P. 1
00 - Curso Mediunidade Sem Preconceito - Capa + Indice

00 - Curso Mediunidade Sem Preconceito - Capa + Indice

4.5

|Views: 737|Likes:
Publicado portchauradar

More info:

Published by: tchauradar on Jan 20, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/05/2012

pdf

text

original

CURSO

MEDIUNIDADE
SEM PRECONCEITOS
- VERSÃO – 2008 -
CURSO
“MEDIUNIDADE SEM
PRECONCEITO”
Elaborado por:
Edaldo !"l#$%&'(
Par)(#(pa*+o d%:
,%a-(-% .%-%d()$ !"l#$%&'(
,%a- E//a-"%l !"l#$%&'(
,o#(%l0 T1 R1 21 !"l#$%&'(
D%d(#o %&)% /a)%r(al d% %&)"do do
“C"r&o M%d("-(dad% &%/ Pr%#o-#%()o” ao&
/%"& pa(&3 4"% 56 r%7r%&&ara/ 8 p6)r(a %&p(r()"al3
9%r#:l(o !"l#$%&'( % A"r%a ;"r)ado !"l#$%&'(3
por )%r%/ prop(#(ado a /(/ % a /(-$a <a/:l(a
a opor)"-(dad% d% -%&)a %-#ar-a*+o #$%7ar/o&
ao #o-$%#(/%-)o da Do")r(-a E&p:r()a1
Edaldo
N+o pod%r:a/o& d%(=ar d% /%-#(o-ar a (/por)>-#(a 4"% a&
;a#"ldad%& I-)%7rada& E&p:r()a )(%ra/ -a a/pl(a*+o do -o&&o
#o-$%#(/%-)o &obr% a Do")r(-a E&p:r()a1 O C"r&o d% T%olo7(a E&p:r()a #o/
?-<a&% -a C(?-#(a do E&p:r()o3 -o& abr(" /"()o& $or(@o-)%& % &%r(a "/ 7ra-d%
%rro d% -o&&a par)%3 -+o #o/par)(l$ar )odo %&&% #o-$%#(/%-)o ob)(do3 por
(&&o %labora/o& %&)% C"r&o3 4"% d%-o/(-a/o& “M%d("-(dad% S%/
Pr%#o-#%()o&”1 No&&o /"()o Obr(7ado ao& pro<%&&or%&3 ao d(r%)or da U-(dad%
d% C(?-#(a& R%l(7(o&a& % T%olo7(a E"r:p%d%& .ar&a-"l<o % ao R%()or da&
;a#"ldad%& I-)%7rada& E&p:r()a1
Edaldo
MEDIUNISMO NÃO A EBCCUSIVISMO DO ESPIRITISMO
O ;a)o /%d(D-(#o apar%#% %/ )oda& a& r%l(7(E%&
Allan Kardec não fundou o Espiritismo, não foi uma descoberta, nem uma
invenção, ele apenas coodificou, organizou, deu lógica didática a Doutrina dos
Espíritos. E como muita coisa avia ficado para ser dita pelos Espíritos ! "ue ainda
o#e se manifestam atrav!s de outros m!diuns trazendo novos conecimentos e
complementando o "ue Kardec apenas iniciou nos $% anos de coodificação &$'() a
$'*+,.
-onsideraç.es/
$. $% anos foi muito pouco tempo e os Espíritos não conseguiram revelar tudo.
%. 0e os Espíritos tivessem dito tudo a Kardec, não teríamos motivo para ter outros
livros "ue viessem complementar a Doutrina, tais como os psicografados por
-ico 1avier, Divaldo 2. 3ranco, entre outros.
AUTORIDADE DA DOUTRINA ESPFRITA
Co-)rol% "-(%r&al do %-&(-o do& E&p:r()o& GESEH
0e a Doutrina Espírita fosse de concepção puramente umana, não ofereceria
por penor senão as luzes da"uele "ue a ouvesse concebido.
0e os Espíritos "ue a revelaram se ouvessem manifestado a um só omem,
nada le garantiria a origem &...,.
4essa universalidade do ensino dos Espíritos reside a força do Espiritismo e,
tamb!m, a causa de sua tão rápida propagação.
5amb!m ressalta "ue as instruç.es dadas pelos Espíritos sobre os pontos ainda
não elucidados da Doutrina não constituirão lei, en"uanto essas instruç.es
permanecerem insuladas &...,.
-om e6trema sabedoria procedem os Espíritos superiores em suas revelaç.es.
4ão atacam as grandes "uest.es da Doutrina senão gradualmente, 7 medida "ue
a intelig8ncia se mostra apta a compreender verdade de ordem mais elevada e
"uando as circunst9ncias se revelam propicias 7 emissão de uma id!ia nova.
2or isso ! "ue logo de principio não disseram tudo, e tudo ainda o#e não
disseram, #amais cedendo 7 impaci8ncia dos muito afoitos, "ue "uerem os frutos
antes de estarem maduros.
CIVRO DOS MADIUNS INSPIROU O CURSO MEDIUNIDADE SEM
PRECONCEITO
:s "ue dese#em tudo conecer de uma ci8ncia devem necessariamente ler tudo
o "ue se ace escrito sobre a mat!ria, ou, pelo menos, o "ue a#a de principal, não
se limitando a um ;nico autor. Devem mesmo ler o pró e o contra, as críticas como
as apologias, inteirar<se dos diferentes sistemas, a fim de poderem #ulgar por
comparação.
2or esse lado, não preconizamos, nem criticamos obra alguma, visto não
"uerermos, de nenum modo, influenciar a opinião "ue dela se possa formar.
5razendo nossa pedra ao edifício, colocamo<nos nas fileiras. 4ão nos cabe ser #uiz
e parte e não alimentamos a ridícula pretensão de ser o ;nico distribuidor da luz.
5oca ao leitor separar o bom do mau, o verdadeiro do falso.
=> $? parte cap @@@ ítem A(
INDICE
0I - A IDAIA DA COMUNICAJÃO COM OS ESPFRITOS1111111111111111111111111111111111111111
02 - A MEDIUNIDADE NA ANTIKUIDADE1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
0L - A MEDIUNIDADE NA IDADE MODERNA 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
0M - A MEDIUNIDADE E OS CIENTISTAS11111 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
0N - ONDAS ENERKATICAS E ;CUIDOS1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
0O - PRINCFPIO VITAC E ;CUIDO VITAC11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
0P - OS SUKADORES DE ENERKIA1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
08 - O ESPFRITO E SEUS CORPOS – PERISPFRITO1111111111111111111111111111111111111111111111
0Q - O DUPCO ETARICO111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
I0 - C9ACRAS1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
II - MEDIUNIDADE O RUE A1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
I2 - CCASSI;ICAJÃO DA MEDIUNIDADE11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IL - CCASSI;ICAJÃO DOS MADIUNS11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IM - IN;CUSNCIA MORAC DOS MADIUNS11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IN - MEDIUNIDADE – PROCESSO CFCCICO11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IO - EDUCAJÃO E ;UNJÃO DOS MADIUNS11111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IP - PAPEC DOS MADIUNS NAS COMUNICAJTES ESPFRITAS111111111111111111111111111
I8 - ENVOCVIMENTO MEDIUNICO11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
IQ - IDENTI;IDADE DOS ESPFRITOS1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
20 - EVOCAJTES DOS ESPFRITOS111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2I - NATUREVA DAS COMUNICAJTES11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
22 - DI;ERENJA ENTRE MADIUNS ESPFRITAS E DE UM.ANDA11111111111111111111111
2L - CEIS AS COMUNICAJÃO ESPFRITA111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2M - ;CUIDOS – PERCEPJÃO E ANWCISE111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2N - ANIMISMO11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2O - INSPIRAJÃO – INTUIJÃO - TECEPATIA11111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2P - EPF;ISE - MECANISMO DA COMUNICAJÃO ESPFRITA1111111111111111111111111111111
28 - PSICO;ONIA 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
2Q - PSICOKRA;IA11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
L0 - VIDSNCIA1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LI - AUDISNCIA1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
L2 - ECTOPCASMA1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LL - ;ENXMENOS DE E;EITOS ;FSICOS GMATERIACIVAJÃOH11111111111111111111111111
LM - TIPTOCOKIA GMESAS KIRANTESH11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LN - CEVITAJÃO111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LO - CASAS ASSOM.RADAS111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LP - VOV DIRETA11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
L8 - DOENJAS – TIPOS E COMO SURKEM1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
LQ - MECANISMOS DA CURA ESPIRITUAC11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
M0 - A CURA ESPIRITUAC E A MEDICINA O;ICIAC DA TERRA111111111111111111111111111
MI - ;CUIDOTERAPIA - PASSE111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
M2 - ;CUIDOTERAPIA - PRECE111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
ML - ;CUIDOTERAPIA - IRRADIAJÃO11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
MM - ;CUIDOTERAPIA – WKUA ;CUIDI;ICADA11111111111111111111111111111111111111111111111111111
MN - ;CUIDOTERAPIA – ATENDIMENTO ;RATERNO111111111111111111111111111111111111111111
MO - ;CUIDOTERAPIA – EVANKEC9O NO CAR1111111111111111111111111111111111111111111111111111
MP - TERAPIAS ACTERNATIVAS111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
M8 - .ENVIMENTOS E DE;UMAJTES1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
MQ - ;EITIJARIA3 TACISMÃS E AMUCETOS1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
N0 - PREMONIJTES3 PRESSENTIMENTOS3 PREVISTES11111111111111111111111111111111111
NI - DESDO.RAMENTO ANFMICO GAPOMETRIAH 1111111111111111111111111111111111111111111111
N2 - PERDA E SUSPENSÃO DA MEDIUNIDADE11111111111111111111111111111111111111111111111111
NL - SONO E SON9OS1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
NM - O.SESSÃO E DESO.SESSÃO1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
.XNUS
NN - 9IKIENIVAJÃO ESPIRITUAC DA TERRA111111111111111111111111111111111111111111111111111111
NO - A ENERKIA DO AMOR11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
NP - ESCREVER E REESCREVER A 9ISTYRIA DA VIDA11111111111111111111111111111111111
N8 - AMAR A SI MESMO1111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
NQ - OPORTUNIDADES DE PRATICAR O .EM111111111111111111111111111111111111111111111111111
O0 - ;AMFCIA: MUDAR PARA MEC9OR111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
INTRODUÇÃO
A CAMINHO DA NOVA ERA
Estamos distraídos impacientes como se carregássemos conosco todo o barulo deste mundo
conturbadoB 0omos superficiais e apressados, como se todo corre<corre louco dos carros e das
má"uinas corresse em nosso sangueB Estamos com o coração poluído, agitado, partido, incapaz de
mergular nas profundezas do sil8ncio, na intimidade do serB 2or"ue tanta pressaB 2or "ue tanta
agitação, tanto nervosismo, tanta falta de espontaneidadeB
Camos despertar esta sede de Deus "ue mora em nós e "ue tentamos abafar, com o barulo da
m;sica, com as divers.es fáceis, com drogas, se6o e ilus.es.
-om a cegada do s!culo %$ devemos nos "uestionar sobre "ual será a nossa atitude frente 7
vida, ou ainda, "ual será nossa preocupação para uma melor realização pessoal. 2arecem "uest.es
simples e óbvias, por!m todas as mudanças do mundo atual nos fazem ver "ue uma postura de
simples observação, acomodação ou mesmo distanciamento nada somaram para "uem "uer
sobreviver na Era do Espírito.
A busca de diferenciação pessoal imp.e "ue se este#a muito bem afinado 7s premissas dos novos
tempos. Estas premissas solicitam estar a par de tudo "ue virá a vigorar na 4ova Era. >as afinal, o
"ue ! tudo issoB : "ue ! a 4ova Era, a Era do Espírito, a Era dos Calores Dticos, >undo Eolístico ou
Era da @nformaçãoB : "ue ! o novo 2aradigmaB 5odos esses nomes t8m correlaç.es muito
pró6imas. >as, independente do nome "ue se d8, o "ue importa ! saber "ue o novo mil8nio nos
imp.e novas atitudes e comportamentos.
Fá estamos na transição para a 4ova Era, e estar tomando consci8ncia dessa mudança #á nos faz
ver "ue novos conceitos e uma nova forma de pensar devem começar a vigorar.
Estar em condiç.es de viver no novo mil8nio e6ige uma visão universalista do mundo, ou se#a,
devemos olar para o con#unto e ver a tend8ncia da natureza em caminar para uma organização
mais apurada. D a tend8ncia universal de sintetizar as partes num todo organizado.
>uito pró6ima a essas definiç.es está a 5eoria 0ist8mica, "ue segundo alguns autores, ! igual 7
visão da globalização. 5rata<se da id!ia de "ue nada pode ser encarado isoladamente, mas deve ser
visto como parte de um sistema, dei6ando de lado os velos padr.es fragmentados, onde tudo era
causaGefeito, num pensamento linear.
Civemos tamb!m a Era da @nformação. A e6plosão das comunicaç.es nos forçou a integrar novos
conecimentos aos nossos antigos pontos de vista. Eá mais informaç.es disponíveis o#e do "ue em
"ual"uer !poca da nossa istória. -om isso, nos ! permitido ver o mundo de uma perspectiva muito
mais abrangente e profunda "ue a de nossos antepassados.
A camada Era do Espírito !, na verdade o renascimento de uma percepção ampliada da
realidade e compreende um repensar da e6ist8ncia umana em si. >as não á nada de mais antigo
do "ue o conte;do dessa Era. Atrav!s da istória sempre ouve pessoas "ue acreditavam "ue a
condição comum do ser umano poderia ser transcendida.
A visão do mundo preconizada pela 4ova Era na verdade tem suas raízes no passado remoto da
istória umana. 2ode<se dizer, contudo, "ue o movimento cultural a "ue camamos 4ova Era teve
seus contornos melor definidos a partir das d!cadas de *H e )H. E nos anos 'H e +H começamos a
perceber a direção e magnitude dessas mudanças.
Dizemos "ue estamos 7 beira de um novo paradigma por"ue uma nova estrutura de pensamento
passou a ser difundida. IJma mudança de paradigma ! uma maneira clara e nova de pensar sobre
velos problemas. Jm novo paradigma envolve um princípio "ue sempre e6istiu, mas do "ual não nos
apercebíamosK. &>erilLn 3ergson, $+'H,
: paradigma da Era do Espírito ou dos Calores Dticos, v8 a umanidade embutida na natureza,
promove a autonomia do indivíduo em uma sociedade descentralizada. Encara<nos como os
administradores de todos os recursos, internos e e6ternos, sem contrariar a natureza. -om isso cria<
se oportunidade para as pessoas e6perimentarem mudanças de consci8ncia. 5emos "ue parar para
pensarM 2arar para ver o "uanto temos contribuído, ou, ainda, o "uanto temos se preparado para
viver no terceiro mil8nio, "ue será a Era do Espírito e dos Calores Dticos. E, sobretudo, estar
consciente da total responsabilidade "ue cada um de nós tem, no preparo da 4ova Era.
Civemos um momento istórico e decisivo em nosso processo evolutivo, a se refletir em todos os
campos do conecimento umano. A situação do problema medi;nico, nesta fase de acelerada
transição da vida terrena, e6ige "ue os estudos e as refle6.es sobre a >ediunidade se#am facilitados
e "ue cegue ao alcance de todos. 4este sentido, procuramos demonstrar, nesta obra, o "ue ! em
ess8ncia e como funciona a >ediunidade. 4ão podemos es"uecer tamb!m "ue foi atrav!s de uma
s!rie de fenNmenos de efeitos físicos "ue se deu a origem da Doutrina Espírita e como espíritas
temos "ue saber como eles acontecem.
Edvaldo KulcesOi

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->