P. 1
A Guerra Fria

A Guerra Fria

4.5

|Views: 585|Likes:
Publicado porProfº Claudio

More info:

Categories:Types, Brochures
Published by: Profº Claudio on Feb 16, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC or read online from Scribd
See more
See less

10/31/2012

A GUERRA FRIA E A BIPOLARIDADE I – INTRODUÇÃO Primeiramente cabe aqui fazer uma consideração sobre o conceito em si.

Habitualmente refere-se à Guerra Fria como um conflito que em múltiplas variantes opunha norte-americanos e soviéticos. Dos esportes à exploração espacial, das forças militares às ideologias, dos sistemas econômicos às organizações políticas, esta rivalidade perpassava diferentes níveis e aspectos, unidos porém na noção de conflito.

Mas talvez caibam outras interpretações sobre o período. A primeira diz respeito a guerra fria como uma forma de convergência de interesses, mutuamente recíprocos em termos da preservação dos respectivos status quo: da mesma forma que as aspirações sociais na América Latina foram vistas como manifestações de comunismo, os posteriores movimentos de oposição ao governo soviético por parte dos húngaros (1956) ou tchecos (em 1968), foram apresentados como ações provocativas de capitalistas, justificando-se a repressão contra eles. Em ambas situações, a guerra fria servia como pretexto para que os EUA e a URSS mantivessem suas áreas de influência sob controle. O conflito, aqui, era um acordo entre as superpotências. Também podemos entender o período como uma oportunidade para que as demais potências – ainda que coadjuvantes – fossem isoladas e mantidas submissas às duas superpotências. Mesmo a temporalidade que envolveu a rivalidade entre soviéticos e norteamericanos não é vista de forma unânime, com seu início variando de 1945 – com os ataques nucleares ao Japão -, 1947 – com a doutrina Truman de contenção ao comunismo – e ainda, 1949, com a detonação de uma bomba A soviética, rompendo o monopólio nuclear americano, então vigente. II – DESENVOLVIMENTO

Justificando-se à partir das guerras civis então em curso na Grécia e Turquia, onde os comunistas aparentavam estar perto da tomada do poder nestes países, o presidente Henry Truman anunciou a nova orientação da diplomacia dos EUA: conter o expansionismo soviético aonde fosse. Apenas um detalhe: Stálin, voltado para a reconstrução da URSS após a guerra, ciente do poderio militar e econômico norteamericano e sem nenhuma intenção de provocar um atrito com os EUA, não moveu uma palha para ajudar os comunistas grego-turcos; logo, o pretexto de Truman era uma manipulação. Seguiriam-se então o Plano Marshall de reconstrução européia, a unificação das zonas de ocupação americana, inglesa e francesa na Alemanha e Berlim – originando a constituição da República Federal Alemã (RFA), e uma aliança militar: a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). A reação soviética a estes eventos foi equivalente. Por meio do COMECON buscou criar no leste europeu um “mercado” privilegiado e voltado para a consolidação do socialismo. Formou-se uma aliança rival à OTAN, o chamado Pacto de Varsóvia. Os governos do leste foram “sovietizados”, incorporando-se às estruturas produtivas, sociais e políticas da própria URSS. E em resposta pela formação da RFA, Stálin patrocinou a formação de uma Alemanha Oriental pró-soviética (RDA). Enquanto as relações se deterioravam os EUA iniciavam a chamada “caça às bruxas” e o macartismo – intensificados pela competição nuclear e denúncias de traição e espionagem por toda parte. No leste, o bloqueio de Berlim, a Revolução Chinesa, a guerra

da Coréia e o início do conflito no Vietnã, também apontavam para uma espiral de conflitos sempre em expansão. Mas na década de 50, a morte de Stálin e o início da desestalinização, a aproximação soviética com os EUA, o rompimento sino-soviético, o Sputnik, o desenvolvimento dos mísseis intercontinentais e o das armas nucleares para outro patamar – o advento das bombas de hidrogênio -, levaram a uma redefinição das relações entre as superpotências: a Coexistência Pacífica. Mas ao contrário da expressão, a política de convergência de interesses continuou associada com a persistência das crises: a revolução cubana, a descolonização afro-asiática, as guerras árabe-israelenses, etc. Por sinal, a crise dos mísseis de 1962 colocou o mundo à beira da guerra nuclear, embora terminasse com o recuo soviético. Internamente a URSS não alcançou os resultados esperados. Enfraquecido no front econômico, isolado pela linha dura no PCUS e amargando a humilhação do desfecho da crise cubana, Kruschev acaba afastado, inicialmente por uma tróika composta por Brejnev, Podgorny e Kossigyn, tornando-se o primeiro, posteriormente, o único detentor do poder. Na década de 70 enquanto o Kremlin implementava a Deténte ou degelo – um prosseguimento da Coexistência sob outra denominação – a URSS seguiu ampliando suas forças militares convencionais e estratégicas, enquanto ia fincando pé em Angola, Moçambique, Etiópia e sul da África. Reforçou sua presença no Caribe, apoiou movimentos guerrilheiros na Nicarágua, El Salvador e Honduras, reforçou o contingente militar em Cuba, financiou a construção de um grande aeroporto de uso militar em Granada e flertou com o governo surinamês, bem como ocupou o Afeganistão e enquadrou seus “satélites” na Europa do leste. Por outro lado, os EUA enfrentavam um declínio militar após o fiasco no Sudeste Asiático, e representado pela expulsão do Irã e a queda de aliados nas Filipinas e Nicarágua, além da crise econômica mundial decorrente dos choques do petróleo. A prioridade do governo Carter em favor dos direitos humanos foi vista como o abandono de “amigos” anticomunistas e uma oportunidade da URSS de aproveitar a falta de vontade dos EUA. A década seguinte foi marcada pela ascensão de Ronald Reagan e a retomada da Guerra Fria com uma nova e mais dispendiosa corrida armamentista. Proclamando ser a União Soviética o “império do mal”, a Casa Branca implementou um grande programa de investimentos em mísseis de médio alcance a serem posicionados na Europa (os Pershing), um novo tipo de arma nuclear – a bomba de Nêutrons -, novos aviões de bombardeio estratégico (o B-1), submarinos nucleares mais sofisticados, devastadores e silenciosos, etc, além do dispendioso programa denominado de Guerra nas Estrelas ou Iniciativa de Defesa Estratégica, que previa o desenvolvimento de sistemas de observação mais avançados complementados com armas de raios instalados no espaço ou não e destinadas a destruir os mísseis inimigos antes de atingir o território dos EUA ou seus aliados. Estes programas representavam gastos de bilhões de dólares e compensariam, pela inclusão de tecnologia de ponta, a disparidade militar convencional do Pacto de Varsóvia. No Caribe/América Central, forneceram-se recursos militares, logísticos e financeiros para deter as guerrilhas em El Salvador e Honduras e impedir os sandinistas nicaragüenses de se consolidarem no poder, mediante apoio e estímulo aos denominados Contras numa guerra civil, além de invadir o Panamá e Granada. No Oriente Médio, com anuência e aval norteamericano, o Iraque de Saddam Hussein foi a guerra contra o Irã revolucionário islâmico, enviaram-se forças militares para o Líbano, confirmaram-se os vínculos com Israel e as

petromonarquias aliadas no Golfo Pérsico. No Afeganistão começaram a apoiar os guerrilheiros islâmicos contra o invasor soviético, transformando-o no “Vietnã russo”. A Líbia foi bombardeada e seu governante por pouco não foi morto no ataque aéreo norteamericano. Na Europa, enviaram-se mais armas e soldados para o contingente dos EUA na OTAN. Pressionada a gastar mais recursos para manter a superioridade militar do Pacto de Varsóvia e ao mesmo tempo incluir mais tecnologia de uso militar, a economia soviética foi perdendo fôlego. Sob pressão da Casa Branca sobre organismos financeiros internacionais e aliados políticos, a URSS foi ficando isolada e enfrentando diferentes pontos de estrangulamento: produção de cereais insuficientes, limitações comerciais e de acesso a tecnologia, escassez de bens de consumo de todos os tipos, etc. III – O DESFECHO Enquanto o belicismo norte-americano colocava a União Soviética contra a parede, os problemas relacionados a gerontocracia e nomenklatura forçavam o Kremlin a lidar com a perspectiva de reformas. Sob Gorbachev, as mudanças econômicas teriam resultados de longo prazo, se tivessem sucesso. Tomando a iniciativa de congelar a corrida armamentista, reabrir negociações de limitações de armas estratégicas, retirando-se do Afeganistão e do leste europeu, reduzir os contingentes militares e assistir a desintegração do Pacto, ele esperava que tais medidas, em seu conjunto, representassem uma grande redução dos gastos militares. Enquanto o governo soviético sinalizava que sua prioridade eram os assuntos internos, a própria dinâmica de desmantelamento do regime levaria à desintegração soviética em 1991. Quem venceu a Guerra Fria? A propaganda norte-americana valoriza, evidentemente, os EUA, mas há que se lembrar que em todos os assuntos que envolveram posteriormente a Europa Oriental, o sul da Rússia, as fronteiras iraniana, afegã e chinesa, os russos sempre foram consultados. Eles continuaram presentes em todas as negociações que envolveram o Irã, o Iraque e a Coréia do Norte. As duas guerras da Chechênia, a segunda em particular, transcorreram praticamente sem intervenção ocidental. E a expansão da OTAN para o leste pela inclusão de ex-membros do Pacto de Varsóvia, provocou desnecessariamente os russos, de forma a estimular o governo de Vladimir Putin a retomar a retórica e as ações que enfatizam o poder militar da Rússia, o que culminou com a recente intervenção na Geórgia. Esta ação, mais que demonstrar aos georgianos quem é que manda, serviu para mandar um recado ao mundo: a Rússia não está disposta a assistir movimentações em sua área de influência, sem que seus interesses sejam considerados.

Para alguns a Guerra Fria retornou; para outros, nunca acabou.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->