Você está na página 1de 6

RPIF

2011 03
1

EFEITO SINERGÍSTICO DA PRÓPOLIS TIPIFICADA CONTRA Enterococcus faecalis
Karine Cristina dos Santos Araújo1 e Maria Cristina Marcucci1

Universidade Bandeirante de São Paulo, Programa de Mestrado Profissional em Farmácia, São Paulo, Brasil.

RESUMO
A própolis é constituída por uma série de substâncias resinosas, gomosas e balsâmicas, recolhida de brotos e cascas de árvores ou de outras partes do tecido vegetal, pelas abelhas, que a transportam até a colméia, onde adicionam secreções próprias como a cera e secreções salivares. Possui importantes atividades como antimicrobiana e antiinflamatória entre outras. Estudos realizados relatam a ação inibitória in vitro da própolis principalmente em micro-organismos Gram-positivos e em menor escala nos Gram-negativos. Este trabalho teve como objetivo estudar a atividade antibacteriana da própolis vermelha e verificar o sinergismo entre esta e o antibiótico Vancomicina contra Enterococcus faecalis. Foi constatada a atividade antibacteriana da própolis vermelha e a ação sinergística quando associada ao antibiótico Vancomicina.

Palavras-chave: Própolis vermelha, Vancomicina, Sinergismo, Enterococcus faecalis; Resistência microbiana.

ABSTRACT
Propolis is a resinous substance containing a number of resins, balsam and gum, collected by bees from buds and bark of trees or other parts of plant. The bees collected this resin and carry up to the hive mixing it with wax and salivary secretions. It has important activities such as antimicrobial and antiinflammatory, and others. Studies related the propolis effectiveness in vitro with an inhibitory action against Gram-positive microorganisms and a minor activity against Gram-negative. The purpose of this work was to evaluate the antibacterial activity of red propolis and verify the synergism between the ethanolic extract of this resin and Vancomycin against Enterococcus faecalis. We concluded that there is an antibacterial activity of red propolis and the synergist action in association with Vancomycin.

Key-words: Red Propolis, Enterococcus faecalis, Antimicrobial Resistance, Synergistic effect.

Endereço para correspondência
Universidade Bandeirante de São Paulo, Rua Maria Cândida, 1813, São Paulo, SP, 02071-013, Brasil E-mail: cris.marcucci@yahoo.com.br

2003). o que comprova a atividade antimicrobiana da própolis (Miorin. 2011. quando em temperatura ambiente e rígida em temperaturas abaixo de 20ºC (Pinto et al. como proteção contra intrusos e do frio. Segundo Trusheva et al. desinfeta o interior da colméia e os alvéolos onde a abelha rainha faz a postura dos ovos. esverdeada clara ou pardo escuro de acordo com a origem botânica. anticarcinogênica e antiprotozoária (Trusheva et al. um novo tipo de própolis popularmente conhecida como própolis vermelha é coletada nas regiões do nordeste.. impedindo a entrada de micro-organismos. 1998. anti-inflamatória. Farm. provavelmente como parte da milenar tradição de privilegiar alimentos e remédios naturais. Quando um intruso é abatido e não pode ser retirado do interior da colméia. 2006). anestésica. incluindo peixes. 2003). 2006) analisaram vinte frações de própolis vermelha do nordeste brasileiro e identificaram catorze compostos. a colméia (Miorin. INTRODUÇAO A própolis é uma substância resinosa. A própolis vermelha possui composição química distinta da própolis verde e das outras própolis estudadas até o momento. em uma completa linha de produtos. 10 . A ação antimicrobiana da própolis é devida à presença de um conjunto de princípios ativos como flavonóides e ácidos fenólicos. mantendo a temperatura ideal para o desenvolvimento das larvas. Estudos geográficos podem ser elaborados correlacionando-se as regiões produtoras com as propriedades biológicas (Oliveira et al. imunoprotetora. triterpenóides. também como antimicótico e cicatrizante.. 2006. 9-14. 2001).. O produto também encontrou aplicação em outras áreas. Vários estudos relatam suas atividades antimicrobiana. como a cosmética. 1996. Junior et al. sendo este último considerado o mais potente como antimicrobiano (Pinto et al.. 2007). a população é estimulada a consumir sucos e outras bebidas com uma pequena porção de própolis. (Trusheva et al. muito consumidos na dieta japonesa (Bastos. antitumoral e anti-HIV (Miorin. especialmente no Japão.. 2006). anti-inflamatória. sabor de suave balsâmico a forte. bactericida e bacteriostática. obtida pelas abelhas através da coleta de resinas dos vegetais da região e que são modificadas pela adição de enzimas contidas em sua saliva (Marcucci et al. benzofenonas preniladas e a naftoquinonas. Além disso. Junior et al. 2001). cicatrizante. que significa “defesa de uma cidade”. 2006). 2003). 3(1). dentre eles: fenóis. Coutinho. sobre Gram– negativos (Pinto.. Atualmente. anti-séptica e hipotensiva.. antiprotozoário. desde loções tônicas para a limpeza da pele até sabonetes capazes de combater acnes. porém este tipo de própolis é considerado típico de Cuba (Trusheva et al. 2003). a própolis conquistou um status maior. Rubio et al. A própolis é utilizada para as mais variadas funções na colméia. 2001). de gengivites...Araújo & Marcucci/Rev. A atividade antimicrobiana varia de acordo com o local e época em que a amostra de própolis é produzida. 2006. em menor escala. A maioria dos relatos mostra que os diversos tipos de extratos de própolis possuem acentuada ação inibitória in vitro. a própolis é empregada no desenvolvimento de medicamentos hepatoprotetores e para a inibição de tumores cancerígenos. a própolis vermelha possui atividade antimicrobiana contra Staphylococcus aureus. Inov. A própolis é conhecida como um poderoso antibiótico natural. A palavra "propolis" vem do grego: ["pro” =em favor de] + ["polis"=cidade]. 2003).. No Brasil. amargo e picante e sua consistência varia do maleável a ligeiramente rígida.. como um elixir da saúde. no caso. Ayres et al. antifúngica. Escherichia coli e Candida albicans e apresentou também atividade antioxidante. 2001. sobre micro-organismos Grampositivos e. 2004. (2006). A propriedade antibacteriana permanece estável mesmo após a própolis ser submetida à temperatura de 100 ºC por meia hora (Miorin. hepatoprotetora. Apesar do trânsito diário das abelhas dentro da colméia verifica-se a proteção contra micro-organismos pela manutenção da esterilidade dos favos. A própolis revelou-se também um poderoso conservante de alimentos. fechamento de frestas. Pesq.. Em toda a Ásia. é utilizada com maior frequência na prevenção e tratamento de lesões e infecções da via oral. evitando que sua putrefação contamine o ninho (Pinto et al. antioxidante. 2007). Apresenta cor variável: amarelada. Lá. Junior et al.. antivirótica. as abelhas o mumificam com própolis. isoflavonóides.

Para tanto. como agente oportunista em infecções hospitalares. 3(1). 2005).. a vancomicina ainda é considerada como um dos recursos mais adequados para tratamento de infecções causadas por bactérias Gram-positivas. Segundo (Pinto et al. Apesar da natureza não patogênica dos enterococos com relação a pessoas sadias. A resistência do E. interferindo na etapa de transpeptidação (Oliveira et al. impedindo assim sua ação no bloqueio da síntese de parede celular (Furtado et al. e extrínsecos. muitas vezes. 2001).. comportando-se. fazendo com que diminua a incidência de efeitos colaterais e ao mesmo tempo potencializar a antibioticoterapia no tratamento de infecções em que a resistência bacteriana torna-se fator determinante (Marshall. derivada de genes cromossômicos. Para a diminuição destes efeitos é sugerido que se reduza a dose clínica de determinados antibióticos e se associe a produtos de ação antimicrobiana natural. 2001) a combinação de extratos de própolis com antimicrobianos apresenta efeito sinergístico. Farm. 2001). e se deve normalmente a produção de enzimas que inativam o agente antimicrobiano e seus sítios (Hernandez et al. A cepa de Staphylococcus aureus ATCC 29213 foi utilizada como controle de qualidade da Vancomicina para os procedimentos microbiológicos envolvendo a concentração inibitória mínima (CIM). Desta forma. Este valor foi levado em conta no cálculo da concentração inibitória mínima (CIM) e também em outros experimentos. atualmente. 2011. devido principalmente. O material foi deixado em mesa agitadora (Shaker) por 24 horas. Após a extração. a sua resistência a agentes antimicrobianos (Menezes et al. Da mesma maneira que os antibióticos penicilínicos. enterococos resistente à Vancomicina (VRE) têm sido descritos como patógenos hospitalares. Os Enterecoccus faecalis. o surgimento em 1988 dos primeiros casos de resistência destas bactérias causou alarme. 1995. 9-14. faecalis aos antimicrobianos pode ser de dois tipos: intrínseca.. Apesar da recente incidência de resistência de enterococos e estafilococos a antibióticos glicopeptídicos. Pinto et al. Extração alcoólica de própolis O extrato etanólico da própolis foi preparado da seguinte maneira: aproximadamente 30 g da resina bruta moída foi extraída com 100 mL de etanol PA (Ecibra). Método de diluição em ágar O método de diluição em ágar. Pesq. Esta resistência ocorre basicamente pela produção de precursores de peptideoglicano na parede celular que se ligam pobremente à vancomicina. 2002). Os antimicrobianos apesar de serem eficazes na maioria das vezes contra microorganismos causam efeitos colaterais principalmente quando se trata de uso prolongado. 2005). filtrado e concentrado em rotaevaporador até a eliminação total do etanol obtendo-se o extrato etanólico seco (EEP). Avaliação da atividade própolis vermelha antimicrobiana da Micro-organismos O micro-organismo utilizado para os ensaios da atividade antimicrobiana da própolis vermelha foi o Enterococcus faecalis ATCC 29212 (American Type Culture Colection). As concentrações finais do extrato etanólico de 11 . uma alíquota de 5 mL foi seca em estufa para se efetuar o cálculo da porcentagem do extrato na solução. desde 1998 (Furtado et al. No Brasil. 1993). O sinergismo é a associação de fármacos administrados simultaneamente proporcionando um efeito maior do que em cada um deles separadamente (Tortora. como resultado de uma disseminação clonal. são causa de infecções urinárias em pacientes internados em hospitais. MATERIAIS E MÉTODOS A amostra de própolis avaliada foi proveniente de Maceió (Alagoas) cedida pelo apicultor José Marinho de Lima. ou plasmídica.. descrito pelo CLSI (Clinical Laboratory Standards Institute) foi utilizado para determinação da CIM da própolis. o extrato etanólico de própolis (EEP) obtido foi avaliado quanto a sua concentração em porcentagem (peso/volume).. a vancomicina afeta o metabolismo de construção da parede celular das bactérias. Inov... Este trabalho teve como objetivo estudar a atividade antibacteriana da própolis vermelha e o sinergismo entre esta e o antibiótico Vancomicina contra Enterococcus faecalis.Araújo & Marcucci/Rev. 2005). ela liga-se na porção terminal D-Ala-D-Ala de um pentapeptídeo encontrado em precursores de peptidoglicano.

3(1). 0. Neste trabalho. 0. foram: 0. Foi realizada inicialmente a avaliação da atividade antibacteriana do extrato etanólico da própolis vermelha a 1%.050%.200%. O valor em miligramas obtido pela fórmula foi pesado em balança analítica de precisão (Marte). pois. Essas concentrações foram individualmente diluídas em meio de cultura ágar Muller-Hinton (Merck). O inóculo foi preparado através de suspensão direta de colônias com turvação equivalente a 0. A utilização do fator de correção visa corrigir a perda de potência que ocorre no período entre a diluição e a realização do teste. em E. Para a diminuição destes efeitos é sugerido que se reduza a dose clínica de determinados antibióticos e se associe a produtos de ação antimicrobiana de origem natural. 9-14.010%. com o antibiótico vancomicina. O E. concentração (µg/mL) da solução final. Uma placa contendo meio de cultura e o inóculo bacteriano foi utilizada como controle.1 e a potência foi fornecida pelo fabricante do antimicrobiano. 2011. A solução estoque do antibiótico foi preparada segundo Isenberg (1992) através do cálculo: Peso (mg) = volume (mL) x concentração (µg/mL) x fator de correção potência RESULTADOS E DISCUSSÃO A resistência microbiana é um problema que vem aumentando em todo o mundo. Associação da própolis e antibiótico Após se estipular a CIM da amostra bacteriana com a própolis e o antibiótico. fazendo com que diminua a incidência de efeitos colaterais e ao mesmo tempo potencializar a antibioticoterapia no tratamento de infecções em que a resistência bacteriana torna-se fator determinante (Marshall. Pesq.15%.05 μg/mL . 12 .075.Araújo & Marcucci/Rev. principalmente contra bactérias Gram-positivas. faecalis em uma concentração 50μg/mL (Figura 1). 0. Os antimicrobianos apesar de serem eficazes na maioria das vezes contra microrganismos causam efeitos colaterais principalmente quando se trata de uso prolongado. Há inúmeros relatos a respeito das importantes atividades biológicas da própolis. para a determinação da Concentração Inibitória Mínima (CIM). propusemos a associação da própolis vermelha. foi utilizado o método da macrodiluição em agar para realizar a associação da própolis com o antimicrobiano. temse relatado o aparecimento de cepas resistentes à vancomicina. para avaliar um possível sinergismo da atividade antibacteriana. Dentre estas se destaca a atividade antibacteriana. Inov. 1995. Miorin (2002) avaliou o sinergismo da própolis associada aos antimicrobianos vancomicina e oxacilina constatando a ação sinergística antibacteriana desta associação contra cepas resistentes de Staphylococcus aureus.175%. Farm..85%. um novo tipo de própolis oriunda do nordeste brasileiro. O fator de correção foi fixado em 110 % ou 1. sendo que a concentração final do inóculo foi 4 aproximadamente 10 UFC. 0. A potência ou atividade do antimicrobiano fornecida pelo fabricante foi a seguinte: vancomicina. principalmente no ambiente hospitalar diminuindo a eficácia dos antibióticos. 2001). A CIM foi determinada a partir da placa em que não houve crescimento bacteriano. Estudo da associação de antibiótico com própolis (sinergismo) Foi utilizado um extrato etanólico da própolis vermelha a 1% (m/V) para determinar a CIM da amostra estudada.5 da escala de McFarland em 5. 1220. Nesse procedimento metade da CIM do antibiótico vancomicina foi associado com metade da CIM da própolis vermelha.025%. ATCC 29212. Essa problemática relacionada à resistência faz com que se procure por novos agentes terapêuticos para aumentar a eficácia dos antimicrobianos. Todas as placas foram incubadas a 35 °C por 20 h. 0. 0. a antibioticoterapia é um tratamento bastante oneroso. e diminuir a sua toxicidade e também os custos. onde: volume (mL) da solução final. 1 μL do inóculo foi colocado na superfície do ágar.0 mL de solução salina a 0. A própolis vermelha inibiu o crescimento do E. Pinto et al. 0. faecalis.1%. Em seguida foi diluído 1/10 para ser obtido uma concentração de 107 UFC/mL.faecalis é um coco grampositivo que vem apresentando resistência aos antimicrobianos mais comumente utilizados. A vancomicina (Biosintética) foi preparada com uma concentração de 200 μg/mL. própolis a partir do estoque a 1%.

Acesso em: 08/Jun/2007. A B REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ayres DC.br/scielo. 2011. faecalis. São Paulo. Composição química e atividade antibacteriana do mel e da própolis de Apis mellifera e Tetragonisca angustula com Staphylococcus aureus. Quando associadas essas duas concentrações observou-se a inibição do microorganismo comprovando a ação sinergística. . 39(1) São Paulo. Rev. 2003. Posteriormente.5µg/mL) e metade da concentração da própolis (25µg/mL) as quais não apresentaram inibição do crescimento do E. faecalis. 1995. Tabela 1. Disponível em: http://www. Revista Cubana de Medicina Militar 2005. Popov S. Marcucci MC. Marcucci MC. Substância Vancomicina Própolis Vancomicina +Própolis CIM (µg/mL) 1. p.ed. 13 Para a avaliação da atividade sinergística da própolis vermelha associada à vancomicina.Araújo & Marcucci/Rev. Atividade antimicrobiana de produtos naturais.php?script=sci_arttex t&pid=S0034-89102005000100006 . Incidência de Enterococcus resistente à vancomicina em hospital universitário no Brasil. Acesso em 24/Abr/2007. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 2007. Disponível em: http://revista. Farm. Junior AF.cu/scielo. Campos et al. foi utilizada a metade da concentração inibitória mínima da vancomicina (0. Concentração inibitória mínima (CIM) da Vancomicina. Hernandez RN. Método da macrodiluição em ágar realizado para E. In vitro Activity of própolis against bacterial and yeast pathogens isolated from human infections. Coutinho HDM. Zeitschrift für Naturforshung 1998. São Paulo: Santos 1. 2004. Disponível em: http://scielo. 3(1). Inov. www.scielo.sld.scielo. 55 -132. Revista Eletrônica Minas Faz Ciência 2003. Saúde Pública 2005. foi avaliada a atividade antimicrobiana da vancomocina contra E. Clinical Laboratory Standards Institute. 102:215-220.br/scielo. Manual de Laboratório Clínico de Microbiologia. 2.org. 6. Furtado GH.0 25±0.br/materia.5 Bastos E. Figura 1.fapemig. 53C:117-119. ICB. Marshall JR. CONCLUSÃO A própolis vermelha possui atividade antibacteriana contra E. Disponível em: http://www. B: Inibição do crescimento microbiano.clsi. Rodriguez Martinez J. CLSI. Faecalis.php?id=157. Effects of brazilian propolis in Leishmania amazonensis. Tese de mestrado em microbiologia. Bankova VS.faecalis. p. Miorin PL.php?script=sci_arttex t&pid=S0104-79301995000200003&lng=pt Acesso em 23/Abr/2007. Susceptibilidad in vitro a vancomicina de cepas enterococcus aisladas. da própolis e da associação (Vancomicina e própolis) contra E.0 50. Pesq. Potencial da própolis verde. O antibiótico vancomicina associado à propolis vermelha apresentou atividade antibacteriana demonstrando que essa associação possui atividade sinergística. 9-14. 150. A: Presença de crescimento microbiano. Acesso em 15/Jul/2007. Chemical Composition of Brazilian Propolis from São Paulo State.php?script=sci_arttext& pid=S013865572005000400012&lng=es&nrm=iso&tlng=es Acesso em 05/Jun/2007. obtendo-se uma concentração inibitória mínima de 1µg/mL. Giorgio S. Journal of Venomous Animals and Toxins 2006. Ferreres F. faecalis (Tabela 1).

Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science. 2007. Scielo.uel. 28ª Revista de Patologia Tropical. Agric. disponível em:http://www. Chemical Chararacterization of Cuban Propolis by HPLC-PDAA. Avaliação da tolerância à vancomicina em 395 cepas hospitalares de Staphylococcus aureus resistentes à oxacilina. Marcucci MC.pdf . Santos SS. 2005. 14 . Disponível em: http://www.S.pdf .. 2011. Disponível em: http://www. Food Chem. Bioactive Constituents of Brazilian Red Propolis. Miorin PL. Popolva M. e-CAM: Evidence based complementary and alternative medicine.3:249-254. Red and Yellow Cuban Varieties of Propolis. Disponível em: http://www.iptsp. Rubio OC. Oliveira G. Staphylococcus aureus Resistência a antimicrobianos. Souza VM.bibliotecadigital. 2001. and NMR: the Brown.br/ download/2005_34(1)27_36.br/pdfs/rbac37_ 2_001.br/scielo.Acesso em 05/06/2007. Menezes EA. Acesso em 29/10/2007. Farm.php?script=sci_arttex t&pid=S1413-95962001000600006&lng=pt Acesso em 18/04/2007.br/ document/?code=vtls000099559. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 9-14. Pesq.scielo. Simova S. Urine nosocomial infections caused for Enterococcus faecalis in the Fortaleza city.ufg. et al. et al.php?script=sci_ar ttext&pid=S167624442001000400004&lng=es&nrm=iso&tlng=pt Acesso em 05/06/2007. Pinto M. Trusheva B.scielo. HPCL-MS. 2006.Acesso em 05/06/2007.org. Inov. Open archives.br/scielo. J. 3(1). 2001.Araújo & Marcucci/Rev. Disponível em:http://sbac. Bankova V.