P. 1
O petroleo

O petroleo

4.76

|Views: 87.429|Likes:
Publicado porfellowboy8079
breve historico do petroleo, sua importancia e seu uso.
breve historico do petroleo, sua importancia e seu uso.

More info:

Published by: fellowboy8079 on Feb 18, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF or read online from Scribd
See more
See less

05/14/2014

pdf

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO – CEFET UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DE IMPERATRIZ UNEDI

O PETROLEO

Jhamyson Galvão Cabral Marcel Pereira Barbosa

Imperatriz 2006

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO – CEFET
UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DE IMPERATRIZ - UNEDI

Jhamyson Galvão Cabral – Nº 18 Marcel Pereira Barbosa – Nº 22 TURMA: 132

O PETRÓLEO
Trabalho apresentado à professora Dêide Luci Silva, da disciplina de Metodologia do Trabalho Científico para obtenção de nota parcial, no segundo semestre.

Imperatriz 2006 SUMÁRIO

Introdução.............................................................................................................................03 CAPÍTULO I Origem do petróleo....................................................................................................04 CAPÍTULO II O petróleo no Brasil..................................................................................................05 CAPÍTULO III O petróleo e sua importância.....................................................................................06 CAPÍTULO IV O fm do petróleo?......................................................................................................08 CAPÍTULO V A indústria do petróleo..............................................................................................10 CONCLUSÃO......................................................................................................................11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................................12

INTRODUÇÃO A mais de um século o petróleo vem sendo utilizado como a principal fonte de energia, ou seja, ele serve de base tanto de base para outros produtos que são os derivados e também de base para muitas economias como é o caso dos paises do Oriente Médio. Como todo combustível fóssil tende a acabar, com o petróleo não será diferente, pois a alta escala de utilização contribui para isso. Nesse contexto a busca por novas fontes de energia aumenta a cada dia. Nesse trabalho abordaremos assuntos tais como a origem do petróleo, o seu uso e os produtos derivados. A fim de esclarecer dúvidas sobre a exploração, exportação e importação desse combustível.

ORIGEM DO PETRÓLEO Segundo Aldama (2004) a hipótese tradicional leva em conta que com o incremento de temperatura, as moléculas do querogênio começariam a ser quebradas, gerando compostos orgânicos líquidos e gasosos, em um processo denominado catagênese. Para se ter uma acumulação de petróleo seria necessário que, após o processo de geração (cozinha de geração) e expulsão, ocorresse a migração do óleo e/ou gás através das camadas de rochas adjacentes, até encontrar uma rocha selante e uma estrutura geológica que detenha seu caminho, sob a qual ocorrerá a acumulação do óleo e/ou gás em uma rocha porosa e permeável chamada rocha reservatório. Embora ainda com pouca divulgação, a hipótese da origem inorgânica do petróleo vem recebendo atenção pela comunidade científica ocidental. O petróleo está associado com grandes estruturas que comunicam a crosta e o manto da terra, sobretudo nos limites entre placas tectônicas. Embora muitos geólogos ainda acreditem que o petróleo possa ser formado a partir de substâncias orgânicas procedentes da superfície terreste (detritos orgânicos), esta não é a única teoria sobre a sua formação. Os avanços obtidos em estudos de astronomia, astrofísica, oceanologia, biologia, termodinâmica, entre outros permitem supor uma origem abiogênica do petróleo e sua posterior contaminação por bactérias às quais serve de nutriente sendo que essas últimas deixam suas marcas que ainda induzem a um paradoxo para a maioria dos geólogos e outros pesquisadores. O petróleo e gás natural são encontrados tanto em terra quanto no mar, principalmente nas bacias sedimentares (onde se encontram meios mais porosos reservatórios), mas também em rochas do embasamento cristalino. Os hidrocarbonetos, portanto, ocupam espaços porosos nas rochas, sejam eles entre grãos ou fraturas. São efetuados estudos das potencialidades das estruturas acumuladoras (armadilhas ou trapas), principalmente através de sísmica que é o principal método geofísico para a pesquisa dos hidrocarbonetos.

O PETRÓLEO NO BRASIL De acordo com Ellian (1996) no Brasil, as primeiras tentativas de encontrar petróleo datam de 1864, Mas apenas em 1897, o fazendeiro Eugênio Ferreira de Camargo perfurou, na região de Bofete (SP), o que foi considerado o primeiro poço petrolífero do país, muito embora apenas dois barris tenham dele sido extraídos. Nesta época o mundo conheceu os primeiros motores à explosão que expandiriam as aplicações do petróleo, antes restritas ao uso em indústrias e iluminação de residências ou locais públicos. No final do século XIX, dez países já extraíam petróleo de seus subsolos. Entre as principais tentativas de órgãos públicos organizarem e profissionalizarem a atividade de perfuração de poços no país estão a criação do Serviço Geológico e Mineralógico Brasileiro (SGMB), em 1907, do Departamento Nacional da Produção Mineral, órgão do Ministério de Agricultura, em 1933, e as contribuições do governo do estado de São Paulo. Muito embora as iniciativas tenham sido importantes para atrair geólogos e engenheiros estrangeiros e brasileiros para pesquisar nos estados do Alagoas, Amazonas, Bahia e Sergipe, a falta de recursos, equipamentos e pessoal qualificado dificultaram a chegada de resultados positivos. Durante a década de 30, já se instalava no Brasil uma campanha para a nacionalização dos bens do subsolo, em função da presença de trustes (reunião de empresas para controlar o mercado) que se apossavam de grandes áreas de petróleo e de minérios, como o ferro. Um das pessoas que desempenhou papel chave nesta campanha foi Monteiro Lobato, que sonhava com um Brasil próspero que pudesse oferecer progresso e desenvolvimento para sua população. Depois de uma viagem aos Estados Unidos, em 1931, Lobato retorna entusiasmado com o modelo de país próspero que conhecera e passa a defender as riquezas naturais do Brasil e sua capacidade de produzir petróleo, através de contribuições de artigos para jornais e palestras para promover a conscientização popular. Estavam entre seus esforços de luta, cartas enviadas ao então presidente Getúlio Vargas, alertando-o sobre os malefícios da política de trustes para o país e a necessidade de defesa da soberania nacional na questão do petróleo.

O PETRÓLEO E SUA IMPORTÂNCIA Com base no autor Duarte (1994) o petróleo é um produto de grande importância mundial, principalmente em nossa atualidade. É difícil determinar alguma coisa que não dependa direta ou indiretamente do petróleo. Os solventes, óleos combustíveis, gasolina, óleo diesel, querosene, gasolina de aviação, lubrificantes, asfalto, plástico entre outros são os principais produtos obtidos a partir do petróleo. De acordo com a predominância dos hidrocarbonetos encontrados no óleo cru, o petróleo é classificado em: • Parafinemos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Este tipo de petróleo produz subprodutos com as seguintes propriedades: - Gasolina de baixo índice de octanagem. - Querosene de alta qualidade. - Óleo diesel com boas características de combustão. - Óleos lubrificantes de alto índice de viscosidade, elevada estabilidade química e alto ponto de fluidez. - Resíduos de refinação com elevada percentagem de parafina. - Possuem cadeias retilíneas. • Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. O petróleo do tipo naftênico produz subprodutos com as seguintes propriedades principais: - Gasolina de alto índice de octonagem. - Óleos lubrificantes de baixo resíduo de carbono. - Resíduos asfálticos na refinação. - Possuem cadeias em forma de anel.

Mistos Quando possuem misturas de hidrocarbonetos parafínicos e naftênicos, com

propriedades intermediárias, de acordo com maior ou menor percentagem de hidrocarbonetos parafínicos e neftênicos. • Aromáticos Quando existe predominância de hidrocarbonetos aromáticos. Este tipo de petróleo é raro, produzindo solventes de excelente qualidade e gasolina de alto índice de octonagem. Não se utiliza este tipo de petróleo para a fabricação de lubrificantes. Após a seleção do tipo desejável de óleo cru, os mesmos são refinados através de processos que permitem a obtenção de óleos básicos de alta qualidade, livres de impurezas e componentes indesejáveis. Chegando às refinarias, o petróleo cru é analisado para conhecer-se suas características e definir-se os processos a que será submetido para obter-se determinados subprodutos. Evidentemente, as refinarias, conhecendo suas limitações, já adquirem petróleos dentro de determinadas especificações. A separação das frações é baseada no ponto de ebulição dos hidrocarbonetos. Os principais produtos provenientes da refinação são: - gás combustível - GLP - gasolina - nafta - querosene - óleo diesel - óleos lubrificantes - óleos combustíveis

- matéria-prima para fabricar asfalto e parafina. O FIM DO PETRÓLEO? Com base em Hélio (2005) as reservas de petróleo ditas provadas são estimadas de 1 a 1,2 milhar de bilhões de barris, ou 150 bilhões de toneladas aproximadamente, ou ainda uma produção de 40 anos no ritmo atual. Elas são desproporcionalmente repartidas: perto de um terço estão situadas no Oriente Médio. Sua evolução, entretanto, não permite prever a da produção petroleira, já que os dados relativos às reservas causam fortes controvérsias entre escolas de pensamento, umas otimistas, outras pessimistas. O grupo dos otimistas é essencialmente constituído de economistas, como Morris Adelman e Michael Lynch, do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Eles observam, para começar, que as previsões passadas de rarefação dos recursos foram sempre desmentidas. Assim, no fim do século XIX, numerosos especialistas previam a suspensão de um desenvolvimento industrial baseado na energia do carvão, cujas reservas estavam então estimadas em 20 anos de produção da época. Mais perto de nós, em 1979, a BP publicava um estudo que mostrava um pico da produção mundial de petróleo (exceto URSS) em 1985. Os otimistas observaram em seguida que a maior parte das perfurações de exploração eram realizadas nos países já muito explorados. Além disso, as reservas obtidas pelas técnicas de produção modernas e pela reavaliação das jazidas antigas custam freqüentemente menos caro para explorar, em particular no Oriente Médio, do que aquelas obtidas pela exploração. Daí a limitação dessa atividade em países que oferecem as melhores perspectivas de descobertas. As produções possíveis, de acordo com M. Adelman, são resultado de uma corrida de velocidade entre, de um lado, o esgotamento das jazidas conhecidas, de outro, o progresso técnico que permite acessar novas reservas. Até agora, esta última levou vantagem, com certos efeitos que conduzem a evoluções relativamente regulares: diminuição dos custos de perfuração, melhoria das taxas de recuperação, melhor imagem do subsolo. Outros efeitos são mais difíceis de prever. Assim, no final dos anos 1980, a produção de óleos extrapesados do cinturão do Orinoco, na Venezuela, só era considerada como rentável se o preço do barril bruto ultrapassasse de 30 a 40 dólares da época. Os avanços técnicos,

principalmente a generalização da perfuração horizontal, permitiram reduzir esse limite a menos de 15 dólares (no curso de 2004). Os pessimistas estão, na maior parte, agrupados no seio da Associação para Estudo do Pico do Petróleo e Gás (Association for the Study of Peak Oil and Gas, ASPO). Eles insistem primeiro de tudo no caráter político das reavaliações das reservas efetuadas em 1986-1987 pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), e que não correspondem as verdadeiras reservas comprovadas. Eles consideram que o pico da produção mundial se situará entre 2005 e 2010, em um nível da ordem de 90 milhões de barris/dia, contando-se todos os hidrocarburetos naturais. Para apoiar sua tese, eles lembram que dispomos hoje de acesso ao conjunto de dados de todas as bacias petrolíferas, assim como de uma amostragem suficiente para que as metodologias capazes de prever reservas restantes a descobrir sejam de agora em diante confiáveis. A incerteza reside, portanto, essencialmente na evolução futura da parte dos volumes recuperáveis a partir das reservas existentes. Sobre esse assunto, as conclusões divergem: para os otimistas, a taxa média de recuperação dos volumes poderia passar, no curso dos próximos 50 anos, de 35% aproximadamente hoje a 50% até mesmo 60%; para os pessimistas, em contrapartida, as melhorias serão limitadas e se refeririam essencialmente a óleos pesados e extrapesados. Diferentes equipes de especialistas propõem uma visão intermediária, em particular do United States Geological Survey (USGS), para quem as últimas reservas de petróleo convencional seriam da ordem de 3.000 bilhões de barris, dos quais cerca de 1.000 já consumidos, um pouco mais 1.000 reservas comprovadas, o resto correspondendo às reservas por descobrir. Esta ordem de grandeza corresponde igualmente às estimativas mínimas dos geólogos do Instituto Francês do Petróleo (IFP), efetuadas a partir de dados atualmente disponíveis. Ela conduz a um máximo da produção mundial pouco depois de 2020. Com as hipóteses um pouco mais otimistas sobre os volumes a descobrir, não mais mínimos, mas médios, e sobre um crescimento das taxas de recuperação, o pico poderá ser afastado para 2030. Se as estimativas da USGS fossem revistas na alta, como foi o caso no passado, integrando as reservas não convencionais, o declínio poderia ser afastado para além de 2030.

A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Segundo Aldama (2004) petróleo e o gás natural são misturas de hidrocarbonetos resultantes de processos físico-químicos sofridos pela matéria orgânica que se depositou juntamente com fragmentos de rochas durante a formação de rochas sedimentares, milhões de anos atrás. Devido a efeitos mecânicos, ocorre a migração do petróleo no subsolo, acumulando-se em rochas porosas e permeáveis denominadas rochas reservatório. A localização, produção, transporte, processamento e distribuição dos hidrocarbonetos existentes nos poros e canais de uma rocha reservatório, que pertence a um determinado campo petrolífero, estabelecem os cinco segmentos básicos da indústria do petróleo A reconstrução da história geológica de uma área, através da observação de rochas e formações rochosas, determina a probabilidade da ocorrência de rochas reservatório. A utilização de medições gravimétricas, magnéticas e sísmicas, permitem o mapeamento das estruturas rochosas e composições do subsolo. A definição do local com maior probabilidade de um acúmulo de óleo e gás é baseada na sinergia entre a Geologia, a Geofísica e a Geoquímica, destacando-se a área de Geo-Engenharia de Reservatórios. A fase explotatória do campo petrolífero engloba as técnicas de desenvolvimento e produção da reserva comprovada de hidrocarbonetos de um campo petrolífero. Pelo fato dos campos petrolíferos não serem localizados, necessariamente, próximos dos terminais e refinarias de óleo e gás, é necessário o transporte da produção através de embarcações, caminhões, vagões, ou tubulações (oleodutos e gasodutos). Apesar da separação da água, óleo, gás e sólidos produzidos, ocorrer em estações ou na própria unidade de produção, é necessário o processamento e refino da mistura de hidrocarbonetos proveniente da rocha reservatório, para a obtenção dos componentes que serão utilizados nas mais diversas aplicações (combustíveis, lubrificantes, plásticos, fertilizantes, medicamentos, tintas, tecidos, etc..). As técnicas mais utilizadas de refino são: i) destilação, ii) craqueamento térmico, iii) alquilação e iv) craqueamento catalítico.

Os produtos finais das estações e refinarias (gás natural, gás residual, GLP, gasolina, nafta, querosene, lubrificantes, resíduos pesados e outros destilados) são comercializados com as distribuidoras, que se incumbirão de oferecê-los, na sua forma original ou aditivada, ao consumidor final. CONCLUSÃO De acordo com as confirmações de vários autores, o petróleo vem sendo considerado como a principal fonte de energia existente hoje. Servindo com base para diversas economias e para a produção de uma grande variedade de produtos. Por ser um combustível fóssil tende a acabar, pois não é uma fonte de energia renovável. Isso é comprovado pelo seu alto grau de uso, pois são mais de 350 produtos que derivam desse ‘ouro preto’. Passamos por crises, monopólios e somente hoje o Brasil tem o que comemorar, pois não é todo país que consegue se tornar auto-suficiente. Em pauta esclarecemos algumas dúvidas tais como a exploração, o comércio envolvido e a produção de derivados. Esperamos que realmente esse trabalho tenha contribuído para o seu aprendizado.

BIBLIOGRAFIA
ALDAMA, Alberto. Memórias do segundo encontro internacional de direito ambiental. São Paulo: Instituto Nacional de Ecologia, 2004. Cap 8. Pág. 464 DUARTE, Francisco José. Estudo da tecnologia da refinação do petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Paranaguá editora, 1994. ELLIAN, Gustavo Augusto. O petróleo brasileiro: importância e uso. Rio de Janeiro: Petrobras, 1996. FERREIRA, Márcio Alcântara. O petróleo e seus derivados. São José do Rio Preto: Editora Talentos, 1988. HÉLIO, João Gonçalves. Tudo sobre petróleo. Rio de Janeiro: Ática Editora: 1995.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->