P. 1
Estudo de Caso

Estudo de Caso

|Views: 149|Likes:
Publicado porLaís Cristina

More info:

Published by: Laís Cristina on Aug 14, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as ODT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/31/2013

pdf

text

original

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FACULDADE GUAIRACÁ BACHARELADO EM ENFERMAGEM

ESTUDO DE CASO PACIENTE HIPERTENSO, DIABÉTICO, HIPERURICEMIA (NIVEIS ELEVADOS DE ÁCIDO ÚRICO), TABAGISTA

GUARAPUAVA-PARANÁ

MAIO-2012

LAÍS CRISTINA VAZ HORST

ESTUDO DE CASO PACIENTE HIPERTENSO, DIABÉTICO, HIPERURICEMIA (níveis elevados de ácido úrico) , TABAGISTA

Trabalho a ser entregue a Professora: Cecilia Ap ª Federle. Pela aluna do Curso de Enfermagem Semi-Internato 7º periodo.

GUARAPUAVA – PARANÁ MAIO-2012

I. INTRODUÇÃO
Estudo de caso sobre paciente idoso, com hipertensão arterial, diabetes mellitus, hiperuricemia ou ácido úrico, tabagista, e ex-etilista, apresentando 3 ulceras por pressão. O objetivo deste estudo será, pesquisar sobre as patologias que o paciente apresenta, efeitos, propriedades, ações e cuidados de enfermagem referente as medicações utilizadas pelo paciente. Criar um plano de cuidado focado no estado de saúde atual, para assim poder proporcionar um melhor atendimento ao mesmo. Vão ser descritas as definições de cada patologia, os exames complementares para o diagnóstico e tratamento de cada uma, um quadro com os diagnósticos, intervenções e os resultados esperados após a implantação dos cuidados planejados.

II.DEFINIÇÃO DA PATOLOGIA
2.1.HIPERTENSÃO Segundo BRUNNER e SUDARTH (2007),pode-se considerar que uma pessoa está hipertensa quando seus níveis de pressão arterial sistólica é superior a 140 mm/Hg e uma pressão diastólica maior que 90 mm/Hg, durante um certo período de tempo, quando são realizados duas ou mais aferições. A hipertensão pode ser divida em: • Hipertensão Primária: é caracteriza como primária quando não há causas conhecidas do porque da doença, mais 90 % dos casos são de hipertensão primária. • Hipertensão Secundária:no caso da secundária, existe uma causa identificada como, problemas renais, tumores, etc. 2.1.1.SINTOMAS 2.1.2.

2.2.DIABETES Denominação que indica, uma série de doenças caracterizadas pela disfunção do metabolismo. Caracterizada por hiperglicemia, podendo ou não apresentar glicosúria. Pode ser caracterizada como uma doença hereditária que pode manifestar-se em qualquer estágio da vida, ou ser um ser “adquerida”, os casos mais comuns são em crianças e adolescentes sendo denominada de diabetes mellitus tipo I ou diabetes juvenil. 2.2.1.SINTOMAS • • • sede excessiva, fome constante, perda de peso. Entre outros.

2.3. HIPERURICEMIA O ácido úrico é um produto do metabolismo das proteínas, que ocorre por meio

de uma enzima. Ele é um ácido fraco e a sua forma ionizada, o urato monossódico, é a forma encontrada no plasma humano, no líquido extra-celular e na sinóvia que é o liquido viscoso, que ocupa as cavidades articulares. As purinas sofrem um processo de degradação em hipoxantina e esta se transforma em xantina. Por sua vez, a xantina, por ação irreversível de uma enzima denominada de xantina oxidase, se transforma em ácido úrico e este em urato de sódio. Vale ressaltar que a velocidade e a quantidade de ácido úrico formado a partir das purinas dependem da xantina oxidase, quanto maior for a quantidade desta enzima maior a formação de ácido úrico. Há defeitos familiares, como pequena produção da enzima que, herdados, podem influir na quantidade de ácido úrico formado. Na evolução da nossa espécie, perdemos uma enzima produzida no fígado, a uricase e só nos restou a xantina oxidase. As aves, répteis e peixes que conservaram a uricase conseguem oxidar o urato em alantoina, uma substância 80 a 100 vezes mais solúvel que o urato e que é facilmente excretada pelo rim. Isto permite que esses animais tenham níveis muito baixos de ácido úrico. Assim, as enzimas humanas, transformadoras das purinas, não são tão perfeitas como a uricase de outros animais; por isso, a taxa dos uratos do nosso organismo está no limite da solubilidade dos uratos, que é de 6,8 mg %, na temperatura normal do corpo humano. Os sais de urato de sódio são muito solúveis à temperatura de 37º C, mas se depositam com facilidade nas articulações periféricas, joelhos, tornozelos, calcanhares e artelhos do pé, nos quais a temperatura do corpo é mais baixa, provocando inflamações. Quando o ácido úrico é superior a 8 mg % no plasma sangüíneo, ele pode se depositar em qualquer tecido do organismo, dependendo muito das condições locais. Quando isso ocorre, pode surgir processo inflamatório como gota, artrite, tofo e nefrite. A hiperuricemia é o termo referente ao estado sangüíneo no qual o ácido úrico no plasma (soro) está acima de 6 mg% nas mulheres e 7 mg% nos homens. De uma maneira geral, os homens hiperuricêmicos têm o início da elevação do ácido úrico na puberdade, mas os sintomas clínicos surgem de 10 a 20 anos após. A hiperuricemia ocorre em 10-15% da população acima de 40 anos. Geralmente assintomática, a hiperuricemia está relacionada a outras doenças, como:

• • • • • • • • • •

a acidose metabólica, alcoolismo, diabete, gota, hipertiroidismo, toxemia gravídica, policitemia, leucemia, uso abusivo de diuréticos e, em certos casos, de cálculos renais.

2.3.1.SINTOMAS A elevação do ácido úrico sanguíneo, chamado de hiperuricemia, não causa sintomas. Na verdade, mais de 2/3 das pessoas com ácido úrico elevado nem sequer desconfiam do fato. O fato de causar sintomas não significa, entretanto, que níveis elevados de ácido úrico não possam levar a complicações. As duas mais comuns são as crises gota e as pedras de ácido úrico nos rins. Podem ocorrer descamação das mãos e pés quando os níveis de ácido úrico estão elevados. 2.3.2.EXAMES As dosagens do ácido úrico no sangue e na urina de 24 horas são de grande valor para o diagnóstico das alterações do metabolismo do ácido úrico. Para uma coleta sanguínea adequada de ácido úrico, é necessário um jejum de pelo menos 4 horas antes do exame. Deve-se, também, suspender alguns medicamentos que podem alterar para índices mais altos o resultado do exame, como: • • • • • • álcool, vitamina C, cafeína, diuréticos, teofilina e fenotiazidas. Índices menores podem ocorrer quando se usa alopurinol, clofibratos, corticoides, estrógenos e anticoagulantes.

2.3.3.FATORES ETIOLÓGICOS

2.4.DIABETES MELLITUS X HIPERURICEMIA O níveis elevados de ácido úrico no sangue, proporcionam o aumento da glicemia, pois quando os níveis de ácido úrico estão elevados na corrente sanguínea, provocam um processo que prejudica a absorção da insulina no organismo. 2.5.TABAGISMO Segundo o OMS, o fumo é uma das principais causas de morte evitável, hoje, no planeta. Um terço da população mundial adulta – cerca de 1,3 bilhão de pessoas – fuma: aproximadamente 47% da população masculina e 12% da população feminina fazem uso de produtos derivados do tabaco. Nos países em desenvolvimento, os fumantes somam 48% dos homens e 7% das mulheres, enquanto nos desenvolvidos, a participação do sexo feminino mais do que triplica, num total de 42% de homens e 24% de mulheres fumantes. No Brasil, pesquisa realizada recentemente pelo Ministério da Saúde, por meio do Instituto Nacional de Câncer (Inca), indica que 18,8% da população brasileira é fumante (22,7% dos homens e 16% das mulheres).

III.

III.MEDICAMENTOS

IV.LEVANTAMENTO DE DADOS DO PACIENTE
NOME: G.A.O. ESTADO CIVIL: casado FILHOS: dois SEXO: masculino IDADE: NACIONALIDADE: Brasil TIPO DE

51 anos Peso:135,61 quilos COR: moreno DATA DE NASCIMENTO: 09/11/1961 NATURALIDADE: Guarapuava -Paraná RESIDÊNCIA: Casa de alvenaria EXAME FÍSICO:Realizado exame físico céfalo-caudal apresentando: Cabeça e Pescoço: Crânio normocefálico, superfície íntegra; cabelos com boa

higiene, apresentando alopecia na região frontal; face normocorada, pele íntegra, ausência de nódulos e linfonodos palpáveis; pescoço com amplitude de movimentos e ausência de linfonodos palpáveis; abertura ocular espontânea, pupilas isocóricas, conjuntivas normocoradas, esclera normocorada; nariz simétrico, pele íntegra; lábios normocorados, ausência de lesões, mucosa oral íntegra; dentes: prótese dentaria; -Tórax: globoso, com presença de edema torácico, ausculta pulmonar com murmúrios vesiculares sem ruídos adventícios. Membros superiores: com movimentação e força muscular normais, pele íntegra. Abdome: simétrico, globoso, indolor a palpação com presença de ruídos hidroaéreos. Sinais Vitais: • • • PA: 130X70 mm/Hg FC: 69 bpm. R: 50 RPM Membros Inferiores: com movimentação e força normais, apresentando pele íntegra.

V.DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM • Risco de perfusão tissular cerebral ineficaz relacionado à resistência vascular aumentada, vasoconstrição. • Intolerância a atividade relacionado, a fraqueza generalizada, evidenciado por relato verbal de fadiga ou fraqueza. • Dor aguda localizada na região occipital, relacionado à pressão vascular cerebral aumentada evidenciada por cefaléia. • Eliminação urinária prejudicada relacionada ao uso contínuo de medicação

hipertensiva, evidenciado pelo o aumento da freqüência urinária;

VI.REFERENCIAS BRUNNER E SUDDARTH, tratado de enfermagem médico- cirúrgico / [editores] Suzanne C. Smeltzer...[et al]; [revisão técnica Isabel Cristina Fonseca da Cruz, Ivone Evangelista Cabral; tradução Fernando Diniz Mundim,José Eduardo Ferreira de Figueiredo].-Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2009. KATO,KEIKO, Dicionário – Termos Técnicos da Saúde / [editores] ANDRESSA MALTESE, MIRIAM HATSUMI TAKAHASHI, ...[et al]; - São Paulo: Conexão Ltda, 1º

edição. AME:Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. - 8. ED.Petrópolis,RJ:EPUB,2011.

http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?7 http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=29479

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->