P. 1
Arteterapia com crianças hospitalizadas: desenvolvimento e análise da pintura

Arteterapia com crianças hospitalizadas: desenvolvimento e análise da pintura

5.0

|Views: 2.218|Likes:
Material enviado ao Portal Banco Cultural pela Profª Ana Cláudia Afonso Valladares (FEN-UFG) - Coordenadora do Conselho Editorial da Revista Científica de Arteterapia Cores da Vida e presidente da Associação Brasil Central de Arteterapia (ABCA)

Material enviado ao Portal Banco Cultural pela Profª Ana Cláudia Afonso Valladares (FEN-UFG) - Coordenadora do Conselho Editorial da Revista Científica de Arteterapia Cores da Vida e presidente da Associação Brasil Central de Arteterapia (ABCA)

More info:

Published by: Portal Banco Cultural on Jan 26, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2013

VALLADARES, A. C. A.; CARVALHO, A. M. P. Arteterapia com crianças hospitalizadas: desenvolvimento e análise da pintura. In: Francisquetti, A. A. (Coord.). Arte Medicina.

São Paulo: Médica Paulista, 2005. p. 119-129. ISBN: 85-993-0502-6.

CAPÍTULO 8 Arteterapia com Crianças Hospitalizadas: Desenvolvimento e Análise da Pintura1
Ana Cláudia Afonso Valladares2 Ana Maria Pimenta Carvalho3

Introdução Arteterapia é uma prática terapêutica que trabalha com a intersecção de vários saberes, como a educação, a saúde, a arte e a ciência, buscando resgatar a dimensão integral do homem (OSÓRIO, 1998). Conforme Valladares (2004), a arteterapia almeja a produção de imagens; a autonomia criativa; o desenvolvimento da comunicação; a valorização da subjetividade; a liberdade de expressão; o reconciliar de problemas emocionais, bem como a função catártica. Ademais, favorece a transformação da pessoa, identidade, comunidade, cultura, política, ecologia, espiritualidade etc (BERG, 1999). Assim, a arteterapia previne, bem como resgata a promoção à saúde (PHILIPPINI, 2004). Ademais, almeja a produção de imagens; a autonomia criativa; o desenvolvimento da comunicação; a valorização da subjetividade; a liberdade de expressão; o reconciliar de problemas emocionais, bem como a função catártica Philippini (2004) acrescenta que na arteterapia são trabalhadas várias modalidades expressivas, que apresentam propriedades terapêuticas inerentes e específicas, e cabe ao
Pesquisa inserida no Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde Integral da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG). 2 Arteterapeuta, Artista Plástica e Enfermeira Pediátrica. Professora Assistente da FEN/UFG. Doutoranda pela Universidade de São Paulo (USP). E-mail: aclaudiaval@terra.com.br 3 Psicóloga. Professora Doutora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP
1

2 arteterapeuta construir um repertório de informações relativas a cada uma, com o intuito de adequar as modalidades expressivas e materiais aos quadros clínicos atendidos. A pintura, uma das modalidades expressivas da arteterapia, é compreendida por Francisquetti (1992) como uma atividade de caráter lúdico. Na criança, ela produz imensa satisfação, sobretudo em razão da sensação de movimento do corpo e da percepção dos efeitos gráficos produzidos, que lhe proporcionam ampla liberdade para expressar sentimentos e idéias através de formas, cores e texturas, favorecendo seu envolvimento emocional. Conseqüentemente, como exposto por Valladares et al. (2002), a pintura na arteterapia consegue resgatar os aspectos mais saudáveis da personalidade. Segundo Oaklander (1980, p.62), “a pintura possui um valor terapêutico especial e quando a pintura flui amiúde o mesmo ocorre com a emoção”. Isto porque a fluidez da tinta e sua função liberadora induzem o movimento de soltura, de expansão, trabalhando o relaxamento dos mecanismos defensivos de controle, uma vez que as cores quentes (amarelo, vermelho) ativas e dinâmicas aceleram o metabolismo, enquanto que as cores frias (verde, azul), com sua característica balsâmica, acalmam a pessoa

(VALLADARES, 2001). A pintura propicia a criação de representações bidimensionais, pelas possibilidades que a tinta oferece, como: pastosidade; facilidade de ser misturada; formando novas cores; a marca da pincelada; a cobertura rápida de planos; a mancha etc (PILLAR, 1990). A técnica da pintura, para Pain & Jarreau (2001), apresenta, no mínimo, três obstáculos: o limite das superfícies, o limite da valorização das tonalidades e o das cores. A pintura espontânea, largamente utilizada em arteterapia, oferece a possibilidade de harmonia, constituindo-se num canal através do qual se expressa parte da consciência adormecida, esquecida: a imaginação, a intuição e a criatividade.

3 Para Pillar (1990), o que diferencia a pintura do desenho é que, na pintura, a cor se torna elemento fundamental de construção do espaço – de construção analítica de um espaço que é essencialmente cor – não se limitando aos objetos, pois ela invade os espaços entre eles. A cor é um meio de conhecimento que transforma o real e expressa uma visão particular do mundo. No desenho, a linha que é o elemento principal na construção do espaço visa à precisão da forma. A experiência de Silveira (1981) com doentes mentais demonstra que estes podem utilizar a pintura como um instrumento para reorganizar sua ordem interna e, ao mesmo tempo, reconstruir sua realidade. Acredita-se, assim, que a pintura arteterapêutica tenha um grande valor para crianças que se encontram doentes e principalmente as internadas e conseqüentemente submetidas a tratamentos invasivos (VALLADARES, 2000/2001), porque ela pode resgatar um lado mais lúdico e saudável das crianças internadas, se puderem utilizar materiais, como: cola colorida, aquarela, guache, tinta acrílica, tinta PVA, têmpera, tinta a óleo, tinta vinílica e terra (água e cola), além de suportes diversos: papéis, tecidos e madeira, entre outros. Por certo, ainda como tratamento das enfermidades, além dos medicamentosos específicos, devem-se incluir mudanças nos hábitos de vida da criança, como: escolha de uma alimentação saudável, prática de atividade física adequada, reposição do sono e do repouso, convivência com um trabalho menos estressante, mas, especialmente, manter a liberdade de expressão das suas emoções. A arteterapia pode oferecer à criança oportunidades que a levem a lidar melhor com as situações desfavoráveis, facilitando sua adaptação às rotinas hospitalares, estimulando seu desenvolvimento saudável e restabelecendo o equilíbrio emocional. Estudos (VIEGAS, 1997; FRANÇANI et al., 1998; ALVES & MORAIS, 2001; VALLADARES, 2001; VITORIANO, 2001, entre outros) mostram que, quando se

4 obtém sucesso efetivo no tratamento hospitalar de crianças através da expressão lúdica, previnem-se complicações e diminuem-se significativamente os efeitos negativos da hospitalização, tais como dor, sofrimento e tempo de internação, além de melhorar sua qualidade de vida. No caso das crianças, o adoecimento favorece alterações na sua vida como um todo, que podem, muitas vezes, desequilibrar seu organismo interna e externamente, o qual, em conseqüência disso, poderá bloquear seu processo de desenvolvimento saudável, especialmente se a doença for longa e duradoura (WHALEY & WONG, 1989; ANGERAMI-CAMON, 2002; DIAS et al., 2003). O desenvolvimento infantil é um processo complexo que envolve as diferenças individuais e as específicas de cada período, como mudanças nas características, nos comportamentos, nas possibilidades e nas limitações de cada fase da vida, indistintamente. A singularidade das crianças lhes é conferida por influências de seu ritmo próprio de desenvolvimento e por características pessoais que as diferenciam das demais (WHALEY & WONG, 1989). Conforme Sigaud & Veríssimo (1996), o período que compreende dos sete aos dez anos de idade, objeto de estudo deste trabalho, e que se convencionou chamar de período escolar, é decisivo para a estruturação harmoniosa do indivíduo. Nesta etapa, ocorrem transformações significativas nos aspectos cognitivos, socioemocionais e da comunicação plástica, pois é quando o raciocínio da criança apresenta-se mais lógico, compreendendo melhor os fatos (WHALEY & WONG, 1989); ademais, é nessa fase que amplia suas relações e distancia-se do convívio familiar, movendo-se em direção ao contexto social e aos grupos de pares, quando passa a ser menos egocêntrica (SIGAUD & VERÍSSIMO, 1996). Nessa fase, a criança inicia a estruturação e integração dos seus pensamentos em um sistema coerente, a interpretação e organização de suas atuais percepções vinculada

5 a suas experiências passadas, e a coordenação de seus conceitos concretos em totalidades mais complexas denominadas operações cognitivas (CHESS & HASSIBI, 1982). Para Whaley & Wong (1989), nesse período a criança tem, então, aumentada sua capacidade de projetar, imaginar, simular, conseguindo em graus de complexidade maior ou menor: justapor, congregar, sobrepor, abstrair, multiplicar, encaixar, preencher, anular, adicionar, associar, repartir, dividir, geometrizar, retirar. Seu vocabulário continua se ampliando e sua linguagem ganha mais coerência, clareza e comunicabilidade e já aceita melhor as regras de estruturação e funcionamento da linguagem. O grupo é cada vez mais importante para o escolar que se distancia, paulatinamente, do egocentrismo característico da fase anterior. A representação da realidade para ele tende a ser sempre mais concreta, porém perde-se na fantasia e ganha na estruturação (WHALEY & WONG, 1989). Em relação ao crescimento progressivo da arte infantil, este segue seu percurso paralelo ao desenvolvimento geral da criança. Diante o exposto, as autoras deste trabalho visando ao desenvolvimento da pintura no contexto da arteterapia, dentro da instituição hospitalar pediátrica, tiveram como objetivo avaliar as fases da aprendizagem da pintura, antes e após intervenção da arteterapia, de crianças com idade entre sete e dez anos, internadas devido a moléstias infecciosas.

Método a) Tipologia: trabalhou-se com a abordagem quantitativa, com delineamento quasiexperimental. b) Amostra e local: caracterizada por vinte crianças internadas no hospital HDT de Goiânia - Goiás, que formaram dois grupos de dez pacientes, sendo um experimental (que passou por intervenções de arteterapia) e outro controle (que não passou por

6 intervenções de arteterapia). Os grupos foram constituídos por crianças de ambos os sexos, com idade entre sete anos e sete meses a dez anos e onze meses. c) Procedimentos: este estudo é parte da dissertação da autora principal, intitulada: “Arteterapia com crianças hospitalizadas” (VALLADARES, 2003), que foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Médica Humana e Animal do HDT. Os pesquisadores consultaram as crianças e seus responsáveis quanto ao desejo de participarem do mesmo, e, a seguir, solicitaram a estes últimos que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, conforme as normas de pesquisa com seres humanos – Resolução nº196/96 (BRASIL, 1996). As autoras submeteram as pinturas das crianças à análise individual, durante as avaliações iniciais (antes do processo arteterapêutico) e finais (após as intervenções de arteterapia), seguindo uma temática padronizada. Assim, para realizar as avaliações (inicial e final), propuseram a confecção de uma pintura que representasse a figura humana em uma contextualização, forma e quantidade livres. E à medida em que construíram esse trabalho artístico, as crianças eram observadas quanto ao seu desenvolvimento e produção da pintura. Dentre os materiais utilizados, estavam guache, cola colorida, pincel, papel branco em tamanho A1 ou menor (preferência da criança) e materiais de limpeza, como: trapos, papel toalha, água, entre outros. Os instrumentos empregados para análise dos dados foram: Fases da Aprendizagem de Pintura - modelo de Reily (1986) e o Roteiro para Avaliação da Pintura - modelo de Dondis adaptado por Valladares (2003). Nas fases da Aprendizagem de Pintura, observou-se o desenvolvimento da pintura da criança, avaliando-se os seguintes itens: se a criança segurava o pincel corretamente; a localização da pintura no papel; se pintava uma cor sobre a outra ou não; se mantinha as cores originais ou as misturava; se lavava ou não o pincel; se começava a representar

7 figuras. No que diz respeito ao Roteiro para Avaliação da Produção, avaliou-se a qualidade da pintura da criança com base num modelo com parâmetros preestabelecidos, quais sejam: variedade de elementos, cor, configuração das imagens, criatividade, simetria, regularidade, complexidade, unidade, equilíbrio, atividade, exatidão e profundidade. Após a elaboração destes instrumentos, as pesquisadoras os submeteram ao julgamento de juízes que emitiram pareceres a respeito dos mesmos. Em seguida, fizeram as correções convenientes e realizaram o teste piloto com vistas à verificação da sua operacionalidade. Para tanto, contaram com a observação de um auxiliar de pesquisa, profissional da área ou de áreas afins, que passou por um treinamento prévio e compartilhou as avaliações com a arteterapeuta. As intervenções de arteterapia desenvolveram-se em sete sessões de

acompanhamento individual, durante três dias e meio consecutivos, com duração variada de uma a três horas e meia cada. Durante as intervenções, trabalharam-se várias modalidades de arte, apoiadas às necessidades da criança, visando favorecer a conduta focal e imediata, reforçando, assim, o vínculo. As intervenções de arteterapia consistiram de técnicas lúdicas e de atividades artísticas, com condução espontânea das dinâmicas, a fim de favorecer a exteriorização da subjetividade das crianças que, no decorrer das sessões, utilizaram materiais de desenho, pintura, colagem e recorte, modelagem, construção, gravura, origami, teatro, brinquedos, jogos, livros de histórias e escrita criativa. d) Análise dos dados: para análise comparativa, aplicou-se o teste T de Wilcoxon (SIEGEL, 1975) para as duas amostras dependentes, cujos protocolos de avaliação continham pontuações relativas à qualidade dos desempenhos. Quanto aos desempenhos, a estes atribuíram-se níveis de gradação de pontos na ordem crescente, isto é, do nível inferior para o superior de qualidade.

8

Resultados e Discussão O Quadro 1 exibe os resultados obtidos nas avaliações inicial e final, na comparação entre os dois grupos, A (experimental) e B (controle), quanto à modalidade e qualidade da pintura.

QUADRO 1 – Comparação* intragrupo dos escores obtidos nas avaliações inicial e final, com relação ao desenvolvimento e produção qualitativa da pintura infantil, Goiânia – 2003.

Modalidades da Pintura Desenvolvimento Produção Qualitativa

GA AI < AF1 AI < AF2

GB AI = AF AI = AF

*Teste T de Wilcoxon (Siegel, 1975) 1 p < 0,05 2 p < 0,01 GA (Grupo A - experimental): n = 10 GB (Grupo B – controle): n = 10 AI: avaliação inicial (antes das intervenções de arteterapia) AF: avaliação final (após as intervenções de arteterapia)

No que se referem às fases de desenvolvimento da pintura, o grupo A (experimental) registrou progresso, demonstrando na avaliação final diferenças estatisticamente superiores às apresentadas na avaliação inicial, sobretudo porque, nesta última, o desenvolvimento oscilou entre só segurar o pincel corretamente e a mudança de cor por iniciativa própria; já na avaliação final, a maior parte dos sujeitos se manteve na mudança de cor, nível mais apropriado para a idade (Fig. 1 e 2). Quanto ao grupo B (controle), este não mostrou modificações estatisticamente significativas nos dois momentos de avaliações (inicial e final), especialmente por ter mantido estáveis os níveis de desenvolvimento (Fig. 3 e 4). Como dado complementar aos resultados desta pesquisa, Campos (1999) considera que a arteterapia desenvolve a capacidade motora e os gestos, além de ajudar

9 a ativar a capacidade cognitiva, propiciando à criança uma nova forma de aprendizagem. A arteterapia possibilita um processo de desenvolvimento contínuo, sempre influenciado pelas ocorrências do meio, além de ser um estímulo do próprio meio que oferece oportunidades para que o desenvolvimento se concretize. Algumas crianças, quando não estimuladas pelo meio, podem apresentar bloqueio em uma ou mais áreas do desenvolvimento e, muitas vezes, estas dificuldades acabam gerando prejuízos ao seu desenvolvimento global. No que se refere à produção qualitativa da pintura, o grupo A (experimental) apresentou progresso, uma vez que seus resultados na avaliação final foram superiores aos da inicial, sobretudo nos aspectos relacionados à policromia, criatividade e atividade dos trabalhos (Fig. 1 e 2). Quanto ao grupo B (controle), este não mostrou modificação significativa nos dois momentos das avaliações (inicial e final), especialmente pela estabilidade apresentada na configuração e exatidão das imagens, criatividade, simetria, regularidade, unidade, equilíbrio e atividade (Fig. 3 e 4). No tocante aos resultados anteriores, presume-se que o grupo A (experimental), após as intervenções de arteterapia, apresentou progresso, porque na avaliação final as crianças mostraram desempenho superior ao da avaliação inicial. Quanto ao grupo B (controle), este não mostrou modificação significativa nos dois momentos das avaliações (inicial e final). Segundo Pain & Jarreau (2001), as cores são fundamentais no processo de arteterapia, pois elas possuem um código subjetivo com ressonâncias e associações às experiências vividas. Assim, a constância das manifestações entre cores e os afetos, entre as sensações de cores e as produzidas por outros sentidos, como também entre o investimento dos objetos e a marca colorida permitem decifrar o que os sujeitos

10 exprimem, pois a cor nada mais é que um signo rico com diferentes significados embutidos. Golineli (2002) argumenta que a arteterapia contribui para estimular a criatividade, porque se vale, em sua aplicação e método, de variadas formas e expressões, fazendo florescer as potencialidades criativas e latentes dos indivíduos. Conforme as afirmações de Pain & Jarreau (2001), o sujeito tem a tendência de projetar seu próprio corpo sobre a imagem que ele mesmo produz. Assim, do mesmo modo que as motivações emocionais provocam rigidez no indivíduo, as imagens se traduzem em ausência de movimento. Os autores continuam esclarecendo que o procedimento arteterapêutico consiste em despertar no indivíduo o desejo vital do gesto, em fazê-lo sentir fortemente esse desejo no próprio corpo e em encorajá-lo a buscar nos meios plásticos a tradução de suas vivências sensório-motoras em imagens. Rizzo (2000) esclarece que a pintura propicia o conhecimento e o domínio das próprias mãos, e ainda o estímulo à percepção de espaço, de tamanho, de quantidade, de movimento e de cor. As crianças que se submetem a intervenções de arteterapia são autônomas, criativas e dinâmicas e essas qualidades provocam mudanças que se reproduzirão tanto nas suas vidas como em suas produções plásticas, tendo em vista que os trabalhos plásticos são os reflexos da vida psíquica que ganharam existência.

Considerações finais A criança, durante o seu desenvolvimento normal, explora e interage com seu meio de forma contínua, desde que lhe sejam oferecidas oportunidades em ambientes considerados favoráveis. Cuidar de quem se encontra fragilizado e internamente desorganizado por uma doença grave não é tarefa fácil, e cabe ao arteterapeuta facilitar

11 esse processo, proporcionando à criança um espaço não ameaçador que a favoreça dialogar (comunicar-se) com o mundo. Portanto, a arteterapia, através de suas intervenções, poderá prestar uma assistência globalizada à criança providenciando um meio ambiente facilitador e propício ao seu comportamento e desenvolvimento, pois a estagnação de estímulos poderá prejudicar estruturalmente todo seu processo de desenvolvimento normal. Pelo exposto, deduz-se que a pintura é uma manifestação importante na vida das crianças, daí a necessidade de a conhecerem, pois lhes dará oportunidade de agirem sobre o mundo e de comunicarem com ele. Ao pintar, a criança demonstra sentimentos, como alegria ou tristeza; extravasa tensões, angústias, medos, agressividade; relaxa e isso faz bem a ela e lhe dá prazer. Na arteterapia, os conteúdos do inconsciente podem ser registrados através da produção simbólica (imagens), da cor, das formas, de movimentos, da ocupação no suporte e de padrões expressivos gerais que acompanham um processo de transformação e que ganham consistência a partir da criação plástica. As autoras após a realização deste trabalho, acreditam-se que a criação de espaços de pintura fará a expressão emergir de uma forma mais produtiva, assim como crescer as potencialidades expressivas das crianças através de ações preventivas, evitando-se as possibilidades de instalação de algumas disfunções no desenvolvimento normal infantil. A pintura é uma atividade viso-motora e seu processo de trabalho ocorre dentro de uma gradação que expressa a intensidade, as cores, as formas, o tempo, o ritmo. Ademais, promove a expressão, desenvolve o equilíbrio nos aspectos afetivo-emocional, além de levar o indivíduo a pensar (NASCIMENTO, 1995) No caso em que as crianças não conseguem comunicar verbalmente seus desejos e necessidades com facilidade, a pintura representaria a defesa dos seus direitos, principalmente da criança hospitalizada. Espera-se, portanto, que este estudo contribua

12 para o avanço do conhecimento na área da pintura junto a crianças hospitalizadas, o qual possibilite uma avaliação com instrumento padronizado, que permita observar as mudanças da sua expressão artística, em termos de desenvolvimento e qualidade das pinturas, após as intervenções de arteterapia.

Referências bibliográficas ANGERAMI-CAMON, V. A. Psicologia hospitalar: teoria e prática. São Paulo: Pioneira, 2002. ALVES, C. J. G.; MORAIS, A. H. A arte, como atividade lúdica e criadora, no ambiente hospitalar. In: JORNADA GOIANA DE ARTETERAPIA, 1., 2001, Goiânia. Anais... Goiânia: FEN/UFG/ABCA, 2001. p. 27-29. BERG, R. Arteterapia: da imagem e do método. Arte terapia: Rev. Imagens da transformação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 6, p. 122-125, mar. 1999. BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conselho Nacional da Saúde. Resolução 196/96. Pesquisa com seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 1996. CAMPOS, R. Cura pela arte. Rev. Viver Psicologia, São Paulo, ano 7, n. 83, p. 20-26, dez.1999. CHESS, S.; HASSIBI, M. Princípios e prática da psiquiatria infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1982. DIAS, R. R. et al. Enfermaria de pediatria: avaliação e intervenção psicológica. In: BAPTISTA, M. N.; DIAS, R. R. (Org.) Psicologia hospitalar: teoria, aplicação e casos clínicos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. p. 53-73. FRANÇANI, G. M. et al. Prescrição do dia, infusão de alegria: utilizando a arte como instrumento na assistência à criança hospitalizada. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 5, p. 27-33, dez. 1998. FRANCISQUETTI, A. A. A arte em um centro de reabilitação. Rev. Psicologia. Ciência e Profissão, São Paulo, n. 1, p. 34-38, 1992. GOLINELLI, R. Arteterapia: um caminho para a expressão dos sentimentos. Arte terapia: Rev. Imagens da transformação, Rio de Janeiro, v. 9, n. 9, p. 199-204, 2002. NASCIMENTO, R. M. Os efeitos terapêuticos da modelagem para deficientes visuais em fase de alfabetização. 1995. 86 f. Monografia (Especialização) – Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. OAKLANDER, V. Descobrindo crianças: a abordagem gestáltica com crianças e adolescentes. 9a ed. São Paulo: Summus, 1980.

13 OSÓRIO, V. Arte, identidade e cidadania. Arte terapia: Rev. Imagens da transformação, Rio e Janeiro, v. 5, n. 5, p. 91-96, set. 1998. PAIN, S.; JARREAU, G. Teoria e prática da arte-terapia: a compreensão do sujeito. 2a ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. PHILIPPINI, A. A. Cartografias da coragem: rotas em arteterapia. 2a ed. Rio de Janeiro: WAK, 2004. PILLAR, A. D. Fazendo artes na alfabetização: artes plásticas e alfabetização. 4a ed. Porto Alegre: Kuarup, 1990. REILY, L. H. Atividades de artes plásticas na escola. São Paulo: Pioneira, 1986. RIZZO, G. Creche: organização, currículo, montagem e funcionamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. SIEGEL, S. Estatística não-paramétrica: para as ciências do comportamento. São Paulo: MgGraw-Hill, 1975. SIGAUD, C. H. S.; VERÍSSIMO, M. O. R. (Org.) Enfermagem pediátrica: o cuidado de enfermagem à criança e ao adolescente. São Paulo: EPU, 1996. SILVEIRA, N. Imagens do inconsciente. 4a ed. Brasília: Alhambra, 1981. VALLADARES, A. C. A. A arteterapia e a reabilitação psicossocial das pessoas em sofrimento psíquico. In: VALLADARES, A. C. A. (Org.) Arteterapia no novo paradigma de atenção em saúde mental. São Paulo: Vetor; 2004. p.11-3. ______. Arteterapia com crianças hospitalizadas 2003. 258 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. ______. Arteterapia: cores da saúde. In: JORNADA GOIANA DE ARTETERAPIA, 1., 2001, Goiânia. Anais... Goiânia: FEN/UFG/ABCA, 2001. p.11-17. ______. Arte-terapia no contexto hospitalar pediátrico. Rev. Arte-terapia: Reflexões, São Paulo, ano 5, n. 4, p. 20-25, 2000/2001. VALLADARES, A. C. A. et al. Arte-terapia com adolescentes. Rev. Arte-terapia: Reflexões, São Paulo, ano 6, n. 5, p. 19-25, 2002. VIEGAS, D. Brinquedoteca hospitalar: a experiência de Santo André. In: SANTOS, S. M. P. (Coord.). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. p. 101-105. VITORIANO, S. C. Intervenções entre crianças hospitalizadas e psicóloga no atendimento psicopedagógico em enfermaria de pediatria. 2001. 121 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. WHALEY, L. F.; WONG, D. L. Enfermagem pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 2a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

14

Figura 1 – Pintura produzida pela criança do grupo A (Experimental), que passou por intervenções de arteterapia durante a Avaliação Inicial. Título dado: “Menina”

Figura 2 – Pintura produzida pela mesma criança do grupo A (Experimental), que passou por intervenções de arteterapia durante a Avaliação Final. Título dado: “Papel”

Figura 3 – Pintura produzida pela criança do grupo B (Controle), que não passou por intervenções de arteterapia durante a Avaliação Inicial. Título dado: “O Hawai”

Figura 4 - Pintura produzida pela mesma criança do grupo B (Controle), que não passou por intervenções de arteterapia durante a Avaliação Final. Título dado: “A tempestade”

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->