P. 1
Direitos e Deveres Do Advogado

Direitos e Deveres Do Advogado

|Views: 23|Likes:
Publicado porRei Naldo L

More info:

Published by: Rei Naldo L on Sep 27, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/11/2013

pdf

text

original

DIREITOS E DEVERES DO ADVOGADO

• Direitos do Advogado: • Previsão Legal: Art 6º, 7º , incisos I à XX , além dos Arts. 15 à 19 de RGEAOAB. • Art. 6º. Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos. • Parágrafo único: As autoridades, os servidores públicos e os serventuários da justiça devem dispensar ao advogado, no exercício da profissão, tratamento compatível com a dignidade da advocacia e condições adequadas a seu desempenho.

767/2008) . incontestável e imprescindível para manutenção aplicação e adminsitração da justiça e exercício profissional. bem como autoridades públicas. • Art. São direitos do advogado: • II . desde que relativas ao exercício da advocacia.• Este artigo assegura ao advogado a independência em igualdade perante os Órgãos da Justiça. de sua correspondência escrita.A inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho. 7º. direito este. eletrônica e telemática. (inciso com redação determinada pela Lei 11. bem como de seus instrumentos de trabalho.

seus instrumentos de trabalho. imune. ele exerce um serviço público e tem função social. posto que mesmo que ao advogado exerça um Ministério Privado. • Só podem ser quebradas por decisão judicial fundamentada. inacessível. através da busca e apreensão. • Ex: Arquivos. . a inviolabilidade é uma das mais importantes garantias do advogado.• Inviolabilidade. sejam físicas ou virtuais. correspondências. pode ser entendido como inatacável. Visa proteger uma situação ou um bem jurídico. impraticável. • O escritório ou local de trabalho. • Assim como a liberdade. bem como.

por motivo ligado ao exercício da advocacia. a comunicação expressa à seccional da AOB. para a lavratura do auto respectivo.• Busca-se com a inviolabilidade a liberdade de defesa e do sigilo profissional. quando preso em flagrante. • IV – ter a presença de representante da OAB. sob pena de nulidade e. nos demais casos. . É um direito/dever do advogado manter silêncio sobre os fatos revelados pelo seu cliente.

sob pena de nulidade do mesmo. se não envolver prisão em flagrante o advogado tem o direito de que o fato seja comunicado a OAB.• Quando o advogado for preso em flagrante por motivo ligado ao exercício da advocacia. é obrigatória a presença de um representante da OAB para a lavratura do auto de prisão em flagrante. . quando não houver nexo entre a prisão e o exercício profissional. • Nas demais hipóteses.

. • O ofensor será informado da reclamação proferida.• XVII – ser publicamente desagravado. concedendo-lhe o direito da ampla defesa. assim como pode a OAB oficiar a Corregedoria do órgão ao qual pertence o ofensor para as providencias cabíveis. quando ofendido no exercício da profissão ou em razão dela. • Pode ser feito de ofício pelo Conselho Seccional independente da anuência do advogado. • O desagravo tem a função de garantir as prerrogativas doa dvogado. • O desagravo é um procedimento formal que tem por objetivo consignar repúdio público da classe de advogados e da própria OAB sobre uma ofensa proferida por qualquer autoridade contra advogado no exercício da profissão.

. o advogado poderá retirar-se do local e comunicar por petição protocolada em juízo. sem que o magistrado que presidiria a audiência esteja presente. • Este inciso não se aplica quando o magistrado encontra-se presidindo outras audiências.• XX – retirar-se do recinto onde se encontre aguardando pregão para ato judicial. e que este não se realizou em razão da ausência do atraso do magistrado. mediante comunicação protocolizada em juízo. • Designado a audiência e passados trinta minutos do horário. após trinta minutos do horário designado e ao qual ainda não tenha comparecido a autoridade que deva presidir a ele. comprovando o tempo que esteve presente aguardando o ato judicial.

. • Se o advogado for inquirido como testemunha em um processo que o mesmo atuou ou sobre fato relacionado a um ex-cliente atual. quando assume a defesa judicial ou extrajudicial do cliente. em manter silêncio sobre os fatos por ele revelados. ou sobre fato relacionado com pessoa de quem seja ou foi advogado. bem como sobre fato que constitua sigilo profissional. e mesmo que o cliente peça esse dever deve ser cumprido. Ainda que solicitado pelo cliente. deve comparecer e informar que encontra-se impedido de prestar testemunho. • O sigilo Profissional é o direito/dever do advogado.• XIX – recusar-se a depor como testemunha em processo ao qual funcionou ou deva funcionar. mesmo quando autorizado ou solicitado pelo constituinte.

• Art. salvo grave ameaça à vida. . impondo-se o seu respeito. em defesa própria. 25 do CED: O sigilo profissional é inerente a profissão. porém sempre restrito ao interesse da causa • Art. desde que autorizado aquele pelo consituinte. tenha que revelar segredo. 27 do CED: As confidencias feitas ao advogado pelo cliente podem ser utilizadas nos limites da necessidade da defesa. á honra ou quando o advogado se veja afrontado pelo próprio cliente e.

• Previsão legal inerente ao sigilo profissional: • • • • • Código Civil: Art. 347 Código Penal: Art. 154 Código de Processo penal: Art. 229 Código de Processo Civil: Art.26 e 27 . 25. 207 Código de Ética e Disciplina: Art.

permanecendo a imunidade para os crimes de injúria e difamação. sem prejuízo das sanções disciplinares perante a OAB. em juízo ou fora dele.127/08. pelos excessos que cometer. não constituindo injúria. no exercício de sua atividade. XX – parágrafo Segundo: O advogado tem imunidade profissional. .• Art. • O STF declarou inconstitucional o tipo de desacato no julgamento da ADIn 1. difamação ou desacato puníveis qualquer manifestação de sua parte.

139 do CP) .• Logo. o que se resguarda é a liberdade de expressão. 140 do CP) e a difamação (Art. • Com isso o EAOAB descriminalizou para o advogado. uma vez que a mesma é a mola propulsora de uma advocacia justa e democrática de direito. a prática da injúria (Art. no exercício da advocacia.

buscando sempre o acordo. E possui sobretudo obrigação com seus assistidos. ilibada. correta. Se manter atualizado. • 2 – O advogado deve evitar o litígio.DEVERES DO ADVOGADO • Previsão legal: Os deveres estão previstos no Código de Ética e Disciplina. estudando. o judiciário seria o último recurso. • 1 – Manter uma conduta íntegra. Não usar a advocacia para se auto promover. .

haja vista que não é o advogado que decidi.• 3 – O advogado não pode tentar um acordo ou conversar com a parte contrária sem anuência de seu cliente. mas sim esforço. • 4 – O Advogado deve conscientizar seu cliente sobre os riscos da demanda. . e que se isso acontecer deverá pagar honorários de sucumbência. • A Advocacia não é atividade fim e sim de meio. advogado não promete resultado. Advertir que o cliente pode ser derrotado.

dos valores dos honorários.Não pode deixar o processo ao abandono. • 7. sendo vedado falsear a verdade dos fatos nos autos. .• 5 – O Advogado tem que dar satisfação para o cliente do andamento processual e ao final do processo prestar contas dos valores gastos com custas judiciais. • 6 – O advogado tem a obrigação de zelar pela correta aplicação da lei.

. • 11 – O advogado deve defender os interesses do cliente na esfera criminal mesmo sem acreditar na sua inocência. ou seja prejudicar interesse de seus clientes. • 9 – O advogado não pode patrocinar causar de interesses opostos. • 10 – O advogado não pode ser advogado e preposto na mesma causa. não pode perder prazo.• 8 – Não pode perder audiência.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->