISSIBILIDADE DE EMENDAS proposta de emenda à Constituição. 54 iniciativa do Procurador-Geral da República. 281 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS apresentação de emendas ao projeto. 269 iniciativa. 237 atos incompatíveis ♦ punição. 186 EXAME DE PROJETO DE CÓDIGO comissão especial. 272 tramitação. 51 iniciativa popular. 232 F FATO DETERMINADO ver COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO FISCALIZAÇÃO E CONTROLE ver PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE G GRANDE EXPEDIENTE conceito. 11 MANDATO DE DEPUTADO exercício ♦ licenciamento. 15 prerrogativas. 18 LIDERANÇA PARTIDÁRIA Colégio de Líderes. 53 requisitos para apresentação de projeto de iniciativa popular. 272 projeto ♦ prazo para encaminhamento pelo Poder Executivo. 283 conceito. 16 direito. 283 importância para o Congresso Nacional. 232 ♦ obrigatoriedade de prestação de informação à Câmara. 52 exercício. 219 solicitação do Supremo Tribunal Federal. 236 punição com censura verbal ou escrita. 17 prerrogativas e atribuições regimentais. DE 1998. PROPOSIÇÃO LEI apresentação de projeto. 251 limite temático.

48 MINISTÉRIO credenciamento de representante junto à Câmara dos Deputados. 14 distribuição de proposições ♦ procedimento por ocasião de omissão. 296 ♦ validade. 242 ♦ desencadeamento do processo. 295 parecer pela comissão mista ♦ conseqüência do esgotamento do prazo para proferimento. 219 pedidos escritos de informação feitos por comissão da Câmara dos Deputados. 3 . 292 regras de tramitação. 242 prerrogativas regimentais ♦ suspensão. 239 MINISTRO DE ESTADO comparecimento perante a Câmara dos Deputados ou suas comissões para esclarecimentos. 225 ♦ restrição de conteúdo. 221 ♦ forma de convocação. 289 reedição pelo Presidente da República. 221 processo criminal ♦ tramitação de pedido de autorização para instauração. 242 ♦ processo. 14 conceito. 288 o ♦ após Emenda Constitucional n 32/2001. 289 conjunta. 223 processamento de denúncia de crime de responsabilidade feita por cidadão à Câmara dos Deputados. 239 ♦ competência do Plenário para aplicação de penalidades. 291 apresentação de emendas. 290 apreciação ♦ disciplinamento.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 203 perda. 298 sobrestamento da pauta da Câmara dos Deputados. 242 ♦ condutas puníveis. 289 MEMBRO DA MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS ver MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS atribuições. 230 suspensão de prerrogativas regimentais ♦ competência do Plenário para aplicação de penalidades. 223 crime de responsabilidade ♦ processo de denúncia de cidadão à Câmara dos Deputados. 285 rejeição ou não-apreciação no prazo constitucional. 289 ♦ apreciação no Plenário. 242 MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA ver ORÇAMENTO MEDIDA PROVISÓRIA admissibilidade ♦ requisitos. 241 suspensão temporária. 242 ♦ ♦ N NORMAS JURÍDICAS apreciação pelo Congresso Nacional. 65 eleição ♦ quórum de presença. 245 sistema de acompanhamento ♦ conceito. 297 tramitação Congresso Nacional. 234 ♦ processo. 234 ♦ competência do Plenário para aplicação de penalidades. 235 ♦ formas. 245 ♦ processo disciplinar. 220 crime comum ♦ tramitação de pedido de autorização para instauração de processo. 222 ♦ conseqüência do não-comparecimento após convocação. 288 ♦ regimento pela Emenda Constituicional no 32/2001 e a Resolução do Congresso Nacional no 1/2002. 290 procedimento ♦ admissão pela comissão mista. 294 projeto de lei de conversão. 296 atribuições da comissão mista designada para dar parecer. 245 ♦ casos para aplicação. 298 relações jurídicas decorrentes ♦ regulamentação. se não apreciada após quarenta e cinco dias de sua publicação. 14 composição. 293 prazo ♦ apreciação. 233. 7 ♦ regimento pela Resolução do Congresso Nacional no 1/1989 antes da Emenda Constitucional no 32/2001. 219 MINUTA DE DISCURSO DE DEPUTADO solicitação à Consultoria Legislativa. 12 iniciativa privativa de proposição. 292 não-conclusão da apreciação pela Câmara dos Deputados ♦ conseqüência. 11 ♦ regras gerais. 299 aprovação na Câmara dos Deputados ♦ conseqüência. 4 elaboração pelo processo legislativo. 224 procedimento para convocação. 238 ♦ processo disciplinar.

76 pedido de vista. 92 voto do relator ♦ alteração. 244 Presidente e Vice-Presidente da República e ministros de Estado. 129 PODER EXECUTIVO encaminhamento ao Congresso Nacional ♦ prazo para o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias. 75 ♦ voto. 54 ♦ apreciação preliminar. 275 função. 274 ♦ tramitação conjunta. 39 efeitos legislativos. 224 PEQUENO EXPEDIENTE conceito. 273 projeto ♦ apresentação de emendas. 274 representação na Câmara dos Deputados. 50 ♦ prazo para encaminhamento ao Congresso Nacional. 272. 25 PEC ver PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO PLANO PLURIANUAL avaliação periódica. 40 projeto sujeito a apreciação conclusiva. 78 PARECER TERMINATIVO. 93 composição. 21 composição. 39 relatório. 94 PARLAMENTAR ver DEPUTADO PARTIDO POLÍTICO líder. 188 quórum de presença para início. 224 ♦ âmbito. 153 proposição em regime de prioridade. 102 ORÇAMENTO ver LEI ORÇAMENTÁRIA ORDEM DE PREFERÊNCIA. 97 discussão de matéria ♦ procedimento do deputado. 201 prazo para inclusão de proposta de emenda à Constituição. 198 apresentação de emendas a projeto de código. 278 ♦ prazo para o projeto de Plano Plurianual. 100 PERDA DE MANDATO DE DEPUTADO ver MANDATO DE DEPUTADO deputado. 197 apresentação de emendas a projeto de resolução. 123 OUVIDORIA PARLAMENTAR. 156 ORDEM DE PREFERÊNCIA POR ASSUNTO proposição em regime de urgência. 16 participação em comissões. 69 relator ♦ prazo para emissão. 117 inclusão de projeto de código. 75 ♦ procedimento para votação. 105 duração. 87 proposições apensadas. 219 P PALAVRA ver USO DA PALAVRA PARECER comissão. 245 procedimento para aprovação ♦ projeto de código. 115 questão de ordem. 37 conceito. 22 PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA INSTAURAÇÃO DE PROCESSO CRIMINAL PEDIDO ESCRITO DE INFORMAÇÃO Ministro de Estado e outras autoridades ♦ restrição do conteúdo. 106 votação de proposição emendada. 275 ♦ iniciativa privativa do Presidente da República. 202 ♦ substitutivo de comissão. 91 PARECER DE MÉRITO. 42 PARECER VENCEDOR. 143 projeto de resolução ♦ apreciação. suspensão temporária do exercício do mandato e perda do mandato ♦ competência.204 Índice de Assuntos O ORADOR distribuição para o Grande Expediente. 99 duração. 39 votação. 39 ♦ prazo para emissão. 7 PLENÁRIO aplicação de penalidades de suspensão de prerrogativas regimentais. 240 ♦ deliberação. 113 quórum de deliberação. 155 requerimento. 276 deputado ♦ atuação. 209 . 154 ORDEM DO DIA conceito. 208 proposição ♦ apresentação. 97 inscrição de deputado. 41 PARECER DIVERGENTE conceito. 18 POSSE DE DEPUTADO ver DEPUTADO POVO ver SOCIEDADE CIVIL PPA ver PLANO PLURIANUAL PRAZO apreciação de emendas a projeto de código pelos relatores.

158 ♦ requerimento. 157 ordem regimental. 274 inclusão de proposta de emenda à Constituição na Ordem do Dia. 3 PROCESSO LEGISLATIVO BICAMERAL. 1 regras. 83 início da Ordem do Dia. 9 PRESIDENTE DA MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS atribuições. 260 limite para a apresentação de requerimento de destaque. 14 PROCEDIMENTO LEGISLATIVO BICAMERAL rito comum. 14 recusa no recebimento de proposição fora do limite temático. 203 recurso.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 205 PRECEDÊNCIA DE PROPOSIÇÃO conceito. 293 PRESENÇA DE DEPUTADO aferição em reunião de comissão. 43 PRERROGATIVA REGIMENTAL ver MANDATO DE DEPUTADO apresentação de parecer do relatorgeral ao projeto de código. 68 PREFERÊNCIA DE PROPOSIÇÃO conceito. 295 prestação de contas ♦ procedimento do Congresso Nacional na análise. 5 PROCESSO CRIMINAL deputado ♦ processamento de solicitação do Supremo Tribunal Federal para instauração. 157 votação ♦ regras. 286 tramitação. 106 quórum ♦ abertura de sessão da Câmara dos Deputados. 98 ♦ eleição da Mesa em sessão preparatória. 178 ocorrência. 287 processo criminal ♦ tramitação de pedido de autorização para instauração. 154 requerimento ♦ votação ou discussão. 4 PROCESSO NOMINAL ver VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO PROCESSO SIMBÓLICO ver VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO . 47 PRESIDENTE DA REPÚBLICA crime de responsabilidade ♦ processamento de denúncia feita por cidadão à Câmara dos Deputados. 287 PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS atribuições. 220 Liderança do Governo na Câmara dos Deputados ♦ indicação. 2. 43 validade de medida provisória. 194 interrupção do funcionamento de Comissão Parlamentar de Inquérito durante período de recesso parlamentar. 244 Presidente e Vice-Presidente da República e ministros de Estado ♦ tramitação de pedido de instauração. 195 veto ♦ iniciativa privativa de proposição. 11 registro. 75 encaminhamento pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias. 66 tramitação conjunta. 153 regime de prioridade. 259 discussão e votação do projeto de código pela comissão especial. 155 regime de urgência ♦ ordem por assunto. 199 conclusão dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito. 49 PRESIDENTE DE COMISSÃO recebimento de proposição para exame e parecer ♦ procedimento. 219 PROCESSO LEGISLATIVO conceito. 200 emissão de parecer sobre proposição por comissão e pelo relator. 161 opinião da comissão especial da Câmara dos Deputados sobre emendas feita a projeto de código no Senado Federal. 18 medida provisória ♦ reedição. 231 PRESIDÊNCIA DE REUNIÃO DE COMISSÃO impedimento de deputado. 286 ♦ tramitação. 73 ♦ tramitação com solicitação de urgência. 156 PREJUDICIALIDADE DE PROPOSIÇÃO declaração. 152 discussão ♦ requerimento. 157 PREFERÊNCIA DE REQUERIMENTO ordem. 278 encaminhamento pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional do projeto de Plano Plurianual. 177 recurso contra decisão ♦ prazo. 80 PRESIDÊNCIA DE SESSÃO DE POSSE. 219 projeto de lei ♦ regime de urgência. 84 PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA forma.

para sanção. 283 atuação de deputado. 203 Plenário ♦ procedimento após aprovação. 198 ♦ apresentação de emendas. 196 ♦ limitação numérica. 206. 48 regulamentação de relações jurídicas decorrentes de medida provisória. 203 ♦ discussão pela comissão especial. 204 ♦ votação pela comissão especial. 209 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO conceito. Comunicação e Informática. 292 PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS iniciativa privativa do Presidente da República. 49 PROJETO DE LEI DE CRÉDITOS ADICIONAIS apresentação de emendas. 53 ♦ limite temático. 278 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL apresentação de emendas. 195 PROJETO DE LEI apreciação conclusiva de comissão. 45 iniciativa popular ♦ assuntos. 32 regulamento interno das comissões. 214 apresentação de emendas. 283 tramitação. 274 PRONUNCIAMENTO ver DISCURSO . 77 ♦ parecer divergente. funcionamento. 202 prazo ♦ apreciação de emendas pelos relatores. 79 aprovação pela Casa de origem. 6 PROJETO ver também PROPOSIÇÃO PROJETO DE CÓDIGO comissão especial ♦ exame e parecer. após aprovação definitiva na Câmara dos Deputados. 45. 200 tramitação.206 Índice de Assuntos PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA iniciativa privativa de projeto de lei. 292 PROJETO DE INICIATIVA DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA urgência ♦ regime. 197 ♦ apresentação de parecer pelo relator-geral. 275 encaminhamento pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional ♦ prazo. organização. 51 ♦ Supremo Tribunal Federal. 210 objetivo. 207 PROJETO DE CONSOLIDAÇÃO DE LEIS apreciação. 195 iniciativa privativa ♦ Procurador-Geral da República. 20 PROJETO apreciação conclusiva de comissão ♦ recurso de deputado ao Plenário. 284 PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS apresentação de emendas. 48 ratificação de tratados internacionais ♦ iniciativa privativa da Comissão de Relações Exteriores. 200 ♦ envio ao Poder Executivo. 32 espécies. 32 tramitação ♦ conjunta. 32 ratificação de atos de concessão de emissoras de rádio e televisão ♦ iniciativa privativa da Comissão de Ciência e Tecnologia. 205 ♦ procedimento de adequação quando há mais de três legislaturas. 285 conceito. 32 pareceres divergentes. 196 Ordem do Dia ♦ inclusão. 282 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA. 53 ♦ requisitos. 78 tipos. 52 iniciativa do Presidente da República ♦ tramitação com solicitação de urgência. PROJETO DE PLANO PLURIANUAL apresentação de emendas. 78 apresentação. 32 apreciação pelo Plenário. 199 ♦ comissão especial da Câmara dos Deputados para opinar sobre emendas feitas no Senado Federal. 7 ♦ regras de uma Casa à outra. polícia e pessoal da Câmara dos Deputados ♦ iniciativa privativa da Mesa da Câmara dos Deputados. 201 parecer sobre emenda feita no Senado Federal ♦ prosseguimento da tramitação. 73 ♦ tramitação com solicitação. 212 ♦ procedimento após encerramento do prazo. 283 encaminhamento pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional ♦ prazo. 32 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO medida provisória. 45. 50 prerrogativas de deputado. 45. 50 ♦ Tribunais Superiores. 279 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR. 5 conceito. 45. 213 conceito. 51 PROCURADORIA PARLAMENTAR. 208 possibilidade de modificação de mérito.

139 apensamento. 75 precedência. 131 ♦ sistema de cédula em votação secreta. 135 ♦ sistema eletrônico em votação secreta. 45. 46 modalidades e sistemas de votação. 134 espécies. 162 discussão. 56 comissão ♦ exame e emissão de parecer. 172 redação final. 51 ♦ Supremo Tribunal Federal. 268 ♦ encerramento em comissão. 138 ♦ duração de discurso. 157 ♦ restrição ao adiamento de votação. 133 retificação de voto. 153. 48 ♦ Presidente da República. 134 encaminhamento de votação. 85 quórum ♦ presença para votação. 122 emprego ♦ processos simbólico ou nominal em votação ostensiva. 50 ♦ Tribunais Superiores. 30 exame ♦ Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 125 . 283 ♦ fora do limite temático. 171 ♦ competência para elaboração. 62 elaboração pela Consultoria Legislativa e pela Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira. 123 ♦ prejudicialidade.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 207 PROPOSIÇÃO abstenção na votação. sem emendas. 66 ♦ tramitação conjunta. 46 aprovação em definitivo pela Câmara dos Deputados ♦ destino. 124 ♦ qualificado para votação. 95 ♦ preliminar pelo Plenário. 124. 174 arquivamento. 170 ♦ inicial em comissão. 45. 174. 84 ♦ procedimento do presidente. 45. 116 ♦ comissão. 178 desarquivamento. 122 ♦ oral durante sua votação. 70 ♦ prioridade. 107 uso da palavra ♦ discussão. 45. 175. 45. 64 apreciação ♦ conjunta pelo Congresso Nacional. 61 ♦ permanentes. 57 suspensão da apreciação. 64 turnos para discussão e votação. 84 ♦ relator ao receber matéria para apreciação. 152. 142 ♦ substitutivo rejeitado ou inexistente. 132 voto de deputado. em primeiro turno. 55 iniciativa privativa ♦ Mesa ou comissões. 173 distribuição às comissões. 115 apresentação ♦ à Câmara dos Deputados. 50 limite temático. 61 ♦ Comissão de Finanças e Tributação. 156. 84 conceito. 94 redação do vencido. 60 ♦ de emenda aglutinativa. 141 ♦ recebimento de substitutivo de comissão. 229 ♦ solicitação de auxílio pelo deputado. 57 autoria. 146 ♦ de emendas. 144 ♦ verificação. 137. 61 forma de apresentação. 168 ♦ competência para elaboração. 111 tramitação conjunta. 60 ♦ apreciação de matéria emendada pelo Senado Federal. 154 prejudicialidade. 130 prazo para emissão de parecer. 39 ♦ procedimento de exame e parecer. 125 adiamento ♦ discussão. 49 ♦ Procurador-Geral da República. 140 ♦ verificação de votação. 121 ♦ procedimento de deputado. 84. 45. 241 emenda recebida durante a discussão. 177 procedimento ♦ apresentação. 95 ♦ encerramento da votação. 30 declaração ♦ impedimento para participar de votação. 68 preferência. 119 ♦ discussão em comissão. 90 votação. 74 regras de preferência na votação. 158 requerimento ♦ preferência para votação ou discussão. 129 redação ♦ parecer vencedor. 117 dispensa da redação final. 120 ♦ votação. 129 retirada. 172 regime de tramitação. 176 ♦ encerramento da apreciação por comissão. 54. 87 ♦ encerramento. 58 destaque para votação em separado ♦ concessão.

69 procedência. 47 tramitação em caso de questão de ordem. 109 prazo para recurso contra decisões. 187 PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE atos ou fatos sujeitos à fiscalização e controle do Congresso Nacional. 111 QUÓRUM DE PRESENÇA abertura de sessão da Câmara dos Deputados. 31 tramitação. 186 ♦ requisitos para apresentação. 166 PROPOSIÇÃO EM REGIME DE PRIORIDADE ordem de preferência. 260 RECLAMAÇÃO diferença em relação a questão de ordem. 265 Plenário. 43 recusa no recebimento de proposição de deputado fora do limite temático. 176 ordem empregada na votação. 186 exame e parecer por comissão especial. 194 prazo ♦ inclusão na Ordem do Dia. de PROPOSIÇÃO suas Casas e comissões. 11 QUÓRUM DE VOTAÇÃO QUALIFICADO. 147 ♦ substitutivo da Câmara dos Deputados. 45. 54 ♦ procedimento. 184 aprovação ♦ emendas na Casa revisora. 31 emendas ♦ exame de admissibilidade. 44 modo de formulação. 112 REDAÇÃO DO VENCIDO conceito. 216 recebimento por comissão. 245 R RECESSO PARLAMENTAR interrupção do prazo de funcionamento da Comissão Parlamentar de Inquérito. 183 apresentação. 190 ♦ parecer do relator na comissão especial. 123 recebimento de subemenda. 196 inadmissibilidade. 146 ♦ isolada. 114 diretrizes para formulação. 189 votação. 180 ♦ parecer desfavorável. 65 PROPOSIÇÃO DESTACADA encaminhamento da votação. 64 parecer de comissão. 67 requerimento de deputado. 113 solução. 182 normas aplicáveis a tramitação. 106 sessão preparatória. 114 RECURSO apreciação conclusiva de projeto. 168 elaboração. 190 requisitos para apresentação. 82 Comissão Parlamentar de Inquérito. 152 PROPOSIÇÃO EMENDADA emendas do Senado Federal a proposição da Câmara dos Deputados. 150 votação. 98 aferição pela Presidência da Mesa da Câmara dos Deputados. 112 procedimento quando formulada no Plenário e em reunião de comissão. 43 julgamento do Plenário. 43 efeito suspensivo. 43 procedimento em caso de recurso. 153 PROPOSIÇÃO EM REGIME DE URGÊNCIA ordem de preferência por assunto. 192 ♦ definitiva por ambas as Casas do Congresso Nacional. 106 Ordem do Dia. 217 submissão de relatório prévio à comissão. 188 ♦ pronunciamento da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação. 111 exceção para sua apresentação. 215 conceito. 110 suspensão da apreciação da matéria. 149 publicação na Ordem do Dia. 185 exame da admissibilidade de emenda. 79 conceito.208 Índice de Assuntos ver também PROPOSTA PROPOSIÇÃO APENSADA. 148 ♦ não-submissão. 108 diferença em relação à reclamação. 43 prazo para apresentação. 181 quórum necessário para aprovação. 179 ♦ após sua aprovação na Câmara dos Deputados. 216 prerrogativa de apresentação. 129 ♦ aplicação de penalidades de suspensão temporária e perda de mandato de deputado. 182 ♦ parecer favorável. 218 Q QUESTÃO DE ORDEM conceito. 129 QUÓRUM DE DELIBERAÇÃO comissão. 151 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO admissibilidade ♦ aspectos para exame. 193 conceito. 172 . 191 turnos para apreciação.

6 projeto de resolução ♦ apresentação de emendas. 140 conceito. 268 ♦ emendas a proposição originária da Câmara dos Deputados. 169 votação ♦ primeiro turno. 5 S SANÇÃO prazo para envio de projeto de código aprovado ao Poder Executivo. 245 destaque ♦ apoiamento mínimo para sua apresentação. 163 ♦ prazo para sua apresentação. 167 ♦ independência de aprovação pelo Plenário. 266 RELATÓRIO SOBRE PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE submissão à comissão. 288 RETIFICAÇÃO DE VOTO. 219 REPRESENTANTE DE ENTIDADE credenciamento junto à Câmara dos Deputados. 187 voto ♦ alteração. 39 prazo ♦ apreciação de emendas a projeto de código. 133 RESOLUÇÃO ver PROJETO DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONGRESSO NACIONAL NO 1. 156 preferência ♦ votação ou discussão de proposição. 172 votação em segundo turno. 80 parecer ♦ voto. 267 rejeição. 43 tipos. 283 REGIME DE URGÊNCIA conceito.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 209 REDAÇÃO FINAL DE PROPOSIÇÃO conceito. 86 recebimento de matéria para apreciação. 171 REEDIÇÃO DE MEDIDA PROVISÓRIA. 166 ♦ tipos. 128 REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA DE COMISSÃO participação de entidade da sociedade civil. 2002 DE tramitação de medida provisória. 71 ordem de preferência de proposição por assunto. 199 RELATORIA impedimento de deputado. 74 REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. 196 RELATOR escolha. 209 SENADO FEDERAL apreciação ♦ conjunta de matéria com a Câmara dos Deputados. 195 REGIME DE TRAMITAÇÃO DE PROPOSIÇÃO. 38 criação de Comissão Parlamentar de Inquérito ♦ tramitação. 73 com prioridade ♦ características. 197 ♦ emissão de parecer sobre proposição. 266 RELATOR-GERAL DE PROJETO DE CÓDIGO prazo para apresentação de parecer. 173 elaboração ♦ competência de comissão. 39 ♦ rejeição. 161 ♦ votação. 239 RITO COMUM procedimento legislativo bicameral. 73. 94 RELATOR DE COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO escolha. 172 procedimento após sua redação pela comissão competente. 162 ♦ encaminhamento pelo autor da votação da matéria destacada. 212 alteração ♦ instrumento legislativo. 171 dispensa. 165. 289 ♦ disciplinamento. 251 designação ♦ impedimento de deputado. 253 REQUERIMENTO adiamento de votação de proposição ♦ restrição. 157 retificação de ata ♦ recurso contra decisões. 152 solicitação pelo Presidente da República. 84 votação de parecer na comissão especial que aprecia proposta de emenda à Constituição. 176 . 38 verificação de votação de proposição ♦ proibição de solicitação sucessiva. 91 ♦ parecer. 160 ordem de preferência. 169 ♦ parecer. 80 RELATÓRIO competência. 75 proposição principal ♦ proposta de substitutivo. 264 rejeição do relatório. 168 ♦ segundo turno. 39 RELATÓRIO DE COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO aprovação. 211 projeto de reforma por comissão especial.

196 projeto de código emendado no Senado Federal. 34 proposta do relator. 64 Lei de Diretrizes Orçamentárias. 96 abertura ♦ quórum de presença. 230 SISTEMA DE CÉDULA emprego em votação secreta de proposição. 150 SUBEMENDA ver também EMENDA SUBSTITUTIVO Câmara dos Deputados . 6 proposição originária ♦ votação de substitutivo da Câmara dos Deputados à. 96 divisão do tempo. 36 votação de emenda à proposição. 8. 190 requerimento de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito. 237 participação de entidade representativa em reunião de audiência pública de comissão. 281 projeto de código ♦ limitação numérica. 14 SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL iniciativa privativa de projeto de lei. 7. 135 SISTEMA ELETRÔNICO emprego em votação secreta de proposição. 246 exercício de iniciativa de lei. 86 SUBSTITUTIVO ver também EMENDA ♦ SUBSTITUTIVA SUPLENTE DE SECRETÁRIO atribuição. 205 matéria orçamentária. 8 SESSÃO LEGISLATIVA ORDINÁRIA. 8 TRAMITAÇÃO DE PROPOSIÇÃO características do regime com prioridade.210 Índice de Assuntos normas jurídicas. 144 ♦ votação de proposição. 98 SESSÃO CONJUNTA. 195 SUBEMENDA conceito. 97 SESSÃO PREPARATÓRIA conceito. 96 deputado ♦ posse. 9. 222 convocação por comissão. 203 elaboração de lei federal. 225 prestação de contas do Presidente da República. 126. 74 conjunta. 223 não-comparecimento após convocação por comissão. 244 SUSPENSÃO TEMPORÁRIA DO EXERCÍCIO DO MANDATO ver MANDATO DO DEPUTADO T TITULAR DE ÓRGÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA comparecimento perante a Câmara dos Deputados ou suas comissões. 175 Regimento Interno. 289 projeto de lei ♦ de uma Casa à outra. 96 SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO DO MANDATO PARLAMENTAR conceito. 8. 10 eleição da Mesa da Câmara dos Deputados ♦ quórum de presença. 245 TRABALHOS LEGISLATIVOS organização. 7 SESSÃO EXTRAORDINÁRIA. 179. 4 emendas a projeto de código ♦ prazo para comissão especial da Câmara dos Deputados opinar. 287 projeto de código. 45. 143 ♦ rejeição ou inexistência. 202 proposta de emenda à Constituição. 96 SESSÃO LEGISLATIVA EXTRAORDINÁRIA. 271 medida provisória. 2 proposição originária da Câmara dos Deputados ♦ recebimento de emendas. 9. 11 SESSÃO SOLENE. 8 SESSÃO ORDINÁRIA conceito. 280 Lei Orçamentária Anual. 195 proposta de emenda à Constituição aprovada na Câmara dos Deputados. 142 conceito. 151 SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS classificação. 174. 219 pedidos escritos de informação feitos por comissão da Câmara dos Deputados. 134 SOCIEDADE CIVIL Câmara dos Deputados ♦ participação nos trabalhos. 238 SOCIEDADE CIVIL ver também ENTIDADE ♦ votação quando a proposição é originária do Senado Federal. 151 comissão ♦ aprovação em Plenário. 126. 6 projeto de lei de iniciativa do Presidente DA SOCIEDADE CIVIL SOLICITAÇÃO DE URGÊNCIA tramitação de projeto de lei de iniciativa do Presidente da República. 224 pedido de autorização para instauração de processo criminal contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os ministros de Estado. 50 solicitação para instauração de processo criminal contra deputado.

131 processo simbólico. 144 turnos. 132 proibição de requerimentos sucessivos. 130. 130. 71 TRAMITAÇÃO EM REGIME DE URGÊNCIA ver também REGIME DE URGÊNCIA TRATADOS INTERNACIONAIS ratificação ♦ iniciativa da Comissão de Relações Exteriores. 141 quórum ♦ presença.Questões sobre Processo Legislativo e Regimento Interno 211 TRAMITAÇÃO EM REGIME DE URGÊNCIA conceito. 125. 138 ♦ duração de discurso de deputado. 48 TRIBUNAIS SUPERIORES iniciativa privativa de projeto de lei. 124 impedimento. 73 ♦ procedimento. 133 voto ♦ retificação. 125. 129 preferência ♦ regras. 125 destaque para votação em separado ♦ concessão. 119 discussão ♦ matéria em comissão. 93 VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO DESTACADA encaminhamento pelo autor do requerimento de destaque. 195 regimes. 170 ♦ procedimento. 14 VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA crime de responsabilidade ♦ processo de denúncia feita por cidadão à Câmara dos Deputados. 140 declaração ♦ impedimento de deputado. 128 ♦ tipos.126 modalidade e sistema. 124 processo nominal. 251 VOTAÇÃO DE PARECER procedimento. 123 . 133 VETO PRESIDENCIAL apreciação. 300 VICE-LÍDER indicação. 50 TURNOS apreciação de proposta de emenda à Constituição. 124 ♦ deliberação em Plenário. 71 projeto de lei de iniciativa do Presidente da República. 136. 16 VICE-PRESIDENTE DA MESA competência. 195 URGÊNCIA URGENTÍSSIMA. 290 VENCIDO ver REDAÇÃO DO VENCIDO VERIFICAÇÃO DE VOTAÇÃO conceito. 107 da República com solicitação de urgência ♦ distinção das demais proposições. 158 ♦ requerimento. 92 proposta de emenda à Constituição na comissão especial. 145 encaminhamento. 142 ♦ recebimento. 219 VICE-PRESIDENTE DE COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO escolha. 126 ♦ oral de deputado. 72 USO DA PALAVRA critério para concessão ao deputado. 232 declaração. 102 V VACÂNCIA DO CARGO DE DEPUTADO. 132 ♦ proibição de requerimento sucessivo. 107 verificação. 149 publicação na Ordem do Dia. 220 processo criminal ♦ tramitação de pedido de autorização para instauração. 137. 189 discussão e votação de proposição. 167 VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO EMENDADA. 118 distribuição de oradores para o Grande Expediente. 147 ordem. 125 VOTAÇÃO DE PARECER resultado em comissão ♦ possibilidades. 125 adiamento. 233 VALIDADE DE MEDIDA PROVISÓRIA prazo. 57 U URGÊNCIA conceito. 70 retirada. 146 emenda aglutinativa ♦ apresentação. 131 procedimento. 90 ♦ proposição. 139 ♦ restrição ao requerimento. 187 VOTAÇÃO DE PROPOSIÇÃO abstenção. 157 substitutivo de comissão. 146 não-submissão a votação. 142 ♦ rejeitado ou inexistente. 127 deputado. 138 forma. 165 emenda a proposição ♦ não-recebimento em primeiro turno. 130 ocasião. 45.

151 VOTAÇÃO EM PRIMEIRO TURNO redação do vencido.212 Índice de Assuntos VOTAÇÃO DE PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO procedimento. 88 diferença em relação a declaração de voto. 168 VOTAÇÃO EM SEGUNDO TURNO redação ♦ vencido. 39 possibilidades de conclusão. 169 ♦ final. 125 VOTO EM SEPARADO conceito. 89 retificação durante votação. 134 VOTO CONTRÁRIO votação de proposição. 150 votação isolada. 150 não-submissão a votação. 91 parecer. 135 emprego do sistema eletrônico. 130 emprego dos processos simbólico ou nominal. 149 VOTAÇÃO OSTENSIVA DE PROPOSIÇÃO conceito. 125 VOTO VENCEDOR ver PARECER VENCEDOR . 148 emenda com subemenda. 85 rejeição. 147 ordem. 171 VOTAÇÃO EM TURNO ÚNICO redação final. 92 declaração de voto. 130 emprego do sistema de cédula. 148 VOTAÇÃO ISOLADA. 171 VOTAÇÃO EM SEPARADO ver DESTAQUE PARA VOTAÇÃO EM SEPARADO recebimento de subemenda. 125 comissão. 94 VOTO FAVORÁVEL votação. 164 VOTAÇÃO DE SUBSTITUTIVO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS proposição originária do Senado Federal. 190 VOTAÇÃO DE RECURSO. 125 VOTO DE DEPUTADO. 131 VOTAÇÃO SECRETA DE PROPOSIÇÃO conceito. 128 VOTO DO RELATOR alteração. 112 VOTAÇÃO DE REQUERIMENTO DE DESTAQUE. 89 VOTO FAVORÁVEL proposição.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->