Você está na página 1de 3

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DE SABUGAL

Nome _____________________________________________ Nº ____ 10º A Fevereiro 2009

Classificação Pontos
O Professor
_______________________
(José Almeida)
FICHA DE AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA
I
1. Observa a figura correspondente à densidade populacional em Portugal Continental.

1.1. Explique em que consiste o processo de litoralização.

Processo de progressiva concentração de população e de actividades económicas ao longo da


faixa litoral (associado à diminuição da importância do interior em termos absolutos)
1.2. Justifique os contrastes verificados na figura, apontando dois factores
socioeconómicos.
- O sector industrial localiza-se, quase na globalidade, na faixa litoral.
- A rede de transportes é mais densa e de melhor qualidade no litoral.
- O litoral apresenta maior quantidade e diversidade de actividades terciárias.
- O litoral apresenta as cidades de maior dimensão que apresentam uma importante
capacidade atractiva.
1.3. O conceito de bipolarização evidencia-se quando se aborda a assimétrica
distribuição da população em Portugal. Esclarece o seu significado.
“As áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, constituem os mais importantes pólos de
desenvolvimento do país de atracção populacional, monopolizando a maioria das actividades
económicas, sociais e culturais.”
1.4. Portugal tem apresentado nas últimas décadas profundas mutações espaciais. Para
responder à evolução registada há a crescente necessidade de planear a ocupação
do espaço. Aponta dois objectivos gerais do planeamento, capazes de proporcionar desenvolvimento.

- satisfazer as necessidades essenciais de todos os indivíduos;


- atenuar os desequilíbrios regionais;
- gerir adequadamente os recursos;
- preservar o ambiente.

- Proporcionar a melhoria da qualidade de vida da população


- Assegurar a gestão racional dos recursos endógenos
- Preservar o equilíbrio ambiental
- Corrigir as assimetria regionais
- Resolver conflitos na gestão e uso do território
1.5. Associado ao planeamento está o conceito de desenvolvimento sustentável. Esclarece este
conceito.
- Desenvolvimento sustentável significa melhorar a vida humana vivendo dentro da capacidade máxima dos
ecossistemas que a suportam.
- Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer
a capacidade das gerações futuras de satisfazer as suas próprias necessidades.
II
1. A diversidade e a distribuição dos recursos minerais existentes num território estão directamente relacionadas com as
características geológicas e geomorfológicas que determinam a ocorrência e a natureza das jazidas.

1.1. Elabora a legenda da figura.


A – orlas mesocenozoicas B - Bacias sedimentares do Tejo e do Sado C – Maciço antigo / Maciço Hespérico
1.2. Assinala, dentre as afirmações que se seguem, as verdadeiras e as falas.

1.2.1. F A unidade A corresponde à unidade geomorfológica mais antiga.


1.2.2. F A Unidade A apresenta uma grande diversidade geológica,assente em rochas de elevado grau de dureza: granito, xisto, etc.
1.2.3. F Na unidade C predominam as rochas sedimentares, argilas, cascalho, argila e algum calcário.
1.2.4. VNa unidade C encontram-se a maioria das jazidas minerais.
1.2.5. VAs minas de Neves Corvo encontram-se na unidade C.
1.2.6. VA unidade B é a unidade geomorfológica mais recente.
1.2.7. VNa unidade B os recursos minerais explorados são, sobretudo, rochas industriais utilizadas na industria do vidro, do cimento e da
cerâmica, por exemplo.
1.2.8. F As principais áreas de exploração de calcário em Portugal encontram-se na unidade C.
2. A tabela refere-se à evolução do valor da produção da indústria extractiva nacional entre 2003 e 2004.
2003 2004 Variação entre 2003 e
Subsectores 2004 (%)
(10³ euros) (10³ euros)
Minerais metálicos 98 782 190 923 93.3
Rochas ornamentais 151 692 146 007 -3.7
Rochas industriais 414 363 409 470 -1.2
Minerais não metálicos 6 449 8 513 32.0
Águas 219318 219 800 0.2
Total 890 604 974 713 9.4
2.1. O valor da produção em 2004 aumentou 9.4% em relação a 2003. Aponta dois factores que podem explicar este aumento da
produção da indústria extractiva em Portugal.
- Aumento da cotação de alguns minerais metálicos com destaque para o cobre
- O aumento da procura pela Índia e pala China
- A diminuição do ritmo de descobertas de grandes jazidas a nível mundial
2.2. Os subsectores que mais cresceram entre 2003 e 2004 foram …

a. os minerais metálicos e as águas.


b. as rochas industriais e as águas.
c. os minerais metálicos e os Minerais não metálicos.
d. as rochas industriais e os minerais metálicos.

2.3. Os subsectores que maior valor de produção apresentam em 2004 são…

a. os minerais metálicos e as águas.


b. as rochas industriais e as águas.
c. os minerais metálicos e os Minerais não metálicos.
d. as rochas industriais e os minerais metálicos

2.4. O cobre é um mineral que assume grande relevância no contexto da indústria extractiva nacional.

2.4.1. Indica o subsector em que se inclui a exploração do cobre.


- Minerais metálicos
2.4.2. As minas de Neves Corvo, no Baixo Alentejo, inserem-se num importante complexo mineiro ibérico. Indica-o.
- Faixa Piritosa Ibérica
2.4.3. Explica a importância que as minas de Neves Corvo apresentam para a região onde se inserem.
- Maior empregador do Baixo Alentejo
2.5. As rochas industriais e as rochas ornamentais assumem-se como subsectores de importância crescente no sector mineiro
nacional. Aponte duas causas que contribuíram para esta situação.
- O aumento da competitividade das empresas resultante da valorização interna dos produtos comercializados e
da melhoria dos padrões de qualidade.
- Maior agressividade nos mercados externos, sobretudo devido á exportação de rochas ornamentais
2.6. O sector das águas é, em 2004, o segundo sector na produção da indústria extractiva nacional, assistindo-se a um contínuo
aumento no consumo de águas engarrafadas. Aponta duas causas para esta evolução.
- A modificação dos hábitos alimentares
- A melhoria da qualidade de vida
- Os maiores cuidados de saúde
- A falta de confiança na água corrente canalizada
- O gradual decréscimo do consumo de bebidas alcoólicas
2.7. “O termalismo reflecte-se no turismo e no desenvolvimento regional, uma vez que permite o aproveitamento dos recursos
endógenos e a redução das assimetrias regionais.” Esclareça a afirmação produzida.

O termalismo a nível regional é um factor de desenvolvimento e de dinamismo pois possibilita:

- A canalização de rendimentos para as áreas desfavorecidas, uma vez que as estancias termais localizam-se em áreas com
fraca concentração industrial;
- A construção de infra-estruturas, como, por exemplo, hotéis, distribuição de energia, vias de comunicação;
- O aumento da oferta de emprego;
- A diminuição do êxodo rural;
- O desenvolvimento do comércio e dos serviços;
- O intercâmbio cultural
3. A satisfação das necessidades energéticas de Portugal tem assentado na exploração dos combustíveis fósseis.

GN

Renovávei

Petróleo

Carvão

3.1. Aponta duas consequências resultantes da utilização maioritária dos combustíveis fósseis.
- Esgotamento das reservas a um ritmo acelerado
- A contaminação ambiental
- A dependência do exterior por parte dos países não produtores de petróleo, carvão e gás natura,
- Aumento da factura energética
3.2. Justifica, apontando dois objectivos, a opção de política energética feita com a introdução do gás natural na década de noventa.
- A diversidade das fontes de energia
- A redução da dependência em relação ao petróleo
- A preservação ambiental
- O desenvolvimento regional com o objectivo de diminuir as disparidades, quer económicas quer sociais, que afastam Portugal do
resto da Europa.
3.3. O principal fornecedor de gás natural a Portugal é a Argélia. No entanto Portugal está apto a receber gás por via marítima de outras origens.
Justifica a vantagem que esta situação oferece a Portugal.

- A diversificação das fontes.


- Maior segurança no abastecimento, reduzindo a dependência de uma só origem
3.4. Das energias renováveis, a maior fatia cabe ao sistema hidroeléctrico, cujas centrais se localizam maioritariamente a Norte do rio Tejo.

3.4.1. Aponte duas causas que justificam esta localização.


- Os elevados valores médios anuais de precipitação
- O facto das temperaturas médias anuais serem mais baixas, o que provoca menor evaporação
- O carácter acidentado do relevo, com muitos vales estreitos e declivosos, bem como as margens rochosas
3.4.2. Refere o benefício energético que resulta da produção de electricidade nestas centrais.
- Contribui para a redução do consumo dos combustíveis fósseis
4. O gráfico refere-se aos compromissos de Quioto para a Europa do 15, em 2010, face a 1990.

4.1. Indica três países que poderão, no período considerado, aumentar as emissões de gases
com efeito de estufa.
- Portugal, Grécia, Espanha, Irlanda e Suécia

4.2. Apresenta uma hipótese que possa explicar a situação da Suécia no contexto dos 15
países da UE.
A Suécia é um país desenvolvido cujo sector electroprodutor está muito centrado nas centrais
nucleares. Assim apresentará emissões reduzidas de CO2 associadas à produção de
electricidade em centrais térmicas. Em consequência deste facto apresenta uma margem para
aumentar as emissões em 4% em relação ao que emitia em 1990.
4.3. A necessidade de cumprimento da directiva comunitária respeitante ao Protocolo de
Quioto impõe a Portugal o alcance de uma meta concreta até 2012.

4.3.1. Indica-a.
- A meta corresponde à obrigação de produzir, na data indicada, pelo menos 39% da electricidade a partir de energia renováveis
4.3.2. Aponta as soluções que o país deverá encontrar para a alcançar essa meta.
- Aposta clara nas energias renováveis com destaque para o investimento na energia eólica.

Assim, estão presentes no Programa de Actuação para reduzir a dependência de Portugal dos combustíveis fósseis, sobretudo ao
petróleo, medidas como, por exemplo:

- A eliminação de obstáculos nos processos de licenciamento das energias renováveis. Visando-se assim o aumento da produção de
electricidade a partir das fontes de energia renovável;
- O estímulo ao aumento da eficiência energética através da melhoria de processos industriais;
- A promoção do transporte público, visando a diminuição da circulação automóvel, sobretudo nas cidades;
- A introdução de fontes de energia alternativas ao petróleo nos meios de transporte;
- A adopção de novos regulamentos de eficiência energética de edifícios, para minimizar o consumo de energia por habitante, como,
por exemplo, construir edifícios de forma a tirar partido do sol no Inverno e a evitá-lo no Verão.