P. 1
Paródia

Paródia

|Views: 141|Likes:
Publicado porCristiane Benicio

More info:

Published by: Cristiane Benicio on Sep 01, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/31/2012

pdf

text

original

Paródia

A paródia é uma imitação cômica de uma composição literária (também existem paródias de filmes e músicas), sendo, portanto, uma imitação que possui efeito cômico, utilizando a ironia e o deboche. Ela geralmente é parecida com a obra de origem, e quase sempre tem sentidos diferentes. Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, com a finalidade de desconstruir ou reconstruir um texto. A paródia surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra já existente e, em geral, consagrada. Seu objetivo é adaptar a obra original a um novo contexto, passando diferentes versões para um lado mais despojado, e aproveitando o sucesso da obra original para passar um pouco de alegria. A paródia pode ter intertextualidade. Aparece como importante elemento no modernismo brasileiro e na Poesia marginal da chamada "Geração mimeógrafo". Música A paródia, em música, seguiu sendo um estilo que tomou conta do novo método do Século XVI, com uso do cantus firmus que entrava em seu desuso sério da polifonia do Século XIV e XV. A partir de então, o cantus firmus se utilizou em raras ocasiões. A paródia seguiu sendo prominente em certos estilos de música instrumental, primeiramente na música para teclados. Conforme a música evoluiu pelo início do Barroco, a paródia entrou na história da ópera, e conta com inúmeros exemplos. Ironicamente iniciam-se com interlúdios cómicos nas óperas dramáticas, chamados de intermezzos. Exemplos destes intermezzos se encontram em óperas de Jean-Baptiste Lully (1632-1687), um compositor acostumado a escrever balés para a corte real. Mas os intermezzos cómicos eram pequenos trechos para serem interpretados entre atos da opera séria---um intervalo sarcástico e humorístico durante um espetáculo dramático. Lully era amigo de Molière e juntos criaram um novo estilo, o comédie-ballet, qual combinava teatro, comédia e balé. Um dos pioneiros da ópera francesa, e depois partiu solo com seu novo estilo, conhecido particularmente pelo nome de ópera buffae tem geralmente rimas.

Como fazer uma paródia
Não dá para negar que a paródia é uma atividade didática popular entre alunos e professores das mais variadas disciplinas. Sendo assim, ai vai algumas dicas que possam auxiliar na preparação e apresentação deste tipo de atividade. Primeiramente, é importante saber que a paródia – imitação, na maioria das vezes cômica, de uma composição literária – não está restrita apenas às músicas. O prof. Roberto Lima, ao escrever sobre tipos de paródia, distingue quatro tipos principais que podem ser utilizados em sala de aula. Confira abaixo!

Dicas sobre Paródias Musicais
1- Escolha músicas legais: Parece básico, mas nem sempre as músicas escolhidas ficam bacanas em uma paródia. Dê preferência a baladas do tipo pop ou rock, que todos conhecem e são fáceis de cantar, tocar e assimilar. 2- Defina o uso ou não de instrumentos: A paródia musical pode ser feita sem instrumentos, usando apenas o gogó. Instrumentos musicais tornam a experiência mais divertida. Se for usá-los, dê uma maneirada no barulho e cuidado para não abafar a letra da música. 3- Distribua cópias da letra: O objetivo de uma paródia não é revelar artistas, ainda que muitos talentos musicais se sobressaiam nesta atividade. É bom distribuir cópias da letra para que os outros alunos possam acompanhar e, quem sabe, até cantar junto. 4- Contextualize a música e o tema: Faça uma introdução, explicando o motivo da escolha desta ou daquela música. Da mesma forma, fale do conteúdo e da forma que ele foi abordado na paródia. O professor pode, inclusive, fazer uma discussão posterior. 5- Seja criativo!: Apesar de uma paródia ter apelo cômico, o humor não precisa ser o requisito básico. Porém, criatividade é sempre fundamental. Se possível, surpreenda seus professores e colegas.

.

. as lendas. ou cantam seus cantares. é uma mescla entre poesia e música na qual predomina o improviso – a criação de versos "de repente". pendurados em cordéis (o que lhe deu o nome). mas todo o povo brasileiro. os causos. bem como a Literatura de Cordel. o repente é chamado de coco de embolada. publicada em livros de impressão simples. O repente possui diversos modelos de métrica e rima. chamada de Trova[2]. Repentismo no Sul O caracteriza-se. toada ou aboio. A trova é uma construção poética improvisada em sextilha. além do improviso. juntos eles trovaram inúmeras vezes. os trovadores sempre fazem as "pazes". mais comumente chamada apenas Cordel. seguido por Paulo de Freitas Mendonça e outros. para serem vendidos em feiras e mercados. histórias de Trancoso. muito difundida por Teixeirinha & Mary Terezinha. Quando o instrumento usado é o pandeiro. Repente (conhecido também como desafio) é uma tradição folclórica brasileira cuja origem remonta aos trovadores medievais. Contudo a maior referência para os trovadores da atualidade no Rio Grande do Sul é Gildo de Freitas Além da Trova. cantado sem acompanhamento musical. denomina-se Cantoria. cujo maior representante é Jayme Caetano Braun. Suas rimas são abcbdb e seus versos são cantados ao acompanhamento de acordeon. nomeia-se entoada. no final. A literatura de cordel. também existe no Rio Grande do Sul a Pajada. acompanhado do violão. A Pajada é poesia oral improvisada em Décima Espinela (abbaaccddc) no etilo recitado e acompanhada de violão. e nisso são muito próximos dos improvisos no formato. e seu canto costuma ser acompanhado de instrumentos musicais. mas não na temática. Especialmente forte no nordeste brasileiro. alegrando não só os gaúchos. Nos anos 60 .80 essa variação folclórica foi muito popular na região sul do Brasil. Seus divulgadores os recitam nas feiras.Literatura de cordel / Repente A cultura popular nordestina é rica em formas e gêneros. nasceu como uma literatura popular. Fazem parte dessa cultura os cantos de improviso dos repentistas e emboladores. pelo uso de dois instrumentos musicais: o violão e a acordeon. sendo que.

TIMBRE: Vem escrito logo no início da partitura. Na música erudita do século XX e XXI. No período romântico. ou seja. o terceiro movimento de String Quartet de Ruth Crawford-Seeger e Aventures de György Ligeti. Este jogo de durações diferentes é o ritmo. A sucessão de sons arbitrários não se considera que produz melodia. mas alturas (frequencias) diferentes. ANDAMENTO: É a velocidade do pulso ou do ritmo aplicado à uma determinada música ou trecho musical. canto. HARMONIA: É o conjunto Melodia A melodia (do Grego μελῳδία . entre outros. coral") é uma sucessão coerente de sons e silêncios. a combinação melôdica de timbres que ganhou destaque.Componentes Básicos da Música MELODIA: É a sucessão de diversos sons com alturas diversas dando a idéia do discurso musical. a chamada polifonia usada na Fuga e no Contraponto. DINÂMICA: A dinâmica refere-se à intensidade da música. como na abertura da Quinta Sinfonia de Beethoven. um tema melodico frequente que é usado como tema para então explorado sob diversas formas variantes em uma mesma composição. ou seja. que se desenvolvem em uma sequência linear com identidade própria. MPB e a música popular em geral tendem a ter uma ou duas melodias organizadas em versos e refrão usando-as de modo intercalado. No Blues e no Jazz os músicos usam uma linha melodica inicial chamada "lead" ou "head". Na Notação musical ocidental a melodia é representada no pentagrama de forma horizontal para a sucessão de Notas musicais e de forma vertical para sons simultâneos. ou seja. Os sons de uma melodia não têm todos a mesma música. para qual instrumento ou voz que a música foi escrica. o seu volume. . Os sons da melodia possuem um sentido musical. os Eight Etudes and a Fantasy de Eliott Carter. o que nos faz reconhecer a música. É a voz principal que dá sentido a uma composição e encontra apoio musical na harmonia e no ritmo. Exemplos de Melodia Cada estilo musical usa a melodia de sua própria maneira:       Na Música Clássica temos os motivos. Neste campo podemos citar a Música concreta. pessoa ou lugar. No período barroco surgiu as melodias em camadas. como ponto de partida para a [Improvisação]. Folk. uma melodia associado a uma certa idéia. RITMO: É a variação do tempo de cada som indicada pelas figuras ritmicas e pelo compasso. O Rock. Richard Wagner popularizou o conceito de leitmotif.melōidía. Os sons que formam a melodia possuem quase sempre durações diferentes. a Klangfarbenmelodie. "canção.

. As letras são frequentemente escritas por um poeta ou letrista em forma estrófica. embora incorretamente. se a composição não se encontra num dos moldes descritos acima. o uso atual da palavra é considerado incorreto e "canção" só pode ser usado para descrever uma composição para a voz humana. Lamento . Canções Populares e Folclóricas É qualquer gênero musical acessível ao público em geral. 3) parte que exprimi o sentimento           inspirado pelo assunto da cantata. dependendo dos critérios utilizados. Balada .1) composição para uma voz. originado em Portugal.Um episódio nas óperas dos séculos XVII e XVIII. incluindo aqueles que não possuem canto. que seria a música de um povo transmitida ao longo das gerações.pode ser de espírito religioso ou patriótico. "canções de música popular" e "canção popular". já a música é feita separadamente por um compositor. Canção de gesta . tais como orquestra e quarteto de cordas que são sempre notados para ser recitada individualmente. Outros tipos de Canção A palavra canção se tornou um tipo "ícone" usada a toda hora popularmente quando se referindo a uma variedade de pequenas composições curtas ou com arranjos populares. Nos EUA ballad refere-se a música pop. Hino .melodia curta usada em comerciais. Cântico . que foram escritas por compositores como Mendelssohn e Tchaikovsky. A letra das canções são tradicionalmente versos de poesia. mas podem ser versos religiosos de livre prosa. geralmente com piano de acompanhamento. Canção polifônica . Século XII ao [[Século XIV|XIV] apresentado pelo amante para a amada. Distingue-se da música folclórica por ser escrita e comercializada como uma comodidade. As canções possuem amplas maneiras de divisão.a forma "canção" mais antiga entre outras. Canção de ninar ou cantiga .[2]Na música clássica européia e na música em geral.texto cantado em espírito de louvor é similar ao hino. Como o nome mesmo já diz. Jingle . É tipicamente interpretada para um único vocalista. trio ou mais vozes.Canção A canção é uma composição musical para a voz humana. é a música do povo. embora possam ter outros tipos de acompanhamento. mas para um instrumento (normalmente piano) e ainda assim são consideradas canções. típica música popular do Século XX. Algumas divisões estão entre as músicas "artísticas". para canto ou recitativo antes do desfecho. Coloquialmente. não de orquestra ou de música de câmara ou. Canções Artísticas São canções que foram criadas para serem interpretadas de acordo com os atributos do cantor.  Ária . no século XI e XII. 2) cantiga. ainda até mesmo. salvo algumas exceções. a palavra canção é usada para se referir a qualquer composição musical. sendo a evolução natural da música folclórica.frequentemente composta na Forma canção.Um poema cantado épico.  A cappella Quando uma canção cantada não é acompanhada por nenhum instrumento musical (ou gravação de sons de instrumentos). cantado e dividido em estrofes. geralmente acompanhada por instrumentos musicais e letras. especialmente quando usando instrumentos modernos. Cantiga de amor .estilo poético do trovador. como por exemplo as canções sem palavras do período romântico. não são para a voz humana. melodia ou. mas também pode ser cantada por um dueto. oposta à chamada "música erudita" por ter o foco no intérprete e na performance numa determinada camada social.versos pequenos. Geralmente é exigido um treinamento de voz para um desempenho aceitável. Canção folclórica . As canções artísticas podem ser mais formais e complicadas em comparação com as canções comuns e são consideradas importantes para a identidade cultural de alguns países.composição a várias vozes com um texto secular. Hoje seria chamada de Forma Estrófica.

não vai valer a pena. além de praticamente todos os gêneros de canções populares e peças clássicas. Esta estrutura simples pode se se tornar complexa quando alterada em alguns aspectos. Ponte Musical 7. não é nem uma coisa nem outra. A estrutura não deve ser muito complicado para não destruir o equilíbrio entre a repetição e alteração de um tópico. Não dá pra forçar a barra. Refrão 6. a música ou a letra. . como. O mais importante é gostar de música.Estrutura da Canção Canções populares quase sempre têm uma estrutura bem definida. Compor é observar mais atentamente uma situação e nela achar um bom motivo para se fazer uma canção. legal e principalmente: natural. ou tema. Entre o que vem primeiro. Verso 3. Se não for assim. Conclusão A estrutura acima é uma forma muito comum de música popular moderna. é o assunto. A estrutura típicamente usada tem de três a cinco secções musicais separadas que são utilizadas em conjunto para formar uma música completa. Sem o assunto. em vez de adicionar um coro único dois coros. A estrutura típica de uma canção é geralmente encontrada nesta ordem: 1. Compor tem que ser fácil. rock e heavy metal. música e letra. Introdução 2. não existe nem música nem letra. Isso inclui canções de pop. Refrão 4. ou em vez de terminar com a repetição do refrão adicionar uma parte específica para o último. No tempo certo. Verso 5. surge esse impulso pra quem está afim. divertido. gostar do que se está fazendo. Como conseguir compor? Compõe-se exatamente como e quando se tem vontade compor.

sacras e seculares. É o gênero mais importante de música de câmara vocal do período barroco. Na Itália. . Vinci e Pergolesi. Esses dois compositores trabalharam em Roma. o Grande. como é o caso do coral Jesus Bleibet Meine Freude. retornando no século XX com compositores como Carl Orff. a palavra "cantata" foi usada pela primeira vez para variações estróficas na Cantade el arie de Alessandro. Desde o final do século XVIII. 1650 esse era o padrão habitual. com acompanhamento instrumental. temas históricos foram substituídos pelos versos arcádicos descrevendo sentimentos amorosos em um cenário pastoril. Durante o classicismo e o romantismo. arioso e em estilo de ária. descrevendo um fato dramático qualquer. preferiam a arietta corta. Vivaldi e Marcello. elas sao usados em comemorações diversas. desde as cantatas de Beethoven por ocasião da morte e sucessão de imperadores. Muitas das cantatas de Haendel. separadas por recitativos. por compositores tais como Johann Sebastian Bach. BWV 147. tradução livre: Jesus permanece minha alegria. que escreveu mais de duzentas cantatas. Cantata é um conjunto de musicas criadas por novos usuarios. Bononcini. na maioria para coro e orquestra. e o número de seções normalmente menor. 1700. uma única ária com alterações métricas. Esse tipo foi cultuado por outros italianos. o gênero foi pouco explorado. A cantata spirituale musicava um texto sacro em linguagem vernácula. alegria dos homens). para uma ou mais vozes. de inspiração religiosa ou profana.Cantata Cantata (do italiano "cantata". incluindo Bassani. a distinção entre recitativo e ária é bastante clara. no período barroco. a estrutura é padronizada na forma de duas ou três árias da capo. muitas delas com trechos famosos. particípio passado substantivado de "cantare")[1][2] é um tipo de composição vocal. em vez de ser historiado. A partir de c. de Bach. onde Carissimi. em cujas obras o acompanhamento utilizando ao máximo as cordas tornou-se a norma. um dos primeiros grandes mestres da forma. e logo passou a ser aplicada às peças que alternavam seções de recitativo. até as cantatas soviéticas patrióticas de Shostakovich. Nas primeiras cantatas de seu aluno Alessandro Scarlatti e nas de Stradella e Steffani. autor das cantatas Carmina Burana e Catuli Carmina. às vezes também com coro. principal centro da cantata no século XVII. contendo normalmente mais de um movimento e cujo texto.  Origens Este gênero foi muito explorado. distinguem-se das italianas em estrutura tonal e força dramática. ou (Jesus. Nas cantatas de Scarlatti após c. o principal elemento musical do culto luterano. A maioria é para soprano e contínuo. O desenvolvimento posterior da cantata italiana ficou em grande parte nas mãos de compositores napolitanos tais como Leo. é lírico. o termo foi aplicado a uma ampla variedade de obras. mas os principais autores de cantatas do início do século XVII. Luigi Rossi e Mazzaroli. também estava em atividade. sendo um dos exemplos mais famosos a cantata BWV 208. no entanto. No final do século. e por Haendel durante sua permanência na Itália (1705/6-10). descrevendo uma situação psicológica.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->