Sociedade e Contemporaneidade

ORIGENS DO PENSAMENTO SOCIAL
Por Prof(a)Ellen Plümer

s primeiros passos da nossa jornada têm por objetivo tornar conhecidos os instrumentos que as Ciências Sociais nos oferecem para a compreensão da realidade social. Começaremos conhecendo como nasceu a busca permanente que empreendemos, para a resposta a três perguntas que nos fazemos desde os tempos da Grécia Antiga:

O

Fonte 1: Arquivo Ulbra Ead

Contexto histórico surgimento Ciências Sociais
Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência
3

V

amos começar, então, estudando o contexto histórico de surgimento das Ciências Sociais e identificando as transformações culturais, econômicas e políticas que tornaram possível o surgimento das Ciências em geral, como forma moderna de organização do conhecimento.
Fonte 2: Arquivo Ulbra Ead

Assim, precisamos conhecer o período Feudal (fase anterior à Revolução Científica) e as explicações então produzidas sobre a humanidade, a natureza e a sociedade. Em seguida, verificaremos como as Revoluções Industrial e Francesa (fase pós-Revolução Científica), contribuíram para a consolidação do sistema capitalista e para a ascensão econômica, política e cultural da classe burguesa.

Período Feudal – as explicações sobre a humanidade, a natureza e a sociedade eram baseadas na visão teológica.

A Ciência antes da Revolução Científica
A humanidade sempre refletiu sobre os fatos e problemas da sua vida social, procurando compreendê-los. Para compreendermos a produção cultural de um povo é necessário verificarmos como os indivíduos se relacionam ao produzir sua própria existência. As primeiras tentativas

www.ulbra.br/ead

Sociedade e Contemporaneidade
As primeiras tentativas para compreender os fenômenos sociais baseavam-se mais na imaginação do que na inin vestigação científica.

de compreender as relações sociais baseavam-se mais na imaginação do que na investigação científica dos fenômenos. Na Grécia Antiga, os deuses e heróis eram usados para explicar certos fenômenos sociais e manter a ordem no mundo moral e físico. Neste período vigorava o sistema escravista; o trabalho manual era desvalorizado. Por outro lado, era valorizada à atividade intelectual contemplativa, dissociada da prática. Esta atividade era considerada superior, pois se dedicavam a filosofar os indivíduos que não precisavam se preocupar com o dia-a-dia e podiam se entregar ao ócio.1 Embora Platão (427-348 a.C) em sua obra A República e as Leis e Aristóteles (385-322 a.C) em A Política, tenham refletido sobre algumas questões sociais, o fator político sob o domínio de um interesse puramente ético tinha prioridade na sua filosofia. Esses pensadores não tinham a própria sociedade como objeto específico do conhecimento. Seu objeto essencial de estudo era a política e a moral, numa perspectiva normativa e

Fonte 3: Arquivo Ulbra Ead

finalista; ou seja, buscavam estabelecer normas e regras para a vida social. Portanto, apreendiam uma parte da vida social. Neste sentido, estavam mais preocupados em refletir, sobre o que as sociedades deveriam ser e como deveriam organizar-se para serem tão perfeitas quanto possível.2

Na Idade Média as explicações sobre a realidade eram dadas pelos teólogos e católicos, que justificavam e a ordem social de acordo com as escrituras sagradas.

Na Grécia Antiga, os fenômenos sociais eram explicados através dos deuses e heróis.

No século V d.C., Santo Agostinho (354430), um dos mais importantes teólogos católicos, escreve A Cidade de Deus, na qual conta a história da humanidade desde a criação até aqueles dias, definindo a missão dos cristãos perante a sociedade da época. A perspectiva bíblica, em

www.ulbra.br/ead

4

Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência

Na Idade Média, o pensamento social de origem greco-latino, desenvolvido no período anterior a Cristo, e, portanto, concebido fora dos preceitos sagrados do cristianismo, foi confinado nos conventos e tornado inacessível, a não ser aos teólogos católicos encarregados de explicar e justificar a ordem social de forma coerente com as escrituras sagradas, que propunham normas de conduta moral que orientavam a população para a vida numa sociedade ideal e sem pecados. As formas de explicar a natureza e a sociedade eram, então, baseadas no conhecimento teológico. Ou seja, tudo era atribuído à vontade divina e à natureza das coisas. Esta era a explicação que justificava as diferenças entre os indivíduos.3

Fonte 4: Arquivo Ulbra Ead

Fonte 5: Arquivo Ulbra Ead

Dentre os grandes pensadores desta época estava Erasmo de Roterdam (1467-1536). Nos séculos XV. e. assume a função de explicar as razões de a ordem social ser como era. A sociedade não era pensada no seu todo. Os fenômenos naturais como enchentes. A percepção de um mundo territorialmente maior.Sociedade e Contemporaneidade oposição à tradição do pensamento greco-latino. XVI e XVII ocorreram.br/ead Fonte 6: Arquivo Ulbra Ead Os teólogos explicavam a sociedade a partir dos princípios religiosos. secas) eram manifestações da ira de Deus. desenvolve novos mercados. eram atribuídos a manifestações de ira e descontentamento divino. já que dificilmente um indivíduo tinha como sair de uma posição social à outra. como outros povos. notícias como a descoberta da América. A sociedade era estática. assim. constantemente à autoridade e ao dogma religioso. As justificativas para a ordem social apelavam. Reforma Protestante. Imaginem o que deve ter representado para os indivíduos do século XV. comerciantes). XVI e XVII começam a haver mudanças nas formas de se explicar a natureza. Este pensador rejeitava a monarquia hereditária e defendia a autoridade do príncipe. artesãos. descobrimento da América). que contribuíram para a desagregação da sociedade feudal para o surgimento do capitalismo. nobreza. o descobrimento das Índias e da América. Acreditava-se que alguns “eleitos” por Deus já haviam nascido para realizar determinadas atividades (clero. grandes navegações.4 A sociedade era estática. pois os teólogos somente a concebiam se fundada sobre princípios religiosos. relâmpagos. não existia mobilidade social e acreditava-se que os fenômenos naturais (enchentes. aristocracia. de um novo mundo. quase não existia mobilidade social. para além da Europa. outros para servir os escolhidos de Deus (servos. a sociedade e a própria humanidade (Renascimento. chamava-se o “Elogio da Loucura”. Quais foram essas mudanças? A partir dos séculos XV. a sociedade e a humanidade.ulbra. mudanças na forma de conceber e pensar a natureza. que entendia que o destino humano era obra humana. criam-se as condições para o desenvolvimento científico e tecnológico ampliando os horizontes humanos sobre a concepção de mundo da época. Procurou combater a ignorância monástica e o abuso da Igreja em relação às solicitações Fontw 8: Arquivo Ulbra Ead www.5 No século XV. amplia o comércio. Tudo girava em torno dos interesses da Igreja Católica que monopolizava o pensamento da época. e era imagem terrestre da cidade de Deus. como se ela fosse uma imagem terrestre da cidade de Deus. na Europa. percebida por seus habitantes como centro do mundo. com a expansão marítima. Os teólogos estavam mais preocupados com discussões metafísicas que justificassem a fé cristã. culturas e outras formas de explicar a realidade. reis). cuja obra prima é uma sátira. raios. exige dos europeus um novo modo de ver e pensar a sociedade e a natureza das coisas. 5 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Fonte 7: Arquivo Ulbra Ead . camponeses.

ocorre a Reforma Protestante. já que admite o uso da violência. de forma significativa. os fenômenos sociais eram explicados através dos deuses e heróis e serviam para manter a ordem no mundo moral e físico.7 Revisão A Ciência antes da Revolução Científica A humanidade sempre refletiu sobre os fatos e problemas da sua vida social. que. não existia mobilidade social e acreditava-se que os fenômenos naturais (enchentes. a sociedade e a humanidade. inaugura o pensamento político moderno ao teorizar sobre a arte da conquista e da preservação do poder e chamar a atenção para o fato de que a lógica da luta pelo poder não obedece á moral religiosa dominante. da mentira e da manipulação como armas da luta política. para a valorização do conhecimento racional. o descobrimento das Índias e da América. Na Grécia Antiga. As primeiras tentativas de compreender as relações sociais baseavam-se mais na imaginação do que na investigação científica dos fenômenos. ocorre a Reforma Protestante. Na Idade Média . secas) eram manifestações da ira de Deus. que permite a livre leitura das Escrituras Sagradas e aos homens que se relacionem com Deus individualmente. Outro grande pensador da política foi Nicolau Maquiavel (1469-1527).ulbra. assim.8 www. Quais foram essas mudanças? No século XV. Os teólogos explicavam a sociedade a partir dos princípios religiosos. A partir do Renascimento os fenômenos sociais passam a ser tratados num nível mais realista. A sociedade era estática. em sua obra “O Príncipe”. procurando compreendê-los. A humanidade já sabe que a Europa não é centro do universo e que existem terras além do Ocidente.6 No século XVI. A partir dos séculos XV. que permite a livre leitura das Escrituras Sagradas e aos homens que se relacionem com Deus individualmente. Assim. se justificavam as diferenças entre os indivíduos.br/ead 6 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . a expansão marítima. Tudo era atribuído a vontade divina e a natureza das coisas. contribuindo assim. No século XVI . desenvolve novos mercados. como se ela fosse uma imagem terrestre da cidade de Deus. criam-se as condições para o desenvolvimento científico e tecnológico ampliando os horizontes humanos sobre a concepção de mundo da época. Valorização do conhecimento racional. sem a intermediação dos representantes da Igreja.Sociedade e Contemporaneidade de dinheiro e trabalho dos religiosos. assim. que justificavam e explicavam a ordem social de açordo com as escrituras sagradas. os espaços para a emergência do conhecimento científico. XVI e XVII começam haver mudanças nas formas de se explicar a natureza. amplia o comércio. Renascimento.os fenômenos sociais passam a ser tratados num nível mais realista. Ampliam-se. sem a intermediação dos representantes da Igreja. Este movimento entra em conflito com o monopólio do Clero na interpretação das Escrituras. Assim. Ampliam-se. os espaços para a emergência do conhecimento científico.as explicações sobre a realidade eram dadas pelos teólogos católicos.

revolucionou a ciência. como: Nicolau Maquiavel (1469-1527). bastando para isso. Isaac Newton(1642-1727). mostra aos cardeais da Cúria Romana que a Terra se movia em torno do Sol. Os pensadores da época acreditam que seria possível explicar cientificamente a sociedade.XVII – nasce Ciência Moderna – defende-se a tese de que a Terra não era o centro do universo. Este período é marcado por pensadores. a quíquí mica. acreditava que usando-se a razão fosse possível encontrar leis que explicassem uma vasta gama de fenômenos.Sociedade e Contemporaneidade pérnico.ulbra. Esta nova forma de se conhecer a natureza. Simultaneamente. permite um grande avanço das ciências naturais. René Descartes(1596-1650). Com o sucesso da Física. Galileu Galilei (1564-1642). explicar cientificamente a sociedade. também. Thomas Hobbes (15881679). explicando a posição e o movimento de todos os corpos no espaço. movimento da Igreja Católica que tinha como função inquirir e investigar toda e qualquer opinião ou teoria que fosse contrária ao ensinamento oficial do Clero. neste período. Isto irá influenciar o surgimento do Século das Luzes. Por outro lado.9 A Revolução Científica. também. John Locke (1632-1704). baseada na experimentação e na observação. marcado pela Inquisição. Nesse período viveu Copérnico (1473-1543). LEI da gravidade de Newton As ciências naturais. que defendia a tese de que a Terra não era o centro do universo. e Newton (1642-1727) descreve com linguagem matemática os movimentos dos planetas ao redor do Sol demonstrados por Co- Séc. A lei da gravidade de Newton. a física e a matemática desenvolvem-se rapidamente.Xchng® Fonte 10: Arquivo Ulbra Ead Fonte 12: Arquivo Ulbra Ead Fonte 13: Arquivo Ulbra Ead . www. Fonte 9: Stock. ocorrida neste período. emerge a Revolução Industrial. Ciência Pós-Revolução Científica Já Galileu-Galilei (1564-1642). este período é. autor da teoria do heliocentrismo. pensadores da época que refletiam sobre a realidade social passaram a acreditar que seria possível. O pensamento científico. que se expandia com intensidade maior que na Idade Média. enfrentava a superstição e a crença na magia.br/ead 7 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência N o século XVII nasce a Ciência Moderna. formular leis que explicassem as características da mesma.

o que levou grande parte da população a ser dizimada. com a introdução da máquina todos membros precisam trabalhar para o seu sustento. As transformações na forma de pensar vêm acompanhadas de mudanças no campo econômico. banqueiros. mudando radicalmente as condições materiais de existência dos indivíduos da época. Gradativamente organiza-se a produção manufatureira. seus costumes e suas instituições. Nas fábricas trabalhavam quatorze. com a Revolução Francesa. impondo à população urbana a vida em condições subumanas e miseráveis de trabalho. o alcoolismo. Por outro lado. ao aumento de investimentos e financiamentos de máquinas.br/ead 8 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência vos. o triunfo do capitalismo. advindas do sistema capitalista. os esgotos eram valas que ficavam a céu aberto. Revolução Industrial Revolução Industrial de origem a uma nova forma de produzir riquezas. portanto. com a Revolução Industrial e. Proliferavam ratos e constantes epidemias de tifo e cólera. As conseqüências da rápida industrialização e urbanização. os lucros dos capitalistas. significativamente também. a fome e a miséria moral e material das famílias. as mulheres e crianças recebiam menos que os homens. dos comerciantes. A organização das fábricas em linhas de produção leva ao aperfeiçoamento das técnicas de produção. sem direito a descanso. que marcarão definitivamente a passagem da Sociedade Feudal para a Sociedade Capitalista. com a introdução da máquina no www. passando fome e sofrendo de doenças epidêmicas. que era baseado no poder patriarcal. o patriarca perde seu poder. descaroçar algodão e máquinas a vapor que aumentam a produtividade no trabalho e. dezesseis horas por dia. ocorrem as transformações econômicas (Revolução Industrial). A As cidades eram pouco desenvolvidas. pois mantinham ativo o comércio ao comprarem e venderem mercadorias entre os países europeus. Alteram o poder dentro da família. Com a necessidade das mulheres e crianças trabalharem. miseráveis. no campo político. Na Inglaterra a introdução da máquina no processo de produção revolucionou as condições de vida da população. Surgem máquinas de tecer. o infanticídio. portanto. não havia casas nem infra-estrutura capaz de absorver este contingente de pessoas. seja com o trabalho domiciliar ou em oficinas. o suicídio. os camponeses são expulsos da terra e vão para as cidades em busca de trabalho. chamados de burguesia comercial. Os salários eram baixos. impediram o desenvolvimento de serviços sanitários e de saúde. Os serRevolução Industrial – introdução da máquina no processo de produção transforma radicalmente a sociedade inglesa da época. Representou. aumentando a prostituição. feriados. culturais (mudanças nas formas de pensar – Racionalismo/Iluminismo).ulbra. férias ou contrato de trabalho. Fonte 15: Wikipedia Fonte 14: Arquivo Ulbra Ead . Essas mudanças no processo de produção de mercadorias transformam a vida dos indivíduos da época.Sociedade e Contemporaneidade No século XVIII. Essas mudanças contribuem para o agravamento dos problemas sociais. políticas (Revolução Francesa). Os indivíduos aglomeravam-se em casebres.

em objeto que precisa ser investigado e analisado. na França. A sociedade passa. A Liberdade guiando o povo (1830. PaPa ris) é uma das obras mais nitidamente românticas e célebres de Delacroix. os Iluministas analisaram quase todos os aspectos da sociedade. o homem e a sociedade. As transformações pelas quais a Inglaterra passava foram acompanhadas pelos militantes políticos ingleses da época. ao refletirem e pensarem sobre as novas condições de vida provocadas pela revolução industrial.ulbra. que não sendo intelectuais ou sociólogos. A Revolução Francesa foi a principal delas. Não tardaram. as pessoas começaram a ficar inquietas com a nova ordem que surgia e a desafiar o poder das monarquias e das instituições da sociedade.Sociedade e Contemporaneidade em problema. Os Iluministas expunham uma visão de mundo através da qual os indivíduos eram livres da autoridade política arbitrária e de qualquer instituição que impedisse a liberdade dos homens. Louvre. modificam-se as relações de trabalho e a complexidade das hierarquias e sociais e diferenciações entre os membros da sociedade. A influência da religião. constituemse duas classes sociais distintas: uma integrada pelos que são proprietários das máquinas. contribuíram para a formação e constituição de um saber sobre a sociedade. O movimento resultante destas transformações é chamado de Iluminismo.br/ead 9 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Fonte 18: História do Mundo Fonte 19: Arquivo Ulbra Ead . Fonte 16: Arquivo Ulbra Ead processo de produção. para realizar-se uma indagação e explicação crítica da sociedade. e. Para isso. Seus ideólogos. chamados de capitalistas ou burguesia. No século XVIII. das fábricas e mercadorias. quando os antigos sistemas feudais passaram a ser substituídos pelo trabalho nas indústrias e nas áreas urbanas. Fonte 17: Arquivo Ulbra Ead ILUMINISMO – SÉCULO DAS LUZES – uso da razão para compreender a natureza. Acreditavam que esses procedimentos os levariam a atingir a mesma precisão e exatidão de resultados obtidos pewww. Segundo a teoria marxista1 . da tradição e do dogma no pensamento intelectual começava a ser rompida. era necessário utilizar o modelo das ciências naturais. os que não são proprietários dos meios de produção e apenas vendem sua força de trabalho em troca de um salário para comprar as mercadorias que necessitam para sobreviver. eram homens de ação. Eles defendiam a tese segundo a qual. então. que participavam e se envolviam com os problemas. Combinando o uso da razão e da observação. um grupo de pensadores começa a pensar sistematicamente sobre o significado dessas mudanças para o futuro. sendo chamados de trabalhadores ou assalariados. a surgir os reflexos dessas mudanças na esfera da política. era necessário conhecê-la. então. a se constituir Segundo Martins10. Estes militantes. pois desejavam introduzir modificações na sociedade de seu tempo. e que exploram a força de trabalho. Plantavam-se as sementes das grandes revoluções. de Filósofos das Luzes.

Esses. na nova sociedade industrial francesa. suas funções e postos nas fábricas. os privilégios dos senhores feudais. Ao mesmo tempo. preocupados em encontrar “remédios” para as “doenças” sociais. junto com a burguesia e sob o comando intelectual dos Iluministas. tidos como revolucionários radicais. Esta ciência deveria ser “positiva”. impediam o crescimento econômico e político da burguesia. Fonte 21: Klick Educação . Os trabalhadores deveriam assumir. pretendiam levar a revolução até as últimas conseqüências: Igualdade. queriam explicar os problemas que ocorriam na sociedade como conseqüência das duas Revoluções. portanto. mobilizou os trabalhadores pobres das cidades. transferiu as funções da educação para o Estado. e defendendo a criação de uma política tributária racional e imparcial.Sociedade e Contemporaneidade los demais cientistas. por outro lado. tida como conservadora. defendeu uma divisão igualitária da propriedade. desordem e caos social. tolhendo a constituição da livre-empresa. revolta. colocando em marcha a Revolução Francesa. por sua vez. devendo. Os jacobinos por um lado. ensinar aos homens a aceitar a nova ordem social existente sem questioná-la. instituir uma ciência da sociedade.ulbra. a burguesia protegeu e incentivou a empresa capitalista. situação que gera anarquia. esses pensadores demonstraram como elas eram irracionais e injustas. sentem-se traídos pela causa da Revolução e pelos Iluministas. www. Confiscou as propriedades da Igreja. limitou os poderes patriarcais na família. Revolução Francesa Fonte 20: História do mundo Em 1789 a burguesia toma o poder e promove profundas mudanças na economia. defendiam a necessidade de frear o ímpeto dos trabalhadores para controlar e neutralizar Diante desse quadro. Os trabalhadores. Liberdade e Fraternidade para todos os homens era a bandeira do movimento. o movimento Iluminista dividiu-se em dois grupos. os usos e os costumes. crise. ou seja. A intensidade de suas críticas contribuiu decisivamente para a destruição do “ancien régime” (antigo regime). Ao constituir um Estado independente da Igreja. Ao estudar as instituições. Eles eram contra a monarquia absolutista. Os intelectuais da época. suprimiu os votos monásticos e criou instituições civis. ser eliminadas. na política e na vida cultural. o clero e a aristocracia que gozavam de isenção de impostos e possuíam direitos de cobrar tributos feudais. na política e na vida cultural da França. portanto. novos surtos revolucionários. Assim surge o Positivismo com corrente de pensamento social. que contrariava os interesses do setor da burguesia ligado à família dos Bourbon. mudou as leis. se aplicassem os mesmos métodos e princípios ao estudo da sociedade. os intelectuais representantes da burguesia sentem necessidade de (re) organizar e aperfeiçoar suas teorias sociais.br/ead 10 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência E m 1789 a burguesia toma o poder e promove profundas mudanças na economia. Ao tomar o poder após a revolução. aboliu os grêmios e as corporações. Para promover a estabilização da nova sociedade seria necessário conhecer as leis imutáveis que regem a vida social.

pelas idéias progressistas e revolucionárias dos Iluministas e.As Ciências Sociais devedeve riam utilizar os mesmos métodos das ciências naturais – observação. a família e a hierarquia social. moderna e industrial. sociedade. os fenômenos sociais. com a nova sociedade francesa. em parte. SaintSimon e August Comte. que nasceu na França. assim como os físicos. surgia a possibilidade de aumentar a produção de mercadorias e de satisfazer as necessidades humanas. entendia-se caber à Ciência a missão de ajudar a manter coesa a sociedade.br/ead 11 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência .ulbra. o Positivismo foi a primeira corrente teórica a organizar e sistematizar princípios sobre as relações humanas em Sociologia – estabilizar a nova ordem social – sociedade capitalista. Augusto Comte . a comparação e a experimentação. Saint-Simon e Augusto Comte foram os primeiros a caracterizar o objeto. estavam sujeitos a leis rigorosas. mais especificamente. tais como a observação. Acreditava que. Assim. da Sociologia. pelas idéias dos conservadores.foi o secretário de Saint-Simon. o consenso. para serem consideradas como Ciência. é considerado o fundador (“pai”) da Sociologia e autor da maioria das idéias desenvolvidas posteriormente por August Comte. com suas partes perfeitamente integradas e sem conflitos. que foi quem a batizou com a designação que ostenta até hoje. comandadas por uma elite técnico-científica. comparação e experiexperi mentação. deveriam utilizar os mesmos métodos das ciências naturais. Saint-Simon (1760-1825) . na tentativa de explicá-las cientificamente. sistematizou com um estilo pessoal e difundível. a partir do restabelecimento da ordem e da paz social. os métodos e os problemas fundamentais das Ciências Sociais. Esses pensadores defendiam a tese de qua as Ciências Sociais. www.Sociedade e Contemporaneidade O A Filosofia Positivista e as Ciências Sociais s fundadores do Positivismo. as sociedades seriam “orgânicas”. Nesse contexto. concentraram suas reflexões sobre a natureza e conseqüências da revolução. substituindo o papel que a religião cumprira no Fonte 22: Arquivo Ulbra Ead A Construção das Ciências Sociais11 Função da Fonte 23: Wikipedia Fonte 24: Wikipedia Saint Simon . uma vez que irá valorizar o estabelecimento da ordem. a autoridade. propondo-se a racionalizar a nova ordem social e a encontrar soluções para os problemas. aristocrata francês. cujas idéias Comte absorveu. com caráter conservador. identificando suas leis para promover o progresso e o desenvolvimento social. como instituições importantes para a integração e a coesão da vida social. Seu pensamento é influenciado. no futuro. por outro lado. Preconizavam a defesa de idéias segundo as quais. Para ele. o que levaria à diminuição dos conflitos sociais.

pois cada um ocupa um lugar importante e necessário para o adequado equilíbrio social. Essa demarcação de limites. “Grande Pacto Social”. então. a História. O espírito crítico foi se desenvolvendo e produzindo uma intensa discussão. surgem e se consolidam como forma de conhecimento. Comte era um intelectual conservador que chamava os Iluministas de “filósofos negativistas” por questionarem a ordem social. a Economia. que punha em debate “verdades” até então intocáveis defendidas pelo clero católico. expresso na Constituição. Defendia a tese de que as Ciências Sociais trariam a solução para os graves problemas políticos e sociais de seu tempo. tais como a Sociologia. ao defender verdades aceitas por todos. assim.br/ead 12 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . também. econômicas. e integram a grande área das chamadas ciências humanas. embora mais didática do que prática. mais especificamente da Sociologia. e. das quais fazem parte. o Direito. para a consolidação do sistema capitalista na França. a Antropologia e a Política. seria necessário instituir um www. associadas ao chamado “pensamento moderno”. contribuíram. Para Comte. então. Os cientistas desempenhariam. apesar das diferenças.ulbra. Considerava natural a sociedade ser dividida entre os empresários e trabalhadores. bastava aos indivíduos se unirem e se integrarem. adaptada às verdades científicas. Ele acreditava no poder exclusivo e absoluto da razão humana para conhecer a realidade e traduzi-la sob a forma de “leis naturais”. ricos e pobres. a nova força econômica. As Ciências Sociais. As Ciências Sociais ramificam-se. para haver desenvolvimento social era necessário coesão e equilíbrio. políticas e culturais. O dinamismo do comércio e a emergência dos novos atores sociais e políticos modificou as estruturas políticas antes existentes. A partir do século XIX os fenômenos sociais e o fator humano passam a ser investigados com um caráter verdadeiramente científico. Comte propunha uma reforma geral na sociedade em que vivia. a Psicologia. a função que o clero exercera anteriormente. Acreditava na sociedade industrial e na idéia de que. os que lideram e os que são liderados. seria criar uma moral para o homem moderno. Assim. tal como ocorreu com a divisão do trabalho. Mesmo assim. para cada um colaborar com o outro e todos contribuírem com a ordem na sociedade. portanto. Positivismo e o papel das Ciências Sociais Para manter o equilíbrio social. os comerciantes e os banqueiros seriam. A visão teológica da sociedade foi dando lugar ao antropocentrismo (entendimento de que o homem é o centro das coisas). como conseqüência. para assegurar essa integração. a tarefa das Ciências Sociais. levou à divisão das Ciências Sociais em três áreas específicas. O Positivismo: Saint-Simon e August Comte August Comte (1798-1857) sistematizou e deu continuidade às idéias de Saint-Simon. em outras áreas do conhecimento. pois esta se encontrava em estado de anarquia e desordem. Porém. se desejasse frear o ímpeto revolucionário dos trabalhadores. ao contrário de seu antecessor. como conhecimento objetivo do comportamento social e das condições sociais de existência humana. dente outras. e formariam a elite que determinaria os objetivos da sociedade e conduziria a classe trabalhadora. para o desenvolvimento das Ciências Sociais. Essas transformações sociais. O desenvolvimento do conhecimento científico. Essa elite deveria introduzir melhorias nas condições de vida da classe trabalhadora e criar novas normas de comportamento. os trabalhadores precisavam manter a ordem para a elite poder promover o progresso. aconteceu para facilitar a sistematização dos estudos e pesquisas. Os industriais.Sociedade e Contemporaneidade período anterior. a Geografia.

O social compreende muitas dimensões institucionais da vida humana. e outras esferas diferentes da realidade social. pela necessidade de análise. não existe uma divisão nítida entre as mesmas. refere-se àquelas ciências que têm o próprio ser humano como objeto de estudo”12.br/ead 13 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . econômicas. As teorias sociais que buscam explicar a vida humana em sociedade não são propriedade exclusiva de nenhuma disciplina. dentre outras áreas. estudos de comportamento político. então. as relações de poder. O comportamento humano é diversificado. há antropólogos da antropologia social. empresarial. humanas ou do comportamento. formando uma espécie de teia de relações indissociáveis. políticas públicas. a Filosofia. filosofia política. da saúde. dentre outras. Fonte 26: Arquivo Ulbra Ead www. estratifica-se em domínios institucionais (áreas do saber) diferentes. As instituições Fonte 25: Arquivo Ulbra Ead As Ciências Sociais e suas áreas de conhecimentos: Sociologia. para fazer do aspecto escolhido uma especialidade. da política. compreendem apenas uma parte das relações sociais. a saúde. religiosas e outras. por estudarem as relações sociais estabelecidas pelos indivíduos na sociedade em diferentes aspectos. a cultura.ulbra. políticas. que. Antropologia e a Política. análise política e marketing político. Essas relações sociais entrelaçadas e estabelecidas pelos indivíduos formam um todo que só pode ser compreendido por meio de um artifício intelectual de compartimentalização. política. a Psicologia Social. embora a preocupação com o estudo do ser humano seja antiga. Antropologia e Política SOCIOLOGIA ANTROPOLOGIA POLÍTICA Vimos que a constituição das Ciências Sociais é uma construção recente. Um cientista social é incapaz de conhecer tudo. ou religioso apenas. A divisão das Ciências Sociais surgiu. Assim. faz-se necessário que cada um se concentre em um determinado aspecto da vida das sociedades. O comportamento humano é muito diversificado. da religião. a Sociologia. e forma uma espécie de relações indissociáveis. pois se interpenetram na realidade vivida por todos nós. cultural. politólogos da sociologia política. para facilitar a sistematização de seus estudos e pesquisas. que são interdependentes. embora nem todo social seja econômico. a Economia. que só podem ser compreendida por meio dos diferentes saberes das ciências sociais. a expressão ciências humanas (ou sociais). ou político. São chamadas de ciências sociais. a Ciência Política.13 Por exemplo: há sociólogos da indústria. a Antropologia Cultural e Social. física.Sociedade e Contemporaneidade As três áreas das Ciências Sociais: Sociologia. a religião. pois as questões que dizem respeito à vida social e aos produtos culturais da atividade humana são objeto de estudo de diversas áreas das ciências sociais. da economia. Para aprofundarmos a compreensão dos fenômenos sociais complexos é necessário conjugarmos todos os saberes dessas ciências. a História. Segundo Chauí: “Embora seja evidente que toda e qualquer ciência é humana. ainda que cada uma das Ciências Sociais estude um aspecto da realidade. No entanto. a Educação. como a família. Por isso. urbana. elas são interdependentes nas suas interpretações. porque resulta da atividade humana de conhecimento.

Conhecimento Científico X Senso Comum A Sociologia desenvolveu instrumentos para compreensão das situações com que nos defrontamos na vida cotidiana. acontecimentos ocorridos do outro lado planeta são quase que instantaneamente conhecidos em qualquer lugar. modificam-se as relações sociais. buscam através do conhecimento científico a compreensão das mudanças que aconteciam. Nesse sentido. Pertencemos a diversos grupos sociais nos quais desempenhamos papéis por vezes contraditórios. hábito e costumes que serviram de orientação para a conduta dos indivíduos de determinada geração ou comunidade são superados pela influência das informações sobre o comportamento das pessoas. por transformando as bases culturais de comunidades nem sempre preparadas para absorver mudanças dessa magnitude. a segurança e à saúde da população. Atualmente. ao mesmo tempo. Para organizar a sociedade moderna.Sociedade e Contemporaneidade O olhar da Sociologia: objeto estudo e sua importância. desde as relações na famí- Fonte 27: Arquivo Ulbra Ead SOCIOLOGIA . Ensinamos nossos filhos a serem honestos e a respeitarem o patrimônio público. A Sociologia estuda as mais diversas áreas do convívio humano. a natureza e o próprio ser humano. sensíveis. dada a complexidade e intensidade das mudanças em curso. as pessoas sentem-se perdidas. A maioria das pessoas. preconceitos e sentimentos que adquirimos pela experiência pessoal.visão superficial da realidade! www. a imprensa notícia o envolvimento de religiosos com perversões sexuais contra crianças. econômicas. sem perceber.ulbra. a partir do que tentamos entender essa complexa vida social. Na vida familiar somos afetivos. representantes intelectuais da nova sociedade. Valores. as ações e atitudes dos outros indivíduos. Os pensadores da época. Surge. teorias e métodos dessa ciência é possível rompermos com a visão superficial que temos da realidade. passa boa parte do seu cotidiano tentando compreender o comportamento. a Sociologia autoridades que deveriam zelar pelo dinheiro público destinados à educação. políticas e culturais. Como os novos meios de comunicação em tempo real. nas informações difusas. através dos conceitos. crenças. Vimos que após as Revoluções Industrial e Francesa modificaram-se as formas pelas quais a humanidade passa a compreender a sociedade. desorientadas.Estuda cientificamente como os seres humanos se organizam para viver em sociedade. esses pensadores sentem a necessidade de instituir uma ciência da sociedade. A sociedade contemporânea transformase com muita rapidez. ao mesmo tempo em que os meios de comunicação revelam a corrupção de SENSO COMUM .br/ead 14 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Fonte 28: Arquivo Ulbra Ead . e que se ancora no senso comum. ao passo que na esfera dos negócios temos que ser frios e calculistas. mergulhadas em problemas e crises que fogem à sua capacidade de compreensão. Com o advento do sistema capitalista e a ascensão da burguesia ao poder. urbana e industrial. ou o uso da religião como pretexto para a guerra. Defendemos a religião como valor importante para a formação do indivíduo e. assim.

um acontecimento desperta um sentimento de indignação moral em uma parcela significativa da sociedade por estar relacionado à idéia de injustiça social. cuja resposta vamos buscar através da investigação desenvolvidas através do método científico. são todos os fenômenos sociais observáveis e passíveis de serem explicados teoricamente pelo cientista social. Mas a Sociologia não estuda todo o comportamento social e nem tudo o que ocorre na sociedade. problema de pesquisa significa que elaboramos uma pergunta sobre a realidade. Alguns problemas sociais como os provocados pelas enchentes ou pela seca no nordeste. não têm origem numa causa social. através da pesquisa. quais as razões que levam os jovens brasileiros (jogadores de futebol. Quando falamos problema sociológico não significa que estamos nos referindo a algo que é um problema para a sociedade. Os procedimentos metodológicos da Sociologia são utilizados em estudos científicos. as razões da concentração e distribuição de renda nas diferentes classes sociais. Problemas sociológicos. relacionada à idéia do que seja uma sociedade boa e justa.br/ead Problema sociológico – todo fenômeno social explicado teoricamente pelo cientista social. estou diante de um problema sociológico. são veiculadas diariamente pelos meios de comunicação. apresentadoras de TV e outros menos famosos) a pintar os cabelos de loiro? Quando procuro respostas para essas e outras questões. não é por fazer parte da sociedade. ou. por exemplo. mas sim. a organização das empresas. pois são decorrentes de causas naturais.Sociedade e Contemporaneidade lia. 15 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência fonte 18: Arquivo Ulbra Ead . o papel da política na sociedade. classes sociais e conflito social. os hábitos do consumidor. dos discursos políticos. E. o comportamento religioso. sendo seus resultados parte da nossa vida cotidiana. que um fenômeno social se torna objeto de pesquisa ou estudo da Sociologia. Termos como contexto social. que falamos de um problema que é objeto de pesquisa da Sociologia. das campanhas publicitárias. Como podemos definir um problema social? Problema Social Podemos identificar ou caracterizar um problema social quando. movimento dos sem-terra. importância da educação na vida social dos jovens e adultos da terceira idade. movimentos sociais. em diversos tipos de pesquisa social e de opinião. já que famílias ficam desawww. um acontecimento ou um problema social torna-se objeto sociológico quando um sociólogo passa a investigá-lo e analisá-lo tentando entendê-lo nos aspectos que dizem respeito às relações entre os seres humanos e às raízes de seu comportamento. ou de um meio social. da teoria e dos métodos e técnicas da Sociologia. o que faz um indivíduo optar por determinada moradia ou produto.ulbra. Portanto. então. quando representa uma ameaça para a coletividade. Esta ameaça pode ser material. ou um fenômeno social como os aspectos positivos da migração de profissionais qualificados dos grandes centros urbanos para as cidades do interior. Nesse sentido. dentre outros. o impacto social e ambiental da construção de determinada represa. Um fenômeno social. Mas são considerados problemas sociais por terem conseqüências sociais. ou quando põe em risco a preservação de crenças e valores arraigados numa população. cantores de pagode. ponte ou fábrica nas comunidades. dentre outras dimensões da vida na sociedade atual. problema sociológico pode ser tanto um problema social: desemprego. dos sem-teto.

15 Problema Social: Desemprego brigadas com a chuva ou famílias passam fome e perdem o gado e a plantação com a seca. o tempo e o espaço se aceleram. jornalistas. nos faz ver a realidade familiar mudar de significado sob nosso olhar e ver a realidade do mundo cotidiano a partir de outra perspectiva. A palavra tribalismo é associada ao tipo de sociabilidade que os novos grupos estabelecem. então. políticos. na solução dos problemas de nossa sociedade. atividades que os jornais falam todos os dias. professores. 16 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência GLOBALIZAÇÃO – com o desenvolvimento das tecnologias de comunicação.14 Por que estudar a sociedade? Toda e qualquer ciência tem como objetivo verificar os fatos observáveis como eles acontecem. necessariamente.br/ead A sociologia permite conhecermos a realidade. aborda aspectos da realidade que lhe são extremamente familiares. que. desenvolve nossa compreensão para que possamos melhor atuar como cidadãos e futuros profissionais. neste sentido. o tribalismo é um dos exemplos que expressam esse novo tipo de sociabilidade. e econômicos. Para isso. Fonte 29: Arquivo Ulbra Ead A Pesquisa Social Um dos objetivos do conhecimento sociológico foi criar instrumentos teóricos que levassem a reflexão sobre problemas da sociedade contemporânea. mas também a outros profissionais como administradores. Por isso. estudando e pensando nos acontecimentos possíveis de serem analisados ao nosso redor. identificar os por quês. podem agir para preservar. para. reformar ou transformar a realidade. a investigação sociológica comporta outro tipo de descoberta. instituições. A sociologia permite conhecermos a sociedade em que vivemos. utiliza-se de teorias sociológicas. empresários. a Sociologia é uma fonte de conhecimentos que não interessam apenas aos sociólogos. mesmo que não sejamos. cientistas sociais. produzindo novas formas de socialização. Nos grandes centros urbanos. para que possamos melhor atuar como cidadãos e futuros profissionais. e outros. culturais. o sociólogo precisa pesquisála. interpretar a realidade em seus aspectos sociais.Sociedade e Contemporaneidade rios. políticos. Os grupos se reúnem em torwww. Antes de interpretar a dimensão da realidade que pretende estudar. analisando suas causas e efeitos. na solução dos problemas de nossa sociedade. para obter novos conhecimentos sobre a realidade social. capacitando-os a atuar como indivíduos ativos na sociedade em que vivem.ulbra. produzindo novas formas de sociabilidade para o século XXI. Os instrumentos teóricos devem contribuir. Fonte 30: Arquivo Ulbra Ead . publicitá- Fonte 31: Arquivo Ulbra Ead De acordo com Berger e Luckmann16 o Sociólogo. para que os indivíduos estabeleçam relações entre sua prática social e a sociedade mais ampla. engenheiros. o tempo histórico e o espaço se aceleram. assim. como: grupos. Mas. para quem e para que servem determinados interesses. Com o surgimento da Globalização e o desenvolvimento das tecnologias de comunicação. A pesquisa social é o processo que utiliza a metodologia científica.

organizado em grupos que regulam e perpetuam a si próprios. Etimologicamente significa estudo do Homem. Em outras palavras. a cultura material que se refere à arte e aos artefatos do ser humano tanto no presente quanto no passado. se quisermos simplificar as coisas. os surfistas. o corte do cabelo. dentro dos limites de espaço e tempo que dispomos.. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. das armas. sociólogo americano. moldar. No entanto. podemos dizer que. como os sistemas de símbolos. Rio de Janeiro: LTC Editora. significados que constituem uma cultura e dos quais a organização social é apenas uma expressão.] da Sociologia. idéias. as comunidades eletrônicas ou virtuais que habitam o ciberespaço. e sobre Cultura: GEERTZ. neste sentido. hoje em dia”19.17 Com o desenvolvimento da tecnologia digital e das redes de computadores. é importante relacionarmos a teoria com a realidade concreta e contextualizarmos nossa observação sociológica no tempo e no espaço. explorar e melhorar seu ambiente social e natural. seu conceito de sociedade. em seu famoso livro: A Imaginação Sociológica. piercings. Antropologia vem do grego antro-homem e logos-estudo. as gangues da periferia urbana. das roupas. surge outro tipo de sociabilidade e de grupos. Antropologia Social e. C. Vejamos. Assim. tatuagens. e é a experiência do ser humano. dos instrumentos musicais. pois se propõe estudar o homem com um todo e suas obras. identificam-se por algum aspecto externo. como membro da sociedade.br/ead 17 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Fonte 32: Arquivo Ulbra Ead . Para irmos além do senso comum na compreensão desse e de outros fenômenos sociais. o que é Antropologia Cultural e seu conceito fundamental: CULTURA. Inclui o estudo das artes. significa que a Antropologia Cultural e Social tratam. A Antropologia Social enfatiza as dimensões da vida humana. como a forma de se vestir. A partir dessa perspectiva. 2001. que “não há nenhuma diferença de método nem um limite de assunto que realmente distinga a Antropologia [. do estudo comparativo das sociedades humanas Olhar da Antropologia : objeto estudo e sua importância18 2 O que é Antropologia? O que ela estuda? Qual seu objeto de estudo? Wright Mills. A interpretação das culturas. resumidamente. e. consulte: GEERTZ. se necessário buscando auxílio de outras áreas do conhecimento para complementar nosso olhar com dimensões analíticas que um enfoque apenas não permite compreendermos em toda a sua complexidade. www. o foco da Antropologia está na dimensão cultural desses mesmos objetos de estudo. que molda sua visão de mundo. as torcidas organizadas de futebol. a cultura é vista como um dos meios com que o ser humano organiza e legitima sua sociedade e fornece a base para sua organização social. Nova luz sobre a antropologia. tudo o que se refere ao Homem está no âmbito da Antropologia. e. das ferramentas e dos implementos agrícolas de diversas populações e todos os outros aspectos tecnológicos dos quais o ser humano lança mão para controlar. respectivamente. A Antropologia Cultural tem como seu campo de estudo. São exemplos: punks. assim como o foco da Sociologia está nos fatos sociais. escreveu 2 Para um aprofundamento sobre Antropologia. os skinheads.ulbra. e tem sido “chamada a mais científica das humanidades e a mais humana das ciências”20.. nas relações sociais e nas ações e organizações sociais. ou linguagem própria do grupo. política e econômica. O ser humano é um animal social. 1989.Sociedade e Contemporaneidade no de afinidades ou interesses momentâneos. C.

crença. superando a visão hierárquica de culturas superiores e inferiores. com diversos interesses. filosofia. é necessário estudar as características tanto da sociedade quanto da cultura. embora possuam identidade territorial próprias. Essa organização revela-se em suas ideologias e religiões dominantes. Sendo assim. Um povo não existe sem sua cultura. A Cultura.br/ead 18 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . com poucas orientações geneticamente transmitidas. • como eles vêem o mundo que habitam.. Os grupos sociais que não dispõem destes recursos e que produzem bens culturais.Sociedade e Contemporaneidade contemporâneas e de seus sistemas culturais. mas a própria natureza desta produção. no sentido antropológico. O conceito antropológico de cultura se fundamenta na idéia de que. mais ou menos apropriados de no comportarmos diante de certas situações. através de suas práticas sociais. através destes sistemas simbólicos. os homens organizam sua coletividade através de sistemas simbólicos que criam e transmitem uns para os outros sob a forma de regras. proporcionam perspectivas complementares. Ao estudar uma sociedade os antropólogos investigam os seus modos de organização em grupos.ulbra. citado por Helmann é “[. linguagem. Assim sendo. arte. Assim. que expressam (desejos. ao estudar um grupo de seres humanos. arte. Ele cresce. regras e que possam viver juntos numa mesma sociedade. A cultura como código é algo que está dentro e fora de nós. em seus sistemas políticos e econômicos. significa um todo complexo que inclui conhecimento. no sentido antropológico.] uma população marcada por um relativo afastamento das populações circunvizinhas e por uma cultura distinta”22. Tanto a produção material propriamente dita (objetos de uso cotidiano. não possuem o “registro oficial” como os produzidos pelos setores dominantes.. vive e se desenvolve sob a influência desse conjunto de características por ele geradas. são carregados de significação. a base cultural oficial é aquela construída pelos grupos sociais dominantes. e envolvem sistemas de idéias compartilhados. hábitos e costumes. obras literárias. São simultaneamente sua realização material (como forma e matéria em si) e sua significação (símbolos). entre as duas. hierarquias e papéis. permite desenvolver relações sociais porque a cultura fornece normas que dizem respeito aos modos. necessidades de uso ou estéticas). A cultura. As fronteiras entre as sociedades são vagas. o “como fazer” é codificado simbolicamente. Cultura. objetos. um ambiente artificial no qual vive e transforma constantemente. que compartilhem normas. como as regras de um jogo. www. As diferenças de ênfase. alguns com bens culturais mais bem elaborados. lei. instituições políticas e sociais. monumentos. nos tipos de laços que parentescos. Esse ambiente “artificial”. teorias científicas) são frutos desses sistemas simbólicos construídos. As regras que sustentam a organização de uma sociedade e o modo como ela é simbolizada e transmitida fazem parte da cultura dessa sociedade. é padronizado e organizado pelas regras. se constitui no que se entende por cultura. segundo Keesing. sobre dois temas centrais: • como os grupos humanos organizam-se e. os bens materiais e especificamente os simbólicos. ciência. construções) quanto à produção mais especificamente simbólica e a manipulação da linguagem (lendas. Não é difícil perceber que os diferentes grupos sociais dispõem de bens culturais diferentes. na medida em que dispõem de mais tempo livre e de maiores recursos econômicos. costumes e todas as outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro da sociedade. fazem cultura e isto permite comparar culturas diferentes como entidades iguais. os bens materiais são carregados de uma carga simbólica. a cultura é como um código que permite a indivíduos diferentes. formado por religião. Ou seja. sistemas de conceitos. moral.23 De acordo com Da Matta24. valores. O homem constrói. regras e significados que expressam as maneiras que os seres humanos vivem. que permitem o entendimento da ação de cada jogador. Nesse sentido todos os indivíduos.21 Já o conceito de Sociedade. É importante deixar claro que não só a produção destes objetos. portanto. no sentido Antropológico e Sociológico. é um bom instrumento para compreendermos as diferenças entre os homens e as sociedades. As regras que formam a cultura ou a cultura como regra é aquilo que permite relacionar os indivíduos entre si e a sociedade em que vivem.

todas as áreas do conhecimento humano hoje abrigadas sob o “guarda-chuva” das chamadas Ciências Sociais faziam parte do campo da Política. por exemplo. 25 Fonte 34: Arquivo Ulbra Ead que reflete sua própria personalidade. Até o século XIX. A economia. que perpassa o discurso da Antropologia desde o seu surgimento. Olhar da Ciência Política: objeto de estudo e sua importância. como conceito. e os papéis as funções sociais dos indivíduos e grupos. Com o fim do Império Romano e a emergência da Idade Média. . a sociologia. mas também com relação ao Japão. como resultado de mudanças estruturais e institucionais contempo- www. por um lado. a partir de quê. entendida como a ação dos cidadãos de- Hall26 argumenta que esses referenciais de identidade unificada e estável têm se fragmentado em várias identidades. não existiam como tal. em relação a espaços mais segmentados como os da “identidade étnica”. a antropologia. dentre outras ciências. atravessa todos os segmentos do saber antropológico (assim como. tem sido utilizado. a Política. e por outro. situado em diferentes níveis de realização. adaptando suas características a novas situações. A Política é uma das mais antigas áreas do conhecimento humano. o altíssimo desenvolvimento tecnológico. inclusive relacionado ao seu processo de desenvolvimento. que ambas são dimensões de um mesmo e incluso fenômeno. ou vice-versa.br/ead 19 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Nesse contexto é que conceito de “identidade”. por quem e para quê isso acontece. e. Fonte 33: Arquivo Ulbra Ead Identidade Nacional Política significa a participação no poder ou a luta para influir na distribuição do poder. A identidade. onde convivem. portanto. Isto se verifica não só em relação às sociedades européias. de gênero na sociedade contemporânea. a administração.ulbra. Antropólogos e Sociólogos têm procurado mostrar que as noções de identidade pessoal e social não estão desconectadas. Do ponto de vista sociológico. A noção de identidade tem duas dimensões: a pessoal (individual) e a social (ou coletiva). a psicologia social. até incorporando novos valores. mas sim. das Ciências Sociais e Humanas). a questão principal a ser respondida. no período que vai do século V ao nascimento de Cristo. segundo Castells27. sem que com isso. Filósofos como Platão e Aristóteles estão entre os primeiros pensadores políticos da civilização ocidental. Diferentes culturas se mostraram suficientemente dinâmicas ao longo da história. “identidade nacional”. Dito de outra forma. A questão principal seria. muitas vezes contraditórias e mal resolvidas. quem constrói a identidade coletiva e para quê esta identidade é construída? Essa seria. uma cultura milenar. particularizando-o e diferenciando-o em relação a outros povos. abandonassem os já existentes.Sociedade e Contemporaneidade râneas. a educação. geradoras de bases do desenvolvimento atual. As identidades organizam os significados. toda e qualquer identidade é construída. saber como. tendo surgido na Antigüidade Clássica da sociedade grega.

Segundo o cientista político norte-americano Robert Dahl. restringe-se como atividade. no marxismo e no darwinismo social”. que se propunha aplicar à análise do fenômeno político. seja consciente ou inconscientemente. expressões tais como: “política da Igreja sobre o aborto”. dentre outros. nesse sentido que os gregos lhe atribuíam.. Em 1918. afirmando que todo poder é real e não divino. ela representa um momento e uma determinação específica do desenvolvimento das ciências sociais. como a física e a biologia. pois somos envolvidos diariamente pelas e nas relações de poder que perpassam todos os poros da vida social. Mais tarde ou mais cedo. discute o conceito em seu discurso “A política como vocação”.Sociedade e Contemporaneidade liberando sobre o destino coletivo da polis (cidade) grega. em Florença. que caracterizou justamente o progresso científico do século XIX e teve suas expressões mais relevantes e influentes no positivismo de Saint-Simon e Comte. Em “O Príncipe”. composta por nobres e padres. sociólogo alemão interessado nas questões políticas.] a política é um dos fatos inevitáveis da existência humana. indicava uma orientação de estudos. o pensamento político estava encoberto pelo manto da teologia. numa época em que os teólogos católicos propagavam a idéia de que “todo poder está em Deus”. Max Weber. a metodologia das ciências empíricas mais desenvolvidas. “[. no contexto das múltiplas e complexas relações que se estabelecem na sociedade contemporânea. O homem defronta-se com política na direção do país. www. então. No período de transição. “a política dos grupos feministas sobre o direito ao aborto”.br/ead 20 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . entendida com condução social dos assuntos da guerra. todos se vêem envolvidos por uma forma ou outra. nasceu na metade do século passado. da cidade. se destaca por introduzir um novo modo de se ver a política. deixa de existir. nesse período.] a Ciência Política. “Querendo ou não querendo. Mas o poder também é exercido por nós. Considerava um conceito amplo que compreendia qualquer tipo de liderança independente da ação. da igreja..”28 Na sociedade Feudal período em que a Igreja detinha o poder econômico.ulbra. técnicas e conhecimentos próprios. acompanhando o processo de crescente especialização do conhecimento que contagia todas as áreas do conhecimento humano. do feudalismo para o capitalismo. da escola. em algum tipo de sistema político.29 Maquiavel abala a sociedade Feudal ao tratar o poder como uma atividade essencialmente humana. sendo concebida com uma área da Ciência focada nos estudos das relações entre o Estado e a sociedade. de qualquer associação cívica e em numerosas entidades [. não há virtualmente ninguém que esteja fora do alcance de alguma forma de sistema político. da empresa. Vemos a política e o poder como a política e o poder do outro. quando ressurge nos séculos XIX até meados do século XX. pretende-se afirmar que as pessoas e as organizações sociais desenvolvem “políticas” entendidas como diretrizes e métodos e metas visando alcançar seus objetivos. o que nos coloca como sujeitos e objetos do exercício desse poder.. “a política de pessoal daquela empresa”. associados ao Constitucionalismo e ao surgimento do chamado Estado de Direito. ou ainda. Todos somos fatores de poder na sociedade. do sindicato. seja entre Estados ou entre grupos dentro de um Estado. a uma elite limitada da sociedade. Surge Maquiavel.30 Segundo Bobbio. a política significa a participação no poder ou a luta para influir na distribuição do poder. “as políticas públicas do governo para a área social”. A política. a Renascença italiana. do poder e da administração. do clube. também. concebido como promotor do bem comum e regido pela ética. “a política dos sindicatos de trabalhadores sobre as relações com os sindicatos patronais”. Nessa interpretação do termo. Para Weber. Geralmente estabelecemos uma relação de alteridade com o poder. com suas teorias. político e social. desaparece. métodos. São exemplos desse tipo de aplicação do termo. como disciplina e instituição. Maquiavel escreveu sobre os diferentes meios que os homens podem utilizar para conquistar e manter o poder. como mais uma disciplina especializada. ressaltando as bases divinas do Estado. ser empregado em acepções mais restritas. A Política. e.31 A expressão Ciência Política. A partir de meados do século XX. O termo política pode. a Política ganha status de Ciência independente.. associa-se aos estudos jurídicos. e nem por isso incorretas.32 O poder não é algo que atua sobre nós.

lideranças políticas. tanto do ponto de vista teórico. convocação e de significação dos objetivos. formas de governos. Completamos. De acordo com Bobbio. nos diversos níveis e dimensões da vida social . As formas de governo e de organização do Estado. o foco da Ciência Política. o poder não se localiza espacialmente aqui ou ali. é algo que atravessa nosso cotidiano na medida em que as relações de poder estão presentes nas mais diferentes circunstancias e lugares. está nas relações de poder que os indivíduos estabelecem entre si. nos aparelhos do Estado. Para isso. conforme a Comissão A política. as relações de pressão e influência sobre as decisões coletivas. os movimentos eleitorais. de acordo com os pre- Fonte 35: Arquivo Ulbra Ead www. a análise das estruturas governamentais a partir dos interesses envolvidos no seu contexto. conserve e exerça o poder. ceitos da ciência. dos interesses e da relação que pode ser estabelecida entre sociedade civil e o Estado. da análise das motivações que promovem determinados resultados. nas empresas. A Ciência Política estuda. desde o ponto de vista dos resultados.br/ead 21 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência . as campanhas políticas e a “cultura política”. nas relações cotidianas. a expressão Ciência Política. a formação e o desenvolvimento das diversas formas de governo. Essa tendência dos estudos na Ciência Política recorrer às pesquisas comportamentais num sentido que pode ser encontrado nas definições estatísticas e quantitativas. o estudo das ações e dos processos eleitorais. a análise das Políticas Públicas a partir da discussão das formas e mecanismos de tomada de decisões assim como a análise dos elementos determinantes na definição e na implementação das mesmas. assim como.Sociedade e Contemporaneidade A Ciência Política: estuda as relações de poder que os individuos estabelecem entre si.ulbra. a Ciência Política investiga os processos e métodos empregados para que determinado grupo alcance. por exemplo. que sejam estruturado de forma sistemática e com método. Em síntese. o comportamento político-eleitoral. nos diversos níveis e dimensões da vida social. a apreciação dos modelos históricos e de seus limites em face da viabilização do que se chama “governabilidade”. o marketing político. também. também são exemplos de objetos de estudo da Ciência Política. como dos modelos históricos colocados em funcionamento. os processos de participação. qualitativamente e quantitativamente. grupos sociais ou indivíduos disponham de mais poder do que outros. os estudos comparados sobre as formas de governo e as teorias de Estado que às informam. funções do Estado. a discussão dos modelos políticos. mesmo que em algumas sociedades e situações. São temas de pesquisa da Ciência Política. em permanente tensão. a explanação das três áreas do conhecimento científico que podem nos ajudar a compreender a complexidade das transformações em curso na sociedade contemporânea. até os partidos políticos. Nesse sentido. especialmente a análise dos discursos políticos e as interpretações das formas de exercício da política. nem se concentra apenas em um sujeito histórico. independente de fazermos do Estado uma referência. pois não há dominação absoluta. os limites entre o público e o privado. pode ser utilizada para indicar “qualquer estudo dos fenômenos e das estruturas políticas”33. O poder se exerce de forma contraditória. a delimitação entre interesses e grupos. assim. como também. os processos de ocupação dos postos públicos. Dentre outros assuntos e atribuições. classes. as relações internacionais. as pesquisas eleitorais e de comportamento político. os mecanismos eleitorais. A resistência e a dominação convivem contraditoriamente. A Ciência Política desde as relações micropolíticas que estabelecemos no cotidiano. propiciadas pelas eleições e seus resultados. portanto. mas se completa com o estudo dos processos simbólicos que envolveram as escolhas. Ele está por toda parte e diz respeito a todos nós.

Pelo contrário. 2004. É. HELMANN. 149. 1999. p. CHASSOT. 2003. pois: [. um grupo internacional de estudiosos distintos (seis da área das ciências sociais. uma obrigação de todos os cientistas sociais. É uma obrigação de todos os cientistas sociais. O resultado deste trabalho foi publicado no livro: COMISSÃO GULBENKIAN PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. www. 2000. op. Id. Id. DAHL. por exemplo. 2003. 23. ou que os economistas saibam mais sobre as flutuações da economia – do que outros cientistas sociais. 04. isso sim. p. 1999. como sejam a população. 1994. MAQUIAVEL. 1999. Ter uma preocupação sociológica não é do foro exclusivo dos sociólogos. p. que permita rompermos com as demarcações disciplinares que. para uma reflexão sobre as Ciências Sociais e seu futuro. 1987. Estamos a assistir ao surgimento de grupos unidos pelo nível de análise ( concentração na ação social individual.ulbra. 1999. a linguagem etc. LUCKMANN. foram criadas por uma sociedade que já não é mais como era até poucas décadas atrás. dois das ciências da natureza e dois das humanidades). Id. MARTINS. p. 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 HELMAN. BOBBIO. p. 1969. CHAUÍ. 1994. reuniu para dirigir um trabalho intelectual. 1977. pelas ciências sociais. 12. a saúde. p. CHASSOT. 2003. p. 1990. BIEHL. ANDERY.. 2004. Nem sequer é absolutamente certo que os historiadores profissionais percebem necessariamente mais de explicações históricas – ou que os sociólogos entendam mais de questões sociais. É uma obrigação de todos os cientistas sociais e cidadãos! . 11. p. 2003. concentração em processos sociais de grande escala e de longo alcance). MARTINS. CASTELLS. cit.Sociedade e Contemporaneidade Gulbenkian3. p. p. ANDERY. DA MATTA. HALL. não acreditamos que alguém detenha o monopólio da sabedoria. 2004. op. 34. CHAUÍ. a verdade é que elas são pelo menos tão plausíveis como distinguir. GIL. Independentemente de hoje em dia as distinções temáticas ou a distinção “micro/macro” serem ou não formas ideais de organizar a divisão do trabalho no saber associado às ciências sociais. 1976. 271 MENDRAS. 1994. 2004. mas todos precisamos ter noções dos saberes dos cientistas sociais. o mais importante é a ampliação da nossa forma de organização intelectual.. OLIVEIRA. 2002. CHASSOT. CHASSOT. 1996. MARTINS. HELMANN. 2003. 2004. 1994. entre o econômico e o político. VILA NOVA. HELMANN. É certo que estamos a assistir ao surgimento de grupos específicos de cientistas sociais (e mesmo de outros que não o são) unidos por interesses ou áreas temáticas concretos. COMISSÃO GULBENKIAN. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 CHAUÍ. ANDERY. 20. Nem todos somos ou seremos cientistas sociais. nem que haja zonas do conhecimento reservadas a pessoas munidas deste ou daquele grau universitário. BIEHL.] afinal. 1988. ANDERY. DA MATTA. As questões econômicas não são do foro exclusivo dos economistas. 1994. DUARTE. CHAUÍ. MILLS. cit. Para abrir as Ciências Sociais. CHASSOT. 1999. 1992. ANDERY. 1996. 2004. um grupo internacional de estudiosos distintos (seis da área das ciências sociais. CHASSOT. 2002. Em suma. ANDERY. WEBER. para uma Reflexão sobre as Ciências Sociais e A Fundação Calouste Gulbenkian. p. 97-99. inclusive recente. BERGER. 1994. 1994. 2002. 2002. São Paulo: Cortez. 1994. elas devem estar no centro de toda e qualquer análise produzida 3 A Fundação Calouste Gulbenkian. dois das ciências da natureza e dois das humanidades). 1987. 164. reuniu para dirigir um trabalho intelectual. BIEHL. no passado. 138.br/ead 22 Origens do pensamento social e seu nascimento como ciência Fonte 36: Arquivo Ulbra Ead Ter uma preocupação sociológica não é do foro exclusivo dos sociólogos. ter uma preocupação histórica não é algo do foro exclusivo dos chamados historiadores. BRANDÃO. 1982. 18-19.. p.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful