P. 1
TARDE - PROVA 28 - TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JUNIOR - CONTROLE

TARDE - PROVA 28 - TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JUNIOR - CONTROLE

|Views: 100|Likes:
Publicado porRafael Ribeiro

More info:

Published by: Rafael Ribeiro on Feb 25, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/06/2013

pdf

text

original

28

TARDE

LOGÍSTICA TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE CONTROLE TRANSPORTE JÚNIOR - CONTROLE CONHECIMENTOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS
LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.
01 Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 50 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição:

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questões 1 a 10 11 a 20 Pontos 1,0 1,5 Questões 21 a 30 31 a 40 Pontos 2,0 2,5 Questões 41 a 50 Pontos 3,0 -

b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas. 02 03 04 Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO-RESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal. Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta. No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: 05 -

A

C

D

E

Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA. Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA. As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado. SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA; c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido. Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA. Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA. Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento. O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 3 (TRÊS) HORAS e 30 (TRINTA) MINUTOS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA. As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

06

-

07 08

-

09 10

-

11 12

-

MAIO / 2010

TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE 2 .

são (A) carregados apenas por ação da força da gravidade. após ter passado por um acidente que comprometeu partes significativas de sua estrutura. atestando que o veículo atende aos requisitos dos seus Regulamentos Técnicos de Qualidade estando. na maioria das vezes. (E) sua pressão máxima de trabalho admissível menor que a de descarga. (C) documento emitido pelo INMETRO. oxidantes e tóxicos. (D) empalme. (C) fabricante deverá informar às Polícias Rodoviárias através de memorando. (C) acessórios internos que dificultam a descontaminação. não previsto na capacitação do equipamento de transporte de produto perigoso. (E) são veículos autopropulsores cujo tanque de transporte é fabricado em casco único. para atestar a manutenção de sua capacidade operacional. (C) domo. tombamento e acidentes. (D) rejeitam o aço-carbono como material do tanque interno. o (A) cliente deverá informar ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e solicitar guia de segurança para tráfego. genericamente. (E) exigência importante para a concessão de guias de embarque de tanques transportadores de gases altamente refrigerados no território nacional e no Mercosul. podendo ou não possuir tampa de fechamento. (E) proprietário do caminhão-tanque deverá solicitar requalificação ao Instituto Nacional de Metrologia. caso o mesmo se destine a transporte de dióxido de carbono liquefeito. (D) pré-requisito para que um equipamento possa transitar por qualquer rodovia. 3 TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE . (B) condutor deverá ser substituído por especialista habilitado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). pela expressão equipamentos para químicos. entre outras características. (D) equipados com válvulas de alívio ativadas a 95% da pressão de projeto.000 litros. sendo. 4 Os equipamentos de transporte de gases altamente refrigerados (A) devem ter seu tanque inspecionado semestralmente pelo DETRAN. (C) dotados de estruturas internas para segurança e reforço circunferencial. (E) válvula de pressão. aço-liga ou inoxidável.CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1 Os recipientes utilizados na movimentação e no transporte rodoviário de produtos combustíveis. 2 O equipamento rodoviário para transporte de corrosivos difere do equipamento para produtos químicos. 6 O Certificado de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos (CIPP) é um(a) (A) atestado de âmbito estadual. (B) desprovidos de isolamento térmico e têm capacidade para até 20. (D) facultado o uso de dispositivos de proteção contra tombamento. após ter sido devidamente inspecionado pelas autoridades da Agência Nacional de Transportes Terrestres. (D) fornecedor deverá solicitar autorização de tráfego ao Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN). por ter (A) efetiva proteção e nunca vazar pela escotilha ou pelo coletor de fundo. apto ao transporte de produtos perigosos. (B) diâmetro menor devido à maior densidade daqueles produtos. 5 O componente dos equipamentos de transporte de produtos perigosos cuja função é a proteção contra choque de objetos estranhos. o interno de aço inox e o externo de aço-carbono. Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO). (B) disco de ruptura. (B) envolvem a necessidade de isolamento térmico que é feito através de pressurização de ar entre os cascos interno e externo. (E) identificados. corrosivos. é o(a) (A) cofre de expansão. que confere ao caminhão-tanque ou à carreta a qualificação de equipamento habilitado ao transporte de produtos inflamáveis ou explosivos. (B) comprovante de que um veículo está apto a retornar às atividades de transporte de produtos perigosos. portanto. emitido pelo DETRAN. com paredes resistentes a corrosão. 3 Em caso de troca de produto a ser transportado. (C) possuem dois tanques isolados termicamente. construídos em alumínio.

dentro de edificações. por efeito radioativo. (C) oxidativas. (D) são pouco reativos. por exemplo. será necessário que esse material (A) conte com escolta de policiais especializados em riscos físicos. contaminando a atmosfera com substâncias tóxicas e tornando-a irrespirável. (A) atenderá. (B) seja acondicionado a baixa temperatura durante todo o trajeto. 10 Substâncias e artigos explosivos fazem parte do grupo enquadrado na Classe 1 e. afetam virtualmente toda a carga de modo praticamente instantâneo. 8 Em caso de acidente com um equipamento especializado em transporte de produto perigoso. dentre esses. 9 Para a realização de uma operação de transporte de material radioativo. (D) siga em veículo blindado e em bom estado de conservação. antes de autorizada. (D) o policial de trânsito que acorrer ao local terá a responsabilidade por dar início à atividade de contenção do produto derramado. (D) ignifugáveis. bem como os decorrentes de quadro clínico de doença dos expostos. (B) o condutor do veículo procurará comunicação com o responsável pela transportadora. (E) partículas emissoras de radiação capazes de provocar ruptura de membrana celular e consequente inflamação. avaliada pela polícia quanto ao risco de explosão. mesmo em pequenas quantidades. (E) têm comportamento de produtos que. 12 A movimentação de cargas que contenham substâncias infectantes exige cuidados especiais. (E) esteja inserido em um programa de proteção radiológica. (B) pirofóricas. a instalação de recipientes transportáveis. o que acontece lentamente. dano à integridade física e à saúde de pessoas ou prejuízo à biota local. (E) será. existem aqueles que (A) apresentam risco de explosão em massa. entre outras. (A) a transportadora arcará com o ônus da recuperação do terreno. às determinações das autoridades estaduais. (C) exigirá compromisso formal dos responsáveis quanto a eventuais riscos.7 Com exceção para os prédios industriais. (B) será proibida para aqueles acima de 40 litros de GLP. do qual resulte vazamento de carga do veículo. (D) deverá ser autorizada pelo Corpo de Bombeiros Militares do Município. uma vez que essas cargas contêm. que deverão obedecer às normas técnicas oficiais próprias vigentes no país. (C) microorganismos recombinantes que podem provocar doenças infecciosas em humanos ou em animais. necessitando de grande quantidade de energia de ignição para entrar em combustão. (A) elementos químicos que. embora não sejam explosivos. (E) sublimáveis. caso tenha se ferido. (B) geram muita fumaça ao entrar em combustão. entram em combustão e geram grande quantidade de calor ao queimar. (E) o dono do caminhão terá responsabilidade direta. (B) agentes químicos corrosivos que provocam lesões cutâneas de difícil cicatrização pelas vias normais . produzindo gases tóxicos que podem levar a óbito por anoxia. são conhecidas como (A) combustíveis. que provoque situação de passivo ambiental. isto é. inflamam-se dentro de alguns minutos após o contato com o ar. (D) componentes ácidos que reagem com alcalinos. (C) a autoridade de meio ambiente local providenciará a retirada do veículo do local e ajuda ao condutor. TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE 4 . (C) oneram o processo de transporte devido aos requintes técnicos exigidos pelas normas de segurança em cada operação. 11 Algumas substâncias sujeitas a combustão espontânea e que. sendo que o fabricante e o destinatário do produto assumirão a responsabilidade solidária pelo evento. (C) possa contar com acompanhamento do fabricante até seu destino. relatando detalhes do evento. geram danos à saúde da pessoa exposta.

dentre as quais. (B) fazem parte da gerência de produção das empresas que fabricam bens de consumo. (D) dificulte a fuga de gases derivados do produto para a atmosfera. (B) corrente seja utilizada como recurso para fixação dos equipamentos durante o trajeto. (B) seja identificado com clareza o ponto por onde poderão escapar os gases geradores de sobrepressão. embora dotados de itens de segurança preventiva. dos produtos acabados e de outras informações de toda a organização é feito por um sistema operacional de tecnologia de informação conhecido como sistema de (A) ajuste de procedimentos logísticos. dos cronogramas. seja reduzido. (C) evite comprometer a estrutura ou o aspecto estético do desenho de projeto do tanque. já que os gases gerados. a ser entregue. (D) negligência de muitos proprietários de equipamentos que. é embarcado nos veículos de transporte. (C) calçado de segurança do ajudante seja dotado de solado isolante. (C) falta de recursos técnicos e de pessoal capacitado nas estradas. 18 Em um processo de logística. (C) localização. 5 TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE . (D) responsabilidade pelo trabalho seja distribuída por toda a organização. (D) metodologia de armazenagem e de fabricação. mantendo sua funcionalidade. sem a devida fiscalização. tendem a se expandir. o monitoramento da matéria-prima. (E) gerência seja estrategicamente instalada próxima à área operacional. (D) veículo seja equipado com sistema de elevação de carga com proteção contra queda. se for o caso. 16 As operações logísticas de uma empresa têm início com a expedição inicial de materiais ou componentes por um fornecedor e (A) continuam até que o produto final seja descarregado e distribuído no mercado. aquela que determina que a(o) (A) embalagem seja mantida e manuseada na posição horizontal durante o carregamento e a descarga. (E) realização dos objetivos empresariais. de forma a proteger contra eletricidade estática. dos pedidos. permite que o(a) (A) tempo de viagem de um produto perecível para outra região seja reduzido. destinado ao armazenamento de gases altamente refrigerados e que. (B) número de funções gerenciais específicas para o setor aumente. portátil e vertical.13 O cilindro de líquido é um tanque. (E) terminam quando um produto fabricado ou processado é entregue a um cliente. não os inspecionam nos prazos adequados. que se inter-relacionem efetivamente com o processo logístico da empresa. em caso de vazamento pelo disco de ruptura. 15 O grande risco de um vazamento envolvendo produtos inflamáveis é o(a) (A) excesso de carga que. em geral. 17 O uso da tecnologia de informação. (E) esteja garantida a impossibilidade de ocorrência de acidente com vazamento de produto para o meio ambiente. (C) quadro de funcionários da logística. envolve análise de itens. distância dos grandes centros urbanos e clima. que possui válvula de emergência instalada no equipamento. (D) planejamento dos recursos da empresa. é transportado em cada viagem dos equipamentos. localização e método de armazenagem. (C) logística de empreendimento organizacional. ou por fusão. de modo que (A) seja acionada por ruptura mecânica. (B) disponibilidade de estradas. geralmente. caso ocorra sobrecarga de temperatura. em uma unidade industrial. 19 A decisão do gerente da cadeia de suprimentos sobre instalações. (B) distância entre os diversos centros urbanos onde recursos técnicos podem ser encontrados em caso de sinistro. (D) são consideradas um ônus necessário à produtividade da empresa fornecedora. metodologia de fabricação e dimensões. à temperatura em torno de 120 ºC. evitando dano ambiental. (E) tanque seja descarregado em terreno aberto. ou em cada um de seus compartimentos. é transportado em caminhões mediante algumas condições especiais. no que diz respeito à movimentação de produtos perigosos. capacidade e localização. 14 A movimentação de alguns inflamáveis é feita com a utilização de tanque. (C) são concluídas quando todo o produto. (E) volume de produção. dimensões e tipo de disponibilidade de mão de obra operacional. tais como: (A) capacitação técnica dos funcionários. (E) possibilidade de ocorrência de explosão. (B) conversão de recursos em resultados. para coordenar ou orquestrar o desempenho integrado da logística com o processo produtivo.

(E) provoca modernização no sistema de transporte de insumos e de informações internas. crescendo. em função de restrições ecológico-ambientais impostas por governos a certos insumos químicos as quais provocam (A) inadequação das instalações. (C) funcionalidade da organização. (E) agilização da recepção de matérias-primas e sua aprovação pela auditoria de qualidade do cliente. incluídos no processo. (D) rotas possíveis para a entrega dos produtos e veículos disponíveis. promovem a (A) maior manipulação das mercadorias. (C) queda de produtividade da mão de obra contratada. (B) número de funcionários do sistema de logística e custo dessa mão de obra. (B) redução dos estoques. (D) política de ressuprimento. 23 O nível necessário de estoque de segurança é afetado por fatores como (A) nível desejado de disponibilidade do produto e a incerteza da demanda. (E) instrução do controle de estoque. (D) operacionalidade da logística. (D) inviabiliza a manutenção da qualidade dos produtos. (B) otimização do processo produtivo integrado. (E) incentivando seus funcionários a agilizarem o processo de carregamentos dos caminhões. principalmente os terceirizados. (C) adoção do gerenciamento da qualidade total. (B) deve ser gerenciada com base no conhecimento da capacidade produtiva e no preço do frete. devido à inibição natural pela presença da gerência. (D) sua lucratividade. (C) entendendo-se com os clientes de modo que estes concordem em receber suas encomendas em um prazo maior. (C) dificulta as vendas quando determinado item é apresentado como de baixa rotatividade. 24 A capacidade de atendimento ao pedido do cliente no prazo combinado é reflexo da (A) produtividade da empresa. (B) especialização da mão de obra na própria empresa. 28 A ideia de defeitos zero em produtos e serviços expandiuse. (D) favorecimento da integração das operações do depósito com os demais procedimentos logísticos internos. após a Segunda Guerra Mundial. (D) escolhendo veículos que estejam disponíveis para o trabalho e que constem da relação de prestadores de serviço habituais. (B) consultando o setor de vendas e outros. (C) cancelamento de pedidos à última hora. com a consequente agilização das atividades de embarque de produtos. (B) crescimento do mercado concorrente. típicos da armazenagem própria. (D) incremento nas atividades de treinamento.20 O sucesso de uma cadeia de suprimento é definido com base no(a) (A) incremento da demanda. (A) combinando duas ou mais rotas em uma rota exequível. se o total de entregas não exceder a capacidade do veículo. (B) pedido do cliente. (C) prazo de entrega combinado e distância das instalações do cliente. TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE 6 . favorecendo seu embarque em veículos adequados para entrega no prazo. são decisões contidas no(a) (A) manual do produto. (E) dificuldade de licenciamento ambiental. para que todos se envolvam no sistema de entregas. (C) satisfação dos funcionários. (D) variações da demanda no mercado. 22 Ao designar clientes a veículos e rotas. a maior flexibilidade e o menor custo operacional. 21 A disponibilidade de estoque de determinado produto é uma das características de um sistema de suprimento que (A) apoia as longas corridas de produção que resultem em economia de escala máxima. (C) cronograma de fabricação. (B) lucratividade do sistema. 27 A facilidade de controle. pois muitos deles têm demanda reduzida. (E) capacidade produtiva do cliente e suas instalações como galpões e pátios. 25 O que determina os estoques cíclicos e de segurança. o gerente de logística tem o desafio de maximizar as economias de sua empresa e utilizar um processo interativo para fazer essa designação. 26 A vulnerabilidade de empresas inseridas na cadeia de suprimento vem. sendo introduzida no processo logístico através da(o) (A) integração dos profissionais das diversas empresas. (E) disponibilidade do produto. além do grau de atendimento do produto e o nível de serviço por ciclo de reabastecimento. ao longo das últimas décadas. (E) método qualitativo na análise de demanda. (E) velocidade de reposição.

(C) escritório da transportadora contratada pelo comprador da carga através de sua procuração. é responsabilidade do(a) (A) advogado representante do comprador da carga. em uma nova viagem. 32 A transmissão da informação documentada. (D) envergadura. (E) tratados como embalagens de alto risco biológico. (E) provocam o interesse dos trabalhadores em se aprimorar. (E) restos de alimentos deteriorados por deficiência na sua refrigeração. nesse caso. 30 As decisões operacionais. (E) rol de mercadorias. (B) mercadorias perigosas acondicionadas em contêineres refrigerados. ao Órgão Gestor de Mão de Obra e ao operador portuário. (C) nota fiscal. (E) lastro bruto. (E) determinação do interesse de cooperação comercial entre as partes. (D) submetidos à rigorosa quarentena. até que se tenha certeza de sua inocuidade. ajustando salários. em português. (C) refletirão resultados em longo prazo e englobam planejamento de produção e subcontratos. em uma cadeia de suprimento. caso este tenha endereço fora da jurisdição do porto. (D) registro de mercadorias. individualizando e quantificando sua composição. (C) embocadura. (E) autoridade naval da região onde se localiza o porto. (D) empresa fabricante do produto ou daquela que o comercializa na região do porto. (C) produtos estrangeiros sem autorização aduaneira para desembarque. 34 O documento que acompanha a carga a ser embarcada. visando à redução da possibilidade de intoxicação humana. (D) buscam se adequar à realidade financeira da empresa. em seu processo de movimentação ou transporte marítimo. devem ser (A) aerados por. (D) resíduos sólidos recolhidos na embarcação após uma viagem. com indicação das cargas perigosas – qualitativa e quantitativamente – informando as que serão descarregadas no porto e as que permanecerão a bordo. entre outros. (B) são de aplicação em curto prazo e incluem a produção sequenciada e o atendimento a pedidos específicos. apartados dos demais contêineres. (B) armador ou do seu preposto. para fins de transporte e manuseio. a referência é conhecida como (A) arqueação bruta. devem permanecer o tempo mínimo necessário próximas às áreas de operação de carga e descarga as(os) (A) embalagens frágeis contendo água de lastro ou inservíveis. (B) manifesto de carga. (C) considerados como cheios. (A) requerem mão de obra altamente especializada para que sejam atingidos os objetivos da logística.29 O ponto de partida de qualquer cadeia de suprimentos é o(a) (A) momento em que o cliente acessa as opções e decide o que comprar. em viagem marítima. 31 Os contêineres ou recipientes que armazenaram produtos perigosos. 35 No sistema aquaviário. (C) início do acionamento do sistema produtivo para entrega do produto. 24 horas antes de serem utilizados para algum outro acondicionamento. com sua respectiva localização. 33 São cargas que. estando sujeitos aos mesmos controles administrativos e aduaneiros dos recipientes cheios. 7 TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE . no mínimo. visando ao crescimento profissional. (B) calado. (B) destinados a produtos como máquinas e equipamentos. contratando ou demitindo. a diferenciação entre navios pode ser feita em função de sua tonelagem bruta e. mediante solicitação do armador responsável pela embarcação. que devem ser enviadas para reciclagem e reaproveitamento de suas partes. é denominado (A) descritivo de carga. (D) base da integração da logística com as necessidades do cliente. e que não foram limpos e descontaminados. (B) depósito de matérias-primas destinadas ao abastecimento do mercado. responsável pela embarcação que conduzir cargas perigosas. à administração do porto.

quando flutuar sobre combustíveis líquidos (A) de maior peso específico que ela. (E) cada um deles tem características típicas de produtos de reação. dá origem à queima ou combustão. para evitar exposição a riscos. (B) basta o contato entre dois deles para que ocorra a reação. (D) essenciais do fogo. (B) a instalação de portas corta-fogo. (C) correntes têm sua aplicação em cargas escorregadias. (D) poderá ser exigida instalação de diques ao redor de reservatórios elevados de matérias-primas ou combustíveis inflamáveis e de paredes corta-fogo . (A) todos os funcionários da área operacional deverão passar por treinamento de combate a incêndio e primeiros socorros com foco em fraturas. (C) controláveis do fogo. (B) estropos são elementos de fixação de estrados no piso. (B) mangueiras de água pressurizada e portas corta-fogo. (E) que não sofram expansão sob calor. (D) de rescaldo de incêndio. por si só. (B) mantidos em embarcações atracadas. (E) adaptados pelas oficinas das embarcações de grande porte e que servem para auxiliar no embarque de suprimentos. (C) destinados à movimentação de pessoal entre a embarcação atracada e o cais para onde está sendo guindada a carga perigosa. para resgate de acidentado.36 De ampla utilização nos sistemas de transporte aquaviário e aéreo. (B) de hidrossolubilidade característica. (E) a alta direção deverá envolver-se diretamente nas atividades operacionais de treinamento de combate a incêndio. quando fundeadas. 38 A importância de cada um dos componentes de um processo de combustão não pode ser avaliada individualmente porque (A) o mais importante deles é o oxigênio. (B) informar o superior imediato. o combustível da reação. (E) umectante de combustíveis. compondo o grupo de elementos (A) básicos das chamas. (D) sair imediatamente do local. 39 O volume de água mínimo que ficará sempre disponível no reservatório para combate a incêndio é denominado reserva (A) retardante de chama. (C) portas corta-fogo e escadas modulares de encaixe. (E) talhas pneumáticas não são indicadas para ajuste preciso de cargas. 44 Para alguns tipos de indústria ou atividade onde seja grande o risco de incêndio. a água pode funcionar. 41 São equipamentos fixos de prevenção e combate a incêndio em edificações (A) escadas dobráveis e bomba automática de alta pressão. (C) acionar o sistema de alarme. (D) lingas permitem o acoplamento da carga ao meio de elevação. durante movimentação segura da carga. os(as) (A) cabos de aço devem ser utilizados para materiais com cantos vivos. próximos ao local de trabalho de movimentação de cargas. 40 A reação química de combustão se dá quando o combustível. 43 Uma das ações de combate ao início de incêndio é (A) treinar a equipe operacional. (C) o horário de trabalho deve contemplar repouso nas horas de maior incidência solar sobre os tanques de combustíveis. (C) de menor densidade específica que ela. (C) para combate a chamas. na saída de emergência. 37 Gaiolas e macas são equipamentos (A) disponibilizados pelo Órgão Gestor da Mão de Obra de um porto organizado no cais próximo da embarcação da qual é descarregado o produto químico. evitando risco de levar para bordo artefatos contaminados. (D) este tipo de reação ocorre apenas sob catálise do ar atmosférico. (E) abafar o local fechando janelas. (E) canalização preventiva e rede de chuveiros automáticos. como agente de abafamento. deverá estar inserida no projeto. (B) técnica de incêndio. (E) extintores de incêndio. TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE 8 . (D) descartados pela embarcação que descarregou produtos perigosos. com abertura para o interior do ambiente. 42 No combate a fogo. (D) armários de ferramentas e mangueiras de combate a fogo. o comburente e a fonte de calor se juntam em condições adequadas. (B) de suporte de incêndio. sempre no comando das ações. (D) que apresentam alta lipofilicidade. (C) nenhum deles.

(E) resistência mecânica do piso da via. pesadas. (E) apropriados à classe de fogo a extinguir. devem ser providos de extintores portáteis (A) destinados ao combate ao incêndio instalado. (D) de diversos portes. (E) que transporta carga. é a(o) (A) ação mediata. é do veículo (A) cujo estado de conservação permita maior potência de arrancada no local. como extintor água-gás para fogo A. (D) que primeiro chegar ao ponto de passagem. (B) de alta ou média densidade. (D) reação induzida. para o caso de fogo em equipamentos elétricos energizados. (B) estímulo de reação. 47 O estacionamento de um veículo de transporte de cargas. (E) vielas. avenidas e vias expressas. industriais e periféricas de alta velocidade. (C) procedimento psicológico. (C) em quantidade de um para cada grupo de cinco funcionários de operação. em vias públicas urbanas. arteriais e de trânsito rápido.45 Todos os estabelecimentos. ruas. becos. de uma faixa ou via. (B) número de veículos que pode passar sobre uma dada seção. moderadas. em condições drásticas de tráfego misto de veículos leves e de transporte de cargas carregados. 50 O tempo que se passa desde o momento em que o condutor do veículo vê um perigo. não sinalizado. (E) autoridade policial da delegacia mais próxima. por estar em velocidade maior. (C) mistas. em relação ao mesmo. (B) Conselho Federal de Trânsito. (B) do tipo espuma. até a chegada dos bombeiros. durante um período de tempo. industriais e portuárias. 46 A engenharia de trânsito classifica as vias de tráfego urbano em (A) coletoras. 49 Quando dois veículos transitam por vias que se cruzem. (C) que estiver se aproximando. através de sinais manuais. (D) referência da engenharia de tráfego em relação à drenagem do leito da via em caso de chuvas torrenciais. a preferência da passagem pelo cruzamento. para descarregar ou carregar produto. (C) forma de se definir o tipo de veículo com tráfego permitido. típicas da Região Sudeste. (E) tempo de reação. 9 TÉCNICO(A) DE LOGÍSTICA DE TRANSPORTE JÚNIOR CONTROLE . em uma ou duas direções. até a sua tomada de qualquer providência. mesmo aqueles dotados de chuveiros automáticos. (C) Departamento Estadual de Trânsito. (D) leves. será regulamentado pelo(a) (A) policial de trânsito do local. por ter dificuldade para reduzir velocidade. (B) cujo motorista receber. média e alta velocidade. de forma que todos os que se disponham possam ajudar. 48 Capacidade de uma via urbana é o(a) (A) recurso de que se dispõe para avaliar os danos previsíveis à estrutura da via urbana sujeita à manutenção do fluxo de veículos. o consentimento do outro. pela via da direita. com limitação em relação ao peso definida pela autoridade de trânsito. reduzindo sua velocidade. (D) entidade com circunscrição sobre a via.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->