Você está na página 1de 2

Definição

Padrão cultural - Em antropologia, a expressão padrão cultural refere-se à soma total das actividades -- actos,
ideias, objectos -- de um grupo; ao ajustamento dos diversos traços e complexos de uma sociedade. É aquela
configuração exterior que uma cultura apresenta, traduzindo o conjunto de valores que expressa essa mesma
cultura.

Também designados por conjunto de heranças históricas de cada sociedade, bem como das funções mentais e
comportamentos que lhes estão associados, através dos quais, os indivíduos dessa sociedade se expressam e
na qual se baseiam para a sua vivência.
A aprendizagem e conhecimento desses padrões culturais facilita a integração do indivíduo na sociedade,
permitindo-lhe agir na sociedade, interagir com outros indivíduos e prever as reacções e comportamentos dos
outros indivíduos. (símbolos verbais e não verbais)

A ideia desse conceito começou a formar-se com o antropólogo americano Franz Boas, que em 1910 afirmou a
individualidade da cultura em cada tribo indígena americana por ele estudada. Essa observação decorreu da
presença de certos elementos que distinguem determinada cultura.

No caso dos grupos estudados, Boas mencionou o conservantismo dos esquimós, sua capacidade de invenção,
sua boa índole, seu conceito peculiar da natureza e outros aspectos. Tais elementos não são consequência de
simples difusão, resultam, em grande parte, de seu próprio método de vida; e o esquimó vai mesmo
remodelando os elementos obtidos de outros grupos, de acordo com os padrões dominantes em seu meio.
(Exemplos)

Estudando as diferentes características das culturas tribais, os padrões culturais realçaram bastante até que
perceberam que existia um padrão psicológico modelador dos elementos culturais emprestados.

Por sua vez, esse mesmo padrão afasta aqueles elementos culturais que a ele não se conformam. A cultura é
como o indivíduo, e tem um padrão mais ou menos consistente no seu pensamento e acção. Benedict analisa
as culturas dos índios zunis, indicando os padrões culturais de cada um desses grupos, para mostrar o que os
caracteriza. Admite, igualmente, uma influência da psicologia gestaltista, que lhe permitiu demonstrar a
importância de tratar o todo em lugar das partes e provar que nenhuma análise das percepções separadas
pode explicar a experiência total. ( Características)

Por meio dos três grupos tribais estudados na obra, Ruth Benedict procura explicar, e não apenas expor, as
características que cada um apresenta no seu padrão cultural. Apesar da ampla difusão da sua obra e da
imensa aceitação de seu conceito de padrão cultural, não se podem negar as críticas feitas ao seu método de
estudo, traduzidas principalmente nas observações de Robert Lowie; a este se afigurava que o desejo de
distinguir um padrão de outro conduz necessariamente a uma tendência de sobrestimar diferenças. Dessa
forma podem produzir-se sérias alterações em virtude de uma selecção subjectiva dos critérios. Enfim, a Lowie
parecia que se deveriam esperar investigações ulteriores para chegar a uma definição adequada do conceito de
padrão (características)

[http://www.coladaweb.com/diversos/cultura.htm]

Cada cultura, explica Benedict, selecciona dentro da “grande gama das potencialidades humanas” algumas
poucas características aceitas como formas adequadas de conduta das pessoas que fazem parte dessa cultura.
Por exemplo, ela descreveu a ênfase na “restrição” nas culturas dos povos Pueblo do sudoeste americano, e a
ênfase no “desprendimento” nas culturas nativas das Grandes Planícies americanas. Ela descreveu como na
Grécia Antiga a adoração a Apolo destacava a ordem e a calma em suas celebrações. Em oposição a isto, os
adoradores de Dionísio, o deus do vinho, enfatizaram a vida em estado selvagem, o despojamento e a
despreocupação com os rumos dos acontecimentos. (exemplos)

Isto não estava ausente nas culturas nativas das Américas. Descreveu em detalhes os contrastes entre rituais,
crenças, preferências pessoais dos povos de diferentes culturas para mostrar o quanto cada cultura tinha uma
“personalidade” que era estimulada em cada indivíduo.

Benedict, em “Padrões de Cultura”, expressa a sua confiança no relativismo cultural. A sua pretensão foi
demonstrar que cada cultura possui os seus próprios imperativos morais, que só poderiam ser compreendidos
se se estudasse a cultura como um todo. Ela percebeu que seria errado menosprezar os costumes ou valores
de uma cultura diferente da nossa. Tais costumes teriam um significado para as pessoas que os adquiriram que
não deveriam ser julgados apressada ou superficialmente. Não deveríamos tentar avaliar um povo somente
com nossas referências. Moralidade, conclui ela, é relativa.

Ruth Benedict, nascida Ruth Fulton, Nova Iorque, 6 de Junho de 1887 — Nova Iorque, 17 de Setembro de
1948. Foi uma antropóloga estadunidense.

Publicou o livro "Padrões de Cultura", Ruth Benedict, Editora Livros do Brasil

[http://pt.wikipedia.org/wiki/Ruth_Benedict]

Tipos de Cultura ( de Padrões Culturais)

CULTURA GERAL

CULTURA OCIDENTAL- Budismo Zen

CULTURA ORIENTAL –Cozinha oriental; Danças Orientais; Musica Oriental;

CULTURA POPULAR – Arte Popular; Bairrismo; Festas Populares;

PERÍODOS CULTURAIS- Períodos Literários; Períodos Musicais; Períodos Artisticos;

[http://www.tecnet.pt/portugal/59716.html]

CULTURA IMPRESARIRAL

[ http://www.bolsaempregosantarem.pt/pdf/Gest%C3%A3o%20de%20carreiras/6-
Cultura%20Empresarial/Tipos%20de%20cultura%20empresarial.pdf ]

CULTURA DE TAREFAS

CULTURA PESSOAL- meio de Transporte; Tipo de Vestuário; Vários tipos de alimentação; Grupo Partidário;

[http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070827113718AaiBAnH]