Você está na página 1de 7
MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO 62 . º BATALHÃO DE INFANTARIA (BATALHÃO FRANCISCO DE LIMA

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO 62.º BATALHÃO DE INFANTARIA (BATALHÃO FRANCISCO DE LIMA SILVA)

DIEx S/N EB: 64069.000344/2012-59

Do 2° Sgt Pacelli

Ao Sr Cmt da 2ª Cia Fuz

Assunto: Pedido de demissão

Joinville, 03 de setembro de 2012.

1. Eu, 2º Sgt PACELLI, venho por meio desta DIEx apresentar meu pedido de

demissão do 62° Batalhão de Infantaria e do Exército Brasileiro, tendo interesse em desligar-me

IMEDIATAMENTE.

2. Quero esclarecer que o motivo que me levou a pedir demissão é de cunho

estritamente financeiro, tendo em vista a CRISE SALARIAL que assola a massa de oficiais e sargentos e a FALTA DE PERSPECTIVA PROFISSIONAL já atingiram até a Academia das Agulhas Negras. Tenho 12 anos de serviço militar, 2 anos como soldado do Corpo de Fuzileiros Navais (Natal/RN) e 10 anos como sargento, todos eles cumpridos no 62° BI (Joinville/SC). Sou cumpridor dos meus deveres, NUNCA FUI PUNIDO, tenho o comportamento excepcional, sou patriota e portador de uma excelente folha de serviços, onde constam vários elogios de meus superiores hierárquicos. Apesar disso, como militar, não consigo sonhar com as necessidades

mínimas que uma pessoa do meu nível cultural (3° grau completo) e social poderia almejar.

3. NÃO SOFRO DE NENHUM TIPO DE DESVIO DE VOCAÇÃO, sou filho de militar, estudei a minha vida toda no Colégio da Polícia Militar de Pernambuco ( inclusive fui Capitão-aluno), servi por duas oportunidades às Forças Armadas (Marinha e Exército). Na EsSA fui da Infantaria no período básico e também no período de qualificação. Após a formatura de sargento queria ser paraquedista, porém no meu ano não havia vagas para OM`s no Rio de Janeiro. Queria fazer o curso de Guerra na Selva, Caatinga, Montanha e a EsSA também não disponibilizou vagas. O 1° Ten Del Duca, meu instrutor, me orientou ir para Joinville/SC que era a Força de Ação Rápida e era uma ótima Unidade para servir e realizar cursos operacionais. Não tive dúvida, escolhi o 62° BI e não me arrependi, nesta cidade conheci minha esposa, nasceu meu único filho, me formei Bacharel em Direito, passei no Exame da OAB e por estes motivos nunca pedi para ser transferido. Tenho a convicção que SEMPRE QUIS SER MILITAR, porém, não estou disposto a realizar o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS), nem quero esperar mais 8 (oito) anos para ser promovido a 1° sargento. Atualmente, como 2° sargento do Exército, fazendo uma previsão bem otimista, vejo que daqui há quatro anos irei auferir, no máximo, R$ 500,00 de aumento salarial, o que me desestimula muito.

4. O fato é que recebi uma proposta do Dr. MARCOS AURÉLIO ROSA, advogado, para firmar uma sociedade advocatícia, proposta esta onde, de imediato, terei uma remuneração superior ao que percebo atualmente na caserna. Continuando na previsão dos próximos quatro anos, atuando como causídico com certeza auferirei mais do que o valor supracitado. Com tristeza, vejo que o número de evasão das Forças Armadas cresce a cada ano.

5.

Não posso deixar de citar a SALC e a Ajudância Geral, seções estas onde pude

contribuir com os meus conhecimentos jurídicos na elaboração de vários editais de licitações e pude assessorar vários Comandantes no controle de diversas sindicâncias, inquéritos policiais militares (IPM’s), autos de prisão em flagrante (APF’s), processos administrativos e na confecção de ofícios para a Advocacia Geral da União (AGU), Ministério Público (MP), 5ª Circunscrição Judiciária Militar (5ª CJM) e outros órgãos, o que me trouxe retorno de aprendizagem e me auxiliou na apresentação da minha monografia no curso de Direito onde

logrei a nota 9,80.

6. Espero que as portas do 62° Batalhão de Infantaria fiquem abertas para futuras

parcerias, se a família militar precisar de auxílio jurídico pode contar comigo, pois, como falou

Rui Barbosa, o maior jurista de todos os tempos do Brasil, que fez o curso jurídico em Recife/PE, cidade esta de onde eu sou oriundo com orgulho, “QUEM NÃO LUTA PELOS SEUS DIREITOS NÃO É DIGNO DELES”.

7. Mais uma vez agradeço o respeito, consideração e cordialidade com que fui

tratado pelo Comandante, pelos meus superiores hierárquicos, pelos meus pares e também pelos

meus subordinados desta OM e pelas oportunidades que me foram proporcionadas.

Atenciosamente,

EUGÊNIO PACELLI PAZ VIEIRA DA COSTA 2° Sgt

ALGUMAS PÁGINAS QUE ESCREVI NOS 10 ANOS DE 62° BI

(2002-2012)

2002 a 2006 Fui comandante de GC (Grupo de Combate) e sargento de Tiro

2007

- a 26 Jul, Bol Int n° 137 - Foi designado pelo Cap Inf ELEUSON MARCOS NUNES, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 001-IPM, de 24 Jul 07, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

- a 31 Out, Bol Int n° 203 - Foi designado pelo Cap Inf ALEXANDRE FREITAS DA SILVA, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 004-IPM, de 09 Out 07, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

----------------------------------------------------------------------------------------------------

2008

- REFERÊNCIA ELOGIOSA Publicação - a 09 Jan, Bol Int n° 006 Publicou a referência elogiosa consignada pelo Cap Inf ELEUSON MARCOS NUNES Enc do IPM n° 001, de 24 Jul 07, conforme descrito: “Após a conclusão do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 001, de 24 Jul 07, referente aos cinco civis presos a disposição da Justiça Militar do Batalhão, o qual fui encarregado, é por dever de justiça louvar o 3° Sgt Inf EUGÊNIO PACELLI PAZ VIEIRA DA COSTA, da 2ª Cia Fuz, pelo modo como se prontificou voluntariamente para desempenhar a função de Escrivão do processo, nos termos do Artigo 11 do Código de Processo Penal Militar. Militar inteligente e competente, por diversas vezes, demonstrou interesse, dedicação, iniciativa e preocupação com a missão imposta, evidenciando dessa forma virtudes inerentes à profissão militar, bem como com o auto-aperfeiçoamento de seus conhecimentos. Auxiliou-me eficazmente em várias oportunidades e voluntariamente, sacrificou momentos de lazer a fim de manter em dia suas missões e zelar pela boa apresentação da documentação. Ao 3° Sgt PACELLI desejo que continue trilhando este caminho de retidão, se constituindo a um exemplo a ser seguido”. (Solução ao Ofício s/n°, de 07 Jan 08, do Enc do IPM).

- a 14 Fev, Bol Int n° 030 - Foi designado pelo Cap Inf PEDRO EDGAR DOS SANTOS, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 001-IPM, de 06 Fev 08, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

- a 18 Jun, Bol Int n° 113 - Foi designado pelo Maj Inf ALCIONE FRANCISCO DE BORBA, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 002-IPM, de 10 Jun 08, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

- VAZ DE MELLO, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 003-IPM, de 02 Out 08, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

- REFERÊNCIA ELOGIOSA Publicação - a 24 Nov, Bol Int n° 223 Publicou a referência

elogiosa consignada pelo Encarregado do Setor Financeiro, conforme descrito: “Louvo o 3° Sgt Inf EUGÊNIO PACELLI PAZ VIEIRA DA COSTA, da 2ª Cia Fuz, pelo modo como desempenhou a função de Escrivão e auxiliou este oficial, encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 003-IPM, de 02 Out 08. Em várias oportunidades, voluntariamente, sacrificou momentos de lazer em benefício da OM a fim de manter em dia suas missões e zelar pela boa apresentação da documentação. Militar competente, por diversas vezes, demonstrou interesse, dedicação, iniciativa e preocupação com o serviço, evidenciando dessa forma virtudes inerentes à profissão militar, bem como o auto-aperfeiçoamento de seus conhecimentos. O 3° Sgt PACELLI, dessa forma, vem se constituindo a um exemplo a ser seguido pelos demais militares da OM”.

- REFERÊNCIA ELOGIOSA Publicação - a 31 Dez, Bol Int n° 249 Publicou a referência

Foi designado pelo Cap Int ANDRÉ LUIZ FARIA

a

07

Out,

Bol

Int

191

-

elogiosa consignada pelo Cap Inf ANDRE LUIZ DO NASCIMENTO CABRAL, Comandante da 2ª Cia Fuz, conforme descrito: Ao término deste ano de instrução de 2008, louvo o trabalho desenvolvido por este Graduado, Cmt 3° GC/3° Pel Fuz. Militar disciplinado, leal e dedicado, deu o melhor de seus serviços em prol da Subunidade, contribuindo para que os trabalhos levados a efeito por este Comando apresentassem o melhor resultado possível. Nas jornadas de serviços em campanha, foi um importante auxiliar com que a Companhia contou na preparação e montagem de oficinas de instrução individual e coletiva, proporcionando adequados níveis de

adestramento à tropa. Durante as comemorações do aniversário do Batalhão, organizou com esmero uma DEMONSTRAÇÃO DE LUTAS, apresentando à nossa Subunidade e formulo votos de que continue a se empenhar bastante nas atividades realizadas pela Companhia. (INDIVIDUAL).

Subunidade e formulo votos de que continue a se empenhar bastante nas atividades realizadas pela Companhia.

2009

- a 25 Mar, Bol Int n° 055 - Foi designado pelo Cap Int RÔMULO DE OLIVEIRA FRAGA,

encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 002-IPM, de 20 Fev

09, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar. - a 15 Jul, Bol

- a 15 Jul, Bol Int n° 129 - Foi designado pelo Cap Inf ELEUSON MARCOS NUNES,

encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 003-IPM, de 27 Maio 09, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de

Processo Penal Militar.

- a 16 Set, Bol Int n° 171 - Foi designado pelo Cap Inf THALES LEONARDO MAREZI,

encarregado do Inquérito Policial Militar instaurado por meio da Portaria n° 008-IPM, de 04 Set 09, para servir como Escrivão do processo, nos termos do art. 11 do Código de Processo Penal Militar.

----------------------------------------------------------------------------------------------------

2010

- PROCESSO PARA CADASTRO DE CURSO SUPERIOR Certificação

da validade da documentação e veracidade das informações apresentadas pelo militar Transcrição - a 29 Nov, Bol Int n° 218 O militar servia neste Batalhão quando concluiu o Curso de Ensino Superior de Direito Bacharelado e os horários em que o militar frequentava o curso não coincidiram com os horários de expediente da OM. Há veracidade das informações da conclusão do Curso Superior.

das informações da conclusão do Curso Superior. Título de Bacharel em Direito Certificado de aprovado no
das informações da conclusão do Curso Superior. Título de Bacharel em Direito Certificado de aprovado no
das informações da conclusão do Curso Superior. Título de Bacharel em Direito Certificado de aprovado no

Título de Bacharel em Direito

Certificado de aprovado no Exame da OAB

2011 e 2012 (Carteira de Justiça do Batalhão)

- SEÇÃO DE AQUISIÇÕES, LICITAÇÕES E CONTRATOS Auxiliar da Secretaria Substituição: a 5 Jan, Bol Int n° 3 Designo, a contar de 02 Dez 10, para desempenhar a função de Auxiliar da Secretaria na Ajudância Geral. (minha função atual)

da Secretaria na Ajudância Geral . (minha função atual)

----------------------------------------------------------------------------------------------------

MILITAR VOCACIONADO DESDE A INFÂNCIA

MILITAR VOCACIONADO DESDE A INFÂNCIA 3° Sgt PM/PE Vieira (meu querido pai) 1976 Pacelli com 7
MILITAR VOCACIONADO DESDE A INFÂNCIA 3° Sgt PM/PE Vieira (meu querido pai) 1976 Pacelli com 7

3° Sgt PM/PE Vieira (meu querido pai)

1976

Pacelli com 7 anos 1ª série/1986

(meu querido pai) 1976 Pacelli com 7 anos 1ª série/1986 Pacelli com 15 anos (Capitão-aluno) 8ª

Pacelli com 15 anos (Capitão-aluno) 8ª série/1994

Pacelli com 15 anos (Capitão-aluno) 8ª série/1994 13 anos estudando no CPM – Colégio da Polícia
Pacelli com 15 anos (Capitão-aluno) 8ª série/1994 13 anos estudando no CPM – Colégio da Polícia

13 anos estudando no CPM Colégio da Polícia Militar de Pernambuco (1985 a 1997)

Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso
Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil – (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso

Soldado Fuzileiro Naval - Marinha do Brasil (2000 e 2001) (Ingresso através de concurso público e não de alistamento)

Sargento de Carreira do Exército Brasileiro (Infantaria) - 62° BI (2002 a 2012)

Sargento de Carreira do Exército Brasileiro (Infantaria) - 62° BI (2002 a 2012)