P. 1
folder de combate do caramujo africano SEMAM aripaunã segunda versão

folder de combate do caramujo africano SEMAM aripaunã segunda versão

|Views: 120|Likes:
Publicado porTiago Alexandre
folder sobre combate do caramuoj africano produzido pela secretaria municipal de meio ambiente do municipio de aripuanã-mt
folder sobre combate do caramuoj africano produzido pela secretaria municipal de meio ambiente do municipio de aripuanã-mt

More info:

Categories:Types, Brochures
Published by: Tiago Alexandre on Sep 21, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/21/2012

pdf

text

original

S E C R E T A R IA MU N I C IP A L D E M E IO A M BI E NT E D E A R IP U A NA

O QUE NÃO RECOMENDAMOS MEDIDAS DE CONTROLE DO CARAMUJO
A maneira mais eficaz de combater o caramujo é a coleta manual e a destruição dos caramujos individualmente com uso de uma enxada ou pedaço de madeira e cobri-los com cal e em seguida os enterre em uma vala de 30-40cm de profundidade, por causa do mau cheiro e para prevenir o nascimentos de ovos que possam estar dentro da concha dos mesmos Uma segunda medida de combate é manter o quintal limpo, em geral as pragas seguem a regra dos três “Ás”, elas precisam de três coisas para sobreviver que são: Água, Abrigo e Alimento, retire um desses três itens e o caramujo não sobrevive. Estes moluscos vivem em locais úmidos e sombreados, como beira de muros e monte de tijolos, danificando plantas normalmente durante a noite .

• Não use sal para controlar os caramujos, pois é
pouco pratico e da mesma forma é necessário destruir as conchas do caramujo;

• O uso iscas tóxicas ou moluscicidas a base de metaldeido, foi proibida por ser um produto altamente tóxico as pessoas animais e ao ambiente, trazendo grandes riscos a saúde humana a longo prazo, contaminando água, solo e alimentos (verduras e legumes se aplicado em hortas) ou até 50 metros próximo de poços e nascentes; • Jamais jogue os caramujos coletados no lixo em matas terrenos baldios ou bueiros, pois você só estará aumentando o problema tornando quase impossível o controle do caramujo.

Combate ao Caramujo Africano (Achatina fulica)

O CARAMUJO POSSUI PREDADORES QUE SÃO:
Já foi observado caramujos sendo consumidos pelos seguintes animais: • Patos, galinhas, bem-te-vis, gatos, lagartos, ratos, saracuras, gambás.

Mantenha o lote limpo

CUIDE TAMBÉM:
Evite contato com o caramujo; Utilize sempre luvas descartáveis ou sacos plásticos sem furos para proteger as mãos durante a coleta; Lave sempre as mãos após manusear os caramujos ou área contaminada; Descarte frutas legumes e verduras que entrarem em contato com os caramujos; Utilize estopas embebidas com leite ou cerveja, para atrair o caramujo, isso facilita a catação;

S E C R E T A R I A M U N I CI P A L D E M E I O A M B I E N T E D E A R I P UA N Ã Ruas Claudino Aleixo, 411 - CEP 78.325-000 Aripuanã - MT Tel: 66 3565 2950 Email: meioambiente.aripuana@gmail.com

O Controle depende de você!

O caramujo
O caramujo-africano-gigante costuma ser confundido com o aruá-do-mato ou caramujo-de-boca-rosada (Megalobulimus sp.) que é nativo brasileiro, mas uma maneira de diferenciá-los é que o caramujo-africano possui a borda da concha cortante enquanto o aruá-domato possui uma borda espessa visto nas imagens abaixo:

Os maiores Problemas Observados com o caramujo são:
Na Saúde Publica: Apesar de não houver
casos confirmados no Brasil de Angiostrongylus costaricensis e A. cantonensis transmitidos pelo caramujo africano, eles podem transportar vermes e doenças por se alimentar de lixo, fezes de animais e até mesmo animais mortos, trazendo risco a saúde humana.

O caramujo-africanogigante ou caramujogigante (Achatina fulica), como o próprio nome diz é originário da África, se tornou problema em vários países. Foi introduzido no Paraná em 1988 como uma alternativa barata ao escargot (Helix aspersa), que é muito apreciado pelos franceses, mas que não teve nenhuma aceitação no Brasil. O caramujo-africano não pertence à fauna brasileira, mas já é encontrado em todos os estados do Brasil, Aripuanã suspeita-se que tenha sido introduzido acidentalmente a aproximadamente 10 anos. Essa espécie é extremamente prolífera, principalmente na estação chuvosa. Alcança a maturidade sexual aos 4 - 5 meses; a fecundação ocorre cruzada (mutuamente). Os indivíduos são hermafroditas, realizando até 04 posturas anual, com 50 a 400 ovos, por postura, que medem de 5-6 mm de comprimento por 4-5 mm de largura e hibernam abaixo de 10º C, à seca e ao sol intenso.

Na Agricultura: Devido as suas características morfofisiológicas e o hábito alimentar, é uma espécie voraz., sendo assim uma praga agrícola de importância (infestam hortaliças diversas, feijão, batata, batata-doce, etc.). Os caramujos comem também, sacolas plásticas, papelão, madeira podre, tintas e capins colonião.

Arua-do-mato

Borda da conc ha espe ssa

Caramujo-Africano

Borda cortante

No Ambiente: O caramujo africano por ser Doenças que podem ser transmitidas pelo Caramujo-Africano
altamente prolifero, ele compete com a malacofauna local, ou seja, com os moluscos nativos como por exemplo: o aruá-do-mato (Megalobulimus cf. oblongus) que na presença do caramujo africano não reproduz.

O Caramujo-africano podem transmitir vermes prejudiciais à saúde humana, causadores de doenças graves, com sintomas variando entre distúrbios do sistema nervoso, fortes e constantes dores de cabeça, perfuração intestinal e hemorragia abdominal, resultando em alguns casos em óbito. Vale lembrar que os mesmos problemas são transmitidos, por lesmas e caracóis nativos.

Aruá-do-mato (Megalobulimus cf. oblongus)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->