P. 1
dedução equação de navier stokes

dedução equação de navier stokes

|Views: 1.154|Likes:
Publicado porVitor Moreira

More info:

Published by: Vitor Moreira on Feb 24, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/01/2014

pdf

text

original

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Álgumas palavras sobre as Equações de Navier-Stokes
As equações de Navier-Stokes foram derivadas inicialmente por M. Navier em 1827 e por S.D. Poisson em 1831, baseando-se num argumento envolvendo considerações de forças intermoleculares. Mais tarde as mesmas equações foram derivadas sem o uso de nenhuma dessas hipóteses por B. de Saint Vernant em 1843 e por G.G. Stokes em 1945. Suas derivações foram baseadas na hipótese de que as tensões normais e cisalhantes são funções lineares da taxa de deformação, em conformidade com a mais antiga lei da viscosidade de Newton. Considerando que a hipótese da linearidade é evidentemente completamente arbitrária (chute mesmo), não é “a priori” certo que as equações de N-S oferecem uma descrição verdadeira do movimento de um fluido. É necessário, conseqüentemente, verificá-las experimentalmente. As enormes dificuldades matemáticas encontradas quando resolvendo as eqs. de N-S tem até o presente nos impedido de obter uma solução analítica única na qual os termos convectivos interagem genericamente com os termos viscosos (The Millennium Problems, prêmio:
1 milhão de dólares, Mathematics Institute of Cambridge, Massachusetts). Entretanto, soluções conhecidas, tais como

escoamento laminar através de duto circular, bem como escoamentos de camada limite, concordam tão bem com os experimentos que a validade geral das equações de N-S mal pode ser posta em dúvida

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Equação Diferencial da Conservação da Quantidade de Movimento
Aplica-se a 2a lei de Newton a uma partícula de fluido infinitesimal de massa dm. Recapitulando: a 2a lei de Newton para um sistema finito  é dada por: 

dP F= dt

sistema

onde a q.d.m. do sistema é dada por: 

Psistema =

massa ( sistema ) 

∫ Vdm

Então, para um sistema de massa infinitesimal, dm, a 2a lei de Newton pode ser escrita: 

 dV dF = dm dt

sistema

Utilizando a derivada substancial, podemos escrever a 2a lei de Newton em um campo de velocidades da seguinte forma: 

      ∂V DV ∂V ∂V ∂V  dF = dm = dm u +v +w +  (1) Dt ∂y ∂z ∂t   ∂x

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Forças atuando em uma partícula fluida
Tipos de forças: • forcas de campo, FB •forças de superfície, Fs: •Forças normais,

σ τ

•Forças Tangenciais,

Vamos considerar a componente x da força atuando num elemento diferencial de massa, dm, e volume, dxdydz. As tensões no centro do elemento diferencial são tomadas como xx , yx , zx. As tensões agindo na dir. x em cada face do elemento são mostradas na Fig.

σ

τ

τ

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Tensões na direção x atuando em uma partícula de fluido

(quadro negro)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Equação diferencial da quantidade de movimento para qualquer fluido que satisfaça a hipótese do contínuo

(2)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Equação da Quantidade de Movimento para Fluidos Newtonianos:
Para fluido Newtoniano, a tensão viscosa é proporcional à taxa de deformação angular; para coordenadas retangulares, as equações constitutivas são dadas por:

Obs.: para placas planas, paralelas, infinitas, a superior movendo-se com velocidade constante: du

τ yx = µ

dy

Obs.: Num sistema hidrostático, ou seja, o fluido estando em descanso:

σ xx = σ yy = σ zz = − p
sendo p a pressão termodinâmica

As equações acima constituem uma afirmação geral da Lei de Newton da Viscosidade, aplicadas para situações de escoamento complexas com o fluido escoando em todas as direções

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Substituindo as expressões para as tensões na equação diferencial da quantidade de movimento (Eq. 2) , temos:

Estas são as equações gerais diferenciais da quantidade de movimento para fluido Newtoniano ou equações de NavierStokes para fluido com densidade e viscosidade variáveis. Estas equações, juntamente com a equação da continuidade, a equação de estado, a equação da energia e conhecendo-se a lei empírica da viscosidade e as condições de contorno e condições iniciais, determinam completamente a pressão, densidade, temperatura, viscosidade e componentes da velocidade em um escoamento de um fluido (7 eqs. para 7 incógnitas: u, v, w, p, ρ, T, µ).

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Escoamento incompressível e viscosidade dinâmica constante
As equações  Navier-Stokes podem ser simplificadas quando de ρ = cte. ( ∇ ⋅ V = 0 ) e µ = cte. (variação da viscosidade desprezível). Nestas condições as equações ficam sendo:

(Obs.: juntamente com a continuidade são 4 eqs. para 4 incógnitas: u, v, w e p): Em notação vetorial, as equações de Navier-Stokes assumem a seguinte forma: 

DV ρ Dt

=

massa por unidade de volume vezes aceleração (termos convectivos ou de transporte de q.d.m.)

força gravitacional por unidade de volume (força de campo) 

ρg ,

força de pressão por unidade de volume (força de superfície)

∇p ,

+ 

µ∇ V
2

força viscosa por unidade de volume (termo de difusão de q.d.m.)

Para escoamentos invíscidos (µ = 0), chega-se à famosa equação de Euler, derivada em 1755:  

DV = ρg − ∇p ρ Dt

E da equação de Euler, chega-se à eq. de Bernoulli.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos )XQGDPHQWRV GD 0HF¤QLFD GRV )OXLGRV (SEM0403)

Exemplo 1
Simplifique a equação de Navier-Stokes para a componente x para um escoamento permanente em um canal horizontal e retangular, supondo todas as linhas de corrente paralelas às paredes. considere a direção x como a direção do escoamento (Fig.)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->