‘’ÉTICA PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM’’

 Prof:Cida Almeida

Setembro 2012

1

.  Refletem o comportamento de nossa essência como seres humanos. construído e reproduzido por um conjunto de práticas sociais. Realiza-se na prestação de serviços à pessoa.  A moral estabelece princípios de vida capazes de orientar o homem para uma determinada ação moralmente correta.  MORAL:  È o conjunto de normas e condutas reconhecidas como adequadas ao comportamento humano por uma determinada comunidade humana. animal e responsabilidade ambiental.  Ética contribui para o equilíbrio e bom funcionamento social. 2 . éticas e políticas que se processa pelo ensino. possibilitando que ninguém saia prejudicado  RESPONSABILIDADES ÉTICAS  Nossas ações têm efeitos sobre a sociedade  Cada homem deve ser livre e responsável por suas atitudes  A justiça é a principal das virtudes  Nossos valores têm uma origem histórica com base em nossa cultura. família e coletividade.  CONDUTAS ÉTICAS  Envolve um conjunto de fatores que vão desde a forma de falar até o jeito de se vestir e agir.  ÉTICA  O termo ética deriva do grego ethos (caráter. competência e eficiência. pesquisa e assistência.  Reflete sua capacidade de ser e fazer para si e para os outros. no seu contexto e circunstâncias de vida.  Exercer suas funções com zelo. modo de ser de uma pessoa)  Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM  RESOLUÇÃO 311/2007  A Enfermagem compreende um componente próprio de conhecimentos científicos e técnicos.  BIOÉTICA: investiga as condições necessárias para uma administração responsável da Vida Humana.

A virtude.  CARACTERÍSTICAS PARALELAS:       ETICA PERMANENTE UNIVERSAL REGRA TEORIA PRINCÍPIOS ÉTICOS       MORAL TEMPORAL CULTURAL REGRA DE CONDUTA PRÁTICA CONDUTA MORAL  VIRTUDES PROFISSIONAIS  Virtudes são todos os hábitos constantes que levam o homem para o bem.  DIFERENÇA DE ÉTICA PESSOAL E PROFISSIONAL  ÉTICA PESSOAL  Respeito à ação individual. tendo consciência.  Competência: o conhecimento da ciência. seja de forma pessoalmente ou coletivamente. hábitos. A Moral independe das fronteiras geográficas e garante uma identidade entre pessoas que sequer se conhecem. é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. como uma forma de garantir o seu bem-viver. valores e princípios alicerçados nas suas convicções. das técnicas e práticas profissionais é pré-requisito para a prestação de serviços de boa qualidade. no mais alto grau. Costumes. valores do comportamento do ser humano adotadas pelo indivíduo no seu grupo social.  A Moral estabelece regras que são assumidas pela pessoa.( ARISTÓTELES)  VIRTUDES PROFISSIONAIS:  Honestidade: princípio que não admite relatividade.  Postura ou conduta do indivíduo compreendida através do modo como se relaciona consigo mesmo e frente aos outros abrangendo suas diferentes ações. caráter. da tecnologia. mas utilizam este mesmo referencial moral comum. pensamentos e sentimentos.  Sigilo: desenvolvido na formação dos futuros profissionais  Prudência: evita os julgamentos apressados e discussões inúteis.  ÉTICA PROFISSIONAL 3 .

Distanásia. mistanàsia Erros de medicação (atualidades) Inseminação artificial Doação de órgãos Uso de drogas ilícitas em tratamentos médicos Transplante de órgãos de animais em humanos Pena de morte Laqueadura em mulheres jovens Violência domestica Casamento Igualitário DEBATES E DINAMICA A origem da violência Maus tratos na infância Pedofilia Efeito placebo                    DEONTOLOGIA: FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO HUMANO 4 . discuti limites e parâmetros éticos e morais para o avanço das pesquisas científicas. Ao assumir uma profissão assume-se uma responsabilidade com esta prática.  É o estudo sistemático do comportamento perspectivo a luz dos valores e princípios morais. Respeito à forma específica de agir da pessoa em sua atividade profissional. animal e responsabilidade ambiental  É a Área do conhecimento.  Estabelecem os princípios ético-morais pelos quais os profissionais devem seguir e aplicar. fale o conceito e sua postura ética) Manipulação genética: Célula tronco.  Ética profissional é o conjunto de normas morais pelas quais um indivíduo deve orientar seu comportamento na profissão que exerce  BIOÉTICA  Investiga as condições necessárias para uma administração responsável da Vida Humana. ortotanásia.cordão umbilical Transgênicos (agrotóxicos) Eutanásia.  TEMAS BIOÉTICOS (prova: escolha um tema.

João comprou 4 tipos e gastou R$ 5.00.(Stoner 1999) Executar tarefas da melhor maneira possível.  EFICIÊNCIA. Direitos e Deveres.  Conjunto de princípios e regras de conduta de uma determinada profissão. princípios e valores. como se estivessem desconectadas do organismo social. pelo filósofo inglês Jeremy Bentham. um imediatismo subserviente.  É o ramo da ética que estuda os fundamentos do Dever e das Normas. Exemplo de eficiência: João e Maria precisavam comprar 4 tipos de frutas na feira.  FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM. Maria também comprou os 4 tipos e gastou R$ 4. no discernimento do profissional diante da pluralidade e da complexidade dos vários fatores vivenciados em seu trabalho diário. resultados com objetivos resultados.  Tem o objetivo de tomada de decisão pautado em Leis. evitando desperdícios com o menor recurso possível para alcançar os objetivos . também conhecida como "Teoria do Dever".  EFICÁCIA.Alcançar metas. Exemplo de eficácia: Fulano é eficaz em seu trabalho.  CARACTERISTICAS  CONCIÊNCIA: Indica a percepção que o indivíduo tem de si mesmo: julgamento interno. através dos quais se manifestam em defesa de interesses de curto prazo.  COMPORTAMENTO HUMANO • ações realizadas pelo indivíduo em determinadas situações com possíveis alterações que o meio e as relações sociais. Ou seja: Fulano conseguiu realizar todos os trabalhos que estavam planejados. O termo foi criado no ano de1834. 5 . de acordo com o Código de Ética de sua categoria. pontuados isoladamente e localmente.  É a sua consciência moral que refletem seus atos de responsabilidade diante dos fatos. proporcionam a cada um . OBS: As pessoas parecem tomadas por um senso de urgência. ao longo da vida.00.

 DIREITOS DO PACIENTE  Código de Proteção e Defesa do Consumidor (1990)  Livre escolha  Acesso ao Tratamento  Respeito e dignidade  Conhecer a identidade de quem o trata  Informação e consentimento  Recusa do tratamento  PROFISSIONAL X PACIENTE = ATITUDES TERAPÊUTICAS         Empatia Humildade Respeitar as diferenças Curiosidade Capacidade de comunicação Solidariedade Paciência Criatividade 6 .  NÃO MALEFICÊNCIA  Evitar intervenções que determinem desrespeito à dignidade do paciente como pessoa.  PRINCÍPIOS DA AUTONOMIA  Direito á vontade individual.Ambos foram eficazes. mas Maria foi mais Eficiente que João (utilizou menos recursos para alcançar a Eficácia)  PRINCÍPIOS DA AUTONOMIA.  BENEFICÊNCIA  Evitar submeter o paciente a intervenções cujo sofrimento resultante seja muito maior do que o benefício eventualmente conseguido.2002)  Tem a liberdade de agir conforme os seus princípios. independente das condições de cada indivíduo. onde os benefícios devem ser igualitário. DA VONTADE E DAS DIFERENÇAS. sendo a liberdade de escolha essencial para o ser humano ( Ferraz Jr.  PRINCÍPIO DA JUSTIÇA  Trata-se de um direito moral.  Determina o que devemos fazer independente de nossa vontade.  Princípios de proteção aos danos intencionais.

 O PROFISSIONAL TÉCNICO  O profissional de enfermagem atua na promoção. observadas as práticas cientificamente reconhecidas e respeitada à legislação vigente. sentimento que se volta contra todos.Indicar o procedimento adequado ao paciente. 7 . quando recebem a notícia de que estão com doença incurável. mas pergunta: “Por que eu?” Sua atitude passa a ser de raiva. recuperação e reabilitação da saúde. prevenção. Flexibilidade  FUNÇÃO DAS CATEGORIAS  CÓDIGO ÉTICA MÉDICA  XXII .  Segundo a declaração dos direitos Humanos da ONU-“Todo homem tem direito á liberdade de pensamento. 2ª) REVOLTA : o paciente admite estar com a doença terminal.  DIREITO DO MÉDICO  II . o médico evitará a realização de procedimentos diagnósticos e terapêuticos desnecessários e propiciará aos pacientes sob sua atenção todos os cuidados paliativos apropriados. com autonomia e em consonância com os preceitos éticos e legais. consciência e religião” (Art.  O profissional com habilidades de comunicação assegura o melhor desenvolvimento de suas praticas clinicas  A ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES PSICO- ESPIRITUAL DO SER HUMANO. passam por cinco fases. (1981) descobriu que as pessoas.Nas situações clínicas irreversíveis e terminais. São elas: 1ª) NEGAÇÃO : O paciente nega a realidade da doença.VIII)  ESTÁGIOS DO PACIENTE TERMINAL KUBLER.

. 5ª) ACEITAÇÃO atitude ativa. se eu melhorar vou fazer muita caridade”. “. dicionário da língua portuguesa... 8 .Instala os Conselhos Regionais. caridade. 4ª) DEPRESSÃO :necessidade de isolamento e silêncio Superada esta fase.”  CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO . vem a quinta e última fase.”  É a obrigação a responder pelas próprias ações Michaeles.  ÉTICA E OS ERROS DE PROCEDIMENTOS NA ENFERMAGEM  BASES LEGAIS .3ª) BARGANHA (negociação) O paciente tenta superar seu mal através de promessas.  COFEN (Compete ao Conselho Federal ) Aprova seu regimento e os dos Conselhos Regionais.Art. 186 e 187). tomada pelo doente que passou a ter uma compreensão de sua vida e que sabe ter chegado o seu momento. causar danos a outrem.  COREN (Conselhos Regionais de Enfermagem) compete disciplinar e fiscalizar o exercício profissional  UNAT (União dos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem) compete desenvolvimento cultural e profissional da categoria.ART. XIII – É livre o exercício de qualquer trabalho ofício ou profissão.5º INCISOS: II – Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em Virtude de Lei. peregrinações.. fica obrigado a repará-lo”  RESPONSABILIDADE  “Não ser omisso àquilo que é de minha atribuição.”  ÉTICA NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL E LEGISLAÇÃO  ABEN (Associação Brasileira de Enfermagem) compete a defesa e a consolidação da enfermagem como prática social essencial na assistência à saúde e na organização e funcionamento dos serviços de saúde. Elabora o Código de Deontologia de Enfermagem e altera-o quando necessário.CONSTITUIÇÃO FEDERAL . orações. atendidas as qualificações profissionais que a Lei estabelecer. passa para outra fase:. 927  “Aquele que por ato ilícito (art.Sem resultados. “AO COMPREENDERMOS A MORTE APRENDEMOS A VIVER MELHOR A VIDA.

ou proposital sem importa-se com as conseguências. incompetência.  É o erro induzido. caracterizada pela ação.  Sua omissão causa dano a outrem  Descuido. sabendo das conseqüências que possam vir a ocorrer.atuação perigosa. em diferentes especialidades. É a ausência de precaução ou indiferença em relação ao ato realizado. A Enfermagem atua em diversas Instituições. previsto na lei penal. ou ainda. deixar de administrá-lo no horário correto. comuns de imprudência e negligência são: antecipar o horário de um medicamento.Aspiração traqueal sem tecnica asséptica.  Execução de um ato em que o executor não tenha conhecimento. inconseqüência. . inexperiência ou inabilidade sobre a arte ou profissão que pratica. Ex: Não usar materiais de precauções padrões.  E a manifestação de vontade defeituosa devido a uma má interpretação dos fatos.  TIPOS DE ERROS NA ENFERMAGEM: 9 . e o pratica para de alguma forma beneficiar-se de algo.  EX.menosprezo de suas obrigaçoes. a falta de habilidade específica para a realização de uma atividade técnica ou científica.  DOLO: ocorre quando o indivíduo age de má-fé.desleixo.sem o conhecimento necessário  A imperícia se revela pela ignorância. ausência de cautela. na maioria das vezes pela omissão.desatenção. administrar o medicamento erradamente. de falta de cuidados  Consiste na violação da regras de condutas.  IMPRUDÊNCIA:  É a prática de um fato perigoso. EX. falta de atenção. com objetivo de prestar uma assistência livre de:  IMPERÍCIA:  É a incapacidade.  É um comportamento de precipitação. O profissional que incorrer nesses erros estará sujeito a condenação por lesão corporal.aptidão ou técnica. EX:Comentar Diagnóstico sigiloso  NEGLIGÊNCIA: (Omissão)  Caracterizada.  ERRO :noção falsa ou imperfeita sobre alguma coisa ou alguma pessoa.

 Prescrição incorreta da via de administração  Dispensação. ocorrido em qualquer fase da terapia de tratamento do paciente.  Dose. alterações física ou quimicamente incompatíveis)  Administração.  Distribuição incorreta da farmácia do medicamento prescrito ao paciente.  Escolha incorreta do medicamento.  Falha na técnica de assepsia. que pode ou não causar danos.  Não administração de um medicamento prescrito para o paciente  Horário. local e velocidade de infusão incorreta  ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO DE ERRO DE MEDICAÇÃO 10 .  Omissão.  Administração do medicamento fora do intervalo de tempo estabelecido pela instituição.  TIPOS DE ERRO DE MEDICAÇÃO  Prescrição.  Medicamento incorretamente formulado ou manipulado antes da administração (diluição incorreta.  Administração de uma dose maior ou menor que a prescrita  Preparo. ERROS DE PROCEDIMENTOS: definido como um evento evitável. na administração do medicamento.

por dois profissionais. GRAVES OU GRAVÍSSIMAS. sempre que possível. 2º INFRAÇÕES GRAVES :As que provoquem perigo de vida. 1º INFRAÇÕES LEVES: As que ofendam a integridade física. Informar ao paciente e família sobre eventuais reações adversas do medicamento. deformidade permanente.AS INFRAÇÕES  LEVES.  Utilizar sistemas de identificação do paciente e do leito. sentido.  Padronizar o armazenamento adequado e identificação completa e clara de todos os medicamentos utilizados na instituição.  CÓDIGO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM. perda ou inutilização de membro. (Contra-indicações. dano moral irremediável em qualquer pessoa. sentido ou função em qualquer pessoa ou as que causem danos patrimoniais ou financeiros. 121. 11 . mental ou moral de qualquer pessoa. 3º INFRAÇÕES GRAVÍSSIMAS: As que provoquem morte.  Seguir os protocolos institucionais de administração de medicamentos. efeitos terapêuticos e colaterais. debilidade temporária de membro. função ou ainda. sem causar debilidade ou aquelas que venham a difamar organizações da categoria ou instituições. segundo a natureza do ato e a circunstância de cada caso. Implantar dupla checagem do cálculo de medicamentos.  Utilizar materiais e técnicas estéreis para administrar medicamentos por via intravenosa.ART.  Adquirir conhecimentos fundamentais sobre farmacologia (indicações. cuidados específicos )  Adotar sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária.