Você está na página 1de 2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

Muito além do carnaval de vaidades


SILVA, Carlos Eduardo Lins da. Muito além do carnaval de
vaidades. Folha de S. Paulo, 8/2/2009, p. A6.

A CADA DOIS ANOS, quando ocorrem eleições para presidência das duas Casas do
Congresso, o jornalismo político vive período de êxtase.

Concentram-se em poucos dias conchavos, fofocas, traições, balões de ensaio que


fazem a delícia de repórteres e leitores viciados em noticiário político convencional.

Para a sociedade, o resultado disso tudo em geral é quase nulo. O carnaval das
vaidades este ano o demonstrou outra vez.

A Folha fez o trabalho preguiçoso de sempre. A reposição em seus tronos de veteranos


que já os haviam ocupado duas vezes é a máxima expressão de sua previsibilidade,
coroada na manchete de terça que anunciou o que todo mundo já sabia que iria
acontecer havia semanas e já era realidade fazia quase um dia inteiro.

Não é preciso ser assim. Um mínimo de vontade editorial poderia tornar a cobertura do
universo de Brasília muito mais relevante para o país.

No mesmo dia em que a mesmice se repetia, o presidente da República enviou ao


Congresso, como determina a Constituição, sua mensagem anual ao Legislativo, para
prestar contas do que fez no ano anterior e revelar suas prioridades para o que se
inicia.

Exceto por duas notas na coluna "Painel", este jornal ignorou por completo o
documento, que constitui nada menos do que a agenda do Executivo para 2009.

Esse documento deveria ser o mote para um grande debate nacional, referência de
todos os editores do jornal para fazer pautas, cobrar compromissos assumidos, checar
se o governo fez o prometido, discutir se o que ele considera importante também o é
para a sociedade, medir a relação entre ele e o Congresso.

Os EUA não são necessariamente exemplo positivo de coisa alguma. Lá, no entanto,
esse mesmo documento do presidente ao Congresso, entregue em cerimônia
transmitida em rede nacional de TV, é esmiuçado pelos meios jornalísticos no detalhe
e orienta a população no seu julgamento das ações do Estado. Melhor do que o festival
de jogo de cena motivado pela eleição dos dirigentes do Senado e da Câmara.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 1 de 2
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

O cidadão que tem conhecimento do que o governo diz que vai fazer no ano também
tem mais condições de controlar seu comportamento. Que melhor papel para a
imprensa do que municiá-lo com essas informações, que afinal são públicas?

Em contraste, que utilidade tem para o cotidiano do leitor a montanha de balelas que
foram ditas por candidatos a postos na Mesa da Câmara e do Senado e por quem
tentava influenciar o resultado da eleição?

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 2 de 2