Você está na página 1de 8

1

Nome: Natanael Gomes Claro


Título Livro: De Pastor Para Pastores
Autor: Irland Pereira de Azevedo
Editora: Juerp - Ano: 2001
Data de Entrega: 14/02/2004
Pastor Responsável: Valmir Martins Pereira

Apresentação:

Creio que assim como as ovelhas precisam de pastores, os pastores também


precisam ser pastoreados. Pastores, assim como as ovelhas sofrem os ataques do inimigo,
muitas vezes causando-lhes feridas, traumas, magoas, etc... e quem há de cuidar deles além
do Senhor???
Acredito que a visão de “Mentoriação” é algo divino, e aquele que o faz é
alguém “excelente”.

Capitulo 01
Excelência e Integridade:
Desafios para o Ministério evangélico para o século XXI

1) O que é Excelência:

Excelência é superioridade de qualidade o que faz sobressair, por sua qualidade


ou seu desempenho.
Excelente é o que é superior ou muito bom no seu gênero; é primoroso, bem
acabado, perfeito.
No presente século, no sistema capitalista em que vivemos onde a concorrência
e a competitividade são crescentes, vemos as pessoas especializando-se, buscando novas
técnicas, primando pela excelência, esforçando-se ao máximo para não perder terreno em
seu campo de trabalho secular.
No campo ministerial, vemos um grande número de obreiros, que fazem a
Obra, sem o mínimo de qualidade, como se estivessem “empurrando com a barriga”, por
esse motivo creio que seja imperativa a busca da excelência por ter Deus nos criado para a
Boa Obra, e para a Excelência. (Ef. 2:11).
É necessária a busca pela excelência, por ser Deus o único digno e merecedor
do melhor de nossas vidas e nossos esforços, por ser Ele Santo.
Deus quer de seus obreiros excelência no que fazem, eficiência e eficácia em
cada realização.

1
2

2) O que é Integridade:

Integridade é qualidade do que é integro, é inteireza moral, retidão,


honestidade.
Integro é o que é inteiro, completo, a que nada falta, que é reto,
incorruptível.
A resposta por si só, já nos dá a clara visão de como deve comportar-se um
obreiro, mas, devido à importância do assunto discorramos um pouco mais sobre isso.
Integridade por tanto, é o mesmo que “Ser Irrepreensível”, “Aquele a que
Ninguém tenha do que acusar”, diz respeito à sua “Reputação”.
Desde que o mundo é mundo, a imoralidade existe, mas agora em pleno
século XXI ela parece estar em alta. Em todos os segmentos da vida ela tem aflorado e nem
mesmos os pastores tem escapado desse mal, haja visto o crescente número de pastores
consagradíssimos, que tem se deixado cair em sua conduta, ou até mesmo tem sido levados
pelas artimanhas do inimigo.

Vivência e Pratica da Integridade:


Sabemos que a integridade pastoral diz respeito a Caráter e Conduta, a
decadência moral nos dias atuais tem acontecido devido a não observância de pontos tão
fundamentais, como a Conduta e principalmente o Caráter.

Integridade na Vida Pessoal:


Como homem de Deus o pastor deve ser alguém de fato integro, no mais
profundo sentido da palavra. Por esse motivo, concordo com o autor quando diz: “A melhor
palavra para descrever a vida Moral do Ministro de Deus: é INTEGRIDADE”.

Integridade na Vida familiar:


É no relacionamento familiar, que os obreiros revelam-se como realmente são,
pois quem melhor para conhecer sua Conduta e seu Caráter do que os que convivem com
ele dia a dia, e é certo que nem idoneidade, caráter, ou qualquer outro atributo que um
obreiro possa ter, é de fato, passado de geração a geração, porém como ele conduz seu lar
(Sua Conduta), isso sim reflete na vida dos seus, e com certeza em sua vida ministerial,
pois como diz o apóstolo Paulo: como pode governar bem a casa de Deus um obreiro que
não governe bem sua casa? (I Tm. 5:8).

Integridade nos Relacionamentos Eclesiásticos:


O proceder do obreiro reflete diretamente na conduta moral e espiritual de sua
igreja, pois é em seu relacionamento com a liderança e membro da comunidade, que
vemos o quão importante é sua integridade espiritual, pois dela vem à observância da
conduta espiritual do povo de Deus.

Conclusão
A Conduta diária e a integridade do obreiro de Deus são o que reflete em
tempos tão conturbados, como realmente deve ser o proceder do crente, pois ele
certamente é exemplo a ser seguido, por sua família, por sua comunidade, por seus irmãos.

2
3

Capítulo 02
“Mentoria” no Ministério Evangélico

Muitas são as necessidades, sentidas pelos ministros de Deus, em uma pesquisa


feita entre 1997-1998, foram sugeridos os seguintes temas: “O PASTOR TENDO UM
SUPERVISOR” “O PASTOR E A SOLIDÃO MINISTERIAL”.
Há de se reconhecer que as maiorias dos pastores ignoram muitas coisas e que
na verdade precisam da experiência e da ajuda uns dos outros.
Há muitas situações no ministério evangélico, em que apenas o conhecimento
dos livros, a formação acadêmica, teologia ou técnica não basta. Para lidar com estas
situações é necessário experiência, sabedoria, prudência de colegas que passaram pelos
mesmos caminhos, que viveram as mesmas coisas. Uma coisa é certa: TODOS
PRECISAMOS DE BONS MENTORES.

Que é um Mentor?
Define-se como “pessoa que aconselha, ensina ou guia”. Mentoriar é servir de
mentor a alguém.
Nos dias atuais, na linguagem evangélica, mentor é definido como: “pessoa
experimentada e madura, que adota o papel de guardião, conselheiro, assessor, personagem
exemplar, amigo e tutor de uma pessoa com menos experiência, a fim de desenvolver nela,
as melhores e mais elevadas qualidades”.
Tenho visto que essa mentoria está em falta, mas que na verdade todo pastor
deveria ser um mentor para os menos experientes. Aqueles que tem larga experiência,
grande conhecimento e vivencia, preferem guardar para si, ao invés de orientar os menos
experientes, e quando o fazem, fazem no sentido vertical (tipo Patrão/Empregado) quando
na verdade a relação deveria ser na horizontal com amizade, confidencia e confiança.
A relação entre mentor e aprendiz, deve ser o mais próximo possível, trazendo
orientação, direção, experiência de vida. O mentor ensina, portanto, tendo como modelo a
sua própria vida.
Temos alguns exemplos bíblicos de mentoria:
A) Moises e Josué, Elias e Elizeu (no A.T.).
B) No N.T. Jesus e seus Discípulos
C) Os apóstolos são mentores de seus irmãos mais novos
D) Barnabé é mentor de Paulo
E) Paulo é mentor de Timóteo
F) Paulo exorta Timóteo a “mentoriar” outros
O bom mentor há de ter qualidades por todos reconhecidas, dentre elas:
• Experiência
• Bom Caráter
• Maturidade
• Conhecimento de Deus
• Amor às pessoas
e muitas outras qualidades.

3
4

A prática de Mentoria embora pareça fácil, encontra algumas dificuldades no


meio evangélico, entre elas podemos mencionar:
• Há uma certa incompreensão sobre o assunto, e com isso não se
dá o devido valor ao ministério, enquanto que em outros ramos da
atividade humana seja bastante eficaz, como na medicina,
engenharia, magistério, etc.
• Falta de tempo e interesse por parte dos pastores mais experientes
para ajudar as novas gerações.
• Os novos obreiros taxam os mais experientes como ultrapassados,
fora da realidade dos dias atuais, falhos em sua conduta, e não
merecedores de serem imitados.
• Até mesmo a falta de literatura que mostrem a importância da
“mentoria” e estímulos de sua prática nos dias atuais, a luz dos
exemplos da Escritura Sagrada.

Não podemos deixar que as dificuldades venham nos deter, pelo contrário,
devemos criar estratégias ou seguir o modelo de Jesus, ou seja, utilizando o modelo de
“Estar Juntos”, Jesus chamou seus discípulos a observar o que Ele fazia, a segui-Lo, a
imita-Lo e a continuar a sua Obra.
Com certeza se tivermos mentores cumprindo cabalmente seus ministérios
teremos cada vez mais pastores preparados e uma igreja de fato forte.

4
5

Capítulos 03
Autoridade Pastoral e seu Exercício

Muitos pastores batistas têm manifestado preocupação quanto à natureza, as


fontes, ao exercício e aos limites da autoridade pastoral.
Alguns ignoram a natureza e os aspectos de sua autoridade, outros confundem
ou misturam a autoridade do pastor, como pregador da Palavra, com a autoridade
administrativa; outros ainda caem no autoritarismo; alguns acham que tem sido “fraco” de
mais e são acusados ou se culpam de incompetentes, e falhos no exercício da “autoridade
pastoral”.
Conceito de autoridade
Autoridade tem o significado de exemplo, modelo, seguir o exemplo de alguém,
direito de iniciativa, autoridade moral, influencia, prestigio e importância.
Creio que a fonte da autoridade pastoral está fundada em Deus e é sobre tudo
autoridade para Pregar a Palavra.
O Pastor tem autoridade na pregação da Palavra, no ensino da Palavra, de
aconselhar com a Palavra e confrontar o mundo, o pecado, a violência, as injustiças, desde
que fiel à revelação bíblica.
É evidente que essa autoridade não é absoluta, como, de resto, nenhuma
autoridade humana é absoluta. Quanto maior for seus conhecimentos da escritura, sua
fidelidade à Palavra de deus, tanto mais eficaz, será sua autoridade como pregador, mestre e
conselheiro.
A autoridade depende e muito de sua integridade moral, vivendo aquilo que
prega do modo que realmente vive, seja na igreja, na comunidade ou no lar, ou melhor, a
começar no lar.
O pastor tem também uma autoridade administrativa delegada pela igreja que
deve ser exercida dentro dos limites, sem extrapolar.
Infelizmente temos ouvido que alguns pastores são verdadeiros “Rhitlers”
impondo as ovelhas normas, jugos, exercendo a todo custo sua autoridade.
Vale relembrar o exemplo dos apóstolos conforme relatos de atos 6,
reconheceram eles seus limites e suas falhas, aceitaram a assessoria de um grupo de irmão,
e conduziram com humildade e competência, à solução do problema. Puderam voltar a
essência de seus ministérios, a saber: “A pregação da Palavra”.

5
6

Capitulo 04
“... A tempo e fora de tempo” (II Tm.. 4:01-03)

Quero ser breve porem bastante objetivo quanto a este texto.


Muitas são as traduções, como também são muitas as notas exegéticas sobre o
texto referido, mas a que mais me chama a atenção é a de Hendriksen: “a Tempo e fora de
Tempo”: esteja disponível, na ocasião, na hora, ou fora de hora. Seja agradável e bem vinda
a oportunidade ou não. Timóteo tende estar “no Posto”, com a mensagem de Deus. Deve
“remir o tempo”, isto é, aproveitar a oportunidade.
A verdade é que estamos num mundo de perdição, as pessoas estão indo a
passos largos para o inferno, pois o caminho que leva ao céu é estreito, e o que leva ao
inferno é largo e espaçoso.
Muitas vezes, por quer ser agradáveis, perdemos várias oportunidades de pregar
na Palavra, de repreender e exortar, por isso façamos o que Paulo orienta “a tempo e fora de
tempo”.

Capitulo 05
Como enfrentar a Tentação e não cair nela

Certamente um dos problemas que nenhum ser humano está livre é a tentação,
nem mesmo Jesus escapou (Mas NÃO pecou) .
A tentação, em sentido estrito, é obra do inimigo, e seu objetivo é levar-nos ao
pecado, que é ofensa contra Deus.
Todos somos tentados, e bem aventurados somos quando aprovados.

Como enfrentar e vencer a tentação

• Tenha consciência da realidade do tentador e da tentação,


sabendo que o inimigo anda ao derredor, bramando como um
leão, buscando a quem possa tragar (I Pd. 5:8)
• Saiba que o tentar busca atacar as áreas vulneráveis de cada um,
por isso vigiai.
O pastor é como os demais homens, porém o inimigo procura atacar algumas
áreas de maneira especial.
A) A ambição de “poder” político, de posição e notoriedade na vida
denominacional, e o desprezo do poder espiritual.
B) Atração pelo sexo oposto.
C) Área do ter .
D) A preguiça e o desanimo.
E) Ativismo.

Conheça então, quais as áreas em que você poderá ser tentado, busque os
recursos da Palavra, da Graça e do Espírito de Deus, ore e medite na Palavra.
O obreiro que vencer a tentação será mais forte, mais dependente de Deus, e
mais apto a ajudar os que sofrem e também são tentados.

6
7

Capitulo 07
Crises no Ministério Pastoral

Pastor como todos nós é humano, e tem também suas crises, dentre elas
existenciais, de identidade, não entendem o porque se sua existência, pra que Deus o
chamou, porque está a atravessar momentos difíceis em seu ministério, quando outros
colegas seus, parece-lhe estarem gozando de dias alegres e frutíferos.
Inúmeros são os motivos que levam um obreiro a sofrer essas crises, porém elas
não devem ser uma constante em sua vida, ou ainda devem perdurar muito tempo, para
isso deve ele buscar ao Espírito Santo de Deus para ajudá-lo a compreender a visão
humana, sua vocação ,e assim romper suas frustrações.

Obs Pessoal: Confesso que, mesmo antes de ingressar em tão grande dádiva divina que é
para mim o ministério pastoral, encontro-me assim, como em que uma crise existencial e de
identidade, sem saber de fato se esse é também o meu chamado, ou se ainda, estou em
estado de comodismo pensando ser o diaconato o ponto final de Deus para minha vida
ministerial, sei que tudo que me vier às mãos devo fazer, porém... devo me aventurar a
realizar saltos tão altos, que minha vã imaginação não pode ainda discernir? Busco em
Deus a resposta para como e o que devo fazer. Tenho visto, e como tenho valorizado, a
ajuda que tenho recebido do conselho de pastores, sei o quanto essa ajuda me motiva e
incentiva a conceber a idéia de ser um vocacionado ao ministério pastoral, o que realmente
preciso é entender a minha convicção em tal fato. Mas como???

Capitulo 09
Visão do Ministro de Deus e Ministros de Visão

Visão é uma imagem voltada para o futuro, percepção da contribuição que só


nós temos do legado que havemos de deixar.
Um pastor visionário é um pastor bem sucedido, pois com certeza uma igreja
onde não haja um pastor de visão, e principalmente visão espiritual, certamente perecerá,
pois o homem de Deus que tem perspectivas para um futuro e principalmente para o hoje,
esse homem não tem medo de mudanças, tradições ou comodismo, um obreiro de visão
sonha com certeza os sonhos de Deus, e esmera-se para que em sua igreja haja santidade,
crescimento, e fortalecimento espiritual, preparando assim uma igreja santa, lapidando a
preciosidade que Deus lhe concedeu as mãos.
Um pastor de visão é certamente alguém que busca a Deus em todas suas
atitudes, ele está em constante comunhão com Deus, para que o próprio Deus revele a ele as
providências e as diretrizes a seguir, para que Sua igreja esteja preparada.
Um pastor de visão deve ter ao seu lado pessoas que lhe ajudem a por em
prática a visão vinda de Deus, pois se assim não for, certamente essa visão morrerá em seus
pensamentos e ideais, pois sozinho, tudo tornar-se-á muito mais difícil de realizar.

7
8

Capítulo 10
Se eu começasse hoje meu ministério pastoral.

Usando o pensamento do autor, sê eu fosse começar hoje, eu certamente não me


sentiria capacitado, e como ele mesmo diz “só começaria com certeza da minha vocação”.
Porém eu de fato me entregaria de corpo e alma ao serviço do Senhor, e isso eu
o faria hoje, pois não há coisa mais almejada, e mais importante do que servir de corpo e
alma ao Senhor Jesus em sua Obra. E certamente procuraria me aproximar e até mesmo, me
espelhar em exemplo de pastores mais experientes e mais sábios, o que de fato, já tenho
tido tal privilégio, com o colegiado de pastores, mas, servir a Deus é aperfeiçoar-me mais e
mais a cada dia, e essa é uma meta que almejo seguir.

Conclusão

Este livro é uma obra motivadora e inspiradora, como é bom para alguém que é
novato em tal anseio, conhecer as dificuldades por que passaram, esperanças que tiveram, e
visão ministrada, durante o ministério pastoral, é algo para que aprendemos, e
pratiquemos, recuando na hora certa e avançando para novas empreitadas.
Claro que em tudo isso almejo faze-lo , mas na dependência de Deus, e na
força do Espírito Santo.