Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS

ALZENIRA DE OLIVEIRA

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM EM NEFROLOGIA

Trabalho Centro

de

Conclusão Hermínio

de

Curso -

apresentado ao Curso de Enfermagem do Universitário Ometto UNIARARAS, para a obtenção do Título de Enfermeiro Nefrologista.

ORIENTADORA(A): Profa. Brandão Lopes Crepschi

Ms.

Jaira

ARARAS/SP 2006

AUTOR: Alzenira de Oliveira

TÍTULO DA MONOGRAFIA: Sistematização da assistência em enfermagem em nefrologia

Monografia apresentada em: ______de_________________________ de 2006.

Banca Examinadora:

_______________________________________________ NOTA: ___________ Prof(a). Orientador(a)

_______________________________________________ NOTA: ___________ Prof (a). Dr (a).

_______________________________________________ NOTA: ___________ Prof (a). Dr (a)

___________________________________________ MÉDIA FINAL: _________ Assinatura do Autor

RESUMO

Minha experiência como enfermeira de um centro de hemodiálise me levou a refletir na importância de assistir os pacientes portadores de insuficiência renal crônica com ações sistematizadas para promover qualidade de assistência a esta clientela conforme a decisão DIR/SP-008/99 e fiscalizada pelo COREN-SP, porém poucas unidades realizam a sistematização da assistência deixando de utilizar este valioso instrumento. O objetivo deste estudo é refletir a importância de ações sistematizadas dentro das unidades de terapia renal substitutiva. Este trabalho ocupou-se em realizar pesquisas bibliográficas em livros e revistas e base de dados on-line. Desta forma a hemodiálise vem prolongando a vida de portadores de insuficiência renal crônica e juntamente com este valioso instrumento da sistematização o enfermeiro poderá otimizar o tratamento desta clientela.Conclui-se que ações sistematizadas dentro dos centros de diálises é de suma importância ,pois possibilita a esta clientela receber tratamento de qualidade e individualizando e direcionando o auto cuidado de cada cliente, além de proporcionar boa interação cliente e profissional .

The objective of this study is to inside reflect the importance of actions systemize of the units of renal therapy substitute. This work occupied in carrying through bibliographical research in books and magazines and database on-line.Conclui-if that systemize actions inside of the centers of dialyses are of utmost importance. . therefore he makes possible this clientele to receive treatment from quality and individualizando and directing the auto care from each customer.ABSTRACT My experience as nurse of a center of hemodiálise took me to reflect in the importance to attend the carrying patients of chronic renal insufficience with systemize actions to promote quality of assistance to this clientele in agreement decision DIR/SP-008/99 and fiscalized by the COREN-SP. Of this form hemodiálise comes drawing out the life of carriers of chronic renal insufficience and together with this valuable instrument of the systematization the nurse will be able to optimize the treatment of this clientela. however few units carry through the systematization of the assistance leaving to use this valuable instrument. besides providing to good interaction customer and professional.

................................................................................................................................................................................. 06 3-OBJETIVO.......................................15 4..................... 16 5...................21 ............ 17 6.............REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................SUMÁRIO 1-INTRODUÇAO.............METODOLOGIA ........................ 18 7-CONSIDERAÇÕES FINAIS..........................20 8..........................................................................................................................................................01 2-REVISÃO DE LITERATURA ...........................JUSTIFICATIVA.......................................................................................DISCUSSÃO...............................................................

therefore he makes possible this clientele to receive treatment from quality and individualizando and directing the auto care from each customer.Conclui-if that systemize actions inside of the centers of dialyses are of utmost importance. besides providing to good interaction customer and professional. however few units carry through the systematization of the assistance leaving to use this valuable instrument.SUMMARY My experience as nurse of a center of hemodiálise took me to reflect in the importance to attend the carrying patients of chronic renal insufficience with systemize actions to promote quality of assistance to this clientele in agreement decision DIR/SP-008/99 and fiscalized by the COREN-SP. . The objective of this study is to inside reflect the importance of actions systemize of the units of renal therapy substitute. Of this form hemodiálise comes drawing out the life of carriers of chronic renal insufficience and together with this valuable instrument of the systematization the nurse will be able to optimize the treatment of this clientela. This work occupied in carrying through bibliographical research in books and magazines and database on-line.

KOVNER.. Hoje percebemos a ênfase que se tem dado. 1992. Concordamos com Évora (1998) quando diz que os enfermeiros ao longo da sua prática profissional têm sido. à importância na documentação e registro do plano de cuidados de saúde de sua clientela. Essa prática torna-se dificultada quando nas instituições hospitalares o número desse profissional é deficitário em relação à taxa de ocupação de leitos. PABST et al. Assim sendo. manualmente. As atividades de competência e as funções da enfermagem têm ficado cada vez mais definidas pelos órgãos oficiais de legislação da profissão. NAUERT. colaborando na definição do seu papel. . 1996. 1997). anotações. Um dos fatores que contribui para este achado é o fato do prontuário médico ser baseado em registros manuais. precisamos encontrar caminhos para desvincular as atividades de enfermagem de tarefas burocráticas alheias as suas atividades específicas e assegurar o exercício profissional centrado na assistência ao paciente. ROUTON. Os enfermeiros deparam-se assim. administrando e documentando informações (HENDRICKSON. inclusive exigido pela Lei do Exercício Profissional – Documentos Básicos de Enfermagem: COREN-SP (COFEN. 1990. por parte dos enfermeiros. O enfermeiro consome grande parte de seu tempo quando realiza. com o complexo desafio de administrar seu tempo para que todas as suas tarefas sejam realizadas integralmente e com qualidade na prestação de assistência ao paciente. relatórios e comunicações. utilizando grande parte de seu tempo em atividades burocráticas e na busca e documentação das informações. LOWER.Introdução Segundo (SPERANDIO et al 2002) A elaboração da sistematização da assistência de enfermagem é um dos meios que o enfermeiro dispõe para aplicar seus conhecimentos técnico-científicos e humanos na assistência ao paciente e caracterizar sua prática profissional. ROSEN. historicamente. 1998). Diversos estudos estimam que os enfermeiros despendem até 50% de seu tempo coletando. sobrecarregados com atividades envolvendo registros. o plano de cuidado para cada um dos pacientes sob sua responsabilidade.

sendo que as doenças renais se subdividem em insuficiência renal aguda ou crônica.Onde estes clientes se tornam frágeis e sensibilizados e muitas vezes em seu cotidiano diário sem um olhar sistematizado e principalmente individualizados encontramos cada vez mais pacientes apáticos e sem motivação para viver pois acreditam que não podem desfrutar mais de um cotidiano saudável. onde apesar do enfermeiro possuir um vinculo semanal com a sua clientela muitas vezes desconhece seus medos e anseios e acaba transformando a vida de clientes e profissionais em diálise por produção longe da humanização e interação profissional e cliente.pré renal ou pos renal.R.Onde as causas da insuficiência renal aguda pode ser de origem renal. onde pude observar que a maioria da população acometida são pessoas de baixa condição econômica sem muitos recursos financeiros onde esta clientela necessita de profissionais capacitados voltados as suas necessidades e preparados para fornecer um cuidado sistemático e individualizado e assim junto a equipe multidisciplinar desenvolver um trabalho sistemático e completo e não fragmentado onde após diagnosticados problemas serem minimizados juntamente com toda equipe talvez hoje meus pensamentos ainda sejam utópicos mais em um futuro bem próximo poderemos ter o prazer de ter nas instituições sejam publicas ou privadas a visão de uma assistência sistematizada e humanizada para toda a população em todas especialidades pois cada um é cada um e jamais poderemos englobar a assistência.resultando na inabilidade dos rins em exercer suas funções básicas de excreção e manutenção da homeostase hidroeletrolitica do organismo.(GUYTON 1998 ) relata que: As três maiores categorias de distúrbios que causam insuficiência renal aguda são: .seja na adaptação ao tratamento ou outros agravos que possam acometê-los.A é caracterizada por uma redução abrupta da função renal que se mantem por períodos variáveis. segundo (RIELLA 2003) A I. Pois cada dia mais cresce a população com doenças de bases que evoluem para insuficiência renal aguda ou crônica onde necessitam de profissionais capacitados e comprometidos com o cuidar para ajudá-los .Durante minha trajetória observo que apesar do serviço ate ser multiprofissional falta interação e o trabalho das equipes se encontram fragmentados muitas vezes.

A insuficiência renal crônica se refere a um diagnostico sindrômico de perda progressiva e geralmente irreversível da função renal de depuração .As etapas da insuficiência renal aguda são: .Embora essa definição não faça menção a quantidade de função perdida. a pressão aumenta nos túbulos .Intra –renal : dano real ao tecido renal .a elevação de concentrações séricas dos elementos geralmente excretadas pelo rins.Pré – renal : hiperperfusao do rim.isso . ou seja da filtração glomerular.Período de recuperação : inicia-se a melhora da função renal podendo levar de 03 a 12 meses . . (BARROS et al 1999).. -Período de diurese: terceira fase: o paciente apresenta um debito de filtração glomerular e os valores param de aumentar. As insuficiências renais agudas são geralmente resultados de uma obstrução .Período de inicio : Começa com agressão e termina quando a oliguria se desenvolve. eventualmente a taxa de filtração glomerular diminui.costuma-se usar os qualificativos imprecisos leves. . .moderada e grave ou terminal conforme o grau de diminuição da filtração glomerular.Pos renal : obstrução do fluxo urinário. . -Período de oligúria: volume menor que 400ml/24h.com . levando .

capaz de substituir um órgão vital.Hemodiálise A aplicação da hemodiálise teve inicio ha mais de meio século . .mudando o curso natural de uma doença letal em um tratamento paliativo. Alem disso o tratamento dialitico propicia condições para aqueles que se encontram em tratamento aguardarem pelos seus transplantes e se manterem em boas condições clinicas ate que o dia do transplante se realize.maior longevidade e uma freqüência cada vez menor de complicações. mais de um milhão de pessoas no mundo mantem suas vidas através de uma maquina . . Onde a partir da década de 60 como tratamento de uremia crônica. . com intuito de manter o paciente vivo o tempo suficiente para a recuperação da função renal. Segundo RIELLA (2003)A hemodiálise deve ser vista como uma modalidade terapêutica capaz de proporcionar uma melhor qualidade de vida .sendo indicada apenas para o tratamento da insuficiência renal aguda . Hoje graças a terapia renal substitutiva.

OBJETIVO Discutir a importância da sistematização da assistência de enfermagem em nefrologia. .

onde cada uma possuindo suas particularidades e onde o número de pacientes acometidos pela insuficiência renal crônica cresce cada dia mais. o bom desempenho desta pratica com ações sistematizadas individualizadas e humanizadas pode mudar o perfil de uma clientela partindo do principio que cada ser é diferente portanto necessitando de cuidados individualizados. e as que tentam implantar muitas vezes são sufocadas com uma enfermagem burocrática sem tempo para um cuidado individualizado. percebi a necessidade de ações sistematizadas dentro dos centros de diálises onde apesar de exigências dos conselhos de classe e outras entidades para que haja ações sistematizadas a esta clientela ainda são poucas as entidades que fazem uso deste valioso instrumento.Apesar das exigências legais sobre a SAE muitos profissionais e instituições ainda não se derao conta da importância de ações sistematizadas dentro das unidades.JUSTIFICATIVA Como aluna do curso de pos graduação em nefrologia do Centro universitário Hermínio Ometto. da área Com este trabalho espero conscientizar da nefrologia para que o ato de sistematizar se torne uma rotina dentro das instituições de diálises e vivencia . A sistematização da assistência de enfermagem hoje é um tema relevante pela sua autonomia e pela eficácia quando aplicado de forma sistemática e ordenada . atuando na área de enfermagem há seis anos e ter atuado o em quatro unidades de hemodiálise diferentes da região sudeste. profissionais em especial dos enfermeiros .

A análise do conteúdo revisada foi descrita levando em consideração as concordâncias e discordâncias encontradas nestes. Na seqüência procedeu-se a leitura reflexiva dos artigos selecionados. pude propor a importância da SAE voltada aos clientes submetidos a terapia renal substitutiva o que contribuirá para a melhor eficácia do tratamento.METODOLOGIA Para esta pesquisa utilizou-se de revisão bibliográfica em livros e bases de dados online e revistas cientificas e de posse do material bibliográfico. . com a finalidade de selecionar aqueles que poderiam contribuir para o desenvolvimento do presente trabalho. Isto posto. iniciou-se uma leitura exploratória desses. Essas idéias foram transcritas e organizadas por ordem de importância para o desenvolvimento desta pesquisa.

que poderá ser avaliado futuramente com um diagnostico positivo. poderá intervir potencializando este paciente para melhora e assim. organizada. o que ocasionará menos Intercorrência dialiticas e melhor resposta desta clientela ao tratamento. e humanizada e promovendo o cuidado individualizado assim a partir daí este profissional já se sentirá motivado não sendo visto apenas como mais um. assim sendo.DISCUSSÃO Procurou-se com este trabalho demonstrar a importância da (SAE) Sistematização da assistência de enfermagem. mas por valorizá-lo como pessoa. não somente por determinação legal. Ao iniciarmos este processo o paciente terá um histórico de enfermagem abrangente. e sim com uma equipe que se preocupa com a sua qualidade de vida e saúde. onde assim facilitará todo planejamento de orientações e cuidados a serem prestados a estes. como conseqüência uma diminuição de Intercorrência onde um acompanhamento adequado para sanar as necessidades que vão surgindo através da sistematização significara o bem estar e a satisfação tanto do cliente .como do profissional. através dos diagnósticos de risco o enfermeiro conseguirá detectar precocemente anormalidades que poderão vir a diminuir a interação do paciente junto ao seu tratamento. onde o profissional poderá assistir o paciente de forma sistemática. baseado na historia de saúde deste. e a autonomia destes prestadores da assistência em nefrologia . Desta forma o enfermeiro poderá identificar problemas decorrentes do seus hábitos de vida que muitas vezes estão prejudicando a uma melhor resposta no seu tratamento e desmotivando seu desempenho dialítico. Onde através de ações sistematizadas esperasse que taxa de desinteresse momentâneo pelo seu tratamento devido a fatores agravantes tanto no . através de orientações.

Cabe alertar que muitas vezes o enfermeiro se sentirá limitado a implantar a SAE. a qual objetiva fazer a prevenção de agravos patológicos dentro das clinicas de diálises . devido a ter sido diagnosticado precocemente. cabe ao enfermeiro demonstrar a importância deste instrumento.serviço de diálise como com familiares. Com a (SAE) sistematização da assistência de enfermagem. o cliente como um todo e valorizando assim a sua saúde que foi alterada por um órgão vital mais substituível e com a ajuda deste cliente e implementação da SAE este cliente terá uma melhor qualidade de vida. como resistência dos profissionais envolvidos. Isto posto ao ter em mãos os diagnósticos de enfermagem de “risco” que permitem um plano ideal para a assistência destes clientes. que deve ser a real função do enfermeiro nefrologista. envolvendo assim. com práticas de ações e intervenções. nos centros de diálises o mesmo se sentirá mais amparado.O planejamento da assistência se dará de forma a atender as necessidades dos clientes conhecimento de cada um. pois nossa proposta e trabalhar os diagnósticos de enfermagem. bem como avaliando a necessidade e o déficit de . prevenindo desta forma possíveis agravos a esses clientes devido a sua rotina dialiticas e desmotivaçao enquanto aguardam um transplante. pois o enfermeiro irá orientá-lo e definirá os cuidados a serem implementados. e os diagnósticos de riscos não devem ser confundidos com diagnóstico médicos. que na maioria dos casos não são identificados por falta da implementação da sistematização. a qual gostaria de esclarecer que a SAE. Mesmo encontrando dificuldades iniciais de implantação da SAE.

ordenado. Atualmente.REVISÃO DE LITERATURA. analisar e interpretar informações sobre as necessidades físicas e psíquicas do paciente para levá-lo . O processo de enfermagem é definido por YURA e WALSH. de se coletar . planejamento. Trata-se de um processo que segue passos com objetivo de individualizar o cuidado através do levantamento de problemas e soluções dos mesmos. A Sistematização da Assistência em Enfermagem A enfermagem vem cada vez mais buscando melhorar na qualidade da assistência ao cliente.o e participando na sua recuperação de maneira integral. . este tema tem sido objeto de discussão em vários eventos. 1994. implementação e avaliação. na década de 60. conhecendo . sistemático . critico. a expressão diagnóstico de enfermagem foi introduzida por Wanda Horta. julgar . 1979).3. Segundo(ABRAO et al) No Brasil. visando melhor compreensão e aplicação da Taxonomia dos diagnósticos de enfermagem propostos pela NANDA (CRUZ4. o SAE (sistematização de assistência de enfermagem) faz com que possamos diferenciar no cuidado prestado a cada cliente de forma individualizada. e constituiu-se em uma das etapas do processo de enfermagem proposto por esta autora (HORTA8. 1995). 1973 apud Cianciarulo ( 2001) como método continuo . Apresenta um processo de enfermagem composto de coleta de dados e diagnósticos. a normalidade .

não podendo ser delegada a outros profissionais. os dados posteriores também permitem que a enfermeira identifique problemas adicionais que podem ter surgido como resultado da hospitalização. anteriormente adquiridos. individualizado e sem duplicidade de informações (HORTA. . ampliar ou interromper as intervenções de enfermagem.Passos da sistematização Histórico Segundo Year. Tais dados também determinam se a enfermeira pode mudar. O histórico inicial capacita o enfermeiro a acumular dados abrangentes sobre as reações de saúde. claro. et al (1993) o histórico é o primeiro passo do processo de enfermagem é um processo organizado e sistemático de coleta de dados de uma infinidade de fontes para analise do estado de saúde de um cliente. 1979). preciso. sendo esta a primeira etapa para coleta de informações onde se destaca uma das fases primordiais da assistência de enfermagem. Através do levantamento de dados dentro do Histórico o enfermeiro será capaz de subsidiar dados e informações precisas para o acompanhamento do cliente. A fase do histórico propicia uma fundamentação sólida que promove a realização de cuidados individualizados e qualificados. através de um processo que compara informações atuais com dados de partida. Isto é conseguido. O preenchimento do histórico de enfermagem é uma atividade especifica do enfermeiro. Uma vez que o processo é um processo continuo. tendo como características ser conciso. Ele também auxilia na identificação dos fatores específicos que contribuem para a existência dessas reações num cliente em especial. do processo de doença ou das modalidades de tratamento.

pois destas informações dependerá do resultado de todo o processo. .É importante ressalta que nesta fase o cliente deverá estar consciente e não poderá omitir informações.

prescrever e implementar medidas de enfermagem que contribuam para a promoção. para determinação de sua natureza. Este processo de socialização recompensa as enfermeiras por não diagnosticar. proteção à saúde. por exemplo. prevenção. os mecânicos diagnosticam os defeitos dos automóveis.A questão não é se as enfermeiras devem diagnosticar. Alem disso muitas enfermeiras foram ensinadas a evitar afirmações definitivas ao documentar e foram aconselhadas ao utilizar frases como “parece ser” ou “parenta ser”. os professores diagnosticam as dificuldades de aprendizado.Diagnóstico Para Carpenito (2002) a enfermagem necessita de um sistema de classificação ou uma taxonomia. . mas o que elas podem diagnosticar. família e comunidade. Por definição o diagnostico é o estudo cuidadoso e critico de algo. alguns tende a desconsiderar o fato de que muitos profissionais elaboram diagnostico. confiável para o preenchimento dos critérios da profissionalização▪ Historicamente vinculam os diagnósticos exclusivamente a medicina. recuperação e reabilitação do individuo. dispõem: ainda que a institucionalização da consulta de enfermagem como um processo da pratica de enfermagem na perspectiva da concretização de um modelo assistencial adequado às condições das necessidades da saúde da população. as cabeleireiras diagnosticam os problemas de cabelo. utiliza componentes do método cientifico para identificar situações de saúde /doença. para descrever e desenvolver uma fundamentação cientifica. Concordando com a autora e embasado nas leis em vigor Resolução COFEN-159/1993 que dispõem: que a consulta de enfermagem sendo atividade privativa do enfermeiro.

diagnósticos.Assim é possível falarmos de maneira coesa e com linguagem única ao nosso cliente. . Apesar da inexistência de um limite nítido entre fases do processo. O diagnóstico de enfermagem é uma forma de expressar as necessidades de cuidados que identificamos naquelas que cuidamos. Para Carpenito (2000) o diagnostico de enfermagem é tanto uma estrutura como um processo e define como uma afirmativa que descreve um tipo especifico de problemas ou respostas que a enfermeira identifica. Em uma dessas perspectivas ele é definido como uma das etapas do processo de enfermagem. pois tal utilização não enfatiza o papel da enfermeira. e o melhor cuidado para este. planejamento. ele tem sido tradicionalmente descrito em cinco etapas: levantamento dos dados.Nao deve serusado para rotular todo problema que as enfermeiras podem identificar. onde podemos concluir o tipo de diagnostico. implementação e avaliação. Segundo Cruz apud Cianciarulo (2001) o diagnóstico de enfermagem pode ser analisado sob varias perspectivas. É através deste que levantamos estratégias para propor maneiras de intervenções ao estado do cliente.

minimizar ou corrigir reações não saudáveis do cliente. É através desta fase que se desenvolve ações preventivas para saber o nível de conhecimento desses clientes sua saúde e incluindo informações já existentes procurando esclarecer possíveis dúvidas que possam estar interferindo no processo saúde/doença.Planejamento Segundo IYER (1993) envolve o desenvolvimento de estratégias. Esta fase inicia – se após a formulação do enunciado do diagnostico e finaliza com a documentação real do plano de cuidados. identificadas no diagnostico de enfermagem. criada para reforçar reações saudáveis do cliente ou para prevenir. .

analisar as complicações potenciais e os recursos necessários. De acordo com os diagnósticos e o planejamento previamente estabelecido é que a enfermeira vai poder atuar na fase de intervenção de enfermagem relacionado a possíveis fatores específicos a elaboração de método preventivo e corretivo e a educação do cliente conforme o diagnostico alterado. Segundo IYER (1993) a enfermeira utiliza três estágios para completar a fase de implementação é preparação. tendo ambiente favorável preparado com qualidade à assistência de enfermagem. intervenção e documentação. na fase de levantamento de dados do processo de enfermagem. e tem como meta à obtenção de resultados.reconhecimento das complicações potenciais.Implementação A implementação é a quarta fase do processo de enfermagem onde será iniciado o cuidado de enfermagem previamente estabelecido no planejamento. Intervenção: será o inicio da fase da implementação onde as necessidades físicas emocionais do cliente são identificadas. Preparação: inclui uma serie de atividades – revisão das intervenções de enfermagem identificadas na fase de planejamento – analise dos conhecimentos e habilidade de enfermagem exigida . associadas a atividades especificas de enfermagem – determinação e provimento dos recursos necessários – preparação de um ambiente favorável aos tipos de atividades que serão realizadas. . Seguindo estes passos o enfermeiro vai promover.

a documentação são dados a serem armazenados onde estão registrados os cuidados de enfermagem. e condutas a serem implementadas objetivando uma assistência individualizada e de qualidade. as necessidades básicas para cada cliente intervindo e solucionado os problemas. Segundo HORTA (1979) afirma que a prescrição requer do enfermeiro experiência de capacidade de escolha para prescrever o cuidado adequado a prescrição deve ser precisa. . Como foi citada. clara. concisa. especifica.Documentação: é a fase da implementação de enfermagem onde serão registrados os dados da assistência.

No âmbito hospitalar em especial diálises. Refletindo Juntamente com os autores nesta fases do processo podemos estar avaliando as ações implementadas e se as metas que alcançadas . Constitui-se no resultado do processo de trabalho previamente estabelecido por meio de critérios ou objetivos da assistência de enfermagem (YOSHIOKA apud CIANCIARULO 2001).Avaliação Avaliação como uma das fases da assistência de enfermagem serve para subsidiar a manutenção e a necessidade de reformulação e ajuste no planejamento da assistência. estão sendo .

Essas idéias foram transcritas e organizadas por ordem de importância para o desenvolvimento desta pesquisa. com a finalidade de selecionar aqueles que poderiam contribuir para o desenvolvimento do presente trabalho.METODOLOGIA Para esta pesquisa utilizou-se de revisão bibliográfica em livros e bases de dados online e revistas cientificas e de posse do material bibliográfico. Isto posto. Na seqüência procedeu-se a leitura reflexiva dos artigos selecionados. iniciou-se uma leitura exploratória desses. A análise do conteúdo revisada foi descrita levando em consideração as concordâncias e discordâncias encontradas nestes. . pude propor a importância da SAE voltada aos clientes submetidos a terapia renal substitutiva o que contribuirá para a melhor eficácia do tratamento.

como do profissional. organizada. não somente por determinação legal. que poderá ser avaliado futuramente com um diagnostico positivo. através dos diagnósticos de risco o enfermeiro conseguirá detectar precocemente anormalidades que poderão vir a diminuir a interação do paciente junto ao seu tratamento. Onde através de ações sistematizadas esperasse que taxa de desinteresse momentâneo pelo seu tratamento devido a fatores agravantes tanto no . através de orientações. e sim com uma equipe que se preocupa com a sua qualidade de vida e saúde. onde assim facilitará todo planejamento de orientações e cuidados a serem prestados a estes.DISCUSSÃO Procurou-se com este trabalho demonstrar a importância da (SAE) Sistematização da assistência de enfermagem. Desta forma o enfermeiro poderá identificar problemas decorrentes do seus hábitos de vida que muitas vezes estão prejudicando a uma melhor resposta no seu tratamento e desmotivando seu desempenho dialítico. assim sendo. baseado na historia de saúde deste. mas por valorizá-lo como pessoa. e humanizada e promovendo o cuidado individualizado assim a partir daí este profissional já se sentirá motivado não sendo visto apenas como mais um. o que ocasionará menos Intercorrência dialiticas e melhor resposta desta clientela ao tratamento. e a autonomia destes prestadores da assistência em nefrologia . Ao iniciarmos este processo o paciente terá um histórico de enfermagem abrangente. poderá intervir potencializando este paciente para melhora e assim. onde o profissional poderá assistir o paciente de forma sistemática. como conseqüência uma diminuição de Intercorrência onde um acompanhamento adequado para sanar as necessidades que vão surgindo através da sistematização significara o bem estar e a satisfação tanto do cliente .

pois o enfermeiro irá orientá-lo e definirá os cuidados a serem implementados. como resistência dos profissionais envolvidos. nos centros de diálises o mesmo se sentirá mais amparado. Isto posto ao ter em mãos os diagnósticos de enfermagem de “risco” que permitem um plano ideal para a assistência destes clientes.O planejamento da assistência se dará de forma a atender as necessidades dos clientes conhecimento de cada um. cabe ao enfermeiro demonstrar a importância deste instrumento. a qual gostaria de esclarecer que a SAE. a qual objetiva fazer a prevenção de agravos patológicos dentro das clinicas de diálises . que deve ser a real função do enfermeiro nefrologista. envolvendo assim. e os diagnósticos de riscos não devem ser confundidos com diagnóstico médicos. prevenindo desta forma possíveis agravos a esses clientes devido a sua rotina dialiticas e desmotivaçao enquanto aguardam um transplante. que na maioria dos casos não são identificados por falta da implementação da sistematização. devido a ter sido diagnosticado precocemente. pois nossa proposta e trabalhar os diagnósticos de enfermagem. Com a (SAE) sistematização da assistência de enfermagem. o cliente como um todo e valorizando assim a sua saúde que foi alterada por um órgão vital mais substituível e com a ajuda deste cliente e implementação da SAE este cliente terá uma melhor qualidade de vida. Mesmo encontrando dificuldades iniciais de implantação da SAE. Cabe alertar que muitas vezes o enfermeiro se sentirá limitado a implantar a SAE.serviço de diálise como com familiares. bem como avaliando a necessidade e o déficit de . com práticas de ações e intervenções.

. e principalmente voltada para a saúde em diálises. . objetivando um respaldo administrativo é de suma importância para que a aplicabilidade do processo de resultados.Através da persistência em mostrar a importância deste valioso instrumento o profissional será capaz de ter ações sistematizadas dentro do seu ambiente de trabalho mostrando ao cliente que sua interação junto ao tratamento e de extrema valia para um processo implantado com sucesso . O enfermeiro devera observar após a implantação da SAE seus resultados juntamente com toda equipe multiprofissional e sanar dificuldades que por ventura aparecerem no decorrer da implantação. pois se sabe que muitos profissionais ainda não deram conta da importância da SAE dentro das atividades do enfermeiro. tendo a necessidade de um impresso próprio onde se defini os objetivos com a clientela já em tratamento diálitico . Compete ainda ao enfermeiro trabalhar de forma harmoniosa com a equipe medica. A sistematização devera ser um instrumento de trabalho fácil de preferência check list bem estruturado para enfocar os pontos principais rápido sem perder o foco na assistência devendo ser de forma sistemática e de fácil entendimento.ambulatorial ou conservador .CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao analisar este trabalho observamos que o enfermeiro tem uma grande responsabilidade durante o tratamento de terapia renal substitutiva e manter a qualidade de vida do cliente envolvido nesta modalidade de tratamento.

.

São Paulo: Atheneu. 2004. HORTA. Rio de Janeiro: Guanabara koogan. M.W et al. EDUFF.2003. Rio de Janeiro ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.GUYTON A C. Araras. . (Trabalho Conclusão Curso de Especialização em Enfermagem Obstétrica) Centro Universitário Hermínio Ometto -Uniararas. Apresentação e elaboração de projetos e monografias. . 4° ed.Porto Alegre:Artes medicas. T.1999.I.MD Hall J. TI. P.Porto Alegre: Artes Médicas.p.E.C et al. diagnósticos e tratamento. Sistema de Assistência de Enfermagem: Evolução e tendências.L.38f. CIANCIARULLO.H D. 1996 Instrumentos Básicos: como usa-lo na enfermagem.C.cap21. 1979.1998. Sistematização da Assistência de Enfermagem no Alojamento Conjunto.L.cap.1-3.São Paulo ed.REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS CIANNCIARULLO. Princípios de Nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. 1993.Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças 6°ed. BARROS . RIELLA. p.388-389.423 . Processo de enfermagem. Processo e Diagnóstico em Enfermagem.10 pag.EDUSP. . Nefrologia: rotinas . 1997.et al. W. MIRANDA.(Organizadora) Instrumentos básicos para o cuidar: Um desafio para a Qualidade de Assistência.G.E.J. RAMOS.São Paulo IYER. A. 2° ed.

129.Enfermagem.ISSN 0104-1169. Latino – am. latino –am.n°02 pg. ABR 1997.Utilização do diagnóstico de enfermagem segundo a classificação NANDA para sistematização Assistência de enfermagem em aleitamento materno.49-52.Rev.1996.pág.vol.4. ISSN 01041169. Rev.jul. Sistematização da Assistência de Enfermagem a paciente com luxações de coluna cervical: estudo caso. Enfermagem .113.vol.n° 2.5. .