Você está na página 1de 1

Comunicado

Face s especulaes surgidas relativamente questo oramental, e sem embargo da reunio com o Grupo Parlamentar que terei na prxima 6. feira, cumpre-me afirmar o seguinte: 1 O CDS votar o Oramento de Estado considerando que Portugal no pode ter uma crise poltica que agravaria, ainda mais, a situao econmica e social extremamente sensvel que o nosso Pas atravessa. 2 O CDS valoriza a estabilidade num momento especialmente critico para Portugal, dado que nos encontramos sujeitos a um Programa de Assistncia Econmica e Financeira da comunidade internacional. O CDS tem em ateno que Portugal depende desta assistncia externa, de que exemplo o financiamento que dever ser aprovado na prxima semana. O CDS leva ainda em conta a situao na zona euro, especialmente nalguns Estados-membros, e considera, por isso, que Portugal deve revelar prudncia para evitar perigos suplementares. O CDS sabe ainda que a inexistncia de um Oramento constituiria, em si mesmo, incumprimento dos compromissos estabelecidos com os nossos credores. Face a este quadro de referncia o CDS deve colocar acima de tudo o seu dever de responsabilidade perante o Pas. 3 Em coerncia com o esforo feito dentro do Governo, e em articulao no quadro da maioria, o Grupo Parlamentar do CDS contribuir para melhorar aspectos do Oramento de Estado at concluso do respectivo processo. 4 O CDS deve estar altura das circunstncias. O CDS tem o peso que os portugueses lhe deram. Sendo a terceira fora poltica e acreditando nas instituies o CDS sublinha que, sobretudo numa situao de emergncia nacional, todos tm um contributo a dar para assegurar a estabilidade poltica, o consenso nacional e a coeso social em Portugal.

O Presidente do CDS