P. 1
Revista Weril nº 141

Revista Weril nº 141

|Views: 91|Likes:
Publicado porAlex Trompetista
Revista sobre artigos musicais, instrumentos e acessórios.
Revista sobre artigos musicais, instrumentos e acessórios.

More info:

Published by: Alex Trompetista on Jan 07, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/07/2013

pdf

text

original

rev i s ta

5º PRÊMIO WERIL:
cobertura completa
Chiquinho Oliveira e seu som bem humorado PÁG.16

PÁG. 6
MAIO/JUNHO.2002.ANO 24.Nº141.WWW.WERIL.COM.BR

Conheça o novo saxofone na página 4

Para completar.superintendente SUAS NOTAS “Sou trompetista e leitor assíduo da revista. foi mais uma prova do bom nível de nossos artistas e dos instrumentos fabricados pela Weril. que aconteceu em maio. Domingos Sacco.Rua Dr. EUA. Matérias assinadas não expressam obrigatoriamente a opinião da Weril Instrumentos Musicais Distribuição gratuita Atendimento ao Consumidor Weril 0800 175900 Neste número. um dos maiores entusiastas da arte nacional. com uma aclamada apresentação do Weril Trombone Ensemble.Vencedores do Prêmio Weril Eventos . Em 1997. desde que citada a fonte. como Radegundis Feitosa. Hoje. Esse instrumento certamente proporcionará ao músico mais alegria e melhor desempenho na execução” Olavo Henrique de Vasconcelos (PE) “Tive que rir sozinho ao ler aquela do Angelino Bozzini. na edição 139. O motivo de nosso orgulho vai muito mais além. Radegundis Feitosa. que voltam na próxima edição.br Projeto gráfico. formado por renomados instrumentistas brasileiros. a empresa lançou a semente de um sonho: oferecer oportunidades para os jovens talentos e revelar ao Brasil grandes promessas da música instrumental.EDITORIAL Caro Leitor. Renato Farias. não poderíamos deixar de prestar uma merecida homenagem a Arthur Weingrill. 7 e 8 desta edição. Era o Prêmio Weril para Solistas de Instrumentos de Sopro que nascia. Conselho Editorial: Angelino Bozzini. ÍNDICE 4 Efeito Sonoro – Novos sax Weril Papo com o Mestre – Idriss Boudrioua Especial . É a homenagem da Revista Weril aos mestres de banda. diagramação e editoração eletrônica: Yvonne Sarué Design Tiragem: 32.500 exemplares As matérias desta edição podem ser utilizadas em outras mídias ou veículos. E quando o assunto é incentivo à música instrumental brasileira. Weril Trombone Ensemble em apresentação ao chegar no Brasil: presença do também trombonista Renato Farias E 6 ste é um momento muito especial para nós. Gilberto Siqueira. que comemoram seu dia em 11 de julho.Os lançamentos que agitaram a noite 5 9 11 10 15 Música Viva – Um dia musical com o naipe de sopros do J. como você vai acompanhar nas páginas 6. Sílvio Depieri Editora: Aurea Andrade Figueira (MTb 12. Quest Dicas Técnicas Todos os tons – Gírias musicais Entrevista – Chiquinho Oliveira 16 REVISTA WERIL é uma publicação bimestral da Weril Instrumentos Musicais Ltda. quando ele escreve que o estômago também faz música: ronca. Continuem enviando-me esta boa literatura” Antônio Nunes de Araújo (SP) “Que as dificuldades do dia-a-dia que uma empresa nacional enfrenta nunca venham a desanimar e fazê-la desistir. confira no expediente nosso endereço e e-mail. Marcelo Bam Bam e o Quarteto de Trombones da Paraíba. no Festival Internacional de Trombones 2002. Se você também quer entrar em contato conosco. 926. pois os brasileiros são carentes da cultura que a Revista Weril nos traz” Rodrigo Nascimento (SP) A Revista Weril agradece todas as correspondências recebidas. Mônica Giardini. excepcionalmente. Nelson Eduardo V. temos segurança em afirmar que o objetivo foi plenamente alcançado. A empresa está vivendo um momento bastante especial também fora do país. Weingrill Diretor. É um momento marcante para todos nós e um grande avanço tecnológico para o país” João S.Redatores: Mônica Ranieri.Redação e correspondência: Em Foco Assessoria de Comunicação . “Eu Recomendo” e “Fique de Olho”. da Weril. Dalmário Oliveira. apresentados na edição passada. Quero parabenizar a equipe da Weril por conceder-me a liberdade de escolha entre as 40 novas opções de trompetes. sem dúvida. deixamos de publicar as seções “Por Estas Bandas”. uma matéria técnica especialmente dedicada às bandas e fanfarras. no Texas. Nelson Lourenço e Rafael Argemon Fotos de capa: Marcelo Breyne e Beatriz Weingrill . Renato Paes de Barros. A receptividade do público e a excelente performance do grupo. que completaria 100 anos de nascimento em 2002 e que foi. São Paulo/SP 04530-001 e-mail: revista@weril. um dos precursores desse concurso.333) . Martins (SP) “Parabenizo a Weril pelo lançamento do trompete triunfal em Sib. Não apenas por que colocamos no mercado uma série de lançamentos – como a linha de saxofones Spectra II e os novos trompetes. concluída sua quinta edição.com. 10 2 05/2002 06/2002 . “Intercâmbio”.

de ampliar a cultura musical e consolidar a arte de fabricar instrumentos musicais no país. Arthur. foi uma obra do destino E m uma década tão conturbada quanto a de 30. começou a incorporar as mais modernas tecnologias. Arthur Weingrill. e foi além do que o pioneiro Pedro Weingrill imaginara. e com muitas incertezas. Sua obra frente à empresa e a mensagem de luta e vanguarda. Formado em contabilidade – era um “guarda-livros”. Arthur Weingrill faleceu. ele comemoraria 100 anos em março. lembra viva até hoje. seguindo e aprimorando a filosofia instituída por seu pai. Como grande entusiasta que era. foi um incentivador da produção nacional. não se abatia”. que montava a primeira sede da empresa. com os ânimos exaltados graças à Revolução Constitucionalista. um homem de visão e mente aberta. assistindo ao nascimento do sonho de seu pai. começou a trabalhar na Weril. “Ele era reconhecido pela sua viSua obra frente à empresa permanece são e tenacidade”. como os saxofones e as clarinetas. o filho. que herdara de seu pai o tino visionário para os negócios. Nascido em 1902. inicialmente toda artesanal. até então só disponíveis como produto importado. implantando a fabricação de diversas linhas de instrumentos. Nelson Weingrill. em cada instrumento “Mesmo nos momentos fabricado pela Weril mais difíceis. no entanto. Arthur Weingrill. que completaria 100 anos em 2002. permanecem vivas até hoje. assumiu a administração da Weril. em cada instrumento fabricado pela Weril. aos 78 anos. Aprendeu desde cedo a amar e respeitar a música. revista 3 3 15 .PERFIL Ele viveu para a música Com sua visão. em São Paulo. foi um dos principais responsáveis pela perpetuação da marca e pelo apoio à música e ao músico brasileiro A música foi mais que uma opção. correspondeu às expectativas. Em 1980. Sua confiança no Brasil e em sua capacidade de trabalhar e superar dificuldades ajudouo a impulsionar a fábrica para a posição que ocupa hoje. e logo compreendeu que caberia a ele manter viva esta tradição na fabricação de instrumentos musicais. Aos 12 anos. completa. com a chegada da 2ª Guerra Mundial. Sua produção. como se costumava dizer na época. no centro de São Paulo.

A 972 Conjunto campana-curva destacável 4 06/2002 . O resultado foi um instrumento que respeita as características de porte físico do saxofonista brasileiro.EFEITO SONORO Nova paixão A 932 D epois de muitas novidades em trompetes. um alto e um tenor. Gerson Galante. Da mesma forma. que avaliaram os protótipos dos instrumentos e fizeram observações através de fichas. Carlos Malta. têm novo posicionamento. Bolão. por exemplo. as inovações na linha Spectra II trazem um projeto acústico que garante resposta rápida e total controle da afinação. Ivan Meyer. também estão mais anatômicas. Dilson Florêncio. Além dos avanços na mecânica. ficando ainda mais alinhadas.Ré. As alterações foram realizadas com base em um comitê formado com saxofonistas de diversas regiões do Brasil. Os novos modelos têm design e disposição diferenciada das chaves. chegou a vez dos saxofonistas! A Weril acaba de lançar no mercado dois novos modelos de saxofones. na medida para propiciar ao músico ainda mais conforto e excelente sonoridade durante a execução. Idriss Boudrioua. com mecânica e recursos que possibilitam seu acionamento de forma bastante confortável. Goio Lima e Demétrio Lima. As chaves do Sib. e os pontos comuns. Estas fichas foram analisadas pela equipe de desenvolvimento. como Silvio Depieri. Ré # e Fá. incluídos na nova linha.Vitor Alcântara. as “três marias” . permitindo mais agilidade ao tocar. Lá # e Mi. Detalhes que farão o músico se apaixonar. Eduardo Pecci. Chico Sá.

“É muito importante para o músico acostumar-se. avalia o saxofonista. Fotos: Beatriz Weingrill F rancês radicado no Brasil há 20 anos. que obteve cotação máxima da crítica do jornal O Globo com seu novo CD. A sonoridade agradou muito ao mestre. Gagliardi revista 5 . fica sete horas seguidas estudando. para se desenvolver no instrumento. um belo dia. até se libertar. a coisa sai. “Tem gente que fica três dias sem tocar nada e. segure-o de “mão cheia” para encaixá-lo. é fundamental. por exemplo. além de um bom instrumento. Uma dica de Idriss: na hora de montar a chave do tudel. É preciso continuidade. Não é na primeira vez que ele vai conseguir fazer isso. o saxofonista e professor Idriss Boudrioua experimentou e opinou sobre a nova linha Spectra II. ensina. repetir a seqüência em todos os tons.PAPO COM 0 MESTRE “Tocar deve ser algo natural” lidades. “Joy Spring”. sempre. A mão não precisa fazer esforço algum”. Após a visita. Tem que saber articular. Além disso. Estudar todos os dias. com atenção especial para as inovações na mecânica do instrumento. a gente não pensa que está falando. “O posicionamento das chaves de cadência ficou excelente. evita-se que fique com folga e comprometa o som”. tocar uma música ou uma frase. ninguém iria entender nada do que falo. O cubano Jorge Ceruto testa um dos modelos da linha de trompetes Regium O saxofonista Rodrigo Bento. no quarto. E manter a cabeça aberta para as inovações”. estudar articulações. não vamos conseguir tocar com a mesma naturalidade. Quest esteve na fábrica de Franco da Rocha para conhecer o processo de produção dos instrumentos. É necessário seriedade”. aconselha. “Assim. mesmo que seja somente por hobby. Uma hora diária de dedicação e. Quest visita a fábrica O naipe de sopros do J. eles deram uma pequena mostra de seu talento. Tudo o que for feito. sem exagerar na quantidade. mais para dentro. no acabamento e nas sapatilhas. ao fazer um exercício. acredita o mestre. fica mais fácil entender a importância disso: quando a gente fala. os músicos passaram a tocar com instrumentos Weril. fazer em todos os tons. durante seus estudos. Se fizermos uma analogia. no show room. Em tempo: desde a visita. Para ajudar a desenvolver a técnica. O mesmo vale para a música. o músico também precisa ter algumas coisas em mente para obter rendimento máximo. É a mesma coisa para tocar saxofone: se não estudamos a técnica com empenho. Segundo Idriss. enquanto montava a chave do tudel do novo Spectra II Antonio Cirilo (Toninho do Trombone) com seu trombone G. Outro faIdriss Boudrioua tor que vale a pena ser consideexperimenta o novo rado: se eu não articulasse para sax alto Spectra II falar. o músico recomenda que se estude sempre em todas as tona- PN EA RW FE RI I LL J. frases em todos os tons. também mereceu destaque o aprimoramento no material.

Cerca de mil espectadores foram ao Municipal torcer. e Nelson Eduardo Weingrill: após meses de expectativa. falecido no ano passado. “Foram dias de muito trabalho. e do trompetista Sérgio Cascapera. Nelson Eduardo Weingrill. com a Banda Havana Brasil.P E ES PR E FC I AL L A grande final do Prêmio Weril ma noite memorável. Outro momento marcante foi a homenagem prestada pela empresa ao maestro Gilberto Gagliardi. em especial à música que executei. o que endossa a importância do evento. realizada este ano no Theatro Municipal de São Paulo. aliás. vem revelando novos talentos para a música instrumental brasileira. um quadro com a representação de um trombone. que. repleta de virtuoses. com toda a pompa que o evento merece. O evento foi apresentado pela global Chris Couto. completa. o mais emocionante foi realizar o Prêmio em um lugar com uma importância histórica como o Theatro Municipal. esta foi a quinta edição do Prêmio. abre caminhos e oferece oportunidades a jovens que pretendem ingressar em uma carreira cheia de emoção”. Só sei que pretendo utilizar parte do dinheiro que recebi para fazer uma especialização fora do país. presidente do conselho da Weril. acompanhar a apresentação dos dez finalistas e também conferir o show que antecedeu o anúncio dos vencedores. daqui pra frente é que vou definir as músicas” Carlos Augusto de Freitas. o primeiro colocado. Kátia. que brindaram os presentes com música da melhor qualidade. foi a tônica da festa. Ficamos felizes por saber que a Weril. recebeu das mãos de Nelson Weingrill. desde 1996. muita dedicação. logo após a entrega dos prêmios. Talento. é anunciado o grande vencedor do Prêmio Weril 6 06/2002 . trombonista de 23 anos. foi no centro de São Paulo que a própria história da Fotos: Beatriz Weingrill Dez jovens músicos brilham em suas apresentações no Theatro Municipal de São Paulo U Weril começou”. sinceramente. com este Prêmio. e teve a direção artística do maestro Julio Medaglia. afirmou o diretor-superintendente da empresa. instrumento que consagrou o mestre Gagliardi. Foi tanto estudo que deixei de pensar no que faria se fosse o vencedor e. ao lado da emoção que tomou conta dos participantes e do público. do saxofonista Idriss Boudrioua. não esperava ganhar. Afinal. Assim foi a grande final do Prêmio Weril para Solistas de Instrumentos de Sopro. Segundo ele. Nas próximas páginas. do trombonista Wagner Polistchuk. de Jundiaí (SP) Carlos Freitas. 1º lugar. saiba quem são os vencedores do 5o Prêmio Weril e confira os momentos mais importantes da finalíssima. Ele compôs o júri do Prêmio ao lado do clarinetista e saxofonista Eduardo “Lambari” Pecci. “Esta edição atingiu um nível excelente de participantes. “Além disso. Sua filha. Quanto à gravação do CD.

ficou em segundo (R$ 5 mil e o instrumento Weril). e toda vez que olhava para ele dizia para mim mesmo: `Vou estudar que um dia eu chego lá´. o A tarefa de classificar os três primeiros colocados do 5o Prêmio Weril não foi nada fácil para o júri. pequenos gênios da música. como o Theatro Municipal. Me lembro muito bem que pendurei o regulamento anterior do Prêmio na parede do meu quarto. Porém.” O bombardinista Rafael Dias Mendes “Como trombonista. O concurso é um detalhe. uma vez que o instrumentista brasileiro vem demonstrando que está em busca do aperfeiçoamento. Mas estou muito satisfeito com o segundo lugar. E são talentos mesmo. trompetista.” O trombonista Carlos Augusto de Freitas foi o primeiro colocado e recebeu R$ 8 mil. Quando da entrega do 4º Prêmio. com esse espírito que não é de competição. e ouvindo esses meninos. Foi uma honra tocar em um evento dessa importância. mesmo admitindo o alto nível dos participantes. que recebe o troféu das mãos do sr. ficando com o terceiro lugar. tinha 14 anos. trombonista (na foto. o instrumento Weril utilizado na final e a gravação de um “CD dono da noite master”. afirmou. o bombardinista Rafael Dias Mendes completou o pódio. que só farão enobrecer a música brasileira. Roberto Weingrill “Estou realizando um sonho ao participar pela primeira vez do Prêmio Werill. o espetáculo proporcionado pelo Prêmio é um sinal de “vida inteligente no cenário cultural brasileiro”. um prêmio de R$ 3 mil e o euphonium com o qual se apresentou. entre outros instrumentos.o primeiro da direta para esquerda. Agora é continuar me dedicando para a próxima edição. mas de mostra do talento. Na opinião do maestro Julio Medaglia. mas decisão do júri foi unânime “Foram muitas horas de estudo antes de chegar até aqui. revelou o maestro Julio Medaglia. o sonho tornou-se realidade. É a segunda vez que sou finalista desse prêmio e fui sorteado para ser o primeiro a se apresentar. essas vocações aflorando. Medaglia observa que o Prêmio melhora a cada ano. Alto nível dos concorrentes dificulta a escolha. de fato.” Tiago Francisco Naguel.integrando a Banda Havana Brasil) revista 7 . Na época.Tiago Francisco Naguel. “Já havia sido difícil a escolha dos dez melhores que viriam para a final”. integrante do conselho da empresa.Trombone. “A Weril é um exemplo raro de empresa que alimenta a indústria cultural de uma forma que. Hoje. clarineta e saxofone. assisti a cerimônia.” Matias Capovilla. o que importa é mostrar o trabalho. beneficia o músico”. “Tínhamos pelo menos 20 concorrentes que poderiam estar perfeitamente neste evento”. Testemunha dos grandes momentos de nossa música. o que aumentou o nervosismo. o diretor artístico do Prêmio acrescentou: “A decisão sobre o vencedor foi unânime. Com 17 anos. me sinto gratificado. meu universo é o sopro. esse desejo em se desenvolver em barítono. enfrentar o grande público em um lugar que tem toda uma magia. Recebeu de Neide Weingrill. recorda-se ele. futuros profissionais da melhor qualidade.

Mas não sou enérgico. aliás. p/ dir. Sérgio Cascapera. E o Prêmio? O sr. considera que a disciplina utilizada no ensino da música pode ser comparada com as exigências de um técnico de futebol com seus jogadores. é como se fosse um filho. ainda não pensei sobre como vou utilizar a passagem. transportando seus princípios de disciplina para que meus alunos os utilizem também na música. São eles. da direita para a esquerda: André Gustavo Dalvio Gonçalves. Na hora da apresentação. professor do primeiro colocado. entregou uma passagem simbólica a Marcos. utilizou com seu aluno. esperava recebê-lo? Não.Aplausos também para o Mestre O professor Marcos Shirakawa recebe a premiação Marcos Shirakawa. Lambari. É uma carreira que estamos começando a construir juntos. utilizo muito o esporte como exemplo. trompetista Nelson Weingrill entrega a Kátia Gagliardi. Jurados: da esq. Acredito que é assim que conseguimos alcançar conquistas como essa. a homenagem ao maestro Chris Couto. O professor se projeta no aluno? É como se ele fosse um filho? Com certeza. não esperava.. após a premiação. retorna ao palco para o 5º Prêmio Weril 10 8 05/2002 06/2002 . Além de ver seu pupilo ganhar. Idriss Boudrioua e Wagner Polistchuk O Theatro Municipal lotou para a entrega do Prêmio Além dos três primeiros colocados. procurando incentivar ao máximo os estudos e a capacidade de desenvolvimento da musicalidade. recebeu. fico mais nervoso que eles. trompetista Marcio Alexander Schuster. primeiro trompete da Osesp e mestre vencedor do último Prêmio. Por isso. concedeu esta entrevista: Qual o método de ensino que o sr. filha do mestre Gilberto Gagliardi. uma passagem aérea para os Estados Unidos ou Europa O professor do trombonista Carlos Freitas teve dupla motivação para comemorar o resultado do 5o Prêmio Weril. tubista Maico Viegas Lopes. como Prêmio Especial ao Mestre. que já havia apresentado a edição anterior. deixo o aluno à vontade. como preparação para o Prêmio? Usei vários métodos. que. Os alunos. O sr. outros sete músicos participaram da final do Prêmio Weril e receberam um instrumento com a marca da empresa. Gilberto Siqueira. como Prêmio Especial. saxofonista Ronan Estima Moris. ele conquistou uma passagem aérea para os Estados Unidos ou Europa. saxofonista Geisa Cerqueira Felipe. Certamente. posso ser considerado “paizão”: sou bem amigo. outras vezes “paizão”? Por incrível que pareça. Julio Medaglia. não têm nem idéia do que passamos. às vezes enérgico. trompista Francisco Alves de Macedo. flautista Luiz Ricardo Serralheiro.

ao piano.EVENTOS Festade Sons O Theatro São Pedro se encheu de música e magia durante o lançamento da nova linha Regium de trompetes. no sax e na clarineta. em parceria com a Weril. acompanhados de Proveta. A Banda Mantiqueira foi a responsável pela ótima trilha musical. como Márcio Montarroyos. e o violinista Yamandú Costa. Edson. em que a platéia pôde conferir de perto toda a sonoridade e avanço tecnológico da nova linha Regium. O encontro entre Paulo Moura e Yamandú recebeu elogios da crítica especializada Fotos: Beatriz Weingrill Trompetes: coro inédito Da esquerda para a direita: Márcio Montarroyos. algo nunca antes visto em palcos brasileiros. o líder da Mantiqueira. Outra estrela da noite foi Gilberto Siqueira. Chiquinho Oliveira e Quinzinho Oliveira. Para apresentar os novos saxofones Spectra II. primeiro trompete da Osesp. ainda se apresentaram grandes feras de nossa música instrumental. Quinzinho e Chiquinho Oliveira Gilberto Siqueira foi o mestre de cerimônias no Theatro São Pedro Toda a classe da Banda Mantiqueira durante o lançamento dos novos saxofones revista 9 15 . um dos mais charmosos espaços para apresentações de jazz em São Paulo. a Weril escolheu como cenário a tradicional casa de espetáculos Bourbon Street. composta por instrumentos Weril. Além do coro com 14 trompetes triunfais. Os presentes ainda puderam ouvir um encontro antológico: Paulo Moura. que ele próprio. ajudou a desenvolver. Acompanhado de seu filho. ele comandou a festa.

Além disso. do Contorno. estojos. Andando alguns quarteirões. misturando influências tradicionais do gênero com a música brasileira e o jazz fusion americano do Yellow Jackets e Brecker Brothers. Sta. sr. ali é possível em BH adquirir discos difíceis de encontrar. 70. As atrações são as mais diversas. executando peças como Concertino da Câmara. 3301. Quest. entre outros produtos. Só para deixar o leitor com ‘água na boca’. desde a Orquestra Sinfônica da Universidade e grupos de câmara. 151. Tupis.R. que possui um dos melhores acervos de material raro. palhetas. Rodrigo Bento e Jorge Ceruto. está a tradicional Casa Lira. e os vendedores estão sempre dispostos a orientar o músico da melhor forma. a sugestão para a noite é ir ao Café do Sol para ver o show da cubana Teresa Morales.telefone: (31) 3222-0046 Café do Sol . Centro (próximo ao Othon Palace Hotel) . Antônio Carlos. métodos nacionais e importados e programas de computador.telefone: (31) 3499-4700 Da esquerda para direita: Rodrigo Bento.Av. Centro . O atendimento é excelente. 6627. Olegário Maciel. Campus Pampulha . “Não se pode falar de música na capital mineira sem obrigatoriamente citar a loja A Serenata como referência. que vende instrumentos de sopro e também oferece serviço de manutenção. A Serenata também está presente na vida cultural da capital mineira.UFMG. Wilson Lira. no interior do chamado ‘Mercado Novo’. no Mercado Novo.Av. Lá. percussão e ´canjas´ de instrumentistas de sopro. às terças-feiras. uma excelente opção é a Discoplay. incluindo o nosso naipe de sopros do J.Av. VHS e DVDs dos mais variados.PM EÚ SR I F C I A L V I V A Um dia musical sta edição traz as dicas para quem está ou vai à capital mineira consumir música. Toninho do Trombone e Jorge Ceruto 10 05/2002 10 06/2002 . sob o nome de Havana Clube. E como músico que é músico não abre mão de assistir uma boa apresentação ao vivo. Ifigênia . conduzida pelo trombonista Paulo Lacerda. que oferece uma programação rica e variada em seu auditório. no Campus da Pampulha. Centro . Para encontrar CDs. do porte da Gerais Big Band.telefone: (31) 3463-8989 Auditório da UFMG . shows e workshops com instrumentistas de categoria nacional e internacional.telefone: (31) 3271-1313 Casa Lira . no centro da cidade. 742 loja 1061/1062. Olegário Maciel. que. Quest: Toninho do Trombone. liderado pelo saxofonista e professor Dílson Florêncio. de Jacques Ibert. e seus filhos.telefone: (31) 3271-9082 Discoplay . Quem indica os melhores lugares é o pessoal do naipe de sopros do J. bocais. como o ótimo Minasax. Aproveite a oportunidade para bater um papo com o proprietário. como o da banda Black Rio e de Branford Marsalis. até big bands. boquilhas. o músico irá encontrar instrumentos. que têm uma conversa sempre agradável. A cantora interpreta clássicos da música latina acompanhada por teclados. Uma opção para curtir música de qualidade e de graça em Belo Horizonte é a Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais .R. patrocinando eventos. Cláudia e Clauzir.” Conheça as sugestões do naipe de sopros do J. Quest e aproveite seu dia em Belo Horizonte E SERVIÇO A Serenata . se revela em uma banda de autêntica salsa cubana.

uniformemente e com leveza. Observe que para o agudo deve-se obter maior velocidade da coluna de ar para compensar o estreitamento dos lábios.. A pressão dos lábios nos exercícios ascendentes e descendentes deve ser controlada. observe o movimento da parte de trás (dorso) levantando levemente em direção do céu da boca. para que você obtenha grandes resultados. Semínima = 60 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ revista 15 ○ ○ ○ . Uma das dificuldades é a dúvida sobre a melhor maneira de estudar. Nunca esqueça do combustível (o ar). Não basta estudar. Fazendo este exercício no bocal você perceberá esse movimento facilmente. Nesta explanação serei o mais didático possível. O objetivo principal deste exercício é a função da língua.ICHI. Nesta primeira fase os exercícios ao lado devem ser tocados com andamento lento. tem que perseverar Quinzinho Oliveira* ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ M uitos estudantes. Nos primeiros exercícios estudaremos acordes maiores em tríades.. e a capacidade do ar. para que o controle desses membros seja alcançado. não desfrutam dos recursos e efeitos que a flexibilidade pode lhes proporcionar. uma vez que geralmente os exercícios não possuem uma didática passo a passo. passando pelas sete posições do instrumento. e até mesmo músicos profissionais. Os primeiros exercícios foram elaborados para desenvolver a ação dos lábios. a parte de trás da língua (dorso). assim os lábios ficam mais relaxados para fazer o seu papel naturalmente. Antes de se exercitar no instrumento. treine articulando.○ ○ ○ ○ DICA TÉCNICA 58 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Estudos de Flexibilidade: estudar. UOÓAEÉI.

de Walter M. Tenha cuidado para não ir além de sua capacidade e causar qualquer tipo de lesão nos seus lábios! É importante que você pratique todos os dias.com 10 05/2002 . Estude os exercícios pausadamente e procure forçar gradativamente as regiões mais agudas. de Max Schlossberg e Arbans. é recomendável um andamento lento nas regiões grave e média do instrumento. professor e regente da Banda Musical do Colégio Termomecânica. estudaremos também intervalos de quinta até oitavas. Contato: quinzinholiveira@globo. Com a prática das duas primeiras fases. A flexibilidade.: Em todas as fases. afinação e muito mais. além de melhorar o legato. arranjador. Todos os exercícios foram feitos e pesquisados em três grandes métodos: Lip Flexibilility. você pode estudar até o limite de sua extensão. os exercícios exigirão um pouco mais. Na terceira fase. equilíbrio. Nesta fase. Daily Drills. de forma que o estudante adquirirá resistência. aumenta a resistência da musculatura envolvida nesta prática. nestas regiões. os intervalos são mais espaçados. certamente você terá maior controle e clareza no decorrer dos estudos. *Quinzinho Oliveira é trompetista.Nos exercícios seguintes exercitaremos duas oitavas. Semínima = 60 Além dos intervalos de terças praticados nas lições anteriores. sincronismo. Obs. continue com andamento lento. Smith. porém nunca esquecendo que os resultados de qualquer estudo vêm como o gotejar de uma nascente: você nunca imaginaria que dela grandes rios se formam. em São Bernardo do Campo (SP).

a colcheia deve . Por exemplo. e ainda por ser uma frase de caráter ascendente. enfatizando pulexecutada. ou seja. são normalmente tocadas com acentos longos. e ainda com uma silabação macia. Os acentos serão melhores realizados mais com a pressão da coluna de ar do que com ataque pesado da língua. no jazz e em mesmo ser regular deve outros ritmos latinos. ser executada Aconselho maestros e chefes de naipe a anotarem todas as articulações necessárias e apropriadas nas partituras. > deve ser marcado como [ ]. conectadas e com a pronúncia apropriada. (soft) como “DU”. Apenas recentemente os arranjadores começaram a aceitar esta notação como padrão. O problema básico nas bandas e fanfarras é o método de ataque. formato MP3 no meu site na web. definição exata das articulações. ele é considerado correto em ambas as maneiras. ○ ○ Notas ligadas dentro do compasso. O acento marcato [^] deve indicar: mais pesado e mais longo do que uma colcheia. a precisão de tocar staccato e a habilidade de executar um belo legato. Os acentos não devem ser exagerados. O acento longo. Exemplo 8 ○ ○ ○ ○ ○ ○ As marcações em legato (exemplo1) freqüentemente não são usadas no senso tradicional. Portanto. Ambas as notações são guinte maneira inadequadas. Os músicos freqüentemente reforçam o acento da pressão da coluna de ar com um suave ataque de língua. imprescindíveis quando executadas em naipe. para a perfeita definição do estilo a ser executado. ou sobre a barra do compasso são acentuadas e tocadas com valor integral. representa sação ternária.br Exemplo 1 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Análise técnica dos problemas constantes Maestro Beto Barros* ○ ○ ○ ○ ○ ○ H Tem existido alguma confusão entre os maestros com relação ao tamanho e interpretação das anotações de acento. as colcheias com swing.www. a não ser que outra indicação exista. ou do que uma semínima staccato. tocar as notas suavemente sustentadas. Veja o próximo exemplo. Exemplo 9 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ revista 15 ○ ○ ○ . Um acento com pressão da coluna de ar é mais efetivo do que um acento pesado de golpe de língua. que recebe o valor integral da nota. Alguns escritores preferem indicar da se. O fraseado deve possuir precisão rítmica. mas para definir o comprimento da frase. no qual venho atuando como jurado há algum tempo.com. Nosso sistema ocidental de notação rítmica não é adequadamente equipado para tratar com a complexidade de ritmos de jazz derivados da África e ainda das influências latinas da música popular de várias etnias. quando propriamente . deverá ter um natural e suave crescendo. a colcheia regular . Vamos agora dar uma olhada em vários exemplos de articulações que também estão disponibilizados em áudio. silabação adequada (pronúncia) e definição do estilo. e o pequeno e pesado acento ^ deve ser anotado como [ ]. mas outros tópicos serão publicados nos próximos meses. Exemplo 2 Exemplo 3 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ No estilo “swing” (popular não clássico). Este tipo de frase no estilo swing deverá ser atacado (língua) levemente. todo final de frase normalmente deve ser cortado. A colcheia swingada. que agora se fundem e desembocam em um formidável caldeirão multicultural do século XXI. Esta abordagem funciona melhor na interpretação do Exemplo 6 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ As semínimas com grande exposição no tempo fraco geram sincopas e devem ser acentuadas como no Exemplo 7 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Colcheias com ligadura sobre a barra de compasso e ligadas às notas com valor maior do que colcheia. no estilo clássico.hpg. a não ser que exista outra indicação. freqüentemente escritas como colcheias regulares .○ ○ ○ ○ DICA TÉCNICA 59 Bandas e Fanfarras: ello everybody! Esta matéria técnica aborda os problemas costumeiros que tenho observado no acompanha mento do Campeonato de Bandas e Fanfarras da Secretaria da Juventude do Estado de São Paulo.betobarros. e por esta razão as grades (os scores) devem ser estudadas com atenção e mudadas quando necessárias. Exemplo 5 ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ As colcheias mais altas no pentagrama devem ser normalmente acentuadas como no exemplo acima. Os assuntos que devo abordar nesta e edição é Fraseado e Articulações. no entanto.

mas ela é. a escolha apropriada irá depender do estilo. Exemplo 18 A seguinte figura poderá ser corretamente articulada em várias maneiras diferentes. Contatos para cursos e workshops: (11) 3257-7385 e 3151-4047 ou betobarros@ieg. (veja tabela geral de articulação no final dessa matéria) criando pequenos intervalos entre cada semínima (ex. mas com o cuidado de não atrasar ou arrastar o andamento: é muito importante manter o tempo.br . particularmente nos andamentos lentos e moderados. Os crescendos geram uma pequena tensão e os decrescendos geram.Colcheias ligadas sobre a barra de compasso a outra colcheia poderão ser articuladas de duas maneiras. é aconselhável adicionar um suave crescendo. Esta técnica é similar àquela descrita no exemplo acima. Exemplo 19 Semínimas no estilo swing são freqüentemente tocadas curtas com o acento marcato. 12b). Regentes. então um suave crescendo será benéfico e vice-versa. todavia. Exemplo 14 No sentido de gerar interesse e movimento em notas longas. Veja o exemplo a seguir: Exemplo 16 Uma articulação apropriada para a segunda colcheia é dependente do que virá após esta mesma figura. proceda do seguinte modo: interrompa a nota na última ligadura do tempo forte. pois eles tenderão a apressar os tempos fortes. Exemplo 17 Escrito Tocado Crescendo e decrescendo. um meio de sucesso para limpar o problema em uma banda com pouca experiência. Exemplo 11 Para se ter certeza de um limpo e preciso ataque no tempo fraco. devem ser adicionados e seguir contorno natural das linhas melódicas. ao contrário. um relaxamento da frase. elas podem também ser interpretadas com acentos longos e “quedas curtas” (short falls). Exemplo 12 Uma série de semínimas que aparecem consecutivamente no tempo fraco são freqüentemente tocadas curtas (exemplo 12a). Exemplo 13 Escrito Tocado Shakes são freqüentemente seguidos por uma colcheia no tempo fraco. É uma grande idéia instruir o estudante a tocar com caráter “para trás” (lay back). Estas nuances não devem ser muito evidenciadas e devem parecer naturais. Os alunos deverão ser instruídos para esperar por cada tempo. A porção final da nota ligada deverá ser considerada como pausa. Exemplo 20 Aguarde o complemento desta matéria na próxima edição * Maestro Beto Barros dirige sua própria empresa de produções artísticas e culturais. Exemplo 10 Exemplo 15 ou Uma figura rítmica muito comum que aparece sempre no tempo primeiro ou terceiro é no estilo de swing. Ela deverá ser articulada dos seguintes modos. que normalmente possuem um caráter estacionário. com valor de colcheia. Se a linha sobe na tessitura. dependendo do estilo e das frases precedentes e subseqüentes. e não deverá ser sempre desejada. precedida por uma longa nota ligada.com. O ataque da colcheia pode ser mais preciso se parar o Shake no tempo forte ao invés do tempo fraco. quando são indicados. todavia. atenção aos músicos com pouca experiência. Veja o áudio em mp3 no site na web. No estilo rock é normalmente articulado do seguinte modo.

Não importa o estilo. grupo ou mesmo “tribo”. conta Samuel Hamzem. Mandar o Lima: quando o músico não pode ir a algum ensaio. Ex. diz. significa tocar qualquer nota. e completa: “Na música erudita. movimenta-se pouco. maestrina da Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo. “É comum ‘batizarmos’ um jeito. Tocar notas ao luar: diferente de tocar notas chinesas. existem muitos termos que só pessoas habituadas ao mundo da música. sendo incorporadas. diz que “mandou o Lima”. Dobrar: gravar o mesmo instrumento em diferentes canais. Ficar rodando: ensaiar somente um trecho da música repetidas vezes. Diz-se que o tal saxofonista “toca com uma orelha só”. como o da música erudita. conhecem o significado. de tão usadas. Toreriroré: significa que o maestro quer uma escala ligada. C omo toda classe. significa que não irá comparecer no dia seguinte e que no dia tocou sem compromisso. Papapapá: gíria para a quinta sinfonia de Beethoven. conta Carlos Malta. seus maneirismos e peculiaridades de vocabulário. Protoolzada: alusão ao programa de computador Pro Tools (ferramenta muito utilizada em estúdios para edição e mixagem de músicas). perfeito. Entrar de bunda: entrar errado na música. que significa que ele quer uma escala ligada”.: flauta groove): tocar mais “martelado” usando mais percussão em instrumentos que não são de percussão. como quando o maestro pede um ‘toreriroré’. revista 15 . um efeito ou até mesmo um erro cometido repetidamente com o nome do músico que costuma fazê-lo”. e as pessoas do meio passam a se comunicar muito através delas”. a utilização de gírias faz Fique por dentro do que rola na “boca dos músicos”: DENTRO DOS ESTÚDIOS E NA NOITE Amanhã eu passei ontem porque hoje foi canja: usa-se prevendo o amanhã. diz a maestrina. Groove (junto com o nome de alguns instrumentos. Quebrar tudo: tocar muito bem. Tocar com uma orelha só: músico de estúdio que grava com um só ouvido no headphone. temos também algumas expressões que. Pompompompompom: significa que o maestro quer uma escala “nãoligada”. ou seja. MônicaFreire: dicas para gravar seu próprio CD Léa Giardini. “Elas vão surgindo.Na boca do músico T O D 0 S O S T O N S As peculiaridades de linguagem utilizadas no estúdio e na orquestra parte do dia-a-dia. dando a impressão de que vários instrumentos estão tocando ao mesmo tempo ou em tempos quase iguais. especialmente no segmento da música popular. mas alguns jargões são clássicos. o meio musical também tem suas gírias próprias. O termo é usado para o músico que precisa dar uma afinada ou mesmo melhorar seu ritmo. PPP: esta sigla serve para quando o músico deve tocar ‘super pianinho’. É o caso das gírias baseadas em nomes de pessoas. Mesmo em ambientes mais sisudos. trompista da Osesp. também existem algumas particularidades de linguagem. conhecido saxofonista da noite carioca e renomado músico de estúdio. Segundo ele. mas a critério do próprio músico. Tocar notas chinesas: tocar notas erradas. ninguém apareceu. faz coro com Samuel. “Não é muito freqüente. NAS ORQUESTRAS Bailarino: é quando o maestro movimenta-se muito e chega até a dançar. popular ou clássico. Regência Robô: é quando o maestro é muito duro. Asfrar: errar na execução de uma música. e ao próprio estilo. se transformam em hábitos”. que atualmente integra a banda do cantor Gilberto Gil. Diz-se que o músico “asfrou” naquela parte da música. afinado.

The Lyre Studio & Produções. ou Chiquinho Oliveira. diz. . fé e dedicação também são essenciais. as combinações de chaves. Com o tempo. é importante ouvir muita gente. afinação. Entre os saxofonistas. Abri os olhos e vi o Jô. Revista Weril: O que julga necessário para o músico se sobressair? Chiquinho Oliveira: Muita gente diz que é uma questão de sorte. com aquela cara de quem não está entendendo nada. spots. Quincy Jones. estilo próprio. Além disso. Trompete é um instrumento muito difícil. RW: Quais os músicos que mais influenciaram sua carreira? CO: Foram muitos. Tem que ouvir de tudo. é preciso autocontrole e vigilância constante. Falando assim parece fácil. mas acredito que. a performance. além de não-convidativo. como é conhecido. pois toca-se uma nota por vez. Todos pararam de tocar e só eu fiquei lá. “Desde a primeira vez que ouvi o trompete. tocava os temas e saia improvisando. durante muito tempo. faz parte da Big Band Metal Manera e realiza trabalhos de produção e gravação de jingles. que são a base para qualquer um que se disponha a seguir carreira como músico. relaxado. trilhas e CD em seu estúdio. RW: Quais as dificuldades de se tocar em um programa de entrevistas? CO: O mais importante é ter muita concentração. mas houve até um momento em que pensei em desistir. interior paulista. me olhando. como as das cantoras Elba Ramalho. improvisando. Chiquinho Oliveira: autocontrole para não rir das piadas Em 1988. seu contato com a música começou cedo. cito dois: John Coltrane e Charles Parker. Um dia me empolguei. Atualmente. todos os trompetistas e também outros instrumentos musicais. e com certeza não dá para citar todos. Chet Baker. Além de compor o Sexteto do Jô desde 1999. fechei os olhos e não prestei atenção na hora em que o Jô deu o corte. estudando. RW: Lembra-se de algum caso ocorrido no programa que o faz rir até hoje? CO: No começo do Sexteto. Até que percebi que não tinha outro som além do meu trompete. Chiquinho mora em São José dos Campos (SP). Por isso. Sim. 10 05/2002 16 06/2002 sonoridade. com apenas sete anos. Chiquinho mudou-se para o Rio de Janeiro. Dizzy Gillespie e Wynton Marsalis. pois as dificuldades são muitas. ainda se apresenta com o Trio KRJ. mas no trompete posso dizer que foram Clark Terry. Mas a paixão pelo trompete só aconteceu aos nove.E N T R E V I S T A Música com bom humor Francisco Carlos de Oliveira. Miles Davis. e integrou diversas bandas. Aí tudo fica melhor: a Beatriz Weingrill afinação. Natural de Piedade. a tendência é ficar mais natural. para não errar. Também é ótimo ser curioso. sabia que seria esse o instrumento ao qual me dedicaria”. Só fazer o trivial limita o músico. A curiosidade é um bom caminho para quem quer brilhar no trompete. pode ser visto. todas as noites no Programa do Jô. Muito estudo. é preciso determinação. Tem que gostar muito. RW: Qual o segredo para formar um estilo próprio? CO: O estilo próprio nasce da soma de informações ao longo da vida. com especial atenção aos compositores eruditos. isso conta. pois um dia alguém chama a atenção do músico e o estimula a imitá-lo. Ficou lá por três anos. para não rir das piadas enquanto estivermos tocando. treinar embocadura. antes de tudo. Alcione e Leila Pinheiro. e ouvido. em busca de novas oportunidades.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->