P. 1
75818117 Mat Regra de Tres

75818117 Mat Regra de Tres

|Views: 38|Likes:

More info:

Published by: Flavio Tecladista Bacelar on Feb 12, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/15/2013

pdf

text

original

Inclusão para a vida

Matemática D
Noção Intuitiva “O índice de analfabetismo da cidade x é de 23% (lê-se 23 por cento)”. Significa que, em média, 23 de cada 100 habitantes são analfabetos. Cálculo de uma porcentagem

UNIDADE 1
REGRA DE TRÊS
GRANDEZAS DIRETAMENTE PROPORCIONAIS
Duas grandezas são ditas diretamente proporcionais quando o aumento uma delas implica no aumento da outra na mesma razão. Exemplo: 1 kg de alimento custa R$ 15,00 3 kg de alimento custam R$ 45,00 5kg de alimento custam R$ 75,00

Exemplo: 25% de R$ 80,00 é R$ 20,00” pois 25% =

25 100

= 0,25

Logo 25% de R$ 80,00 = 0,25.80,00 = 20,00 Definição Porcentagem é uma razão centesimal que é representada pelo símbolo % que significa “por cento”.

GRANDEZAS INVERSAMENTE PROPORCIONAIS

Exercícios de Sala 
Duas grandezas são ditas inversamente proporcionais quando o aumento der uma delas implica na diminuição da outra na mesma razão. Exemplo: 2 pessoas constroem 1 obra em 18 dias 4 pessoas constroem a mesma obra em 9 dias 6 pessoas constroem a mesma obra em 6 dias

1.

Se 12Kg de um certo produto custa R$ 600,00, qual o preço de 25Kg do mesmo produto?

2. Sabendo que 36 operários conseguem construir uma casa em
30 dias, se dispomos apenas de 12 desses operários, em quanto tempo será construída a mesma casa?

APLICAÇÕES – REGRA DE TRÊS

3. Calcular
Regra de Três Simples
Regra de Três Simples é um processo matemático mediante o qual podemos resolver problemas do cotidiano envolvendo “duas” grandezas, sejam elas direta ou inversamente proporcionais. Este processo consiste no seguinte: Identificar as grandezas envolvidas no problema. Nas situações dadas (em relação às mesmas) dispô-las em colunas. Verificar se são GDP ou GIP. Montar a proporção correspondente. Resolver a proporção. Regra de Três Composta Regra de três composta é um processo matemático mediante o qual podemos resolver problemas do cotidiano, envolvendo três ou mais grandezas. O processo é semelhante ao caso anterior (Regra de três simples), levando em consideração apenas o item da verificação quanto a GDP ou GIP, que deve ser feito da seguinte maneira: analisar as grandezas duas a duas, sempre em relação à que possui a variável. A montagem e resolução da proporção seguem o mesmo roteiro do caso anterior (Regra de Três Simples). a) 60% de 30 c) 20% de 300 e) (20%)2 b) 30% de 20 d) 20% de 20% f) 4%

4. Numa cidade, 240 000 jovens representam 30% da população.
Então a população da cidade é de: a) 500 000 habitantes c) 700 000 habitantes e) 900 000 habitantes b) 600 000 habitantes d) 800 000 habitantes

Tarefa Mínima  1. Se trinta litros de um combustível custam R$ 16,95, quantos
custarão oitenta litros do mesmo combustível?

2.

Se 14 pedreiros levam 180 dias para construir uma casa, quanto tempo levarão para construí-la 10 pedreiros?

3. Um acampamento com 80 pessoas tem suprimento para dez
dias. Sabendo-se que chegaram mais vinte soldados, perguntase: para quantos dias terão suprimentos, considerando-os inalteráveis?

PORCENTAGEM
PORCENTAGEM
As razões cujos denominadores são iguais a 100 são chamadas razões centesimais. Exemplo:

4. Calcular as seguintes porcentagens:
a) 25% de 80 c) 120% de 200 e) 20% de 30% g) b) 4% de 50 d) 0,15% de 400 f) (5%)2

; ; etc. 100 100

13

27

49%

5.

Numa sala de 80 alunos, 24 alunos foram aprovados. A porcentagem de reprovação foi de: a) 30% d) 60% b) 40% e) 70% c) 50%

Pré-Vestibular da UFSC

1

Matemática D 6.
(UFSC) Ao vestibular de 1982 da UFSC, inscreveram-se 15.325 candidatos, dos quais 14.099 concluíram todas as provas. O percentual de abstenção foi:

Inclusão para a Vida
mesma eficiência das anteriores) trabalhando 8 horas por dia levarão 6 dias para fazer o mesmo trabalho.

7. Qual o preço de uma mercadoria que custava R$ 80,00 e teve
um aumento de 40%? a) 110,00 b) 112,00 d) 116,00 e) 98,00 c) 114,00

UNIDADE 2
FATORIAL
Dado um número natural, denomina-se fatorial de n e indica-se por n! a expressão:

8. (CESCEM-SP) 3% de 0,009 vale:
a) 0,00027 d) 0,009 b) 0,0027 e) n.d.a. c) 0,00009

n! = n.(n

1) . (n

2) . (n

3). ......... . 3 . 2 . 1

Tarefa Complementar 9.
(UNIMEP-SP) Se dois gatos comem dois ratos em dois minutos, para comer 60 ratos em 30 minutos são necessários: a) 4 gatos d) 5 gatos b) 3 gatos e) 6 gatos c) 2 gatos

Assim temos: 5! = 5. 4. 3. 2. 1 = 120 4! = 4. 3. 2. 1 = 24 3! = 3. 2. 1 = 6 2! = 2. 1 = 2 1! = 1 e 0! = 1 (conceito primitivo)

10.

Dezesseis operários trabalhando seis horas por dia constroem uma residência em cento e oitenta dias. Quantos operários serão necessários para fazer a mesma residência, trabalhando oito horas por dia durante cento e vinte dias? a) 18 d) 20 b) 10 e) 21 c) 19

Observação: Podemos desenvolver um fatorial até um fator conveniente. Veja: 8! = 8. 7. 6. 5. 4. 3. 2. 1 = 8. 7. 6. 5. 4! 4! 6! = 6. 5. 4. 3. 2. 1 = 6. 5! 5! 1).(n

11.

Durante 11 dias, 15 cavalos consomem 2200 kg de alfafa. Retirando-se 7 cavalos, 1280 kg de alfafa serão consumidos em quantos dias? a) 12 d) 15 b) 13 e) 16 c) 14

n ! = n. (n

2) !

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM – FÓRMULA DO ARRANJO
PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM
O princípio fundamental da contagem, ou princípio multiplicativo, estabelece um método indireto de contagem de um determinado evento, sem que haja a necessidade de descrever todas as possibilidades. Pode ser enunciado dessa forma: Se um Evento E pode acontecer por n etapas sucessivas e independentes de modo que: E1 é o número de possibilidades da 1ª Etapa E2 é o número de possibilidades da 2ª Etapa : : En é o número de possibilidades da n-ésima Etapa Então E1 . E2 . ......... .Ek é o número total de possibilidades do evento ocorrer.

12. (UFSC) Com uma lata de tinta é possível pintar 50 m2 de
parede. Para pintar uma parede de 72m , gasta-se uma lata e mais uma parte de uma segunda lata. A parte que se gasta da segunda lata, em porcentagem, é:
2

13. (UFSC) Pedro investiu R$ 1.500,00 em ações. Após algum
tempo, vendeu essas ações por R$ 2.100,00. Determine o percentual de aumento obtido em seu capital inicial.

14.

(UFSC) Um reservatório contendo 120 litros de água apresentava um índice de salinidade de 12%. Devido à evaporação, esse índice subiu para 15%. Determinar, em litros, o volume de água evaporada.

15.

(UFSC) Assinale a soma dos números associados à(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. Um investidor tem seu dinheiro aplicado a 2% ao mês. Deseja comprar um bem no valor de R$100.000,00, que pode ser pago a vista ou em três parcelas de R$ 34.000,00, sendo a primeira de entrada e as outras em 30 e 60 dias. Ele sairá lucrando se fizer a compra parcelada. 02. Obter 7 acertos numa prova de 12 questões é um desempenho inferior a obter 6 acertos numa prova de 10 questões, porém superior a obter 5 acertos numa prova de 9 questões. 04. Duplicando-se o lado de um triângulo eqüilátero, sua área fica também duplicada. 08. Se 2 impressoras trabalhando 10 horas por dia levam 5 dias para fazer determinado trabalho, então 3 impressoras (com a

ARRANJO
Considere o conjunto K = {1, 2, 3, 4}. Vamos agora montar os pares ordenados a partir do conjunto K. (1, 2); (1, 3); (1, 4); (2, 3); (2, 4); (3; 4); (2, 1); (3, 1); (4, 1); (3, 2); (4, 2); (4, 3) Observe que esses agrupamentos diferem

Pré-Vestibular da UFSC

2

Inclusão para a vida
Pela natureza dos elementos componentes: (2, 3) (1,4) Pela ordem dos elementos: (1, 3) (3, 1) A esses tipos de agrupamentos denomina-se ARRANJO de n elementos tomados p a p, e é indicado por .

Matemática D 5.
Considere o conjunto K = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7}. Quantos números com quatro algarismos distintos podemos formar a partir do conjunto K?

Tarefa Mínima  1.
Calcular

5 3 2

.

Definição: Denomina-se arranjo de n elementos tomados p a p cada grupo ordenado de p elementos escolhidos entre n disponíveis.

2.

Resolver as equações abaixo: a) (n - 4)! = 120 c) (n - 2)! = 720 b) (4x - 6)! -120 = 600

FÓRMULAS PARA O CÁLCULO DO ARRANJO
ARRANJO COM REPETIÇÃO A
* n,p

=n

p

3.

Ache a solução da equação

x 1! 12 ( x 3)!

Exemplo: Considere o conjunto K = {2, 3, 4, 5, 6}. Quantos números de 3 algarismos podemos formar a partir de K ? Resolução: A*5, 3 = 53 = 125 Logo, podemos formar 125 números de 3 algarismos.

4. Dum ponto A a um ponto B existem 5 caminhos; de B a um
terceiro ponto C existem 6 caminhos; e de C a um quarto ponto D existem também 6 caminhos. Quantos caminhos existem para ir do ponto A ao ponto D? a) 17 b) 30 c) 180 d) 680 e) 4080

ARRANJO SEM REPETIÇÃO (SIMPLES)

5.

An p

n n p

Numa olimpíada de Matemática concorrem 100 participantes e serão atribuídos dois prêmios, um para o 1º lugar e outro para o 2º lugar. De quantas maneiras poderão ser distribuídos esses prêmios? a) 199 d) 9.900 b) 200 e) 10.000 c) 4.950

Exemplo: Considerando o conjunto K = {1, 2, 3, 4, 5}. Quantos números de 3 algarismos sem repetição podem ser formados?

6.
Resolução: A5,3 =

5 5 3

5432 2

60

Telefones de uma cidade possui 6 dígitos (1ºnunca é zero). Supondo que a cidade passe a ter 7 dígitos. Qual o aumento no número de telefones? a) 81.105 b) 8100 c) 90000 d) 90.103

Logo, podemos formar 60 números de 3 algarismos distintos.

Tarefa Complementar  7. Qual o valor de n que satisfaz a equação
n n 1 2 n 5

Exercícios de Sala  1. Calcular o valor de
a)

10 8

b)

12! 11! 11!

8. Quantas soluções possui a equação (x – 2)! = 1 9. (UFPA) Simplificando
n 1 n obtém-se: n 2
b) n + 1

2.

Resolver as equações: a) (n 3) ! = 720 b)

n 3 n 1

20

a)

1 n 2

3.

1
c) n+2 e) n d)

Quatro seleções de futebol (Brasil, Espanha, Portugal e Uruguai) disputam um torneio. Quantas e quais são as possibilidades de classificação para os dois primeiros lugares?

n 1
1 e tendo em vista 10

4.

Quantas placas para identificação de veículos podem ser confeccionadas com 3 letras e 4 algarismos? (Considere 26 letras, supondo que não há nenhuma restrição.)

10.

(FSBEF-DF) Sendo

m 1m m 2

que m > 0, o valor de m é:

Pré-Vestibular da UFSC

3

Matemática D 11. Se (n 12.
6)! = 720, então n é igual a:

Inclusão para a Vida
Resolução: Cada anagrama é uma permutação das letras V, A, S, C e O. Como são 5 letras distintas, o número de anagramas é dado por: P5 = 5! = 5.4.3.2.1 = 120 Logo, pode-se formar 120 anagramas com as letras que compõem a palavra VASCO.

(F.Dom Bosco-DF) A expressão 3! 2! 2! É equivalente à expressão: a) 12! b) 7! c) 5! d) 5! e) 4!

13. Durante a Copa do Mundo, que foi disputada por 24 países,
as tampinhas de Coca-Cola traziam palpites sobre os países que se classificariam nos três primeiros lugares Se, em cada tampinha, os três países são distintos, quantas tampinhas diferentes poderiam existir? a) 69 c) 9.562 e) 13.824 b) 2.024 d) 12.144

PERMUTAÇÃO COM REPETIÇÃO
Vamos considerar um conjunto com n elementos, dos quais um dos deles repete vezes, outro vezes e assim por diante, até que um elemento repita vezes. O número de permutações possíveis é dado pela expressão:

14.

(UECE) A quantidade de números inteiros compreendidos entre os números 1000 e 4500 que podemos formar utilizando somente os algarismos 1, 3, 4, 5 e 7, de modo que não figurem algarismos repetidos, é:

Pn

....

n

15.

(PUC-SP) Chamam-se “palíndromos” os números inteiros que não se alteram quando é invertida a ordem de seus algarismos (por exemplo: 383, 4224, 74847). O número total de palíndromos com cinco algarismos é: a) 450 c) 900 e) 5000 b) 1000 d) 2500

Exemplo: Quantos anagramas podemos formar com as letras da palavra ARARA. Resolução: n = 5 P53, 2 = =3 =2

5 =10 3 2

Logo, podemos formar 10 anagramas com as letras que compõem a palavra ARARA.

UNIDADE 3
TIPOS DE AGRUPAMENTOS PARTE II PERMUTAÇÕES
Quando fazemos arranjos de n elementos tomados n a n, sem repetição, estamos montando grupos com todos os elementos disponíveis. Dizemos que esse tipo de Agrupamento é denominado PERMUTAÇÃO de n elementos, e é indicado por Pn. Considere então, o conjunto K = {1, 2, 3}. As permutações com esses elementos são: (1, 2, 3); (1, 3, 2); (2, 1, 3); (2, 3, 1); (3, 1, 2), (3, 2, 1).

TIPOS DE AGRUPAMENTOS PARTE III COMBINAÇÕES
Considere o conjunto K = {1, 2, 3, 4}. Vamos montar agora os subconjuntos com dois destes elementos. {1, 2}; {1, 3}; {1, 4}; {2, 3}; {2, 4}; {3, 4}. Observe que esses agrupamentos diferem Apenas pela natureza dos elementos componentes: {1, 2} {1, 4} Mas não diferem pela ordem: {1, 3} = {3, 1} Esses tipos de agrupamentos são chamados de COMBINAÇÃO de n elementos tomados p a p, e são indicados por

FÓRMULAS PARA O CÁLCULO DA PERMUTAÇÃO PERMUTAÇÃO SIMPLES

Cn p ou Cp . n
Definição: Denomina-se combinação de n elementos p a p todo subconjunto de p elementos.

Pn = n!
Exemplo 1: Quantos números de 4 algarismos distintos podemos formar com os números usando os algarismos { 2, 5, 6, 7}. Resolução: P4 = 4! = 4.3.2.1 = 24 Logo, pode-se formar 24 números com 4 algarismos distintos. Exemplo 2: Calcule o número de anagramas da palavra VASCO.

FÓRMULA PARA O CÁLCULO DA COMBINAÇÃO
O número de combinações simples dos n elementos tomados p a p é dado pela expressão:

Cn p

n n p p

Exemplo: Quantas comissões de 3 pessoas podemos formar com um grupo de 10 pessoas.

Pré-Vestibular da UFSC

4

Inclusão para a vida
Então apenas: Resolução: As comissões são subconjuntos de 3 pessoas escolhidas entre as 10, logo: C10,3 =

Matemática D

10

10 3 3

10 9 8 7 7 3 21

120

a) a afirmação I é verdadeira. b) a afirmação II é verdadeira. c) a afirmação III é verdadeira. d) as afirmações I e II são verdadeiras. e) as afirmações I e III são verdadeiras.

Portanto, podemos formar 120 comissões de 3 pessoas com um grupo de10 pessoas.

9. (CEFET-PR) O número de anagramas da palavra NÚMERO,
em que nem as vogais nem as consoantes fiquem juntas, é: a) 12 d) 60 b) 36 e) 72 c) 48

Exercícios de Sala  1.
Quantos são os anagramas das palavras: a) ROMA b) ESCOLA c) BANANA. d) MATEMATICA

10.

(PUC-SP) Alfredo, Armando, Ricardo, Renato e Ernesto querem formar uma sigla com cinco símbolos, onde cada símbolo é a primeira letra de cada nome. O número total de siglas possíveis é:

11. Considere um grupo de 3 moças e 4 rapazes. O número de 2. 3. 4.
Quantos são os anagramas da palavra MÉXICO em que aparecem as letra E e X sempre juntas? Quantas comissões de 2 pessoas podem ser formadas com 5 alunos (A,B,C,D,E) de uma classe? Marcam-se 8 pontos distintos numa circunferência. Quantos triângulos com vértices nesses pontos podemos obter? comissão de 4 membros, de modo que em cada comissão figure pelo menos um rapaz, é:

12.

Os presentes a determinada reunião, ao final da mesma, cumprimentam-se mutuamente, com aperto de mão. Os cumprimentos foram em número de 66. O número de pessoas presentes à reunião é:

Tarefa Mínima 

13.

1. Quantos números de 4 algarismos distintos podemos formar
com os números utilizando os algarismos { 1, 3, 8, 9}.

(ACAFE) Diagonal de um polígono convexo é o segmento de reta que une dois vértices não consecutivos do polígono. Se um polígono convexo tem 9 lados, qual é o seu número total de diagonais? a) 72 d) 27 b) 63 e) 18 c) 36

2.

Quantos números diferentes obteremos permutando os algarismos do número 336.223?

14. (UFRN) Se o número de combinações de n + 2 elementos 4
a 4 está, para o número de combinações de n elementos 2 a 2, na razão de 14 para 3, então n vale: a) 6 b) 8 c) 10 d) 12 e) 14

3. Quantos são os anagramas da palavra SAPO? 4. Determine os número de anagramas da palavra CARCARÁ?
(não considere o acento)

5.

O valor de x em Cx,3 = 35, é: a) 12 d) 8 b) 10 e) 9 c) 7

UNIDADE 4
NÚMEROS BINOMIAIS
Dados dois números naturais n e p, denomina-se número binomial de n sobre p e indicado por por:

6.

Quantas comissões constituídas por 4 pessoas podem ser formadas com 10 alunos de uma classe? a) 210 d) 100 b) 120 e) 200 c) 240

n p

ao número definido

7.

Numa circunferência são tomados 8 pontos distintos. Ligando-se dois quaisquer desses pontos, obtém-se uma corda. O número total de cordas assim formadas é:

n p

=

n! p!(n p)!

com n

N, p

Ne n

p

Tarefa Complementar  8.
Quanto aos anagramas da palavra ENIGMA, temos as afirmações: I - O número total deles é 720. II - O número dos que terminam com a letra A é 25. III - O número dos que começam com EN é 24.

Podemos concluir de imediato que:

a

n 0

1

b)

n 1

n

c)

n n

1

Pré-Vestibular da UFSC

5

Matemática D
NÚMEROS BINOMIAIS COMPLEMENTARES
Dois números binomiais de mesmo numerador são chamados complementares quando a soma dos denominadores (classes) é igual ao numerador. Exemplos: a)

Inclusão para a Vida
Todos os elementos da 1ª coluna são iguais a 1. SEGUNDA PROPRIEDADE O último elemento de cada linha é igual a 1. TERCEIRA PROPRIEDADE Numa linha qualquer dois binomiais eqüidistantes dos extremos são iguais. (binomiais complementares) QUARTA PROPRIEDADE

n p

e

n n p

b)

5 2

e

5 3

PROPRIEDADES DOS NÚMEROS BINOMIAIS
1ª) Dois números binomiais complementares são iguais. Então se

Cada binomial

n p

da linha n é igual à soma de dois binomiais

n k

n p

k p ou k p n

da linha (n - 1); aquele que está na coluna p com aquele que está na coluna (p - 1).

n 1 p 1

n 1 p

n p

2ª RELAÇÃO DE STIFFEL

n 1 p 1 5 3

n 1 p 5 4

n p 6 4

Veja que

TRIÂNGULO DE PASCAL
Vamos dispor agora os números binomiais em um triângulo, de forma que os binomiais de mesmo numerador fiquem na mesma linha, e os binomiais de mesmo denominador fiquem na mesma coluna. col 0
linha 0 linha 1 linha 2 linha 3 linha 4 linha 5 linha 6 0 0 1 0 2 0 3 0 4 0 5 0 6 0 1 1 2 1 3 1 4 1 5 1 6 1 2 2 3 2 4 2 5 2 6 2 3 3 4 3 5 3 6 3 4 4 5 4 6 4 5 5 6 5 6 6

QUINTA PROPRIEDADE A soma dos elementos da linha do numerador n é igual a 2n. Linha 0 Linha 1 Linha 2 Linha 3 1 1 +1 1 + 2 + 1 1 + 3 + 3 + 1 = 20 = 21 = 22 = 23

col 1 col 2

col 3 col 4 col 5 col 6

De uma forma genérica podemos escrever:

Exercícios de Sala  1.
Calcule A, sendo A =

4 0

8 2

9 7
n 2

10 1
3 21

2. 3.

Ache o conjunto solução da equação

Substituindo cada binomial pelo respectivo valor, temos: Calcule o valor de:
7

7 p

10

a)
p 0

b)
p 0

10 p

8

c)
p 3

8 p

PROPRIEDADES DO TRIÂNGULO DE PASCAL PRIMEIRA PROPRIEDADE

Pré-Vestibular da UFSC

6

Inclusão para a vida 4.
Resolva a equação:

Matemática D

14 4

14 5

15 x

10.
10 4

(Unesp-SP)

Seja

num

número

natural

tal

que

10 n 1
b) n = 4

11 4

. Então:

Tarefa Mínima 1. Calcule E, sendo E =
5 2 3 3 5 0 7 1
.

a) n = 5

c) n = 3

d) n = 2

11. (FGV-SP) Sabendo-se que
m p x e m +1 p +1 y entao
d) x - p

m p +1

é:

2. (UECE) A soma das soluções da equação
18 6
a) 8

18 4x 1
b) 5

a) x + y é

b) x - y c) y - x

e) y - p

UNIDADE 5
c) 6 d) 7

3.

(PUC-SP) A soma dos valores que m pode assumir na

BINÔMIO DE NEWTON
Observe abaixo os desenvolvimentos: (a + b)0 = 1 (a + b)1 = 1a + 1b (a + b)2 = 1a2 + 2ab + 1b2 (a + b)3 = 1a3 + 3a2b + 3ab2 + 1b3 (a + b)4 = 1a4 + 4a3b + 6a2b2 + 4ab3 + 1b4 (a + b)5 = 1a5 + 5a4b + 10a3b2 + 10a2b3 + 5ab4 + 1b5 Observe que: O número de termos do desenvolvimento de (a + b)n é n + 1. Os coeficientes dos termos do desenvolvimento de (a + b)n formam o triângulo de Pascal. Os expoentes de a decrescem de n a 0, e os expoentes de b crescem de 0 a n. A soma dos expoentes de a e b é sempre igual a n Com base nessas observações desenvolvimento de (a + b)n. Veja: podemos generalizar o

igualdade:

17 m 1
5

17 2m 6

4. Calcule
p 0

5 p
8 6 8 7 9 x 3

5. Resolva a equação:

6. ( Mack-SP ) O valor de
7 2
a) 128

7 3

7 4
b) 124

7 5
c) 120

7 6

7 7

é:

d) 116

e) 112

Tarefa Complementar  7. (Mack-SP) Considere a seqüência de afirmações:

a
15 I. 1 15 3 15 II. 2 15 13 15 III. 3x 15 6

b

n

n 0

an b 0

n 1

an-1b1

n 2

an 2 b 2

n n

a 0bn

Associando V ou F a cada afirmação, conforme seja verdadeira ou falsa, tem-se: a) F, F, V c) F, V, F e) V, V, V b) F, V, V d) F, F, F

Um termo qualquer do desenvolvimento de (a + b)n é dado pela expressão:

Tp 1
p 1 n 1 n 1 p 1
n

n n p p a b p

8.
n o

(Fatec-SP) Calcule E de modo que E N* e p < n

Exercícios de Sala  1.
Desenvolver o binômio (x + 2)4 Determinar o 5º termo do desenvolvimento de (x + 2)6.

onde p, n

n 1

n 2

n n

2n

ou
p=0

n p

2n

2. 3.

Determinar o termo independente no desenvolvimento de (2x + 3)4.
6

9. ( U.C.-MG ) O resultado de
p 2

8 é igual a: p
d) 247 e) 256

4.

A soma dos coeficientes do desenvolvimento do binômio (4x 3y)6

a) 216

b) 238

c) 240

Pré-Vestibular da UFSC

7

Matemática D Tarefa Mínima 1.
Determinar o coeficiente numérico do 4º termo no desenvolvimento de (x + 2)7.

Inclusão para a Vida
TERMO INDEPENDENTE: a0 n é um número natural e indica o grau do polinômio se a n for diferente de zero. Observação: Se P(x) = 0, não é definido o grau do polinômio.

2. Achar o termo independente de x no desenvolvimento de (2x
1)6.

VALOR NUMÉRICO
Valor Numérico de um polinômio P(x), é o valor que se obtém substituindo a variável x por um número e efetuando as operações indicadas. Observação: Quando P( ) = 0 dizemos que polinômio. é a raiz do

3. Se a soma dos coeficientes do binômio a
64, então o valor de m é:

b

m 1

é

4.

(UEL-PR) Para qualquer valor natural de n, o número de termos do binômio (x + a)n é: a) n + 1 b) n c) n - 1 d) par e) ímpar

5.

Observe que os números 2 e 3 são raízes do polinômio P(x) = x2 - 5x + 6, pois P(2) = 0 e P(3) = 0.

(UFRN) A soma dos coeficientes dos termos do desenvolvimento do binômio (x + a)n é: a) 2n b) n/2 c) n + 2 d) n 2 e) 2n

POLINÔMIOS IDÊNTICOS
Dados os polinômios: P1(x) = a nxn + a n - 1xn - 1 + ..... + a 2x2 + a 1x + a0 e P2(x) = b nxn + b n - 1xn - 1 + ..... + b 2x2 + b 1x + b0 A condição para que P1 e P2 sejam idênticos é que os coeficientes dos termos de mesmo grau sejam iguais. Indicamos por P1 (x) P2 (x) Assim: an = bn ; an - 1 = bn - 1; a2 = b 2 ; a1 = b 1 ; a0 = b 0

Tarefa Complementar  6.
(UDESC) Sendo 125 a soma dos coeficientes do desenvolvimento de (2x + 3y)m. O valor de m! é: a) 6 b) 24 c) 120 d) 2 e) 3

7. (CEFET-PR) O 4º termo do desenvolvimento de (x + 2)6 é:
a) 80x3 b) 80x4 c) 40x5 d) 320x3 e) 160x3 Vale ressaltar que, se P1 e P2 são idênticos, para qualquer valor de x eles assumem o mesmo valor numérico. Em símbolos: P1 (x) P2 (x) P1 (x) = P2 (x)

8.

(MACK-SP) Qual a soma dos coeficientes numéricos do

2 desenvolvimento de 3x

2 x

8

?

Exercícios de Sala 
8

9.

1.
2

(Faap-SP) O sexto termo do desenvolvimento de ( x + 2 ) pelo binômio de Newton é: a) 48x3 b)10752x3 c) 1792x3 d) 3584x3

Encontre o valor numérico do polinômio P(x) = 5x4 + 2x3 x + 3x 3 para x = 3.

2. 3.

Dado o polinômio P(x) = (a2 4)x2 + (a + 2)x + 3. Determine o valor de a de modo que P(x) seja do 1º grau. Seja P(x) = ax2 + bx + c, em que a, b, e c são números reais. Sabendo que P(0) = 9, P(1) = 10 e P(2) = 7, calcule P(3).

10.
3x

(Mack-SP) O coeficiente x3 do desenvolvimento de

1 x

5
é: b) -90 c) -243 d) -27 e) -81

a) -405

Tarefa Mínima  1. Dado P(x) = 2x3 + 3x2 – 5, calcule:
a) P(0) b) P(1) c) P(2)

UNIDADE 6
POLINÔMIOS

2. Considere o polinômio P(x) = mx2 – 5x + 2. Sabendo que P(DEFINIÇÃO
Dados os números reais a n, a n - 1, ....., a 2, a 1 e a 0, chamamos de polinômio na variável x toda expressão da forma: P(x) = a nxn + a n - 1xn - 1 + ..... + a 2x2 + a 1x + a0 Nomenclatura COEFICIENTES: an, an - 1, .........a2, a1, a0. TERMOS: a nxn , a n - 1xn - 1 , ..... a 2x2 , a 1x, a0 2) = - 4, determine o valor de m.

3. Sabendo-se que P1(x) = ax2 + (b + c)x - 2a - 3x2 + 3cx + 3b +
1 e P2(x) = 10x2 + 158x + 29 são polinômios idênticos, determine o valor da expressão: a + b + c.

4.

O polinômio p(x) = (a - 3)x3 + (b + 2a)x2 + (6b + c)x é identicamente nulo. Calcule o valor de 2(a + b + c).

Pré-Vestibular da UFSC

8

Inclusão para a vida 5.
(Mogi) Se

Matemática D
A x 4
d) 3/2

x

2

x 1 2 x 24
c) 1

B x 6

, então

MÉTODO DA CHAVE (ALGORITMO DE EUCLIDES)
O método das chaves é um dos quais podemos obter o quociente entre dois polinômios. Para isso, devemos seguir os seguintes procedimentos: Ordenamos os polinômios P(x) e D(x) segundo as potências decrescentes de x. Dividi-se o primeiro termo de P(x) pelo primeiro de D(x), obtendo o primeiro termo de Q(x) . Multiplica-se o termo obtido pelo divisor D(x) e subtrai-se de P(x) Continua-se o processo até que haja um resto de grau inferior que o de D(x). Exemplo: Determinar o quociente e o resto da divisão de P(x) = 4x3 2x2 + 6x 10 por D(x) = 2x2 + 3x + 2 Resolução:

2A + B é igual a: a) -3/2 b) 1/2 e) -1

Tarefa Complementar  6. 7.
(UEM-PR) Seja P(x) = ax2 + bx + c, em que a, b, e c são números reais. Sabendo que P(0) = 9, P(1) = 10 e P(2) = 7, calcule P(3). (PUC-SP) Efetuando a soma de

ax x2

b c , obtemos a e 1 x 1

expressão

x2

x 3 . Os valores de a, b e c são 1 x 1
b) 1, -1, -3 d) 1, 2, -1

respectivamente: a) 0, 1, -3 c) -1, 1, 1 e) 2, 1, -2

8. (ABC-SP) Num polinômio P(x) de 3º grau, o coeficiente de x3
é 1. Se P(1) = P(2) = 0 e P(3) = 30, o valor de P( 1) é:

9.

( UFRGS ) O polinômio do 2º grau p(x), que tem zero como raiz e tal que p(x) - p(x - 1) = 6x - 2, é a) 2x2 + 3x – 6 c) 6x2 - x e) x2 + 3x b) 6x - 2 d) 3x2 + x

Observe que: 4x3 2x2 + 6x Dividendo e) 30 10 = (2x2 + 3x + 2) Divisor . (2x 4) + (14x 2)

10. (Londrina-PR) Sendo F, G e H polinômios de graus 4, 6 e 3,
respectivamente, o grau de (F + G).H será: a) 9 b) 10 c) 12 d) 18

Quociente

Resto

MÉTODO DE DESCARTES
Método de Descartes ou Método dos Coeficientes a determinar é um Método que consiste na obtenção dos coeficientes do quociente e do resto com o auxílio da seguinte identidade de Polinômios: P(x) D(x) . Q(x) + R(x) onde gr(Q) = gr(P) gr(D) e gr(R) < gr(D)

UNIDADE 7
DIVISÃO DE POLINÔMIOS
Dados os polinômios P(x) e D(x), com D(x) não identicamente nulos, dividir P(x) por D(x) equivale obter os polinômios Q(x) (quociente) e R(x) (resto), tais que: P(x) R(x) D(x) Q(x)

Exemplo: Obter o quociente e o resto da divisão do polinômio P(x) = x4 x3 2x2 x + 3 por D(x) = x3 3x2 + 2 Resolução: O grau do resto é no máximo 2, pois gr(R) < gr(D) e gr(Q) = gr(P) gr(D) gr(Q) = 4 3 = 1 Isso nos permite escrever: R(x) = cx2 + dx + e e Q(x) = ax + b Aplicando a identidade, temos: P(x D(x) . Q(x) + R(x)
3x2 + 2) . (ax + b) + cx2 + dx + e 3a)x3 + (c 3b)x2 + (2a + d)x + (2b + e)

P(x) D(x) . Q(x) + R(x) gr(R) < gr(D) ou R(x) 0 Onde: P(x) é o dividendo D(x) é o divisor Q(x) é o quociente R(x) é o resto OBSERVAÇÕES:

x4

x3 2x2

x+3

(x3

O grau de Q(x) é a diferença entre os graus de P(x) e de D(x), ou seja, gr(Q) = gr(P) gr(D) Se R(x) for um polinômio nulo, apontamos que P(x) é divisível por D(x), dizemos então, que a divisão é exata.

x4

x3 2x2 x + 3

ax4 + (b

Pré-Vestibular da UFSC

9

Matemática D
Daí vem:
a 1 b 3a c 3b 2a d 2b e

Inclusão para a Vida
DISPOSITIVO DE BRIOT-RUFFINI

1 2 1 3

resolvendo o sistema, temos:

O dispositivo de Briot-Ruffini, também conhecido como algoritmo de Briot-Ruffini, é um modo prático para dividir um polinômio P(x) por um binômio da forma ax + b. Vamos apresentar esse processo através de um exemplo. 1 1 Resolução: 1º Passo Dispõem-se todos os coeficientes de P(x) de forma ordenada e segundo os expoentes decrescentes de x na chave. Determine o quociente e o resto da divisão da divisão de P(x) = 2x3 x2 + 4x 1 por (x 3)

a = 1, b = 2, c = 4, d = Logo: Q(x) = x + 2 e R(x) = 2x2

3, e = 3x

TEOREMA DO RESTO
O resto da divisão de um polinômio P(x) por um binômio do tipo ax + b é o valor numérico de P(x) para x=

b , ou seja P( a

b ). a

2

1

4

1

Observe que

b é a raiz do divisor. a

2º Passo
Coloca-se à esquerda a raiz do divisor.

Esse teorema nos permite achar o resto de uma divisão sem que haja a necessidade de aplicar o método das chaves ou o método de Descartes. Exemplo: Determinar o resto da divisão do polinômio P(x) = 2x2 + 3x + 1 pelo polinômio D(x) = x 3 Resolução: A raiz do divisor é 3, logo, para determinarmos o resto da divisão de P(x) por D(x), basta calcular P(3). Daí vem: P(x) = 2x2 + 3x + 1 P(3) = 2(3)2 + 3(3) + 1 P(3) = 28

3

2

1

4

1

3º Passo
Abaixa-se o primeiro coeficiente de P(x)

3

2 2 4º Passo

1

4

1

TEOREMA DE D'ALEMBERT
Um polinômio P(x) é divisível por D(x) = ax + b se, e somente se, P(

Multiplica-se o coeficiente baixado pela raiz, somando o resultado com o próximo coeficiente de P(x) e o resultado abaixo desse último.

b ) = 0. a
3x + 2 é divisível

+ 3 x 2 2 1 5 4 1

Veja por exemplo que o polinômio P(x) = x3 por (x + 2) pois P( 2) = 0.

Exemplo: Determinar o valor de m de modo que o polinômio P(x) = x3 x2 + mx 12 seja divisível por x 3 Resolução: Para que P(x) seja divisível por x ter P(3) = 0. Então P(x) = x3 x2 + mx 12 P(3) = (3)3 (3)2 + m(3) 0 = 27 9 + 3m 12 6 = 3m 2=m 3, deve-se

5º Passo Multiplica-se o esse último resultado pela raiz e soma o resultado com o próximo coeficiente de P(x) de forma análoga ao último passo, e assim sucessivamente.

+ 3 2 2 1 5 4 19 1

12

x

Logo, para a divisão ser exata devemos ter m =

2

+ 3 2 2 1 5 4 19 1 56

TEOREMA DAS DIVISÕES SUCESSIVAS
Se um polinômio P(x) é divisível por (x a) e por (x b), então P(x) é divisível por (x a).(x b). Observe que o polinômio P(x) = x4 + 2x3 6x2 5x + 2 é divisível por (x + 1).(x 2), uma vez que ele é divisível separadamente por (x + 1) e (x 2).

x

Terminando assim o processo, temos:

raiz coeficientes de P(x) 2 5 19 56 10

Pré-Vestibular da UFSC

Inclusão para a vida
c) x - 4 d) 1

Matemática D
e) 0

coeficientes de Q(x) R(x)

10. (PUC-MG) Os valores de a e b que tornam o polinômio P(x)
Como gr(Q) = 2 [gr(P) gr(D)] temos que Q(x) = 2x2 + 5x + 19 e resto R(x) = 56 = x3 + 4x2 + ax + b divisível por (x + 1)2 são respectivamente: a) 1 e 2 b) 3 e 2 c) 4 e 5 d) 5 e 2 e) n.d.a.

Exercícios de Sala  1. (FUVEST) O quociente de 2x4 – 5x3 – 10x – 1 por
a) b) c) d) e) 2x3 – 11x2 + 23x – 68 2x3 – 11x2 + 33x + 109 2x3 – 11x2 + 33x – 109 2x2 + x – 7 2x3 + x2 + 3x – 1 x5 + 2x4 + 3x3 + ax2 x – 3 é:

UNIDADE 8
EQUAÇÕES POLINOMIAIS
DEFINIÇÃO
Denomina-se Equação Polinomial toda sentença do tipo P(x) = 0, ou a nxn + a n - 1xn - 1 + ..... + a 2x2 + a 1x + a0 = 0 onde an, an - 1, .........a2, a1, a0 são números complexos n é um número natural x é a variável O expoente da equação é o expoente do polinômio P(x)

2. Qual o valor de "a" para que o polinômio
4x + 12 seja divisível por x3 + 2x2 x + 3?

3. ( UFSM ) O resto da divisão de x142 – 1 por x + 1 é:
a) 0 b) – 1 c) – 2 d) 141 e) n.d.a.

Tarefa Mínima  1. (UFSC) Determine o resto da divisão do polinômio 3x3 + 8x2
+ 32 por x + 3.

Denomina-se raiz de uma equação polinomial todo número , tal que P( ) = 0 TEOREMA FUNDAMENTAL DA ÁLGEBRA

2. (UECE) Se na divisão do polinômio 12x

+ 5x + 5x + 12 por 3x2 + 2x - 1 o quociente é Q(x), então o valor de Q(3) é:

4

3

3. (UFMG) O quociente da divisão de P(x) = 4x4 - 4x3 + x - 1
por Q(x) = 4x3 + 1 é: a) x – 5 d) 4x - 5 b) x - 1 e) 4x + 8 c) x + 5

Toda equação polinomial de grau n (n 1) tem pelo menos uma raiz complexa. Esse teorema foi demonstrado por Gauss em 1799.

DECOMPOSIÇÃO DE UM POLINÔMIO EM UM PRODUTO DE FATORES DO 1º GRAU
Como uma conseqüência do Teorema Fundamental pode-se afirmar que todo polinômio de grau n pode ser escrito na forma: P(x) = an(x onde
1, 2, 1).(x 3, 2)(x 3).......

4. (UFSC) Qual o valor de "a" para que o polinômio
3x3 + ax2 - 4x + 12 seja divisível por x3 + 2x2 - x + 3?

x + 2x +

5

4

.(x

n)

5.

(UFSC) Determine o valor de m, para que o resto da divisão do polinômio P(x) = x3 + mx2 - 2x + 1 por x + 3 seja 43.

.....

n

são raízes de P(x).

Tarefa Complementar  6. (UFSC) Se o polinômio 2x3 - ax2 + bx + 2 é divisível por 2x2
+ 5x - 2, então o valor de a - b é:

MULTIPLICIDADE DE UMA RAIZ
Denomina-se multiplicidade de uma raiz ao número de vezes que a mesma se repete no conjunto solução. Genericamente, pode-se dizer que o número é raiz de multiplicidade n da equação polinomial P(x) = 0 se e somente se, P(x) = (x )n. Q(x), com Q( ) 0.

7. (Mack-SP) Um polinômio desconhecido ao ser dividido por x
- 1 deixa resto 2 e ao ser dividido por x - 2 deixa resto 1. Então, o resto da divisão desse polinômio por (x - 1) (x - 2) é: a) x – 3 d) x - 5 b) -x + 3 e) -x + 5 c) x + 3

TEOREMA DAS RAÍZES COMPLEXAS
Se um número complexo z = a + bi é raiz de uma equação polinomial de coeficientes reais, então seu conjugado z = a bi também é raiz dessa equação.

8. (UFBA) O resto da divisão de
por (x + 1) é 4, se p é igual a: a) 5/3 b) -2

P(x) = 3x5 + 2x4 + 3px3 + x - 1

Conseqüências:
d) -10 e) -7/3 Se a raiz (a + bi) é de multiplicidade k, então seu conjugado (a bi) terá também multiplicidade k. Toda equação polinomial de grau ímpar admite pelo menos uma raiz real, pois o número de raízes não reais é sempre par.

c) -3

9. (FGV-SP) O resto da divisão do polinômio 2x5 - 15x3 + 12x2
+ 7x - 6 por (x - 1)(x - 2)(x + 3) é: a) x2 - 2x + 5 b) -6

Pré-Vestibular da UFSC

11

Matemática D
RELAÇÕES DE GIRARD
São relações estabelecidas entre os coeficientes e raízes de uma equação polinomial. Sejam x1 e x2 as raízes da equação ax2 + bx + c = 0. Valem as b x1 x2 seguintes relações: a c x1 x2 a Sejam x1 , x2 e x3 as raízes da equação ax3 + bx2 + cx + d = 0. Valem as seguintes relações:
x1 x2 x1 x2 x3 x1 x2 x3 d a x2 x3 c a b a

Inclusão para a Vida
d) 3/2 e 1 e) 3/2 e 2

3. (UFSC) Sabendo-se que uma das três raízes da equação 2x3 17x2 + 32x - 12 = 0 é igual a 1/2 determine a soma das outras duas raízes.

4. (UDESC) As raízes do polinômio x3 – 6x2 – x + 30:
a) b) c) d) e) somadas dão 6 e multiplicadas dão 30 somadas dão -6 e multiplicadas dão 30 somadas dão 6 e multiplicadas dão -30 somadas dão -6 e multiplicadas dão –30 são 5, -2 e –3

Tarefa Complementar  5. (Med ABC-SP) As raízes da equação x3 - 9x2 + 23x -15 = 0
estão em progressão aritmética. Suas raízes são: a) 1, 2, 3 d) 2, 4, 6 b) 2, 3, 4 e) 3, 6, 9 c) 1, 3, 5

x1 x3

EQUAÇÃO DE GRAU n
Sendo 1, a nxn + a relações:
2,........... n - 1 n - 1x

as raízes da equação + ..... + a 1x + a0 = 0, valem as seguintes
n

6. (Mackenzie-SP) Uma raiz da equação x3
igual a soma das outras duas. As raízes são: a) 2, 2 e 1 c) 2, 1 e 3 e) 1, 2 e 3 b) 3, d) 1, 2e1 1e 2

4x2 + x + 6 = 0 é

a1 a2 a1a2 a1a3

an

an 1 an an 1 an an 3 an an 2 an

a1an a2a3 an 2 an 1 an an na 1 0 an

7. (MACK-SP) O determinante da matriz
b, e c são raízes da equação x
3 2

a a 0 b 1 0

c , onde a, c 1

a1a2a3 a1 a2 a3

5x + 4 = 0, é:

8. (SANTA CASA) Sabe-se que a equação: 4x3

12x2 x + k = 0, onde k , admite duas raízes opostas. O produto das raízes dessa equação é: a) 12 b) 3/4 c) 1/4 d) 3/4 e) 12

Exercícios de Sala  1. O polinômio P(x) = x3 + 4x2 + 3x pode ser escrito como:
a) P(x) = x(x – 1)(x – 3) b) P(x) = x(x + 1)(x + 2) c) P(x) = x(x + 1)(x + 3) d) P(x) = x(x – 2)(x +4) e) (x) = x(x – 1)(x + 5)

9.

(ITA-SP) Considere a equação x3 + px2 + qx + r = 0 de coeficientes reais, cujas as raízes estão em P.G. Qual das relações é verdadeira? a) p2 = r.q c) 3p2 = r2 . q e) q3 = r.p3 b) 2p + r = q d) p3 = r.q3

2. 3.

Resolver a equação x3 x = 2 é uma das raízes.

12x2 + 41x - 42 = 0, sabendo que

10.
15x2 + 66x 80 = 0,

Determine a menor raiz da equação x3 sabendo que suas raízes estão em P.A.

(UFSC) Assinale no cartão-resposta a soma dos números associados à(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. A equação polinomial x3 2x2 4x + 1 = 0 possui as raízes a, b e c. Logo, a soma a2 + b2 + c2 é igual a 12. 02. O resto da divisão do polinômio x6 x4 + x2 por x + 2 é 52. 04. Dado o polinômio p(x) = x4 + 8x3 + 23x2 + 28x + 12 é correto afirmar que 2 é raiz de multiplicidade 3 para p(x). 08. Para que o polinômio p(x) = (a + b) x2 + (a b + c) x + (b + 2c 6) seja identicamente nulo, o valor de c é 4.

Tarefa Mínima  1. (ACAFE) A equação polinomial cujas raízes são
a) x3 + 4x + x 2 = 0 c) x3 + 2x2 3x 2 = 0 e) x3 + 2x + 1 = 0 2, 1 e 1 é:

b) x3 x 2 = 0 d) x3 + 2x2 x 2 = 0

2. (FGV-SP) A equação 2x3
a) 3/2 e 1

5x2 x + 6 admite uma raiz igual a 2. Então, as outras duas raízes são: b) 2 e 1 c) 3 e 1

Pré-Vestibular da UFSC

12

Inclusão para a vida

Matemática D
b) MATRIZ COLUNA se n = 1

UNIDADE 9
MATRIZES
DEFINIÇÃO
Uma matriz do tipo m x n (lê-se: m por n), m, n 1, é uma disposição tabular formada por m.n elementos dispostos em m linhas e n colunas. As matrizes são representadas através de parênteses ( ), colchetes [ ] ou através de barras duplas || ||

Exemplo:

A4x1 =

1 2 5 0
n

c) RETANGULAR se m

Exemplo: A2 x 3 =

2 3 1 9 4 0

Exemplos.:
A=

d) QUADRADA se m = n

2 0 3 6 9 5

A 2x3

(lê-se: A dois por três)

Exemplo: A2x2

3 6 5 8

3 A= 6
2
A=

2 8 1 0
1

7 A2 x 4 (lê-se: A dois por quatro) 3

Definição: Diz-se que uma matriz é quadrada se a quantidade de linhas for igual a quantidade de colunas. Pode-se dizer então que ela é n x n ou simplesmente de ordem n. Possui duas diagonais: diagonal principal (quando i = j para todo aij) diagonal secundária (quando i + j = n + 1) , onde n é a ordem da matriz.

1 0

6 A3 x 2 (lê-se: A três por dois) 6

NOTAÇÕES
Notação Explícita Uma matriz genericamente é representada por letras maiúsculas e seus elementos por letras minúsculas. Sendo assim, uma matriz Am x n algebricamente pode ser representada assim: Matriz Transposta

TIPOLOGIA

Seja A uma matriz de ordem m x n, denomina-se transposta de A a matriz de ordem n x m obtida quando trocamos de forma ordenada as linhas pelas colunas. Representa-se por: At ou A'

A=

a11 a 21 a 31  a m1

a12 a 22 a 32  a m2

a13 a 23 a 33  a m3

    

a 1n a2n a 3n a mn

2 3 1
Exemplo A2 x 3 = com m e n N*

9 4 0

A3x2 =

t

2 9 3 4 1 0

OBSERVAÇÃO: Seja uma matriz A de ordem n. Se A = At , então A é dita SIMÉTRICA

Notação Condensada Podemos também, abreviar essa representação da seguinte forma: A = [aij] m x n Os elementos da matriz A são indicados por aij de forma que: i {1, 2, 3,......m} (indicador da linha) j {1, 2, 3, .....n} (indicador da coluna) Exemplo: A =

2 3 5 3 1 8 5 8 0

CLASSIFICAÇÃO DE MATRIZES
Seja a matriz A = (aij)mxn, lembrando que m e n são respectivamente a quantidade de linhas e colunas da matriz A, temos: a) MATRIZ LINHA se m = 1

Se A = At, então A é dita ANTISIMÉTRICA ( A indica matriz oposta de A que se obtém trocando o sinal dos seus elementos)

Exemplo: A =

0 1 1 0 3 4

3 4 0

Matriz Identidade Exemplo: A1x3

3 1 2

Uma matriz A de ordem n é dita identidade ou unidade se os elementos da diagonal principal forem iguais a 1 e os demais elementos iguais a zero.

Pré-Vestibular da UFSC

13

Matemática D

Inclusão para a Vida

Exemplos:

I2 =

1 0 0 1

1 0 0
I3 =

Exercícios de Sala  1. A é uma matriz 3 por 2, definida pela lei
2i
aij =

0 1 0 0 0 1

Pode se indicar a matriz identidade por: In = [aij] ,

j , se i 3, se i j

j
Então, A se escreve:

aij =

1, para i = i 0, para i j

2. (UFSC) Dadas as matrizes:
Importante: A matriz identidade é neutra na multiplicação de matrizes. Matriz Nula Uma matriz é dita nula quando todos seus elementos forem iguais a zero. A matriz Nula é neutra na soma de matrizes. Matriz Diagonal É toda matriz de ordem n tal que aij = 0 para i j. A=

2x 1 0

3y 1 4 x z

e B=

x 0 12 4 1 6

Se A = Bt , o valor de x.y.z é:

3. O valor de x.y de modo que a matriz A seja simétrica, é:
1 0 0

Exemplo: A =

0 4 0 0 0 3

A=

5 2y 1 x 1 0 2 5 2 6
b) 12 c) 15 d) 14 e) 0

2

Matriz Triangular É toda matriz quadrada onde aij = 0 para i > j ou/e para i < j.

a) 6

Tarefa Mínima  1. Escreva, na forma explícita, cada matriz abaixo:
a) b) c) A = (aij)2x2, com aij = i + j A = (aij)3x2, com aij = 3i – j2

Exemplos:

3 0 0

1 4 0

5 7 1

4 0 0 1 2 0 9 1 8

IGUALDADE DE MATRIZES
A = (aij)3x2, com aij = Duas matrizes Amxn e Bmxn são iguais se os elementos correspondentes (elementos de mesmo índice) forem iguais. d) A = (aij)2x3, com aij =

1 se i i 2 se i

j j

2 se i = j
2 + j, se i j
aij =

ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO DE MATRIZES
É efetuada somando ou subtraindo os elementos correspondentes das matrizes. (válido para matrizes de mesma ordem).

Propriedades:
1) A + B = B + A (propriedade comutativa) 2) A + (B + C) = (A + B) + C (propriedade associativa) 3) A + O = A (elemento neutro) 4) (A + B)t = At + Bt

2. (UFSC) Dada a matriz A = [aij]2 x 3 definida por 3i j, se i j 7, se i j o valor da expressão 2a23 + 3a22 - a21 é:
i2 j, se i j
1 2 3 . 0 x 4 0 0 y

3. (UFOP-MG) Observe a matriz

PRODUTO DE UM NÚMERO POR MATRIZ
Dado um número real K e uma matriz Am x n, denomina-se produto de K por A e se indica por k.A, matriz que se obtém multiplicando-se todo elemento de A por k.

Determine x e y de tal forma que seu traço valha 9 e x seja o triplo de y.

4. Considere as matrizes A =
3

Propriedades:
Sendo x e y dois números reais e A e B duas matrizes de mesma ordem, valem as seguintes propriedades: 1) x . (yA) = (xy) . A 2) x . (A + B) = xA + xB 3) (x + y) . A = xA + yA

2 1 log

2

5 y 2 x 7

eB=

2

1

8

5 16 7

. Determine o valor de x + y de

modo que A = Bt

Pré-Vestibular da UFSC

14

Inclusão para a vida 5. Considere as matrizes A = 2 1
3 0
a) b) Obter a matriz X tal que A + X = B Obter as matrizes X e Y tal que:
X X Y Y 3A B

Matemática D
eB=

0 1

3 2

1 c) - 1 -1

-1 1 1 0 0 1 d)

1 0

0 2

3 2 3

3 2

0 2 1 e) 2 0 3 1 3 0

Tarefa Complementar 
6. Calcule 5x + 2y, de modo que se tenha:

12. Se a matriz quadrada A é tal que At =
M= 4 a
a b a 12 a 13 . b 2 a 23 c 2c 8

A, ela é chamada matriz anti-simétrica. Sabe-se que M é anti-simétrica e:

5x 2 1 3y
7.

6 y 2

2 1

1 5

3 1

Os termos a12, a13 e a23 valem respectivamente: a) – 4, – 2 e 4 c) 4, –2 e – 4 e) n.d.a. b) 4, 2 e – 4 d) 2, – 4 e 2

0

(FCMSCSP) Se A é uma matriz quadrada, define-se o TRAÇO de A como a soma dos elementos da diagonal principal de A. Nestas condições, o traço da matriz A = (aij)3 x 3, onde aij = 2i - 3j é igual a: a) 6 b) 4 c) -2 d) -4 e) -6

13. Sendo A =
X A 2

1 7 eB= 3 2 4 4

1 , então a matriz X, tal que 0

X 2 B , é igual a: 3

8. 9.

Determine a soma dos elementos da diagonal principal da matriz A = ( aij )3 X 3 , onde aij = i + j se i j ou aij = i j se i < j. Uma matriz se diz anti-simétrica se At = A. Nessas condições, se a matriz A é anti-simétrica, então, x + y + z é igual a: A=
x y 2 0 1 3 z 3 0

14. Dadas as matrizes: A =

3 2

1 4

eB=
1 4 B 1 2 A

2 2 0 4
é: , o

produto dos elementos da segunda linha de a) 1 b) 1 c) 0 d) 2

e) 2

15. Dadas as matrizes
A x y z w B= x 6 - 1 2w C= 4 z+w x 3 y e sendo 3A = B + C,

então: a) 3 b) 1 c) 0 d) 1 e) 3 a) x + y + z + w = 11 c) x + y z w = 0 e) x + y + z + w > 11 b) x + y + z + w = 10 d) x + y z w = 1

(LONDRINA-PR) Uma matriz quadrada A diz-se simétrica se A = At . Assim, se a matriz

10.

2
A=

1 0 3

2y z 1 2
b) – 1 é simétrica, então x + y + z é igual a:

x 4

UNIDADE 10
MULTIPLICAÇÃO DE MATRIZES

a) – 2

c) 1

d) 3

e) 5 Considere as matrizes A = [aij]m x n e a matriz B = [bjk]n x p. O produto de A por B é a matriz C = [cik]m x p, de tal forma que os elementos cik são obtidos assim: cik = ai1 . b1k + ai2 . b2k + ai3 . b3k + .... + ain . bnk
n

11. (U.Católica de Salvador -BA) Uma matriz quadrada A, de
ordem n, se diz anti-simétrica se A = -At, onde At é a matriz transposta de A. Nessas condições, qual das matrizes seguintes é anti-simétrica?
1 a) - 2 3 -2 3 0 1 1 4 0 b) - 1 2 1 0 -3 -2 3 0

ou seja:
j 1

aij b jk

para todo i

{1, 2, ........, m} e todo k

{1,

2,...,p}. Exemplo: Considere as matrizes

3 0
A=

1
eB= AxB

3 2
. Determine A.B matriz obtida da uma

2 1

9
é

Resolução: O produto seguinte forma:

Pré-Vestibular da UFSC

15

Matemática D
3
A.B =

Inclusão para a Vida
09 3 19 2 3 3 02 12

1 1

Exercícios de Sala  1.
Dadas as matrizes A =

2

3
A.B = PROPRIEDADES 1) A.(B.C) = (A.B).C 3) (B + C).A = B.A + C.A Observações:

9 4

2 1 4 3

eB =

5

3

.

7

-1 0

Determine: 2) A.(B + C) = A.B + A.C 4) A.I = I.A = A a) A.B d) Bt.At b) B.A e) A.I2 c) At.Bt f) a matriz X, tal que A.X = B

2. (UFSC)

1) Na multiplicação de matrizes geralmente A.B B.A. Se A.B = B.A dizemos que A e B se comutam. 2) Na multiplicação de matrizes não vale a lei do anulamento, ou seja, podemos ter A.B = 0 mesmo com A 0 B 0.

Sejam A = (aij )4 x 3 e B = (bij)3 x 4 duas matrizes definidas por aij = i + j e bij = 2i + j, respectivamente. Se A.B = C, então o elemento C32 da matriz C, é:

3. Calcule os determinantes:
a)

3 4 2 5

b)

4 1
2 0

2 3
2 3 1

DETERMINANTES
DEFINIÇÃO
Dada uma matriz quadrada de ordem n, podemos associar à ela, através de certas operações, um número real chamado determinante da matriz.

4. Calcule o determinante: Tarefa Mínima 

1 4 3 6

1. (UEL-PR) Sobre as sentenças:
I - O produto de matrizes A3x2 . B2x1 é uma matriz 3x1. II - O produto de matrizes A5x4 . B5x2 é uma matriz 4x2. III - O produto de matrizes A2x3 . B3x2 é uma matriz quadrada 2 x 2. É verdade que a) b) c) d) e) somente I é falsa somente II é falsa somente III é falsa somente I e III são falsas. I, II e III são falsas

duas barras verticais. Assim, se

Podemos simbolizar o determinante de uma matriz por a11 a12 é a matriz A, a 21 a 22

indicamos o determinante de A por det A =

a11 a 21

a12 a 22

CÁLCULO
1ª ORDEM

2. Se
Seja a matriz A = [a11] , denomina-se o determinante de A o próprio elemento a11 e se indica por: det A = |a11| = a11 2ª ORDEM

3 2 1 4

a 1 = 2 b

5 7 , então a + b é igual a: 5 9

3. Dadas as matrizes A =
temos a matriz:

1 1 0 0

eB=

0 0

1 1

, para A.B

4. (UCMG) O valor de x, para que o produto das matrizes:
A= 3ª ORDEM

2 x eB= 1 0 3 1

1 seja uma matriz simétrica, é: 1

5. (UFSC) Dada a equação matricial: 4 2 x z 4x 1 3 0 3 2 O y 4 2 1 3y
5x + 4y + z é:

valor

da

expressão

Pré-Vestibular da UFSC

16

Inclusão para a vida 6. Calcule os seguintes determinantes:
a) 4

Matemática D 14. (UFSC) Considere as matrizes A = 2
B=

1

3 1

b)

6

5 3

2 1

0 1 1 2
B ), onde At e Bt

c) 3 2 5

2 0 1 1

1 3

Sejam M = ( A + Bt ).(At

4 1 3 2 3 4

são matrizes transpostas de A e B, respectivamente. O produto dos elementos mij com i = j da matriz M é:

15.
7. (MACK-SP) Sendo A = ( aij ) uma matriz quadrada de ordem
2 e aij = j - i2, o determinante da matriz A é:

Se A =

1 4

2 3

, então A2 + 2A

11 I, onde I é a

matriz identidade de ordem 2, é igual a:

8.

(UFSC) Obtenha o valor do determinante da matriz A = (aij)2 x 2, onde aij = 0, se i j
i j, se i j

16. (UFSC) Determine o valor de x para que o determinante da
matriz C = A x Bt seja igual a 602, onde: A =

1 2 4 1

3 , B = 2

x 1 8 2 7

5 e Bt é a matriz 4

9. O valor de x na equação

2 3 1 15

é:

transposta de B.

x 1 x 2 0 1 Tarefa Complementar 

17. (UFSC) Em R,a solução da equação

2 2 1

x 3 x 4 = 175 é: 3 x

10. (CESCEM) O produto M.N da matriz M =
N= 1 1 1 : a) não se define b) é a matriz identidade de ordem 3 c) é uma matriz de uma linha e uma coluna d) é uma matriz quadrada de ordem 3 e) não é uma matriz quadrada

1 1 1

1 x

pela matriz

18.

(MACK) O conjunto solução de

1 1 1 1 x 1

1 1 é: x 1

a) { x R| x c) { 1 }

1}

b) { 0,1 } d) { -1}

e) { 0 }

19. (MACK-SP) Sejam as matrizes A =
a a a 2
e a) -2 b) -1 c) 0 d) 1

1 2 3 4

eB=

3 4 1 2

,

e seja X uma matriz tal que X.A = B. Então, det X vale: e) 2

11.
0 3 3 3

(FEI-SP) As matrizes abaixo se comutam. O valor de a é:

UNIDADE 11
PROPRIEDADES DE DETERMINANTES
1ª PROPRIEDADE
Casos onde o determinante é nulo

12.

(UFSC) Determine o produto dos valores de x e y que satisfaçam a equação matricial 4 3 x 1 4 2

5

4

y 2

7

3

13. (UFSC) Dadas as matrizes:
2 B= 0 4

A=

1 0 4

0 2 ; 1 3 1 2

1º Se uma matriz possui uma fila de elementos iguais a zero. Exemplo: 0
0 0 3 9 8 3 4 1 0

1 1 1 0 0 ; C = 0 1 0 e seja P = (2A - C).B. 3 0 2 1 0 0 1

Determine a soma dos elementos da diagonal principal da matriz P.

2º Se uma matriz possui duas filas iguais. 2 8 2 Exemplo: 3 5 3 0 1 6 1 3º Se uma matriz possui duas filas proporcionais.

Pré-Vestibular da UFSC

17

Matemática D
Exemplo:
2 3 5 4 6 10 7 0 3

Inclusão para a Vida
7ª PROPRIEDADE (TEOREMA DE JACOBI) Se somarmos a uma fila de A uma outra fila previamente multiplicada por um número real, obtemos uma matriz A', tal que det A' = det A

0

4º Se uma fila de uma matriz for uma combinação linear de duas outras. Exemplo:
3 5 1 0 4 2 3 9 3 0

4
Exemplo: A =

1 5 2

2 1 1
0 3 1 3 2 2
det A = 15

1 2

2ª PROPRIEDADE
Se multiplicarmos uma fila de uma matriz por um número k, o determinante da nova matriz fica multiplicado por k.

Multiplicando a terceira linha por 2 e adicionando à primeira, obtemos A': A' =

0 2 1

det A = 15

Exemplo:

2 4 1 3

2

52 54 1 3

52

10

INVERSÃO DE MATRIZES
Sejam A e B duas matrizes quadradas. Se A.B = B.A = I, dizemos que B é a matriz inversa de A. e indicamos por A-1. Logo: A . A-1 = A . A-1 = In

CONSEQÜÊNCIAS No cálculo dos determinantes, é possível colocar o fator comum em evidência.

18 6 12 1 5 0 3 4 1

3.6 3.2 3.4 1 5 0 3 4 1

6 2 3. 1 5 3 4

4 0 1

3.(-72) = -216

PROPRIEDADES DA INVERSA: (A-1) -1 = A (A.B) -1 = B-1 . A-1 det A-1 =

( 72) Se multiplicarmos uma matriz quadrada de ordem n por um número k o determinante fica multiplicado pelo número kn. det(k.A) = kn.detA

1
det A

OBSERVAÇÕES: Uma matriz só possui inversa se o seu determinante for diferente de zero, sendo assim, chamada de inversível. Uma matriz que não admite inversa é chamada de singular. Se a matriz A é inversível, então, ela é quadrada. Se a matriz A é inversível, então, a sua inversa é única. OBSERVAÇÃO

3ª PROPRIEDADE
Se trocarmos duas filas paralelas de uma matriz o determinante muda de sinal.

4ª PROPRIEDADE
O determinante de uma matriz triangular é o produto dos elementos da diagonal principal.

Exemplo:

3 9 8 0 4 5 0 0 1

12

O processo de se obter a inversa de uma matriz muitas vezes é trabalhoso, pois recai na resolução de n sistemas de n equações e n incógnitas. Vamos agora apresentar um processo que simplifica esse cálculo. Teorema Se A é uma matriz quadrada de ordem n e det A inversa de A é: 0, então a

5ª PROPRIEDADE
(TEOREMA DE BINET) Se A e B são duas matrizes de ordem n o determinante do produto de A por B é o produto dos determinantes da matriz A pelo determinante da matriz B, ou seja: det(A.B) = det(A).det(B)

A –1 =

1 . A det A

Onde A representa a matriz adjunta.

6ª PROPRIEDADE
O determinante de uma matriz é igual ao determinante de sua transposta.

Matriz Adjunta: É a matriz transposta da matriz dos cofatores de A. Conseqüência Para calcular um elemento bij da matriz inversa de A, pode-se

Pré-Vestibular da UFSC

18

Inclusão para a vida
aplicar:

Matemática D 4. (UDESC) A partir da matriz A = |aij| 2 x 2 onde 1 se i j
aij =

bij =

1 . Cji det A

i

j

se

i

j

calcular o determinante

onde Cji é o cofator do elemento aij

do produto da matriz A pela sua transposta, ou seja: det( At.A ), onde At é a matriz transposta de A.

Exercícios de Sala 
a d e f g h i 2 . Determine o valor de

5.

(Unisinus-RS) O valor de um determinante é 48. Dividimos a 2ª linha por 8 e multiplicamos a 3ª coluna por 6, então o novo determinante valerá:

1.

Sabe-se que b

c

6. (UFRGS) A inversa da matriz A =

3 1 5 2
5 3

é:

2a 2b 2c

3d 3e 3f

4g 4h 4i

a)

2 5 2 5

1 3 0 3

b)

3 1 5 2 3 5 1 2

c)

2 1

2. Uma matriz A é quadrada de ordem 4 e seu determinante é
igual a 3. Calcule o valor do determinante da matriz 2A.

d)

e)

7. O maior elemento da inversa da matriz A =
a) 2 d) 1/6 b) 5/6 e) 1/3 c) 1/5

2 4 1 5

é:

3. Determine a inversa das seguintes matrizes:
a)

1 5 2 0

b)

3 1 5 2

8. 4. Determine o valor de x de modo que a matriz
singular

(UFVIÇOSA) Sejam as matrizes A =

2 3 seja x 9

1 2 e M = 2 6

x 1

1 , onde x e y são números reais e M é a matriz y

Tarefa Mínima 
a c d f g i
2 a 3d g h i

inversa de A. Então o produto x.y é: a) 3/2 b) 2/3 c) 1/2 d) 3/4 e) 1/4

1. Sabendo que b e h

2 , calcule 2b 3e 2c 3 f

9.

(UCSal-BA) A matriz

1 x x 1

, na qual x é um número

real, é inversível se, e somente se:
1 72 81 2. (UFRN) O determinante é igual a: 0 2 200 0 0 3

a) x = 0

b) x = 1
3

c) x = -1
x 2

d) x

1

10. Considere a matriz A =
0,25, então x : a) 0 b) – 2

. Sabendo que det A- 1 =

3. (UFRGS) Considere as seguintes afirmações.
I - O determinante de uma matriz não se altera, quando são trocadas, ordenadamente, as linhas pelas colunas. II - O determinante de uma matriz com linhas proporcionais é nulo. III - Multiplicando-se uma linha de uma matriz por um número real p,não nulo,o determinante da nova matriz fica dividido por p. Quais são as verdadeiras? a) I b) II c) I e II d) II e III e) todas são verdadeiras

1 x

c) 2

d) 4

e) – 1

Tarefa Complementar  11. (UECE) Sabe-se que M é uma matriz quadrada de ordem 3 e
que det(M) = 2. Então det (3M) é igual a: a) 2 b) 6 c) 18 d) 54 e) 27

12.

(UFSM) Sejam as matrizes A, de ordem 3 e B =

2 1 4 1 0 2 . Se o det A = 6 e C = A.B, o det C vale: 0 1 6
a) 24 b) 12 c) -6 d) -12 e) -24

Pré-Vestibular da UFSC

19

Matemática D 13. (SANTA CASA) Dadas as matrizes A e B tais que:
1 5 A 0 2 0 0 0 0 1 2 3 0 3 4 1 4 eB= -1 3 1 2 0 2 1 0 0 1 0 3 2 4 0 0

Inclusão para a Vida
a) 0 e 3 d) 1 e 3 b) 1 e – 1 e) 3 e – 1 c) 1 e 2

19.

(UFPB) Se a matriz

2x 5 x

x 5

não é invertível,

O valor do determinante de A.B é: a) 192 b) 32 c) -16 d) 0 e) n.d.a.
1 2 14. (F.M.Santos-SP) O determinante 3 4 5 0 2 2 2 1 0 0 1 3 2 0 0 0 2 3 0 0 é: 0 0 3

então, o valor de x em módulo é:

20. (UDESC) Seja a matriz A = ( aij ) 3 x 3 definida por 1 i j para i j aij = o determinante de A-1 é: 0 para i j

UNIDADES 12
SISTEMAS LINEARES
DEFINIÇÃO
Denomina-se Sistema Linear todo conjunto de m equações lineares com n incógnitas. a11x1 a12 x2 a1n xn b1
a21x1 a22 x2 a2n xn b2

a) -12

b) 10

c) 9

d) 0

e) n.d.a.

15.
I =

(MACK-SP) Seja A uma matriz quadrada de ordem 2 e

1 0 0 1 1 4 2 3

. Chamam-se auto valores de A as raízes da

equação det (A – xI) = 0. Obtenha os autovalores de A=


am1x1


am 2 x 2


amn xn


bn

Se b1, b2, ......, bn = 0 dizemos que o sistema é homogêneo.

4 a m

Solução de um Sistema Linear Denomina-se solução de um sistema a seqüência de números reais ( 1, 2,..........., n) que satisfaz simultaneamente todas as equações do sistema. igual a Sistemas Equivalentes Dois Sistemas são ditos equivalentes se e somente se: São Possíveis e admitem as mesmas soluções, ou São Impossíveis.

16. (FGV-SP) Considere as matrizes A = 4 b n
4 c m a 3
eB=

p

n p

b 3 . Se o determinante da matriz A é c 3

2, então o determinante da matriz B é igual a: c) –

a) 3/2

b) 2/3

3

d) – 3/2

e) – 2/3

Classificação de um Sistema Linear Um Sistema Linear pode ser classificado de acordo com o número de soluções que ele apresenta. Sendo assim ele pode ser:  DETERMINADO (1 solução)

17.

(UEPG-PR) Dada a matriz A = (aij)3x3, onde aij =

4, se i 0, se i

j
. Então é correto afirmar:

j

POSSÍVEL  INDETERMINADO (infinitas soluções)

01. det (A) = 64 02. (A).(At) é uma matriz quadrada de ordem 6 04. det(2A) = 8 det(A) 08. det(A) det(At) 16 0 0 16. A2 = 16 16 0

IMPOSSÍVEL

Não Admite Solução

REGRA DE CRAMER
A Regra de Cramer consiste num método para resolvermos sistemas Lineares de n equações e n incógnitas. não

16 16 16

18.

Os valores de k para que a matriz A =

1 0 1 k 1 3 1 k 3

admita inversa são:

Pré-Vestibular da UFSC

20

Inclusão para a vida
Seja o sistema

Matemática D
b1 b2
b)

a11x1 a21x1

a12 x2 a22 x2

a1n xn a2n xn

x 2x

y 2y

3 6


an1x1


an 2 x 2


ann xn


bn
c)

x 3x

y 3y

1 2

Para obtermos a solução para esse sistema vamos fazer alguns cálculos. Acompanhe: det S Determinante associado à matriz formada pelos coeficientes das incógnitas.

x 2. Dado o sistema de equações lineares x x
, R, então o sistema é determinado se: a) se -1 c) se 1 e) se = -1 e b) se d) se = -1

y y y

z z 1 com z 1

a11
det S =

a12  a1n  

a 21 a 22  a 2n  an1 an 2  ann

= -1 e = -1 e

1 =1

3.
det Xi Determinante associado à matriz obtida a partir de S, trocando a coluna dos coeficientes de Xi, pela coluna dos termos independentes do sistema.
b1 a12  a1n a22  a2n   an2  ann a11 b2  a1n

(FGV-SP) O sistema linear

x x x
-2 2

y 2 z 0 admite y z 0 y z 0

solução trivial, se: a) c) =-2 = 2 b) d)

e)

det X1 = b2 
bn

det X2 = a21 b2  a2n   
an1 bn  ann

Tarefa Mínima 1. (USF-SP) Resolvendo o sistema
igual a:
x y z 9 2x y z 11 , obtém-se y x y z 1

a11 a12  b1

det Xn = a21 a22  b2
   an1 an2  bn

2.
A solução do Sistema é dada por:

x1

det X1 det S

x2

det X 2  xn det S

det Xn det S

(UFRGS) Dado o sistema de equações lineares sobre 2x y z 4 R x 3 y 2z 4 os valores de x, y e z que constituem sua
4x y z 0

solução: a) formam uma progressão geométrica b) formam uma progressão aritmética c) são iguais entre si d) não existem e) têm uma soma nula

Veja que só é possível aplicar a Regra de Cramer em sistemas n x n em que det S 0. Esses sistemas são denominados normais. 3. Discussão com base na regra de Cramer (2x2) 1) Quando det S 0, o sistema é possível e determinado. 2) Quando det S = det X1 = det X2 = ...= 0, o sistema é possível e indeterminado 3) Quando det S = 0 e pelo menos um dos demais determinantes for diferente de zero, os sistema é impossível O sistema homogêneo é sempre possível.

3.

(FGV-SP) O sistema de equações

2x x
10 3 10 3

5y 2y

10 3

é

equivalente a:
a) 2 1 2 -1 5 -2 5 2 . . x y x y 10 3 10 3 b) d) -2 -5 1 2 -2 1 -5 2 . x y x y

Exercícios de Sala  1. Usando a regra de Cramer, resolva os seguintes sistemas:
a)
4x 2x 3y 5y 11 1

c)

4. (UFSC)Para que o sistema abaixo seja impossível, o valor de
a é:

x 3y 4 z 1 x y az 2 x y 2z 3
21

Pré-Vestibular da UFSC

Matemática D 5.
(UFSC)Determine o valor de m para que o sistema, abaixo admita infinitas soluções: mx 2 y z 0 x my 2 z 0 3x 2 y 0

Inclusão para a Vida
02. Somente podemos multiplicar matrizes de mesma ordem.

x x x 04. A soma das raízes da equação 4 x x = 0 é 8. 4 4 x
08. Uma matriz quadrada pode ter diversas matrizes inversas.

Tarefa Complementar  6. (UEPG-PR) O sistema linear
ax x 3x y y 2y 3z z 2 4z b 3
é:

3x 2y
16. O sistema

0
é indeterminado.

x

y

0

11.

(UFSC) Assinale a soma dos números associados às proposições verdadeiras

01. impossível para a 2 e b = 5 02. impossível para a = 2 e b 5 04. possível e determinado para a = 2 b R 08. possível e indeterminado para a = 2 e b = 5 16. possível e determinado para a 2

01. A matriz

1 2 3 0 4 2 5 1 5 4 8 1 3 1 2 0

não possui inversa.

7. (UFSCar-SP)
x ay ax y x ay

Dado o sistema linear

z 0 az 0 assinale a alternativa correta: z 0

a) O sistema admite uma infinidade de soluções para qualquer a real. b) O sistema não admite solução de a = 1. c) O sistema admite uma única solução se a = 3. d) O sistema admite somente a solução trivial. e) O sistema admite uma única solução se a = 1.
3x 2y z 1 0 mx 4y 2z 2 0 3z 2 0

8. (FEI-SP) Se o sistema

2x my admite uma única solução, então:

02. Se um sistema de equações é indeterminado, então não se pode encontrar solução para ele. 04. Uma pequena indústria produz três tipos de produto que indicamos por x, y, z. As unidades vendidas de cada produto e o faturamento bruto da empresa em três meses consecutivos são os dados na tabela abaixo. Então, os preços dos produtos x, y e z só podem ser, respectivamente, R$ 1.000,00, R$ 5.000,00 e R$ 3.000,00. Unidades Unidades Unidades Faturamento Mês de x de y de z bruto vendidas vendidas vendidas 1 1 5 3 R$ 35.000,00 2 4 1 2 R$ 15.000,00 3 5 6 5 R$ 50.000,00

a) m c) m e) m

6 8 3

b) m d) m

2 4 08. A solução da equação

9.

x
(UFSC) Considere o sistema S1: números

3y

0 0
à(s)

2 4 1 2 4 x 3 1 2

0

éx=1

- 2x - 6y
associados

determine a soma dos proposição(ões) verdadeira(s). 01.

12.

(UFSC) Assinale as proposições corretas. 01. O par ordenado (x, y) = (5, 2) é a única solução do

O par ordenado ( 15,5) é uma solução do sistema S1. 02. O sistema S1 é possível e determinado. 04. A solução do sistema S1 é uma reta que não passa pela origem.

x 2y
sistema

9 27

3x 6y

02. A matriz A = (aij)1 3, tal que aij = i –3j é

2x
08. O sistema S2: sistema S1.

6y

0
é equivalente ao

- 10x - 30y

0

2 5 8 . A= 04. A soma dos elementos da inversa da matriz

1 1 0 1
é igual a 2. 08. Uma matriz quadrada A se diz anti-simétrica se t A = -A, sendo tA a transposta da matriz A. Nessas condições, pode-se afirmar que a matriz

10.

(UFSC) Assinale a soma dos números associados às proposições VERDADEIRAS

01. O número de elementos de uma matriz quadrada de ordem 12 é 48.

Pré-Vestibular da UFSC

22

Inclusão para a vida

Matemática D
x 2 y 3z 4

0 0 1 0 0 0 1 0 0
é anti-simétrica.

2x y 2z 3 3x y z 7 6x 2 y 2 z 14
08. Três pessoas foram a uma lanchonete. A primeira tomou 2 (dois) guaranás e comeu 1 (um) pastel e pagou R$ 4,00. A segunda tomou 1 (um) guaraná e comeu 2(dois) pastéis e pagou R$ 5,00. A terceira tomou 2 (dois) guaranás e comeu 2(dois) pastéis e pagou R$ 7,00. Então, pelo menos, uma das pessoas não pagou o preço correto.

16. Se as matrizes P, Q e R são escolhidas entre as listadas a seguir, para que PQ – R seja uma matriz nula, o valor de x deve ser 2.

3 1 2

,

3x 5

,

6 0

1 2

1 x

,

19 6

32. A e B são matrizes quadradas de ordem 2 tais que A = 5B. Nestas condições, pode-se afirmar que det(A) = 5det(B), sendo que det(A) e det(B) designam, respectivamente, os determinantes das matrizes A e B.

14. (FUVEST) O sistema linear

x log 2 y log 3 a x log 4 y log 9 a
a) b) c) d) e) tem solução única se a = 0 tem infinitas soluções se a = 2 não tem solução se a = 3 tem infinitas soluções se a = 4 tem solução única se a = 9

13. (UFSC) Marque a(s) proposição(ões) correta(s).
01. Dada uma matriz A, de ordem m x n, e uma matriz B de ordem n x p, a matriz produto A.B existe e é de ordem m x p. 02. Se um sistema de equações possui mais equações do que incógnitas, então ele é incompatível (impossível). 04. A terna (2, 1, 0) é solução do sistema

GABARITO
Unidade 1 1) R$ 45,20 2) 252 3) 8 dias 4) a) 20 b) 2
c) 240 e) 0,06 g) 70% d) 0,6 f) 0,0025

13) d 14) 60 15) c

Unidade 3
1) 24 2) 60 3) 24 4) 210 5) c 6) a 7) 28 8) e 9) a 10) 30 11) 35 12) 12 13) d 14) a Unidade 4 1) 19 2) b 3) 13 4) 32 5) 04 6) c 7) c 8) Cn, p 9) b 10) d 11) c

5) e 6) 08 7) b 8) a 9) a 10) a 11) a 12) 44 13) 40 14) d 15) 02 Unidade 2 1) 15 2) a) 9 c) 8 3) 05 4) c 5) d 6) a 7) 04 8) 02 9) d 10) 08 11) 12 12) e

Unidade 5 1) 280 2) 01 3) 37 4) a 5) e 6) a 7) e 8) 01 9) c 10) a Unidade 6 1) a) – 5 b) 0 c) 38 2) – 4 3) 66 4) 66 5) d 6) 00 7) d 8) 66 9) d 10) a Unidade 7 1) 23 2) 35 3) b 4) 11 5) 07 6) 04 7) b 8) e 9) e

10) d Unidade 8 1) d 2) d 3) 08 4) c 5) c 6) c 7) 00 8) b 9) e 10) 03 Unidade 9 1)
a) 2 3 3 4 2 b) 5 8 1 2 5 1 9 1 d) 9 c) 4 1 2 3 4 5 2 5

13) 9 17
10 12

14) a 15) b Unidade 10 1) b 2) 05 3) 0 0 0 0 4) 01 5) 56 6) a) 14 b) 11 c) 15 7) 03 8) 08 9) 05 10) d 11) 01 12) 40 13) 32 14) 80 15)

b) 3

2) 34 3) 6 e 2 4) 36 5)a)
X

2 2

2 2

b)
X

3 0 4 1

0 0 0 0

Y

3 5

3 1

6) 12 7) e 8) 12 9) d 10) e 11) b 12) b

16) 56 17) 19 18) e 19) b

Pré-Vestibular da UFSC

23

Matemática D
Unidade 11 1) – 12 2) 6 3) c 4) 121 5) 36 6) a 7) b 8) a 9) d 10) e 11) d 12) d 13) a 14) a 15) 5 e – 1 16) d 17) 05 18) c 19) 05 20) ½

Inclusão para a Vida
Unidade 12 1) 03 2) b 3) a 4) 02 5) 02 6) 26 7) a 8) a 9) 09 10) 04 11) 09 12) 18 13) 13 14) c

Pré-Vestibular da UFSC

2

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->