P. 1
Meu Resumo de Pluralidade Cultural

Meu Resumo de Pluralidade Cultural

|Views: 9.737|Likes:
Publicado porSamara Andrade

More info:

Published by: Samara Andrade on Nov 18, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/29/2013

pdf

text

original

Pedagogia Período: 2° Assunto: Resumo descritivo Pluralidade Cultural O objetivo da Pluralidade Cultural é respeitar os diferentes grupos e culturas que

compõem o mosaico étnico brasileiro e mundial, incentivando o convívio dos diversos grupos e fazer dessa característica um fator de enriquecimento cultural. Com ela propomos os respeitar as diferenças, enriquecer-se com elas e, ao mesmo tempo, valorizar a própria identidade cultural e regional. Também lutar por um mundo em que o respeito às diferenças seja à base de uma visão de mundo cada vez mais rica para todos nós. Todas as culturas humanas criaram modos de viver coletivamente, de organizar sua vida política, de se relacionar com o meio ambiente, de trabalhar, distribuir e trocar as riquezas que produzem. Mais ainda, todos os povos desenvolveram linguagens, manifestações artísticas e religiosas, mitologias, valores morais, vestuários e moradias. Assim, a pluralidade cultural indica, antes de tudo, um acúmulo de experiências humanas que é patrimônio de todos nós, pois podem enriquecer nossa vida ao nos ensinar diferentes maneiras de existir socialmente e de criar o futuro. Justificativa Registra-se dificuldade para se lidar com a temática do preconceito e da discriminação racial e étnica. Na escola, muitas vezes, há manifestação de racismo, discriminação social e étnica, por parte dos professores, de alunos e da equipe escolar ainda que de maneira involuntária e inconsciente. Essas atitudes representam violação dos direitos do discriminados, trazendo obstáculos aos processos educacionais, pelo constrangimento a que as pessoas se vêem expostas. A aplicação e o aperfeiçoamento da legislação são decisivos, mas insuficientes. Para construir uma sociedade justa, livre e fraterna, o processo educacional terá de tratar do campo ético, de como se desenvolvem no cotidiano atitudes e valores voltados para a formação de novos comportamentos, novos vínculos em relação àqueles que historicamente foram alvo de injustiças. Mesmo em regiões onde não se apresente uma diversidade cultural tão acentuada, o conhecimento dessa característica plural do Brasil é extremamente relevante. Ao permitir o conhecimento mútuo entre regiões, grupos e indivíduos, ele forma a criança, o adolescente e o jovem para a responsabilidade social de cidadão, consolidando o espírito democrático. Estado atual dos trabalhos com a temática Propostas da Organização das Nações Unidas (ONU), por intermédio de suas agências, têm procurado trazer contribuições para que se desenvolva uma “Cultura da Paz”, no âmbito da escola, baseada em trabalhos sobre tolerância — conceito adotado pela ONU como marco referencial no processo de construção do entendimento—, do respeito mútuo, da solidariedade. Há um apelo da ONU para que se enviem novas propostas de trabalho nesse campo, tal o nível incipiente em que educadores em geral ainda se encontram com relação à temática. No caso do Brasil, há estudos desenvolvidos acerca de escolas indígenas e pesquisas a respeito da situação dos afro descendentes em escolas, bem como algumas experiências inovadoras em alguns estados vinculadas a movimentos de caráter étnico. Entretanto, pouquíssimo se discutiu sobre uma proposta que falasse do Brasil como um todo, em sua complexidade cultural, das relações que se estabelecem entre diferentes culturas que convivem neste território. É interessante, também, registrar que raríssimos estudos tratam das relações entre crianças e intercâmbio cultural, no seu contexto mais amplo, como fator relevante para o desenvolvimento psicológico e cognitivo. Há estudos, sobretudo no campo da lingüística e da antropologia, que tratam da apreensão e da elaboração cultural pela criança no interior de seu

tradições africanas. procurou-se fazer um levantamento do que estaria disponível no plano internacional e no Brasil. a organização social nos grupos e regiões. culturais. lamentavelmente tem sido um estigma para muitas crianças e adolescentes na escola. os modos de relação com a natureza. alemães. lituanos. de acordo com avanços na consciência do próprio movimento. ciganos. bem como por teorias que deslocaram a responsabilidade da escola para o aluno. com a necessidade de novas estratégias que conduzam a objetivos voltados para o pleno exercício de direitos civis. Contudo. Caracterização do tema Convivem hoje no território nacional cerca de 206 etnias indígenas. japoneses. é fato que a escola encontra-se marcada por práticas cultural e historicamente arraigadas. necessariamente. com mudanças em campo social. A dificuldade para categorizar os grupos que vieram para o Brasil e formaram sua população é indicativo da diversidade. O trabalho com o tema. cada uma com identidade própria e representando riquíssima diversidade sociocultural. poloneses. judeus. muçulmanos. reveste-se de algumas dificuldades. Portugueses. a vivência do sagrado e sua relação com o profano. Diferentes características regionais e manifestações de cosmologias ordenam de maneiras diferenciadas a apreensão do mundo. Entre outras medidas estruturais. ensinamentos de valores e formas de solidariedade distintas. A diversidade marca a vida social brasileira. de valores. evangélicos. Também na escola. Nesse sentido. italianos. ou regional. A situação de pobreza manifesta na favelização das áreas urbanas e na precariedade da zona rural. situam-se entre outras inumeráveis categorias de identificação.grupo de origem. sírios. budistas. a cada tempo. além de currículos e formação de professores insuficientes. imprensa como forma de a escola abrir-se à atualização permanente também nas peculiaridades deste tema. seja o recorte continental. É por isso que este documento enfatiza o intercâmbio com movimentos sociais. chineses. latino-americanos. novas formas de lidar com a temática. Além disso. O campo e a cidade propiciam às suas populações vivências e respostas culturais diversas. onde essa diversidade está presente diretamente naqueles que constituem a comunidade escolar. nacional. porém. englobando conteúdos atitudinais. de projetos de vida. o reconhecimento e valorização de características específicas e singulares de regiões. se pode citar a dinâmica das elaborações teóricas a respeito. Como exemplo. cultural. franceses. com posições divergentes e às vezes conflitantes entre si. com diferentes tradições culturais e religiosas. sociais. racial/étnico. É bastante comum a expectativa de desempenho baixo em relação ao aluno proveniente das camadas economicamente menos favorecidas e/ou de grupos étnicos socialmente discriminados. espanhóis. linguístico. tem sido pouco usual propor à criança e ao adolescente uma abertura para culturas diferentes da sua. que implicam ritmos de vida. etnias. esse processo complexo presente na vida brasileira é ignorado e ou descaracterizado. gerais da população e específicos dos diferentes grupos. particularmente em processos da indústria de bens culturais. coreanos. Os processos migratórios colocam em contato grupos sociais com diferenças de fala. de costumes. junto a uma imensa população formada pelos descendentes dos povos africanos e um grupo numeroso de imigrantes e descendentes de povos de vários continentes. em particular os etnoculturais e de outras forças socioculturais presentes e atuantes. São múltiplas as origens da omissão com relação à Pluralidade Cultural. com influências internacionais com as quais dialogam. reportando-se a cada um deles com igual sentido de pertinência. católicos. universidades. armênios. à medida que se propõe como ponto de confluência de estudos e movimentos sociais. CONTRIBUIÇÕES PARA OESTUDO DA PLURALIDADE CULTURAL NO ÂMBITO DA ESCOLA . religioso. silenciada ou minimizada. Freqüentemente. batistas. ingleses. Do mesmo modo. ou na dificuldade de adaptação do filho do migrante. um mesmo indivíduo pode vincular-se a diferentes grupos ao mesmo tempo. indianos. essa presença tem sido ignorada. egípcios. movimentos sociais estabelecem. que são rapidamente substituídas. o estabelecimento de condições que revertam esse processo inclui. professores e alunos. Portanto. escolas. libaneses. húngaros.

constituem uma base sobre a qual se opera tal reflexão que. noções e conceitos originários da Antropologia. mediante a colocação em prática de instrumentos jurídicos já disponíveis. é claro. A contribuição da escola na construção da democracia é a de promover os princípios éticos de liberdade. exige estudo e preparo cuidadoso que não se confundem. diálogo no cotidiano. da Linguística. conhecimentos acumulados no campo da História e da Geografia. o entendimento de preceitos jurídicos. A Conferência de Viena de 1993. é importante esclarecer o caráter interdisciplinar que constitui o campo de estudos teóricos da Pluralidade Cultural. em hipótese alguma. ainda que às vezes de forma clandestina e precária. incluindo o campo internacional. da Psicologia. da Sociologia. do ponto de vista do atendimento pleno dos direitos de cidadania. por outro lado. embora não o esgotem. sobretudo. controlarem e garantirem tais direitos. solidariedade. uma das bases concretas em que se praticam os preceitos éticos. mas as possibilidades que se abrem com trabalho. aspectos referentes a Estudos Populacionais. africano. deve ter cunho eminentemente pedagógico. de exigir conhecimentos próprios do especialista em Direito. participação ativa nas reuniões mundiais sobre os direitos humanos e sobre minorias. dignidade. propostas e iniciativas que visem à superação do preconceito e da discriminação. O Brasil teve. europeu. de mostrar um Brasil perfeito e irreal. Conhecimentos históricos e geográficos Os aspectos históricos e geográficos expõem uma diversidade regional marcada pela desigualdade. a título de subsídios-chave. em seus desafios e conquistas do cotidiano e no processo histórico. é claro. Não se trata. reafirmou a universalidade dos direitos humanos e apresentou as condições necessárias para os estados promoverem. a explicitar que tratar do povo brasileiro. o que exige sensibilidade para a questão da diversidade cultural e ações decididas em relação aos problemas gerados pela injustiça social.Para informar adequadamente a perspectiva de ensino e aprendizagem. Uma das formas de resistência refere-se ao fato de que cada grupo indígena. Visam. A formação histórica do Brasil mostra os mecanismos de resistência ao processo de dominação desenvolvido pelos grupos sociais em diferentes momentos. Conhecimentos Jurídicos A ONU. mas de saber como se define basicamente a cidadania. asiático e do oriente médio encontrou maneiras de preservar sua identidade cultural. ao voltar-se para a atuação na escola. A seguir são apresentadas algumas indicações das diferentes contribuições. justiça e equidade. É a ética que norteia e exige de todos da escola e dos educadores em particular. com o senso comum. além do saber produzido no âmbito de movimentos sociais e de suas organizações comunitárias. preocupada com a conquista da paz mundial. a fim de balizar o trabalho pedagógico deste tema. Aqui não se trata. A fundamentação ética. respeito mútuo. promoveu conferências que buscavam um programa de consenso para orientar os países e os indivíduos quanto à questão dos direitos humanos. Fundamentos éticos Uma proposta curricular voltada para a cidadania deve preocupar-se necessariamente com as diversidades existentes na sociedade. . de cuja declaração o Brasil é signatário. São pistas que o professor poderá seguir aprofundando e ampliando conforme as necessidades de seu planejamento. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é uma das mais avançadas quanto aos temas do respeito à diferença e do combate à discriminação. embates e entendimentos. é a de encontrar formas de cumprir o princípio constitucional de igualdade.

. em particular América do Sul e Brasil. características. Os conhecimentos sociológicos permitem uma discussão acurada de como as diferenças étnicas. sociais e políticos. Conhecimentos antropológicos A Antropologia caracteriza-se como o estudo das alteridades. Conhecimentos sociológicos Toda seleção curricular é marcada por determinantes e fatores culturais. como também da estruturação de processos de influenciação recíproca. viagens de conquista. como criação. o estudo do Oriente Médio. exploração de certos grupos humanos. não cabendo qualquer classificação que sobreleve uma em detrimento de outra. por essa via. condicionantes. que podem ser analisados de forma isolada. culturais e regionais não podem ser reduzidas à dimensão socioeconômica de classes sociais. em diferentes graus e formas. É relevante. A escola deve posicionar-se criticamente em relação a esses fatos. em certo lugar. raça e etnia. desde a barbárie da escravidão a formas contemporâneas de discriminação e exclusão destes e de outros grupos étnicos e culturais. Historicamente. Da mesma forma. da escravidão. A escola pode fortalecer sua atuação tanto mais quanto seja conhecedora dos problemas presentes na estrutura socioeconômica. de sua mercantilização e das repercussões que os povos africanos enfrentam por isso. na qual se coloca a diversidade. O estudo histórico do continente africano compreende enorme complexidade de temas do período pré-colonial. Isso é especialmente importante para o momento atual. auxiliará professores e alunos a formarem referencial não só de conteúdos específicos. por se tratar do que é exclusivamente humano. mas que se encontram amalgamados no social. também. tanto no que se refere às tradições como aos processos históricos que levaram seus habitantes a imigrarem para as Américas. Por isso é errado. conceitual e eticamente. para efeito de estudo. tentou-se justificar. e próprio de certo grupo. na qual os processos de mercantilização da escravidão foram um momento que não pode ser amplificado a ponto que se perca a rica construção histórica da África. injustiças cometidas contra povos indígenas. cooperando no esforço histórico de superação do racismo e da discriminação. contra africanos e seus descendentes. sua história e suas influências na constituição na civilização ocidental. no Brasil. O conhecimento desse processo pode significar o dimensionamento correto do absurdo. Entre eles destacamos os conceitos de cultura. conceitos e termos da temática da Pluralidade Cultural dependem intrinsecamente de conhecimentos antropológicos. e em particular para o Brasil. quando o quadro internacional interfere no cotidiano do cidadão de muitas e variadas formas. Significa resgatar a história mais ampla. como arqueologia. pelas possibilidades que abrem de compreensão de processos complexos. Cada cultura tem sua história. do sul e do norte da África. sustentar argumentos de ordem racial/étnica para justificar desigualdades socioeconômicas. qual o papel desempenhado pelo universo cultural nesse processo. onde se dão interações entre fenômenos de diferentes naturezas. entrelaçamento de seus processos políticos com os do continente americano. o Egito como processo de civilização africana a partir das migrações internas.Compreender a formação das sociedades européias e das relações entre sua história. por se referirem diretamente à organização humana. no qual se afirma o reconhecimento do valor inerente a cada cultura. em certo momento. Conhecimentos sociológicos são indispensáveis na discussão da Pluralidade Cultural. de como se dão as relações de dominação. Alguns temas. grupos humanos. do ponto de vista ético. Essa complexidade milenar é de extrema relevância como fator de informação e de formação voltada para a valorização dos descendentes daqueles povos. abuso. em diferentes momentos. mediante informações corretas. uma visão histórica da Ásia contribui para a compreensão da formação cultural brasileira. dominação. civilizações antigas do Sudão.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->