P. 1
ESTADO E POLÍTICA - CLUBE DE FILOSOFIA

ESTADO E POLÍTICA - CLUBE DE FILOSOFIA

4.5

|Views: 8.875|Likes:
Publicado porJORGE BARBOSA

More info:

Published by: JORGE BARBOSA on Jan 27, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT or read online from Scribd
See more
See less

04/12/2013

original

Estado e Política

Ter ou não ter, eis a questão…

Nesta actividade vamos tentar perceber que:

Oiiiii!!! E o que é isto??

A Filosofia

• Como contribui a Filosofia para o nosso bem- estar e formação?
Pois fica tu sabendo o seguinte: A filosofia é uma atitude !

Esta chata quer dizer que a Filosofia é uma prédisposição para questionar, inquirir, perseguir as questões! Enquanto atitude a Filosofia não aceita verdades pré-fabricadas ou definitivas… Duhhh

Sabes tu que a Mafalda me disse que Filosofia é também um saber?
Pois, e ao que parece tudo começou na Grécia antiga

Os primeiros Filósofos preocuparam-se com aquilo que chamaram de “arqué” o principio primeiro e ultimo de todas as coisas; tudo era constituido e tudo tinha inicio

Estado:
Instituição organizada politica, social e juridicamente, ocupando um território definido, normalmente onde a lei máxima é uma Constituição escrita, e dirigida por um Governo que possui Soberania reconhecida tanto interna como externamente.

POLÌTICA
Política: ciência do governo de instituições relativas ao Estado; conjunto de regras relativas ao exercício de administração pública; arte ou habilidade de governar bem.

Platão

Heinn???

Platão nasceu em Atenas no ano de 427 a.C. e morreu em 347 a.C . O seu verdadeiro nome era Aristócles; como ao que parece, era baixo e entroncado deram-lhe a alcunha de platão (costas largas em grego antigo). É um dos maiores Filósofos de todos os tempos.

Politicamente, Platão foi inovador, numa época em que de facto as reformas eram necessárias, devido ao declínio do poder de Atenas, debilitada pela longa Guerra do Peloponeso, quando acabou vencida por Esparta. Foi o primeiro, a sustentar que o estado deve ser governado não pelos mais ricos, os mais ambiciosos ou os mais astutos, mas pelos mais sábios. Platão admite a desigualdade dos homens segundo a natureza e não segundo o nascimento. Na sua república, todos deverão ter oportunidades de acordo com as qualidades pessoais.

Da Origem do Estado

"O que dá nascimento a uma cidade (Estado) é, creio, a impotência de cada indivíduo de bastar-se a si próprio e a sua necessidade de uma multidão de coisas. Assim, pois, um homem traz consigo outro homem para determinado emprego e outro ainda para um outro emprego e a multiplicidade das necessidades reúne numa mesma residência grande número de associados e auxiliares; a esse estabelecimento comum damos o nome de cidade" (…)
(República, 369 b).

parte do Estado; mas o Deus que vos criou fez entrar o ouro na composição de vós outros que Classes Sociais sois aptos para governar. Por isso mesmo os tais são mais preciosos. Misturou prata na constituição dos guerreiros; o ferro e o cobre na dos lavradores O POLÍTICO e artífices" (República 415 a).
Para Platão, o primeiro e fundamental problema da política é que todos os homens crêem ser aptos a exercê-la, o que lhe parece um grave equívoco, pois ela resulta de uma arte muito especial.

Articulando todo o pensamento de Platão sobre a Sociedade, o Estado e a Política, um só tipo de cidadão estava apto a governar a

A partir do momento que o Rei Competente galga o poder, torna-se indiferente, sob o ponto de vista moral, o sentido que dará - sua ação. Pode ele exilar, mandar executar, deslocar gente , fazer o que lhe convier, que tudo estar á justif ic ado pe la ciência que ele te m das coi sas do gov ern o, porque o seu fim último é a justiç a .

O Rei (Filósofo)

Conclusõ es Platão tudo De

se pode dizer. Defendeu um governo autocrático, e no entanto nos seus diálogos, foi democrático. Introduzido uma diversidade de personagens, tudo foi dito e discutido. Conservador e aristocrata, defendeu direitos iguais para as mulheres e educação universal e gratuita

• Para Platão e para os gregos da antiguidade Estado e Cidade eram uma e a mesma realidade (PÓLIS). • O Estado que melhor resposta daria aos desafios do seu tempo, era a Monarquia em que o poder seria exercido não por direito de nascimento ou pela força, mas pela posse da verdadeira sabedoria (Filosofia). • A cabeça natural deste Estado seria o “REI FILÓSOFO” • A este estado caberia a posse e gestão dos meios de produção, a terra e a educação que seria

• “Como é meu intento escrever sobre coisa útil para os que se interessarem, pareceu-me mais conveniente procurar a verdade efectiva das coisas, do que pelo que coisas delas se possa imaginar. E muita “O mundo gente da política não leva ao céu, mas sua imaginou repúblicas e ausência é o pior dos infernos” nunca viram nem principados que Nicolau Maquiavel 1469-1527 jamais foram reconhecidos como  Não é maquiavélico, maquiavelista ou partidário verdadeiros”. do maquiavelismo;
 Maquiavélico é um termo que ao logo da história passou a significar maldade;  Não é monarquico ou absolutista, mas sim republicano;  Estabelece uma distinção entre moral privada,

- “Como pode ser resolvido o inevitável ciclo de instabilidade e caos no Estado? Como manter a ordem e o poder do Estado? “
RESPOSTA: O Estado Ideal é pensado como dever ser, isto é, perfeito. ser Maquiavel afirma que este Estado, historicamente, nunca existiu. Então o Estado Real é pensado da forma como Ele de facto é .

Nega a tradição idealista de Estado, isto é, nega o conceito de Estado perfeito (Ideal) proposto principalmente por Platão, Aristóteles, Cícero, Sêneca e Tomás. Segue o caminho inaugurado pelos historiadores antigos – Tito Lívio, Políbio, Tucídides e Tácito – que analisam a realidade efectiva das coisas, isto é, o Estado coisas com as suas fragilidades e imperfeições.

Análise do Estado Real
O Estado real é laico/secular... Não é:e d ito
Natural ou hereditário: conceito que relaciona pai e filho; Extraterreno ou divino: conceito que relaciona Deus e homem.
Afirma que o homem nasce político.

ce on C

n sti e ed ão Pr aç

É:
eit c on e C d o

Produto necessário da política, apesar de sua ordem não ser definitiva ou estável;

• Ação e lógica política real ou concreta dos homens na sociedade;

re o Liv ítri Afirma que o homem se faz político. b Ar

I FILOSOFIA MARXISTA

1. Alguns Conceitos Básicos
1.2 O Humanismo Marxista
Karl Marx 1818 1883

SUMÁRIO
4.A natureza humana 5.O ódio às condições de desumanidade da revolução industrial (século XIX) 6.A Formação da sociedade a partir da dinâmica do trabalho

A Natureza Humana

A Crítica Social
• “Se é certo que não depende de nós construir o futuro (...) muito mais certo é aquilo que temos que levar a cabo na actualidade, refiro-me à crítica impiedosa de todo o existente; impiedosa no sentido de que a crítica não teme os seus resultados, nem o conflito com os poderes vigentes”
Marx (da Carta que Marx dirigiu a Ruge)

I FILOSOFIA MARXISTA

1. Alguns Conceitos Básicos
1.3 O Materialismo Dialéctico

SUMÁRIO
4.O Materialismo Dialéctico (Marx)

I FILOSOFIA MARXISTA

Perg untas

Perg unta s
1. Em que se fundamenta Marx para afirmar que as leis económicas não são naturais? 2. Quais são as dimensões do trabalho? 3. Em que é que consiste a força de trabalho? 4. Como se geram as maisvalias?

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->