Você está na página 1de 1

Os semblantes do analista face devastao Rosangela A dos Santos

O texto apresentado por Lilany Pacheco traz a problematizao do tema o analista e os semblantes acompanhado de um caso clnico Sofia, mostrando a emergncia da transferncia analtica como manifestao do semblante de saber e as possibilidades de sua transformao em outro semblante, visando modalidade do gozo para uma jovem as voltas com a devastao. A autora situa a apresentao do caso em trs tempos, sendo no primeiro tempo a relao da paciente com seu namorado do qual se tornou escrava, tendo que dar provas da sua fidelidade. Sendo privilegiado o significante infiel do qual ela no pode identificar-se, as intervenes da analista apontavam para a banalizao deste significante que tem a ver com o par parental, buscando desangustiar o sujeito alienado ao gozo enigmtico do Outro materno. No segundo tempo, demandado pela me que diz no dou conta dela, algo da privao opera quanto me, e para a paciente a disjuno me-mulher, a faz reconhecer as frustraes de sua me como mulher, em sua vida amorosa e profissional. Nesse tempo, Sofia se interroga sobre a legitimidade das demandas que sua me fazia ao seu pai e o seu papel nesta situao, assim comea a construo de um saber sobre as conexes entre sua vida amorosa e a relao com o Outro materno, indcios de separao da sua posio de fetiche da me. O terceiro tempo aponta o funcionamento do sujeito do suposto saber como um semblante, introduz o analista como um significante que incide sobre a repetio do sintoma. A paciente, neste tempo confrontada com a consistncia real do gozo, localizando a sua questo este o ponto da vida no qual me saio mal, os namoros. A direo do tratamento neste momento visa colocar o objeto a em cena e a inscrio de Sofia no mundo dos semblantes que lhe permita inventar a mulher que no existe.
REFERNCIA PACHECO, Lilian.Os semblantes do analista face devastao. Correio 64, novembro de 2009.