Você está na página 1de 6

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA

1 - DIAGNÓSTICO

2 - TRATAMENTO PERIODONTAL

3 - ACOMPANHAMENTO

1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA

1.1. ANAMNESE

História Médica – Fatores Sistêmicos Pacientes de risco:

- diabetes ( e DP não tratada )

- estresses ( físicos e psicológicos)

- alterações hormonais ( gravidez, menopausa, adolescentes

Hereditariedade Presença de DP na família

fatores a considerar:

- fumo

- higiene

- perda de suporte x idade

- hábitos/vícios

)

1.2. EXAMES COMPLEMENTARES

Principais:

Periapical - devem ser realizadas com a utilização de posicionadores radiográficos, em dentes que apresentem profundidade de sondagem maior do que 5mm, lesão de furca e mobilidade graus II e III. Bite-wing - para manutenção do tratamento Panorâmica- visão geral

1.3. AVALIAÇÃO CLÍNICA:

AVALIAÇÃO PERIODONTAL

MESA CLÍNICA

* Sonda periodontal milimetrada

* Sonda exploradora no 5

* Espelho clínico plano

* Pinça clínica

* Sonda de Nabers

* Gaze estéril

CARACTERISTICAS GENGIVAIS

- Coloração

- Contorno e textura superficial

- Sensibilidade dolorosa

- Posição gengival

EXAMES PERIODONTAIS 1- Índice de placa 2- índice gengival 3- índice de retenção 4- Nível gengival 5- Profundidade de sondagem 6- Nível de inserção 7- Mobilidade 8- Furca

ÍNDICE DE PLACA

- Avalia presença ou ausência de placa, e a qualidade de higiene oral do paciente .

- Após o bochecho com clorexidina, secar a superfície dentária para melhor visualização

- Verifia 4 sítios periodontais ( M-D-V-P )

- Em locais onde a placa bacteriana não é visível, usa-se a sonda exploradora para detecção da mesma.

ÍNDICE GENGIVAL

- Verifica a presença de sangramento na margem gengival e com isso a presença ou não d gengivite.

-Posiciona sonda milimetrada 0,5mm subgengival, percorrendo-a ao redor de todo o dente. ( 4 sítios )

- Avalia se o paciente está colaborando com o tratamento e realizando a higiene oral de forma correta.

ÍNDICE DE RETENÇÃO

- Avalia a presença de fatores retentivos de placa próximas da margem gengival.

- Representam no paciente áreas em que a higiene oral é dificultada.

- Usa-se a sonda exploradora para verificar a presença destes fatores em 4 sítios periodontais.

NÍVEL GENGIVAL

-Verifica a relação da margem gengival com a junção cemento-esmalte.

- Serve para ver se o paciente apresenta a gengiva na posição normal, com recessão ou hiperplasia.

- Posiciona-se a sonda milimetrada na margem gengival e mede-se a distância até a junção cemento-esmalte, em 6 sítios ( MV,V,DV,ML,DL,P )

- Anota-se na fixa sinal de + para recessão e de – para hiperplasia.

PROFUNDIDADE DE SONDAGEM

- distância da margem gengival até a base da bolsa.

- verifica se o paciente possui gengivite ou periodontite

- a medida de 3mm é considerada normal;

- PS>3mm + sangramento+ perda de inserção= periodontite

-utiliza a sonda milimetrada paralela ao longo eixo do dente nas faces livres e inclinada nas superfícies proximais.

NÍVEL DE INSERÇÃO -verifica a quantidade real de inserção do dente -obtida através da medida entre a junção cemento-esmalte até a base da bolda ou através da fórmula NI=PS+NG -este exame auxilia no prognóstico e se o tratamento foi/está sendo favorável ou não.

EXAME DE MOBILIDADE -mobilidade é o resultado da perda de inserção óssea por doença periodontal ou trauma oclusal.

- é medida com o auxílio de 2 instrumentos rígidos: um posicionado na coroa pela superfície vestibular e outro pela lingual ou palatina, fazendo o movimento V-L e também no sentido do longo eixo do dente.

- O grau de mobilidade pode ser:

Grau I: movimento de até 1mm no sentido V-L ( normal - prognóstico favorável) Grau II: movimento de + de 1mm no sentido V-L( prognóstico duvidoso ) Grau III: além do dente se movimentar no sentido horizontal, ele intrui ( prognóstico desfavorável ).

EXAME DE FURCA

- Avalia a perda óssea na região de furca.

- utiliza a sonda Nabers

Grau I: sonda penetra até 1/3 da largura V-L ( prognóstico positivo) Grau II: sonda penetra + de 1/3 da largura V-L ( prognóstico duvidoso ) Grau III: sonda ultrapassa o outro lado. ( prognóstico ruim )

Dentes que se avalia a furca e região:

Molares inferiores – vestibular e lingual Molares superiores – vestibular, mesial e distal 1° pré-molares – mesial e distal

2 - TRATAMENTO PERIODONTAL:

1-

INSTRUÇÃO DE HIGIENE ORAL

2-

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR

3-

REMOÇÃO DOS FATORES RETENTIVOS DE PLACA

4-

PROFILAXIA COM TAÇA DE BORRACHA E PASTA PROFILÁTICA

5-

FLÚOR

6-

BOCHECHO COM CLOREXIDINA 0,12% 2x AO DIA quando o paciente apresenta índice gengival positivo em mais de 90% dos dentes.

INSTRUMENTOS PARA RASPAGEM:

Mc Call 1-10

- só para raspagen supra gengival em regiões interproximais dos dentes anteriores

- remoção de grandes massas de cálculo -haste paralela ao longo eixo do dente

LIMAS: mais em região sub-gengival ( grandes massas de cálculo )

- 3-7 : raspar proximais de dentes anteriores e V-L de posteriores

- 5-11 : raspar V-L de anteriores e proximais de posteriores

- 2-2A : raspar a distal do último dente

CURETAS

Cureta Universal:

- 13-14 : pode ser usada em todas as faces de todos os dentes

Curetas Gracey: raspagem e alisamento radicular

- 5-6: raspagem de todas as faces dos dentes anteriores

- 7-8: raspagem de V e L dos posteriores

- 11-12: raspagem das mesiais dos posteriores

- 13-14: raspagem das distais dos posteriores

* movimentos devem ser usados verticais e oblíquos.

3 – ACOMPANHAMENTO

REAVALIAÇÃO

Avalia:

- resposta tecidual ao tratamento

- cooperação do paciente

- necessidade de retratamento

- necessidade de procedimentos cirúrgicos corretivos

Quando fazer? Após o tratamento básico,

- período de 30-40 dias

Considerações que podem variar o tempo:

- risco do paciente

- risco dentário

- risco de sítio

Seqüência clínica:

- exames periodontais

- reavaliação e diagnóstico

- motivação ( crítica + incentivo )

- instrumentação de sítios reinfectados

- profilaxia

- flúor

- rechamada

MANUTENÇÃO

- Controle

- Monitoramento da saúde periodontal conquistada

- Evitar recidivas

- Manutenção do controle de placa

- Remoção de fatores retentivos

- Motivação do paciente

- Deve-se refazer os exames periodontais e compará-los com os anteriores, para o acompanhamento longitudinal.

- Profilaxia e flúor para eliminar a blaca bacteriana, prevenindo a recidiva da doença. Se necessário, faz raspagem.

- Serão necessárias novas explicações para remotivar o paciente ( paciente já está mais receptivo )

A MANUTENÇÃO É FEITA DE 3 MESES A ATÉ 1 ANO APÓS O TRATAMENTO PERIODONTAL BÁSICO.

* Os intervalos dependem de vários fatores e devem ser estabelecidos para cada indivíduo, vinculando-se ao grau de higienização bucal e predisposição à doença.

Referências Bibliográficas

FUNDAMENTOS de periodontia. São Paulo: Premier, 1998. 221 p.

LINDHE, J.; KARRING, T.; LANG, N.P.; MOLERI, A.B. (Tradutora). Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 1013 p.

LINDHE, J. Terapia periodontal de suporte. In: Lindhe, J. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999. p.602-17.

RAMFJORD, S.P, MORRISON, E.C.; BURGETT, F.G.; NISSLE, R.R.; SHICK, R.A.

Oral hygiene and maintenance of periodontal support. J Periodontol , v.53, n.1, p.26-30.,

1982.