Arte e Matemática: Mosaico da Tabuada

José Ricardo R. Zeni¹, Josimary de Oliveira Pinto²
1

Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá – UNESP Departamento de Matemática – Guaratinguetá – SP
2

E.M.E.I.E.F. Profª Maria Carmelita de Moraes. Guaratinguetá – SP (Bolsista do CNPq)

jrzeni@feg.unesp.br, josimary_oliveira@yahoo.com.br Resumo. Este artigo descreve o Mosaico da Tabuada, uma atividade que visa complementar o estudo da tabuada, das noções de múltiplo e de divisibilidade. É indicado para classes de 4a a 6a séries do Ensino Fundamental, podendo ser trabalhado também em outras séries e de forma interdisciplinar com Artes. O artigo tem como propósito detalhar a atividade Mosaico da Tabuada e apontar recursos para que o professor possa explorá-la de várias formas. O professor é o sujeito que conhece a realidade de seus alunos e quem vai definir quais aspectos serão utilizados, adequando a cada turma as sugestões aqui apresentadas. O artigo está dividido em seções que tratam da apresentação e descrição da atividade, de algumas variantes com outros motivos, de formas de coloração, da análise dos mosaicos, de uma sugestão de metodologia de aplicação em sala (baseada em relatos de experiências em sala de aula) e de como construir os mosaicos utilizando o computador. Além das seções acima citadas há anexos com exercícios complementares, registros dos alunos mostrando seus acertos, erros e dificuldades, exemplos de mosaicos com e sem coloração, entre outros. Entre as contribuições que este artigo oferece para a atividade Mosaico da Tabuada destacamos: (i) uma abordagem a partir de um motivo simples para os mosaicos, que pode ser feito a mão livre; (ii) sugestões de metodologia e relatos de experiência em sala de aula; (iii) roteiro de atividades para construção dos mosaicos no computador; (iv) anexos com uma variedade de mosaicos, de diferentes tabuadas, com diferentes motivos e colorações, cuja análise permite ao professor ampliar sua compreensão sobre o tema e possibilita ao mesmo selecionar quais mosaicos trabalhar em sala.

0

Índice 1. Introdução. Álgebra, Geometria e Artes. ..........................................................................................2 2. Descrição dos Mosaicos da Tabuada..................................................................................................4 3. Mosaicos com outros motivos.............................................................................................................7 4. Mosaicos coloridos ..............................................................................................................................8 5. Análise de Mosaicos. ........................................................................................................................11 6. Metodologia para aplicação em sala ................................................................................................13 7. Construindo Mosaicos no Computador ...........................................................................................16 8. Conclusões.........................................................................................................................................21 9. Referências........................................................................................................................................22 Anexos I. Exercícios iniciais (construção dos mosaicos). II. Exercícios complementares (múltiplos de um número). III. Registros dos alunos - Construção dos Mosaicos. IV. Registros dos alunos - Exercícios sobre múltiplos. V. Mosaicos sem coloração. VI. Mosaicos coloridos. VII. Mosaicos no computador - motivos duplos e quádruplos.

1

MEC. Álgebra. Ao mostrar aos alunos que relações entre números podem ser expressas através de padrões geométricos. é destacado na Figura 2 a seguir. Há muita simetria na música [. imagens que por si mesmas permitem compreensão ou demonstração de uma relação. porque é mais um dos elos que casam Matemática e Arte. na escultura. na pintura. SEF. segue do fato que o desenho de todas as linhas são iguais (exceto pela cor). O objetivo principal da atividade com o Mosaico da Tabuada é mostrar aos alunos que as tabuadas são formadas por sucessões de números que possuem certa regularidade. Simetria). as duas primeiras colunas.45): “Em Matemática existem recursos que funcionam como ferramentas de visualização. Figura 2 – Detalhes dos padrões do mosaico da tabuada do número 2. Este padrão reflete o fato de que dados dois números consecutivos. no desenho.]. ou seja. existe um padrão “atômico”. a partir do canto superior esquerdo). Para referência. o professor faz seu papel de auxiliar o aluno na busca da construção do seu próprio conhecimento. Os padrões e cores são fatores estéticos importantes para captar o interesse dos alunos e. atrair sua atenção para detalhes que talvez que lhes passem despercebidos ou que sejam de difícil compreensão num tratamento puramente algébrico. Conforme citado nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Uma outra simetria. Ainda em relação ao mosaico para a tabuada do 2. os mosaicos da figura 1 foram feitos utilizando uma malha 10x10 e um motivo complexo com 4 linhas. um deles é divisível por 2 e o outro não é divisível por 2. Geometria e Artes. compare com a figura 1. (fala do professor Luiz Barco. Arte e Matemática. O padrão da primeira linha também está destacado na Figura 2 a seguir.. Este padrão se repete ao longo de todas as linhas e colunas. composto por duas casas (as duas primeiras casas do mosaico. em BRASIL. Por exemplo. para o mosaico da tabuada do 2. agora de translação vertical. além de desenvolver a percepção de padrões e a noção de simetria (PINTO).” 2 .. ao longo do tempo têm corrido atrás de definir simetrias. e através dele pode-se obter todo o mosaico. Introdução.1. dessa forma. Mesmo sem saber como são feitos os mosaicos. visto que as duas primeiras colunas se repetem ao longo do mosaico. Figura 1 – Mosaicos para as tabuadas dos números 2 e 3. (BUZZATTO). A construção dos mosaicos será explicada nas próximas seções deste artigo. pode-se apreciar a beleza dos mesmos. os padrões formados e suas simetrias. podese observar uma simetria de translação horizontal. (BRASIL. A Matemática e a Arte. p. veja Figura 2. Esta é uma idéia importante. veja Figura 1 à esquerda. 5a a 8a séries do Ensino Fundamental – Matemática. Este padrão. regularidade ou propriedade.

37). No entanto. A seção 6 apresenta uma metodologia para aplicação desta atividade em sala de aula. Este artigo está organizado do seguinte modo: na seção 2 será descrita a construção de mosaicos da tabuada com motivos simples. discutimos mosaicos na malha 12x12 e a questão da simetria do mosaico. A seção 4 trata de mosaicos coloridos que despertam um maior interesse artístico. sem coloração e mosaicos coloridos com motivos simples e duplos. Em seguida. com a proposta de alguns exercícios do tipo: dado o mosaico. A seção 7 mostra como construir os mosaicos no computador utilizando um aplicativo para trabalhar com figuras. dificuldades no desenho dos motivos mais complexos e a localização das quadrículas na malha (número correspondente à quadrícula). Por fim. há uma análise dos mosaicos em relação a padrões e simetria.Ao se trabalhar com números e operações. p. o PaintBrush. recursos e metodologias. como proporcionalidade. descrevendo as atividades para cada aula. Os alunos. composição. serviram de base para esta metodologia. indução e dedução estão presentes tanto no trabalho com números e operações como no trabalho com o espaço. parte integrante do sistema operacional Windows. discutindo de maneira detalhada a construção do mosaico da tabuada do 3 na malha 10x10. seguindo o motivo ou aleatória. variando a coloração de modo a seguir ou não os motivos. a compreensão é favorecida. como por exemplo. Também são descritas algumas dificuldades encontradas pelos alunos. decomposição. Na seção 5. forma e medidas” (BRASIL. 3 . duplos e quádruplos.2. Relatos de experiências realizadas em diversas escolas da região e que foram supervisionadas pelos autores deste artigo. quando estes conceitos são relacionados a outros que sejam de natureza geométrica. serão apresentados mosaicos com motivos mais complexos que formam desenhos mais intrigantes. a tabuada e as noções de múltiplo e de divisibilidade. como por exemplo. A Matemática é uma ciência dinâmica e como tal está sempre recebendo incorporações de novos conhecimentos. propondo de 2 a 6 aulas (aula de 50 minutos) para realização das atividades. podem reconhecer princípios gerais. Esta seção discute algumas formas de coloração. SEF. igualdade. na subseção 2. Para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra de maneira satisfatória é necessário que o professor se aproprie dessas práticas para que as use na sala de aula a fim de mobilizar os conhecimentos em diversas situações. Na seção 3. com motivos simples. Os anexos do artigo contém exemplos de mosaicos das tabuadas do 2 ao 8. a seção 8 apresenta nossas conclusões. Há ainda um anexo com exercícios complementares aos mosaicos e alguns registros de alunos. observa-se certa dificuldade que alguns alunos apresentam para entender conceitos algébricos. determine a tabuada. “ao relacionar idéias matemáticas entre si. inclusão e perceber que processos como o estabelecimento de analogias.

deve-se definir um motivo que será desenhado em cada quadrícula. . • Figura 4.2. que não é múltiplo de 3. Para preencher a malha. ilustram mosaicos para as tabuadas dos números 2 e 3.b – Um mosaico para a tabuada do 3. A partir da esquerda. Descrição dos Mosaicos da Tabuada.1 Construção de mosaicos com motivos simples e sem pintura. consideramos os seguintes motivos simples: • Quando um número não estiver na tabuada (não for múltiplo). de cima para baixo. A Figura 3. De outro modo. usualmente 10x10. formada por NxN quadrículas.a – Malha 10x10 numerada. Figura 4. Cada mosaico corresponde à tabuada (os múltiplos) de um dado número. Nestas figuras. Por exemplo. respectivamente.a e 4. conforme mostrado na Figura 3. Para explicar a construção do mosaico da tabuada do 3. Um mosaico da tabuada pode ser construído em papel quadriculado. . então a quadrícula correspondente a este número deve ser preenchida desenhando a diagonal para cima. este número deve ser preenchida desenhando a diagonal para baixo. 1 11 21 31 41 51 61 71 81 91 2 12 22 32 42 52 62 72 82 92 3 13 23 33 43 53 63 73 83 93 4 14 24 34 44 54 64 74 84 94 5 15 25 35 45 55 65 75 85 95 6 16 26 36 46 56 66 76 86 96 7 17 27 37 47 57 67 77 87 97 8 18 28 38 48 58 68 78 88 98 9 19 29 39 49 59 69 79 89 99 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1 11 21 31 41 51 61 71 81 91 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Figura 3.b é um exemplo de malha em que foi omitida a numeração de cada quadrícula. malha 10x10.b abaixo. a primeira quadrícula corresponde ao número 1. considere apenas a construção da primeira linha.b – Malha 10x10 com margens. então a quadrícula correspondente a . selecionando-se uma malha de dimensão apropriada. esquerda e direita) para servir de apoio durante a construção dos mosaicos. se um número estiver na tabuada (for múltiplo).a a seguir. malha 10x10. então esta quadrícula recebe o motivo de não múltiplo. a partir do número um. A segunda quadrícula corresponde ao número 4 . pode-se utilizar folhas de caderno pedagógico (BUZZATO). conforme o número correspondente à quadrícula pertença ou não à tabuada do número dado. as Figuras 4. contados da esquerda para a direita. deixando apenas alguns números ao longo das margens (superior. 2. Cada quadrícula da malha corresponde a um número natural.a – Um mosaico para a tabuada do 2. Figura 3.

o mosaico se altera. Comparando esta figura com a Figura 4.b. Diferentes mosaicos podem ser obtidos. percebe-se que há grande diferença visual. A terceira quadrícula corresponde ao número 3. 2.Construção da primeira linha do mosaico para a tabuada do 3. Figura 6 – Um mosaico para a tabuada do 3 em uma malha 12x12. 4 e 6. Utilizando uma malha cujas linhas tenham uma quantidade de quadrículas múltiplas da tabuada escolhida. para a tabuada. Observa-se a simetria horizontal. que mostra um mosaico para a tabuada do 3 na malha 10x10. veja a Figura 3. Já na Figura 4. que também não é múltiplo de 3.b. uma malha cujas linhas tenham uma quantidade de quadrículas que não é múltipla da tabuada). que é múltiplo de 3. e portanto esta quadrícula também recebe o motivo de não múltiplo. para a tabuada dos números 3. conforme motivo de múltiplo. 5 . Deste modo. malha 14x14.2 Usando uma malha diferente para os mosaicos. a cada conjunto de três linhas. Assim. todas as linhas são iguais. As outras linhas do mosaico são construídas de forma semelhante. o mosaico simplifica e seu padrão se torna mais visível. para os motivos escolhidos e também para o modo de colorir. então esta quadrícula recebe o . para a tabuada do número 7. além da 10x10. as simetrias não são tão evidentes. pode-se verificar facilmente a simetria de translação vertical (isto é. mostrado na Figura 5. exigindo um olhar mais atento. que corresponde a um mosaico da tabuada do 3 na malha 10x10. como por exemplo. também. todas as linhas são iguais à primeira linha) e também de translação horizontal (considerando as colunas a partir da primeira coluna até a coluna correspondente ao primeiro múltiplo da tabuada dada. . Na Figura 6 as simetrias são mais evidentes. de acordo com as escolhas feitas para a dimensão da malha. A Figura 6 exibe um mosaico para a tabuada do 3 na malha 12x12. Os mosaicos assim construídos exibem padrões e regularidades. a visualização dessas simetrias não ocorre de imediato. como por exemplo malhas que sejam múltiplas do número escolhido para a tabuada: malha 12x12. deve ser evidente que as três primeiras casas (a partir do canto superior esquerdo) formam um padrão “atômico” que gera todo o mosaico. a cada conjunto de três colunas e também simetria vertical. E assim por diante até que se tenha completado toda a primeira linha.b. é mais difícil visualizar a simetria.2. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Figura 5 . para uma mesma tabuada. observa-se que estas colunas se repetem). é interessante que se trabalhe também com outras malhas. Observa-se que variando a malha. Já em malhas em que isso não ocorre (isto é. Entretanto. que dependem sobretudo da tabuada escolhida. as três primeiras colunas se repetem ao longo do mosaico.

b. duas quadrículas com motivo não múltiplo e uma com motivo múltiplo. 6 . na Figura 4. pois este contém os mosaicos da tabuada do 2 ao 8. por exemplo. Embora o padrão “atômico” seja o mesmo. para melhor compreensão das dificuldades que seus alunos encontrarão.como na Figura 6. Neste momento é interessante que o professor faça alguns mosaicos. a disposição desse padrão. veja exercícios disponíveis no Anexo III. Esse fato “quebra” a simplicidade da simetria que ocorre na Figura 6. Também sugere-se observar as figuras do Anexo I. da tabuada do 2 e do 3. ocorre em linhas cuja quantidade de quadrículas não é múltipla do número 3.

. mais intrigantes. Figura 7 – Mosaico para tabuada do 5 com motivos duplos. porém. malha 12x12. Sugere-se que o professor de Matemática faça um trabalho com o professor de Artes e este possa explorar com os alunos as questões culturais dos mosaicos e também os tipos de coloração. podem ser utilizadas mais linhas em outras posições ou linhas curvas para obter outros resultados. já se distanciando de conceitos puramente matemáticos.3. Motivo “múltiplo”: para quadrículas/números que estão na tabuada. • • Motivo “não-múltiplo”: para quadrículas/números que não estão na tabuada. . Motivo “múltiplo”: para quadrículas/números que estão na tabuada. . • • Motivo “não-múltiplo”: para quadrículas/números que não estão na tabuada. Esse tipo de variação. 7 . é um trabalho que avança no sentido da interdisciplinaridade com Artes. Nesta seção. mais artístico fica o mosaico. A variação dos motivos permite que sejam formados mosaicos mais complexos. Motivos duplos (formados por duas linhas): de dificuldade intermediária para desenho pelos alunos. discutimos motivos formados por duas (Figura7) ou quatro (Figura8) linhas inclinadas. Além de linhas diagonais simples ou duplas. . que seguem os motivos simples utilizados na seção anterior. pode-se partir para um trabalho mais elaborado com motivos compostos. Figura 8 – Mosaico para tabuada do 8 com motivos duplos. com desenhos mais criativos. Motivos quádruplos (formados por quatro linhas): de maior dificuldade para desenho pelos alunos. veja (BUZZATTO). Estes foram os motivos utilizados nos mosaicos da Figura 1. Mosaicos com outros motivos Após trabalhar com os motivos simples. malha 10x10. Quanto mais complexo o motivo.

sugere-se começar pelo motivo simples e depois trabalhar com o duplo. . pois o número 20 (quantidade de quadrículas existentes em duas linhas) é múltiplo de 4. fez-se a pintura colorindo a quadrícula toda de uma só cor e mudando-se a cor da quadrícula para os motivos não-múltiplos.4. A primeira orientação para coloração pode ser no sentido de manter-se um padrão na pintura para fins de estudo das simetrias. 4. Na figura abaixo. a fim de.a.1. ou seja. visto que o mosaico é da tabuada do 4. é necessário dedicar maior atenção para identificar as simetrias. Com esta forma de coloração ficam evidentes as simetrias desses mosaicos. entretanto. Ainda utilizando mosaicos com motivos simples. O motivo duplo permite que a pintura com duas cores seja feita de duas maneiras: manter uma cor para o centro e outra para a borda (Figura 10. é interessante que se trabalhe com a coloração dos mesmos.1. pode-se obter outros resultados colorindo as quadrículas com duas cores. Figura 9.b). Na Figura 9. principalmente na tabuada do 4. a simetria de translação vertical é verificada observando que todas as linhas são iguais. Mosaicos coloridos Após os alunos terem construído diversos mosaicos. ver Anexo II. Dessa forma.a – Mosaico da tabuada do 2. 4. explorar a interdisciplinaridade com Artes e também outros aspectos matemáticos como a simetria e outras formas geométricas que podem ser formadas com os desenhos dos mosaicos. agora o padrão se repete a cada quatro quadrículas. 8 . Já a simetria de translação horizontal é vista a cada duas colunas.1 Motivo simples com uma única cor por quadrícula. a cor utilizada na borda do motivo múltiplo é a cor utilizada no centro do motivo não múltiplo e vice-versa (Figura 10. No mosaico da tabuada do 2. 4. e múltiplos.a) ou utilizar coloração oposta. dado que a cada duas quadrículas tem-se a repetição do padrão não múltiplo e múltiplo. A cada quatro colunas verifica-se a simetria de translação horizontal e a cada duas linhas verifica-se a simetria de translação vertical. . Figura 9.1 Coloração seguindo o motivo. também pode-se observar os dois tipos de simetria citados anteriormente.b – Mosaico da tabuada do 4.2 Motivo Duplo com duas cores por quadrícula. Figura 9.b. Com duas cores por quadrícula.

. Figura 11. múltiplo . 4ª. . Figura 11. As linhas ímpares têm a parte inferior na cor vermelha e a parte superior na cor amarela. 9 . que foi colorido de forma a evidenciar figuras semelhantes à letra “z”. Assim. Motivos: não múltiplo .b traz o mosaico da tabuada do 4. A partir do momento em que ficam claras as simetrias e os padrões.2 Coloração livre/aleatória Figura 10. múltiplo .b – Mosaico da tabuada do 3 com coloração oposta. . múltiplo múltiplo . com motivo simples.a – Mosaico da tabuada do 2 com linhas ímpares diferentes das linhas pares. duas pessoas podem enxergar um desenho ou forma de pintar diferentes para um mesmo mosaico. A Figura 11..b – Mosaico da tabuada do 4 com coloração livre em forma de “z”.) são coloridas de maneira oposta às ímpares. Motivos: não múltiplo . como se pode ver a seguir: Linhas ímpares: não múltiplo Linhas pares: não múltiplo . quando as linhas pares têm a cor amarela na parte inferior e a cor vermelha na parte superior. propõe-se a coloração livre dos mosaicos. Já a Figura 11. em seqüências diagonais. Os motivos são opostos.a traz o mosaico da tabuada do 2 colorido de forma livre.a – Mosaico da tabuada do 3 seguindo a mesma coloração.Figura 10. 4.. porém seguindo um padrão em que as linhas pares (2ª.

com motivo duplo. Os alunos têm a oportunidade de encontrar outros padrões.a – Mosaico da tabuada do 4. mais opções e idéias existem para colorir livremente os mosaicos. o professor tem a possibilidade de explorar a criatividade de cada aluno. Figura 12. Em geral.seguir. originando desenhos mais artísticos e por vezes. Mosaicos com motivo duplo coloridos de forma livre são mostrados nas Figuras 12. as colorações livres destacam desenhos que dificilmente seriam percebidos sem a cor. 10 . Não raro. com a coloração destacando alguns labirintos ou caminhos.a e 12. o que torna a atividade mais atrativa e prazerosa.b – Mosaico da tabuada do 3.b. com motivo duplo. quanto mais complexo o motivo. Ao entrar nesta fase do trabalho. a Figura 12. pois os padrões estabelecidos pelos números das tabuadas não são seguidos. com padrões surpreendentes. com a coloração destacando faixas diagonais. pois não estão formados na seqüência estabelecida pela tabuada. Observa-se que em geral. a coloração livre destrói a simetria.

ocorrem nas quadrículas 2. observando que os números de uma certa tabuada estão espaçados regularmente. O professor pode aproveitar também para discutir a correspondência entre números e pontos em uma reta. 11 . veja figura 4. ou seja. A atividade de observar um mosaico e dizer por qual tabuada ele foi gerado pode ser realizada inicialmente com mosaicos mais simples. 12 e assim por diante.1 Exercícios: determinando a tabuada a partir de um mosaico. e a partir disso. veja figura 4.c Figura 14.a. as quadrículas em que há mudança de motivos. 6. Análise de Mosaicos. escrever essa seqüência e verificar que ela representa os resultados da tabuada de um certo número. Além de permitir “ver” quais números pertencem a uma dada tabuada (isto é. como por exemplo. Figura 13 – Reta numérica com os múltiplos do número 3 destacados. Em seguida é interessante que se aumente o grau de dificuldade da atividade propondo analisar mosaicos com motivos mais complexos e até mosaicos coloridos.b. os múltiplos de 3 aparecem de 3 em 3 quadrículas. Por exemplo. no mosaico da tabuada do número 2. de não-múltiplo para múltiplo. 10.d A resposta deste exercício está no último parágrafo da conclusão deste artigo. são múltiplos de um dado número). a atividade com o mosaico permite também que os alunos percebam a regularidade na tabuada. Exercício: para cada um dos mosaicos da Figura 14 abaixo determine a tabuada. pois a visualização da mudança de motivos é mais evidente. o aluno tem a possibilidade de perceber em quais quadrículas (números) há uma mudança de motivo. 4.b Figura 14. 5. Analisando um mosaico já pronto. 8. Figura 14. esses números são múltiplos de 2.5. no mosaico da tabuada do 3.a Figura 14.

é provável que logo em seguida ele pergunte: “Como esse padrão se repete?” O padrão é repetido de modo a encher todo o plano. os autores usaram “módulo” ao invés de “padrão”). conforme discutido na Introdução deste artigo. (IMENES e LELLIS.. Veja também a discussão na seção 2..] ao longo de uma reta. que se refere ao mosaico da tabuada do 2.2. Se um Matemático vê um mosaico e identifica o padrão que se repete. Essa repetição é feita [. a respeito da simetria do mosaico da tabuada do 3. 12 . veja comentários sobre a figura 2. num movimento de translação.2 Padrões e simetrias Outro exercício sugerido é determinar o padrão ou descrever a simetria dado um mosaico.5.

como lápis. estilos e materiais. Construindo o mosaico da tabuada do 2 O primeiro mosaico a ser discutido deve ser o da tabuada do 2. Isto possibilita aos alunos se concentrarem na compreensão do conteúdo matemático. de modo a auxiliar a construção dos mosaicos. conforme ilustrado na figura 3.6. Depois que todos os alunos tenham completado esta tarefa. e que construam o mosaico da tabuada do 2. É recomendável pedir que os alunos preencham esta primeira malha com os números naturais de 1 a 100. Metodologia para aplicação em sala e relatos de experiências Os Mosaicos da Tabuada fazem parte de uma atividade complementar ao estudo de múltiplos e divisores. de acordo com a multiplicidade da mesma. é interessante que sejam trabalhados esses conteúdos previamente e. visto que é através destes questionamentos e da construção dos desenhos que se atinge os objetivos propostos de visualização e exploração de conceitos. Conforme o tempo disponível. Assegurado o entendimento dessa construção. o professor deve abrir uma discussão sobre as dificuldades encontradas pelos alunos e quais estratégias foram utilizadas na construção. verificamos que alguns alunos desenham o mosaico completando coluna por coluna após perceber o padrão de simetria. que construam outra malha 10x10. Outras atividades também podem ser desenvolvidas após a construção e coloração dos mosaicos. a discussão de alguns problemas sobre múltiplos e sobre simetrias. da regra que atribui a cada quadrícula um motivo conforme o número correspondente à quadrícula seja múltiplo ou não da tabuada escolhida. Em seguida. pode-se colorir os mosaicos. Essas duas formas de simetria – de translação horizontal e vertical – e o padrão atômico. contemplando uma apresentação e construção de alguns mosaicos. que a numerem apenas nas bordas. de forma que os alunos desenhem um quadrado na folha quadriculada de dimensões 10x10. Ao refletir sobre a construção dos mosaicos os alunos estarão colocando em prática os conceitos aprendidos na teoria. É importante mostrar aos alunos alguns mosaicos já prontos e comentar um pouco sobre a utilização de mosaicos de diferentes formas. não sendo necessário o uso de régua (pelo menos para os motivos simples). O trabalho do professor de formular questões durante a realização das atividades é de grande importância.b. perguntando aos alunos qual motivo deve preencher cada quadrícula. na cultura de diferentes povos como os islâmicos e inclusive os índios brasileiros da tribo marajoara. em seguida. no qual a cada duas quadrículas repetem-se um motivo não múltiplo e um múltiplo. pede-se então. sejam apresentados os mosaicos. quadrícula por quadrícula. O professor pode ainda propor que os alunos agrupem-se em duplas para discussão. Foi observado em diversas experiências didáticas realizadas com este material que iniciando com motivos complexos um número maior de alunos teve dificuldades tanto na compreensão da regra quanto no desenho do mosaico. a coloração dos mesmos. Considerando o período de uma aula como 50 minutos. Nas experiências realizadas. devido à sua simplicidade de compreensão e execução. como na Figura 3. lápis de cor e folhas de caderno pedagógico (quadriculado).a. O professor deve orientar primeiramente a construção da malha. 1ª aula – Apresentação Sugerimos apresentar inicialmente os mosaicos com motivos simples na malha 10x10. Dessa forma. Ele também deve desenhar esta malha na lousa a fim de explicar os passos seguintes. como meio de ornamentação. como situações-problemas ou problemas de aplicação e a construção de mosaicos utilizando o computador. devem ser comentadas de modo a se tornarem claros para os alunos. devem ser discutidos os motivos que serão utilizados em cada quadrícula e construir na lousa a primeira linha do mosaico da tabuada do 2. 13 . a duração do trabalho com os mosaicos pode ser de duas a seis aulas. Os materiais usados são de uso cotidiano do aluno. enquanto os demais completam linha por linha. O preenchimento dos mosaicos pode ser à mão livre.

Uma proposta é colorir os mosaicos das tabuadas do 2 e do 3 utilizando motivos com uma cor por quadrícula. As discussões destes mosaicos são realizadas rapidamente no início da aula seguinte. o professor de Matemática pode optar por orientar os alunos em sua própria aula ou pedir auxílio ao professor de Artes. seguindo os motivos ou de forma livre. o professor deve reforçar a correspondência entre cada quadrícula e um número. situada na segunda linha. veja figuras 3. 3. Neste caso. que não deve ser repreendido.2ª aula – Construindo o mosaico da tabuada do 3 A proposta seguinte é a construção do mosaico da tabuada do 3. o 14 . 4 e 5 prontos. antes de partir para a construção desse mosaico. colocando-a sob a malha em que o mosaico será construído. por exemplo na quadrícula 12.a. veja Figura 15.a e 3. Figura 15. que os alunos apresentam algumas dificuldades na construção deste mosaico ou se equivocam no desenho.b. os alunos não poderão completar o mosaico utilizando a estratégia das colunas. A partir da 2ª ou 3ª linha alguns alunos não sabiam qual o número que correspondia à quadrícula que estavam preenchendo no mosaico. mas não na do 3). Alguns erros comuns que foram observados são comentados a seguir. conforme discutido na seção 4. Figura 15.a – Mosaico da tabuada do 3 construído (equivocadamente) em analogia com a tabuada do 2. 3ª aula – Coloração dos mosaicos Esta atividade propõe a interdisciplinaridade com a Artes. é interessante propor aos alunos que escrevam os múltiplos de 3 compreendidos no intervalo de 1 a 100. repetindo em cada coluna o motivo da quadrícula na primeira linha (este é um padrão que existe na tabuada do 2. conforme seja múltiplo ou não. é que após a construção de mais da metade do mosaico. na seção 2. que está na mesma coluna da quadrícula 2.b – Dificuldade de localização dentro da malha. Para alertar o aluno sobre este erro. Figura 3. Foi observado nas experiências de aplicação em sala. pode-se propor a coloração de alguns deles. Também a construção é facilitada se os alunos utilizarem a primeira malha numerada que construíram. O que ainda pode ocorrer e. veja Figura 15. alguns alunos percebam o desenho que está sendo formado e terminem de completar o mosaico seguindo o desenho e não mais observando cada quadrícula.b. portanto. Neste momento. e que não é múltiplo de 3. Alguns alunos construíram a primeira linha e a seguir construíram o mosaico por colunas. situada na primeira linha. Neste ponto.a. Com os mosaicos das tabuadas do 2. o professor pode propor como tarefa para casa a construção dos mosaicos das tabuadas do 4 e do 5. Outro erro comum foi a dificuldade de localização no mosaico. que representa um número múltiplo de 3. o professor pode apontar uma quadrícula onde isso não tem validade. Dessa forma.

o professor pode pedir auxílio ao professor de informática ou técnico responsável pela SAI e propor a construção de alguns mosaicos no computador. Uma discussão a ser feita no que diz respeito à coloração livre é que. portanto a tabuada. 7 ou 8. como as do 6. Esta sistematização visa aproveitar ao máximo a motivação e a compreensão dos alunos quanto ao estudo desse assunto. por exemplo das tabuadas do 6. O assunto mosaico pode ser retomado quando for estudada geometria. Deve-se ressaltar ainda que a Matemática sempre esteve presente na cultura dos povos. Conforme o conhecimento dessas ferramentas por parte dos alunos. Ou seja. 5ª aula – Discutindo simetrias Tendo em mãos os mosaicos já coloridos. cortado em formato de triângulos. amaciante de roupas etc. partindo da teoria para a prática e retomando da prática à aplicação dos conhecimentos na resolução de situações-problemas. Outra proposta para a aula de Artes é construir mosaicos artesanalmente. alguns tipos de coloração evidenciam as simetrias e. serve para mostrar aos alunos algumas das ferramentas dos aplicativos de edição de figuras (PaintBrush da Microsoft ou Draw do OpenOfficce). por exemplo. Opcional – Utilizando o computador Caso a escola possua uma sala de informática (SAI). dependendo da maneira que a coloração seja feita. a construção dos mosaicos das tabuadas do 2 e do 3 pode durar de 2 a 4 aulas. São apresentados alguns exercícios no Anexo III e o professor pode encontrar outros em livros didáticos (BONJORNO). utilizando recortes. que não deve ser dita previamente aos alunos é contar as quadrículas. que necessita conhecimentos de programação em Logo (NATIVIDADE. além de dar continuidade ao trabalho realizado em sala de aula. o professor pode discutir também as simetrias existentes nos mesmos.mosaico da tabuada do 4 utilizando duas cores por motivo e deixar o mosaico da tabuada do 5 com coloração livre. pois assim. trabalhar em conjunto com o professor de Artes. 4ª aula – Problemas complementares Alguns problemas e exercícios sobre múltiplos. Não há uma regra definida para colorir os mosaicos e essa questão também pode ser discutida na aula de Artes. Os alunos podem utilizar papel colorido. já outras podem ser tão aleatórias que não se consegue ver os padrões. como explicado na seção seguinte. a partir da primeira. pode-se gerar outros. 15 . Uma estratégia. Aprofundamentos Além dos motivos elementares. Essa atividade. esta pode evidenciar ou impossibilitar a visualização do padrão da tabuada. divisores e mínimo múltiplo comum podem ser propostos para complementar esta etapa do trabalho. e construir os mosaicos colando as peças sobre um papel mais resistente. cores complementares. colorir aleatoriamente mas de maneira harmoniosa. trabalhando questões como cores quentes e frias. Um exercício para esta fase do trabalho é mostrar outros mosaicos. até que se observe a mudança de motivo. também o uso do recurso à História da Matemática. Outra alternativa é fazer os mosaicos utilizando materiais recicláveis como embalagens plásticas de xampus. propostos neste artigo. cremes. mostrando que há exemplos de mosaicos utilizados em diversas culturas. Essa atividade. para que os alunos analisem e descubram quais foram as tabuadas que os geraram. Após a coloração dos mosaicos é interessante que se faça uma exposição com os trabalhos dos alunos. VILA NOVA e LOUREIRO). a fim de se discutir a Matemática contida nos artesanatos e. Outra opção de atividade no computador é a utilização do software Logo. o professor pode auxiliar na transposição dos conhecimentos. 7 e 8. fazendo assim. dessa forma. propondo até que façam em casa mosaicos de outras tabuadas. que pode ser aplicado para as séries finais do ciclo II do Ensino Fundamental e também para o Ensino Médio. é interessante para se discutir estruturas de repetição em algoritmos e a modularização de programas.

2. Figura 17 – Detalhe do menu “Exibir” com a opção “Zoom” selecionada. que servirá de apoio às construções. isto reduz a tela de exibição e permite que se desenhe um quadrado nas dimensões favoráveis à construção dos mosaicos. constrói-se todo o mosaico. 1. Há que se ressaltar que o trabalho só deve ser levado ao computador após ser realizado no papel e que se tenha certeza de que os alunos compreenderam como os mosaicos são formados. I. Para que seja exibida uma grade na tela. 16 . Na caixa de diálogo “Zoom personalizado” escolher a opção 800%. Aumentar a visualização da tela de exibição do Paint. A proposta é inicialmente construir os motivos para múltiplo e não múltiplo. Roteiro para construção dos motivos múltiplos e não múltiplos. na opção “Atributos” marcar altura e largura como 30 pixels. A seguir utiliza-se esses motivos para construir as linhas conforme a tabuada e.Tela do aplicativo Paint. com um conjunto de linhas múltiplo da tabuada escolhida (ou um conjunto de linhas que tenha um total de quadrículas múltiplo da tabuada escolhida). 3. detalhe do menu “Exibir” e da opção “Zoom – Personalizar”. escolhendo a opção “Zoom” e em seguida a opção “Personalizar”. motivo simples. Construindo mosaicos no computador Pode-se realizar a construção dos Mosaicos da Tabuada utilizando o computador como ferramenta. Figura 16 . utilizando o meu “Exibir”. No menu “Imagem”. na malha 10x10. A grade está mostrada na Figura 19.7. a opção “Zoom” e agora a opção “Mostrar grade”. Figura 18 – Detalhe do menu “Imagem”. utilizar o menu “Exibir”. Será feita a seguir a indicação de uma das maneiras de fazê-lo utilizando o aplicativo Paint Brush. com a opção “Atributos” selecionada.

em seguida clicar no canto superior esquerdo da figura e arrastar até o canto inferior direito. inicialmente. 17 . vamos construir o motivo não múltiplo. Figura 19 – Detalhe da barra de ferramentas com a ferramenta “Retângulo” selecionada. veja Figura 21 abaixo. Para o motivo simples. veja instruções no passo 3. sugere-se atualizar as dimensões de altura e largura da tela de exibição para 400 pixels. Para obter a diagonal deve-se selecionar a ferramenta “Linha” e então traçar uma linha reta do vértice inferior esquerdo ao vértice superior direito do quadrado. Figura 21 . Figura 18. utiliza-se a diagonal do quadrado. Criar uma cópia do quadrado com o motivo não múltiplo: para isso clicar na ferramenta “Selecionar”. Para obter o motivo múltiplo.Detalhe da barra de ferramentas com a ferramenta “Selecionar” ativada. Selecionar a ferramenta “Retângulo”.4. A cópia será sobreposta à figura original. Utilizar a ferramenta “Retângulo” para construir um quadrado do tamanho da tela de exibição. Copiar e colar o quadrado.Detalhe da barra de ferramentas com a ferramenta “Linha” selecionada. Inicialmente. 6. Figura 20 . Clicar no canto superior esquerdo da tela e arrastar até o canto inferior direito. 5.

lado a lado. Com os motivos múltiplo e não múltiplo prontos. o passo seguinte é construir as linhas conforme a tabuada escolhida. 8.7. Selecionar e arrastar este segundo quadrado de modo que fique ao lado do primeiro quadrado. Figura 22 . Com esta cópia selecionada. com os lados sobrepostos.Tela do aplicativo Paint. Figura 23 – Motivos múltiplo e não múltiplo. O quadrado representando o motivo múltiplo será sobreposto ao quadrado com o motivo não múltiplo. 18 . opção “Inverter” e em seguida selecionar a opção “Inverter horizontalmente”. utilizar o menu “Imagem”. detalhe do menu “Imagem” e da opção “Inverter/girar”. O motivo múltiplo será obtido utilizando a cópia obtida no passo anterior.

Após a construção das três primeiras linhas observa-se a repetição das mesmas. III. Para a tabuada do 3. 19 . O padrão acima será utilizado para construir as três primeiras linhas do mosaico para a tabuada do 3. Repetir esse procedimento para completar o mosaico da tabuada do 2. deverá ser construído o padrão: dois quadrados com motivo não múltiplo e um quadrado com motivo múltiplo. Roteiro para construir o mosaico da tabuada do 2.II. O mesmo processo pode ser feito para as demais tabuadas. formando assim a primeira linha do mosaico da tabuada do 2. 9. conforme mostra a figura 4. 10. dessa forma. os padrões serão modificados. Selecionar e copiar a primeira linha. Observe que essas linhas são diferentes. seção 2. pode-se copiar o conjunto de três linhas e colá-lo repetidamente para completar as nove primeiras linhas do mosaico. Colar essa cópia abaixo da primeira linha. Para construir as demais tabuadas repete-se o processo de construção dos motivos. na malha 10x10. Figura 24 – Primeira linha do mosaico da tabuada do 2. Porém. A última (décima) linha do mosaico da tabuada do 3 é uma cópia da primeira. Selecionar e copiar o padrão formado pelos dois motivos mostrados na Figura 23. Repetir esse processo. Figura 26 – Padrão da tabuada do 3: dois motivos não múltiplos e um múltiplo. Construindo outras tabuadas. Colar essa cópia no lado direito do padrão. por exemplo. Figura 25 – Duas primeiras linhas do mosaico da tabuada do 2.b . assim como a construção das linhas.

b – Duas cores por motivo. Para colorir os quadrados utiliza-se a ferramenta “Preencher com cor”. figura 28. Figura 27. com os quadrados já coloridos. Seguindo os motivos há dois modos.c – Cores distintas por motivo. utilizando mais de uma cor. seção 4). ou ainda com cores distintas para cada motivo. figura 27. Figura 28. Quanto à coloração seguindo o motivo. Há duas maneiras de colorir os mosaicos: seguindo o motivo ou fazendo a coloração aleatória.c. Por fim.a.IV. clique com o mouse no interior da região que se deseja colorir. Um é construir os mosaicos e depois colorir os quadrados um a um e o outro é construir os padrões. Colorindo os mosaicos.b – Caixa de cores. que geralmente fica no fim da tela. 20 . colori-los e depois continuar a construção do mosaico.a. os quadrados podem ser coloridos com apenas uma cor por motivo. figura 28. Em contrapartida.b. com duas cores por motivo. Figura 28.a abaixo (para o mosaico completo veja a figura 9. Após clicar sobre esta ferramenta.a – Uma cor por motivo. figura 27. deve-se clicar sobre a cor escolhida na “Caixa de cores”. podemos evidenciar as simetrias de forma mais realçada. Utilizando apenas uma cor por quadrado. Já para a coloração aleatória só há uma opção: construir os mosaicos e depois colorir. podemos formar mosaicos mais artísticos. figura 28.b (para o mosaico completo veja o anexo). Figura 28.a – Ferramenta “Preencher com cor”. Figura 27.

a professora Stella Camargo (E. Os antigos gregos. que encantam arquitetos e turistas de todo o mundo. que data do século XIII d. A arquitetura islâmica é conhecida por seus mosaicos elaborados. no entanto. citamos o PCN. Para finalizar. identificar regularidades etc. (LEITE). Os autores são gratos ao apoio do CNPq (processo 553233/2006-8) para o desenvolvimento do projeto “Desenvolvimento de Softwares e Textos para Educação e Popularização da Matemática e suas Aplicações”. no conjunto arquitetônico dos palácios de Alhambra. Aproveitando esse interesse inerente ao ser humano. como os favos de mel produzidos pelas abelhas. os astecas e também os moradores de Pompéia. Fato que lhes motivou.c. pois estimula o aluno a observar. SEF. analisando diversas possibilidades.F.E. de modo que permita ao aluno estabelecer conexões entre a Matemática e outras áreas do conhecimento. VILA NOVA e LOUREIRO).8. Padre Silvino Vicente Kunz. feitas de diversos materiais. os primeiros mosaicos conhecidos foram encontrados na Ásia Menor e na China (SEEHAGEN). A criatividade dos alunos também pôde ser explorada quando tiveram a oportunidade de escolher as cores e o tipo de coloração a ser realizada. comparando seus trabalhos com os de colegas. aumentando também sua autonomia enquanto aprendizes e auto-confiança enquanto pessoas. estado de São Paulo. A observação dos mosaicos permite uma melhor compreensão dos conteúdos citados. Estão presentes na natureza alguns mosaicos. propondo uma metodologia para sala de aula baseada em experimentos didáticos realizados. a casca do abacaxi e o casco de uma tartaruga (IMENES) e (NATIVIDADE. em especial. é fundamental que os estudos do espaço e forma sejam explorados a partir de objetos do mundo físico. pisos e paredes (PAGGY). relatando algumas dificuldades comuns encontradas pelos alunos.M. veja por exemplo. segundo o qual pode-se observar que “O trabalho com noções geométricas contribui para a aprendizagem de números e medidas. geralmente denominadas ladrilhos. Este artigo é complementado com uma série de anexos (PINTO e ZENI). Houve o interesse dos alunos pela atividade. como vasos. Santos (E. entre outros pontos. aumentando a motivação dos alunos e ensinando de forma prazerosa. as professoras Ivany Aparecida R. perceber semelhanças e diferenças.” (BRASIL. Conclusões Os mosaicos são recobrimentos ou pavimentações de superfícies (BARBOSA) utilizando peças. é adequado para o professor de matemática desenvolver atividades que venham aliar os mosaicos à matemática. Esta atividade foi aplicada em algumas escolas estaduais e municipais do Vale do Paraíba.E. Cachoeira Paulista). 7 e 4 (à direita). (BARBOSA) e (IMENES). 21 . Respostas dos exercícios da seção 5. pinturas. “Além disso. vitrais.”. detalhando suas construções. Guaratinguetá). Maria Izabel Fontoura. de obras de arte. em classes de 3ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. Motta e Eliana Maria do C. esculturas e artesanato. inclusive na sala de informática. figura 14: tabuadas do 5 e 6 (mosaicos à esquerda). os alunos também puderam desenvolver sua auto-crítica. p. já se utilizavam dos mosaicos para sua decoração. Ao verem seus trabalhos expostos para a classe.E. a professora Alcinéia Buzzatto (E. Talvez inspirados pela natureza. Agradecimentos Os autores agradecem às escolas que receberam nossa intervenção e as professoras que se propuseram a aplicar a atividade Mosaico da Tabuada em suas salas de aula contribuindo com relatos e registros dos alunos. Este artigo é dedicado a uma dessas possibilidades: o Mosaico da Tabuada. dedicação ao realizá-la e uma melhora na compreensão de conceitos relativos à tabuada e a noção de múltiplos. que são “assentadas” lado a lado de modo a formar diversos desenhos ou então a pintura de superfícies seguindo determinados padrões.51). Luiz Menezes. e neste sentido existem várias possibilidades. como pode ser vista na cidade de Granada na Espanha. Taubaté). desenhos. Os resultados obtidos foram positivos. os homens vêm construindo durante sua história diversos tipos de mosaicos. oferecendo uma perspectiva visual de conteúdos algébricos. com finalidade de decorar objetos ou locais.I.

p.proinfo. LEITE. Brasília: MEC. Josimary de Oliveira. . Acessado em 01. São Paulo: Scipione. Disponível em ftp://ftp. Secretaria de Educação Fundamental..br/web/pcn/05_08_matematica. Referências BARBOSA. Acessado em 01. José R.unesp.mec. VILA NOVA.dominiopublico. Ruy Madsen. M. n. 2007. Acessado em 24.br/site_objeto_ver. Revista de Educação Matemática. SILVA. BRASIL. 2000. O Simbolismo dos Padrões Geométricos da Arte Islâmica. 1999.10. D. e PINTO. novo.2008 22 .do (Tipo de Mídia: “Vídeo”. PINTO. G. São Paulo: Ateliê Editorial. Software do projeto RIVED. Mosaico da tabuada: Caleidostróton. José Roberto.gov.10. BARBOSA.defatima. Trabalho final do curso “Metodologias de Ensino de Disciplinas da Área de Ciências da Natureza. BRASIL. Marcelo. Sylvia. Guaratinguetá.pdf.fnde. De Fátima Atelier – Mosaicos. A. Trabalho apresentado na disciplina de Informática na Educação. Anexos para o Mosaico da Tabuada. Disponível em http://rived. MEC. José Ricardo R.2008. 1998.2008 IMENES. 2001. Josimary de Oliveira. 7.com. 2008.feg. 5.pdf. Guaratinguetá: UNESP.br/pesquisa/PesquisaObraForm.2008. Brincando e aprendendo com o caleidostróton.10. 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Matemática.10. Disponível em http://www.cfm?pg=ensinar_e_aprender. Disponível em http://www. São Paulo: FTD. 4ª série.feg. Matemática pode contar comigo. Carmem et al. Descobrindo Padrões em Mosaicos. e LOUREIRO.gov. Programa de Formação Continuada de Professores Teia do Saber. Guaratinguetá. São José do Rio Preto.unesp. Categoria: “TV-Escola Matemática”).br/extensao/teia/trab_finais/TrabalhoAlcineia.org/educa/index. NATIVIDADE.br/difusao. Brasília: SEED/MEC. Eliel G. 2007.9. Simetria (série Arte e Matemática). SEEHAGEN. Luiz Márcio e LELLIS.homedns. Vídeo. PAGGY. v. Matemática e suas Tecnologias”. Parâmetros Curriculares Nacionais. Mosaicos.gov. C. Disponível em http://www. BONJORNO.2008. Monografia de Graduação em Licenciatura em Matemática. R. Disponível em: ZENI.htm.10. R.php?codobjeto=10 (veja também http://educarede. 2006. São Paulo: Atual Editora. 1993. Geometria dos Mosaicos. 2008. BUZZATTO.2008. Acessado em 15. .br/mosaico/index.turbine_interna&id_dica=625). Daniel M. A Matemática e as Artes Visuais. Alcinéia Aparecida. BARBOSA. M. Fátima. Jogos para o ensino-aprendizagem de números e operações no ensino fundamental. http://www. E.10. . Acessado em 17. Acessado em 15. Brasília: MEC/SEF. 27-34. Faculdade de Engenharia. Universidade Estadual Paulista.