TAY, John S. H. Nascido Gay? Existem evidências científicas para a homossexualidade?

Rio de Janeiro, Central Gospel, 2011, 180 p. Dr. John S. H. Tay estudou medicina na Universidade de Sidney, na Austrália, com a bolsa de estudos do Colombo Plan (1961-1966). Formou-se como o melhor da classe, o que lhe rendeu um título de honra e uma medalha da universidade. Tem mestrado em pediatria e dois doutorados – um em genética humana, outro em filosofia – pela Universidade Nacional de Cingapura. Ele fez parte da equipe acadêmica do departamento de pediatria da Universidade Nacional de Cingapura por 22 anos (19731995), e, de 1988 a 1995, foi professor e chefe do departamento de pediatria e da divisão de genética humana. Publicou algumas centenas de pesquisas, inclusive na área da genética. O livro do Dr. Tay examina a afirmação insistentemente feita por grupos homossexuais e seus defensores de que os gays já nascem como tais e que isso não pode ser mudado. Seria tal afirmação veraz ou ela não passa de uma falácia ideológica? O autor, à luz da genética humana tenta oferecer uma resposta a este questionamento analisando vinte anos de pesquisas de alta qualidade e que foram publicadas em revistas internacionais bem conceituadas. Introdutoriamente, o livro faz uma revisão de importantes trabalhos científicos publicados. Aqui o Dr. Tay apresenta com breves comentários artigos sobre a homossexualidade que datam do ano de 1991 até o ano de 2009. Somos informados sobre dificuldades de compreensão desses trabalhos devido a uma linguagem técnica e cálculos matemáticos complexos. No entanto, a revisão oferecida no corpo do livro prima por uma linguagem acessível. Ao todo, são apresentados cinqüenta estudos com suas breves observações. Eis alguns títulos: Orientação sexual humana. As teorias biológicas são reavaliadas. Orientação sexual em gêmeos: um relatório sobre 61 pares e três grupos de trigêmeos. A homossexualidade é genética? Uma análise crítica e algumas sugestões. A descoberta do “gene gay” é questionada. Influências genéticas e ambientais na orientação sexual e seus correlativos em uma amostra de gêmeos australianos. Dados comparativos de assédio sexual na infância e na adolescência em pessoas heterossexuais e homossexuais. Mudando a orientação sexual: um relatório de pacientes. Alguns gays e lésbicas podem mudar sua orientação sexual? Duzentos participantes relatam uma mudança da orientação homossexual para a heterossexual. A importância de estudos de gêmeos. No capítulo inicial denominado uma avaliação de pesquisas publicadas ao longo das últimas duas décadas o autor propõe uma discussão sobre a tão propalada base biológica para a homossexualidade. Ele inicia a conversa citando o psiquiatra estadunidense Jeffrey Satinover que polemiza a questão ao afirmar que a procura por uma base biológica para a homossexualidade pertence àqueles que querem destruir todas as experiências clínicas que provam ser a homossexualidade sujeita à mudança. Posteriormente, o Dr. Tay expõe condensadamente reveladoras conclusões que fundamentam a fala supra. Já no fechamento desse capítulo o autor assume uma posição sobre ser a homossexualidade mais ambiental ou genética e se os gays podem mudar.

O autor demonstra isso argumentando sobre o impacto da negação da verdade em setores da sociedade como artes e entretenimento. cultura e religiões. Simon Lavey é discutido neste capítulo e.O segundo capítulo traz a baila uma introdução à metodologia de pesquisa. metodologia que na opinião do Dr. Neste capítulo há uma significativa discussão sobre estudos de gêmeos. No entanto. porém a interpretação da herdabilidade é simples. Os cálculos são complexos. a estimativa dos componentes genéticos e ambientais. A verdade relacionada a um aspecto do mundo visível deve ser o alvo final de todo pesquisador. outras são levadas a jurarem que suas informações são verdadeiras e outras podem até passar pelo detector de mentiras. Outras discussões são levantadas até o fim do capítulo. famílias e lares e governo e lei. para isso. a seu respeito. Ele argumenta que em um tribunal as testemunhas são incitadas a falarem a verdade. Um estudo polêmico sobre diferenças estruturais entre o hipotálamo de homens homossexuais e o de homens heterossexuais escrito pelo neurocientista de Harvard Dr. business e finanças. Em relação a segunda abordagem. DNA e quais são as maneiras pelas quais se dá a herança dos genes. O quinto capítulo examina as evidências de fatores genéticos na homossexualidade. Os estudos de gêmeos apontaram resultados surpreendentes assim como os estudos das estruturas cerebrais. Tay explica que são evidências que estabelecem a verdade. resultados de degradação e decadência são inevitáveis. Alguns subtópicos da primeira abordagem são a importância dos estudos de gêmeos. . Dr. muitos genes (herança poligênica) e contribuições genéticas para outras doenças. distribuição e mídia. afirma o autor. o Dr. É apresentada uma medida para cálculo chamada de herdabilidade da tendência (h²). apenas por um conjunto de evidências suficientes é que um réu é declarado culpado. educação e escolas. o objetivo é demonstrar como pode ser estimada a importância relativa dos genes e a importância do ambiente e. Tay explica o que são cromossomos. são apresentados alguns resultados de uma cuidadosa análise à qual ele foi submetido. São elas: gene único (herança de Mendel). destacam-se os subtópicos modelos matemáticos e interpretação da herdabilidade da tendência. ele destaca e comenta três perguntas que devem ser feitas no processo de avaliação das evidências. Neste capítulo. é dito que a segunda pesquisa é mais relevante devido ao fato do tamanho da amostra ser maior e da estimativa da herdabilidade ser mais precisa. O bom funcionamento de um sociedade perpassa pelo respeito a verdade. Tay parte de duas abordagens chamadas de estudo de gêmeos e cálculo da herdabilidade da tendência. O quarto capítulo discute como avaliar a contribuição dos fatores genéticos e ambientais para a homossexualidade. Nesse contexto discute-se também. anomalias cromossômicas. São elas: A pergunta certa foi feita? A evidência é confiável? O que significam os resultados? O terceiro capítulo define genética humana e apresenta os seus conceitos básicos. Em relação a este último ele apresenta quatro maneiras de transmissão dos genes de geração a geração. Tay oferece a melhor evidência para a aceitação de que orientação sexual possa ter uma base biológica. a partir dos estudos Amostra Nacional dos EUA e Registro Australiano de Gêmeos. interpretações das proporções de concordância e limitações dos estudos de gêmeos. Para resultados de estimativas de herdabilidade. Dr. Em seguida. Caso a verdade não seja levada a sério em qualquer área da sociedade.

teólogos. São abordados fatores pré-natais como a razão entre as medidas do segundo e do quarto dedo e a homossexualidade masculina. cálculos matemáticos e estatísticos revestidos de alguma complexidade. o propósito deste capítulo é analisar a possibilidade de reorientação sexual. A primeira são histórias de pessoas que alegam ter experimentado a mudança. Esta obra desmistifica muitas afirmações sobre este assunto bastante sensível. dermatoglifia (estudo das impressões dos dedos e das palmas) e a ordem de nascimento fraternal e fatores pós-natais como relacionamento entre pai e filho e abuso sexual e físico. algumas “certezas” sobre a terapia de reorientação. na falta de evidências científicas publicadas. leciona no Instituto Federal da Bahia (campus de Vitória da Conquista. Esta posição fundamenta-se. Conclusivamente. destaca-se o do respeitado psiquiatra estadunidense Dr. fonte que o autor escolheu examinar e analisar neste capítulo. No entanto. Toda argumentação que envolve esses fatores revela dados interessantes sobre o papel que o ambiente desempenha na orientação sexual. Dentre alguns estudos citados. R. psicólogos. Em particular. pode auxiliar como texto orientador na elaboração de políticas públicas relacionadas a homossexualidade afim de que as mesmas fundamentem-se na verdade. Ela. Além da discussão em torno desses fatores. percebe-se uma preocupação do autor em oferecer explicações suficientes para situar o leitor frente a toda linguagem acadêmica que inevitavelmente acaba por aparecer no corpo do texto.O sexto capítulo analisa fatores ambientais que poderiam levar à homossexualidade. Atualmente cursa uma pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior. advogados. O livro apresenta alguns termos técnicos. Zwinglio Alves Rodrigues é graduado em pedagogia e teologia e tem especialização em Ciências da Religião. A terceira são pesquisas científicas. em conjunto com todos os estudos indicados. Spitzer. pastores. discute-se também a denominada plasticidade da orientação sexual e os chamados fatores de manutenção. de acordo com o autor. O Dr. L. recomendo-o para pedagogos. Seu trabalho chama-se Alguns gays e lésbicas podem mudar sua orientação sexual? Duzentos participantes que relataram uma mudança de sua orientação homossexual para a heterossexual. segundo elas. Existem pelo menos três fontes em que se pode buscar respostas para a possibilidade de reorientação sexual. o Dr. . demais líderes religiosos e todos aqueles que se interessam pelo assunto. Tay faz referência à Academia Americana de Pediatria e a Associação Psiquiátrica Norte-Americana como sendo organizações contrárias à terapia de reorientação. Esse capítulo é finalizado com a indicação de que homens homossexuais tem o tempo de vida vinte e quatro anos menor que os heterossexuais. mão predominante. resumidamente. o autor tece comentários sobre questões relacionadas a ética médica. Tay apresenta e comenta. Para fechar o capítulo. Este livro é recomendado para o público em geral. Outra são declarações consensuais de organizações de profissionais da psiquiatria e da psicologia. O sétimo capítulo discute a polêmica questão da terapia de reorientação. No entanto. Números relacionados a pesquisas feitas na Dinamarca e Noruega fundamentam esse dado.

Bahia) e no Colégio da Polícia Militar na mesma cidade. Além disso. atua como pastor da Igreja Batista Vida. .