Você está na página 1de 298

Prezado Cliente,

Congratulamo-nos e agradecemos-lhe por ter escolhido um LANCIA. Preparámos este manual a fim de que possa apreciar plenamente as qualidades deste veículo. Aconselhamo-lo a lê-lo por inteiro antes de sentar-se pela primeira vez ao volante. No mesmo estão contidos informações, conselhos e advertências importantes para a utilização do veículo que lhe ajudarão a aproveitar a fundo de todas as vantagens técnicas do seu LANCIA. Des- cobrirá características e precauções especiais; encontrará, ainda, informações essenciais para o cui- dado, a manutenção, a segurança de condução e de serviço e para manter no tempo o seu LANCIA.

Além do mais, na publicação Livrete de Garantia anexada, encontrará os Serviços que a LANCIA oferece as próprios clientes:

• o Certificado de Garantia com os prazos e as condições para manter a mesma

• a gama dos serviços adicionais reservados aos clientes LANCIA.

Temos a certeza de que, com estes instrumentos, será fácil entrar em sintonia e apreciar o seu novo veículo e os homens LANCIA que lhe darão assistência.

Boa leitura, então, e boa viagem!

LER ABSOLUTAMENTE!

ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

K

Motores a gasolina: abastecer o veículo só com gasolina sem chumbo com número de octanas (RON), não inferior a 95.

Motores diesel: abastecer o veículo só com gasóleo para auto-tracção conforme a especificação europeia EN590.

ARRANQUE DO MOTOR

conforme a especificação europeia EN590. ARRANQUE DO MOTOR Certificar-se que o travão de mão esteja engatado;

Certificar-se que o travão de mão esteja engatado; pôr a alavanca da caixa de velocidades em ponto morto; carregar a fundo o pedal da embraiagem sem carregar no acelerador, depois:

motores a gasolina: rodar a chave de arranque em AVV e deixá-la quando o motor estiver ligado.

motores diesel: rodar a chave de arranque para a posição MAR, esperar que as luz avisadora ¢ e mse apague; rodar a chave de arranque em AVV e deixá-la quando o motor estiver ligado.

ESTACIONAMENTO SOBRE MATERIAL INFLAMÁVEL

Durante o funcionamento, o escape catalítico desenvolve altas temperaturas. Por isso, não estacionar o veícu-

lo sobre erva, folhas secas, agulhas de pinheiro ou outro material inflamável: perigo de incêndio.

RESPEITO PELO AMBIENTE

U

O veículo está equipado com um sistema que permite um diagnóstico contínuo dos componentes relacionados

com as emissões para garantir um melhor respeito pelo ambiente.

APARELHOS ELÉCTRICOS ACESSÓRIOS

Se, depois de ter comprado o veículo, deseja instalar acessórios que necessitam de alimentação eléctrica (com risco de descarregar gradualmente a bateria), dirigir-se à Rede de Assistência Lancia que, avaliará a absorção eléctrica global e verificará se o sistema do veículo é em grau de suster a carga pedida.

CODE card

Mantê-lo num lugar seguro, não no veículo. Aconselha-se, de ter consigo o código electrónico referido no CODE card, na eventualidade que tivesse de efectuar um arranque de emergência.do veículo é em grau de suster a carga pedida. CODE card MANUTENÇÃO PROGRAMADA Uma correcta

MANUTENÇÃO PROGRAMADA

efectuar um arranque de emergência. MANUTENÇÃO PROGRAMADA Uma correcta manutenção permite de manter inalterados no

Uma correcta manutenção permite de manter inalterados no tempo os rendimentos do veículo e as caracterís- ticas de segurança, respeitando o ambiente e mantendo baixos os custos de funcionamento.

NO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

os custos de funcionamento. NO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO …encontrará informações, conselhos e avisos importantes

…encontrará informações, conselhos e avisos importantes para o uso correcto, a segurança na condução e para manter eficiente no tempo a Suo veículo. Faça muita atenção aos símbolos " (segurança das pessoas) # (protecção do meio ambiente) â (integridade do veículo).

SEGURANÇA E PROTECÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Segurança e respeito pelo meio ambiente são os princípios condutores que inspiraram, desde o iní- cio, o projecto do Lybra.

Graças a esta concepção, o Lybra pôde enfrentar e passar ensaios rigorosíssimos sobre a segurança. Tanto que, sob este ponto de vista, está nos níveis mais altos na sua categoria. E, provavelmente, também adiantou parâmetros pertencentes ao futuro.

Para além disso, a contínua pesquisa de soluções novas e eficazes para respeitar o meio ambiente faz com que o Lybra seja um modelo a imitar também sob este aspecto.

Todas as versões, efectivamente, estão equipadas com dispositivos de protecção do meio ambiente que diminuem as emissões nocivas dos gases de escape bem mais além dos limites previstos pelas nor- mas vigentes.

Lembramos-lhe também do compromisso LANCIA de “reciclagem total”: com o intuito de dirigir o veículo desmontado a um tratamento ecológico e à reciclagem dos seus materiais. Quando o seu Lybra tiver de ser mandado para a sucata, a LANCIA compromete-se, através da própria rede de vendas, a ajudá-lo para que o seu veículo seja totalmente reciclado. Para a natureza a vantagem é dupla: nada é perdido ou desperdiçado e há uma equivalente menor necessidade de extrair matérias- primas.

Para a natureza a vantagem é dupla: nada é perdido ou desperdiçado e há uma equivalente menor necessidade de extrair matérias-primas.

PROTECÇÃO DO MEIO AMBIENTE

A protecção do meio ambiente conduziu o projecto e a realização do Lybra em todas as suas fases. O resultado consiste na utilização de materiais e no aperfeiçoamento de dispositivos capazes de reduzir ou limitar drasticamente as influências nocivas sobre o meio ambiente.

O Lybra, equipado com dispositivos de protecção do meio ambiente que diminuem as emissões nocivas dos gases de escape, está pronto para viajar em conformidade com as mais severas normas antipoluição internacionais.

USO DE MATERIAIS NÃO NOCIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

Nenhum componente do veículo contém amianto. Os forros e o condicionador de ar não contêm CFC (Cloroflúorcarbonetos), os gases considerados responsáveis pela destruição da camada de ozó- nio. Os corantes e os revestimentos anticorrosivos dos parafusos não contêm nem cádmio nem cro- matos, que podem poluir o ar e os leitos de água, mas substâncias não nocivas para o meio ambiente.

DISPOSITIVOS PARA REDUZIR AS EMISSÕES DOS MOTORES A GASOLINA

Conversor catalítico trivalente (panela catalítica)

Óxido de carbono, óxidos de azoto e hidrocarbonetos não queimados são os principais componen- tes nocivos dos gases de escape.

O conversor catalítico é um “laboratório em miniatura” no qual uma percentagem muito alta des-

tes componentes transforma-se em substâncias inócuas.

A transformação é ajudada pela presença de minúsculas partículas de metais nobres presentes no

corpo de cerâmica envolvido pelo contentor metálico de aço inoxidável.

Sonda Lambda

Todas as versões a gasolina estão equipadas com a sonda. Garante o controlo da relação exacta da mistura ar/gasolina, fundamental para o correcto funcionamento do motor e do catalisador.

Sistema antievaporação

Sendo impossível, mesmo com o motor desligado, impedir a formação dos vapores de gasolina, o sistema os “encerra” num recipiente especial de carvão activo, de onde são aspirados e queimados durante o funcionamento do motor.

DISPOSITIVOS PARA REDUZIR AS EMISSÕES DOS MOTORES A GASÓLEO

Conversor catalítico oxidante

Converte as substâncias poluentes presentes nos gases de escape (óxido de carbono, hidrocarbone- tos não queimados e partículas) em substâncias inócuas, reduzindo o fumo e o cheiro típico dos gases de escape dos motores a gasóleo.

O conversor catalítico é constituído de um invólucro metálico de aço inoxidável que contém o corpo de cerâmica em forma de ninho de abelhas, no qual está contido o metal nobre que efectua a acção catalisante.

Sistema de recirculação dos gases de escape (E.G.R. Cooled)

Realiza a recirculação, ou seja a reutilização, de uma parte dos gases de escape, em percentagem variável de acordo com as condições de funcionamento do motor.

É usado, quando necessário, para o controlo da emissão dos óxidos de azoto.

OS SINAIS PARA UMA CONDUÇÃO CORRECTA

Os sinais que vê nesta página são muito importantes. Servem, com efeito, para realçar partes do manual onde é mais necessário deter-se com atenção.

Como vê, cada sinal é constituído por um símbolo gráfico diferente para facilitar e destacar ime- diatamente a qual área pertencem os assuntos:

destacar ime- diatamente a qual área pertencem os assuntos: Segurança das pessoas. Atenção. A falta total

Segurança das pessoas. Atenção. A falta total ou parcial de respeito por estas prescrições pode provocar perigo grave para a incolu- midade das pessoas.

provocar perigo grave para a incolu- midade das pessoas. Protecção do ambiente. Indica os comportamentos correctos

Protecção do ambiente. Indica os comportamentos correctos a manter para que o uso do veículo não cause nenhum dano natureza.

para que o uso do veículo não cause nenhum dano natureza. Integridade do veículo. Atenção. A

Integridade do veículo. Atenção. A falta total ou parcial de respeito por estas prescrições com- porta um perigo de sérios danos ao veículo e, às vezes, até a perda da ga- rantia.

SÍMBOLOS

Em alguns componentes do seu Lybra, ou próximo a esses, encon- tram-se placas específicas coloridas, cujos símbolos chamam a atenção e indicam precauções importantes que o utente deve observar em relação a esse componente.

A seguir, são apresentados, resumi- damente, todos os símbolos das eti- quetas adoptadas no seu Lybra com, ao lado, o componente ao qual o sím- bolo se refere.

Para além disso, é indicado o signi- ficado que o símbolo tem, de acordo com a subdivisão de: perigo, proibi- ção, advertência, obrigação, ao qual o símbolo se refere.

SÍMBOLOS DE PERIGO

ao qual o símbolo se refere. SÍMBOLOS DE PERIGO Bateria Líquido corrosivo. Bateria Explosão. Pode ligar

ao qual o símbolo se refere. SÍMBOLOS DE PERIGO Bateria Líquido corrosivo. Bateria Explosão. Pode ligar

Bateria

Líquido corrosivo.

Bateria

Explosão.

Pode ligar automatica- mente mesmo com o motor parado. mente mesmo com o motor parado.

Ventoinha

Vaso de expansão ligar automatica- mente mesmo com o motor parado. Ventoinha Não remover a tampa quando o líquido

Não remover a tampa quando o líquido de refri- geração estiver quente.

quando o líquido de refri- geração estiver quente. Bobina Alta tensão. Órgãos em movimento; não aproximar

Bobina

Alta tensão.

Órgãos em movimento; não aproximar partes do corpo ou vestuários. corpo ou vestuários.

Correias e polés

Não abrir.não aproximar partes do corpo ou vestuários. Correias e polés Tubos do climatizador Gás pressão. de

Tubos

do climatizador

Gás

pressão.

de alta

SÍMBOLOS DE PROIBIÇÃO

Bateria SÍMBOLOS DE PROIBIÇÃO Não acender fósforos. Bateria Manter as crianças longe. Protecções de calor - correias

Não acender fósforos.

Bateria SÍMBOLOS DE PROIBIÇÃO Bateria Não acender fósforos. Manter as crianças longe. Protecções de calor - correias

Manter as crianças longe.

Protecções de calor - correias - polés - ventoinhaNão acender fósforos. Bateria Manter as crianças longe. Não pôr as mãos. SÍMBOLOS DE ADVERTÊNCIA Conversor

Não pôr as mãos.

SÍMBOLOS DE ADVERTÊNCIA

Conversor catalítico

Não parar sobre superfí- cies inflamáveis. Consultar o capítulo “Protecção dos dispositivos que reduzem as emissões”.as mãos. SÍMBOLOS DE ADVERTÊNCIA Conversor catalítico Direcção hidráulica Não superar o nível má- ximo do

Direcção hidráulica

Não superar o nível má- ximo do líquido no depó- sito. Usar somente líquido prescrito no capítulo “Abas- tecimentos”.que reduzem as emissões”. Direcção hidráulica Direcção hidráulica Não superar o nível má- ximo do

Direcção hidráulica

Não superar o nível má- ximo do líquido no depó- sito. Usar somente líquido prescrito no capítulo “Abas- tecimentos”.no capítulo “Abas- tecimentos”. Direcção hidráulica Limpa-pára-brisas Usar somente líquido do tipo prescrito

Limpa-pára-brisas

Usar somente líquido do tipo prescrito no capítulo “Abastecimentos.”no capítulo “Abas- tecimentos”. Limpa-pára-brisas Usar somente lubrificante prescrito no capítulo “Abas-

Usar somente lubrificante prescrito no capítulo “Abas- tecimentos”.do tipo prescrito no capítulo “Abastecimentos.” Motor Veículo com gasolina ecológica Usar somente

Motor

Veículo com gasolina ecológica ecológica

Usar somente gasolina sem chumbo com número de octanas (R.O.N.) não in- ferior a 95.

SÍMBOLOS DE OBRIGAÇÃO

Veículo a gasóleo SÍMBOLOS DE OBRIGAÇÃO Usar somente gasóleo. Vaso de expansão Usar somente líquido do tipo prescrito no

Usar somente gasóleo.

Vaso de expansão

Usar somente líquido do tipo prescrito no capítulo “Abastecimentos”.Veículo a gasóleo Usar somente gasóleo. Vaso de expansão Bateria Proteger os olhos. Bateria Consultar o

Bateria do tipo prescrito no capítulo “Abastecimentos”. Proteger os olhos. Bateria Consultar o manual de Uso e

Proteger os olhos.

Bateria

Consultar o manual de Uso e Manutenção. Uso e Manutenção.

Macaco

SUMÁRIO

CONHECIMENTO DO VEÍCULO

USO DO VEÍCULO E CONSELHOS PRÁTICOS

EM EMERGÊNCIA

MANUTENÇÃO DO VEÍCULO

LYBRA STATION WAGON

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

INSTALAÇÃO DOS ACESSÓRIOS

ÍNDICE ALFABÉTICO

CONHECIMENTO DO VEÍCULO

Aconselhamo-lo a ler este capítulo sentado confortavelmente a bordo do seu novo Lybra. Desta maneira, poderá reconhecer imediata- mente as partes descritas no manual e verificar “em directo” o que está a ler. Em pouco tempo, conhecerá melhor o seu Lybra, com os comandos e os dispositivos com os quais está equipado. Quando, depois, ligar o motor e entrar no trânsito, fará muitas outras descobertas agradáveis.

TABLIER DISPOSITIVO DE ARRANQUE O SISTEMA LANCIA CODE ALARME ELECTRÓNICO REGULAÇÕES PERSONALIZADAS CINTOS DE SEGURANÇA TRANSPORTAR CRIANÇAS COM SEGURANÇA PRÉ-TENSORES AIR BAG FRONTAIS E LATERAIS QUADRO DE INSTRUMENTOS INSTRUMENTOS DE BORDO LUZES AVISADORAS

15

16

17

21

28

34

37

42

43

50

51

53

CHECK CONTROL

59

SISTEMA I.C.S. LANCIA COM MOSTRADOR MULTIFUNCIONAL

62

AUTO-RÁDIO

73

CLIMATIZAÇÃO

103

CLIMATIZADOR AUTOMÁTICO

105

AQUECEDOR SUPLEMENTAR

115

ALAVANCAS NO VOLANTE

115

COMANDOS

118

CAIXA DE VELOCIDADES MANUAL

121

REGULADOR DE VELOCIDADE CONSTANTE (CRUISE CONTROL)

122

EQUIPAMENTOS INTERNOS

125

TECTO DE ABRIR

131

PORTAS

134

MALA

138

CAPOT DO MOTOR

141

TAMPA DO DEPÓSITO DO COMBUSTÍVEL

143

PREDISPOSIÇÃO PARA TELEMÓVEL

144

PORTA-BAGAGENS/PORTA-ESQUIS

145

REGULAÇÃO DOS FARÓIS

146

SISTEMA EOBD

148

ABS

149

SISTEMA ESP (ASR - HH - HBA)

151

INSTALAÇÃO DO AUTO-RÁDIO

154

TABLIER

A presença e a posição dos instrumentos e dos sinalizadores pode variar em função das versões.

fig. 1 P4T0806

fig. 1

P4T0806

1) Difusores para mandar ar aos vidros laterais - 2) Difusores laterais - 3) Corrector da posição dos faróis - 4) Quadro de instrumentos - 5) Regulador da luminosidade dos instrumentos - 6) Mostrador multifuncional do sistema I.C.S.: auto-rádio, relógio, computador de bordo (Trip) e check control - 7) Difusores centrais - 8) Difusor de ar para o pára-brisas - 9) Air bag do passageiro (se previsto) - 10) Comuta- dor de desactivação do air bag do passageiro - 11) Porta-luvas - 12) Porta-copo/latinha -13) Interruptor das luzes de emergência - 14) Co- mandos do climatizador automático e interruptor do desembaciador do vidro traseiro - 15) Cinzeiro e isqueiro - 16) Interruptores dos fa- róis de nevoeiro dianteiros e traseiros - 17) Porta-cartões - 18) Alavanca de comando do limpa-lava-pára-brisas - 19) Dispositivo de ar- ranque - 20) Buzina - 21) Alavanca de regulação da altura do volante - 22) Air bag do condutor - 23) Alavanca de comando das luzes ex- ternas - 24) Compartimento porta-objectos/tampa da caixa porta-fusíveis - 25) Alavanca de abertura do capot do motor.

P4T0005

DISPOSITIVO DE ARRANQUE

A chave pode rodar para 4 posições diferentes (fig. 2):

STOP: motor desligado, a chave pode ser removida, trava da direcção. Al- guns dispositivos eléctricos (ex. auto- rádio) podem funcionar.

MAR: posição de marcha. Todos os dispositivos eléctricos podem funcio- nar.

AVV: arranque do motor.

PARK: motor desligado, luzes de es- tacionamento acesas, a chave pode ser removida, trava da direcção. Para ro- dar a chave para a posição PARK, car- regar no botão A.

a chave para a posição PARK , car- regar no botão A . Em caso de

Em caso de violação do dispositivo de arranque (por ex. uma tentativa de roubo), mandar verificar o funcionamento junto à Rede de Assistência Lancia antes de prosseguir com o anda- mento.

Ao descer do veículo, tire sempre a chave para evitar que alguém ligue os co- mandos involuntariamente. Lem- bre-se de engatar o travão de mão e, se o veículo estiver em subida, a primeira velocidade. Se o veículo estiver em descida, a marcha atrás.

Se o veículo estiver em descida, a marcha atrás. fig. 2 TRAVA DA DIRECÇÃO Engate: quando
Se o veículo estiver em descida, a marcha atrás. fig. 2 TRAVA DA DIRECÇÃO Engate: quando

fig. 2

TRAVA DA DIRECÇÃO

Engate: quando o dispositivo estiver em STOP ou em PARK, retirar a chave e rodar o volante até travar-se.

Desengate: mover levemente o vo- lante rodando a chave para MAR.

É taxativamente proibido qualquer tipo de inter- venção após a compra, com conseguintes violações da di- recção ou da coluna da direcção (por ex.: montagem de anti-roubo), que pode causar, além da perda dos rendimentos do sistema e do cancelamento da garantia, graves problemas de segurança, e tam- bém a não conformidade de ho- mologação do veículo.mover levemente o vo- lante rodando a chave para MAR . Nunca tirar a chave en-

Nunca tirar a chave en- quanto o veículo estiver em movimento. O volantebém a não conformidade de ho- mologação do veículo. bloquear-se-ia automaticamente na primeira viragem. Isto

bloquear-se-ia automaticamente na primeira viragem. Isto também é sempre válido caso o veículo seja rebocado.

P4T0743

P4T0742

O SISTEMA LANCIA CODE

Para aumentar a protecção contra as tentativas de roubo, o veículo está equipado com um sistema electrónico de bloqueio do motor (Lancia CODE) que se activa automaticamente ti- rando a chave de arranque. De facto, na cabeça de cada chave há um dis- positivo electrónico que tem a função de modular o sinal a radiofrequência emitido durante o arranque por uma antena especial incorporada no co- mutador. O sinal modulado constitui a “senha” com a qual a unidade cen- tral reconhece a chave e só com esta condição permite que o motor seja li- gado.

AS CHAVES

Com o veículo são fornecidas:

2 chaves A (fig. 3) com teleco-

mando incorporado se o veículo for equipado de alarme electrónico;

1 chave com telecomando incor-

porado e 1 chave de tipo mecânico se o veículo não tem o alarme electró- nico.

mecânico se o veículo não tem o alarme electró- nico. Com a finalidade de ga- rantir

Com a finalidade de ga- rantir a perfeita eficiência dos dispositivos electróni- cos no interno das chaves, é ne- cessário evitar de deixar as mes- mas expostas directamente aos raios solares e/ou submeter a im- pactos violentos.

aos raios solares e/ou submeter a im- pactos violentos. fig. 3 Junto com as chaves, é

fig. 3

Junto com as chaves, é também en- tregue o CODE card (fig. 4) no qual estão indicados:

A - O código electrónico a utilizar no

arranque de emergência.

B - O código mecânico das chaves a

comunicar à Rede de Assistência Lancia em caso de pedido de dupli- cados das chaves.

C e D - Os espaços para a placa

auto-adesiva do telecomando do alarme electrónico. Os números de código indicados no CODE card devem ser guardados em local seguro, não no veículo. É aconselhável que o utente leve sempre consigo o código electrónico indicado no CODE card, no caso de precisar efectuar um arranque de emergência.

consigo o código electrónico indicado no CODE card, no caso de precisar efectuar um arranque de

fig. 4

P4T0744

P4T0745

P4T0744 P4T0745 Em caso de venda do ve- ículo é indispensável que o novo proprietário receba

Em caso de venda do ve- ículo é indispensável que o novo proprietário receba todas as chaves e o CODE card.

A chave (fig. 5) é equipada de:

– inserção metálica A que pode ser fechada na cabeça da chave pre- mendo o botão B;

– botão B para a abertura selada da inserção metálica;

– botão C para o accionamento a

distância da abertura centralizada das portas e a desactivação do alarme electrónico (se previsto), o destranca-

mento da fechadura da portinhola do combustível;

destranca- mento da fechadura da portinhola do combustível; fig. 5 – botão D para o accionamento

fig. 5

– botão D para o accionamento a

distância da fechadura centralizada das portas, das mala, activação do alarme electrónico (se previsto), o tra- vamento da fechadura da portinhola do combustível;

– botão E para a abertura da mala a distância com alarme ligado;

– led F que sinaliza o funcionamento

do telecomando e o estado da bateria

interna.

Uma pressão prolongada (além de 2 segundos) do botão C activa a aber- tura dos vidros de todas as portas para ventilar o habitáculo: a abertura é interrompida quando o botão é li- berado.

De maneira análoga é possível co- mandar a subida dos vidros ao mo- mento do fecho das portas, mantendo carregado por mais de 2 segundos o botão D para o accionamento a distância do fecho centralizado até ao seu total fechamento.

O fechamento dos vidros se inte- rrompe ao soltar o botão D.

AVISO Em caso de subida ou des- cida anómala dos vidros (a impulsos), poderia ter sido perdida a calibração do sistema de segurança de anti-es- magamento. Neste caso proceder com a re-inicialização do sistema como descrito no capítulo “Levanta vidros” do Manual de Uso e Manutenção ao qual este Suplemento resulta anexado.

A inserção metálica A (fig. 6) da

chave acciona:

– a fechadura de arranque;

– a desactivação da trava da di- recção;

– a fechadura da porta dianteira do lado do condutor;

– a fechadura da tampa da mala;

trava da di- recção; – a fechadura da porta dianteira do lado do condutor; – a

fig. 6

– a fechadura para a desactivação do air bag do lado passageiro;

– a fechadura do porta-luvas (se previsto).

Para fazer sar a inserção metálica da cabeça da chave, premer o botão B.

metálica da cabeça da chave, premer o botão B . Quando se carrega o botão B

Quando se carrega o botão B (fig. 6), prestar a máxima atenção para evi- tar que a saída da inserção metá- lica A possa causar lesões ou da- nos. Portanto, o botão B deve ser carregado somente quando a chave se encontra longe do corpo, em particular dos olhos, e de objectos deterioráveis (por exemplo, as rou- pas). Ao descer do veículo, tirar sempre a chave para evitar que al- guém, especialmente as crianças, accionem involuntariamente o botão B.

Para introduzir a inserção metálica A (fig. 5) na cabeça da chave, manter carregado o botão B e rodar a in- serção no sentido indicato pela seta até a sentir o clique de bloqueio. Após o bloqueio, soltar o botão B.

O FUNCIONAMENTO

Cada vez que a chave de arranque é removida da posição STOP, ou PARK, o sistema Lancia CODE de- sactiva as funções da unidade elec- trónica de controlo do motor.

Ao arrancar o motor, rodando a chave para MAR, a unidade central do sistema Lancia CODE manda à unidade de controlo do motor um có- digo de reconhecimento para desacti- var o bloqueio das suas funções. O en- vio do código de reconhecimento, co- dificado e variável entre mais de qua- tro mil milhões de possíveis combi- nações, ocorre apenas se, por sua vez a unidade central do sistema tiver re- conhecido, através de uma antena que envolve o comutador de arranque, o código mandado a ela pelo transmis- sor electrónico contido na chave.

1) Se o código é reconhecido, a luz avisadora ¢ no quadro de instru- mentos emite um breve lampejo; o sis- tema de protecção reconheceu o có- digo da chave e desactiva o bloqueio do motor. Rodando a chave para AVV, o motor arranca.

2) Se a luz avisadora ¢ permanece

acesa (junto com a luz avisadora U)

o código não é reconhecido. Neste

caso, aconselha-se a repor a chave na posição STOP e depois, de novo em MAR; se o bloqueio persistir, tentar com as outras chaves fornecidas.

Se ainda não conseguir ligar o mo- tor, recorrer ao arranque de emergên- cia e dirigir-se à Rede de Assistên- cia Lancia.

Em andamento e com a chave de arranque em MAR:

1) Se a luz avisadora ¢ se acender, significa que o sistema está a efectuar um autodiagnóstico (por exemplo, por uma queda de tensão). Na primeira parada, será possível efectuar o teste do sistema: desligar o motor rodando

a chave de arranque para STOP; ro-

dar novamente a chave para MAR: a luz avisadora ¢ acende-se e deve apagar em cerca de um segundo. Se a

luz avisadora continuar acesa, repetir

o procedimento descrito em pre-

cedência, deixando a chave em STOP por mais de 30 segundos. Se o pro- blema permanecer, dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

2) Se a luz avisadora ¢ piscar, sig- nifica que o veículo não está protegido pelo dispositivo de bloqueio do motor. Dirigir-se imediatamente à Rede de Assistência Lancia para mandar efectuar a memorização de todas as chaves.

para mandar efectuar a memorização de todas as chaves. Se, após cerca de 2 se- gundos

Se, após cerca de 2 se- gundos a partir da rotação da chave na posição MAR,

a luz avisadora Lancia CODE se

acender de novo, lampejando a in-

tervalos de cerca meio segundo, significa que não foi memorizado

o código das chaves e e portanto, o

veículo não está protegido pelo sis-

tema Lancia CODE contra even- tuais tentativas de roubo. Neste caso dirigir-se à Rede de Assistên- cia Lancia para memorizar os có- digos das chaves.

AVISO Em caso de arranque rá- pido, rodando a chave directa- mente de STOP para AVV, o com- plexo código de reconhecimento poderia não ser transmitido com- pletamente, impedindo o arranque do motor: tentar de novo, efec- tuando a manobra mais devagar.

DUPLICAÇÃO DAS CHAVES

Quando forem pedidas chaves suple- mentares, lembrar-se que a memori- zação (até no máximo de 7 chaves) deve ser efectuada com todas as cha- ves, quer as novas, quer as que já pos- suir. Dirigir-se directamente à Rede de Assistência Lancia, levando consigo todas as chaves que possuir, o CODE card, um documento pessoal de iden- tidade e os documentos identificativos da posse do veículo. É possível pedir à Rede de Assistência Lancia um du- plicado da CODE card.

AVISO Os códigos das chaves não apresentadas durante o novo procedi- mento de memorização são cancela- dos da memória, para garantir que as chaves eventualmente perdidas ou ro- badas não possam mais ligar o motor.

SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA DO TELECOMANDO

Se, ao carregar no botão (C, D, ou E fig. 5), da chave, o led F emitirá só um breve lampejo e o led L (fig. 12) na frente do volante permanecerá aceso com luz fixa por cerca de 2 mi- nutos (após a desactivação do alarme), será necessário substituir o quanto antes, a pilha interna com uma outra nova de tipo equivalente, que pode ser encontrada nos normais revendedores.

As baterias usadas são nocivas para o meio am- biente. Devem ser jogadas nos recipientes especiais como prescrito pelas leis. Ou podem ser entregues à Rede de Assistência Lancia, que se encarregará da eli- minação.

prescrito pelas leis. Ou podem ser entregues à Rede de Assistência Lancia, que se encarregará da

P4T0748

P4T0747

Para substituir a bateria:

– carregar o botão B (fig. 7) e levar

a inserção metálica A para a posição de abertura;

– utilizando uma chave-de-fendas

com ponta fina, rodar o dispositivo de

abertura G em : e extrair a gaveta porta-bateria H;

– substituir a bateria I respeitando as polaridades indicadas;

– reintroduzir a gaveta porta-bate-

ria na chave e bloqueá-la, rodando o dispositivo G em ;.

na chave e bloqueá-la, rodando o dispositivo G em ; . fig. 7 ALARME ELECTRÓNICO (se

fig. 7

ALARME ELECTRÓNICO (se previsto)

O sistema de alarme electrónico mon-

tado no veículo está homologado se- gundo a directriz 95/56 CE e é com- posto de:

– transmissor de radiofrequência

(incorporado na chave de arranque);

– receptor de radiofrequência;

– unidade electrónica com sirene in- corporada;

– sensores volumétricos que podem

ser desactivados (integrados no pla- fonier dianteiro);

– sensor de antilevantamento;

– interruptor de abertura do capot do motor;

– interruptor de abertura capot/ tampa da mala;

– interruptores de abertura das por- tas;

led de sinalização.

O

alarme electrónico é comandado

pelo receptor e é ligado premendo o botão D (fig. 8) e desligado premendo o botão C incorporados na chave de

arranque, que manda o código codi- ficado e variável.

O alarme electrónico, que acciona

também o fecho centralizado das por- tas, vigia:

– a abertura ilícita das portas e ca- pots (protecção perimetral);

– o accionamento da fechadura de arranque;

– a presença de corpos em movi-

mento no habitáculo (protecção volu- métrica);

– a tentativa de levantamento do ve- ículo;

– o corte dos cabos da bateria.

O funcionamento a protecção volu- métrica podem ser desligados, conso- ante as diferentes exigências, seguindo as instruções ilustradas a seguir.

podem ser desligados, conso- ante as diferentes exigências, seguindo as instruções ilustradas a seguir. fig. 8

fig. 8

P4T0807

AVISO A função de bloqueio do motor é feita pelo sistema Lancia CODE e activa-se automaticamente removendo a chave de arranque do comutador.

TELECOMANDO (fig. 8)

O telecomando está integrado na

chave de arranque e é equipado de:

– botão D activação do alarme;

– botão C desactivação do alarme;

– botão E abertura da mala a distân- cia com alarme ligado;

– led F.

Os botões activam o comando, o led lampeja enquanto o transmissor manda o código ao receptor.

Este código (do tipo “rolling code”)

é codificado através de um algoritmo

específico e, por isso, sempre diferente

a cada transmissão.

O telecomando a radiofrequência

consente o accionamento do sistema de alarme mesmo a distância (até aproximadamente 10 metros), sem necessidade de ser apontado e mesmo com os vidros do veículo sujos.

AVISO Se, ao carregar no botão D, o led F emitir só um breve lampejo, é necessário substituir a bateria do te- lecomando o quanto antes. Depois da substituição da bateria, o led funciona regularmente após a segunda pressão do botão D.

ACTIVAÇÃO DO ALARME

O alarme pode ser ligado somente com a chave de arranque na posição STOP, PARK ou removida. Para ligar o alarme, carregar e sol- tar o botão D (fig. 8) da chave de arranque. Com excepção de alguns mercados, a sirene emite um sinal sonoro (“BIP”), os piscas acendem-se por cerca 3 se- gundos, o fecho centralizado das portas activa-se e o led L (fig. 9) diante do vo- lante inicia a lampejar.

o led L ( fig. 9 ) diante do vo- lante inicia a lampejar. fig. 9

fig. 9

A activação do alarme é precedida

por uma fase de autodiagnóstico ca- racterizada por uma frequência de lampejo do led diferente L:

– 4 lampejos em 1 segundo: nen- huma anomalia detectada;

8 lampejos em 1 segundo:

porta/capot motor/tampa da mala abertos ou anomalia do sensor;

– aceso com luz fixa: sensores volu-

métricos ou antilevantamento avaria- dos.

Em caso de anomalia detectada, o componente interessado é excluído da vigilância e o sistema emite mais um “BIP” de sinalização.

Vigilância

Após a activação do alarme, acende- se de modo lampejante o led L (fig. 9) indicando o estado de vi- gilância do sistema.

O led lampeja durante todo o tempo

em que o sistema estiver em vigilân- cia.

AVISO O funcionamento do alarme electrónico é adaptado, na fábrica, às leis de cada país.

Funções de autodiagnóstico e de controlo das portas, do capot e da tampa da mala

Se, após a activação do alarme, for emitido um outro sinal acústico, des- ligar o sistema, verificar o fecho co- rrecto das portas, do capot e da tampa da mala e depois, lugar de novo o sis- tema.

Em caso contrário, a porta e o capot ou a tampa da mala não fechados co- rrectamente serão excluídos do con- trolo do sistema de alarme.

Se com as portas, o capot e a tampa da mala fechados correctamente o si- nal de controlo se repetir, significa que a função de autodiagnóstico do sistema detectou uma anomalia de funcionamento do sistema. É neces- sário, portanto, dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

ACTIVAÇÃO DO ALARME COM EXCLUSÃO DA PROTECÇÃO VOLUMÉTRICA A função pode ser excluída (se, por exemplo, deixar animais dentro do ve- ículo) executando, em sequência rá- pida, as seguintes operações: com a chave de arranque na posição MAR, colocá-la na posição STOP, repor ime- diatamente a chave na posição MAR e depois, de novo, na posição STOP, e por fim, remover a chave de arranque. O led diante do volante acende-se por cerca de 2 segundos para confirmar que a função foi excluída.

Para restabelecer a protecção volu- métrica, virar e manter a chave de arranque na posição MAR por um tempo superior a 30 segundos.

Se, com a função de protecção volu- métrica desactivada, quiser accionar um comando eléctrico funciona so- mente com a chave de arranque em MAR (ex. levanta-vidros eléctricos) rodar a chave para a posição MAR, accionar o comando e repor a chave em STOP num tempo máximo de 30 segundos. Deste modo, não é restabe- lecida a protecção volumétrica.

ACTIVAÇÃO AUTOMÁTICA DO ALARME (se previsto)

De acorodo com o mercado de des- tino, o alarme electrónico pode ser programado com a função de “auto- activação”.

O alarme liga-se automaticamente,

com exclusão do fecho centralizado das portas, após cerca 30 segundos que o veículo foi deixado, o que é de-

tectado pelo sistema com as seguintes condições, em sequência:

– chave de arranque rodada da po- sição MAR à posição STOP;

– abertura e successivo fecho da úl- tima porta.

A abertura de uma porta qualquer,

do capot do motor ou da tampa da mala, dentro de 30 segundos bloqueia a activação automática. Fechando em seguida, a contagem dos 30 segundos antes da auto-activação do alarme re- começa da zero.

Para desactivar o alarme depois de uma auto-activação, premer o botão C (fig. 8) da chave de arranque.

DESACTIVAÇÃO DO ALARME

Para desactivar o alarme, premer no botão C (fig. 8) do telecomando. O sistema efectua as seguintes acções (com excepção de alguns mercados):

– dois lampejos dos indicadores de direcção (piscas);

breves

– (“BIP”) da sirene;

– destrancamento do fecho centrali- zado das portas.

dois

sinais

acústicos

AVISO Se, com o sistema desacti- vado, o led no veículo permanecer aceso (máximo 2 minutos ou até que a chave de arranque seja virada para MAR) é necessario lembrar-se do se- guinte:

– se o led permanece aceso com a luz

fixa, significa que a bateria do teleco- mando está descarregada e deve ser substituída;

– se o led continua a piscar, mas com intervalos diferentes do de sina- lização normal, significa que ocorre- ram tentativas de arrombamento; ob- servando o número dos lampejos, é

possível identificar também o tipo de arrombamento:

1 lampeggio: porta dianteira direita

2 lampejos: porta dianteira esquerda

3 lampejos: porta traseira direita

4 lampejos: porta traseira esquerda

5 lampejos: sensores volumétricos ou sensor de antilevantamento

6 lampejos: capot do motor

7 lampejos: tampa da mala

8 lampejos: violação dos cabos para o arranque do veículo

9 lampejos: violação dos cabos da bateria

10 lampejos: pelo menos três causas de alarme simultâneas.

PROTECÇÃO VOLUMÉTRICA

Para garantir o correcto funciona- mento dos sensores volumétricos, não deixar pessoas ou animais no veículo e fechar completamente os vidros e o tecto de abrir (se previsto). Assegurar- se também de que as portas e a tampa da mala estejam fechadas correcta- mente.

SENSOR DE ANTILEVANTAMENTO

O sensor de antilevantamento de-

tecta qualquer variação de inclinação

do veículo, para sinalizar qualquer possível levantamento, mesmo parcial (por ex. para remover uma roda).

O sensor é capaz de detectar míni-

mas variações do ângulo de posição do veículo, quer ao longo do eixo lon- gitudinal, quer ao longo do eixo trans- versal. Não são consideradas as va- riações de posição inferiores a 0,5°/min. (como por ex.: o esvazia- mento lento de um pneu).

ABERTURA DA MALA COM ALARME LIGADO Quando o alarme está ligado, a mala pode ser aberta carregando no botão E (fig. 8) da chave de arranque. Neste caso o sistema de alarme aplica a seguinte lógica de funciona- mento:

– desliga a protecção volumétrica;

– desliga o sensor de antilevanta- mento;

– desliga o sensor de abertura da tampa da mala.

Fechando a tampa da mala, as funções de controlo desligadas são restabelecidas.

QUANDO DISPARA O ALARME

Quando o sistema está ligado, o alarme dispara nos seguintes casos:

– abertura de uma das portas, do ca- pot do motor ou da tampa da mala;

– desligamento da bateria ou corte de cabos eléctricos;

– intrusão no habitáculo, por exem-

plo ruptura dos vidros (protecção vo- lumétrica).

– tentativa de arranque (chave na posição MAR);

– tentativa de levantamento.

Consoante os mercados, a inter- venção do alarme acciona a sirene (por um máximo de 3 ciclos de 26 se- gundos de duração) e os piscas (por cerca 4 ou 5 minutos, somente nos países onde a legislação o permitir). As modalidades de intervenção e o número dos ciclos podem variar de acordo com os mercados.

De qualquer modo, existe um nú- mero máximo de ciclos acústicos/vi- suais.

Terminado o ciclo de alarme, o sis- tema retoma a sua normal função de controlo.

INTERRUPÇÃO/ DESACTIVAÇÃO ALARME

Para interromper o alarme, carregar no botão C (fig. 8) do telecomando incorporado na chave. Se o alarme não se interrompe, a causa da bateria descarregada do telecomando ou em caso se falha do sistema, abrir a porta após ter desbloqueado a fechadura com a chave, em seguida, introduzir a chave no comutador de arranque e rodá-la na posição MAR.

Para reactivar o alarme rodar a chave na posição STOP e extraí-la, em se- guida carregar o botão D do teleco- mando após descer do veículo e ter fe- chado as portas. Se o alarme não se ac- tiva e o led F do telecomando emite so- mente um breve lampejo, é necessário substituir a bateria da chave. Para a substituição da bateria seguir as ins- truções indicadas no capítulo “O sis- tema Lancia CODE”.

Se, com a bateria do telecomando carregada, não se conseguir activar o alarme, dirigir-se à Rede de As- sistência Lancia para a verificação do sistema.

P4T0744

P4T0747

P4T0807

AVISO Se o veículo deve permane- cer inactivo por longos períodos (mais de três semanas) e as condições de se- gurança o consentirem, aconselha-se de accionar o fecho centralizado ro- dando a chave na fechadura da porta, para não activar o alarme e evitar desta maneira de descarregar a bate- ria.

o alarme e evitar desta maneira de descarregar a bate- ria. fig. 10 SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA

fig. 10

SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA DO TELECOMANDO

Se, ao carregar no botão (C, D, ou E fig. 10), da chave, o led F emitirá só um breve lampejo e o led L (fig. 12) na frente do volante permanecerá aceso com luz fixa por cerca de 2 mi- nutos (após a desactivação do alarme), será necessário substituir o quanto antes, a pilha interna com uma outra nova de tipo equivalente, que pode ser encontrada nos normais revendedores.

que pode ser encontrada nos normais revendedores. fig. 11 Para substituir a bateria: – carregar o

fig. 11

Para substituir a bateria:

– carregar o botão B (fig. 11) e le-

var a inserção metálica A para a po- sição de abertura;

– utilizando uma chave-de-fendas

com ponta fina, rodar o dispositivo de

abertura G em : e extrair a gaveta porta-bateria H;

– substituir a bateria I respeitando as polaridades indicadas;

– reintroduzir a gaveta porta-bate-

ria na chave e bloqueá-la, rodando o disositivo G em ;.

indicadas; – reintroduzir a gaveta porta-bate- ria na chave e bloqueá-la, rodando o disositivo G em

fig. 12

As baterias usadas são nocivas para o meio am- biente. Devem ser jogadas nos recipientes especiais como prescrito pelas leis. Ou podem ser entregues à Rede de Assistência Lancia, que se encarregará da eli- minação.

Assistência Lancia, que se encarregará da eli- minação. PEDIDO DE TELECOMANDOS ADICIONAIS O receptor pode reconhecer

PEDIDO DE TELECOMANDOS ADICIONAIS

O receptor pode reconhecer até a 8

telecomandos.

Se, para além dos que são forneci- dos com o veículo, pedir outros tele- comandos adicionais, lembre-se que a operação de programação deve ser efectuada para todos os telecomandos quando o veículo é novo.

A seguir, a unidade central excluirá

este tipo de programação, para evitar que pessoas estranhas possam fazer o receptor “reconhecer” um outro tele- comando.

Assim, se, no decorrer da vida do ve- ículo, for necessário por qualquer mo- tivo, um novo telecomando, dirigir-se directamente à Rede de Assistência Lancia, levando consigo todas as chaves que possuir, o CODE card, um documento pessoal de identidade e os documentos que comprovam a pro- priedade do veículo.

HOMOLOGAÇÃO MINISTERIAL

Acatando a legislação vigente em cada País, em matéria de radiofre- quência, especificamos que:

– os números de homologação, dis-

tintos por mercado, estão indicados no seguinte capítulo: Telecomando a

radiofrequência: homologações mi-

nisteriais;

– para os mercados onde é exigida

a marcação do transmissor o número de homologação está indicado na peça.

De acordo com as versões/mercados,

a marcação do código pode ser feita também no transmissor e/ou no re- ceptor.

P4T0270

P4T0007

REGULAÇÕES

PERSONALIZADAS

P4T0270 P4T0007 REGULAÇÕES PERSONALIZADAS Qualquer regulação do banco do condutor deve ser efectuada exclusiva- mente

Qualquer regulação do banco do condutor deve ser efectuada exclusiva-

mente com o veículo parado.

BANCOS DIANTEIROS COM REGULAÇÃO MANUAL (fig. 13-14)

Regulação no sentido longitudinal

Levantar a alavanca A (fig. 13) e em- purrar o banco para a frente ou para trás: em posição de condução, os bra-

ços devem estar levemente flexionados

e as mãos devem segurar o aro do vo-

lante. Ao soltar a alavanca, verificar se

o banco está bem travado nos trilhos,

tentando empurrá-lo para a frente e para trás. A falta deste bloqueio pode- ria provocar o deslocamento inespe-

rado do banco, com evidentes conse- quências perigosas.

Regulação da altura Levantar ou abaixar a alavanca B por diversas vezes, respectivamente para levantar ou abaixar o banco.

Regulação da inclinação do encosto Rodar o manípulo C para a frente ou para trás para endireitar ou inclinar o encosto.

Regulação lombar banco do condutor La regulação lombar do banco do condutor é obtida através do botão E (fig. 14).

do condutor é obtida através do botão E (fig. 14) . fig. 13 BANCOS DIANTEIROS COM

fig. 13

BANCOS DIANTEIROS COM REGULAÇÃO ELÉCTRICA (se previsto) (fig. 15)

Qualquer regulação do banco do con- ductor deve ser efectuada exclusiva- mente com o veículo parado.

A regulação dos bancos é possível so- mente com a chave de arranque na po- sição MAR (excepto a regulaçao longi- tudinal, da altura e do encosto do banco do conductor).

Carregar nos botões A e B (fig.15):

¯˙ para a regulação no sentido lon- gitudinal (comando A);

Carregar nos botões A e B ( fig.15 ): ¯˙ para a regulação no sentido lon-

fig. 14

P4T0333

P4T0332

P4T0271

P4T0333 P4T0332 P4T0271 para a regulação da altura da parte dianteira e traseira do banco do

para a regulação da altura da parte dianteira e traseira do banco do conductor e só da parte traseira do banco parte dianteira e traseira do banco do conductor e só da parte traseira do banco passageiro (comando A);

¯˙ para a regulação da inclinação do encosto (comando B).

Regulação lombar do banco do condutor

Permite variar o apoio das costas, melhorando o conforto. Premer na parte dianteira do botão C (fig. 15) para aumentar o apoio e na parte tra- seira para diminuí-lo.

Aquecimento (se previsto)

Carregar no botão D (fig. 15)para ligar o aquecimento do banco; carre- gar de novo para desligá-lo.

o aquecimento do banco; carre- gar de novo para desligá-lo. fig. 15 Quando o aquecimento está

fig. 15

Quando o aquecimento está ligado, iluminam-se os leds na consola cen- tral (A-fig. 16 banco do condutor, B banco do passageiro).

Memorização das posições do banco do condutor (se previsto) (fig. 17)

O sistema permite memorizar e cha- mar três posições do banco diferentes e dos espelhos retrovisores externos. A memorização das posições do banco e dos espelhos retrovisores ex- ternos é possível somente com a chave de arranque na posição MAR. Regular a posição do banco com os comandos descritos anteriormente e a posição dos espelhos retrovisores ex- ternos. De seguida, carregar, simultanea- mente, no botão “MEM” e num dos

carregar, simultanea- mente, no botão “ MEM ” e num dos fig. 16 botões “ 1

fig. 16

botões “1”, “2” ou “3”, correspon- dendo, cada um deles, a uma posição memorizável, até ao sinal acústico du- plo de confirmação.

Quando se memoriza uma nova po- sição do banco e dos espelhos, can- cela-se automaticamente a anterior, memorizada com o mesmo botão.

Para chamar, com a porta aberta, uma das posições memorizadas, pre- mer o respectivo botão “1”, “2” ou

3”.

O banco mover-se-á automatica- mente, parando na posição memori- zada e emitindo um sinal acústico de confirmação.

AVISO A memorização das posições do banco não compreende a regula- ção lombar e a activação do aqueci- mento.

memorização das posições do banco não compreende a regula- ção lombar e a activação do aqueci-

fig. 17

ENCOSTOS DE CABEÇA (fig. 19)

Lugares dianteiros (fig. 20)

Lugar traseiro central

P4T0232

P4T0702

P4T0701

Para aumentar a segurança dos pas- sageiros, os encostos de cabeça dian- teiros e traseiros laterais são regulá- veis para garantir que a cabeça seja apoiada correctamente.

Lembre-se de que os en- costos para a cabeça devem ser regulados de maneira que a nuca, e não o pescoço, se apóie neles. Só nesta posição exer- cem a sua acção protectora em caso de colisão traseira.

cem a sua acção protectora em caso de colisão traseira. fig. 19 Para a regulação da
cem a sua acção protectora em caso de colisão traseira. fig. 19 Para a regulação da

fig. 19

Para a regulação da altura, pegar o apoio de cabeça e levantá-lo na po- sição desejada. Para abaixá-lo, pre- mer o botão A, mantê-lo premido e levá-lo para a posição desejada. Para a regulação do ângulo, pegar a base do apoio de cabeça e agir segundo as setas, como ilustrado na figura. Os apoios de cabeça dianteiros não são desmontáveis.

Lugares traseiros laterais (fig. 21) Para a regulação da altura, deve-se levantar o apoio de cabeça da posição de repouso até acontecer o bloqueio. Para traze-lo novamente na posição de repouso premir os botões A e abai- xar o apoio de cabeça. Os apoios de cabeça dianteiros não são desmontáveis.

Os apoios de cabeça dianteiros não são desmontáveis. fig. 20 Versões com banco unico ( fig.

fig. 20

Versões com banco unico (fig. 22):

Pode ser realizado em posição abai- xada ou levantada.

Para levantar o apoio de cabeça pega-lo na base e extende-lo comple- tamente até obter o bloqueio.

Para abaixar o apoio de cabeça pre- mir o botão A e dobra-lo até obter o bloqueio.

Versões com banco separado (fig. 23):

Para a regulação da altura, deve-se levantar o apoio de cabeça da posição de repouso até acontecer o bloqueio.

a regulação da altura, deve-se levantar o apoio de cabeça da posição de repouso até acontecer

fig. 21

P4T0012

P4T0808

P4T0014

P4T0735

Para favorecer o levantamento, aconselha-se de pega-lo posterior- mente.

Para traze-lo novamente na posição de repouso premir os botões A e abai- xar o apoio de cabeça.

premir os botões A e abai- xar o apoio de cabeça. fig. 22 fig. 23 DESCANSO

fig. 22

os botões A e abai- xar o apoio de cabeça. fig. 22 fig. 23 DESCANSO DO

fig. 23

DESCANSO DO BRAÇO DIANTEIRO (fig. 24)

O descanso do braço pode ser levan- tado e abaixado.

Para utilizar o descanso do braço abaixá-lo como ilustrado na figura. No interior do descanso do braço há um compartimento porta-objectos. Para le- vantar a tampa, carregar no botão A.

AVISO Quando o descanso do braço estiver completamente levantado, prestar atenção para não carregar in- voluntariamente no botão A, para evi- tar a abertura da tampa do compar- timento porta-objectos e a queda do conteúdo.

do compar- timento porta-objectos e a queda do conteúdo. fig. 24 DESCANSO DO BRAÇO TRASEIRO (fig.

fig. 24

DESCANSO DO BRAÇO TRASEIRO (fig. 25)

Para utilizar o descanso do braço, abaixá-lo na posição ilustrada, usando a pega presente no descanso.

Para fechá-lo, levantar até encaixá- lo no seu alojamento.

ilustrada, usando a pega presente no descanso. Para fechá-lo, levantar até encaixá- lo no seu alojamento.

fig. 25

P4T0734

P4T0016

P4T0809

P4T0272

Nas versões com banco inteiro, com- pleta a dotação do apoio de cabeça traseiro o porta-copos – porta-latin- has (fig. 26).

traseiro o porta-copos – porta-latin- has ( fig. 26 ). fig. 26 fig. 27 VOLANTE (fig.

fig. 26

o porta-copos – porta-latin- has ( fig. 26 ). fig. 26 fig. 27 VOLANTE (fig. 27)

fig. 27

VOLANTE (fig. 27)

É regulável no sentido axial e verti- cal:

1) Deslocar a alavanca A para a po- sição 1.

2) Efectuar a regulação do volante, aproximando ou afastando e levan- tando ou abaixando o mesmo.

3) Repor a alavanca na posição 2 para travar o volante.

3 ) Repor a alavanca na posição 2 para travar o volante. A regulação deve ser

A regulação deve ser efec- tuada somente com o veí- culo parado.

deve ser efec- tuada somente com o veí- culo parado. fig. 28 ESPELHO RETROVISOR INTERNO Com

fig. 28

ESPELHO RETROVISOR INTERNO

Com regulação manual (fig. 28)

É orientável nas quatro direcções. Deslocando a alavanca A, obtém-se:

1) posição normal

2) posição anti-reflexo.

Está ainda equipado com um dispo- sitivo contra acidentes que o desen- gancha em caso de impacto.

Com regulação automática (se previsto) (fig. 29)

O espelho coloca-se automatica- mente na cor para o uso diurno ou nocturno.

automática (se previsto) (fig. 29) O espelho coloca-se automatica- mente na cor para o uso diurno

fig. 29

P4T0029

P4T0056

P4T0017

ESPELHOS RETROVISORES EXTERNOS (fig. 30-31-32)

O accionamento é possível somente com a chave de arranque na posição MAR.

Para seleccionar o espelho a regular, rodar o interruptor A (fig. 30-31) para a posição 1 (espelho esquerdo) ou para a posição 2 (espelho direito).

Para orientar o espelho seleccionado, mover o interruptor A nas quatro di- recções.

No final da regulação, rodar o inter- ruptor A para a posição 0 para evitar deslocamentos acidentais.

para a posição 0 para evitar deslocamentos acidentais. fig. 30 Para reduzir a saliência lateral, os

fig. 30

Para reduzir a saliência lateral, os espelhos podem ser dobrados manual ou electricamente (se previsto).

A dobragem eléctrica dos espelhos (se previsto) é obtida carregando no interruptor A (fig. 31) para a posição 3. Para repor os espelhos na posição normal, rodar o interruptor para a po- sição 0.

normal, rodar o interruptor para a po- sição 0 . Se a saliência dos espe- lhos

Se a saliência dos espe- lhos criar dificuldades numa passagem estreita ou nas instalações de lavagem automática de automóveis, dobre-os da posi- ção 1 à posição 2 (fig. 32).

dobre-os da posi- ção 1 à posição 2 (fig. 32). fig. 31 O desembaciamento/descongelamento dos espelhos

fig. 31

O desembaciamento/descongelamento dos espelhos é activado automatica- mente ao ligar o desembaciador do vi- dro traseiro.

AVISO A curvatura dos espelhos faz com que os objectos pareçam mais distantes do que na realidade.

Memorização das posições dos espelhos (se prevista)

Nas versões com bancos de regula- ção eléctrica e memorização das posi- ções do banco do condutor, a orienta- ção dos espelhos retrovisores externos é memorizada junto com a posição do banco.

do condutor, a orienta- ção dos espelhos retrovisores externos é memorizada junto com a posição do

fig. 32

P4T0018

P4T0019

CINTOS DE SEGURANÇA

COMO UTILIZAR OS CINTOS DE SEGURANÇA (lugares dianteiros e traseiros - fig. 33)

Para apertar os cintos, pegar a lin- gueta de engate A e enfiá-la na aber- tura da fivela B, até perceber o engate de bloqueio.

Puxar delicadamente o cinto, se este ficar travado, deixá-lo enrolar um pouco e puxar novamente, evitando manobras bruscas.

Com o cinto do lado do condutor não apertado, ao rodar a chave de arranque para a posição MAR, acende-se a luz avisadora < no quadro de instrumentos.

Para desapertar os cintos, carre- gar no botão C. Segurar o cinto du- rante o rebobinamento, para evitar que fique torcido.

O cinto, por meio do enrolador adapta-se automaticamente ao corpo do passageiro que o está a usar, per- mitindo a este último liberdade de movimento. Com o veículo estacio-

nado numa ladeira íngreme, o enro- lador pode travar-se; isso é normal.

Além disso, o mecanismo do enrola- dor bloqueia o cinto se este deslizar rapidamente ou em caso de travagens bruscas, impactos e curvas em alta ve- locidade.

Não premer o botão (C) durante o andamento.travagens bruscas, impactos e curvas em alta ve- locidade. Para ter a máxima protec- ção, manter

Para ter a máxima protec- ção, manter o encosto em posição erecta, apoiar bem as costas e manter o cinto bem ade- rente ao busto e à bacia.ve- locidade. Não premer o botão (C) durante o andamento. fig. 33 REGULAÇÃO DA ALTURA DOS

costas e manter o cinto bem ade- rente ao busto e à bacia. fig. 33 REGULAÇÃO

fig. 33

REGULAÇÃO DA ALTURA DOS CINTOS DE SEGURANÇA DIANTEIROS (fig. 34)

Regular sempre a altura dos cintos, adaptando-os à corporatura dos pas- sageiros. Esta precaução pode reduzir consideravelmente o risco de lesões em caso de choque.

A regulação é correcta quando o

cinto passa mais ou menos na metade entre a extremidade do ombro e o pescoço.

A regulação da altura é possível em

5 posições diferentes.

da altura é possível em 5 posições diferentes. A regulação da altura dos cintos de segurança

A regulação da altura dos cintos de segurança deve ser efectuada com o veí-

culo parado.

diferentes. A regulação da altura dos cintos de segurança deve ser efectuada com o veí- culo

fig. 34

P4T0703

Para levantar

Levantar o anel oscilante A até à po- sição desejada.

Para abaixar

Carregar no botão B, deslocando si- multaneamente para baixo o anel os- cilante A para a posição desejada.

Ao terminar a operação, controlar o bloqueio empurrando para baixo o anel oscilante A sem carregar no botão B.

para baixo o anel oscilante A sem carregar no botão B . Após a regulação, verifi-

Após a regulação, verifi- car sempre que o cursor ao qual é fixado o anel seja bloqueado numa das posições predispostas. Exercitar, portanto, com botão (A) livre, mais um im- pulso para baixo, para permitir o clique de engate do dispositivo de ancoragem sempre que a soltura não se fosse verificada em corres- pondência de uma das posições estabelecidas.

LIMITADORES DE CARGA DOS CINTOS DE SEGURANÇA DIANTEIROS

Para aumentar a segurança passiva, os enroladores dos cintos de segu- rança dianteiros têm, no seu interior, um limitador de carga que permite o cedimento controlado, de forma a do- sar a força que age sobre as costas du- rante a acção de retenção do cinto.

USO DOS CINTOS DE SEGURANÇA TRASEIROS

Os cintos para os lugares traseiros devem ser usados de acordo com o es- quema ilustrado (fig. 35).

O cinto deve ser usado mantendo o busto erecto e apoiado contro o en- costo.

Quando os lugares traseiros não es- tiverem ocupados, ponha as fivelas e os cintos bem dobrados nos respecti- vos alojamentos no encosto.

não es- tiverem ocupados, ponha as fivelas e os cintos bem dobrados nos respecti- vos alojamentos

fig. 35

P4T0205

P4T0206

Lembre-se de que, em caso de impacto violento, os passageiros dos bancos traseiros que não estiverem a usar os cintos de segurança também os passageiros dos bancos traseiros que não estiverem a usar os cintos de segurança também constituem um grave perigo para os passageiros dos lugares dianteiros.

O correcto engate do en- costo é garantido quando cada botão (B-fig. 35/a) e (C-fig. 35/b) está reentrado correc- tamente na própria sede.um grave perigo para os passageiros dos lugares dianteiros. fig. 35/a Certifique-se que o en- costo

35/b) está reentrado correc- tamente na própria sede. fig. 35/a Certifique-se que o en- costo resulte

fig. 35/a

está reentrado correc- tamente na própria sede. fig. 35/a Certifique-se que o en- costo resulte correctamente

Certifique-se que o en- costo resulte correctamente engatado em ambos os la- dos para evitar que, em caso de travagem brusca, o encosto possa projectar-se para frente causando ferimento aos ocupantes.

AVISOS GERAIS PARA O USO DOS CINTOS DE SEGURANÇA

O condutor deve respeitar (e fazer com que os passageiros do veículo res- peitem) todas as disposições legais lo- cais relativas à obrigação e às moda- lidades de uso dos cintos.

à obrigação e às moda- lidades de uso dos cintos. Aperte sempre os cintos, tanto os

Aperte sempre os cintos, tanto os dos bancos dian- teiros como os dos trasei-

ros! Viajar sem os cintos apertados aumenta o risco de lesões graves ou de morte em caso de impacto.

trasei- ros! Viajar sem os cintos apertados aumenta o risco de lesões graves ou de morte

fig. 35/b

P4T0043

P4T0044

P4T0042

O cinto não deve estar torcido. A parte superior deve passar sobre o ombro e atravessar o tórax diagonal- mente. A parte inferior deve aderir à bacia, não ao abdome do passa- geiro, para evitar o risco de escor- regar para a frente (fig. 36). Não utilizar dispositivos (molas, gram- pos, etc.) que mantenham os cintos não aderentes ao corpo dos passa- geiros.

os cintos não aderentes ao corpo dos passa- geiros. AVISO A cadeirinha para crianças deve ser

AVISO A cadeirinha para crianças deve ser colocada no banco traseiro (- atrás do passageiro dianteiro), sendo o lugar mais protegido do habitáculo em caso de impacto.

o lugar mais protegido do habitáculo em caso de impacto. fig. 36 O uso dos cintos

fig. 36

O uso dos cintos de segurança é ne- cessário para as mulheres grávidas também: para elas e para o nascituro, o risco de lesões em caso de impacto é claramente menor se estiverem a usar os cintos. É óbvio que as mulheres grávidas devem colocar a parte infe- rior do cinto muito em baixo, de ma- neira que passe sob o ventre (fig. 37).

em baixo, de ma- neira que passe sob o ventre ( fig. 37 ). fig. 37

fig. 37

de ma- neira que passe sob o ventre ( fig. 37 ). fig. 37 fig. 38

fig. 38

neira que passe sob o ventre ( fig. 37 ). fig. 37 fig. 38 Não transportar

Não transportar crianças ao colo de um passageiro utilizando um cinto de se-

gurança para protecção de ambos (fig. 38).

COMO MANTER SEMPRE EFICIENTES OS CINTOS DE SEGURANÇA 1) Utilizar sempre os cintos bem es- ticados, não torcidos, e verificar se deslizam livremente, sem impedimen- tos. 2) Após um acidente de certa gravi- dade, substituir o cinto usado, mesmo se aparentemente não estiver danifi- cado. 3) Para limpar os cintos, lavá-los à mão com água e sabão neutro, enxa- guá-los e deixá-los enxugar na som- bra. Não usar detergentes fortes, lixí- via, corantes ou qualquer outra subs- tância química que possa enfraquecer as fibras. 4) Evitar que os enroladores sejam molhados: seu funcionamento cor- recto é garantido somente se não so- frerem infiltrações de água.

P4T0234

TRANSPORTAR CRIANÇAS COM SEGURANÇA

P4T0234 TRANSPORTAR CRIANÇAS COM SEGURANÇA GRAVE PERIGO: Não colocar as ca- deirinhas para as crianças de

GRAVE PERIGO:

Não colocar as ca- deirinhas para as crianças de berço em posição con- tra marcha no banco dianteiro em presença do air bag lado passa- geiro activado. A actrivação do air bag em caso de impacto poderia causar lesões mortais à criança transportada. Aconselha-se de transportar sempre as crianças no banco traseiro, resultando esta a posição mais correta no caso de impacto. De qualquer modo, as cadeirinhas para crianças não de-

A B G R I A
A
B
G
R
I
A

vem ser absolutamente montadas no banco dianteiro de veículos do- tados de air bag passageiro, que enchendo-se, poderia causar lesões mesmo mortais, indepen- dentemente da gravidade do im-

pacto que provocou a activação do mesmo.

Em caso de necessidade, as crianças podem ser colocadas no banco anterior em veículos dota- dos de desactivação do air bag frontal passageiro. Neste caso è absolutamente necessário assegu- rar-se, através da apropriada luz indicadora F no quadro de bordo, que a desactivação aconteceu, (ver parágrafo air bag frontais e late- rais na voz air bag frontal lado

passageiro). Além disso, o banco passageiro deverá ser regulado na posição mais atrás possível, para evitar eventuais contactos da ca- deirinha crianças com a prancha.

Para uma maior protecção em caso de impacto, todos os passageiros de- vem viajar sentados e protegidos por adequados sistemas de segurança.

Isto vale principalmente para as crianças.

Tal prescrição é obrigatória, segundo a directiva 2003/20/CE, em todos os países membros da União Européia.

prescrição é obrigatória, segundo a directiva 2003/20/CE, em todos os países membros da União Européia. fig.

fig. 39

P4T0238

P4T0237

Nas crianças, ao contrário dos adul- tos, a cabeça é proporcionalmente maior que o resto do corpo, enquanto que os músculos e a estrutura óssea não estão completamente desenvolvi- dos. São pois necessários, para mantê- las firme em caso de colisão, sistemas diferentes dos cintos dos adultos. Os resultados da pesquisa sobre uma melhor protecção das crianças estão sintetizados na Normativa Europeia ECE-R44, que além de torná-los obri- gatórios, subdivide os sistemas de re- tenção em cinco grupos:

Grupo 0 - até a 10 kg de peso Grupo 0+ - até a 13 kg de peso

Grupo 1

9-18 kg de peso

Grupo 2

15-25 kg de peso

Grupo 3

22-36 kg de peso

Como se pode ver, existe uma par- cial sobreposição entre os grupos, de facto, encontram-se no comércio dis- positivos que abrangem mais de um grupo de peso (fig. 39). Todos os dispositivos de retenção de- vem indicar os dados de homolo- gação, junto com a marca de controlo, numa placa fixada firmemente na ca- deirinha, a qual não deve ser absolu- tamente removida.

Acima de 1,50 m de estatura, as cri- naças, do ponto de vista dos sistemas de retenção, são equiparadas aos adul- tos e usam normalmente os cintos.

A Lineaccessori Lancia dispõe de ca-

deirinhas para cada grupo de peso. Aconselha-se esta escolha, por terem sido projectadas e testadas especifica- damente para os veículos Lancia.

GRUPO 0 e 0+ Os bebés de até 13 kg devem ser transportados virados para trás numa cadeirinha tipo berço que, segurando a cabeça, não força o pescoço em caso de travagens bruscas.

O berço é segurado pelos cintos de

segurança do veículo, como indicado na fig. 40 e deve, por sua vez, segu-

rar a criança com os seus próprios cintos incorporados.

rar a criança com os seus próprios cintos incorporados. fig. 40 A figura é somente indi-

fig. 40

criança com os seus próprios cintos incorporados. fig. 40 A figura é somente indi- cativa para

A figura é somente indi- cativa para a montagem. Montar a cadeirinha de

acordo com as instruções obriga- toriamente anexadas à mesma.

GRUPO 1

A partir dos 9 até aos 18 kg de peso as crianças podem ser transportadas viradas para frente, com as cadeirin- has equipadas de almofada dianteira (fig. 41), através da qual, o cinto de segurança do veículo retém juntos a criança e a cadeirinha.

( fig. 41 ), através da qual, o cinto de segurança do veículo retém juntos a

fig. 41

P4T0235

P4T0236

A figura é somente indi- cativa para a montagem. Montar a cadeirinha se-P4T0235 P4T0236 gundo as instruções obrigatoria- mente anexadas na mesma. Existem cadeirinhas apropriadas a cobrir os

gundo as instruções obrigatoria- mente anexadas na mesma.

Existem cadeirinhas apropriadas a cobrir os grupos de peso 0 e 1 com um gancho traseiro no cintos do veículo e cintos próprios para se- gurar a criança. Por causa da sua massa podem ser perigosos se montados de modo impróprio (por exemplo: se ligados nos cintos do veículo com a interposição de uma almofada). Respeitar minuciosa- exemplo: se ligados nos cintos do veículo com a interposição de uma almofada). Respeitar minuciosa- mente as instruções de montagem anexadas.

GRUPO 2

As crianças de 15 aos 25 kg de peso podem ser seguradas directamente pe- los cintos do veículo. As cadeirinhas têm mais somente a função de posi-

cionar correctamente a criança em re- lação aos cintos, de modo que o troço diagonal esteja aderente ao tórax e nunca ao pescoço e que o troço hori- zontal esteja aderente na bacia e não ao abdome da criança (fig. 42).

aderente na bacia e não ao abdome da criança ( fig. 42 ). A figura é

A figura é somente indi- cativa para a montagem. Montar a cadeirinha de

acordo com as instruções obriga- toriamente anexadas à mesma.

com as instruções obriga- toriamente anexadas à mesma. fig. 42 GRUPO 3 Para as crianças de

fig. 42

GRUPO 3

Para as crianças de 22 aos 36 kg de peso a espessura do tórax já permite que esta viaje sem o encosto espaça- dor.

A fig. 43 traz um exemplo de co- rrecto posicionamento da criança no banco traseiro.

Acima de 1,50 m de estatura as crianças os cintos como os adultos.

da criança no banco traseiro. Acima de 1,50 m de estatura as crianças os cintos como

fig. 43

Idoneidade dos bancos dos passageiros para a utilização das cadeirinhas

O Lancia Lybra é conforme à nova Diretriz Europeia 2000/3/CE que regulamenta a montagem das cadeirinhas de crianças

nos vários lugares do veículo segundo as tabelas indicadas a seguir:

Grupo

Faixas de peso

 

BANCO

Passageiro

Passageiro

Passageiro

   

dianteiro

traseiro

traseiro

lateral

central

Grupo 0, 0+

até a 13 kg

U

U

U

Grupo 1

9 - 18 kg

U

U

U

Grupo 2

15

- 25 kg

U

U

U

Grupo 3

22

- 36 kg

U

U

U

Legenda:

U = idóneo para os sistemas de retenção da categoria “Universal” segundo a Normativa Europeia ECE-R44 para os “Gru- pos” indicados.

Resumimos a seguir as normas de segurança que devem ser seguidas para o transporte de crianças:

1) A posição aconselhada para a instalação das cadeirinhas para crianças é no banco traseiro, en- quanto em correspondência dos lu- gares laterais equipados de cintos de segurança com três pontos de engate, enquanto é o lugar mais protegido em caso de impacto.

2) Na presença de air bag passageiro as crianças não devem nunca viajar no banco dianteiro.

3) Em caso de desactivação do air bag passageiro, controlar sempre, através da apropriada luz avisadora amarela F no quadro de instrumen- tos, a desactivação.

4) Respeitar escrupulosamente as instruções fornecidas com a cadei- rinha, que o fornecedor deve obriga- toriamente anexar a mesma. Con- servá-las no veículo juntas aos docu- mentos e ao presente manual. Não utilizar cadeirinhas usadas sem as ins- truções de uso.

5) Verificar sempre com puxando o cinto o engate dos mesmos.

6) Cada sistema de retenção é rigo- rosamente monolugar: nunca trans- portar duas crianças contemporanea- mente.

7) Verificar sempre que os cintos não se apoiem no pescoço da criança.

8) Durante a viagem não permitir a criança de assumir posições anómalas ou de soltar os cintos.

9) Nunca transportar crianças nos braços, e nem bebés. Ninguém, por mais forte que seja, é em grau de se- gurá-las em caso de impacto.

10) Em caso de acidente substituir a cadeirinha com uma nova.

PRÉ-TENSORES

Para melhorar ainda mais a eficácia da acção protectora dos cintos de se- gurança dianteiros, o veículo está equipado com pré-tensores. Estes dis- positivos são activados por um sensor em caso de choque violento e puxam alguns centímetros do cinto. Desta maneira, garantem a perfeita aderên- cia dos cintos ao corpo dos ocupantes, antes que inicie a acção de retenção.

A activação do pré-tensor é reco- nhecida pelo bloqueio do enrolador; o cinto não se desenrola sem mesmo com a ajuda das mãos.

Durante a intervenção dos pré-ten- sores, pode ocorrer uma ligeira emissão de fumo. Este fumo não é nocivo e não indica um princípio de incêndio.

Os pré-tensores não necessitam de nenhuma manutenção nem de lubri- ficação. Qualquer modificação das suas condições originais invalida a sua eficiência.

P4T0814

P4T0810

Se, por eventos naturais excepcionais (enchentes, marulhadas, etc.), o dis-

positivo for afectado por água e lama,

é obrigatória a substituição do mesmo.

Para ter a máxima protecção da ac-

ção dos pré-tensores, usar os cintos mantendo-os bem aderentes ao busto

e à bacia.

os cintos mantendo-os bem aderentes ao busto e à bacia. Intervenções que com- portam choques, vibrações

Intervenções que com- portam choques, vibrações ou aquecimentos localiza- dos (acima de 100ºC, por uma du- ração máxima de 6 horas) na zona do pré-tensor podem provocar da- nos ou activações; não fazem parte destas condições as vibrações cau- sadas pelo mau estado da estrada ou pela ultrapassagem acidental de pequenos obstáculos, passeios, etc. Dirigir-se à Rede de Assistên- cia Lancia se for preciso efectuar consertos.

Assistên- cia Lancia se for preciso efectuar consertos. É rigorosamente proibido desmontar ou alterar os

É rigorosamente proibido

desmontar ou alterar os componentes dos pré-ten- sores. Qualquer intervenção deve ser efectuada por pessoal qualifi- cado e autorizado: dirigir-se ex- clusivamente à Rede de Assistên- cia Lancia.

O pré-tensor é utilizável

somente uma vez. Depois que foi activado, dirigir-se

à Rede de Assistência Lancia para

mandá-lo substituir. Para conhe-

cer a validade do dispositivo, vide

a etiqueta situada dentro da gaveta

porta-obejctos: ao aproximar-se deste prazo dirigir-se à Rede de Assistência Lancia para a substi- tuição do dispositivo.

Assistência Lancia para a substi- tuição do dispositivo. 20182017 2019 01 07 02 03 04 05
20182017 2019 01 07 02 03 04 05 06 08 09 10 11 12 PRETENSIONERS
20182017
2019
01
07
02 03 04 05 06
08 09 10 11 12
PRETENSIONERS
AIRBAG
AND
CLOCK SPRING
ATTENZIONE:
CAUTION:
ATTENTION:
ACHTUNG:
20142013
2015
01
02 03 04 05 06
07
08 09 10 11 12

fig. 45

AIR BAG FRONTAIS E LATERAIS

O veículo é equipado de Air bag frontais, para o condutor (fig. 45/a), para o passageiro (fig. 46), e Air bag laterais, side bag (fig. 47), e window bag (fig. 48).

45/a ), para o passageiro ( fig. 46 ), e Air bag laterais, side bag (

fig. 45/a

P4T0706

P4T0705

P4T0707

AIR BAGS FRONTAIS

Descrição e funcionamento O air bag frontal (condutor e passa- geiro) é um dispositivo de segurança que intervém em caso de impacto frontal.

de segurança que intervém em caso de impacto frontal. Não aplicar adesivos ou outros objectos no

Não aplicar adesivos ou outros objectos no volante, na tampa do air bag lado passageiro o no revestimento late- ral lado tecto. Não colocar objec- tos no tablier lado passageiro (por ex. telefones celulares) porque po- deriam interferir com a correcta abertura do air bag lado passa- geiro e, alem disso causar graves lesões aos ocupantes do veículo.

alem disso causar graves lesões aos ocupantes do veículo. fig. 46 O air bag frontal numa

fig. 46

O air bag frontal numa almofada de

enchimento instantâneo contida num

compartimento específico:

– no centro do volante, para o con- dutor;

– no tablier e com uma almofada maior para o passageiro.

– no tablier e com uma almofada maior para o passageiro. fig. 47 fig. 48 O

fig. 47

tablier e com uma almofada maior para o passageiro. fig. 47 fig. 48 O Air bag

fig. 48

O Air bag frontal (condutor e passa-

geiro) é um dispositivo projectado para proteger os ocupantes em caso de impactos frontais de gravidade mé- dio-alta, mediante a colocação da al- mofada entre o ocupante e o volante ou o tablier. Em caso de impacto, uma unidade electrónica processa os sinais prove- nientes de um sensor de desacelera- ção e activa, quando necessário, o en- chimento da almofada.

A almofada enche-se instantanea-

mente, colocando-se como uma pro- tecção entre o corpo dos passageiros dianteiros e as estruturas que pode- riam causar lesões. Logo a seguir, a

almofada esvazia-se.

Em caso de impacto, uma pessoa que não estiver a usar os cintos de segu-

Em caso de impacto, uma pessoa que não estiver a usar os cintos de segu- rança vai para a frente e pode en- trar em contacto com a almofada ainda em fase de abertura. Nesta situação, a protecção oferecida pela almofada fica reduzida. Por- tanto, o Air bag frontal (condutor e passageiro) não substitui, mas complementa o uso dos cintos, que é sempre recomendado, como, aliás, prescrito pela lei europeia e na maior parte dos países extra-euro- peus.

Em caso de impactos frontais de pouca gravidade (para os quais é su- ficiente a acção de retenção exercida pelos cintos de segurança), o Air bag não é activado.

Nos impactos contra objectos muito deformáveis ou móveis (postes de si- nalização rodoviária, montes de brita ou neve, veículos estacionados), coli- sões traseiras (embates de outro veí- culo), impactos laterais, penetração embaixo de outros veículos ou barrei- ras de protecção (por exemplo, em- baixo de camiões ou parapeitos), o Air bag não é activado, pois não oferece alguma protecção adicional em rela- ção aos cintos de segurança e, conse- quentemente, a activação é inopor- tuna.

Portanto, a não activação nestes ca- sos não é sinal de funcionamento ir- regular do sistema.

AIR BAG FRONTAL DO LADO DO PASSAGEIRO

O Air bag frontal do lado do passa-

geiro é estudado e regulado para me- lhorar a protecção de uma pessoa que usa o cinto de segurança.

O seu volume no momento de enchi-

mento máximo é capaz de encher a maior parte do espaço entre o tablier e o passageiro.

a maior parte do espaço entre o tablier e o passageiro. GRAVE PERIGO: com veículo equi-

GRAVE PERIGO:

com veículo equi- pado com Air bag no lado do passageiro, não colocar no banco dianteiro a cadeirinha para bebés. Em todo o caso, se for necessário colocar a cadeirinha para bebés no banco dianteiro, desligar sempre o Air bag do lado do passa- geiro. Mesmo se não há uma obriga-

toriedade legal, é aconselhável, para

a maior protecção dos adultos, reac-

tivar imediatamente o Air bag, assim que não for mais necessário trans- portar crianças.

G A B R I A
G
A
B
R
I
A

A luz avisadora F sina- liza também, eventuais ano- malias da luz avisadora A luz avisadora F ¬ . ¬.

Esta condição é indicada pelo lam- pejo intermitente da luz avisadora F além dos 4 segundos. Neste caso

a luz avisadora ¬ pode não sinali-

zar eventuais anomalias dos siste- mas de retenção. Antes de prosse- guir, contactar a Rede de Assistên- cia Lancia para o imediato controlo do sistema.

P4T0264

Desactivação manual do Air bag frontal do lado do passageiro (fig. 49)

Se for absolutamente necessário transportar uma criança no banco dianteiro, é possível desactivar o Air bag frontal do lado do passageiro.

A desactivação é feita accionando, com a chave de arranque do veículo, o respectivo interruptor de comando, situado no lado direito do tablier (fig. 49). O interruptor é acessível somente com a porta aberta.

). O interruptor é acessível somente com a porta aberta. fig. 49 Mover o interruptor so-

fig. 49

é acessível somente com a porta aberta. fig. 49 Mover o interruptor so- mente com o

Mover o interruptor so- mente com o motor desli- gado e a chave de arranque removida.

O interruptor de chave (fig. 49) tem duas posições:

1) Air bag frontal do passageiro ac- tivo: (posição ON P) luz avisadora no quadro de instrumentos apagada; é severamente proibido transportar crianças no banco dianteiro.

2) Air bag frontal do passageiro de- sactivado: (posição OFF F) luz avi- sadora no quadro de instrumentos acesa; é possível transportar crianças protegidas por sistemas de retenção específicos no banco dianteiro.

A luz avisadora F no quadro de

instrumentos fica permanentemente acesa até reactivar o air bag do pas- sageiro.

A desactivação do Air bag frontal do

lado do passageiro não inibe o funcio- namento do Air bag lateral.

Com a porta aberta, a chave pode ser introduzida e removida de ambas as posições.

pode ser introduzida e removida de ambas as posições. A luz avisadora do Air bag frontal

A luz avisadora do Air

bag frontal do passageiro

é capaz de

suprir eventuais defeitos da luz

avisadora de avaria do Air bag

Nesse caso, a situação no quadro de instrumentos é a seguinte:

- luz avisadora de avaria do Air

bag

- luz avisadora do Air bag frontal

do passageiro desactivado com luz intermitente (além dos nor- mais 4 segundos).

Antes de prosseguir, contactar a Rede de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema.

acesa

.

desactivado

contactar a Rede de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema. acesa . desactivado ¬

¬

¬

apagada;

contactar a Rede de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema. acesa . desactivado ¬

AIR BAG LATERAIS (SIDE BAG – WINDOW BAG)

Os Air bag laterais têm a missão de aumentar a protecção dos ocupantes em ocasião de um impacto lateral de severidade média-alta.

São constituídos de uma almofada de inflação instantânea:

- o side bag esta alojado no encosto

dos bancos dianteiros; esta solução permite de ter sempre a almofada na

melhor posição em relação ao ocu- pante, independentemente da regu- lação do banco;

- o window bag, sendo um sistema a

“cortina” esta alojado no revestimento

lateral do tecto e coberto por um apropriado acabamento, o qual con- sente o desdobramento da almofada para baixo. Esta solução, estudada para a protecção da cabeça consente de oferecer aos ocupantes o máximo da protecção em caso de impacto la- teral. A solução a cortina oferece os melhores rendimentos graças a ampla superfície de desenvolvimento e à sua capacidade de auto-sustentação mesmo na falta de apoio; além disso,

oferece protecção também para os passageiros traseiros.

Em caso de impacto lateral, uma unidade electrónica elabora os sinais provenientes de um sensor de desace- leração e activa, quando necessário, o enchimento das almofadas.

A almofada se enche instantanea-

mente, colocando-se de protecção en- tre o corpo dos passageiros dianteiros e a porta do veículo. Imediatamente

após a almofada se esvazia.

Em caso de impactos laterais de baixa severidade, (para os quais é su- ficiente a acção de retenção exercitada pelos cintos de segurança) os Air bag não são activados.

Portanto, os Air bag laterais não são substitutivos mas complementares ao uso dos cintos, que se aconselha sem- pre de utilizar, como já prescrito na legislação Europeia e na maior parte dos países não Europeus.

O funcionamento dos Air bag late-

rais não é desactivado pelo acciona- mento do interruptor de comando de desactivação do Air bag frontal pas- sageiro, como descrito no parágrafo

precedente. Deste modo é oferecida a protecção, em caso de impacto late- ral, mesmo para a eventual criança transportada.

AVISO É possível activar os Air bag frontais e/ou laterais se o veículo é submetido a fortes impactos aciden- tais que interessam a zona inferior da carroçaria, como por exemplo, impac- tos violentos contra os degraus, pas- seios ou ressaltos fixos do solo, quedas do veículo em grandes buracos ou abaixamentos da estrada.

AVISO A entrada em função dos Air bag libera uma pequena quantidade de pós. Estes pós não são nocivos e não indicam um princípio de incêndio; além disso, a superfície da almofada desdobrada e o interno do veículo po- dem ser cobertos por um resíduo de pó: este pó pode irritar a pele e os ol- hos. No caso de exposição, lavar-se com sabão neutro e água.

O sistema de air bag tem uma vali-

dade de 14 anos por quanto concerne

a carga pirotécnica, e de 10 anos por

quanto concerne o contacto espira- lado. Ao aproximar-se destes venci- mentos, dirigir-se à Rede de As- sistência Lancia para a substituição.

AVISO Em caso de um acidente no qual o Air bag tenha sido activado, di- rigir-se à Rede de Assistência Lan- cia para substituir todo o dispositivo de segurança, unidade electrónica, cin- tos de segurança, pré-tensores e para verificar a integridade da instalação eléctrica.

Todas as intervenções de controlo,

reparação e substituição concernentes

o Air bag devem ser efectuadas na Rede de Assistência Lancia.

Em caso de sucatagem do veículo é necessário dirigir-se à Rede de As- sistência Lancia para desactivar a instalação.

No caso de troca de propriedade do veículo é indispensável que o novo proprietário entre em conhecimento das modalidades de uso e dos avisos acima indicados do manual de “Uso e Manutenção”.

AVISO A activação de pré-tensores, Air bag frontais, Air bag laterais, é de- cidida de modo diferenciado da uni- dade electrónica, em função do tipo de impacto. A não activação de um ou mais destes não é portanto índice de mau-funcionamento do sistema.

ADVERTÊNCIAS GERAIS

de mau-funcionamento do sistema. ADVERTÊNCIAS GERAIS A se, a luz avisadora ¬ não acende ao rodar

A se, a luz avisadora ¬ não acende ao rodar a chave na posição MAR, ou então, permanece acesa durante a marcha é possível que seja pre- sente uma anomalia nos sistemas de retenção; neste caso os air bag ou os pré-tensores podem não ac- tivar-se em caso de acidente ou, num maior limitado número de casos, activar-se erroneamente. Antes de prosseguir, contacte a Rede de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema.

de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema. Rodando a chave de arran- que na

Rodando a chave de arran- que na posição MAR a luz

(com inte-

rruptor de desactivação do Air bag frontal lado passageiro na posição ON) se ascende por aproximada- mente 4 segundos, para lembrar que o Air bag passageiro e o relativo Air bag lateral se activarão em caso de impacto, em seguida deve apagar-se.

avisadora

em caso de impacto, em seguida deve apagar-se. avisadora Se o veículo tiver sido ob- jecto

Se o veículo tiver sido ob- jecto de roubo ou de tenta- tiva de roubo, se sofreu ac-em caso de impacto, em seguida deve apagar-se. avisadora tos de vandalismo, inundações ou alagamentos, mandar

tos de vandalismo, inundações ou alagamentos, mandar verificar o sistema Air bag na Rede de Assis- tência Lancia.

Não aplicar adesivos ou outros objectos no volante o nos revestimentos dosAir bag do lado do passageiro e la- terais. Não viajar com objectos ao colo,

Air bag do lado do passageiro e la- terais.

Não viajar com objectos ao colo, diante do tórax e, muito menos, com ca-dos Air bag do lado do passageiro e la- terais. chimbo, lápis, etc. na boca. Em

chimbo, lápis, etc. na boca. Em caso de impacto com intervenção do Air bag, poderiam causar le- sões.

Conduzir mantendo sem- pre as mãos no aro do vo- lante de maneira que, em caso de intervenção do Air bag, este possa encher-se sem encontrar obs- táculos que poderiam causar-lhe sérios danos. Não conduzir com o corpo dobrado para a frente, mas manter o encosto em posição erecta e apoiando bem as costas nele.

o encosto em posição erecta e apoiando bem as costas nele. Lembramos que com a chave

Lembramos que com a chave enfiada e na posição MAR, mesmo com o motoro encosto em posição erecta e apoiando bem as costas nele. desligado, os Air bags podem

desligado, os Air bags podem acti- var-se até num veículo parado, se neste bater um outro veículo em movimento. Assim, mesmo com veículo parado, não se deve, abso- lutamente, colocar crianças no banco dianteiro. Por outro lado, lembramos que, com o veículo parado, sem ter a chave introduzida e rodada, os Air bags não se activam por causa de um impacto; portanto, a falta de activação dos Air bags, nestes ca- sos, não pode ser considerada como sinal de funcionamento irre- gular do sistema.

Não lavar o encosto do banco com água ou vapor em pressão nas estações de lavagem automáticas para os ban- cos.como sinal de funcionamento irre- gular do sistema. Não cobrir o encosto dos bancos dianteiros com

Não cobrir o encosto dos bancos dianteiros com re- vestimentos ou forros, que não sejam predispostos para o uso com o Side-bag.

que não sejam predispostos para o uso com o Side-bag. O Air bag não substitui os

O Air bag não substitui os cintos de segurança, mas aumenta a sua eficácia. cintos de segurança, mas aumenta a sua eficácia.

Além disso, dado que o air bag não intervém em caso de impactos fron- tais de baixas velocidades, impac- tos laterais e traseiros ou capota- mentos, nestes casos os ocupantes são protegidos somente pelos cin- tos de segurança que, por isso, de- vem estar sempre apertados.

de segurança que, por isso, de- vem estar sempre apertados. A intervenção do Air bag está

A intervenção do Air bag está prevista para impactos de gravidade superior à

dos impactos que activam os pré- tensores. Portanto, para impactos compreendidos no intervalo entre os dois limites de activação, é nor- mal que entrem em acção apenas os pré-tensores.

QUADRO DE INSTRUMENTOS

VERSÕES A GASOLINA

f i g . 5 0 P4T0733

fig. 50

P4T0733

VERSÕES DIESEL

P4T0635

P4T0635

fig. 51 A Termómetro do líquido de refrigeração do motor com luz avisadora de temperatura excessiva - B Velocímetro - C Mostra- dor conta-quilómetros (total e parcial) - D Conta-rotações do motor - E Indicador do nível do combustível com luz avisadora da reserva - F Luzes avisadoras de sinalização - G Botão para pôr a zero o conta-quilómetros parcial.

P4T0638

P4T0636

P4T0637

INSTRUMENTOS DE BORDO

AVISO Depois de desligado o motor (rotação da chave para STOP), o ve- locímetro e o conta-rotações afinam novamente os instrumentos por cerca de 1 segundo, durante o qual os pon- teiros do velocímetro e do conta-rota- ções oscilam ligeiramente, emitindo um tique-taque leve.

VELOCÍMETRO (fig. 52)

Indica a velocidade do veículo em quilómetros horários (km/h).

a velocidade do veículo em quilómetros horários (km/h). fig. 52 AVISO em função das diversas ver-

fig. 52

AVISO em função das diversas ver- sões da viatura, o taquímetro (indica- dor de velocidade) pode apresentar valores de fundo escala diferentes.

CONTA-ROTAÇÕES (fig. 53-54)

O sector de perigo (com traços bran- cos gradualmente mais densos) indica um regime de funcionamento do mo- tor demasiado elevado. É aconselhá- vel não continuar com o indicador do conta-rotações sobre essa zona.

Com o motor ao ralenti, o conta-ro- tações pode indicar um aumento de regime gradual ou repentino con- soante os casos; esse comportamento

é regular, pois ocorre durante o fun- cionamento normal, por ex., quando

é ligado o compressor do climatizador

por ex., quando é ligado o compressor do climatizador fig. 53 - versões a gasolina ou

fig. 53 - versões a gasolina

ou as ventoinhas eléctricas. Em par- ticular, uma variação de rotações lenta serve para proteger o estado de carga da bateria.

AVISO De acordo com as diferentes versões do veículo, o conta-rotações pode apresentar sectores de perigo de diversa amplitude e valores de veloci- dade máxima diferentes.

AVISO O sistema de controlo da in- jecção electrónica reduz progressiva- mente o afluxo de combustível quando o motor estiver “fora de rota- ções” com consequente perda gradual de potência do próprio motor.

estiver “fora de rota- ções” com consequente perda gradual de potência do próprio motor. fig. 54

fig. 54 - versões jtd

P4T0052

P4T0051

INDICADOR DA TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE REFRIGERAÇÃO DO MOTOR COM LUZ AVISADORA DE TEMPERATURA EXCESSIVA (fig. 55)

O instrumento indica a temperatura do líquido de refrigeração do motor e inicia a fornecer indicações quando a temperatura do líquido ultrapassar 50ºC aproximadamente.

Normalmente, o ponteiro do termó- metro deve estar nos valores centrais da escala. Se o ponteiro se aproximar dos valores máximos da escala, é ne- cessário reduzir a exigência de rendi- mentos.

é ne- cessário reduzir a exigência de rendi- mentos. fig. 55 Quando a luz avisadora se

fig. 55

Quando a luz avisadora se acende, significa um aumento excessivo da tem- peratura do líquido de refrigeração; neste caso, desligar o motor e dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

AVISO A aproximação do ponteiro dos valores máximos da escala pode ser provocado por obstruções ou acú- mulo de sujidade na parte externa do radiador de refrigeração do motor.

Neste caso, é aconselhável inspeccio- nar e remover possíveis obstruções e mandar efectuar uma lavagem externa cuidadosa do radiador, o quanto an- tes.

INDICADOR DO NÍVEL DE COMBUSTÍVEL COM LUZ AVISADORA DE RESERVA (fig. 56)

O acendimento da luz avisadora da reserva indica que no depósito restam cerca de 8 litros de combustível.

Não viajar com o depósito quase va- zio: as possíveis faltas de alimentação poderiam danificar o catalisador.

viajar com o depósito quase va- zio: as possíveis faltas de alimentação poderiam danificar o catalisador.

fig. 56

P4T0020

P4T0639

MOSTRADOR CONTA-QUILÓMETROS (TOTAL E PARCIAL) (fig. 57-58)

No mostrador A (fig. 57) são indica- dos:

– na primeira linha (6 dígitos) os km totais percorridos

– na segunda linha (4 dígitos) os km parciais.

– na segunda linha (4 dígitos) os km parciais. fig. 57 Para pôr a zero os

fig. 57

Para pôr a zero os km parciais, manter premido por no mínimo 1 se- gundo o botão B (fig. 58).

AVISO Em caso de remoção da ba- teria, os km parciais não ficam me- morizados.

da ba- teria, os km parciais não ficam me- morizados. fig. 58 LUZES AVISADORAS Iluminam-se nos

fig. 58

LUZES

AVISADORAS

Iluminam-se nos seguintes casos:

INDICADOR DE DIRECÇÃO ESQUERDO (intermitente - verde)fig. 58 LUZES AVISADORAS Iluminam-se nos seguintes casos: Quando a alavanca de comando das luzes de

Quando a alavanca de comando das luzes de direcção é accionada para baixo (piscas) e, junto com o indica- dor direito, quando são acesas as lu- zes de emergência.

INDICADOR DE DIRECÇÃO DIREITO (intermitente - verde)dor direito, quando são acesas as lu- zes de emergência. Quando a alavanca de comando das

Quando a alavanca de comando das luzes de direcção é accionada para cima (piscas) e, junto com o indica- dor esquerdo, quando são acesas as luzes de emergência.

l
l

INDICADORES DE DIRECÇÃO DO

REBOQUE (verde) Para a conexão, dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

Ilumina-se, se estiver ligado electri- camente um reboque, quando a ala- vanca de comando das luzes de direc- ção é accionada ou quando o botão das luzes de emergência é carregado.

VELAS DE PRÉ-AQUECIMENTO (amarelo-âmbar) (versões jtd)ou quando o botão das luzes de emergência é carregado. Quando a chave de arranque é

Quando a chave de arranque é ro- dada para a posição MAR. Apaga-se quando as velas tiverem alcançado a temperatura preestabelecida.

Ligar o motor logo depois que a luz avisadora se apagar.

Se, após o arranque, a luz avisadora se acender de novo no modo lampe- jante por cerca de 30 segundos, é pos- sível efectuar o arranque do motor re- gularmente, mas dirigir-se, assim que possível, à Rede de Assistência Lan- cia para consertar o defeito.

Com temperatura ambiente elevada, a luz avisadora pode acender-se por um tempo imperceptível.

1
1

MÁXIMOS

(azul)

Quando se acendem as lu- zes dos máximos.

3
3

LUZES EXTERNAS (verde)

Quando se acendem as lu- zes dos mínimos ou se roda a chave de arranque para a posição PARK.

w
w

RECARGA INSUFICIENTE DA BATERIA (vermelha)

Quando houver uma avaria no sis- tema do gerador de corrente.

Rodando a chave para a posição MAR, a luz avisadora acende-se, mas deve apagar-se assim que arrancar o motor.

PRESSÃO INSUFICIENTE DO ÓLEO DO MOTORacende-se, mas deve apagar-se assim que arrancar o motor. (vermelha) Quando a pressão do óleo no

(vermelha)

Quando a pressão do óleo no motor descer abaixo do valor normal.

Rodando a chave para a posição MAR, a luz avisadora acende-se, mas deve apagar-se assim que arrancar o motor.

É possível um eventual atraso para que a luz se apague somente com mo- tor ao ralenti.

Se o motor tiver sido forçado de mais, rodando ao ralenti, a luz pode piscar, mas deve desligar-se acelerando leve- mente.

Se a luz avisadora se acen- der durante o andamento, desligar o motor e dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.pode piscar, mas deve desligar-se acelerando leve- mente. < CINTOS DE SEGURANÇA (vermelha) Quando o cinto

<
<

CINTOS DE SEGURANÇA (vermelha)

Quando o cinto de segu- rança do lado do condutor não estiver correctamente apertado.

DESGASTE DAS PASTILHAS DOS TRAVÕES DIANTEIROS(vermelha) Quando as pastilhas dos travões dianteiros estiverem desgastadas; neste caso, mandar substituí-las as- sim

(vermelha) Quando as pastilhas dos travões dianteiros estiverem desgastadas; neste caso, mandar substituí-las as- sim que possível.

AVISO Dado que o veículo está equipado com detectores de desgaste para as pastilhas dos travões diantei- ros, executar, por ocasião de sua subs- tituição, também o controlo das pas- tilhas dos travões traseiros.

AVARIA DO SISTEMA DE CONTROLO DO MOTOR EOBDtambém o controlo das pas- tilhas dos travões traseiros. (amarelo-âmbar) (conforme à directriz 98/69/CE- EURO3) Em

(amarelo-âmbar) (conforme à directriz 98/69/CE-

EURO3)

Em condições normais, rodando a chave de arranque para a posição MAR, a luz avisadora acende-se, mas deve apagar-se com o motor ligado. O acendimento inicial indica que a luz avisadora funciona correctamente. Se a luz avisadora permanecer acesa ou se acender durante o andamento:

com luz fixa – avisa um mau fun- cionamento no sistema de alimen- tação/ignição/injecção que poderia provocar elevadas emissões no escape, possível perda de rendimentos, má condução e consumos elevados. Nestas condições, é possível prosse- guir o andamento evitando, porém, forçar de mais o motor ou altas velo- cidades. O uso prolongado do veículo com a luz avisadora acesa com luz fixa pode causar danos. Dirigir-se, o quanto antes, à Rede de Assistência Lancia.

A luz avisadora apaga-se se o mau funcionamento desaparece, mas o sis- tema memoriza, em todo o caso, a si- nalização.

Com luz lampejante – indica a pos- sibilidade de dano do catalisador (ver “Sistema EOBD” no presente capítulo).

Em caso de luz avisadora acesa com luz intermitente, é necessário soltar o pedal do acelerador, diminuindo as rotações do motor, até que a luz avi- sadora pare de piscar; prosseguir o andamento com velocidade mode- rada, tentando evitar condições de condução que podem provocar outros lampejos e dirigir-se, o quanto antes, à Rede de Assistência Lancia.

Se, rodando a chave de arranque para a posição MAR, a luz avisadora U U

não se acende ou se, durante o an- damento, se acende com luz fixa ou lampejante, dirigir-se, o quanto antes, à Rede de Assistência Lan- cia.

¬
¬

AVARIA DO AIR BAG (vermelha)

Rodando a chave para a posição MAR, a luz avisadora acende- se, mas deve apagar-se depois de cerca de 4 segundos.

A luz avisadora acende-se de modo permanente quando o sistema Air bag apresenta anomalias de funciona- mento.

A se, a luz avisadora não acende ao rodar a chave na posição MAR, ou então, permanece acesa durante a mar- cha é possível que seja presente uma anomalia nos sistemas de re- tenção; neste caso os air bag ou os pré-tensores podem não activar-se em caso de acidente ou, num maior limitado número de casos, activar-se erroneamente. Antes de prosseguir, contacte a Rede de As- sistência Lancia para o imediato controlo do sistema.

erroneamente. Antes de prosseguir, contacte a Rede de As- sistência Lancia para o imediato controlo do

SISTEMA ANTIBLOQUEIO DAS RODAS ABSINEFICIENTE (amarelo-âmbar) Rodando a chave para a posição MAR , a luz avisadora acende-se, mas

INEFICIENTE (amarelo-âmbar)

Rodando a chave para a posição MAR,

a luz avisadora acende-se, mas deve

apagar-se após cerca de 4 segundos.

A luz avisadora ilumina-se quando

o sistema ABS está ineficiente. Neste

caso, o sistema de travagem mantém inalterada a própria eficácia, mesmo sem utilizar o dispositivo antiblo- queio, mas é necessário, todavia, di- rigir-se, assim que possível, à Rede de Assistência Lancia.

O veículo possui corrector electrónico de travagem (EBD). Quando se acen- dem, ao mesmo tempo, as luzes avi- sadoras > e x com motor em mo- vimento, significa que há uma ano- malia do > e x com motor em mo- vimento, significa que há uma ano- malia do sistema EBD; neste caso, com travadas violentas, as rodas traseiras podem-se travar precoce- mente, podendo causar guinadas. Guiando com extrema cautela, ir imediatamente à mais próxima ofi- cina da Rede de Assistência Lancia para mandar verificar o sistema.

LÍQUIDO DOS TRAVÕES INSUFICIENTE E/OURede de Assistência Lancia para mandar verificar o sistema. TRAVÃO DE MÃO ENGATADO (vermelha) Rodando a

TRAVÃO DE MÃO ENGATADO (vermelha) Rodando a chave para a posição MAR, a luz avisadora acende-se, mas deve apagar-se após cerca de 4 segun- dos. A luz avisadora acende-se, após a fase de check, quando o nível do lí- quido dos travões no depósito descer abaixo do mínimo, por causa de uma possível fuga de líquido do circuito e quando o travão de mão é engatado.

líquido do circuito e quando o travão de mão é engatado. e acender durante o anda-

e

acender durante o anda- mento, verificar se o travão de mão não está engatado. Se a luz avisadora permanecer acesa com o travão de mão desengatado, parar imediatamente e dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

Se a luz avisadora

x
x

PRESENÇA DE ÁGUA NO FILTRO DO GASÓLEOà Rede de Assistência Lancia. Se a luz avisadora x (amarelo âmbar) (versões jtd) Ilumina-se quando

(amarelo âmbar) (versões jtd)

Ilumina-se quando existe água no filtro do gasóleo.

A presença de água no circuito de alimentação pode causar graves danosjtd) Ilumina-se quando existe água no filtro do gasóleo. a todo o sistema de injecção e

a todo o sistema de injecção e pro- vocar irregularidades no funcio- namento do motor. Se a luz avisa- dora c se acender, dirigir-se, o quanto antes, à Rede de Assistên- cia Lancia para a operação de drenagem.

¢
¢

LANCIA CODE

(amarelo-âmbar)

Em três casos (com a chave de arranque na posição MAR):

1. Um só lampejo - comunica ter

reconhecido o código da chave. É pos-

sível ligar o motor.

2. Com luz fixa - comunica não re-

conhecer o código da chave. Para li- gar o motor, executar o procedimento descrito no arranque de emergência (- vide capítulo “Em emergência”).

3. Com luz a lampejar - comunica

que o veículo não está protegido pelo dispositivo. De qualquer forma, é pos- sível ligar o motor.

CRUISE
CRUISE

REGULADOR DE VE- LOCIDADE CONSTANTE

(Cruise Control) (se previsto - amarelo-âmbar)

A luz avisadora, situada na alavanca de comando do Cruise Control, ilu- mina-se com o interruptor do regula- dor na posição ON, quando o dispo- sitivo inicia a intervir no motor.

F
F

AIR BAG LADO DO

á
á

ESP

PASSAGEIRO

(amarelo âmbar)

DESACTIVADO

(onde previsto)

(se previsto - amarelo-âmbar)

A luz avisadora ilumina-se quando é desactivado o Air bag do lado do passageiro.

A luz avisadora F sina- liza também, eventuais anomalias da luz avisa-A luz avisadora F

dora ¬. Esta condição é indicada pelo lampejo intermitente da luz avisadora F além dos 4 segun- dos. Neste caso a luz avisadora ¬ pode não sinalizar eventuais ano- malias dos sistemas de retenção. Antes de prosseguir, contactar a Rede de Assistência Lancia para o imediato controlo do sistema.

Rodando a chave na posição MAR, a luz avisadora no quadro de instrumen- tos se acende, e deve apagar-se após cerca 4 segundos.

Se a luz avisadora não se apaga, ou se permanece acesa durante a mar- cha, dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

O lampejo da luz avisadora durante

a marcha indica a intervenção do sis- tema ESP e/ou da função ASR.

A ignição contemporânea da luz avi-

sadora á no quadro de instrumentos

e do led no interruptor indicam a ava- ria da função ASR. Dirigir-se neste caso à Rede de Assistência Lancia.

CHECK
CHECK

SINALIZADOR GERAL DE ANOMALIA (vermelha)

Para

anomalias

check control.

detectadas

pelo

Durante a eventual utili- zação da rodinha sobres- salente o sistema ESP con- tinua a

Durante a eventual utili- zação da rodinha sobres- salente o sistema ESP con-

tinua a funcionar. Se deve sempre considerar que a rodinha sobres- salente tem dimensões inferiores com relação ao normal pneumá- tico e que portanto a sua aderên- cia resulta diminuida com relação aos outros pneumáticos do veí- culo. Poderia portanto verificar-se em particulares condições de aderência e/ou manobras de guia o acendimento la luz avisadora á ESP; verificar que a mesma esteja apagada durante a re-montagem da roda de normal uso. Recorda- se que é proibido, durante a utili- zação da roda sobressalente, de superar os 80 km/h e aconsalha- se de evitar manobras que pode- riam causar a perda do controlo do veículo.

que pode- riam causar a perda do controlo do veículo. Para o funcionamneto correcto do sistema

Para o funcionamneto correcto do sistema ESP é indispensável que os pneus sejam da mesm amarca e do mesmo tipo em todas as rodas, em perfeitas condições e sobretudo do tipo, marca e diemnsões prescri- tas.

*
*

HILL HOLDER

(amarelo âmbar)

(onde previsto)

Rodando a chave na posição MAR, a luz avisadora no quadro de instru- mentos se acende, e deve apagar-se após cerca 4 segundos.

Se a luz avisadora não se apaga, ou se permanece acesa durante a mar- cha, dirigir-se à Rede de Assistência Lancia.

P4T0640

CHECK CONTROL

(fig. 59)

A função de check control é controlada pelo quadro de instrumentos, que avisa ao condutor quaisquer anomalias ou si- nalizações, tanto com as luzes avisado- ras e as indicações do quadro, como com as luzes avisadoras e as indicações exis- tentes no mostrador multifuncional do sistema I.C.S.

Para o funcionamento das luzes avi- sadoras do quadro de instrumentos, vide o parágrafo “Luzes avisadoras” neste capítulo. As anomalias ou sina- lizações que o check control apresenta com os respectivos símbolos no mos- trador multifuncional, são introduzi- das no quadro representado no mo- mento da sinalização, independente- mente do estado de funcionamento do sistema I.C.S.

Na versões com sistema I.C.S. Lancia

com navegador (se previsto), se o check control manda uma sinalização quando

o sistema I.C.S. se encontra em stand- by (mostrador apagado), o mostrador

acende-se e o símbolo correspondente

à sinalização aparece no último quadro seleccionado. 1 - Luz avisadora de avaria fusí- veis/sistema/lâmpadas das luzes ex- ternas

último quadro seleccionado. 1 - Luz avisadora de avaria fusí- veis/sistema/lâmpadas das luzes ex- ternas fig.

fig. 59

2 - Luz avisadora de avaria da lâm-

pada da luz de nevoeiro traseira

3 - Luz avisadora de avaria da lâmpada da luz esquerda do travão

4 - Luz avisadora de avaria da lâmpada

da luz direita do travão

5 - Luz avisadora de avaria da lâmpada

das luzes dos travões

6 - Luz avisadora de nível insuficiente

do líquido de refrigeração do motor (se previsto)

7 - Luz avisadora de nível insuficiente

do líquido do lava-pára-brisas (se pre-

visto)

8 - Luz avisadora de nível insuficiente do óleo do motor (só versões diesel)

9 - Luz avisadora de sinalização de fecho incompleto da portas e da tampa da mala

10 - Luz avisadora de sinalização de

ineficiência das luzes avisadoras > no quadro de instrumentos

11 - Luz avisadora de sinalização de

ineficiência das luzes avisadoras > e x

no quadro de instrumentos (o acendi- mento simultâneo destas luzes avisadoras assinala uma anomalia do corrector elec- trónico de travagem EBD) 12 - Luz avisadora de sinalização de ineficiência das luzes avisadoras á no quadro de instrumentos

13 - Luz avisadora de sinalização de ine-

ficiência do check control

14 - Ideograma de sinalização de fe-

cho incompleto das portas e da tampa

da mala (versões berlina)

15 - Ideograma de sinalização de fecho

incompleto das portas e da tampa da mala (versões Station Wagon)

16 - Sinalizador do nível do óleo do

motor (só versões diesel)

O check control é capaz de apresentar

no mostrador, ao mesmo tempo, duas lu- zes avisadoras uma ao lado da outra, para além, se necessário, da luz avisadora 9 de sinalização do fecho incompleto das por- tas e da tampa da mala.

Se as sinalizações forem mais que duas, as

respectivas luzes avisadoras serão mostra- das ciclicamente a cada dois segundos, en- quanto que, na parte direita do mostrador, aparece a indicação vermelha CHECK.

A indicação vermelha CHECK apa-

rece também no caso de acendimento da luz avisadora de avaria das lâmpa- das das luzes externas 1. Em caso de avaria das lâmpadas da luz de nevoeiro traseira, da luz esquerda do travão e da luz direita do travão, junto com a respectiva luz avisadora 2-3-4-5, apa- rece sempre também a luz avisadora de avaria das lâmpadas das luzes externas 1.

AVISO As luzes avisadoras permanecem no mostrador mesmo mudando de quadro ou função do mesmo, enquanto a anoma- lia que causou a intervenção do check con- trol não é eliminada. As luzes avisadoras 1-8-10-11-12-13 têm a precedência so- bre outras informações do check control.

INDICAÇÕES DE SINALIZAÇÃO

Durante o arranque do motor, em caso de anomalia, o acendimento das luzes avisadoras 1-10-11-12-13 é precedido pela visualização, no mostrador (por

cerca de 5 segundos), das seguintes in- dicações:

AVARIA LUCI (AVARIA LUZES)

(luz avisadora 1)

LED ABS KO (luz avisadora 10)

LED EBD KO (luz avisadora 11)

LED ESP KO (luz avisadora 12)

MANCA SEGNALE A CHECK E

TRIP COMPUTER (FALTA SINAL PARA CHECK E TRIP COMPUTER) (luz avisadora 13).

SINALIZAÇÃO DE FECHO INCOMPLETO DAS PORTAS E DA TAMPA DA MALA (9-14-15)

Rodando a chave para a posição MAR, o ideograma 14 (versões berlina) ou 15 (ver- sões Station Wagon) aparece na parte di- reita do quadro principal do mostrador, enquanto que a luz avisadora 9 aparece na parte inferior esquerda. Após cerca de um minuto, com portas ou tampa da mala ainda abertas, o ideograma 14 ou 15 des aparece, fi- cando em destaque a luz avisadora 9.

P4T0283

Se a sinalização de porta ou tampa da mala abertas deve ser feita enquanto o sis- tema se encontra num quadro de uma ou- tra função, aparece apenas a luz avisadora 9 na parte inferior esquerda do mostrador.

Voltando para o quadro principal, reaparece o ideograma do veículo 14 ou 15 na parte direita do mostrador, como descrito anteriormente.

SINALIZADOR DO NÍVEL DO ÓLEO DO MOTOR E LUZ AVISADORA DE NÍVEL INSUFICIENTE (8-16) (só versões jtd)

Rodando a chave na posição MAR, al- guns segundos depois no ecrã J , o ní- vel do óleo motor evidencia-se no ecrã principal do mostrador por cerca de 10 segundos.

O nível do óleo do motor é mostrado só se estiver sobre ou abaixo do limite de segurança.

AVISO O check control verifica o ní- vel do óleo só durante o arranque do motor e só se passaram pelo menos 20 minutos desde a última vez que o mo- tor foi desligado.

A visualização do nível do óleo é rea-

lizada mediante 6 barras luminosas e estão previstos dois valores e dois mo- dos de visualização diferentes:

– nível do óleo do motor sobre o limite

de segurança: primeira barra à esquerda

vermelha, segunda barra branca, outras barras vazias;

– nível do óleo do motor no mínimo:

primeira barra vermelha, outras barras

vazias.

Se o nível estiver baixo ou se até faltar óleo (0 ou 1 barra mostrada), acende-se a luz avisadora 8 que fica em destaque mesmo passando para outros quadros ou funções do mostrador.

Em caso de avaria no sensor do nível do óleo, o sinalizador 16 piscará por cerca de 5 segundos e a luz avisadora 8 acenderá.

Em todas as condições de nível do óleo baixo ou de avaria no sensor, na parte direita do mostrador aparece por alguns segundos também a indicação vermelha CHECK.

AVISO A luz avisadora de nível in- suficiente do óleo do motor 8, tem a precedência sobre outras informações do check control.

LED DE SINALIZAÇÃO DAS ANOMALIAS E LED DE ILUMINAÇÃO COMANDOS DO SISTEMA I.C.S. LANCIA (fig. 60 -se previsto)

Led vermelho A: acende-se por cerca de 4 segundos, rodando a chave de ar- ranque para a posição MAR, durante a fase de verificação do check control. Se houver anomalias, sinalizadas pelo acendimento da respectiva luz avisa- dora e da luz avisadora CHECK, o led apaga-se após cerca de 10 segundos;

Led verde B: serve para a iluminação nocturna “em forma de chuva” dos co- mandos do sistema I.C.S. Lancia e acende- se rodando a chave de arranque para a po- sição MAR (após cerca de 2 segundos do acendimento do led vermelho A).

a chave de arranque para a po- sição MAR (após cerca de 2 segundos do acendimento

fig. 60

SISTEMA I.C.S. LANCIA COM MOSTRADOR MULTIFUNCIONAL

(sem NAVEGADOR)

I.C.S. LANCIA COM MOSTRADOR MULTIFUNCIONAL (sem NAVEGADOR) fig. 61 O I.C.S. (Integrated Control System) Lancia é

fig. 61

O I.C.S. (Integrated Control System) Lancia é um sistema integrado de con- trolo e visualização, com mostrador mul- tifuncional de 5” de cristais líquidos, que também pode ser lido pelo passageiro.

P4T0708

O mostrador multifuncional mostra

e

controla as seguintes funções:

Auto-rádio com leitor de cassetes

e

CD (se previsto) (*)

– Relógio analógico/digital

– Computador de viagem (TRIP)

– Check control (*)

(*) Para a descrição e o funciona- mento, consultar o parágrafo respec- tivo.

COMANDOS 1 - Teclas das funções auto-rá- dio/cassete/CD (se previsto)

2 - Botão para ligar/desligar o sis-