Você está na página 1de 35

Microfinanças

Um estudo de caso:
Amoder em Moçambique
MICROFINANÇAS
– Um estudo de caso: Amoder em Moçambique

Este trabalho representa apenas o ponto de vista dos seus autores


e não pode, em qualquer circunstância, ser considerado a posição o cial
ou um compromisso formal por parte da Comissão Européia.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 1


Índice

1. Microfinanças / Microcrédito como estratégia na luta contra a Pobreza e a Exclu-


são Social em Moçambique
1.1. Origem da Microfinança e do Microcrédito
1.2. Microfinanças em Moçambique
1.3. Enquadramento legal da Microfinanças e do Microcrédito em Moçambique
1.4. Impacto do Microcrédito em Moçambique

2. AMODER – Associação Moçambicana para o Desenvolvimento Rural


2.1. Introdução
2.2. Situação do Desenvolvimento Humano e Económico da Província de Niassa
2.3. Estrutura Organizacional da AMODER
2.3.1. Missão e Objectivos da AMODER
2.3.2. Tipos de actividades de crédito desenvolvidas pela AMODER
2.3.3. Factores que influenciaram nas actividades de organização entre os anos
2003 e 2004
2.4. Situação da Carteira da AMODER em 2003 e 2004

3. Conclusão
4. Referências Bibliográficas

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 2


1. Microfinanças / Microcrédito como Estratégia na luta contra a Pobreza e Exclu-
são Social em Moçambique

1.1 Origem da Microfinança e Microcrédito

Existe uma série de actividades com uma lógica de funcionamento semelhante ao


microcrédito, embora tenham a ver com outro tipo de serviços financeiros, pertencendo,
assim, à esfera microfinança, tal como o microcrédito. Interessa, assim, esclarecer os con-
ceitos de microcrédito e de microfinança, de modo a evitar a confusão entre os concei-
tos.
Por microfinanças entende-se como a concessão de um conjunto de serviços financeiros
de pequena escala a famílias pobres que podem assumir a forma de pequenas poupanças,
créditos, seguros, transferências e de capital de risco. O microfinança, num sentido lato,
pressupõe a atribuição de serviços como: a concessão de microcrédito ou de pequenos
empréstimos (podendo ser mesmo de taxa zero ou com baixas taxas de juro); a consti-
tuição das relações informais entre credores e investidores; a concessão de garantias (de
grupo ou de poupança obrigatória); a promoção de pequenas poupanças com taxas de
juro atractivas; a constituição de micro seguros, como mecanismo de salvaguarda para
as famílias mais pobres; a concessão de financiamentos de força de trabalho ou em
géneros a iniciativas produtivas; entre e outras.
E por microcrédito, entende-se exclusivamente a concessão de empréstimos, de pequeno
montante, que se destinam a promoção do aumento de rendimentos, à criação de emprego e
ao alívio da pobreza dos seus beneficiários, bem como o financiamento do arranque ou da
expansão de microempresas ou simplesmente de pequenas actividade de geradoras de ren-
dimento. Apesar de microcrédito não criar imediatamente um potencial económico, este
é um meio para atingir, pois os serviços de crédito proporcionam-lhes a utilização de
capital antecipado para o consumo ou para investimento em actividades produtivas,
impelindo os beneficiários a utilizar o seu potencial humano em actividades mais lucrati-
vas, que promovem geração de rendimentos.
O conceito de Microcrédito nasceu no Bangladesh, nos finais dos anos 70, com o Profes-
sor de Economia Rural, Muhammad Yunus e o Grameen Bank (Índia), “O Banco das
ideias” que tinha como premissa básica, a criação de um sistema bancário baseado no

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 3


mutualismo, na confiança, participação e criatividade, concedendo empréstimos de bai-
xo valor a pequenos empreendedores informais e micro-empresas sem acesso ao siste-
ma de crédito tradicional, principalmente, por não oferecerem garantias reais.
O Microcrédito, muitas vezes e utilizado para designar instrumentos diversos como o
crédito agrícola ou rural, o crédito cooperativo, o crédito ao consumo, crédito e emprés-
timos associativos ou mutualistas.
Segundo Muhammad Yunus e o Grameen Bank, existem varias classificações e catego-
rias de Micro-Crédito, cujas características são:
• Promover o crédito como um direito do Homem;
• Conceder crédito dirigido aos pobres, especialmente mulheres, tendo por missão
ajudar as famílias pobres a ultrapassar o limiar da pobreza;
• Basear-se na confiança e não em garantias reais ou contratos judicialmente accioná-
veis;
• Créditos concedidos para a criação de auto-emprego através de actividades gerado-
ras de rendimentos, bem como à habitação para os pobres, por oposição ao crédito
ao consumo;
• Desafiar os bancos convencionais que rejeitam os pobres por não os considerar dig-
nos de um crédito, o Grameen rejeita a sua metodologia e criou a sua própria meto-
dologia;
• Providenciar serviços ao domicílio baseado no princípio de que o banco deve ir ao
encontro dos indivíduos;
• Para obter um empréstimo, o tomador tem de integrar um grupo de beneficiários;
• Todos os empréstimos podem ser concedidos sucessivamente. Um novo emprésti-
mo é concedido quando o anterior é reembolsável;
• Geralmente, estes empréstimos são concedidos por organizações sem fins lucrativos.

Os bancos hoje em dia, já começam a admitir que o microcrédito é viável, desde que
as capacidades da pessoa em causa sejam acima da média, tenha um excelente pro-
jecto de negócio e um eficaz acompanhamento durante os primeiros períodos do
negócio, podendo a curto prazo ter sucesso e gerar rendimentos que permitam pagar
os empréstimos contraídos. O Microcrédito deve ser encarado como instrumento e fer-
ramenta do combate à exclusão social e como factor impulsionador de desenvolvi-
mento.
O Microcrédito é particularmente destinado a quem não possui garantias que possam
servir de colateral ao empréstimo envolvido. Cabe à Sociedade civil, Bancos, Governos
e Organizações Não Governamentais mentalizarem- -se de que um projecto de Micro-
crédito não é uma iniciativa de solidariedade, mas sim um projecto que aposta no

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 4


espírito empreendedor e de inovação das pessoas economicamente excluídas no
âmbito de uma estratégia de responsabilidade social.

Vantagens do Microcrédito

SOCIAL POLITICAS EMPREENDEDORAS


Promove a iniciativa comercial Cria novas empresas
Promove a mentalidade da verdade, Cria novos Negócios
compromisso e responsabilidade
Promove a diminuição da taxa de Cria novos empregos
desemprego e exclusão social
Promove uma boa imagem dos bancos Cria a sustentabilidade e prosperi-
dade das populações desfavorecidas
Promove a formação qualificante dos Cria a produtividade, inovação nos
beneficiários respectivos sector a investir
Promove estratégias e medidas alterna- Cria a competitividade e crescimen-
tivas para as pessoas desempregadas, to da economia local e nacional
inactivas e reformadas

1. 2. Microfinanças em Moçambique

Em Moçambique as microfinanças emergiram aquando do estabelecimento relativo do


clima de paz. Apesar do sucesso das experiências do Grammen Bank (Bangladesh), Ban-
co Sol (Bolívia) e Rakiat na Indonésia, os empreendedores em Moçambique pouco acre-
ditavam no desenvolvimento desta actividade no país. Consequentemente, quando a
World Relief anunciou em 1993 que iria começar uma operação de pequenos bancos nas
vilas com intenção de atingir o mais pobre dos pobres, os investidores encararam a ideia
com muito cepticismo (De Vletter, 1999:2).
Nesta fase, as microfinanças eram uma variável pouco valorizada associada à transição
das Organizações não governamentais dos programas de emergência para programas
de desenvolvimento que tipicamente abrangiam um número integrado de componen-
tes, tais como treinamento para negócios, crédito (habitualmente subsidiado), treina-
mento de habilidades e extensão agrícola.
Nos anos 90, o IRAM (Institute de Recherche d’Aplications dês Methodes de Dévelop-
ment) estuda a possibilidade de iniciar um programa sustentável de microfinanças em

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 5


certas províncias e um programa piloto envolvendo instituições de Microcrédito de gru-
pos solidários foi estabelecido em 1997 em Maputo. Um ou dois anos depois da expe-
riência da World Relief, a organização humanitária CARE começou com um programa de
grupos solidários emprestando dinheiro às pessoas em várias cidades de Moçambique.1
A partir desta época, as microfinanças tornaram-se reconhecidas como uma ferramenta
eficiente para o desenvolvimento, as ONG´S testemunharam resultados impressionantes,
deixando (as microfinanças) de ser pouco valorizadas e vistas como uma variável mini-
malista dos programas de desenvolvimento, passando a uma estratégia prioritária em
Moçambique.
Com a adopção do Plano de Acção para Redução da Pobreza Absoluta (PARPA), em
Moçambique todas as estratégias políticas e programas governamentais prosseguem o
objectivo central de redução da pobreza absoluta, através de esforços de promoção do
desenvolvimento económico e social. É papel do Estado o fomento das infra-estruturas
humanas e físicas e institucionais e de provisão dos serviços básicos que criem um
ambiente favorável e indutor de expansão da iniciativa, acção e investimento privados.
Por esta via, ampliam-se as possibilidades do necessário crescimento económico e inclu-
sivo, que é um factor crítico para o aumento do emprego e, consequentemente, para o
progresso sustentável na redução da pobreza.
Os pobres precisam de facto de quaisquer serviços financeiros de empréstimo ou pou-
pança para suster as suas necessidades, mas questões ligadas ao nível cultural e fracas
habilitações literárias tornam difícil o acesso às instituições formais financeiras para resol-
ver suas necessidades. É neste contexto que surge o microcrédito, como uma das formas
ou fonte de solução do problema de falta de acesso aos serviços financeiros para as pes-
soas pobres, através de pequenos empréstimos concedidos a este grupo.
As microfinanças não são uma solução para o combate à pobreza, mas sim uma alterna-
tiva para os pobres contra a exclusão social e o acesso ao dinheiro, é este segundo
aspecto que irá por via das actividades a serem desenvolvidas, ajudar aos pobres a serem
auto-suficientes. O combate à pobreza passa também pela capacidade dos pobres
poderem poupar, e assim poderem realizar micro empreendimentos e investimentos.

1
O sucesso da experiência da World Relief ultrapassou todas as expectativas mesmo as mais pessimistas, a
organização registou taxas de reembolso e de cumprimento dos procedimentos na casa dos 100% por
parte de seus beneficiários, e sentiu até a necessidade de aumentar o volume do crédito.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 6


Dada a falta de poupanças que esta camada tem vindo a manifestar, o microcrédito tor-
na-se alternativa para o aumento do rendimento, do qual uma parte poderá ser para o
consumo e outra para a poupança, que resultará em investimentos em futuras activida-
des.
O conceito de Microfinança nasce em 1995, tendo como intervenientes principais a AJM
actualmente Secretaria da Cooperação Internacional (SCI) e a Cooperação Suíça para
pesquisa das formas tradicionais de crédito e de poupança em Moçambique, tendo
como missão primária, o apoio ao lançamento de um projecto-piloto de Micro-Crédito
para futuros micro-empresário, tendo como sector alvo a Educação e Saúde, consoante
os resultados e eficácia das actividades realizadas, passaria-se para uma Instituição voca-
cionada ao sector da Micro-Finanças2.
A 13 de Outubro, é promulgado o Decreto do Conselho de Ministro nº 53/98 que autori-
za a abertura da primeira Instituição de Micro-Finanças em Moçambique (Tchuma), ten-
do como capital social Três Mil Milhões de Meticais e como accionistas institucionais o
Fundo de Desenvolvimento Comunitário (FDC) e a SCI.
Actualmente, o Novo Banco é a maior Instituição de Microfinanças a operar em Moçam-
bique, mais especificamente na área do Microcrédito3. O Novo Banco detém cerca de
19% do total dos clientes das Micro-Finanças e 46% do total da respectiva carteira de
crédito. Seguem-se o SOCREMO e TCHUMA que completam a lista das instituições de
Microfinanças operando numa base comercial.
No âmbito do projecto do Centro para a Promoção de Serviços Financeiros Rurais foi
concedida ao Novo Banco uma facilidade de um fundo de crédito no valor de dois
Milhões de dólares americanos, com o intuito de possibilitar a expansão da sua carteira
de créditos. À semelhança de outras Instituição de Microfinanças o Novo Banco está a
expandir a sua presença e actividades a outras regiões do país, nomeadamente para a
Beira, Nampula e Chimoio. A sua carteira de clientes inclui pequenas e médias empresas
dos sectores da construção, panificação, confecções, cabeleireiros, mobiliários e aviários.
Duas outras instituições de Microcrédito, ligadas a ONG´s operam na província de Que-
limane, com destaque para a Karela “Enriquecer na língua local” que concede emprésti-
mos a grupos de quatro ou cinco mulheres com rendimentos baixos e incertos que se
dedicam à pesca e ao comércio de peixe, à apanha e comércio de frutos ou serviços de
2
Veja-se Africa.sapo.pt
3
www.cpsfr.org.mz

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 7


transporte de pessoas de bicicletas entre o campo e a cidade. O valor máximo por cada
empréstimo é de 500 mil Meticais (menos de 20 Euros), por prazos de 16 semanas e com
reembolsos semanais.
Em Moçambique, o sector de Microfinanças é ainda muito deficitário, em 2005 apenas
contava com 55000 clientes e uma carteira de 15,4 milhões de USD4. Moçambique é um
país em fraco desenvolvimento; isto deve-se ao facto de Moçambique possuir um siste-
ma financeiro pouco desenvolvido, um défice de crescimento e graves disparidades sec-
toriais e espaciais entre Maputo e o resto do país.
A conjuntura financeira está marcada por uma redução da desvalorização do metical e
por uma progressiva meticalização da economia. No que diz respeito a créditos bancá-
rios, as taxas de juros praticadas pelos bancos são bastantes elevadas e situam-se na
ordem dos 31%, criando na maior parte das vezes o sentimento de exclusão social por
parte das famílias e pessoas que não possuíam garantias financeiras e patrimoniais para
recorrerem o credito tradicional.
O sector bancário formal caracteriza-se por uma forte concentração de quatro bancos
(BIM, Banco Austral, BCI, Standard Bank) que concentram 93% do activo. No sector
informal as famílias tem optado pela prática do (xitique)5, em detrimento do depósitos
nos Bancos.
È conveniente que as Instituições Financeiras moçambicanas, criem mecanismos, estra-
tégias e politicas de aliciamento dos clientes rurais, uma vez que 85% da população acti-
va se encontra no meio rural, as populações rurais representam 78% da população
moçambicana e 57% da população dispõe de uma poupança.
Sendo assim, as instituições financeiras, deveriam favorecer o acesso aos serviços e pro-
dutos financeiros das populações rurais que até ao momento se encontram mal servidas.
Cabe à Microfinança tomar um papel preponderante no contexto politico, social e eco-
nómico, favorecendo o equilíbrio, igualdade e a distribuição da riqueza pelo país, e por
outro lado permitindo o desenvolvimento autónomo e sustentável das comunidades
desfavorecidas e excluídas da sociedade.

4
www.cpsfr.org.mz
5
São sistemas informais de depósitos em pequena escala que existem em Moçambique, especialmente
nas zonas rurais, que providenciam às populações rurais o acesso as poupanças geradas localmente e
funcionam como uma certa alavanca em períodos de desequilíbrios económicos.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 8


Em Moçambique, o sector das Microfinanças é caracterizado pela presença de vários
actores e doadores que investem no sector. O Banco de Moçambique tem desempe-
nhando o papel de Entidade meramente reguladora e fiscalizadora. Os Operadores de
Microfinanças regem-se pelo Regulamento das Microfinanças (RMFs)6.

Em Moçambique, a Caixa Comunitária de Crédito e Poupança (CCCP) e o Novo Banco


são as Instituições Financeiras que apresentam maior número de clientes, tendo as duas
mais de 7000 clientes, isto deve-se à metodologia utilizada por elas, no que concerne à
CCCP, tem optado por uma politica de empréstimos em que privilegia as associações
constituídas por grupos solidários, reduzindo assim o grau de risco.
A Amoder, embora esteja no sector a longos anos, a sua carteira de clientes e muito
reduzida, isto deve-se ao facto da Amoder promover a concessão de crédito para a reali-
zação de iniciativa local às pequenas e médias empresas (PME´s), privadas e nacionais
quer sejam individuais, associações ou cooperativas, desde que estajam legalmente
constituídas.
A Amoder, tem utilizado uma estratégia de colocação de crédito no sector das PME´s,
excluindo nesta fase o financiamento de micro-empresas rurais, a não ser que se estabe-
leçam parcerias com as ONG´s locais ou outras formas associativas, esta estratégia
baseia-se no facto de existirem altos custos operacionais, limitados resultados, ausência
de economia de escala e pela dispersão geográfica que não permite o acompanhamen-
to conveniente do crédito.

Em Moçambique, como em qualquer outro país em vias de desenvolvimento, as mulhe-


res são alvos fáceis da exclusão social, uma vez que ainda existem alguns preconceitos
no seio das sociedades africanas. Mas em Moçambique, cabe ao sector da Microfinanças
ajudar a contornar a situação conforme ilustra o gráfico acima.
A elevada taxa de mulheres, pode ser um indicativo que as Instituições de Microfinanças
estão abranger as camadas mais pobres e desfavorecidas de Moçambique, ao mesmo
tempo que está a ter um impacto na melhoria das condições de vida dos agregados
familiares, em particular dos agregados chefiados por mulheres. São motivos para esta
maior canalização de microcrédito para as pessoas de sexo feminino, o seguinte:

6
Banco de Moçambique.www.bancomoc.mz, Regulamento das Micro-Finanças, Decreto nº 57/2004, de 10
de Dezembro.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 9


• Por razões genéticas e sociais, as mulheres têm menos oportunidades de emprego no
sector formal e em face disso, elas dedicam-se, para além, de actividade domésticas a
outras de rendimento mas de pequena escala (auto-emprego).
• A maior parte delas desenvolvem as suas actividades dentro do sector informal, e
sobretudo, a actividade comercial, que por sinal é a que apresenta as maiores taxas de
giro do capital.
• As mulheres apresentam uma menor taxa de delinquência, comparativamente aos
homens cujas as taxas de reembolsos são muito baixas.

As mulheres a quem está a ser atribuída a igualdade de acesso ao sistema de financia-


mento do Microcrédito, não só tem provado que são pessoas idóneas e cumpridoras nos
reembolsos, como excelente micro-empresárias. Em consequência, elevaram o seu esta-
tuto, diminuíram a dependência em relação aos seus maridos, investiram nas suas casas
e reforçaram a nutrição dos seus filhos. A maior parte destas mulheres são comerciantes
informais, pequeno micro-empresárias do sector industrial e de algumas organizações
ligadas ao sector de prestação de serviços.

Os rácios da carteira de risco, para a maior parte das Instituições de Micro-Finanças em


Moçambique, tem estado a diminuir, desde o ano 2000, contudo, ainda não estão nos
índices recomendáveis pelo Manual de boas práticas.
As boas práticas, definem 1% como a parcela de carteira em risco para prazos de mais de
90 dias, este gráfico ilustra de forma visível como as IFM se posicionam, sendo que, a
MEDA consegui alcançar 1,1% da carteira de risco em 2001, o que significa um indicador,
no cumprimento da normas das boas praticas vigentes.
A Socremo apresenta-se como a melhor IFM em termos de gestão de carteira, enquan-
to que a AMODER, possui a pior qualidade de carteira, com rácios a variarem entre os
18% para mais de 30 dias e 59 para mais de 90 dias.

1.3. Enquadramento legal da Microfinança e Microcrédito em Moçambique

O enquadramento legal das Micro-Finanças em Moçambique pode ser caracterizado de


duas maneiras distintas: Micro-Finanças autorizadas a captar depósitos e Micro-Finanças
autorizado apenas a conceder crédito.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 10


Quanto às Micro-Finanças autorizadas a captar depósitos, ou seja a realização de opera-
ções bancárias restritas, nos termos definidos pela lei 9/2004 (lei das Instituições de Cré-
dito e Sociedades Financeiras) de momento ainda não carece de uma legislação especí-
fica (em preparação). Em relação às Microfinanças autorizado apenas a conceder crédito
hoje estão regulamentadas pelo Decreto nº47/98 de 22 de Setembro e pelo aviso
1/GGBM/99, que fixa fundos mínimos a afectar no exercício das Microfinanças. Foi esta-
belecido no Decreto nº 47/98 um montante de 50 Milhões para Entidades autorizadas a
desenvolver actividade de Micro-Finanças, o montante dos créditos não pode exceder
ao valor declarado ao BM, alocado à sua actividade, devendo aplicar taxas de juros livres.
Micro-Finanças em Moçambique é caracterizado como actividade que consiste na pres-
tação de serviços financeiros essencialmente em operações de reduzida e média dimen-
são7.
Em Moçambique, os operadores de Microfinanças ou Instituições de Microfinanças (IMF),
caracterizam-se por serem Entidades Singulares ou Colectivas que se dedicam, com
carácter habitual e profissional à actividade de Microfinanças.
No que concerne a supervisão ou controlo, cabe ao Banco de Moçambique (BM) realizá-
las, para tal o BM executa supervisão prudencial8 e supervisão monitorizada9.

1. 4. Impacto do Microcrédito em Moçambique

O Microcrédito tem desempenhado um papel activo no combate a redução do índice


de incidência da pobreza, neste momento o impacto é mais notório nas zonas rurais,
onde a taxa passou de 70,5%, para 54,6%10, esta redução reflecte-se no melhoramento
das condições de vida da população, sobretudo na provisão dos serviços sociais básicos.
Actualmente, 70,5% dos agregados familiares tem um mercado ao alcance em menos de
uma hora de caminhada. Em Moçambique observa-se o crescimento do movimento de
cidadãos das zonas rurais para a cidade, e o aumento dos níveis de desemprego e
7
Banco de Moçambique.www.bancomoc.mz, Regulamento das Micro-Finanças, Decreto nº 57/2004, de 10
de Fevereiro.
8
Supervisão centrada na fiscalização e acompanhamento do cumprimento de normas de natureza
prudencial, nomeadamente sobre rácios de solvabilidade, reservas obrigatórias, limites de risco, tendo
em vista a protecção do sistema financeiro como um todo e segurança dos fundos públicos em cada
Instituição.
9
Mero acompanhamento da prestação de serviços financeiros por operadores de microfinanças que não
seja Instituições de crédito nem Sociedades financeiras, focalizadas na recepção de informação sobre
serviços financeiros por eles realizados, para fins estatísticos.
10
Veja-se www.bip.gov.mz , Relatório anual de sua Excelência Joaquim Alberto Chissano, Presidente de
Moçambique

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 11


pobreza. O Governo moçambicano tem efectuado um esforço acrescido, no sentido de
criar mecanismos de promoção de emprego através de acções de formação Profissional
e de desenvolvimento de pequenos projectos de geração de rendimentos.
A implementação de estratégias da Comercialização Agrícola tem permitido a iden-
tificação dos problemas rurais e o plano de soluções multisectoriais que vão desde a
reabilitação de vias de acesso, à recolha e compilação de informações sobre mercados,
preços dos produtos agrícolas e a sua disseminação em línguas locais com o uso das
rádios comunitárias.
Sendo assim, esperam-se resultados positivos de modo que possam contribuir de forma
eficaz e eficiente na vida quotidiana dos camponeses, tendo estes a possibilidade de
adquirir alguns conhecimentos fundamentais para uma melhor compreensão da sua
actividade produtiva e para a elevação do seu nível de vida.
Constituem esforços notórios no sector da Agricultura o lançamento de programas do
arroz, soja e o fomento da fruticultura, no sector pesqueiro o desenvolvimento da aqua-
cultura.
No contexto económico em que Moçambique se encontra, exige-se uma maior articula-
ção entre as IMF e o governo, uma vez que as populações rurais já começam a exigir
estabelecimentos bancários nos seus distritos e localidades para guardarem as suas
poupanças quando conseguem comercializar parte da sua produção. Reclamam por
melhores vias rodoviárias, serviços públicos e por um melhor abastecimento da água,
energia e comunicações de forma que possam assegurar o escoamento dos seus exce-
dentes agrícolas.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 12


Parte II

2. AMODER – Associação Moçambicana para o Desenvolvimento Rural


2. 1. Introdução
O estudo apresenta algumas das contribuições do microcrédito na redução de pobreza
em Moçambique no geral e em Niassa em particular. Niassa, situa-se no norte de
Moçambique e tem uma superfície total de 120.074 Km². Faz fronteira internamente com
as províncias de Cabo Delgado, Nampula e Zambézia; e externamente faz fronteira com
Malawi e Tanzânia.
Niassa possui uma densidade populacional de 1.027.179 dos quais 505.179 são homens
e 521.853 são mulheres, apesar de ser a província que possui a maior extensão territorial
nota-se um défice no que concerne a densidade populacional. Metodologicamente
recorreu-se a amostragem e, a principal técnica de recolha de informações usada foi a
dos inquéritos submetidos a 60 beneficiários de microcrédito na província de Niassa,
concretamente na cidade de Lichinga, distrito de Cuamba e distrito de Mandimba,
cruzando-se depois com a informação recolhida junto de 6 operadores de microcrédito.
As instituições de microcrédito privilegiam apenas o crédito de curto prazo, destinado
maioritariamente para o sector comercial, num país onde a agricultura é a base da
economia e a maior parte da população reside nas zonas rurais. Niassa é uma província
onde a maioria da sua população vive nas zonas rurais e tem um alto potencial agrícola
devido à boa qualidade dos solos e às chuvas regulares.

2. 2. Situação do Desenvolvimento Humano e Económico de Niassa


De acordo com o relatório do Desenvolvimento Humano de Moçambique 1999
(RDHM99) o índice de desenvolvimento humano (IDH) de Niassa para 1998 foi estimado
em 0,227. Niassa é uma província localizada no norte de Moçambique, actualmente é a
quarta província com o melhor índice de IDH em Moçambique, mas com melhor (IDH)
entre as províncias da região norte (Ministério de Plano e Finanças, 10:200). A província
de Niassa representa 16% da superfície total do país, sendo por isso a maior província de
Moçambique. Em contrapartida, Niassa possui a menor população. Com uma população
estimada em 849 mil habitantes em 1999. A zona rural em Niassa é a mais povoada,
comportando cerca de 76,61% dos habitantes da população total da província, da popu-

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 13


lação pobre na província 77,86% vive na zona rural e 22,14% vive na zona urbana (Minis-
tério de Plano e Finanças, 2000).
Entre 1996 e 1998, a economia da província de Niassa produziu cerca de 2,6% do produ-
to interno bruto (PIB) nacional. A agricultura contribuiu com cerca de 51% da produção
da província de Niassa, seguindo-se o comércio com 14%, a indústria manufactureira
com 7%, os transportes e comunicação com 6%, e as florestas com 4%. Em termos de PIB
per capita, a economia de Niassa cresceu de 97 US$, em 1996, para 128US$, em 1998, ou
seja, um crescimento económico médio de 15% ao ano, em termos nominais, e 14% em
termos reais. Do ponto de vista da estratégia da redução da pobreza, esta grande
dependência da população da agricultura e a fraca actividade terciária e industrial são
preocupantes.
A província tem um alto potencial agrícola devido a boa qualidade dos solos e as chuvas
regulares, e é caracterizada por um clima tropical húmido. A agricultura é a principal
actividade da província e em grande parte as culturas estão sujeitas à acção de animais
selvagens (elefantes, macacos, porcos de mato), o que afecta bastante a segurança ali-
mentar da população.
A província de Niassa possui as zonas de economia alimentar, onde as famílias conse-
guem mais ou menos da mesma maneira alimentarem-se e obterem um rendimento:
Zona produtiva Centro-Norte (distritos de Cuamba, Mecanhelas, Mandimba, Metarica,
Maúa e Nipepe). Esta é a zona muito produtiva com o milho, mapira, mandioca, feijão,
amendoim e o arroz como principais culturas alimentares. Existem culturas de rendimen-
to como algodão, tabaco, cana-de-açúcar, banana e alguns distritos o girassol. A pecuá-
ria, a pesca e caça são praticadas como actividade secundárias.
Zona Noroeste (distritos de N´gauma, Lichinga, Muembe, Sanga e Lago). Esta zona
também tem boas condições de produção agrícola, com muita produção de batata
reno, batata-doce e feijão, alem de culturas produzidas em toda província (mandioca,
milho, mapira, e pouco amendoim e arroz). As principais culturas de rendimento, alem
da batata e feijão, são o tabaco e a cana-de-açúcar. A pesca é uma actividade muito
importante para as famílias que vivem nas margens dos rios do Lago Niassa.
Zona Norte Isolada (distritos de Mavago, Majune, Marrupa e Mecula). É uma zona pou-
co habitada, as condições para a produção agrícola são boas, mas perde-se grande parte
das culturas devido aos estragos provocados pelos animais selvagens. As principais cul-

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 14


turas alimentares são: milho, mandioca e arroz. As culturas de rendimento são tabaco e
cana-de-açúcar cultivada por poucas famílias. A pesca é praticada nos rios em todos os
distritos. A existência de infra-estruturas sociais numa região e o acesso à população des-
sa região, contribui para o seu bem-estar social. As vias de acesso são importantes por
garantirem uma maior comunicação entre diferentes zonas da região, permitindo deste
modo uma melhor circulação da população assim como de bens e serviços.
A rede comercial é pouco desenvolvida na província, com a excepção de alguns distritos
como Lichinga, Cuamba e os distritos fronteiriços com Malawi (Mecanhelas e Mandim-
ba), sendo a situação muito problemática nos distritos do interior, Mecula, Mavago,
Majune, Marrupa e Nipepe. A principal causa dos problemas comerciais apontam-se as
péssimas condições das vias de acesso, principalmente no tempo das chuvas, assim
como a inexistência ou destruição das infra-estruturas físicas (mercados e lojas), e a falta
de capital para reabilitação e investimento nos negócios.
Apesar de existirem condições favoráveis para a produção agrícola em quase toda a pro-
víncia, as famílias pobres em geral só produzem o suficiente para 6 a 8 meses. O resto do
ano trabalham em troca de comida, compram ou recebem donativos, consomem frutos
silvestres e reduzem o número das refeições. Fora da produção as principais fontes de
rendimento são o ganho-ganho, venda de bebidas alcoólicas e produtos artesanais para
as famílias pobres; e o comércio e emprego para as famílias médias e ricas.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 15


2. 3. Estrutura Organizacional da AMODER
A AMODER, Associação Moçambicana para o Desenvolvimento Rural, foi fundada em
Setembro de 1993, é uma pessoa colectiva que não tem por fim o lucro económico dos
associados, dotada de personalidade jurídica, com autonomia administrativa, financeira e
patrimonial, regendo-se pelos presentes estatutos, pelo respectivo regulamentos exter-
nos e demais legislação aplicável. Os fundos da AMODER acumulados provêm princi-
palmente de doações e fornecimentos de roupa usada pela comunidade dos Países
Nórdicos, remetida para Moçambique pela ONG Sueca “SOLIDARIEDADE PRÁTICA”.
Outros financiadores para programas específicos são a União Europeia, a Embaixada Real
da Dinamarca, a Embaixada da Irlanda e a Oxfam Bélgica.
Sob a direcção da AMODER funciona um fundo de Desenvolvimento Rural denominado
FADER, que executa os programas de financiamento estabelecidos pela Associação, e a
Unidade de selecção de Roupa, que é responsável pela recepção e venda da roupa usa-
da. A partir de 1998 a AMODER criou Gabinete de Estudo para o apoio à preparação, aná-
lise e avaliação dos seus programas de financiamento.
A organização da AMODER adapta-se às condições da actividade da associação, nomea-
damente no que se refere ao tipo e quantidade de membros, ao tipo e dispersão geo-
gráfica dos projectos que financia e aos seus empreendimento de suporte económico.
Inicialmente a base da gestão diária da AMODER era o seu Conselho de Direcção, que
procurava semanalmente produzir as decisões necessárias ao funcionamento da asso-
ciação.
Contudo, este tipo de administração mostrou-se insuficiente para atender às solicitações
exigidas por uma fase de montagem do projecto, e também para dar resposta ao acom-
panhamento do desenvolvimento do FADER, órgão que deu corpo principal à realização
dos objectivos da AMODER.
Um director executivo com poderes de decisão para a resolução das referidas situações,
actuando de forma mais permanente, foi uma solução mais eficiente para estas ques-
tões, libertando as decisões do Conselho de Direcção para os assuntos de carácter de
orientação.
A área administrativa no interior da organização é orientada por um técnico que tem as
seguintes funções:
• Preparação das sessões de Conselho da Direcção;

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 16


• Gestão do orçamento;
• Gestão das relações com outras instituições;
• Gestão das relações entre os membros;
• Gestão dos meios e do pessoal;
• Organização da correspondência, arquivo e secretariado.

As Representações da AMODER
A AMODER, tem a sua sede em Maputo. Nos casos em que a AMODER geriu de forma
directa o financiamento de projectos, mostrou a experiência que havia necessidade de
estabelecer representações dispondo de meios adequados ao seu funcionamento. A
criação destas representações a nível dos locais em que a AMODER previa a actuar
dependeu essencialmente da possibilidade ou não de encontrar parceiros no terreno
que se encarregassem das acções de apoio à recuperação da rede comercial rural.
Inicialmente a AMODER concentrou as suas acções nas províncias de Cabo Delgado,
Zambézia, Nampula, Tete e Niassa. Posteriormente concentrou-se nas províncias de
Inhambane e Gaza. Não foi possível cobrir todo o país, porém, o custo para o esta-
belecimento e para o funcionamento (salários para técnicos e pessoal de apoio, combus-
tível e manutenção de viatura, subsidio de deslocação, telefone, material de escritório,
etc.) de cada representação era muito elevado. O quadro a baixo indica os distritos em
que actuam em cada província:

As representações da AMODER
Províncias Distritos
Cabo Delgado Montepuez, Namuno, Balama, Chiúre, Ancuabe e Macomia
Niassa Cuamba, Mandimba, Mecanhelas, Nipepe, Maúa, Metarica, Marrupa
e Mecula
Zambézia Alto Molócue, Gilé ao longo da estrada de Alto Molócue a Mocuba
Tete Angónia, Macanga, Moatize e Tsangano
Inhambane Massinga, Vilanculos, Funhalouro e Mabote
Gaza Chókwe e Guijá
Nampula Malema e Ribaúe

Membros da AMODER
A edificação da AMODER iniciou com um grupo inicial de 10 membros, havendo-se
admitidos mais 2 membros que desenvolveram trabalhos no interior da própria AMO-

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 17


DER durante os primeiros anos de arranque, introduziu-se posteriormente as regras para
as admissões regulares dos membros.
Até ao final de 2004, a AMODER tinha 63 trabalhadores com a seguinte distribuição:

Números de trabalhadores da AMODER


Local Nº de
trabalhadores
Sede 17
Inhambane 9
Tete 8
Zambézia 3
Nampula 4
Niassa – Cuamba 8
Niassa – Lichinga 3
Cabo – Delgado 11
Total 63

Os membros podem ser pessoas que, por suas inspirações, pelas suas experiências pro-
fissionais, académicas ou vivências, professem de ideias compatíveis com os objectivos
da AMODER; como também podem ser membros efectivos da AMODER as instituições
que detenham interesses de vulto no desenvolvimento rural.

2. 3. 1. Missão e Objectivos da AMODER


AMODER é uma Associação Moçambicana para o Desenvolvimento Rural, foi fundada
em Setembro de 1993, é uma pessoa colectiva que não tem por fim o lucro económico
dos associados, dotada de personalidade jurídica, com autonomia administrativa, finan-
ceira e patrimonial, regendo-se pelos presentes estatutos, pelo respectivo regulamento
interno e demais legislação aplicável. Tendo como missão fundamental a de fomentar o
desenvolvimento do país através de financiamentos a projectos de actividades no meio
rural.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 18


A AMODER definiu como principais objectivos os seguintes:

• Contribuir no esforço global em que o país está empenhado que visa a normalização e
melhoria das condições de vida e do aumento dos níveis de produção e auto-
suficiência alimentar da população rural;
• Identificar, promover e financiar projectos de iniciativa e execução local;
• Prestar assistência financeira aos programas de aprovisionamento de factores de pro-
dução e de produtos de incentivo ao incremento da comercialização agrícola, bem
como aos programas que tenham uma perspectiva social, económico e ecológico
com impacto a longo prazo;
• Captar financiamento dentro e fora do país para a execução de projectos locais.

AMODER, uma ONG nacional, com experiência na gestão de fundos próprios e de fun-
dos de doadores para crédito à comercialização agrícola, tendo as suas operações con-
centradas nas regiões de alto potenciais agrícolas na zona Norte do país.
No caso da comercialização agrícola o financiamento pode também beneficiar as gran-
des empresas de comercialização (grossistas), com o objectivo de completar o ciclo de
comercialização garantindo desta forma o escoamento e venda dos produtos dos
pequenos e médios mutuários de créditos.
Os créditos são sobretudo de curto prazo (comercialização agrícola em especial) e inves-
timentos na criação de pequenas indústrias locais. A prática diz que os prazos de inves-
timento não têm ultrapassado os três anos.
A taxa de juros da AMODER varia entre 28% a 60% ao ano, calculadas num processo de
juros compostos, com periodicidade mensal. O nível de juros praticado é revisto anual-
mente, reflectindo os níveis praticados no mercado pela banca comercial.
Existe bonificação, a partir do segundo crédito, para os bons clientes. A taxa de juro é
determinada em função do tipo de financiamento, cliente e garantias oferecidas.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 19


2. 3. 2. Tipos de actividades de créditos desenvolvidas na AMODER
A actividade de crédito da AMODER durante o ano de 2003 e 2004 por província e por activi-
dade

A tabela que se segue apresenta de uma forma resumida os tipos de actividades realiza-
das, o número e o valor de créditos concedidos, valor médio do crédito concedido, fun-
dos desembolsados, reembolsos e taxas de juro durante o ano de 2003 e 2004, por cada
província onde actua AMODER.

Actividades desenvolvidas e crédito concedido (em milhões de meticais)


Cabo Total real Total real Real
Cuamba Nampula Zambézia Tete Inhambane Chókwe
Delgado 2004 2003 04/03(%)
N.º de Créditos
151 75 104 35 54 81 40 540 511 106%
Concedidos
Valor dos Créditos
9.637,5 2.824,7 7.755 2.340 3.850 3.867 965 31.239,2 39.645,9 79%
Concedidos
Comercialização
3.640 555 1.315 450 150 0 0 6.110 9.340 65%
(médios)
Comercialização
2.377,5 842,7 3.610 1.120 150 0 0 8.100,2 6.285 129%
(peq.)
Fundo de
2.740 1.325 110 420 2.353 3.767 700 11.415 10.260,5 111%
Maneio
Transporte 430 0 200 350 725 0 0 1.705 975 175%
Pequena
0 37 2.520 0 337 0 0 2.894 8.225 35%
Indústria
Comercialização
450 0 0 0 0 0 0 450 700 64%
de Pescado
Reserva
0 65 0 0 135 100 265 565 3.860,4 15%
Outros programas
Valor Médio do
63,8 37,7 74,6 66,9 71,3 47,7 24 57,9 77,6 75%
Crédito Concedido
Fundos
9.267,5 2.739,7 7.053 2.330 3.445 3.939 1.085 29.859,1 36.607 82%
Desembolsados
Reembolsos 10.199,4 4.128,9 8.579,8 2.263,1 3.890,6 3.498,7 814,2 33.374,8 24.925,2 134%

Juros de créditos 2.447,4 1.126,3 1.518 661,2 1.251,8 984,1 175,8 8.164,5 6.625,8 123%
Fonte: Relatório de actividade da AMODER em 2004

Interpretação da tabela:
Como a tabela demonstra que os créditos concedidos em 2004 foram inferiores em rela-
ção o ano de 2003 em 21%, em termos de valor, mas representou um acréscimo de 6%
em termos de número.

Em termos de créditos concedidos


Durante o ano de 2004, foram recebidos 809 pedidos de crédito, menos 11 do que os
recebidos em 2003. Do total de pedidos recebidos, dos quais 44% foram apresentados

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 20


por antigos mutuários, foram aprovados 540 créditos no valor total de 31.239,2 milhões
de meticais, o correspondente a 67% da procura manifestada, índice superior ao reali-
zado em 2003, em 5 pontos percentuais. As principais razoes da reprovação dos 269
pedidos foram a falta de experiência dos proponentes em termos de negócios, a falta de
garantias e a inviabilidade dos negócios para que os que se pretendia os empréstimos.
Em 2004, a região que teve a maior parte dos créditos, quer em termos de valor, quer em
termos de número foi a representação de Cabo Delgado, pois, teve um aumento de 78%
e 47% no número e no valor de créditos concedidos respectivamente. Esta posição
deveu-se a uma melhoria da sua carteira, que resultou numa maior rotação dos fundos
disponíveis. Deveu-se também ao aperfeiçoamento dos métodos de analise e proces-
samento dos pedidos, mas essencialmente ao trabalho realizado pelos assistentes de
crédito, contratados em regime parcial e posicionados nos diferentes distritos.
Nampula, que em 2003 esteve na primeira posição, ficou em segundo lugar em 2005. A
província de Inhambane posicionou-se em terceiro lugar graças a uma melhor aplicação
dos fundos disponibilizados pela Embaixada da Irlanda em 2003, alargando-se a base de
clientes bem como as actividades financeiras.

Em termos de actividade
A distribuição em relação as actividades manteve-se em relação o ano de 2003, isto é, a
comercialização agrícola continuou a absorver a maior percentagem dos fundos, segui-
da do fundo de maneio para o comércio geral, com a pequena industria em terceiro
lugar e o transporte em quarto lugar.

Em termos do grupo alvo


O valor médio dos créditos concedidos foi de 57,9% milhões de meticais, inferior ao de
2003 que foi de 77,6 milhões de meticais. Os clientes de sexo feminino absorveram 14%
do total dos créditos concedidos em termos de numero e 115 em termos de valor, tendo
o restante sido absorvido para os clientes do sexo masculino. O crédito aos clientes do
sexo feminino representou um acréscimo de 2.6 pontos percentuais em termos de
número e 2,2 pontos percentuais em termos de valor, em relação aos créditos concedi-
dos em 2003.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 21


Em termos de valor e número
Em termos de número, a maior parte dos créditos concedidos, 52% foi de valores indivi-
duais situados entre os 20 e 75 milhões, mas estes absorveram apenas 27% do valor total
de créditos concedidos. Já em termos de valor a maior porção de financiamentos con-
cedidos, foi para créditos acima de 300 milhões de meticais, que em termos de número
corresponderam apenas a 5%.

Em termos de desembolsos e reembolsos


Ainda que os desembolsos em 2004 (29.859,1 milhões de meticais) tenha sido bastante
inferior ao de 2003 (36.607,4 milhões de meticais), os reembolsos (capital e juros) obtidos
em 2004 (33.374,8 milhões de meticais) foram bastante superior aos de 2003 (24.925,2
milhões de meticais) mercê de entrada em cobrança do grande volume de créditos
desembolsados no ano anterior em como do melhoramento da monitoria dos créditos
concedidos. Tal como no caso dos créditos concedidos, a representação de Cabo Del-
gado foi a que realizou um maior volume de reembolsos, seguindo-se a de Nampula. É
de referir que de todo o modo os reembolsos em 2004 foram afectados por um baixo
nível de reembolso dos créditos à comercialização, causado pelas dificuldades de colo-
cação dos produtos comercializados no mercado.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 22


2.3. Três factores que influenciaram as actividades da organização entre os anos
2003 e 2004
A) Factores que influenciaram positivamente nas actividades da organização:
• Mercados favoráveis para as culturas de gergelim, feijão boere e amendoim;
• Uma maior disponibilidade de fundos para créditos provenientes dos programas
com o Ministério de Indústria e Comércio (MIC), Comissão Europeia, República da
Irlanda, HIVOS, Oxfam-Bélgica e Malonda;
• O desenrolar do projecto de desenvolvimento institucional da AMODER que exigiu
de todos um maior esforço de trabalho especialmente nos momentos de sobreposi-
ção de calendário com as actividade de financiamento;
• Crescimento das operações da AMODER na província de Nampula.

B) Factores que influenciaram negativamente nas actividades da organização:


• A baixa produção agrícola em 2003 relativamente às estimativas iniciais e ao ano
anterior (2002) devido essencialmente à irregularidade das chuvas. Em 2004 houve
aumento de produção agrícola de quase todos os produtos em relação à campanha
anterior, mas teve-se a dificuldade de colocação do milho, feijões e amendoim por
saturação do mercado interno e regional (Malawi11, principal destino das exporta-
ções);
• A tomada de posições unilaterais da parte de alguns doadores que dificultaram o
prosseguimento normal dos programas, na sequência de algumas alegações conti-
das nas avaliações independentes realizadas durante o ano de 2003;
• O aumento da concorrência com o alargamento das actividades do GAPI e do Novo
Banco especialmente nas províncias de Nampula e Niassa;
• O aumento da taxa de inflação de 9.1% em 2002 para 13.8% em 2003 contra uma
inflação planificada de 8.3 e posteriormente corrigida para 10.8%, devido essencial-
mente ao fortalecimento do Rand12, ao aumento dos preços do petróleo no mercado
internacional e à redução da produção interna.
• A demora no processamento da informação sobre crédito e contabilidade porque
até finais de 2004 ainda não tinham um pacote informático adequado, o que criou
enormes transtornos em termos de produção de informação para gestão bem como
11
País vizinho que faz fronteira com a província de Niassa
12
Moeda oficial da África do Sul

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 23


para o processo de prestação de contas quer para entidades internas como para
entidades externas;
• A demora na finalização das contas e respectivas auditorias, o que ditou a não reali-
zação da sessão da Assembleia Geral de sócios, o que por sua vez gerou um atraso
nas actividades dela dependentes, como foi o caso da capacitação institucional;
• Em 2004 houve uma menor entrada de fundos externos comparativamente a 2003.

2. 4. Situação da carteira da AMODER EM 2003 E 2004


O valor da carteira de crédito activa (capital em divida) no fim de 2003 ascende a
35.178,2 milhões de meticais correspondentes a 669 créditos, o valor da carteira é supe-
rior à final de 2002 em 25%. Em 31 de Dezembro de 2004, o valor da carteira cifrou-se em
31.971,8 milhões de meticais o que ficou a dever-se essencialmente a um menor volume
de desembolsos durante o ano de 2004.
Entre 1994 a 2002 foram abatidos 328 créditos considerados incobráveis no valor de
13.008,5 milhões de meticais, processo esse que não se realizou em anos anteriores
devido aos problemas com o sistema informático. Os abates correspondem a 49% da
carteira em termos de número e a 37% em termos de valor.
No final de 2004 foram abatidos 152 créditos considerados incobráveis com o valor total
em dívida (capital) de 5.492,4 milhões. Em termos absolutos este valor é inferior ao dos
abates realizados em 2003 em 58%, mas em termos comparativos é bastante superior se
atendermos a que os abates de 2003 correspondiam a um período de 5 anos durante o
qual não se fizera nenhum abate por razões ligadas ao sistema de informação.
Em 2003 as maiores percentagens de abate verificaram-se nas províncias de Zambézia e
Gaza, enquanto que em 2004 as maiores percentagens de abate verificaram-se nas pro-
víncias de Tete, Inhambane e Cabo Delgado.
Tanto em 2003 como em 2004, a carteira em risco (créditos com atraso superior a 90
dias) não pôde ser analisada de forma global pelo facto de a zona norte, englobando as
províncias de Cabo Delgado, Niassa, Nampula e Zambézia e a sul, englobando as provín-
cias de Tete, Inhambane e Gaza terem procedimentos de cálculo diferentes. Enquanto
que a zona sul usava o pacote LSF que calcula o atraso em função do valor da divida
vencida não paga, a zona norte usava uma folha de cálculo que determina o atraso do

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 24


crédito em função da última data de pagamento, independentemente do valor em dívi-
da.
A carteira em risco (créditos com atraso superior a 90 dias) não foi possível ser analisada
porque a zona norte, englobando as províncias de Cabo Delgado, Niassa, Nampula e
Zambézia e a zona sul, englobando as províncias de Tete, Inhambane e Gaza usavam
pacotes informáticos diferentes e tinham procedimentos de cálculo também diferentes.
Enquanto que na zona sul usava o pacote LFS que calcula o atraso em função do valor
em divida vencida não paga, a zona norte usa usava uma folha de cálculo que determina
o atraso do crédito em função da última data de pagamento, independentemente do
valor em dívida.
No final de 2003, a carteira em risco na zona norte situava-se em 13,6% em termos de
número de créditos e de 8,8% em termos de valor, valores que se aproximam dos 10%
aceitáveis para a indústria financeira. As representações de Pemba e Cuamba são as que
revelam os maiores índices de risco, a província da Zambézia apesar de apresentar índi-
ces dentro dos aceitáveis 10%, teve também um grande índice de abates de créditos
incobráveis. Na zona sul, a carteira em risco situava-se em 41% em termos de número de
créditos e em 32% em termos de valor, valores estes bastante acima dos níveis aceitá-
veis.
No final de 2004, a carteira em risco na zona norte situava-se em 22,4% em termos de
número de créditos e 13,5% em termos de valor, valores superiores aos conseguidos em
2003. Os aumentos verificaram-se nas representações de Cuamba, Nampula e Zambézia
enquanto que desceu ligeiramente na representação de Cabo Delgado. Na zona sul, a
carteira em risco situava-se 37,4% em termos de número de créditos e em 31,3% em
termos de valor, índices superiores aos verificados em 2003 e bastante acima dos aceitá-
veis 10%, apesar de a percentagem de abates ter sido grande.

As tabelas que se seguem resumem a situação da carteira em risco separadamente para


cada uma das zonas nos finais de 2003 e 2004:

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 25


Situação da carteira em risco da AMODER no fim de 2003
T. Real
Actividade Cabo Delgado Cuamba Nampula Zambézia Tete Inambane Chókwe
03
Carteira de crédito
8.372,3 4.041,1 9.434,3 1.863 5.347,5 5.855 265,0 35.178,2
31.12.03 (capital)
Valor de crédito abatido 3.880,3 2.246,4 6,6 2.246,0 1.862,4 1.130,0 1.316,8 13.008,3
% dos abates sobre o total 29,8% 19,7% 0,1% 17,3% 14,3% 8,7% 10,1% 100%
% dos abates sobre a
56% 56% 0.9% 117,9% 19.7% 52,3% 184,2% 49%
carteira activa (em Nº)
% dos abates sobre a
46,3% 63,5% 0,1% 120,6% 34,8% 19,3% 497% 37%
carteira activa (em valor)
Carteira em risco (atraso> 90
21,6% 12% 9,6% 9% _ _ _ 13,6%
dias) Zona Norte – Nº
Carteira em risco (atraso> 90
_ _ _ _ 41% 46,9% 0% 41%
dias) Zona Sul – Nº
-Carteira em risco Zona Norte
12,1% 11% 5% 7,9% _ _ _ 8,8%
– % Valor
Carteira em risco Zona Sul – %
_ _ _ _ 46,5% 20,3% 0% 32%
Valor

Fonte: Relatório de actividade da AMODER de 2003.

Situação da carteira em risco da AMODER no fim de 2004


Actividade Cabo Delgado Cuamba Nampula Zambézia Tete Inhambane Chókwe T.Real 04
Carteira de crédito 31.12.04 8.971,7 3.516,9 9.129,9 2.398,3 3.226,4 3.955,4 773,4 31.971,8
(capital)
Valor de crédito abatido 916 261 295 211 2.728,5 1.080,6 0 5.492,4
% dos abates sobre o total 16,7% 4,8% 5,4% 3,8% 49,7% 19,7% 0% 100%
% dos abates sobre a carteira 2,7% 1,9% 1,5% 1,9% 7,9% 6,7% 02% 23%
activa (em Nº)
% dos abates sobre a carteira 2,9% 0,8% 0,92% 0,7% 8,5% 3,4% 0% 17%
activa (em valor)
Carteira em risco (atraso> 90 24% 18,5% 24,2% 21,7% _ _ _ 22,4%
dias) Zona Norte – Nº
Carteira em risco (atraso> 90 _ _ _ _ 44,2% 42,4% 17,2% 37,4%
dias) Zona Sul – Nº
Carteira em risco Zona Norte – 11,4% 13,1% 14,5% 17,9% _ _ _ 13,5%
Valor
Carteira em risco Zona Sul – _ _ _ _ 22,2% 42,9% 9,7% 31,3%
Valor
Grau de reembolso 62% 59% 56% 49% 36% 42% 70% 52%

Fonte: Relatório de actividade da AMODER de 2004

Causas da baixa taxa de reembolso


Além dos factores que influenciaram negativamente nas actividades da AMODER, atrás
citados, juntam-se as causas:
• Até ao fim de 2004 não havia sido abatido os créditos de facto incobráveis devido a
diferenças de tratamento informático entre a zona norte e sul do país, uma vez que no
zonal sul usava o pacote LFS que calcula o atraso em função do valor da dívida vencida
não paga e a zona norte usava uma folha de cálculo que determina o atraso do crédito
em função da última data de pagamento, independentemente do valor em dívida;

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 26


• Os beneficiários do microcrédito muitas vezes não conseguem fazer o pagamento das
suas prestações dentro dos prazos estabelecidos porque o desenvolvimento das suas
actividades depende das péssimas condições das vias de acesso, principalmente no
tempo das chuvas, assim como a inexistência ou destruição das infra-estruturas físicas
(mercado e loja) para o caso de Cuamba por exemplo;
• Para o caso de Niassa a rede bancária é bastante fraca, existindo em Cuamba somente
um banco (BIM) e nos restantes distritos em que a AMODER opera não possuem
nenhum banco. Este problema dificulta também o pagamento das prestações por par-
te dos seus beneficiários dentro do prazo.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 27


3. CONCLUSÃO

O Microcrédito concretiza uma possibilidade de criação de riqueza, e mais valias na eco-


nomia nacional, na produtividade e no emprego. A criação de um projecto de Microcré-
dito dá resposta a uma dificuldade estrutural de natureza social, política, cultural e a
aversão ao risco. Infelizmente, ainda existe em Moçambique, uma noção de que as pes-
soas que começam pequenos negócios não são merecedoras de tanta admiração como
as que seguem carreiras continuadas, no sector público ou no sector privado. Este pre-
conceito só se conseguirá ultrapassar com um acentuado esforço de educação e conti-
nuidade ao longo das gerações.
Moçambique precisa de apostar mais na formação, informação e capacidade de finan-
ciamento: são os três aspectos base para conseguir apoiar de facto as pessoas empreen-
dedoras, que procuram empréstimos e alternativas fora do sector bancário. Por outro
lado existe um excesso de burocracia na criação e gestão corrente de microempresas.
O Microcrédito, é ser encarado como um instrumento que visa criar um ambiente que
permita às pessoas relacionarem-se com um parceiro comercial e com as Instituições
financeiras, providenciando não só o financiamento, mas também a informação e o
apoio para desenvolver o seu próprio negócio e construir algo que mais tarde seja um
contributo para economia moçambicana.
Em Moçambique, existem ainda alguns entraves, barreiras e problemas no sector do
microcrédito13:
• Poucas Instituições de Microfinanças formalizadas;
• As Instituições de Microfinanças sem orientação comercial e contabilidade organiza-
da têm menos assistência técnica, e são menos contemplada que as restantes;
• As Instituições de Microfinanças estão longe de terem inteira sustentabilidade insti-
tucional;
• Défice de política de investimento em formação de recursos humanos, com medidas
de reciclagem e cursos avançados em determinados segmentos;
• Dificuldade na criação de capacidade local em Microfinanças para captar o grande
fluxo de dinheiro nas zonas rurais e sectores informais, bem como aumento do raio
de acção no combate à pobreza e exclusão social;

13
www.microfinmoz.gov.mz, seminário sobre projectos de capacitação no sector do micro finanças.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 28


• Falta de Politicas de sustentabilidade financeira mais fortes que possam ser combi-
nadas com politicas de redução de escala de empréstimo;
• A legislação moçambicana não tem um papel mais activo e positivo sobre o merca-
do, na criação de condições legais para que os riscos sejam menores, e a sua expan-
são pelas áreas rurais esteja mais facilitada;
• Nas zonas rurais, existe um défice muito elevado de estruturas e serviços financeiros,
o conceito de serviços financeiros é mais abrangente e complexo do que o conceito
de Microfinanças.

Em Moçambique, particularmente em Niassa, a pobreza não se resume apenas à falta de


acesso à escola ou à saúde. Nas zonas rurais, estas infraestruturais encontram-se distan-
tes das zonas residenciais, mas o principal constrangimento que os habitantes destes
locais têm enfrentando é a falta de uma fonte de rendimentos que lhes permita ter
recursos financeiros suficientes para o financiamento das múltiplas necessidades que
lhes aparecem.
Os serviços financeiros moçambicanos rurais encontram-se numa fase de decadência
estrutural e legal, uma vez que existe um acentuado abandono por parte da banca
comercial das zonas rurais, um reduzido número de Instituições de Microfinanças sendo
ainda menor o número de instituições envolvidas em Finanças rurais, um modesto
volume global de negócios e de clientes, possui uma qualidade variável, o seu impacto é
limitado e existe uma dispersão nos esforços individualizados dos doadores e público.
Em síntese os problemas das Instituições financeiras rurais podem ser agrupados nas
seguintes categorias:
• Problemas financeiros (adequação de recursos ao seu volume e preços);
• Problemas de base legal e técnicos;
• Falta de recursos humanos com as competências específicas nestas matérias;
• Existência de um défice na capacidade de liderança e gestão dos recursos à
Postos à disposição
• Inexistência de estudo estatístico do mercado a investir e clientes alvo;
• Pouca diversidade institucional.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 29


O presente estudo constatou que há pessoas em situação de doença que não têm con-
seguido comprar os medicamentos que lhes são recomendados pelos médicos, optan-
do às vezes por comprar nos mercados informais, ou mesmo não se tratando.
De facto, este serviço financeiro tem ajudado um certo tipo de clientes e os seus resulta-
dos dependem das situações individuais dos seus beneficiários, um crédito pode criar
mais empregos aos membros do mesmo agregado. Nas zonas rurais de Niassa, os clien-
tes de microcrédito com um nível de investimento considerável registam melhorias assi-
naláveis, não se sucedendo o mesmo com os pequenos clientes que se tornaram
dependentes contínuos, dado o facto das suas actividades serem excessivamente
pequenas, pelo que para estes últimos o microcrédito não tem sido a solução que se
esperava para a redução dos seus níveis de pobreza e de dependência. Os principais
constrangimentos que o microcrédito apresenta para o desenvolvimento destas pessoas
são o baixo valor do empréstimo, curto prazo de reembolso e elevadas taxas de juro, fac-
tores que tornam impossível a aplicação destes montantes para a expansão das suas
actividades e da produção.
Para ajudar os pobres não se devia usar apenas o microcrédito, deve-se estender os ser-
viços às poupanças e também ao seguro. Os beneficiários do microcrédito apresentam
uma ligação com a instituição até certo ponto viciada, pelo ciclo empréstimo-
investimento-pagamento, e não conseguem guardar nem para si nem para os seus os
resultados do seu negócio. Esta situação coloca-os praticamente pobres, mas como fon-
te de renda, a ideia do microcrédito devia ter como fim torná-los auto-suficientes.
Os resultados do trabalho permitem constatar que de facto o microcrédito contribui
directa e indirectamente para a promoção do bem-estar, permitindo criar ou manter em
média duas vagas e meia de emprego por cada beneficiário, o que aumenta o rendi-
mento e melhora o nível de vida dos beneficiários, tornando-se numa considerável con-
tribuição para os objectivos de combate e redução da pobreza em Moçambique defini-
dos no programa do Governo

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 30


Soluções e algumas propostas a serem tomadas pelas Instituições de Microfinan-
ças
.
• Mais e melhores instituições financeiras e de Microcrédito;
• Melhor capacidade institucional pública e privada;
• Maior volume global de negócios e de clientes;
• Melhor qualidade e diversidade dos produtos e serviços financeiros disponibili-
zados quer pela banca comercial quer pelas Microfinanças;
• Maior eficiência e sustentabilidade das instituições de Microfinanças, para tal
devem realizar um esforço nas áreas da formação e informação (metodologias e
técnicas racionais).

Para um pais como Moçambique, os bancos deveriam utilizar critérios metodologias


fidedignas específicas, com a avaliação dos riscos baseada em:
• Estudos técnicos dos fluxos de caixa do negócio do empreendedor;
• Avaliação socioeconómica que inclui uma avaliação do contexto social e familiar
do empreendedor;
• Uma análise a vontade ou prospecção a pagar;
• Deveria existir na estrutura das instituições de crédito um agente de crédito que
faça a promoção e análise do risco e outro que fosse responsável pela recupera-
ção do crédito.
As microempresas em Moçambique, têm enfrentado alguns constrangimentos de
ordem financeira, e muitas vezes não existem mecanismos de acesso aos mercados e
existem grandes dificuldades de aquisição de componentes tecnológicas, a mão-de-
obra é pouco qualificada. No contexto moçambicano ter sucesso em Microfinanças é
alcançar maior número de clientes e existir uma rentabilidade e permanência no tempo.
As instituições de microcrédito em Niassa para além de privilegiar apenas o crédito de
curto prazo, destinado maioritariamente para o sector comercial, deveriam também
privilegiar o crédito a longo prazo, destinado aos camponeses, uma vez que a actividade
agrícola é a base de sobrevivência da província. Niassa é uma província onde a maioria
da sua população vive nas zonas rurais e tem um alto potencial agrícola devido à boa
qualidade dos solos e às chuvas regulares.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 31


De um modo geral os beneficiários mostram sinais de terem ultrapassado dificuldades
diárias desde que iniciaram a sua ligação com o microcrédito. Este produto apesar de ser
valioso, não pode ser assumido como sendo uma solução para os problemas da pobre-
za, pelo que precisa-se sim é de que na sua aplicação a esta camada sejam avaliados os
tipos de serviços que cada um possa precisar, de modo a direccioná-lo correctamente e
para que a sustentabilidade da instituição seja garantida e para que os pobres partici-
pem e não se sintam excluídos de qualquer processo que lhes possa ajudar a aliviar a sua
situação de pobreza, os políticos devem formular leis que abram espaço à participação.
Perante a necessidade de se encontrar estratégias e instrumentos eficientes e eficazes de
combate à pobreza em Moçambique, dado o papel relativo do microcrédito através da
concessão de crédito às pessoas pobres e economicamente activas, contribuindo para a
geração de algum rendimento para a sua sobrevivência, este estudo não oferece uma
resposta acabada sobre a matéria. Pretendemos assim lançar apenas algumas luzes e
abrir espaço para outros estudos mais aprofundados, que permitam um maior enqua-
dramento destes nos programas de combate à pobreza em curso no país e contribuir
para a redução dos constrangimentos que a actual relação entre as instituições e os
beneficiários apresenta.

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 32


4. Referências Bibliográficas

Coutinho, A; Silva, C, P (2005) Microcrédito em Portugal. Millennium bcp.

Caetano, A; Neves, J; Ferreira, C. M. J.(2001) Manual de Psicossociologia das Organizações.


Amadora, McGraw - Hill.

Dauto, B. U.(2000) Constituição da República de Moçambique. Maputo.

Matlaba, E. H. Z. (2002) Análise da gestão de recursos humanos nas Forças Armadas de


Moçambique – no contexto da organização que aprende. Maputo, 198 p. Dissertação
(Mestrado) – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa.

www.Ine.gov.mz 2006
www.geolingua.org/paises moçambique.htm
Africa. Sapo.pt
www.cpsfr.org.mz
www.bancomoc.mz
www.microfinmoz.gov.moz

oikos: Micro-Finanças em Moçambique / Março 2006 33