Você está na página 1de 4
SERVIÇOS Novembro/2011 CRESCIMENTO DAS FRANQUIAS DE SERVIÇO VIA DE REGRA, OS MICROS E PEQUENOS EMPRESÁRIOS

SERVIÇOS

Novembro/2011

CRESCIMENTO DAS FRANQUIAS DE SERVIÇO

VIA DE REGRA, OS MICROS E PEQUENOS EMPRESÁRIOS NO BRASIL TÊM COMO MAIORES DEFICIÊNCIAS A CAPACIDADE DE GESTÃO E DE INVESTIMENTO EM CONTRAPONTO ÀS SUAS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS NOS RAMOS EM QUE ATUAM.

A CAPACIDADE DE GESTÃO E DE INVESTIMENTO EM CONTRAPONTO ÀS SUAS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS NOS RAMOS EM
A CAPACIDADE DE GESTÃO E DE INVESTIMENTO EM CONTRAPONTO ÀS SUAS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS NOS RAMOS EM
A CAPACIDADE DE GESTÃO E DE INVESTIMENTO EM CONTRAPONTO ÀS SUAS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS NOS RAMOS EM

Oportunidades & Negócios

O CRESCIMENTO DO MERCADO DE FRANQUIAS

O mercado de franquias é um dos que mais cresce no

Brasil ao longo da última década, acompanhando a tendência de crescimento do setor de serviços.

Segundo o Provar – Programa de Administração de Varejo, da Fundação Instituto de Administração (FIA)

e Felisoni Consultores Associados, esse mercado vem

crescendo, desde 2007, a uma taxa média de 4,1% por trimestre. Em especial, as franquias de serviços apresentam taxas maiores, em torno de 5%. Segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising), só em 2009, 264 empresas se tornaram franqueadoras, engordando a lista de quase 80 mil unidades em funcionamento. Na pesquisa do Provar em 2009, de um total de 54 redes de franquias, 6% eram do segmento de bebidas, cafés, doces e salgados; 7% do segmento de educação e treinamento; 11% do segmento de beleza, saúde e produtos naturais; 13% do segmento de acessórios pessoais e calçados; 33% do segmento de alimentação, mantendo o ritmo de maior

participação da amostra e, por fim, 30% eram de outros segmentos, cujos índices de participação não

eram suficientes para que houvesse uma classificação individualizada. O segmento de franquias teve uma participação de 2,1% do PIB brasileiro em 2009, com uma expectativa de atingir de 8 a 10% até

2020.

O sucesso que o segmento de franquias vem apresentando chamou a atenção dos pequenos empreendedores. Não é difícil de entender as motivações que tornaram essa modalidade de negócio tão atrativa para esse público: a segurança oferecida por uma marca já estabelecida no mercado, o apoio e orientação oferecida pelo franqueador. Outro fator impulsionador é a baixíssima taxa de mortalidade desse tipo de negócio na última década:

3% ao ano. Além disso, os franqueados têm a vantagem de realizar compras em rede, que diminuem os custos da matéria-prima e têm o benefício indireto da publicidade do franqueador.

compras em rede, que diminuem os custos da matéria-prima e têm o benefício indireto da publicidade

Oportunidades & Negócios

Via de regra, os micros e pequenos empresários no

Brasil têm como maiores deficiências a capacidade de gestão e de investimento em contraponto às suas competências técnicas nos ramos em que atuam. Assim, a franquia parece resolver, em parte, o problema de gestão, principalmente no que toca à estruturação do negócio e por receberem um modelo operacional previamente preparado.

O que o pequeno empreendedor muitas vezes se

esquece é que ele precisa saber como manter o negócio e para isso necessita investir na sua capacitação, bem como na de seu pessoal. A grande procura de pequenos empreendedores por franquias também se deve à crença de que o franqueador irá financiar o seu negócio e muitos acabam se frustrando. Porém, uma vantagem que eles recebem com a abertura da franquia é a força da marca que ajuda a tornar os investimentos em publicidade mais rentáveis e na consequente maior facilidade na venda dos produtos e serviços.

No Brasil a franquia teve suas primeiras iniciativas no

setor de varejo, com destaque para os segmentos de

alimentação, vestuário e beleza. No entanto, acompanhando a tendência de crescimento do setor de serviços em geral, as franquias de serviços tiveram um impulso extraordinário na década passada. A razão para um crescimento mais acelerado em serviços deve-se, em parte, à

constatação de que as margens de lucro são maiores

do que nas franquias do varejo. Não são poucos os

casos de sucesso em franquias de serviço, tais como

a rede TUTORES (reforço escolar multidisciplinar); a DR. FAZ TUDO (rede especializada em reforma rápida

de imóveis); a HOME ANGELS (voltada para cuidados

a idosos); a AMIGO COMPUTADOR (serviços de

manutenção local de computadores); a THE SYSTEM

(desenvolvimento de site para pequenas empresas);

a DOG RELAX (prestadoras de serviços para

animais); DR. JARDIM (de conservação de áreas verdes e piscinas), entre muitas outras.

Em

apontados como franquias de serviços mais

recente

evento

organizado

pela

ABF,

foram

exploradas os segmentos de Saúde e Beleza, Cosméticos; Educação e Treinamento e Escolas de Idiomas; Construção e imobiliárias; Fotografias, gráficas e sinalização; Hotelaria e turismo; Limpeza e conservação; Serviços automotivos. Em contrapartida, mostram-se ainda inexplorados, mas com grande potencial de crescimento, os segmentos de prestadores de serviços terceirizados (transportes, logística, informática); fornecedores de informações (clipping eletrônico, informações mercadológicas locais); serviços administrativos (contabilidade, orçamento e gestão financeira); comércio exterior (cuidar de importações ou exportações), marketing digital (mídias sociais, etc.), entre outros.

comércio exterior (cuidar de importações ou exportações), marketing digital (mídias sociais, etc.), entre outros.

Oportunidades & Negócios

A boa notícia para os pequenos empreendedores é

que, segundo a ABF, o segmento que mais cresce no mercado de franquias nos últimos 5 anos é o que se denomina de micro franquias, ou seja, franquias que exigem um investimento entre R$ 5 mil e R$ 50 mil para serem estruturados. O crescimento é ajudado por uma série de fatores, a saber:

Maior oferta de crédito para esse segmento; Redução das taxas de juros e da burocracia para a concretização da franquia; Redução de impostos com o advento do

“SuperSimples”;

Maior consciência dos franqueadores de que eles precisam atuar mais em parceria com os pequenos empreendedores, principalmente quanto à estruturação do negócio e a capacitação do seu

pessoal;

A nova crise mundial que eleva o número de desempregados, saindo em busca de meios de subsistência e que estejam ao seu alcance de investimento.

Por outro lado, por mais atrativo que seja um

negócio de franquia para o pequeno empreendedor,

é muito importante que ele analise se está

investindo certo para não correr riscos financeiros e nem frustrar-se nos aspectos pessoal e profissional.

A

reflexão é o primeiro passo para que tudo dê certo

e

que passa necessariamente pelas seguintes

questões:

1. Há uma total identificação com o tipo de negócio? 2. O investimento necessário para

1. Há uma total identificação com o tipo de negócio?

2. O investimento necessário para montar o negócio deixará uma reserva suficiente para a subsistência por pelo menos 1 a 2 anos?

3. Foi realizada uma investigação sobre a marca que se deseja representar, buscando conhecer bem o seu negócio?

4. A marca a ser representada apresenta bons diferenciais competitivos em relação à concorrência?

5. O empreendedor se preocupou em conhecer as regras do negócio?

6. Também procurou analisar o contrato, segundo a visão de um profissional de advocacia, visando a não assinar um acordo com obrigações que favoreçam excessivamente o franqueador?

7. Procurou entrar em contato com outros franqueados e ex-franqueados para conhecer as suas experiências?

8. Observou a operação de um franqueado no seu dia a dia, para avaliar se está em condições de gerir o negócio?

9. Investigou os pontos comerciais e obteve parecer do franqueador para a sua locação?

A resposta para as 9 questões acima precisa ser inexoravelmente positiva, sob pena de ser um grande risco a não observância de qualquer uma delas. A realização de um sonho pode incluir alguns riscos, mas nunca se deve abrir mão do planejamento cuidadoso do negócio, de modo que o sonho possa se transformar em um pesadelo. Como diz o ditado “um pouco de prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém”, afinal é preciso cuidar bem do pouco que se tem para se investir em uma aposta.

BOLETIM DE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS é uma publicação da Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: Roberto Simões Diretor-Presidente: Luiz Barretto Diretor-Técnico: Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças: José Claudio dos Santos

UAMSF - NIM - Núcleo de Inteligência de Mercados UACS- Unidade de Atendimento Coletivo Serviços- Carteira de Serviços Diagramação: Amanda Rodrigues

Endereço: SGAS 604/605, módulos 30 e 31, Asa Sul, Brasília/DF, CEP: 70.200-645