Você está na página 1de 6

Emergncia e crescimento de plntulas de bacabi (Oenocarpus mapora Karsten) e bacaba (Oenocarpus distichus Mart.) e estimativas de parmetros genticos.

Ricardo Alexandre Moraes da SILVA Milton Guilherme da Costa MOTA Joo Tom de FARIAS NETO

Emilio Emerson Alves da SILVA

INTRODUO
As espcies do gnero Oenocarpus so originrias e nativas da Amrica Tropical e a maioria das espcies ocorre no Norte da Amrica do Sul, indo do nvel do mar at 1000 m de altitude (Lleras et al., 1983).
A importncia socioeconmica destas palmeiras inegvel, e na Amaznia so utilizadas pelo homem para diferentes finalidades tais como: habitao, alimentao, ornamentao, medicina popular e confeco de cestaria (Oliveira et al., 1991; Almeida & Silva, 1992).

MATERIAL E MTODOS
A coleta de frutos das matrizes de O. mapora (bacabi) e O. distichus (bacaba) foram realizados em quintais de produtores rurais e no banco de germoplasma da Embrapa Amaznia Oriental. As posies geogrficas das cinco localidades correspondem aos municpios sedes de Belm, Colares, Moju, Portel e Santo Antnio do Tau (situados no Estado do Par) como mostra a Figura 1.

MATERIAL E MTODOS
O experimento foi instalado nos meses de janeiro a maio de 2004 no Instituto de Cincias Agrrias ICA do campus da Universidade Federal Rural da Amaznia UFRA, em Belm-PA. Envolveu 47 prognies obtidas a partir da coleta de frutos maduros de matrizes de polinizao aberta de plantas que apresentavam tamanho de cacho suficiente para constituir uma amostragem e identificados com uma numerao: 01, 02, 03, ..., 47 para suas respectivas prognies. A espcie O. mapora envolveu 38 prognies, sendo 22 procedentes do municpio de St Antnio do Tau, 12 de Belm e 4 de Colares, enquanto que a espcie O. distichus envolveu 9 prognies, sendo 5 procedentes do municpio de Portel e 4 de Moju.

As anlises de varincia foram realizadas segundo os procedimentos comuns a um delineamento experimental de blocos casualizados, utilizando o programa GENES desenvolvido por Cruz (2001) o qual emprega os estimadores dos parmetros genticos, fenotpicos e os ganhos de seleo esperados, apresentados por Vencovsky & Barriga (1992).

http://www.portalamazonia.com.br/secao/amazoniadeaz/interna.php?id=8
26

http://www.kew.org/science/tropamerica/imagedatabase/large1/cat_single1
-2915.htm