I. Apresentação

2

Abdul Gafar Daúdo

Este portfólio apresenta um conteúdo diversificado da Zoologia Sistemática e Filogenética, em que foi usada a metodologia baseada na comunicação directa, através das aulas dadas pelo docente, que cujo estas foram leccionadas com uma linguagem acessível e objectiva. Além disso, os temas aqui tratados e as necessidades de desenvolver as informações ou temas, usou-se algumas obras. A cerca de mim Nome do estudante: Abdul Gafar Daúdo Idade: 32 anos, Sexo: Masculino Local de estudo: Universidade Pedagógica – Delegação de Montepuez. Curso: Biologia, 1º ano. Sou uma pessoa que apesar de viver em um mundo conturbado, acredita em dias melhores. Alguém autêntico que luta pelos seus objectivos e não desiste dos seus sonhos. Objectivos relacionados a esta cadeira Obter o suficiente de conhecimentos sobre: • • • O reino animal e seu desenvolvimento, facilitando na organização desses animais usando o sistema natural de classificação; Fases da evolução da taxonomia, facilitando a percepção do grau parentesco dos animais. O desenvolvimento evolutivo dos animais ao passar dos tempos e o desenvolvimento dos diferentes órgãos durante essa evolução; Objectivos do portfólio académico  Aprender a aprender, fazendo;  Levar o aluno ao universo da pesquisa, desenvolvendo o gosto pela leitura;

 Propiciar o registo, análise e acompanhamento das acções quotidianas no
diário de aprendizagem.

―Abrir um portfolio bem feito é como abrir uma arca do tesouro.‖
(Shores e Grace, 2001)

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

I. Índice

3

Abdul Gafar Daúdo

Introdução ao estudo ds Zoologia Sistemática e Filogenetica ……………………………... 1 Diversidade de sistemas de classificação …………………………………………..…….. 10 Protozoários ……………………………………………………………………….…….... 21 Metazoários ……………………………………………………………………………......39 Filo dos Radiatas (Cnidários e Ctenophora) ………………………………………….…...52 Classe Cubozoa e Classe Sciphozoa ………………………………………………….…...59 Filo Platyhelminthes – Classe tubellaria …………………………………………….…….73 Filogenia dos Protostômios – Filo Molusca ………………………………………….…...79 Classe Gastrópode e Classe Cephalopode ………………………………………….….… .84 Filogenia e História natural dos protostômios …………………………………….……... 88 Filo Annelida – Classe Polichaeta, Oligochaeta e Hirundinea …………………….…….. 90 Filo Artrópoda ou articulata – Subfilo Quelicerata ………………………………….……95 Classe Crustácea e Classe dos Insectos …………………………………………….……105 Filo hemichordata ………………………………………………………………….….... 117 Filo Echinodermata ………………………………………………………………….…..124 Estudo do Filo Chordata e Subfilo Urochordata ………………………………….…….132 Subfilo Cefalochordata ……………………………………………………………….…138 Superfamilia Tetrapoda ……………………………………………………………....….152 Classe Mammalia ………………………………………………….…………………….166 Conclusão …………………………………………………………………………... …..170 Auto-avaliação …………………………………………………………………………..171 Bibliografia ……………………………………………………………………………...172

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

caracterização e denominação dos grupos de animais. Nesse contexto. descrevendo as características que distinguem uma espécie da outra. 1986:43). Assim pode-se dizer que a Taxonomia é o ramo da ciência que trata da ordenação (classificação) e denominação (nomenclatura) dos seres vivos. a organização.Dia: 27. habitat. sua manutenção e as relações que ocorrem entre eles e o ambiente. órgãos e sistemas com características que permitem a adaptação dos grupos de animais nos diversos meios. definição e ordenação de grupos de animais‖ (MATEUS.2011 Introdução ao estudo da Zoologia Sistemática e filogenética 1 Abdul Gafar Daúdo A zoologia é parte da biologia que estuda os animais sob todos os aspectos. encarrega-se em procurar os diferentes seres vivos existentes. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . por categorias taxonómicas do género ao reino. dar nome. Tem dois objectivos principais: considerar organismos estruturalmente relacionados e separá-los pelas respectivas espécies.2011 . entre outros. suas diversas formas. Aplica-se em vários momentos desde a existência do homem.Julho . possibilitando o entendimento de como os seres vivos estão classificados. usamos ela na medida em que tentamos descobrir o animal. 1962:13). pois apresenta um enfoque evolutivo – ecológico que destina-se a analisar a história zoológica das espécies focalizando os animais. Zoologia Sistemática e Filogenética.  A nomenclatura zoológica ―é a aplicação de nomes distintos a cada uma das classes reconhecidos numa dada classificação zoológica‖ (SIMPSON. e ordenar as espécies. alimentação. entre outros). e aqueles que não existiam. esta disciplina é adequada. agrupando-os de acordo com o seu grau de semelhança. possibilitando um equilíbrio dinâmico do ecossistema. (sua origem. evolução. Zoologia Sistemática é o ramo da zoologia que se ocupa na organização. estruturas. A zoologia sistemática sub divide-se em (2) dois grupos:  Taxonomia ―é o capítulo da sistemática que tem por fim. descobrir e dar o seu respectivo nome.

um discípulo de Aristóteles (372 à 287 a. Descreveu todas as plantas conhecidas no seu tempo: ao classificar as plantas. alguns Biólogos classificavam os animais de acordo com seu modo de locomoção.322 a. entre outros. Com a evolução do tempo Aristóteles trabalhou principalmente com animais e classificou várias centenas de espécies. subarbustos e ervas. O mais importante para os nossos antepassados era organizar as plantas e os outros animais em comestíveis ou não. Os primeiros homens classificavam os seres vivos segundo as suas necessidades. De Aristóteles até o começo do século XVIII houve pouco progresso.). o tipo de critérios que em forma os chamados sistemas de classificação práticos. este usou o meio como características de classificação. Mais tarde. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . por motivos óbvios. Teofrasto. fisiologia. essas classificações. distribuição. um dos critérios utilizados foi o tamanho. esse tipo de classificação é conhecida como classificação empírica ou prática. Os critérios eram arbitrários. Nomenclatura é uma parte da zoologia sistemática que se ocupa nas regras da nomenclatura dos diferentes animais segundo as regras taxonómicas.C. Foram elaborados alguns sistemas de classificação mas com pouco sucesso.C. foram abandonadas. O sistema natural actual de classificação emprega todos os dados disponíveis: estrutura.2 Abdul Gafar Daúdo Assim. perigosos ou não. ele as dividia em árvores. úteis ou sem interesse. Assim. Sistema de Classificação e sua Evolução A Zoologia Sistemática começa com a origem do homem. chamadas práticas. A primeira tentativa conhecida de classificação foi feita pelo filósofo grego Aristóteles (384. arbustos. Ele dividia os animais em dois grandes grupos: os com sangue e os sem sangue. pois o homem ia lidar-se directamente com o objecto ou com o animal (semelhanças morfológicas). embriologia.). veio classificar as plantas bem como os animais em aéreos. outros conforme o ambiente em que ele vivia. e outros. terrestres e aquáticos.2011 .

2011 . é usada hoje. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . elas teriam permanecido sem qualquer alteração. Classificação Natural Hoje em dia classificações são naturais. Ainda não havia surgido a teoria da evolução biológica. As classificações naturais assim como as artificiais são racionais. as espécies deixaram de ser vistas como grupos estáticos de seres vivos. conceito este chamado de fixismo. em 1735. Esse princípio da imutabilidade. hoje universalmente aceita. pelo menos no mundo científico. Com a aceitação da teoria evolutiva. o sueco Karl Von Linné. pois acreditava que as espécies existentes na Terra tinham sido criadas uma a uma por Deus e que. com algumas modificações. denominado fixismo. Considerando-se o imenso número de idiomas e dialectos espalhados pelo mundo. era crença generalizada entre os naturalistas da época de Linnaeus. torna-se absurdo o número de nomes diferentes pelos quais são chamados os animais. desenvolveu um sistema de categorias hierárquicas que. pois são sistemas de ordenação e classificação dos seres vivos segundo as suas características. pois as espécies eram consideradas tipos padrões e imutáveis. O critério básico da classificação de Lineu era a semelhança anatómica entre os organismos. No sistema proposto por Linnaeus a espécie é a unidade de classificação e pode ser definida como sendo ―um grupo de organismos que se acasalam na Natureza e cujos descendentes são férteis‖. tentando estabelecer relações de parentesco evolutivo entre os mesmos. pois utilizavam critérios que não reflectiam as possíveis relações de parentesco entre os seres vivos. ele não levou em conta as relações de parentesco evolutivo entre seres vivos. desde o instante da criação até então. pois procuram agrupar os seres vivos de acordo com o maior número possível de semelhanças. No entanto. Assim.3 Abdul Gafar Daúdo Classificação Artificial As primeiras classificações eram consideradas artificiais.

As categorias podem ser representadas.Ordem . da seguinte maneira: Reino Filo Classe Ordem Família Género Espécie Além dessas categorias. subespécie. chamadas de categorias taxonómicas.Espécie (unidade de classificação). em que esta não segue os princípios evolutivos. As diferentes categorias de classificação.4 Abdul Gafar Daúdo O actual sistema de classificação dos organismos também considera a espécie como unidade de classificação. os géneros semelhantes são agrupados numa mesma família. tais como subfilo. Classificação Vertical ou Filogenética ou ainda Felética Aquela classificação dos seres vivos que aceita os processos evolutivos. existe a chamada Fenética. acrescentadas algumas categorias são: Reino  Filo  Superclasse  Classe  Subclasse  Coorte  Superordem  Ordem  Subordem  Superfamília  Familia  Subfamília  Tribo  Genero  Subgenero  Especie  Subespecie. e filos ou divisões semelhantes são agrupadas em um reino. ordens semelhantes são agrupadas em uma classe. que eram agrupadas em um mesmo género. superordem.Género . Actualmente as categorias reconhecidas no ICZN (Código Internacional da Nomenclatura Zoológica). não cumpre com algumas regras do processo evolutivo. infraclasse. Classificação horizontal É aquela cuja classificação dos seres vivos é feita em critérios não evolutivos. Linnaeus elaborou um sistema de classificação onde havia 5 categorias: Reino (mais geral) . foram ampliadas. Para além dessas classificações. pois na altura ou no momento da construção da arvore filogenética ou genética. classes semelhantes são agrupadas em um filo ou divisão.2011 . superfamília. famílias semelhantes são reunidas numa ordem. da mais ampla para a mais restrita.Classe . Actualmente são sete categorias hierárquicas obrigatórias constantes de espécies semelhantes. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . muitas vezes são utilizadas categorias intermediárias. subgénero.

cujas essas devem ser dos seus ancestrais. que tem em comum muitas características anatómicas. espécie do latim Specie é um grupo de indivíduos que possuem algumas características comuns. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Sistemas de classificação dos seres vivos Sistema de classificação dos seres vivos Classificação prática (baseada no interesse humano) Classificação racional (baseada nos caracteres dos seres vivos) Natural (considera maior número de caracteristicas possiveis) Artificial (considera poucas características) Horizontal ou fenética (previlegia as características estruturais dos organismos e não têm em conta o factor tempo) Fonte: Adaptado pelo autor 2011. Assim.2011 . s/d : 14). com a capacidade de cruzar entre si e dar descendentes férteis.5 Abdul Gafar Daúdo Fig. como também possam ser cruzadas livremente na natureza e produzir descendentes férteis‖ (SAMPAIO e MACHADO. são capazes de cruzar entre si e dar descendentes férteis e se distinguem dos das demais espécies. bioquímicas e comportamentais. Lineu veio a definir como sendo: Um conjunto de indivíduos activos. fisiológicas. têm em comum outras características pelos quais se assemelham entre si. Espécie é “A unidade de classificação usada pelos biólogos é chamada espécie. Vertical/Filogenética/Cladis tica (previlegia as relações de parentesco entre os seres vivos e tem em conta o factor tempo) Conceitos Para o padre John Ray. porém a palavra é usada para animais e vegetais tão semelhante que não só tenha as mesmas características estruturais. 1. Espécie são indivíduos que. além das características genéricas.

distinguíveis das outras por diferenças marcantes. e que é a principal subdivisão das classes. Filo .é agrupamento mais elevado geralmente aceites em cada um dos Reinos em que os seres vivos foram divididos tendo em conta os seus traços evolutivos e a sua estrutura e ancestralidade. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . género é o agrupamento de espécies semelhantes ou parecidas entre si. 1962:10).2011 . Em outras palavras. Ordem é a categoria taxonómica que agrupa famílias relacionadas filogeneticamente. Categoria taxonómica ―é uma classe cujos membros são todos os taxons colocados a um determinado nível numa classificação hierárquica‖ (SIMPSON. Classificação zoológica ―é a ordenação dos animais em classes (ou conjuntos) na base dos seus parentescos. Família . Género ―é uma categoria sistemática que contém uma ou mais espécies de presumível origem filogenética comum que se separa de outras unidades similares por limites marcados‖ (MATEUS apud MAYR. Cada filo representa o agrupamento mais alargado geralmente aceite de seres vivos que partilham certas características evolutivas comuns. 1962:22). Taxon ―é um grupo de organismos reais reconhecido como uma unidade formal a qualquer nível de uma classificação hierárquica‖ (SIMPSON. de associação por contiguidade. ou seja. 1986:43).Reúne géneros semelhantes e estas estão reunidas em classes e as classes em Divisão. por semelhanças ou por ambas‖ (SIMPSON.6 Abdul Gafar Daúdo Sistemática: Utiliza os dados de diversos ramos do conhecimento para agrupar os seres vivos de acordo com o seu grau de parentesco e a sua história evolutiva. O seu objectivo é procurar as relações evolutivas entre os organismos e expressar essas relações em sistemas taxonómicos. que signifiquem relações genéticas. 1962:22).

2011 . Surgiu assim a nomenclatura binomial. Ex. seguidos e inseparáveis. em 1898. Porém. ―Nomes científicos são latinizados. sendo o primeiro termo para designar o seu género e o segundo.é a categoria taxonómica que agrupa ordens relacionadas filogeneticamente. a maioria dos nomes é derivada de palavras latinas ou gregas e geralmente refere-se a alguma característica do animal ou do grupo denominado‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. distinguíveis das outras por diferenças marcantes. então. Por convenção. que ele sugeriu uma nomenclatura mais simples.org) Classe . os nomes genéricos e específicos são latinizados. O primeiro é do gênero e o segundo á da espécie (Binominal). latinizados. e que é a principal subdivisão dos filos. onde cada organismo seria conhecido por dois nomes apenas. a qual é ainda hoje utilizada. classes e outras categorias não o são. o sueco Carl von Linné. 2006:05). embora tenham letra inicial maiúscula. no qual propôs regras para classificar e denominar animais e plantas. ― Cada organismo deve ser reconhecido por uma designação binomial. Sendo obrigatório dois nomes no mínimo. botânico e médico.wikipedia. as quais são esboçadas no Código Internacional de Nomenclatura Zoológica.: Felis catus. mas podem ser derivados de qualquer outra língua ou de nomes de pessoas ou lugares. lançou seu livro Systema Naturae. enquanto o nome das famílias. no I Congresso Internacional de Nomenclatura Científica. A denominação científica dos animais segue certas regras definidas. As principais regras da nomenclatura científica estão resumidas a seguir: ― O nome dos animais deve ser escrito em latim de origem ou. Considera-se Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . em 1758. Regras básicas de nomenclatura Zoológica Em 1735. a sua espécie. foi somente na 10ª edição do seu livro.7 Abdul Gafar Daúdo Reino ―é a categoria superior da classificação científica dos organismos introduzida por Lineu no século XVIII‖ (http://pt. conhecido simplesmente por Lineu. ordens. As regras para a denominação científica dos seres vivos foram firmadas posteriormente.

definição e descrição. o seu nome deve ser colocado depois do nome do gênero. Exemplos: Gato .2011 . Adopta-se sempre o nome primeiramente usado para descrever a espécie. 1758. o radical adotado é inae. uma homenagem a esse grande sanitarista brasileiro. Por exemplo no Brasil. o nome do autor que primeiro descreveu e denominou. e o autor tenha aplicado os princípios da nomenclatura binária.gênero: Felis. sem qualquer pontuação intermediária. salvo raríssimas excepções: nos casos de denominação específica em homenagem a pessoa célebre. ― Quando existe subgênero. Ancilóstoma: Ancylostoma duodenale Creplin ou C. a família é denominada pela adição do sufixo idae ao radical correspondente ao nome do género-tipo (género mais característico da família). sem ser antecedido pelo género. Exemplos: Cachorro: Canis familiaris Lineu ou L. ― A designação para espécies é binomial. ― Em trabalhos científicos. Mycobacterium (tuberculose Mycobacterium tuberculosis avis (tuberculose aviária). mas para subespécies é trinomial. ― A substituição de nomes científicos é permitida somente em casos excepcionais. ou sublinhado se for em trabalhos manuscritos. já convencionada. Pode ser escrito em itálico. após o nome do organismo é colocado. se a posição sistemática de um organismo é modificada.8 Abdul Gafar Daúdo um erro grave usar o nome da espécie isoladamente. subfamília: Felinae. Para subfamília. o nome científico deve assumir a seguinte forma: Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . por extenso ou abreviadamente. adotando para esses casos uma notação especial. ― O nome do gênero deve ser escrito sempre com a inicial maiúscula. humana). Por exemplo: Mycobacterium tuberculosis tuberculosis bovis hominis (tuberculose bovina). ― Lei da prioridade. que indica tratar-se de espécime reclassificado.: Anopheles (Nyssurhynchus) darling.. já que o termo Cruzi é a transliteração latina do nome de Oswaldo Cruz. família: Felidae. há quem escreva: Trypanosoma Cruzi. 1845. Desta forma. desde que tenha sido publicado e acompanhado por uma indicação.. ― Todo nome científico deve estar destacado no texto. ― O nome relativo à espécie deve ser um adjectivo escrito com inicial minúscula. se for impresso. Ex. seguindo-se depois uma vírgula e data da primeira publicação. ― Em zoologia. entre parênteses e deve ser sempre escrito com inicial maiúscula.

― Ao publicar a descrição de uma nova espécie. só então.2011 . o nome do primeiro autor e a data em que a denominou. a seguir. 1758) Fabricius.9 Abdul Gafar Daúdo menciona-se o nome do organismo já no novo género e. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . coloca-se o nome do segundo autor e a data em que reclassificou o espécime. fora dos parênteses. Assim. entre parênteses. descrevê-lo e indicar em que colecção foi colocada. 1804. é prática comum designar um espécime-tipo. a denominação da formiga saúva Atta sexdans (Lineu. indica que Fabricius mudou de género o animal inicialmente descrito e "batizado" por Lineu.

2011 10 Abdul Gafar Daúdo Marcação de um trabalho com o tema Classificação científica de vinte animais Diferentes. segundo critérios naturais. A locomoção (as plantas são fixas e os animais  Os constituintes das células (as plantas têm parede celular celulósica e os animais têm outros constituintes no interior das células). classificação em quatro reinos. embora tivesse uma limitação perante a classificação dos fungos. que não se encaixavam no reino das plantas. 2 – Os dois reinos. separava os seres em dois reinos distintos: as plantas e os animais. tendo em conta:   Fig. A vantagem deste sistema de classificação é a sua simplicidade que tornava a classificação óbvia e bem definida para os seres macroscópicos. classificação em cinco reinos. A morfologia (sem forma – plantas e com forma – animais). naturalista foi o primeiro a propor (1866) uma divisão para os ―micróbios‖. Haeckel Ernst Heinrich Philipp August Haeckel (1834 – 1919). O tipo de nutrição (autotrófica – plantas e heterotrófica – animais).Dia: 01. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Diversidade em Sistema de Classificação Podemos distinguir seis sistemas de classificação diferentes: classificação em dois reinos.2011 . O sistema de classificação em dois reinos. de Aristóteles e Lineu. classificação em seis reinos e classificação em três domínios.  não). classificação em três reinos. XIX dizia-se que os seres vivos se dividiam em plantas e animais.Agosto . e a sua entrega será no dia 15-08-11. Aristóteles Até ao séc.

Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . reconhece cinco reinos: Plantae. Whittaker A classificação feita por Whittaker em 1969.e representou-os como uma árvore (Fig. Fungi. Copeland (1902–1968). Este sistema de classificação não foi aceite de forma geral. dois critérios de classificação:  Organização celular: unicelulares ou multicelulares. pluricelulares (pinheiro. heterotróficos (ingestão e absorção). 3 – Os três reinos. em 1937. Plantae . Animalia. Basicamente afirmou que os seres vivos se dividiam em plantas. nutrição por absorção.Seriam eucariontes. entre outros). animais e seres microscópicos a que deu o nome de protista. Protista e Monera.11 Abdul Gafar Daúdo Haeckel separou as formas de vida em três reinos Plantae. Plantae e Animalia. o próprio Haeckel estava relutante em quebrar a antiga tradição dos dois reinos. Protista e Animalia . Ele retira ao reino dos protistas designado por Haeckel as bactérias e as cianobactérias (algas azuis) criando um reino novo para elas. Copeland Herbert F. o reino Monera. Whittaker propõe inicialmente. 3). Fig. autotróficos. fotossintetizantes. devido às bactérias terem umas estrutura celular diferente propôs a divisão em dois domínios: Procariota e Eucariota. uma vez que. samambaia. Nesta classificação os procariotas não têm núcleo organizado enquanto as células dos eucariotas têm o núcleo individualizado por uma membrana.  Modo de nutrição: Autotróficos (fotossíntese).2011 . em 1956. 4 – Os quatro reinos de Copeland. Fig. propõe 4 reinos: Monera. Chatton Edouard Chatton . Protista.

12 Abdul Gafar Daúdo Animalia . Assim o sistema passou a ter os seguintes critérios:     Organização celular: unicelulares ou multicelulares. autotróficos. nutrição por ingestão ou absorção. sapo. macroconsumidores e microconsumidores. tornando a sua classificação mais simples e objectiva. pluricelulares.2011 .Seriam eucariontes.Seriam eucariotas. Tipo de células: Procarióticas e eucarióticas. unicelulares e pluricelulares. heterotróficos (ingestão e absorção). Modo de nutrição: Autotróficos (fotossíntese e quimiossíntese). nutrição por absorção e ingestão.Unicelulares. Protistas . Fig. nutrição por ingestão. 5 – Os cinco reinos de Wittaker (1969). ocasionalmente alguns parasitas. consumidores. Monera . heterótrofos (minhoca. (heterótrofos). que fizeram constituir a classificação de Whittaker (modificada). leveduras. Depois destes dois critérios foram acrescentados mais dois. (algas e protozoários). bolores de pau). Interacção nos ecossistemas: Produtores. procariotas. (cogumelos. homem).Seriam eucariotas. autotróficos e heterotróficos (bactérias e cianobacterias). pluricelulares e unicelulares. por absorção. nutrição por absorção. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Fungi . Whittaker substituiu as relações filogenéticas (evolutivas) por uma classificação ecológica. heterotróficos alguns fotossintéticos.

por outro lado. Woese e os seus colegas usaram as investigações realizadas a nível do genoma e concluíram que o grupo dos seres procariontes se pode dividir em dois. esta classificação é mais rigorosa. propõe 3 domínios: Bactéria. a partir do qual surgem os restantes por evolução. nomeadamente.13 Abdul Gafar Daúdo Carl Woese O sistema de classificação em seis reinos. uma vez que considera as relações filogenéticas dos seres. Esta classificação tem em vista apenas as relações filogenéticas entre os seres. Carl Woese procedeu a esta divisão por comparação genética. é uma classificação mais abrangente uma vez que divide todos os seres em três grandes domínios. Archaea e Eucarya. em relação ao sistema de cinco reinos. Assim. por comparação do Rna ribossómico. Como critérios para esta classificação. Os seres considerados no grupo Archaebacteria teriam adquirido características de seres eucariontes enquanto os seres incluídos no grupo Eubacteria eram apenas procariontes. em 1990. Carl Woese utilizou a comparação genética.2011 . o que a torna mais complexa. obtemos três grandes domínios: Bactéria. Carl Woese e colaboradores. Este sistema de classificação é mais complexo do que os anteriores mas. 6 – Os seis reinos que Carl Woese propôs (1977). Archaea e Eukarya. Fig. a divisão do reino Monera em dois novos reinos: Eubacteria e Archaebacteria. construído por Woese em 1977 teve como principal mudança. Tiveram grande aceitação. por outro lado. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . De realçar que existe uma base comum.

org/wiki/Bact%C3%A9ria Tabela 1. Essas características. Mesmo dentro de critérios tão amplos. como a adaptação de organismos a meios de vida especiais. multicelulares. Portfólio de Zoologia S&F frequentemente encontradas durante o Curso de Biologia 1º ano desenvolvimento UP-Montepuez . são muito utilizadas na tentativa de se entender a filogenia do Reino Animal.14 Abdul Gafar Daúdo Fig. É o que ocorre por exemplo com certos endoparasitas que perderam a capacidade de ingestão de nutrientes. Reino Animal O Reino Animal foi definido segundo características comuns a todos os animais: organismos eucariotos. podemos encontrar excepções. os filos.wikipedia.2011 . em função de factores diversos. Fonte: http://pt. Algumas características gerais dos grupos (táxons) situados logo abaixo do reino. heterotróficos e que obtém seus alimentos por ingestão de nutrientes do meio. passando a obtê-los por absorção directa. 7 – Os três Domínios que Carl Woese propôs em 1990. Diversidade dos Sistemas de Classificação Lineu (1758) Dois reinos Haeckel (1894) Três reinos Copeland (1956) Quatro reinos Monera Protista Plantae Plantae Animalia Animalia Protista Plantae Plantae Animalia Animalia Plantae Animalia Protista Fungi Whittaker (1959) Cinco reinos Monera Archaebacteria Protista Fungi Eukarya Archaea Woese (1977) Seis reinos Eubacteria Woese (1990) Três domínios Bactéria Fonte: Adaptado pelo autor 2011.

― Nematomorphas. Nos acelomados encontram-se os filos: ― Mesozoa. disposição das estruturas relacionadas com a digestão. ― Nemeltina e ― Quinathostomida. ― Platelmintos ou platyhelminthes. o Protozoa. No reino animal. Nos pseudocelomados encontramos os filos: ― Gastrostricha. especificamente agrupados em: acelomados. que engloba os filos: Bryozoa. Molusca. pseudocelomados e celomados.2011 . Brachiophoda. e ― Entapoeta. Phoronida. e Metazoa. e nos bilatérios encontramos todos os demais animais. ― Acantocephala. O sub-reino Eumetazoa é representado por todos animais com simetrias radiais e bilaterais (Radiatas e Bilaterios). artrópodes e Onicophora. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .15 Abdul Gafar Daúdo embrionário e não apenas no organismo adulto são: níveis de organização do corpo. encontra-se alguns sub-reinos. ― Rotífera. Nos radiatas encontramos os filos cnidários. Anelida. No sub-reino Protozoa podemos encontrar os protistas e no subreino Metazoa encontramos subdivididos em dois reinos: Filo Parozoa e Filo Porífera ou Esponjas. Nos Celomados temos dois grandes grupos: ― Protóstomios. ― Kinorihincha. poríferos e cnetophora. simetria. número de folhetos germinativos e presença de celoma. ― Nemátodos.

Mioceno e Plioceno) e Quaternário (época – Pleistoceno e Recente).6 bilhões de anos. Dessa forma. calculada a partir do estudo de meteoritos. diferencia-se em boca e. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Carbonífero e Permiano. em ânus. e esses. por sua vez. ― Mesozóica → com 3 períodos: Triássico. O marco divisor entre a Paleozóica e a Mesozóica representa a extinção de muitos grupos de animais e vegetais. Nos protostômios. as Eras se subdividem em: ― Arqueozóica → com apenas um período: Pré-cambriano. Podemos distinguir dois grandes grupos entre os eumetazoários. ― Paleozóica → com 6 períodos: Cambriano. a história da Terra divide-se em várias etapas. Oligoceno. nos deuterostômios. a primeira abertura do tubo digestivo. Devoniano.16 Abdul Gafar Daúdo ― Deuterostómios. As eras. idade estimada em cerca de 4. Cordados. Na passagem da Era Pré-Cambriana para a Paleozóica ocorreu uma súbita expansão e diversificação dos animais. Eoceno. Era de Surgimento de Animais Desde a origem da terra. São protostômios os nemátodas. Siluriano. Da mais antiga a mais recente são: Pré-cambriana. ― Cenozóica → com 2 períodos: Terciário (épocas – Paleoceno. com relação ao desenvolvimento do tubo digestivo: protostômios e deuterostômios. em épocas. Jurássico e o Cretáceo. Portanto. Mesozóica e a Cenozóica. Hemichordata. podem ser subdivididas em etapas menores denominadas períodos. Paleozóica.2011 . que correspondem às principais fases de seu desenvolvimento. anelídeos. moluscos e artrópodes. Ordoviciano. encontramos os filos: Echinodermata. são deuterostômios os equinodermos e cordados. Era Arqueozóica Período Pré-cambriana (4. E a transição da Mesozóica para a Cenozóica caracterizase pelo desaparecimento de grandes répteis e de vários animais marinhos. e Caetagnata. a mesma do sistema solar.6 bilhões a 570 milhões de anos atrás). passaram-se quatro Eras. surgida durante o desenvolvimento embrionário.

―Esta Era é chamada também de Era primária. ou simplesmente primário. uma delas. até aproximadamente 570 milhões de anos atrás. Era Paleozóica Intervalo de tempo que se estende de 570 a 245 milhões de anos atrás. um grande número de fósseis com partes duras e já com certo grau de evolução. 1997:301).6 bilhões de anos. São várias as ideias que sustentam a explosão cambriana. A primeira parte de sua história é. são divididas em períodos. nas suas rochas mais antigas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . Começam a aparecer as primeiras células (organismos unicelulares).17 Abdul Gafar Daúdo De acordo com as datações humanas quanto a terra ela teria 4. dizia:  Existiu uma descontinuidade dos segmentos da terra existentes.6 bilhões de anos. por sua vez. o planeta Terra era até 3 vezes mais quente do que hoje. o Câmbrico apresenta. reciclagem da maior parte da crosta pré-cambrianas. de um modo geral. Os cientistas criaram uma escala de tempo que divide a história da Terra em eras. Surgem os peixes e anfíbios. Sem grandes perturbações tectónicas. mais tarde. Entre eles os principais foram: a impossibilidade de datação absoluta. O pré-cambriano não era bem conhecido e sua duração foi subestimada por muito tempo por vários motivos que dificultaram seu estudo. As ideias que sustentam são:  No começo desta era. Período Câmbrico: (há cerca de 500 à 570 milhões de anos) e durou cerca de 70 milhões de anos. planta. intenso metamorfismo de suas rochas. animais terrestres e anfíbios. A mais longa dessas divisões temporais foi a era Pré-cambriana. os quais se dividem em épocas.  Milhares de vulcões estavam em actividade. originam os répteis‖ (SOARES. Estes últimos passam da água para a terra e. quando surgiram na Terra os primeiros peixes.  A Terra é constantemente atingida por meteoros. falta de fosseis. Estas eras. cerca de 4. É nela que aparecem os primeiros vertebrados. Caracterizou-se por uma explosão evolutiva da vida marinha. Ela se estendeu desde o início da Terra. denominada Pré-cambriano.

surgirem os primeiros animais anfíbios. As únicas plantas conhecidas do Ordovícico são as algas marinhas. teriam emigrado para a água salgada. desenvolveu-se gradualmente e foram aparecendo no final do Devoniano.  Milhares de espécies de insectos surgem nesta era. pois o sal permite a conservação ou manter a forma do animal assim como dos fosseis. Uma glaciação matou 55% das espécies há 450 milhões de anos. são peixes bem primitivos. grande número de invertebrados marinhos que desapareceu sem que se conheça o motivo. A evolução dos animais aquáticos no período valeu-lhe também o nome de idade dos peixes. a Era Paleozóica caracteriza-se por:  Início do surgimento dos primeiros animais vertebrados nos mares.2011 . primeiro ocorreu a evolução dos animais eucariontes. A vegetação.  Os trilobitas foram os animais típicos desta era. autotróficos que evoluíram e passaram a ser herbívoros. desta forma. trapodermes. que se encontram com o carbonato de cálcio. cnidários.  O surgimento dos primeiros anfíbios a partir da saída dos peixes da água. que permitiu a precipitação dos esqueletos. moluscos.  A outra sustenta que existiu uma mortalidade massiva dos animais que na altura existiam. Assim.  No final desta fase começam a surgir diversas espécies de répteis que deram origem aos dinossauros. modesta no início do período. Período Devoniano: (há 250 à 300 milhões de anos).  Sustenta também que existiu uma mudança na composição química dos oceanos. E ainda nesse período os primeiros répteis. Período Ordovícico: (há cerca de 350-450 milhões de anos) A vida era essencialmente marinha: nessa época surgiram os peixes. Começou. durante um longo processo. apareceram massivamente os peixes e alguns anfíbios.18 Abdul Gafar Daúdo  Provavelmente os animais que surgiram na água doce. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .

Essa extinção em massa atingiu também os mamíferos triconodontes e as aves com dentes. os répteis só dominaram os continentes a partir do Triásico. Mas as tartarugas.2011 . quando então uma grande calamidade astronómica.6 milhões de anos a Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Nela. matou-os de uma vez. estende-se até a actualidade (SOARES. crocodilos e até sapos e salamandras sobreviveram ao impacto. O fim do Cretáceo marcou uma época de crise para a vida. os triconodontes e os multituberculados. os crocodilos e os mamíferos. tartarugas e crocodilos. Era Cenozóica Era geológica que compreende os períodos Terciário e Quaternário. Outros grupos de animais decresceram gradualmente e os dinossauros e os répteis voadores extinguiram-se abruptamente no fim do período. predominavam os répteis. Entre 200 e 65 milhões de anos atrás. Um intenso vulcanismo iniciou-se. no Golfo do México. Jurássico e Cretácico. No período surgiram os primeiros dinossauros. Havia na Terra imensas regiões pantanosas e outras desérticas. 1997:301). Há cerca de 3. devido ao impacto do asteróide na península do Yucatán. reinaram na Terra os dinossauros. Presentes na Terra desde o período Carbónico. Na fauna. no Golfo do México.6 milhões de anos caracteriza-se pela fauna de dinossauros bizarros. Os dinossauros diminuíram em 90%. entre os quais a espécie mais numerosa era a dos dinossauros. durou cerca de 77. Período Cretáceo: iniciado há cerca de 150 milhões de anos. abrangeu os períodos Triásico. répteis voadores. Período Jurássico: iniciado há cerca de 180 milhões de anos. mamíferos como os marsupiais e primatas e os insectívoros. Período Permiano / Triásico: iniciou-se há cerca de 200 milhões de anos e durou quase 40 milhões de anos. quando a falta de competição provocou uma evolução explosiva da classe. a fauna e a flora adquiriram suas formas actuais. levando a um aquecimento global. Ocorrida cerca de 200 a 65 milhões de anos atrás. sobrando apenas as tartarugas. de início pequenos e bípedes. tal como no fim da era Paleozóica.19 Abdul Gafar Daúdo Era Mesozóica Segunda das três principais eras geológicas da Terra. Iniciada há aproximadamente 50 milhões de anos.

2011 . a tabela deve ser lida de baixo para cima). mais complexos e diversificados  Por volta de 3. fazendo surgir o género Homo adaptado a caminhar nos campos. há aproximadamente 65 milhões de anos. Tabela 2.  Surgimento do homo sapiens por volta de 130 mil a 200 mil anos atrás.9 milhões de anos atrás surge. Aparecimento das aves Aparecimento dos Dinossauros. A Era Cenozóica caracteriza-se por:  No começo desta era. que se tornam maiores. Quadro resumo das Eras de Surgimento dos Animais (para se observar a ordem cronológica dos factos. no continente africano. o Australopithecus (espécie de hominídeo já extinta). Surgem os primeiros mamíferos ERA PALEOZÓICA 135 000 190 000 225 000 1 000 10 000 25 000 40 000 55 000 65 000 Homem moderno 30 INÍCIO (x1000 ANOS) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . macacos pequenos Grandes mamíferos herbívoros Aparecimento de plantas com flores Primeiros mamíferos com placenta compácta ERA MESOZÓICA Cretáceo Jurássico Triássico Extinção dos dinossauros. Época Pleistocenos foi o período em que exclusivamente surgiu o homem. ocorre a extinção dos dinossauros. flora com aspecto moderno Domínio dos Dinossauros. Mamíferos primitivos.20 Abdul Gafar Daúdo África secou desaparecendo assim as matas onde viviam os hominídeos.  Grande desenvolvimento das espécies de animais mamíferos. PERÍODOS ÉPOCAS REGISTO DE VIDA ERA CENOZÓICA Recente Quaternário Pleistoceno Plioceno Mioceno Terciário Oligoceno Eoceno Paleoceno Precursores do homem Carnívoros e macacos antropóides Baleias.

são organismos exclusivamente unicelulares.htm).com/biologia/protozoarios.brasilescola. alguns podem formar Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 1997:300. Sua denominação deriva do grego protos e zoon. formados por uma única estrutura celular. sendo a maioria heterotrófica. (http://www. não consegue converter (sintetizar) matéria orgânica a partir da inorgânica. Assim. Aparecem os anfíbios. mas com formas autotróficas e com mobilidade especializada que ocorrem como células isoladas ou em colónias de células. consagrado até hoje. Pré-cambriano - 1 000 000 Protózoarios Protozoários são seres unicelulares. tais como a capacidade de deslocamento e heterotrofia.2011 . que significam. "primeiro" e "animal". facto pelo qual os protozoários são mais complexos funcionalmente. ou seja. Esse termo. foi criado para agrupar organismos eucariotos unicelulares com características próprias dos animais. Organismos primitivos. alguns são de vida livre e outros são parasitas. vivem em todos ambientes.517. Os protozoários. necessitando absorver os nutrientes do meio externo. podemos dizer que os protozoários são animais unicelulares. Apresentam dimensões predominantemente microscópicas.21 Abdul Gafar Daúdo PERÍODOS Permiano Carbonífero Devoniano Siluriano Ordoviciano Cambriano ÉPOCAS - REGISTO DE VIDA Florestas de coníferas (pinheiros) Primeiros répteis. Florestas primitivas de grandes pteridófitas Peixes numerosos. Predomínio de unicelulares. Poucos fósseis. respectivamente. Primeiras plantas e invertebrados terrestres. seres cujo tamanho pode variar entre 2 e 1000 μm. fig. na maioria heterotróficas. em que uma única célula desempenha todas funções vitais. Portanto. e são inferiores em relação a sua estrutura. ERA ARQUEOZÓICA INÍCIO (x1000 ANOS) 280 000 345 000 345 000 440 000 500 000 570 000 Aparecimento da vida. Fonte: SOARES. Primeiros peixes primitivos Fauna de invertebrados marinhos.

alongada. bilateral. comensais.htm). muitas espécies produzem cistos ou esporos resistentes para sobreviver a condições desfavoráveis e para dispersão.  Holozóicos ou heterotróficos: ingerem partículas organicas. Estruturalmente e funcionalmente a única célula de um protozoário é mais complexa que a célula de animal (metazoário) e por este motivo estes organismos estão classificados no reino protista. conseguem sintetizar energia a partir da luz solar (fotossíntese). cílios. digerem-nas (enzimas) e.22 Abdul Gafar Daúdo colónias. pseudópodes ou movimentos da própria célula. ― Forma de célula geralmente constante. esférica.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23. único ou múltiplo. radial ou esférica. Características Gerais dos Protozoários ― Pequenos geralmente unicelulares. já decompostas e dissolvidas em meio líquido. sem órgãos ou tecidos ― Locomoção por flagelos. ―Nutrição e Digestão dos Protozoários Nutrição variada:  Holofíticos ou autotróficos: são os que. (www. alguns em colónias de poucos a muitos indivíduos semelhantes.  Mixotróficos: quando são capazes de se alimentar por mais de um dos métodos acima descritos. variada em algumas espécies e mudando com o ambiente ou com a idade em muitos. posteriormente. ― Núcleo distinto. oval.2011 . expulsam os metabólitos. Essa ingestão se dá por fagocitose (ingestão de partículas sólidas) ou pinocitose (ingestão de partículas líquidas).terravista. a partir de grãos ou pigmentos citoplasmáticos (cromatóforos). simetria ausente. ― Algumas espécies com envoltórios protectores ou tecas. ― Modo de vida: Livres. outras partes estruturais como organelas. substancias inorganicas. ou outra. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . naturalísticas ou parasitas.  Saprozóicos: "absorvem".

e cada organela tem uma função vital. ― Cisto/Quisto: É a forma de resistência ou inactiva. temos: ― Trofozoíto: É a forma activa do protozoário. animais mortos. Já no interior da célula ocorre digestão graças ao vacúolos digestivo que possuem enzimas. ― Gâmeta: É a forma sexuada. e o feminino é o macrogameta. Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. outro são heterótrofos e se alimentam comendo diversos alimentos principalmente matéria orgânica em decomposição. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . algumas espécies possuem fases bem definidas. Dependendo da sua actividade fisiológica. Frequentemente há divisão nuclear interna durante a formação do cisto. por meio de vacúolos digestivos. Sua forma de nutrição é muito diferenciada. parasitas ou mutualistas mas. na qual ele se alimenta e se reproduz. As partículas alimentares penetram por uma abertura pré-existente na membrana.htm) Respiração Podemos encontrar dois tipos fundamentais: ― Aeróbicos: são os protozoários que vivem em meio rico em oxigênio. folhas mortas. (www. O protozoário secreta uma parede resistente (parede cística) que o protegerá quando estiver em meio impróprio ou em fase de latência. que permite eliminação dos alimentos desnecessários ao organismo do próprio animal.terravista.2011 . que aparece em algumas espécies. Assim. pois podem ser predadores ou filtradores.23 Abdul Gafar Daúdo Os autótrofos fazem fotossíntese e se alimentam como se fossem plantas. por diferentes processos. fezes etc. A digestão é intracelular. o citóstoma. o citóstoma com ajuda dos pseudópodes. herbívoros ou carnívoros. e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos em qualquer ponto da periferia graças ao vacúolo contráctil. A célula desses micro-organismos unicelulares é muito especializada. sendo que o alimento é ingerido ou entra na célula por meio de uma "boca".pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23. O gâmeta masculino é o microgameta. a principal forma de alimentação deles é a nutrição saprófita.

terravista. Brotamento ou gemulação. uma única célula se separa em células-filhas. (www.24 Abdul Gafar Daúdo ― Anaeróbicos: quando vivem em ambientes pobres em oxigênio. (www. Sexuada Existem dois tipos de reprodução sexuada:  Conjugação: união temporária de dois indivíduos. e protozoários. O processo de formação de gametes recebe o nome de gametogonia e o processo de formação dos esporozoítos recebe o nome de esporogonia (TORTORA. Alguns grupos em particular formam uma parte importante na dieta de numerosos animais.terravista.htm). onde existe água livre. o qual pode dividir-se para fornecer um certo número de esporozoítos.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23. com troca mútua de materiais nucleares. assim como em associações simbióticas com animais. 2000). Assexuada    Divisão binária ou cissiparidade.  Singamia ou fecundação: união de microgameta e macrogameta formando o ovo ou zigoto. o núcleo se divide múltiplas vezes antes da célula se dividir.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23. Esquizogonia: é uma fissão múltipla. Reprodução dos Protozoários Os protozoários possuem reprodução assexuada e a reprodução sexual ou mini-sexual. Importância Os protistas em geral ocupam um importante papel nas cadeias alimentares das comunidades naturais. de vários níveis de organização. Após a formação de vários núcleos. Há protozoários saprófiticas e também que Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . uma pequena porção do citoplasma se concentra ao redor de cada núcleo e então. Os autótrofos (algas) são abundantes nas águas salgadas e doces.2011 .htm).

Classificação dos Protozoários Os protozoários encontram-se no reino Protista (organismos unicelulares eucariotos. Protozoários que se locomovem utilizando cílios (Paramécium) Ciliophora Protozoários que não possuem estrutura locomotora (Plasmodium vivax. coloniais ou não). existem alguns protozoários que podem provocar doenças no homem. os pseudópodos (do grego pseudos. como ocorre nos esporozoários. flagelos ou cílios) ou sua ausência. fazendo recircular a matéria orgânica. Naturalmente. e assim. fazendo uso de substâncias e organismos envolvidos na decomposição final das cadeias alimentares. Os Mastigophora são provavelmente os mais primitivos. compreende os protozoários que se locomovem por meio de expansões citoplasmáticas. Fonte: adaptado a partir de ARAUJO e BOSSOLAN. Principais grupos dos protozoários Protozoários que se locomovem através de projecções celulares denominadas pseudópodos (Entamoeba histolítica). os Ciliata os mais avançados estruturalmente e os Sporozoa são provavelmente morfologicamente simplificados. Fonte: http://www. purificam o ambiente como decompositores (esgotos). Sporozoa causador da malária). mas também muito especializados.Representantes dos quatro filos de protozoários (em diferentes graus de ampliação.com/biologia/protozoarios.25 Abdul Gafar Daúdo ingerem bactérias. como um resultado do seu modo de vida estritamente parasitário. Tabela 3.brasilescola. 8 .2011 . 2006:08 Sarcodina Fig. Protozoários que se locomovem através de flagelos (Trypanosoma cruzi e Mastigophora Trichonympha). A classificação dos protozoários leva em conta o tipo de estrutura locomotora presente na célula (pseudópodos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . também chamado Sarcodina.htm Filo Rhizopoda ou Sarcodina O filo Rhizopoda.

jhtm) A Ameba parece ser a de vida mais simples do reino protista. realiza todas as actividades fisiológicas e vitais sem ter muitas partes estruturalmente diferenciadas para faze-lo.uol. (http://educacao. ela pode mover-se. radiolários e heliozoários. (http://www. flexível de forma irregular e passa por frequentes mudanças de forma.26 Abdul Gafar Daúdo falso. são de vida livre e se reproduzem por divisão binária.geocities.com. Muitas espécies fósseis são utilizadas como indicadores na busca por poços petrolíferos. Já o termo "rizópodo" (do grego rhiza. como raios. dos pseudópodos de certas amebas.com. formada por diversas câmaras e com inúmeras perfurações.ws/pri_biologiaonline/filo_rhizopoda. capturar. carne) refere-se ao aspecto "carnudo". composta por inúmeras placas e espículas de sílica.br/biologia/ult1698u93. mas com poucas organelas permanentes. respirar. (http://educacao. porque a amiba é constituída por uma massa carnosa do protoplasma.br/biologia/ult1698u93. O representante deste filo é a Amoeba Proteus (Ameba comum) de água doce limpa que contenha uma vegetação verde.2011 . pé). raiz) refere-se ao aspecto. já os heliozoários podem ser encontrados tanto na água doce como na salgada. gelatinosa. também utilizados na captura de alimento.uol. clara. responder a mudanças (estímulos) de vários tipos e reproduzir-se. Os radiolários são exclusivamente marinhos. Os radiolários e os heliozoários apresentam pseudópodes extremamente finos e projetados. O termo "sarcodíneo" (do grego sarkos. ao redor da célula.html). Os sarcodíneos são protozoários que se locomovem através de pseudópodes. A ameba apesar de ser constituída por uma única célula. consistente. e podos. produzir secreções e excreções. às vezes ramificado. eliminar resíduos não digeridos. Apesar de sua aparente simplicidade.jhtm). Assim. Eles possuem uma estrutura de sustentação interna. este grupo é dividido em: amebas. digerir e assimilar alimento complexo. foraminíferos. uma célula independente com núcleo e citoplasmas. incolor. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . os foraminíferos são protozoários que apresentam uma carapaça calcária externa. Por cada um desses orifícios são emitidos os pseudópodes.

Forma variável. Plasmalema. moluscos. As amebas e tecamebas podem usar os pseudópodos (lobo ou filópodos). Trabalhos recentes sugerem que as conduções de sol e gel são devidas ao relaxamento e a contracção de proteínas de cadeias longas.  Foraminíferos: marinhos. ecto e endoplasma.  Amebas: habitat aquático. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Movimento amebóide. rolamento ou ambulatório são várias formas de locomoção dos sarcondíneos. mamíferos. parasitas em peixes. de ― sol ― fluido à condição de ― Gel‖ mais sólida e vice-versa. humanos (Entamoeba histolytica). podem ser simétricas. ocorre em muitos protozoários e também nos amebócitos de esponjas e os glóbulos broncos do sangue dos vertebrados. artrópodos. Pseudos = falso + podes =pé ) em qualquer lugar do seu corpo. ectocomensais em animais aquáticos. os foraminíferos podem usar os reticulópodos. vários são planctônicos. mas que seja diferente nos vários organismos que o utilizam. forma. A este movimento chama-se por movimento Ameboide.2011 . Assimétricos.27 Abdul Gafar Daúdo Características ecológicas  Hábitos bentônicos. mas esta não é a principal função deste tipo de pseudópodes. Com isso o movimento ameboide é mais parecido com a contracção muscular. 2. É provável que o movimento ameboide não seja só de um tipo.  Tecamebas: água doce (dulcícolas). rastejamento. substratos úmidos. Mas afirma que os movimentos da ameba são o resultado de mudanças no protoplasma coloidal. na mesma proporção em que os pseudópodos variam. Simetria. celularidade 1. Locomoção A Ameba move-se formando e estendendo projecções temporárias digitiformes ou pseudópodes (gr. com raras excepções.

28 Abdul Gafar Daúdo Aspectos Importantes de Locomoção  Fixação ao substrato. A digestão se dá em vacúolos e pode se iniciar extra-celularmente. A ingestão de bactérias. Reprodução Os sarcodíneos apresentam reprodução assexuada. A fixição faz-se melhor em superfícies ásperas mas depende da natureza do líquido que circunda o protozoário e de suas condições fisiológicas. O metabolismo resultante na produção de produtos de excreção tais como dióxido de carbono e ureia que são eliminados para o bem estar do organismo. no caso dos foraminíferos. mas a sua principal função é regular o conteúdo de água no corpo celular do animal. e esta eliminação ocorre através da membrana celular a este processo chama-se excreção. quando se divide ao meio.  Transformação do plasmagel em plasmassol na extremidade posterior e o processo oposto na extremidade anterior do protozoário. outros protozoários.  Construção da membrana plasmática e do Gel pode ser parte da locomoção. Esta reprodução é muito simples. Nutrição É holozóica. por divisão binária. A dejeção se dá por um citoprocto que não tem posição fixa. A superfície da célula vai sofrendo uma constrição mediana enquanto que seu núcleo se divide por mitose. armadilha mucosa em reticulópodos ou raramente pinocitose). Este oxigénio difunde-se através da membrana celular. Uma Ameba cresce até atingir determinado tamanho. originando duas amebas-filhas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Respiração e Excreção A água na qual a Ameba vive contém oxigénio dissolvido.  Um aumento na força elástica do plasmagel à medida que ela passa para atrás.2011 . raramente saprozóica. possivelmente põe uma secreção. O vacúolo contráctil serve em parte para a excreção. diatomáceas e rotíferos pode se dar por fagocitose (engolfamento.

Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . Seis tipos de Amebas podem ocorrer no homem: Entamoeba gingivalis vive na boca.  A ordem Heliozoa.  A ordem Foramnírera tem habitado nos mares à vários séculos e as suas carapaças têm-se acumulado como depósitos de fundo que se tornaram estratos rochosos.  A ordem Amoerida inclui algumas amebas comensais ou parasitas espécies do género Entamoeba habitam o intestino de baratas e Cupins e as do género Entamoeba vivem principalmente no trato digestivo de vertebrados terrestres. coli vive intestino. ocorre o estrangulamento do citoplasma.   Assexual por divisão binária ou múltipla (no caso dos foraminíferos). Filo Mastigophora ou flagelados ―Os flagelados são também chamados de Mastigóforos (mastix = flagelo. Arcella ) que secreta uma teca espessa temos o caso da Diffugia que constrói uma taca de grãos de areia ou outras partículas estranhas cimentadas entre si. mas o citoplasma é dividido em porções externa e interna por uma cápsula central e o esqueleto é de Sílica ou de sulfato de estrôncio. ter) e têm estrutura interna semelhante a dos flagelos das células dos demais eucariontes. histilytica esta é patogénica e pode produzir a moléstica conhecida como disenteria amebiana. salobras e salgada. Ainda outros produzem uma carapaça ou teca para encerrar o corpo celular (ex. E. são esféricos. Diversidade dos sarcodíneos No género amoeba existem muitas espécies que diferem da Ameba proteus em tamanho. Sexual com singamia (foraminíferos) ou hologamia (amebas). em lugares húmidos na terra. assemelham-se de certa forma aos helizoários. Esses e membros de outros género de protozoários amebóides habitam em águas doce. resultando dois indivíduos. E. o corpo celular pode ser nu ou envolvido por uma matriz gelatinosa ou por uma carapaça perfurada. phoros = portar.29 Abdul Gafar Daúdo Assim que a divisão do núcleo se processa.  A ordem Mycetozoa (Myxomycetes dos Botânicos) vivem em Madeira ou outros vegetais em decomposição. forma dos pseudópodes e outros aspectos.  A ordem Radiolária.

outros são sésseis e alguns formam colónias de poucos até milhares de indivíduos abundam em água doce e salgada onde com as diatomáceas fornecem grande parte do suprimento de alimento para os animais aquáticos diminutos. de vida livre. Os flagelados são caracterizados por apresentar um ou mais flagelos longos e delicados em alguns ou em todos os estágios do ciclo vital. O corpo celular é usualmente de forma definida oval. longa ou esférica. Os flagelos servem para a locomoção e captura de alimento e podem ser receptores sensitivos. Todos os componentes da classe apresentam um ou mais flagelos. normalmente são estudados juntamente com as algas. que geralmente contém clorofila e são fotossintéticos e que. Os protozoários flagelados são divididos em dois grupos: os fitoflagelados. assim estas duas classes são bem proximamente relacionadas e por isso colocadas no subfilo sarcomastigophora. Muitos flagelos são de vida livre e solitários. Alguns sarcodinas possuem flagelos e as vezes alguns Mastigophora tem estágios ameboides. coberto por uma película firme e com armadura em certos grupos de flagelados. diversas espécies habitam o solo e muitos outros são parasitas do homem e de todos os tipos de animais e alguns causam molestias de grande importância. e diferem dos flagelos dos procariontes. que contém clorofila e pode ser cultivada facilmente no laboratório. outras por divisão múltipla ainda há reprodução sexual em pelo menos dois grupos.30 Abdul Gafar Daúdo Eles correspondem a centríolos modificados e alongados. que são formados só por proteínas‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Os flagelados de vida livre podem enquistar para evitar condições desfavoráveis. Ela é de Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . um flagelado comum. e os zooflagelados que não possuem clorofila e realizam sua nutrição de modo heterotrófico. Muitas espécies contêm plastídeos com pigmento coloridos e alguns com clorofila podem sintetizar alimento com o auxílio da luz solar e são frequentemente classificados como plantas. A sua reprodução é mais frequente a divisão binária. solitário.2011 . 2006:13). O representante comum desta classe é a Euglena.

A Euglena reage positivamente á luz. A Euglena também pode perder o flagelo. a película marcada por espaçamentos paralelos espirais. capturam pequenos organismos. por expansões e contracções locais. A Euglena também possui estágios inactivos. A forma do corpo é mantida por uma membrana de revestimento fina e flexível. quando se torna imóvel e enquista-se. bleferoplasto. A Euglena pode também rastejar por movimentos espirais do corpo. mas tal nutrição holozóica é rara ou ausente na Euglena. Reprodução Em culturas vivas a Euglena reproduz-se frequentemente por fissão binária longitudinal.31 Abdul Gafar Daúdo forma constante com uma extremidade anterior arredondada que habitualmente se desloca dirigida para frente. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . reservatório e estigma) são duplicadas e o organismo fende-se em dois longitudinalmente. citofaringe. onde o núcleo divide-se em dois por mitose então as organelas anteriores (flagelo. A Euglena utiliza a nutrição holozóica pela qual alimentos são sintetizados dentro do corpo por fotossíntese através da acção da clorofila na presença da luz. A Euglena gracilis em água quente pode enquistar-se temporariamente como uma medida de protecção sem passar por nenhuma mudança. O enquistamento é estimulado por falta de alimento ou pela presença de clorofila. nadando na direcção de uma fonte de intensidade favorável. A Euglena subsiste também por nutrição saprofitica absorvendo materiais dissolvidos na água onde ela vive. possui a extremidade posterior ou oposta é pontiaguda. os quais são tomados dentro da citofaringe e digeridos e vacúolos digestivos no citoplasma. enquistar e depois dividir-se por divisão longitudinal. as vezes realiza ―movimentos Euslenóides‖ vermiformes. seguindo ela um caminho recto. com uma rotação em espiral. Nutrição Alguns flagelados de vida livre. Locomoção O flagelo bate para trás e para frente para arrastar a Euglena através da água.

T. vivax ocorrem em antílopes e outros mamiferos de caça da África e são transportados por moscas tsé-tsé. rhodesiense são os agentes causadores de dois tipos da doença do sono humana.2011 . ― A ordem Hypermastigida compreende espécies com muitos flagelos e vivem no intestino da barata (Cryptocercus) e é exemplo de mutualismo. gambiense directamente de homem para homem. O T. entre outros) que formam colónias flutuantes. têm a mesma estrutura interna dos flagelos. Eliminando estes do intestino do seu hospedeiro. O Volvox globator produz macrogâmeta (células sexuais femininas) e microgâmeta (células sexuais masculinas). T. diferindo destes com relação ao comprimento (os cílios são bem mais curtos). rhodesiense por via de um terceiro hospedeiro. Os cílios. T. ambos são transportados por mosca tsé-tsé.32 Abdul Gafar Daúdo Outros Mastigophoras Muitos membros da subclasse phytomastigophora. que também ocorrem em algumas células eucariotas multicelulares. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Paramecium caudatum. Espécies de ordem Dinoflagelata são principalmente marinhas e geralmente possuem dois flagelos. à qual o género Euglena pertence são de vida livre. ― A ordem volvocida inclui vários flagelados de água doce (paleodorina. pleudorina. volvo. o antílope. coloridos por cromatóforos e de nutrição holofitica. a primeira resulta numa morte lenta. O Trypanosoma brucei. Filo ciliaphora Os ciliados são protozoários que possuem cílios. digerem a Madeira da qual o seu hospedeiro se alimenta para estes e para si mesma. congolense e T. número e batimento. as células somáticas podem sintetizar alimento e cooperar na natação mas não podem reproduzir-se e eventualmente morrem como faz o corpo do animal superior. uma armadura de substâncias semelhante à celulose. um protozoário de vida livre. gambiense e T. com duas ou mais placas. é um exemplo de ciliado bastante comum que aparece em lagos de água doce. o hospedeiro morrerá em 10 ou mais dias mesmo comendo Madeira. enquanto que a Segunda mata em poucas semanas. estruturas utilizadas na locomoção e captura de alimento.

Os ciliados são os protozoários mais especializados por terem várias organelas para realizar processos vitais particulares. Os conteúdos dos vacúolos são ácidos inicialmente e depois tornam-se alcalinos. A reacção é semelhante ao encontrar um objecto sólido: inverte. o batimento ciliar inverte-se. constringe-se e começa a circular no endoplasma como um vacúolo digestivo. O vacúolo atinge um determinado tamanho. e os cílios do sulco oral trazem amostras de água e quando esta não conter mais estímolos indesejadas o animal move-se novamente para frente. Locomoção Os cílios batem para trás. o animal move-se para trás numa curta distância. para deslocar o paramecium para frente. O alimento é reunido na extremidade posterior da citofaringe em um vacúolo aquoso. Cada espécie possui forma constante e característica. um outro começa a se formar no seu lugar. No total os ciliados são os protozoários mais carecidos com os animais de vida livre. e a maioria delas têm um macronúcleo ou mais. Em baixo da película externa existe um sistema completo de grânulos basais e de fibrilas. universalmente presente para o funcionamento dos cílios da superfície. pequenos protozoários e algas. os quais servem para locomoção e captura de alimento. alguns são sésseis. alguns são comensais ou parasitas em outros animais. Este Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . gira. Alimentação e Digestão O Paramecium alimenta-se de bactérias. como na amiba o alimento é digerido pela acção das enzimas secretadas pelo endoplasma. vai para frente ate encontrar um caminho livre. relacionado com as funções vegetais ou de rotina e um ou mais micronúcleo pequenos importantes na reprodução.2011 . O batimento constante dos cílios no Sulco oral. Isto resulta em divisão de trabalho entre as partes do organismo. inpulciona uma corrente contendo alimentos na direcção do citoestoma. Quando nadando para frente o paramecium encontra um estimulo Químico desfavorável ele executa uma reacção de repulsa.33 Abdul Gafar Daúdo Os ciliados (em Latim cilium = cilios) possuem cílios durante toda a vida.

Respiração e excreção O oxigénio dissolvido na água circundante difunde-se através da película e dai por todo o organismo. ele contrai-se e descarrega para o exterior provavelmente através de um poro. e é mais rápido em água com escasso suprimento de sais dissolvido do que com concentração mais fortes. Crescem até tamanho completo antes que outra divisão ocorra. cada um contendo um conjunto de organelos celulares. Os dois Paramecium resultantes são de tamanho igual. aparece então um sulco transversal que divide o citoplasma. com a sua clorofila sintetizarem materiais orgânicos e produzem oxigénio necessário ao paramecium. A película funciona como uma membrana semipermeável.2011 . uma Segunda faringe forma-se dois vacúolos contrácteis.34 Abdul Gafar Daúdo processo continua até que o material digerido seja absolvido pelo protoplasma circundante e/ou armazenado ou usado para actividades vitais de crescimento. Divisão binária Na divisão binária o micronúcleo divide-se por mitoses em dois micronúcleos que se movem para extremidades opostas da célula e o macronúcleo divide-se transversalmente por amitose. conjugação e outras formas. Os vacúolos contráctil regulam o conteúdo da água do corpo e podem servir na excreção de restos nitrogenados como ureia e amónia. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Quando cada vacúolo atinge um certo tamanho. O dióxido de carbono produzido pelos protozoários na respiração serve para as algas. Reprodução O paramecium reproduz-se por divisão e também por vários tipos de reorganização nuclear. O dióxido de carbono e restos orgânicos resultantes do metabolismo são provavelmente excretados por difusão na direcção oposta. O rítimo de descarga do vacúolo varia com a temperatura e é mais rápido no animal inactivo do que no que este nadando.

Todos aqueles que resultam da divisão. isto diz respeito as qualidades bioquímicas dos cílios. Os parceiros de conjugação são hermafroditas. também de factores internos de hereditariedade e fisiologia. verifica-se em determinadas condições do meio. uma característica própria dos ciliados é a presença de dois núcleos. Dois animais na maior parte das vezes com a mesma forma. Os Paramecium só se conjugam quando pertencem a diferentes tipos de emparelhamento. depois da conjugação cada individuo continua. na qual apenas o macronúcleo se divide e citogamia. Conjugação Conjugação ou seja união parcial transitória de dois indivíduos na qual se trocam mutuamente núcleos. reprodução uniparental de um único indivíduo são conhecidos como um clone. O rítimo de multiplicação depende de condições externas e de alimento. os núcleos dos exconjugantes possuam uma nova guarnição cromossómica combinada. divisão assexual. 4. A conjugação difere da união sexual pois a progénese (filho) não é produto directo da fusão. A conjugação encontra-se apenas nos ciliados. 16.2011 . de modo que depois de realizada a separação. semelhante a conjugação mas sem troca mutual de pronúcleos. e ai se forma uma ponte citoplasmática. encontram-se um a outro. pela região oral. 8. idade de cultura e densidade da população. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . …2n indivíduo. e fornecem núcleos gaméticos de duas espécies que se comportam diferentemente. A conjugação é um processo que possibilita transferência hereditária pois os dois ex-conjugantes são simetricamente modificados pela troca de materiais nuclear (cromossomas).35 Abdul Gafar Daúdo Um único Paramecium da origem assim a 2. Em algumas espécies de Paramecium. o macronúcleo ou núcleo vegetativo e o micronúcleo ou núcleo germinativo responsável pela conjugação. autogamia-autofecundação. Outros tipos de reorganização nuclear são hemixia.

são uniformemente ciliados e não têm membranelas adorais. invadem de algumas vezes a parede intestinal e produz úlceras. ― Subclasse suctória: Os adultos desta subclasse são protozoários sésseis que tem ―tentáculos‖ protoplasmático delicados.2011 . em geral enquistam-se. mais complexos. Cílios adorais. Este è o único ciliado patogénico ao homem. dentro da qual o organismo pode retrair-se. Contém além de muitas espécies de vida livre. apresentam notáveis cílios adorais e formam muitas membranelas começando à direita e passando para a esquerda em torno do peristômio. ― Caracteriza-se pela presença de cílios altamente desenvolvidos em redor da boca. com poucos ou sem cilios em outros lugares. Esta é a maior subclasse. Algumas espécies são coloniais e outras secretam uma carapaça ou lórica. Possui na extremidade oposta da célula uma estrutura para fixação temporária ou permanente a objectos na água. porém não tem nem cílios nem citóstoma. desenvolvimento e a reprodução no homem é provocada provavelmente por cistos levados a boca pelas mão e com alimentos.Ex: o género vortícella comum em água doce. O alojamento.org/wiki/Ciliophora). sendo a presença de cílios simples o que os identifica. O Balantidium coli é um ciliado parasita. ― Subclasse Peritrichia distingue-se por uma região oral disciforme conspicuamente ciliada. As espécies são diversas em formas e vivem em vários tipos de água ou são parasitas. comum no intestino dos porcos que ocorre raramente no homem. (http://pt.wikipedia. algumas de estrutura peculiar que Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . ― Subclasse Spirotrichia “são protozoários que apresentam cílios esparsos e compostos. são geralmente ausentes‖. ―São protozoários que possuem cílios simples por toda a superfície do microorganismo ou ás vezes apenas em algumas partes dele. ― Subclasse Holotrichia. enquanto formas rastejadoras são frequentemente achatados.org/wiki/Ciliophora). O filo ciliophora é dividida em 4 subclasses conhecidas com base da estrutura ciliar e distribuições dos cílios no corpo.36 Abdul Gafar Daúdo Outros Paramecium As espécies de natação livre são em geral de forma elipsoidal a esférica. (http://pt.wikipedia. como Paramecium.

Pode ocorrer uma fase reprodutiva sexuada durante o ciclo vital (DE ARAUJO e BOSSOLAN.wikipedia. Muitas espécies são nocivas ao homem causando doenças como a malária causada pelo Plasmodium que é introduzido no homem por meio de esporozoítos através da picada do mosquito do gênero Anopheles. trançado + a. sem benefício ou prejuízo para seus hospedeiros. Possui duas formas de reprodução assexuada: a divisão múltipla e a esporogonia. ponta ou topo + complex. reino Protoctista). que é uma doença parasitária.org/wiki/Apicomplexa). são provavelmente apenas comensais. então. liberadas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . gorduras e proteínas do alimento do hospedeiro. (http://pt. Os representantes do filo apicomplexa são responsáveis pela malária. 2005). a não ser em certos gâmetas. Estes. São geralmente identificados com os esporozoários (filo Sporozoa. uma membrana plasmática circunda cada núcleo juntamente com parte do protoplasma da célula inicial. Também são chamados de Esporozoários (RUPPERT.37 Abdul Gafar Daúdo habitam partes do trato digestivo de mamíferos e herbívoros. Quando as divisões nucleares cessam. Apicomplexa (do latim apex. caracterizados pela presença de um complexo apical em algum dos estágios do seu ciclo de vida. várias células-filhas com um só núcleo de pequeno tamanho que são. isso dependerá da espécie em questão. São exclusivamente parasíticos e não apresentam flagelos nem pseudópodes. Formam-se assim. tais como vermes. Obtém alimento por absorção direta dos nutrientes dos organismos que parasitam. Muitas espécies têm ciclos vitais complicados. insectos e vertebrados. Para lembrar. Podem ser parasitas intra ou extracelular (ou ambos). com algumas fases se desenvolvendo num hospedeiro e outras em hospedeiros diferentes. são protozoários parasitas caracterizados pela ausência de estruturas empregadas na locomoção nas formas adultas. Esporozoários ou apicomplexa Os representantes deste filo são parasitas comuns de animais. eleita a nº 1 da humanidade. 2006:19).2011 . equinodermos. Estes animais digerem amidos. a divisão múltipla é aquela onde a célula inicial sofre várias divisões mitóticas sem que o citoplasma se divida. sufixo) é um grande grupo taxonómico de protozoários.

durante o ciclo reprodutivo dos esporozoários. tendo sido responsável pelo nome do grupo. essas células multiplicam-se originando muitos outros esporozoítos.38 Abdul Gafar Daúdo A esporogonia é um tipo de reprodução. invariavelmente. Na esporogonia formam-se várias células que lembram esporos. originando quatro esporozoítos com metade do número cromossómico do zigoto. característica dos esporozoários. Esse tipo de reprodução ocorre logo após a formação do zigoto. por isso denominadas esporozoítos. O zigoto geralmente sofre um encistamento e. uma divisão meiótica. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Por mitoses sucessivas.2011 . que são finalmente liberados do quisto.

html) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .Agosto . O sistema nervoso deles é em muitos grupos ainda com características primitivas mas na forma mais evoluída já temos um sistema nervoso desenvolvido com localização dorsal. esta teoria diz que os cloroplastos e as mitocôndrias (organelas celulares) dos organismos eucariontes (com um verdadeiro núcleo celular) têm origem num procarionte autotrófico – provavelmente um antepassado das cianobactéria actuais . O celoma está sempre presente. obtendo assim protecção e fornecendo ao hospedeiro a energia fornecida pela fotossíntese.Dia: 03. fisiologia e ecologia. morfologia.são aqueles em que o blastóporo ou seja a boca primitiva se transforma em ânus e a boca abre-se num outro lugar. nome vulgar. mas provavelmente de maiores dimensões. pois não existe evidência fóssil necessária para a construção da origem dos Metazoários que ocorreu a mais de um bilião de anos. a diversidade. criada por Lynn Margulis. Teoria que Sustenta a Origem e Evolução dos Metazoários Todas as teorias expostas são úteis e intelectualmente estimuladoras. Animais Deuterostómios . propõe que organelas ou organóides. encontramos também neles um esqueleto mesodérmico e também uma simetria bilateral.blogspot. mas entretanto são especulativas. Teoria da Endosimbiose A Teoria da Endosimbiose.2011 Metazoários 39 Abdul Gafar Daúdo Reconhece-se que o ramo da Biologia que estuda os seres vivos pertence ao Reino Animalia ou Metazoa e estes apresentam características comuns e divergentes. também unicelular. que compõem as células eucariontes tenham surgido como consequência de uma associação simbiótica estável entre organismos. O reino Metazoa pode ser monofilético. dentre estas características vale ressaltar o modo de vida. (http://mundosatuais. Mais especificamente.2011 . ou seja ter origem a partir de um único ancestral.que viveu em simbiose dentro de outro organismo.com/2010/05/teoria-da-endosimbiose. ou ser e ou polifilético.

voltada para o substrato e mais tarde teria ocorrido uma formação de uma semi-menbrana interna dos núcleos recém formados na superfície. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . As evidências que sustentam esta teoria sugerem:   Os espermatozóides flagelados ocorrem em todos os metazoários. rastejando com a sua cavidade oral. semelhança no hábito alimentar. presença de muitos cilios em uma mesma célula. Teorias Coanoflagelados (coloniais) ou teoria de planuloide Esta teoria defende que os animais evoluíram de colónias de protistas flagelados primitivos nos quais a condição de metazoários. começando com as células reprodutivas. isto é. esta nova camada epidérmica envolveria uma massa interna (endoderme) resultando um organismo semelhante a um platelminto acelomado (sem celoma). Surgiu pela indução de células em tecidos. Os poríferos teriam sua origem em um grupo de protistas e todos os outros metazoários teriam se originado de platelmintos acelomados.40 Abdul Gafar Daúdo Teoria Sincial/ Teoria da celularizacao Hadzi e Hanson. A teoria sincicial é suportada devido a similaridade existente entre ciliados e acelomadoss tais como: pequeno tamanho. Esta teoria ostenta uma origem difilética para metazoários. semelhança na localização.2011 . Teoria das Plantas É uma teoria que leva em consideração as plantas ostentando que os protozoários surgiram das plantas que mudaram a sua forma de nutrição (fotossíntese) para a ingestão. com simetria bilateral e com uma vida no fundo de água. entre outros. bilateralidade. Células somáticas monociliadas / ou flageladas são comuns aos metazoários busais. especialmente em esponjas e alguns cnidários. sugerem que animais multicelulares teriam se originado a partir de um grupo de protistas ciliados.

embora alguns já tenham simetria radial.com. sendo fixos na fase adulta.br/conteudos/Reinos2/bioporifero. pois cada célula alimenta-se por si própria. s/d: 133). A extremidade aberta é Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . por onde penetra a água conduzindo nutrientes. seu nome nos revela que as paredes do corpo são perfuradas por inúmeros poros. O registo fóssil data as esponjas desde a era précambriana‖ (SAMPAIO e MACHADO. consequentemente não apresentando órgãos. os poríferos. sem sistemas nervoso e muscular. porém alguns grupos vivem em águas profundas‖. representada pelos poríferos. e aneuromiários. madeira submersa ou coral para fornecer um substrato.sobiologia. Vivem isolados ou em colónias. são diblásticos. Estrutura A estrutura de uma esponja é simples: tem a forma de um tubo ou saco. as esponjas são animais marinhos. e depois à linhagem dos eumetazoários. com a extremidade fechada presa ao substrato. Várias são as hipóteses sobre a origem dos animais. devido a simbiose com algumas algas obrigando a viver em águas limpas para permitir a penetração dos raios solares usadas na fotossíntese das algas (AMARAL e MENDES.000 espécies modernas de esponjas conhecidas.2011 . os metazoários mais atrasados. Existem mais de 15. isto é. apresentam gâmetas. são desprovidos de gónadas. e muitas outras são descobertas a cada dia. são fluorescentes. dando origem primeiramente à linhagem dos parazoários (sub-reino Parazoa). (http://www. ―Eles são muito próximos a uma colónia celular. Uma das mais aceitas propõe que eles teriam derivado de protistas flagelados coloniais. gases e gâmetas. A maioria prefere águas relativamente rasas. portanto. Embriologicamente falando. conchas. muitas vezes ramificado. Características Gerais As esponjas são os primeiros animais pluricelulares da escala zoológica.php). no entanto. necessário à fixação.41 Abdul Gafar Daúdo Filo Porífera Acredita-se que os primeiros animais que surgiram na face da Terra tenham sido os poríferos. Elas abundam em todos os mares sempre que houver rochas. acelomados. embora existam espécies que vivem sobre areia ou lodo. s/d : 28) Segundo DE ARAUJO e BOSSOLAN (2006:27). ―Excepto 150 espécies são de água doce. são assimétricos.

as esponjas apresentam inúmeros poros.php A parede do corpo das esponjas é formada por diversos tipos de células.com. Como uma estrutura muito simples. as esponjas alimentam-se e respiram por filtração: a água entra no esponjocélio através de orifícios na parede do corpo (os hóstia) e sai pelo ósculo. Fig. como a amónia. s/d: 131). A parede das esponjas é formada por duas camadas de células. por tanto. Assim. juntamente com as contracções da parede. Junto ao ósculo. se denomina mesênquima.2011 .sobiologia. neste grupo.42 Abdul Gafar Daúdo chamada ósculo. ―A parede do esponjocele é forrada por células flageladas (os coanócitos) que. criam a corrente de renovação da água. na extremidade oposta. chamados óstios. encontramos as espículas para a sustentação e. com o interior formado pela matriz extracelular que. s/d : 29) . encontramos o disco pedal para a fixação (AMARAL e MENDES. óstios ou ostíolos. por onde a água penetra. 9 – Estrutura dos poríferos Fonte:http://www. a espongiocela é um canal simples ou múltiplo que se presta à circulação da água e o ósculo é a abertura superior através da qual saem a água e os produtos nitrogenados. A cavidade interior é a esponjocele‖ (SAMPAIO e MACHADO.br/conteudos/Reinos2/bio porifero. sustentadas por elementos esqueléticos de vários tipos: Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . o fluxo de água é portanto o seguinte: Meio externo → poro inalante → átrio → ósculo → meio → externo. na extremidade livre do corpo dos animais do filo Porífera . (à abertura principal do esponjocélio.as esponjas). para permitir que a água flua para dentro da espongiocele trazendo oxigénio e alimento. As paredes são perfuradas por buracos microscópicos.

responsáveis pela formação dos gâmetas. Estas células podem. (http://www. Estas Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . São células responsáveis pelo movimento de água através da esponja e pela obtenção de alimento.com. em vacúolos digestivos. Posteriormente os nutrientes são difundidos para a mesogleia ou célula a célula. Os nutrientes são filtrados pelo ―colarinho‖ da célula. que as atravessa de lado a lado. que não é uma estrutura sólida. ainda. sendo através delas que a água penetra no espongiocélio. (http://www.sobiologia. células flageladas (ou do colarinho) com uma expansão membranosa em forma de colarinho.com. ocorrendo uma digestão intracelular. ainda. presentes no mesênquima ou mesogleia (substância gelatinosa localizada entre as camadas de pinacócitos e coanócitos) e que são responsáveis pelo crescimento e capacidade de regeneração. ― Porócitos – células dotadas de um poro central. revestindo o átrio. encontra-se a camada dos coanócitos. são finas. Localizam-se a espaços regulares na parede do corpo da esponja.2011 que revestem o . mas antes um conjunto de pequenos bastonetes erectos e separados por espaços. Qualquer partícula orgânica ou microrganismo plantônico aprisionado no colarinho é encaminhado para baixo. espongiocélio e outras câmaras vibráteis internas das esponjas. apresentando esta um colarinho contráctil. formando uma espécie de epiderme designada pinacoderme (embora não seja um verdadeiro tecido).sobiologia.php) ― Coanócitos – localiza-se do lado do meso-hilo.br/conteudos/Reinos2/bioporifero. transferir os nutrientes presentes na mesogleia para as restantes células e retirar os produtos de excreção para o espongiocélio. com uma extremidade adjacente ao meso-hilo e a extremidade oposta projectada para dentro do átrio. os quais tem uma estrutura muito similar à dos protozoários coanoflagelados. pois podem originar todos os restantes tipos de célula (excepto os coanócitos) e produzir as espículas do esqueleto.br/conteudos/Reinos2/bioporifero. ― Amebócitos– células livres de vários tipos que se deslocam por movimentos amebóides. O coanócito é uma célula ovóide.php) O movimento dos seus flagelos cria a corrente de água que traz nutrientes e gases. São. coriáceas e estreitamente ligadas.43 Abdul Gafar Daúdo Pinacócitos – células achatadas de revestimento da parte externa. em direcção ao corpo celular e endocitado. designado poro inalante.

pode ser composto por espículas calcáreas. ou seja. fibras protéicas de espongina ou então por uma combinação das duas últimas.são células grandes com núcleo também grandes. Espículas monoáxonas têm o formato de agulhas ou bastonetes podendo ser rectas ou curvas. O meso-hilo contém também fibras colagéneas dispersas. o esqueleto para todo o filo das esponjas. Apesar das espículas frequentemente se projectarem através da pinacoderme.2011 . fornece a estrutura de sustentação para as células vivas do animal.php). silicosas. A cavidade do tubo forma os poros inalantes. As espículas podem ser de várias formas.44 Abdul Gafar Daúdo microscópicas aberturas podem ser reguladas pelo animal contraindo-se. Algumas esponjas são muito resistentes e têm uma consistência semelhante à borracha devido a quantidade de espongina presente no esqueleto. Nesta ordem de ideia. Abaixo da pinacoderme encontra-se uma camada chamada meso-hilo (ou mesênquima) que é constituída por uma matriz protéica gelatinosa contendo material esquelético e células amebóides. com extremidade afiladas ou ainda em forma de gancho.portalsaofrancisco.br/alfa/filo-porifera/filoporifera-1. O porócito é derivado de um pinacócito através do surgimento de uma perfuração intracelular. importantes para a identificação e classificação das espécies. células que possuem movimentos amebóide e são capazes de se diferenciarem em outros tipos de células. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Assim. O esqueleto. com capacidades fagocitárias que participam na digestão. ou óstios. os poros são formados por porócitos.com. mas algumas esponjas podem ter fibras grossas de colágeneo chamadas esponginas (proteína fibrosa). As esponjas de banho possuem apenas espongina no esqueleto (http://www. na qual tem a forma de um tubo que se estende desde a superfície externa até o átrio. que é relativamente complexo. s/d : 29). Vários tipos de células amebóides estão presentes no meso-hilo:  Arqueócitos . formando uma espécie de tecido muscular (SAMPAIO e MACHADO. o esqueleto se localiza primariamente no meso-hilo. que podem se abrir ou fechar por contracção. Também são capazes de se diferenciarem em outros tipos de células (células totipotentes).

A cavidade central do corpo é chamada átrio ou espongiocele. encontramos os seguintes tipos celulares: Pinacócito. numa forma que se relaciona com o caráter séssil (fixo) do grupo. A camada mais externa é dermal. A parede do corpo é formada por duas camadas celulares. denominada gastral.secretam o esqueleto de espongina.  Espongiócitos .são móveis e que também secretam tais fibras de colagéneo.secretam as espículas. Nos áscon. Na extremidade apical aparece uma grande abertura (o ósculo) que serve para a saída da água que continuamente atravessa o corpo da esponja. bem como nos outros dois tipos. Na estrutura siconóide.br/alfa/filo-porifera/filo-porifera- Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Miócitos e Amebócitos. através dos quais penetram água e partículas alimentares.portalsaofrancisco. de origem ectodérmica. no qual distinguimos dois tipos de canais: inalantes e exalantes.com. Neste tipo os coanócitos ficam restritos as evaginações as quais são (http://www. não existem órgãos diferenciados.45 Abdul Gafar Daúdo  Colêncitos . A parede do corpo é provida de um grande número de poros (daí o nome de porífera). Anatomia das esponjas A estrutura morfológica dos poríferos é bem peculiar.2011 . a parede do corpo torna-se dobrada horizontalmente formando protuberâncias digitiformes‖ (AMARAL e MENDES. Coanócitos. 4. distinguem-se diversos tipos celulares adaptados a determinadas funções. e a mais interna. incluem o conhecido gênero Sycon. fixado no substrato.células fixas.php). Porócitos. mas. tem origem endodérmica. Nas duas camadas celulares e no mesênquima. Entre as duas camadas celulares. ―Apresentam os primeiros estágios de dobramento da parede do corpo.  Esclerócitos . Este tipo de desenvolvimento produz bolsas externas estendendo-se para dentro a partir do exterior e evaginações que se estendem para fora a partir do átrio. Existem três tipos estruturais: Tipo asconóide ou Áscon – A forma primitiva dos espongiários é a de um tubo ou vaso. ficam ancoradas por fibras citoplasmáticas e que secretam as fibras de colagéneo dispersas. bem caracterizada por sistemas de canais para a circulação de água. há um mesênquima gelatinoso. s/d: 132).  Lofócitos . Tipo siconóide ou Sícon: é o tipo intermediário.

ficando a espongiocele reduzida. Esponjas leuconóides possuem câmaras vibráteis. As envaginaçãos da pinacoderme chamam-se canais aferentes. Os canais que ligam o exterior às câmaras vibráteis são denominados inalantes ou aferentes. Fig. a espongiocela e a camada externa do corpo do animal são revestidos por pinacócitos.2011 . Os dois canais se comunicam através de aberturas chamadas prosópilas – equivalentes aos poros do tipo asconóide. canais flagelados. Tipo lêucon ou Leuconáide: também chamado de rágon. átrio e ósculo. s/d: 132). Devido ao sistema de canais mais desenvolvido.46 Abdul Gafar Daúdo chamadas canais radiais ou flagelados. Muitas esponjas (a maioria) são constituídas segundo a arquitetura leuconóides. Em leuconóides. As câmaras vibráteis são assim denominadas devido à vibração produzida pelo batimento dos flagelos das células com colarinho. As esponjas leuconóides são compostas por uma massa de câmaras flageladas e canais hídricos e podem atingir um tamanho considerável. em lêucon. o mesênquima toma quase todo o espaço do corpo. todos os canais. Estes são os únicos locais onde os coanócitos estão presentes. fato que põe em evidência a eficácia desse tipo de estrutura.blogspot. sendo estes revestidos por pinacócitos.com/ 2010/10/filo-porifera. 10 – Tipos morfológicos das esponjas Fonte: http://lifebiologia. formadas por coanócitos. Já os canais que promovem a comunicação destas câmaras com a espongiocela são chamados de exalantes ou eferentes. Entre os canais inalante e exalante encontramos a câmara vibrátil que se comunica com outras câmaras e desemboca no átrio‖ (AMARAL e MENDES. Na estrutura siconóide a água flui através dos canais aferentes. ―É o tipo mais complexo.html Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . prosópilas.

e o coanócito. que representam o endoesqueleto mineral (calcário ou silicoso). 2006:32). que fabricam uma proteína chamada espongina. dianoflagelados e outros pequenos seres planctônicos. Os outros 20% constituem bactérias. Estudos efectuados em três espécies de esponjas jamaicanas mostraram que 80% da matéria orgânica filtrável consumida por estas esponjas tem um tamanho inferior àquele que pode ser resolvido pela microscopia comum.2011 . Quimicamente é uma escleroproteína como a do cabelo. s/d: 133). A posição de ambas depende do tipo de esponja‖. com colarinho e flagelo.com/2010/10/filo-porifera. ―A pele das esponjas apresenta dois tipos de células: o pinacócito.47 Abdul Gafar Daúdo Nutrição As esponjas se alimentam de material em partículas extremamente fino. Aparentemente. A captação de partículas resulta provavelmente do fluxo de água através das microvilosidades que compõem o colarinho (http://lifebiologia. as partículas de alimento são selecionadas principalmente com base em seu tamanho. Apenas partículas menores que um certo tamanho podem entrar nos poros dérmicos. Há também o endoesqueleto orgânico formado por células denominadas espongioblastos ou espongiócitos. Revestimento Segundo AMARAL e MENDES (s/d: 132). da unha ou do chifre. essas são partículas finalmente filtradas pelos coanócitos. os escleroblastos ou esclerócitos‖ (AMARAL e MENDES. ―Partículas grandes (5 a 50 µm) são fagocitadas por células que revestem os canais inalantes. Sustentação ―A sustentação é realizada pelas espículas.html). Partículas com dimensões bacterianas ou ainda menores (menor que 1 µm) são removidas e engolfadas pelos coanócitos‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. que são células achatadas. sendo retiradas no curso de sua passagem pelas câmaras flageladas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .blogspot. originado a partir de células especiais da mesogléia.

bem caracterizada por sistemas de canais para a circulação de água. logo é um animal filtrador‖ (AMARAL e MENDES. s/d: 133). ―Não há nos poríferos: sistemas digestivo. Dos coanócitos. formando vacúolos digestivos.blogspot. Excreção ―As trocas gasosas ocorrem por simples difusão entre a água que entra e as células do animal. excretor e reprodutivo. portanto. As excretas nitrogenadas (particularmente amónia) saem do organismo junto com a corrente de água. sistema circulatório‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. que o distribuem a outras células. só há dois sistemas nas esponjas: o tegumentário e o Esquelético.2011 .com/2010/10/filo-porifera. Os coanócitos capturam o alimento por fagocitose. além do nervoso e muscular‖ (AMARAL e MENDES. portanto a digestão é exclusivamente intracelular como nos protozoários. circulatório. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Nutrição A esponja nutre-se de partículas de matéria orgânica e de plâncton.48 Abdul Gafar Daúdo Morfologia dos poríferos A estrutura morfológica dos poríferos é bem simples. diminutos organismos existentes na água. especialmente ao redor do ósculo. numa forma que se relaciona com o caráter séssil (fixo) do grupo. 2006:32). Nas esponjas (Poríferos) não há células sensitivas ou nervosas definidas mas as esponjas reagem ao toque. As reacções são localizadas e a coordenação é em função da transmissão de substâncias mensageiras por difusão no meso-hilo ou por células amebóides se locomovendo. Não há. Pode também ocorrer entre células fixas que estejam em contacto (http://lifebiologia. ou seja. isto é. Sistema nervoso Não existe sistema nervoso ou são difusos. o alimento passa para os amebócitos. respiratório. ―A esponja não possui boca nem cavidade digestiva.html). e os estímulos são conduzidos lentamente de célula a célula. s/d: 133).

As gêmulas resistem à época de seca dos rios. Os gâmetas são formados em células chamadas gonócitos. junto com a corrente de água. onde a água circula graças aos batimentos flagelares dos coanócitos e as partículas alimentares se movimentam de célula para célula. Sexuada A maior parte das esponjas é hermafrodita. Assexuada  Brotamento: surge um broto no corpo da esponja formados por amebócitos (estatócitos). estruturas de resistência que se formam no interior do corpo da esponja. Respiração O oxigénio e o gás carbónico entram e saem por difusão das células (respiração cutânea) e são levados pela corrente de água. desenvolvem-se e originam novos indivíduos. pois as esponjas possuem um grande poder de regeneração.2011 . que pode se soltar e dar origem à um novo indivíduo. São compostas por células indiferenciadas e protegidas por um envoltório rígido. Os espermatozóides saem da esponja pelo ósculo e penetram em outra esponja pelos poros. Formam-se gêmulas. que são derivadas dos amebócitos. Também pode ocorrer pela pele (excreção cutânea). Reprodução As esponjas apresentam reprodução sexuada e assexuada.  Fragmentação: pequenos fragmentos de uma esponja podem dar origem a novos indivíduos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  Gemulação: ocorre na família Espongilidae espécies de água doce. perdurando após a morte da esponjamãe. s/d: 133). Na época das chuvas. principalmente devido aos amebócitos‖ (AMARAL e MENDES.49 Abdul Gafar Daúdo A excreção é feita pelo ósculo em forma de amónia. Circulação ―Esta ocorre no interior do átrio.

net/andreapoca/porferos-449596). no esqueleto mineralizado. de vida livre. Quando o esqueleto é silicioso e se encontra fundido em rede litistida ou pétrea é frequente originarem fósseis bem preservados. mas nunca triaxónicas. Há representantes de água doce‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. na forma das espículas e no tipo de rede esquelética por elas gerado. Organismos marinhos. daí que a sua classificação se baseie na composição do esqueleto. normalmente. (http://www. O nome Hexactinellida vem do fato que as espículas são do tipo com seis pontas ou hexáctinas. 2006:33). Classe Hyalospongea (= Hexatinellida) ―Os representantes dessa classe são conhecidos como esponjas-de-vidro. fundamentalmente. conclui-se que as esponjas provavelmente constituem um ramo evolutivo precoce que não deu origem a outros grupos. nos seus tecidos moles e. ―Todas as Demospongiae são leuconóides. Logo. No estado fóssil apenas se conserva o esqueleto mineralizado. também.50 Abdul Gafar Daúdo São capturados pelos coanócitos e transferidos até os óvulos presentes no meso-hilo onde ocorre a fecundação. Classe Demospongea Esponjas com esqueleto de esponjina. Exemplo: Spheciospongia com mais de 1 m de diâmetro e altura. tetraxónicas (dêsmas) ou poliaxónicas. que é portanto. pois poderiam ter origem independente dos protozoários flagelados. interna (na mesogléia). de duas dimensões (micro e macroscleras). que abandona a esponja e nada até se fixar em um substrato e dar origem a um novo indivíduo.2011 . silicioso ou misto. a larva sofre uma reorganização interna comparável à gastrulação de outros animais‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. salobros e dulcícolas. Classificação A classificação das esponjas actuais baseia-se. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . As maiores esponjas conhecidas pertencem a essa classe.slideshare. Do ovo surgirá uma larva ciliada. Espículas mono. ―Depois de se fixar através da extremidade anterior. e promovem a fecundação. 2006:32).

não originando redes. frequentemente fundidas em rede. 2006:33). Sycon e Leucon) são encontrados. conhecidos como esponjas calcáreas.51 Abdul Gafar Daúdo Além disso. pois o esqueleto é silícios e pode encontrar-se fundido em rede.2011 . de duas dimensões (micro e macroscleras). A forma siconóide é dominante‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Esponjas marinhas com esqueleto calcário. Espículas. frequentemente algumas espículas estão fundidas formando um esqueleto que pode ser reticulado. calcítico. Em muitas destas esponjas existem sistemas de canais dendríticos que confluem em elevações à superfície da colónia. A maioria das espécies tem menos de 10 cm de altura‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. hexarradiadas. distinguem-se por possuírem espículas compostas de CaCO . Tipicamente. apresentam espículas de uma única dimensão. É frequente originarem fósseis bem preservados. Estas esponjas marinhas de profundidade apresentam esqueleto silícico. normalmente formado por espículas triaxónicas. Os três graus de estruturas (Ascon. 2006:33). Por isso elas são então chamadas de esponjas-de-vidro. Classe Sclerospongea Esponjas coloniais com esqueleto basal calcário laminar coberto por tecido vivo que segrega microscleras siliciosas e fibras de espongina. Classe Calcispongea (= Calcária) ―Os membros dessa classe. normalmente. normalmente separadas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . constituído por longas fibras silicosas. Nas outras classes as espículas são 3 invariavelmente silicosas. Espículas tipicamente monoaxónicas e/ou tetraxónicas.

2011 . (http://www. de compartilharem de algumas semelhanças morfológicas fundamentais. Esses dois filos que compartilham de certos aspectos fundamentais comuns. não encontrados em outros filos. Estes dois filos destinguem-se das esponjas porque.br/alfa/filo-cnidaria/filo-cnidaria-1. poros anais e um complexo de órgão dos sentidos. são muito relacionados e já foram considerados um único filo. As duas camadas de tecidos são separadas por uma mesogleia (camada não-viva) semelhante a uma gelatina.Agosto . Ambos os filos compreendem animais diploblásticos de organização do grau de tecidos. estes são os primeiros metazoa como também sua cavidade interna principal é uma cavidade digestiva.com. os cnidários não apresentam. o único aspecto interno. de terem sido agrupados anteriormente em um único filo.portalsaofrancisco.  Os ctenoforos tem fileiras de placas ciliadas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . sem órgãos ou sistemas de órgãos. Apesar dos dois filos serem superficialmente semelhantes. o dos coelenterata.  Os cnidários são polimorficos com diversos estágios de polipo e medosa enquanto os ctenoforos são exclusivamente monomorficos. com um padrão de simetria radial ou biradial. Outro aspecto semelhante e a cavidade gastrovascular central.  Os ctenóforos tem um desenvolvimento especiais do embrião que cujo estas não são encontrados nos cnidários. existem diferenças suficientes entre eles para colocalos em filos separados. ambos têm camadas de tecidos verdadeiros consequentemente.Dia: 11.2011 Filo dos Radiatas (Cnidaria e Ctenophora) 52 Abdul Gafar Daúdo Os filos cnidaria e ctenophora. Nenhum outro filo invertebrado apresenta esta combinação de aspectos. com uma variação na sua espessura.php). Principais diferenças entre os cnidários e ctenóphora são:  Os cnidários tem nematocitos enquanto que os ctenoforos não os apresentam (excepto uma espécie).

2011 . alguns corais são usados em joalharia e arte decorativa. Já a denominação Cnidaria provém de estruturas (células) de defesa características do filo. incluía os pentes do mar. os nematocistos de certas citomedusas e sifonóforos ocasionalmente queimam banhistas e alguns são altamente perigosos. chamadas cnidócitos‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. actualmente considerado um filo separado. composto por animais também gelatinosos como as medusas. com pouca ou muita mesogleia intercalada. O nome de cnidários provém do grego Knide. para defesa e captura de alimentos e também o surgimento de uma cavidade gástrica ou entérica. (AMARAL e MENDES. e uma cavidade digestiva. protostômios e neuromiários (com sistemas nervoso e muscular) e são exclusivamente aquáticos. nematocitos em uma das duas ou em ambas as camadas (diblásticos). chamada cavidade gastrovascular. Existe uma boca.53 Abdul Gafar Daúdo Filo Cnidários ou Coelenterata O filo Cuidaria inclui as hidras. que significa cavidade e entero que quer dizer intestino. principalmente marinhos. O antigo nome celenterados provém de cele. que significa ―urtiga‖. O filo era também chamado Coelenterata (das palavras gregas ―coela‖. as medusas ou águas-vivas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . ―A importância médica dos celenterados está relacionada com a hipnotoxina. os corais e anémonas-domar. sugere a existência de células urticantes chamadas cnidoblastos. mas com algumas características próprias.  Corpo com 2 camadas de células. s/d: 134). originalmente. Os cnidários também são de pequena actividade económica. Características gerais  Simetria radial ao redor de um eixo oral-aboral. acelomados. sem cabeça ou segmentação. que. em termos embriológicos eles são diblásticos. o mesmo que cela = espaço vazio e enteros = intestino). s/d: 134). circundada por tentáculos. proteína de natureza cáustica que pode matar um indivíduo por choque anafilático‖ (AMARAL e MENDES. 2006:34). ―Nos cnidários nota-se o início de uma organização tecidual. uma epiderme externa e uma gastroderme interna.

mas sem ductos genitais. a qual é de vida livre e pólipo. Morfologia ―Os membros deste filo podem apresentar-se em duas formas estruturais distintas: medusa. alguns com gônadas simples. fibras musculares nos epitélios. se deslocar através de movimentos tipo “mede-palmos” e por cambalhotas (por exemplo. uma larva ciliada. cnidária e ctenophora.54 Abdul Gafar Daúdo  Esqueleto calcário.  Reprodução especialmente com brotamento (assexuada) no estágio fixo (polipo) e com reprodução sexuada por gâmetas no estágio de medusa. O pólipo pode. cnidarios e ctenoforos como os coeleterata e somente em 1888 Hatsechek separou-os como filos distintos. córneo ou ausente. Quando a sua natureza animal foi estabelecida no SEC XVIII. são minóicos ou dióicos. Durante muito tempo foram incluídos nos zoophyta (gr. conchas). que pode ser ramificada ou dividida por septos.  Uma rede difusa de células nervosas não polimerizadas na parede do corpo e sem sistema nervoso central. alguns com manchas ocelares ou estatocistos.  Clivagem holoblástica. Leuckart em 1847 reuniu as esponjas.animais-plantas) juntamente com formas variadas desde esponjas até ascidias.2011 .  Cnidocitos contendo nematocistos (organelas urticantes) presentes em todos e empregados na captura de alimento e na defesa.  Boca circundada por tentáculos moles e ligada a uma cavidade digestiva (gastrovascular) em forma de saco. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  Sem órgão circulatórios. Lineu e outros classificaram-nos com os equinodermos como radiata devido a sua simetria. em certas circunstâncias. as hidras)‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. 2006:34). As qualidades urticantes dos cnidários eram conhecidas por Aristóteles. que considerava estes organismos como intermediários entre plantas e animais. sem ânus. a boca forma-se do blastóporo. porífera. a planula. que vive fixo em substratos (rochas. respiratórios ou excretores.

gonozooides para reprodução. etc) ou pode haver vários tipos diferentes de pólipos em uma mesma colônia com funções especificas. Os pólipos podem ser solitários ou formar extensa colônias. tomando a forma de sino. s/d: 135). que. única abertura corporal. sustentada pelo hipóstoma e rodeada por um conjunto de tentáculos. são de habito sedentário e se encontram fixos ao substrato através de um disco aboral adesivo. Estes não possuem verso. Muitas espécies de cnidários podem apresentar as duas formas em seu ciclo de vida. Na porção inferior há um disco basal para fixação. As medusas são geralmente de vida livre (exceção das estauromedusas) podendo ser planctônicas ou excelentes nadadoras pelágicas. bolsas ou canais. Os pólipos são geralmente fixos. ausente nos poríferos. A cavidade interna tem função digestiva e recebe várias designações: cavidade gástrica. São animais basicamente diploblásticos que apresentam simetria radial primaria e externa retida na forma adulta. o eixo oral-aboral é curto e o corpo alarga-se. Uma característica que distingue os cnidários dos outros animais é sua estrutura simples. desprovidos de esqueleto e com pouca mesogléia.2011 . entre outras). defesa. enquanto que na extremidade oposta localizase a boca. campânula ou cubo. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . em principio. e a boca. o plano corporal dos cnidários apresenta dois padrões básicos. apresentando uma alternância de gerações (metagenesis). não tendo ramificações. A forma pólipo tem o eixo de simetria oral-aboral alongado. Descrição de um pólipo ―Na forma jovem.55 Abdul Gafar Daúdo Assim. Nas medusas. O eixo antero-posterior da larva se torna o eixo oral-aboral do adulto. denominada cavidade gastrovascular ou celêntero. conferindo-lhe a forma coluna ou cilíndrica. um saco simples ou dividido em câmaras. reprodução. entérica ou gastrovascular. se diferencia pouco após da fase de gástrula. isto se denomina polimorfismo (gastrozooides com função alimentícia. é uma novidade evolutiva dos eumetazoários já presente nos cnidários. que podem ser ocos ou maciços‖ (AMARAL e MENDES. é rodeada por tentáculos. o animal ostenta um aspecto tubular ou de cilindro. A cavidade digestiva. Os pólipos podem ser de um único tipo que desenvolve todas a funções vitais (alimentação. o pólipo e a medusa. dactilozooides para defesa.

s/d: 135). Sistema Respiratório .É a parte tubulosa da medusa. formando o sistema nervoso do tipo difuso. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Sendo assim. A digestão é primeiro extracelular e depois intracelular‖ (AMARAL e MENDES. A respiração é aeróbia. Umbrela . a digestão é extra e intracelular. Na extremidade livre fica a boca.2011 . 1997:367). Há ainda arco reflexo simples‖ (AMARAL e MENDES. porém o tubo digestivo é incompleto. Sistema nervoso ―Surge pela primeira vez na escala zoológica. funcionando. O corpo dos celenterados possui uma abertura que tem a função de boca. como se fosse o ânus. que corresponde ao cabo do guardachuva. saculiforme.56 Abdul Gafar Daúdo Sistema digestivo ―Surge pela primeira vez na escala evolutiva. O sistema nervoso dos celenterados é do tipo difuso ou reticular. Descrição de uma medusa Na fase adulta o animal ostenta forma de guarda-chuva ou cogumelo. falta o ânus. simples ou dividida por septos. há uma rede de protoneurônios na mesogléia.É a parte mais volumosa da medusa. É rodeada por tentáculos e está ligada a uma extensa cavidade digestória. Manúbrio ou cabo . portanto. s/d: 135). que corresponde ao pano do guardachuva. que serve como porta de entrada dos alimentos e também de saída de catabólitos. as células nervosas estão localizadas na mesogléia. Não possuem cérebro. constituído por células nervosas que estão interligadas umas as outras formando uma rede nervosa. isto é. Embora não haja sistema nervoso central (SNC).Não possuem órgãos especializados para a respiração. Reprodução .Geralmente ocorre por metagênese (alternâncias de gerações) na qual a fase assexuada é representada pelo pólipo e a fase sexuada é representada pela medusa (SOARES.

algumas medusas. os cnidócitos descarregam os nematocistos que podem prender. entre eles os penetrantes. As medusas que o possuem são ditas craspédotas. Fig. 11. Modos de vida As medusas são móveis. mas é particularmente abundante nos tentáculos. como as da classe Hydrozoa. paralisar ou inocular substâncias tóxicas na presa. a garrafa-azul e os corais-de-fogo. Classificação científica O filo Cnidária está dividido em quatro classes de organismos: ― Cubozoa .as hidras. Existem vários tipos de nematocistos. Os cnidócitos são células ovóides que contêm no seu interior uma cápsula com um tubo enrolado chamada nematocisto. ― Hydrozoa . Tentáculos ou braços orais .57 Abdul Gafar Daúdo Véu ou craspedon .São formações alongadas que se prendem na umbrela e que se localizam geralmente ao redor da boca. A célula característica do filo é chamada cnidócito. Quando ocorre algum tipo de estímulo mecânico ou químico. Esta tem a função de defesa e captura de alimento.É um órgão que favorece a locomoção. e as que não o possuem são chamadas acraspédotas.2011 . os volventes e glutinantes.Estrutura de um pólipo e da medusa.as medusas em forma de cubo. Localiza-se por toda a epiderme. planctônicas e sempre solidárias. como as da classe Scyphozoa. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .

58 Abdul Gafar Daúdo ― Scyphozoa.as anêmonas-do-mar e corais verdadeiros.2011 .as verdadeiras água-vivas. peixes. ― Anthozoa . A estrutura está muito relacionada com a forma e o modo de vida desse grupo de animais. Os cnidários alimentam-se de crustáceos. larvas de insectos. Uma característica marcante desse grupo é a presença de células modificadas que promovem a defesa do animal e constituem a captura de alimentos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .

 O sistema nervoso é bem definido. córnea e retina). Os cubopólipos das espécies com ciclos habitam em estuários e mangais.  Quatro pedálios (expansões de mesogléia rígida próximos à margem umbrelar).  No interior do pedálio existe um canal gastrovascular que se ramifica para cada lobo e tentáculos. com face aboral e arestas levemente arredondada.2011 . mas posicionado mais internamente e apresenta canais gastrovasculares).2011 Classe Cubozoa (cubomedusas ou vespas-do-mar) 59 Abdul Gafar Daúdo A maioria dos animais desta classe. um par de océlos simples ou olhos complexos (cristalino. semelhante ao véu da hidromesas. As sinapomorfias da classe são: forma cubóide da medusa. com um anel nervoso marginal. nervos radiais e um plexo subumbrelar com oito gânglios (provável centro nervoso).  O estômago abre-se em quatro bolsas gástricas.Dia: 15.  Quatro ropálios com estatocisto. a cubomedusa mais perigosa aos seres humanos é encontrada na Austrália. presença de velário (dobra da subumbrela. Abundam em mares tropicais e subtropicais.  No lado interno da margem umbrelar. são tóxicos.  Em cada pedálio insere-se um ou vários tentáculos com anéis de nematocistos. Também existem quatro pares de projecções cónicas mesogleais de função desconhecida. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . observa-se o velário com canais do sistema gastrovascular conectados com as bolsas gástricas.  O manúbrio no centro da cavidade subumbrelar não se estende em braços orais. separadas por septos onde se inserem as gônadas.Agosto . Morfologia Interna  A boca na extremidade do manúbrio contornada por quatro lábios triangulares. Morfologia Externa  Medusa é cubóide.

2006:35). (DE ARAUJO e BOSSOLAN. a parte inferior a princípio estreitada. ou então as duas durante o ciclo de vida. a gastroderme não apresenta nematocistos e as gônadas são epidérmicas ou. em torno da qual há Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . B – Corte longitudinal Classe Hydrozoa Nesta classe encontram-se um grande número de cnidários. se gastrodérmicas. muito pequenos e pouco conhecidos que apresentam duas formas: Hidopolipos e hidromeduzas. O corpo dos hidrozoários é como se fosse um saco alongado com parede espessa. (AMARAL e MENDES. Nos hidrozoários a mesogleia jamais é celular. s/d: 136). A – Vista lateral. Esta última. são destacados a Hydra.2011 . Os hidrozoários podem apresentar tanto a forma polipóide como medusóide. Dentre os membros mais estudados. nada mais é do que uma colónia natante com uma estrutura flutuante . a boca. que é de água doce. os óvulos e espermatozóides são emitidos directamente para o exterior e não para dentro da cavidade gastrovascular. na qual desapareceu o estágio medusóides.60 Abdul Gafar Daúdo Fig. Entretanto eles são animais isolados ou coloniais. 12 – Chiropsalmus quadrumanus. Obelia que apresenta os dois estágios (pólipo e medusa) durante o seu ciclo de vida e a caravela portuguesa (Physalia). apresentando na extremidade um orifício. Se alarga em disco pedal adesivo e a parte superior em cone elevado. Estas características servem como união de todos os membros desta classe.o flutuador cheio de gás.

 As gônadas são epidérmicas. uma epiderme externa fina de células cúbicas de função principalmente protectora e sensitiva e internamente uma gastroderme mais espessa de células altas servindo principalmente à digestão.61 Abdul Gafar Daúdo uma coroa de seis a dez tentáculos mais longos que o corpo. glandular ou digestivas.  Podem ter a forma de pólipo. ou.funcionam como músculos longitudinais que contraem para encurtar o pedúnculo do corpo e os testículos. gravetos ou vegetação aquática. Os óvulos e espermatozóides são liberados no exterior e nunca na cavidade gastrovascular. Nutrem-se de pequenos animais que passam ao alcance de seus tentáculos muito distensíveis e retrácteis. O número de tentáculos difere entre as espécies e aumenta com a idade e tamanho do indivíduo. limpa e geralmente permanentes de lagos e tanques. através do veneno cnidocistos.  A gastroderme não possui nematocistos. fixando-se a pedras. 1. com os quais elas paralisam esses animais. intersticial. As células epitélio digestivas da gastroderme são a principal parte do revestimento do intestino e Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . fixando-se pela boca e deslocando o disco basal de seu suporte.Células epitélio musculares . fria. Estrutura celular e função A parede do corpo e dos tentáculos consiste de apenas duas camadas de células. e os prendem para transporta-los a boca. Entre as duas células há uma fina mesogleia acelular que fornece apoio elástico para o corpo e os tentáculos. Ambas as camadas são compostas de vários tipos de células.2011 .  A mesogleia nunca é celular. então executando cambalhotas.  Podem ser solitários ou coloniais. de medusa ou ambas durante o seu cicio de vida. A hydra geralmente é fixa mas pode deslocar-se por deslizamento graças ao seu pé. que são: epitélio muscular. cnidocitica e sensitivo. Modo de vida As hydras vivem em água doce.

indiferenciadas. os outros produzem uma secreção pegajosa possivelmente usada na locomoção.Células glandulares . difundidas na água. O tubo filiforme quando descarregado.  Os volventes contém um fio curto e espesso em uma só volta. com um núcleo grande encontradas entre as bases das células epidérmicas. 2. Portanto são básicas para a regeneração e substituição de todas as partes do corpo. a hidra possui quarto tipos de nematocistos que são:  Os penetrantes têm um longo tubo filiforme enrolado que contém na base três espinhos. tem um longo fio que contém espinhos diminutos e pode-se enrolar após a descarga. Em alguns casos apresentam um fio que é causado pelo aumento da pressão osmótica dentro da cápsula.62 Abdul Gafar Daúdo funcionam activamente na digestão do alimento. este enrola-se fortemente em tomo das cerdas da presa. Substâncias de pequenos crustáceos. tais como cnidocitos e gâmetas. Segundo DE ARAUJO e BOSSOLAN (2006:35) “Os cnidocitos.são células pequenas arredondadas.secretam um muco pegajoso com a qual a hidra se fixa a objectos na água. quando descarregado o tubo filiforme explode para fora para perfurar a pele de pequenos animais e injectar um líquido (hipnotoxina) que paralisa a presa. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . elas estão espalhadas na gastroderme onde secretam as enzimas que digerem o alimento. Elas têm o potencial de produzir todos os outros tipos celulares. essas partes voltam para o intestino e são digeridas sendo substituídas por novas células e cápsulas que se formam. Fibrilas contrateis ao redor da boca e da base dos tentáculos funcionam como esfíncteres para fechar estas aberturas. bem como na apreensão do alimento. Os primeiros dois tipos são de particular valor na captura de presas. vermes e larvas das quais a hidra se alimenta. na descarga. muitas vezes provocam descarga nesses animais.2011 . são células especializadas que contém o aparelho urticante único dos cnidários o nematocisto‖. estas células podem também produzir uma bolha de gás.  Os glutinantes estreptolineos ovais.Células intersticiais . o cnidocito não pode formar outro nematocisto.  Os pequenos glutinantes estereolineos descarregam um fio recto não armado. 3.

perto da boca e ao redor do disco basal.espalhadas pela epiderme. pode ainda deslizar ao longo do substrato por uma acção semelhantes a pseudópodes. enquanto que porções mais duras (como quitina) não são afectadas. Pode-se mover de várias formas. Resíduos indigeriveis saem pela boca que funciona também como ânus. partes moles destes tornam-se separadas e liquefeitas. O contacto da presa com os tentáculos provoca a descarga dos nematocistos. e move o disco basal para um novo local. usando tentáculos como pernas. contracções da parede do corpo e movimentos vibráteis dos flagelos das células digestivas põem estas secreções em contacto com todas as partes do alimento. Não há gânglio central ou cerebelo como ocorre nos platelmintes e outros metazoarios superiores. Expansões.63 Abdul Gafar Daúdo 4. Alimentação As hydras são carnívoras. O alimento absorvido principalmente o glicogénio é armazenado localmente em células da Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . adjacente a mesogleia. Ocasionalmente usa uma bolha de gás secretada em muco para flutuar na superfície. liberta os tentáculos e novamente assume uma posição vertical. A base das células sensitivas liga-se às células nervosas que formam uma rede na epiderme. Locomoção O líquido de cavidade gastrovascular funciona como esqueleto Hidraulico. Algumas vezes ela caminha invertida. alimentando-se principalmente de pequenos crustáceos. são mais numerosas nos tentáculos. Digestão Parte da digestão é completada na cavidade gastrovascular e os materiais parcialmente digeridos são absorvidos pelas células da gastroderme onde a digestão é intracelular.2011 .Células sensitivas nervosas . um pequeno número ocorre na gastroderme. A hidra vive fixa pelo seu disco basal a objectos na água. que envolvem e paralisam a presa levando-a até a boca. Frequentemente dobra-se fixando os tentáculos ao substrato pelo uso de nematocistos glutinantes. mas é capaz de dobrar-se para realizar movimentos para captura de presas e para mudar a sua localização.

Quando completase esse processo. expondo-o ao meio exterior.Sexuada: quase todas as hidras são dióicas. após seu aumento de tamanho. Existem células especiais na epiderme do pólipo que dão origem aos óvulos e espermatozóides. o embrião encapsulado destaca-se do corpo parental e permanece em sua cápsula protetora durante todo o inverno.64 Abdul Gafar Daúdo gastroderme.Muito primitivo. Estas se reproduzem sexuadamente através da liberação de espermatozóides e óvulos na água. Respiração e excreção . No caso do óvulo. há ruptura da epiderme. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Após a fecundação forma-se uma larva ciliada plânula que se fixa a um substrato e desenvolve novamente um pólipo adulto. Em Hydra a maioria é dióica e a reprodução ocorre principalmente no outono. Sistema nervoso .2011 . normalmente dióicas.Assexuada: por gemação (brotamento). que se agrupam para formar ovários e testículos. Após a fecundação o ovo é recoberto por uma capa quitinosa. Cada ovário produz apenas um óvulo que fica exposto. O pólipo produz assexuadamente medusas livre-natantes. ou seja. Neste género ocorre metagênese. Após a fecundação o ovo forma uma casca e se desprende da mãe. Reprodução 1. onde há brotos ou gônadas em formação. de onde as necessidades de epiderme são provavelmente supridas por difusão. Em Obelia existem as formas polipóides e medusóides. abaixo da epiderme e principalmente ao redor da boca. As células reprodutivas se originam de células intersticiais. há alternância de gerações entre pólipos e medusas. 2. Somente na primavera a cápsula amolece e a hidra jovem emerge. Apresentam grande capacidade de regeneração. As células nervosas estão dispostas em uma rede. dando origem a uma nova hidra.Estes animais não têm órgãos respiratórios nem excretores – acontece a difusão pela parede de corpo. um único fecunda o óvulo. Dentre muitos espermatozóides liberados na água. Materiais armazenados tendem a concentrar-se onde o metabolismo é activo.

65
Abdul Gafar Daúdo

Forma de pólipo  Hydra- género solitário de água doce.  Nas colónias: epiderme, mesogleia, gastroderme e cavidades gastrovasculares continua a todos os membros. Fixação por estolo ou hidroliza.  Crescimento - monopodial e simpodial.  Hidroides com cobertura quitinosa de sustentação (perisarco).  Polimosfismo: gastrozooide — alimentação; dactilozooides — defesa; gonozooides — reprodutores. Forma de medusa  Pequenas, formadas por uma umbrella com véu (hydromedusas)  Na boca possui cnidocitos e se abre no manubrio.  Do estômago saem 4 canais radiais que se unem a um canal circular, que se situa na margem da umbrella.  Seu sistema muscular, é mais especializado e restrito a epiderme que tem como função a natação.  Sistema nervoso: dois anéis próximo a umbrella (ocelos e estatocistos). Classe Scyphozoa Segundo AMARAL e MENDES (s/d:136) Nesta classe ―compreende animais isolados, que apresentam duas formas: cifopolipos e cifomedusas sendo a forma predominante a meduza‖. Neste contexto, o representante mais conhecido é a Aurélia aurita (medusa), esta encontra-se numa forma côncava, possui tentáculos e encontram-se separados por oito tentáculos, no manubrio encontram-se estruturas de sustentação do animal, que podem ser chamados de braços. Na boca encontramos a faringe que se liga com a cavidade gastrovasular. Certamente na superfície oral côncava está a boca, em um curto manubrio, entre quatro braços orais ponteagudos, os quais são sulcados e possuem nematocistos ao longo dos seus bordos. Uma curta faringe através do manubrio liga-se a cavidades gastrovascular.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

66
Abdul Gafar Daúdo

Saindo da ultima há 4 bolsas gástricas contendo filamentos gástricos tentaculiformes delicados com nematocistos. As células que fazem parte da rede nervosa, da Aurélia são chamadas manchas ocelares (captar luz), apresentam um estatocisto (pigmentos), que captam a luz. Apresenta ainda as facetas que fazem uma recepção química do próprio impulso e participam na alimentação. Muitos canais radiais estendem-se das bolsas através da mesogleia até um canal anelar na margem do sino. Há 4 gônadas em forma de U, uma no assoalho de cada bolsa gástrica. A rede nervosa é melhor desenvolvida na margem do sino. Cada órgão sensitivo compreende:  Uma mancha ocelar pigmentada sensível à luz.  Um estatocisto oco, externo ao canal circular, que contem grânulos calcários diminutos e da direcção dos movimentos natatórios.  Duas facetas sensitivas, uma lateral e outra mediana, provavelmente quimioreceptores relacionados com o reconhecimento do alimento.  A superfície externa é coberta pela epiderme, o revestimento do sistema digestivo e canais da boca para dentro, os tentáculos gástricos e as gônadas são de gastroderme. Historia Natural O representante desta classe é a Aurelia que pode ocorrer isoladamente ou em grandes grupos. Flutua calmamente e pode nadar fracamente por contracções rítmicas do sino, mas esta depende muito das correntes e ondas. São animais que se movimentam livremente em água, graças aos músculos que passam nas bermas do próprio animal. O alimento começa dos invertebrados, peixes, crustáceos e dos seus próprios inimigos, todo alimento entra pela boca e segue a cavidade gastrovascular, a digestão é intracelular, a captura do alimento é auxiliada pelos nematocistos, a entrada e retirada dos alimentos é feita pela boca. (DE ARAUJO e BOSSOLAN, 2006:37)
Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez - 2011

67
Abdul Gafar Daúdo

A respiração e a excreção são presumivelmente realizadas pela totalidade da superfície do corpo. A rede nervosa serve para coordenar as contracções propulsoras dos sinos e acção dos lobos orais. Reprodução e Ciclo de vida Nos scyphozoarios, os sexos são iguais mas separados. Os espermatozóides das gônadas (testículos) de um macho são lançados na água saindo pela boca e graças a essa água são levados ao interior do animal e entram na cavidade gastrovascular de uma fêmea para fecundar os óvulos produzidos em suas gônadas (ovários). Os zigotos emergem para alojar-se nos braços orais, onde cada um se desenvolve, em uma larva plânula ciliada. Este escapa para nadar durante um certo tempo, então instalase e fixa-se no fundo do mar, onde perde dois cílios transformando-se em um pólipo diminuto em forma de trombeta (cifistoma) com disco basal, boca e tentáculos. Do brotamento origina-se uma medusa e um pólipo, que passa a ser chamado de estrobilação, que é por divisão transversal, e a outra por fissão transversal que dão origem a uma medusa chamada efira, essas após originarem medusas, começam a se reproduzir assexuadamente. Classe Anthozoa Nestes organismos o estágio medusóide está completamente ausente. São as anêmonasdo-mar, os corais escleratínios (produtores de esqueletos externos de CaCO3) e octocorais característicos com oito tentáculos. É a maior classe dos cnidários. Apresentam cavidade gastrovascular mais especializada que as outras classes, com várias divisões de um mesentério longitudinal, fixados na parede do corpo, o que aparentemente auxilia na circulação de água e na digestão de presas maiores. (DE ARAUJO e BOSSOLAN, 2006:38)

Fig. 12. Estrutura de uma anêmona-do-mar. A) Corte longitudinal. B) Corte transversal.
Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez - 2011

determinadas anémonas (Epiactis) incubam seus jovens em bolsas externas na coluna. A digestão é intra e exra-celular e os alimentos não digeridos são lançados pela boca ao exterior. por sua vez os anthozoários protegem as algas dos seus inimigos. paralisados pelos nematocistos e levados pelos tentáculos até a boca. nitrogénio e dióxido de carbono. indicam que eles estão filogeneticamente relacionados mais intimamente com os Scyphozoa que os Hydrozoa.68 Abdul Gafar Daúdo O pólipo dos antozoários é mais especializado e a presença de mesogléia celular. Uma corrente de água desce pela sifonoglife para circular na cavidade gastrovascular com finalidades respiratórias e para conservar o corpo turgido. Os cílios dos tentáculos e disco também batem para conservar as superfícies livres de detritos. fornecem-lhes potássio. O zigoto desenvolve-se em uma blástula sólida e depois em uma típica larva plânula. visto que as algas precisam dos raios solares para a fotossíntese. e uma corrente que sai sobe por qualquer lugar da faringe. Anêmonas-do-mar são antozoários solitários familiares e ocorrem em todo o mundo em águas costeiras. Elas praticamente vivem presas a substratos duros na região litoral. a fecundação pode ocorrer na cavidade gastrovascular ou externamente na água do mar. após a fixação a larva forma tentáculos e torna se uma anémona em miniatura. cavidade gastrovascular septada. Esta simbiose obrigou os anthozoários a viverem em ambientes limpos e não profundos. Restos não digeridos são eliminados pela boca. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . vivem em simbiose com as algas.2011 . Anémonas podem ter sexos separados ou ser hermafroditas. cnidócitos nos filamentos gástricos e gônodas gastrodérmicas. Os antozoários formadores de corais são constituídos de colónias de pólipos. passa para a cavidade gastrovascular e é dirigido por enzimas secretadas pelos filamentos e é absorvido pela gastroderme. estas fornecem matéria orgânica (carbono orgânico) aos anthozoários. O alimento consiste de moluscos crustáceos e outros invertebrados e peixes. As gónadas localizam-se na camada gastrodermica dos septos. História Natural As anémonas-do-mar vivem fixas alguma superfície firme mas podem rastejar lentamente com seu disco pedal.

69
Abdul Gafar Daúdo

Anémonas também se reproduzem assexuadamente: Por fissão longitudinal ou transversal e por laceração de pedal (partes do disco pedal) são deixadas à medida que a anémona se move, estas crescem formando novas anémonas. A maioria dos tipos de anémonas é fixa em rochas, conchas ou outras superfícies, mas a também podem movimentar-se se necessário; algumas formas infimas (Booceroides) podem nadar, batendo seus tentáculos e alguns tipos delgados (Edwardza, Cerianthus) cavam no fundo, deixando apenas os tentáculos e o disco oral expostos. A classe anthozoários apresenta algumas subclasses: ― Zoonthidae - constituída por anémonas solidárias e são cesseis. São os que possuem doze ou mais que doze septos e doze ou mais que doze tentáculos, é nessa subclasse a que pertencem a maioria dos recifes, e apresenta as ordens:  Ceriantharia – Compostas por anémonas solitárias, adaptadas ao substrato móvel;  Zooanthidea – Não é um coral, a maioria é colonial apresentando zooxantelas comensais (Palythoa).  Machephoraria – Os membros desta ordem são os principais construtores de recifes, crescendo como massas rígidas capazes de resistir ao constante embate das ondas e a maior ordem da classe Anthozoa. Produzem um esqueleto de carbonato de cálcio; alguns são solitários mas a maioria é colonial. ― Octocorallia - são animais com oito septos e oito tentáculos.  Geogonacea - o corpo contem um eixo central composto por uma substancia orgânica.  Pennatulacea - colónia cujo esqueleto possui espiculas calcarias (Renilla). Os Recifes de Coral ―Os recifes de coral são formações rochosas calcárias que dão suporte a um amplo conjunto de plantas e animais marinhos, e alguns destes organismos de recife secretam carbonato de cálcio que forma a maior parte do recife‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN, 2006:39).

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

70
Abdul Gafar Daúdo

De todos os organismos secretores de CaCO3, os corais escleratínios são os mais importantes. As exigências ambientais desses animais também descrevem os limites de distribuição do recife. Corais formadores de recifes contém algas simbióticas que necessitam de luz para a fotossíntese. Consequentemente, a distribuição vertical dos recifes é restringida pela profundidade de penetração de luz. Assim, os recifes são encontrados apenas em lugares onde a água circulante contenha pequenas quantidades de material em suspensão, ou seja, águas de baixa turgidez e baixa produtividade. Os tipos principais de recifes de coral são:  Recifes em franja: projectam-se directamente em direcção ao mar, a partir da praia.  Recifes em barreira: são separados da massa terrestre por uma laguna.  Atóis ou circular: repousam sobre ápices ovais de vulcões submersos. Usualmente circulares ou ovais com uma laguna central e partes da plataforma do recife podem emergir como uma ou mais ilhas. O recife mais grande ou mais conhecido é o recife de barreira Great Barrier Reef (grande barreira de recifes) localizado na Austrália que chega a atingir os 2000km de comprimento. Filo Ctenophora Do Grego Ktenos = pente + phoros = portador, compreende espécies de animais marinhas de natação livre com corpo gelatinoso transparente. São chamados ctenoforos devido as placas ciliadas do corpo. Eles mostram alguma semelhança com medusas dos cnidários e antigamente foram classificados com eles, mas são distintos em estrutura e em biologia. Características gerais Simetria birradial (radial + bilateral) em torno de um eixo oral-arboral, 3 folhetos germinativos com muita mesogleia, sem segmentação.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

71
Abdul Gafar Daúdo

 Corpo mais ou menos esférico (chato em algumas), geralmente com oito series externas de placas ciliadas, sem nematocistos (excepto em Euchlora), tentáculos com células adesivas (coloblastos).  Epidemie e gastroderme celulares, mesogleia com amebocitos e células musculares (pode ser considerada celular, quando o animal for triploblastico).  Sistema digestivo com boca, feringe de Epidemie invaginada e estomago com ramificações para um elaborado sistema de canais.  Sistema nervoso difuso, com um órgão sensitivo arboral (estatocisto).  São hermafroditos, células reprodutoras formadas do endoderme dos canais digestivos, desenvolvimento com um distinto tipo larval, o cidipidio, sem desenvolvimento sexual.  Poros anais terminam o trato digestivo. Principais semelhanças com os cnidários:  Simetria radial básica;  Partes dispostas ao redor de um eixo oral-aboral;  Uma cavidade gastrovascular com ramos;  Sem espaços internos excepto o sistema de órgão; Principais diferenças com os Ctenophoras Os Ctenophoras possuem:  Oito series de placas ciliadas;  Músculos mesenquimáticos ou mesodermicos;  Organização mais alta do sistema digestivo com poros anais.  Nematocistos ausentes (excepto em Euchlora);  Desenvolvimento em mosaico;  Uma região sensitiva aboral. História natural A grande parte dos ctenoforos são animais planctonicos que passam sua vida livremente nas águas abertas dos oceanos.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

 Em muitas vezes as larvas que resultam do desenvolvimento se reproduzem como larvas. Tem uma boca enorme e ligeramente engole presas como se fosse uma baleia ao capturar suas presas.72 Abdul Gafar Daúdo O Género Cestum (cinto-de-venus) é um dos ctenoforos com um metro de comprimento e nada graças às ondulações. com metamoforse ou então desenvolvem-se directamente no adulto. sendo o seu desenvolvimento em dois aspectos:  O padrão de clivagem. Todos os ctenoforos passam por um estágio larval denominado cidipidio. sendo óvulos e espermatozóides. larvas de moluscos e de crustáceos. ovos de peixes e pequenos peixes. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . desenvolvendo-se o embrião como uma estrutura em forma de prato. No escuro emitem luminescência de baixo das placas ciliadas. depois regridem e tornam-se sexualmente maduras. A digestão é rápida iniciando-se extracelularmente na faringe e completando-se intracelularmente nas células que revestem os canais digestivos. alguns em regiões temperados ou árcticas. e único é chamado de padrão birradial. daqueles sem tentáculos. encontram-se em águas superficiais. Broe é um representante de um grupo diferente de ctenoforos. reproduzindose novamente como adultos fenómenos chamados dissogenia. alguns vivem em profundidades variadas. Os ctenoforos são minóicos. após as duas clivagens iniciais. Os óvulos são eliminadas através da boca e a fecundação ocorre na água.2011 . Alimentam-se de animais platónicos pequenos. Ctenoforos abundam nos mares quentes. produzidos pelo revestimento endodérmico dos canais digestivos em baixo das placas ciliadas.

com vida livre ou parasitas.São privados de sistema respiratório e circulatório. Sistema nervoso .  Ausência de ânus. faringe e intestino ramificado que termina em fundo cego. a boca é derivada do blastóporo da gástrula. em águas doce e no mar. isto é. Nas espécies de vida livre a respiração é aeróbia. São considerados vermes.  Apresentam simetria bilateral. Características Gerais  São vermes achatados dorso-ventralmente. com a forma de uma folha. portanto é incompleto. tais como o são considerados os dos filos Nematelmintes e Anelidea‖ (SAMPAIO e MACHADO. segmentado ou não. Já nos parasitas a respiração é anaeróbia. Se constitui de boca. Sistema digestivo .  São triblásticos e acelomados.  São neuromiários do tipo hiponeuros.  A presença de protonefrídeos (um conjunto de células-flamas) com função de excreção. como também parasitam alguns animais. Os cestóides não possuem sistema digestivo.Não apresenta abertura na ingestão.Dia: 17.2011 Filo platyhelminthes 73 Abdul Gafar Daúdo Platelmintos (do grego platys = chato.Agosto . Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .São os primeiros animais com um sistema nervoso central que é formado por um anel nervoso. sendo que as trocas são feitas por difusão através do epitélio permeável. s/d:137).  Têm como habitat ambientes muito húmidos. Sistema respiratório e circulatório . ou seja. as ramificações do sistema digestivo auxiliam a distribuição do alimento. o sistema nervoso localiza-se abaixo do tubo digestivo e são protostômios. sendo hermafroditas em geral. pertencente ao reino Animalia.2011 . ligados a cordões longitudinais ou por um par de gânglios cerebróides e encontram-se na parte anterior dos platelmintos. helminthes = verme) ―são animais do filo Platyhelminthes. A digestão é extra e intracelular. Pela ausência do sistema circulatório. devido à ausência de sistema digestivo/circulatório.

Estruturas típicas dos platelmintos.A excreção é feita por células-flama (ou solenócitos ou protonefrídios).2011 .  Tubo digestivo ramificado para diferentes partes do corpo.Geralmente são hermafroditas outros são monóicos. relacionados com a locomoção. ― Sistema nervoso formado por gânglios. Já nos parasitas. Abaixo desta. há duas camadas musculares. que são as ramificações onde passa o sémen. Nos platelmintos de vida livre. A extremidade oposta é denominada região posterior.74 Abdul Gafar Daúdo Sistema excretor . sendo a primeira composta por músculos circulares e a segunda por músculos longitudinais. as células-flamas eliminam os excretos para a superfície corpórea. ventral‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. ―A porção do corpo que primeiro entra em contacto com o meio é onde se localizam boa parte dos órgãos sensoriais é chamada região anterior. A esse conjunto dá-se o nome de tubo músculo-dermático. há a epiderme uniestractificada. a epiderme apresenta cílios. Características que leva os platelmintos serem inferiores aos bilatérios  Ausência de celoma. conferindo-lhe resistência à acção dos sucos digestivos. ― Presença de gônadas que possuem condutos. Características Evolutivos ― Presença do sistema bilateral. apresentando assim. A parte superior do corpo chama-se dorsal e a inferior. uma digestão intra-celular. há a cutícula envolvendo o tubo músculo-dermático. locomoção e como esqueleto. Reprodução .  Ausência de ânus  O facto de serem hermafloditas. ― Presença da mesoderme que produz a musculatura. Tal tubo actua na protecção. sendo que alguns se reproduzem por partenogênese. O corpo desses animais é constituído por três camadas: Primeiramente. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 2006:39).

locomovendo-se graças aos cílios epidérmicos. ― Monogénea Classe turbellaria ―Os turbelários apresentam a forma de uma folha.  Faringe Protáctil: É uma estrutura tubular e alongada. com epitélio ciliado (Ex: a planária (Digesia tigrina e Geoplana sp. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .Platelmintos de vida livre. ditas aurículas. são aquáticos (dulcícolas).Vermes parasitas com epiderme não-ciliada e uma ou mais ventosas (Ex: Schistosoma mansoni).  Ocelos (olhos): São estruturas fotorreceptoras (promovem a percepção da luz). para tacto e quimiorrecepção‖. poucas vezes dependem do sol. movem-se por meio de cílios. são de vida livre. que serve para capturar alimentos. s/d : 137).Formas parasitas com corpo dividido em anéis ou proglotes (Ex: Taenia solium.  Boca: É uma abertura que funciona também como ânus. o representante mais comum é a planaria. as vezes enterrados ao solo. São de água doce e salgada. é inactiva durante o dia devido a luz solar e activa durante a noite. Morfologia do género euplanária Segundo SAMPAIO e MACHADO (s/d:137) As planárias ―possuem uma cabeça triangular devido às expansões laterais.). contracções musculares e mucosidade produzida por células especiais‖ (SAMPAIO e MACHADO.  Aurículas: São duas projecções laterais quimiorreceptoras (percebem a presença de substâncias químicas na água). vivem nas pedras. por baixo das folhas. ― Cestoda (Cestódios) .75 Abdul Gafar Daúdo Classificação Este filo encontra-se distribuído em quatro classes. apenas captam luminosidade. a saber: ― Turbellaria (Turbelários) . E).2011 . ― Trematoda (Trematódios) . de vida livre. porém não formam imagens.

Estrutura de uma Planária. na cabeça encontram-se as manchas pocelares. com função defensiva. a captura de alimentos em algumas espécies como mesostoma pelo processo de apunhalamento do seu próprio pénis.2011 . A digestão é portanto inicialmente extracelular e posteriormente intracelular e os alimentos não digeridos são lançados pela boca por ausência de ânus. encontra-se uma região cefálica. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Assim. e Fig. além de células especiais no tegumento. intervindo na captura de presas (pequenos “vermes” e moscas aquáticas)‖ (SAMPAIO e MACHADO. outros órgãos dos sentidos. denominado rabdites. moluscos vivos ou mortos. 2006:44). crustáceos. que contribuem juntamente com o muco secretado por glândulas. possuem órgãos copuladores localizados depois da boca. possuem uma faringe móvel que ajuda na captura dos alimentos. com a boca servindo tanto para a ingestão quanto para a egestão. Historia Natural das Planarias ―As planárias são predominantemente carnívoras. ―Há pigmentação dorsal e cílios ventralmente. As ramificações presentes no intestino (divertículos laterais) aumentam a superfície para a digestão e distribuição dos alimentos. no centro da cauda encontra-se a boca na parte posterior. Isto compensa a ausência de um sistema interno de circulação‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. a ramificação do tubo digestivo em três.76 Abdul Gafar Daúdo  Cílios: São filamentos localizados na epiderme da região ventral. que se encontra em forma de estilete (músculos). na locomoção por deslizamento. estes alimentam-se de peixes. s/d:137). O intestino é em fundo cego. São vermes pouco planos com um corpo pouco mole. A Planária apresenta a região dorsal bastante pigmentada e a região ventral mais clara. possuem a forma triangular. capturados pela boca. 13. na parte anterior e posterior.  Poro Genital: É o orifício por onde ocorre a troca de espermatozóides durante a fecundação cruzada. deu origem a ordem triclatida. podem atingir 5-25cm de comprimento.

Poro excretor 2. sendo feita pelas células-flama ou solenócitos ou protonefrídios.15 .77 Abdul Gafar Daúdo Sistema Respiratório: Ausente. O sistema da fêmea é composto por dois ovários onde se produzem gâmetas femininas. 1.Células flama Fig. são ovíparas e o desenvolvimento é directo. transportar dois ovidutos duas que vão óvulos. Fig.Sistema reprodutor da Planária Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . São animais Amoniotélicos (excretam amônia).Canal excretor 3.Sistema nervoso da Planária Reprodução São hermafroditas e outras são dióicas. não há larvas. apresentam uma vesícula seminal (bolsa de espermatozóides). possuem um pénis musculoso (em forma de estilete). Sistema Excretor: Presente. glândulas vitelinas. Sistema Circulatório: Ausente. com dois cordões nervosos longitudinais comunicados por comissuras transversais. porém realizam fecundação recíproca.14 . sendo constituído por um par de gânglios cerebrais.Sistema excretor da Planária Sistema Nervoso: Presente do tipo ganglionar. sendo a distribuição dos alimentos feita por difusão pelo intestino ramificado. Fig.16 . O sistema de órgão do macho é formado por vários testículos.2011 . portanto. com respiração por difusão cutânea directa (através da epiderme) nos de vida livre e anaeróbia nos parasitas. uma vagina que se abre após o poro genital e uma bolsa de cópula ou receptáculo seminal.

se cortadas no sentido transversal ou longitudinal.2011 . cada uma das partes gera novas planarias.Fecundação interna cruzada Fig. Fig. pode ocorrer a reprodução assexuada por constrição do corpo: laceração ou esquizogênese. 17 . isto é. 18 .Reprodução assexuada por constrição Regeneração Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . tanto que.78 Abdul Gafar Daúdo Em algumas espécies das planárias apresentam grande capacidade regenerativa.

stoma = boca. o blastóporo permanece com função de boca (SOARES. Segundo DE ARAUJO e BOSSOLAN (2006:61) ―As características básicas dos representantes do filo podem ser resumidas em animais de corpo mole. duas ou três metacófora. possuem cílios em forma de cintas.2011 . do grego protos = primitivo. possui um pé ventral. Nesse espaço. como polvo. trato digestivo completo. Recobrindo a massa visceral existe o manto (dobra carnosa da epiderme) que geralmente é responsável pela formação da concha. excreção e reprodução. não segmentado. excretor e nervoso‖. Filo Molusca Do latim molis = mole (animais de corpo mole).Agosto . excretor e reprodutor. se a larva possuir uma cinta é chamada procófora. escavação e natação). triblásticos. 1997:206). formados por uma cabeça anterior.2011 Filogenia dos Protostómios 79 Abdul Gafar Daúdo Etimologicamente. não são segmentados. como os mexilhões. pois os blastóporos são responsáveis pela forma. em algumas espécies na camada externa encontramos uma camada calcária ou concha calcária.Dia: 22. celomados. tem um tubo completo. região onde se localizam a boca e os órgãos sensoriais (olhos e tentáculos). situam-se as brânquias. sistema circulatório aberto. com características de uma folha. esta região é bem desenvolvida e em outros. com simetria bilateral. no seu ciclo de vida possuem uma larva designada tricófora. Protostómios. é muito reduzida. possuem um manto. Características gerais Os moluscos de maneira geral apresentam o corpo constituído das seguintes partes: cabeça. pé ventral. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . acima de três policófora. área onde encontram-se os órgãos de digestão. órgão musculoso relacionado com a locomoção (que pode ser por deslizamento. com presença de sistema respiratório. Entre o corpo e o manto há um espaço denominado cavidade do manto ou cavidade palial. São todos os animais que durante o seu desenvolvimento embrionário. massa visceral dorsal. 2006:61). em alguns animais essa concha encontra-se internamente (DE ARAUJO e BOSSOLAN. também conhecido por massa visceral dorsal (protege as vísceras). Na cavidade abrem-se ainda os sistemas digestivo. em algumas formas.

― Polyplacophora . Classificação Este filo apresenta sete classes que têm a morfologia. terrestre e orgânico.  Alguns são hermafroditas e pouco são protambricos. como as ostras e os mariscos. ou ainda.  São invertebrados triblásticos de corpo mole.  São em geral móveis (ostras e mariscos são fixos) e apresentam rádula. isto é.  Não possuem a segmentação. excepto nos bivalves e escapophora. como os polvos e as lulas. fixação ou escavação. neuromiários do tipo hiponeuros e protostômios. apresenta três folhetos germinativos (endoderme. ― Monoplacophora são achatados. como os dentálios.  A região cefálica é desenvolvida. ou nadando activamente. que são órgãos de locomoção.  Possui estatocistos com função de equilíbrio. hábitos e costumes diferentes que varia de classe para classe. Em sua maioria. enterrados na areia. uns com conchas outros sem conchas. exclusiva dos moluscos.  Muitos possuem os órgãos de tacto e olfacto.80 Abdul Gafar Daúdo Os moluscos vivem no meio aquático.são animais com corpo vermiforme achatados.  São de simetria bilateral.  Possuem uma vida livre e. parasitária (larva gloquídia). que é uma língua provida de dentículos para a trituração. a massa Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . possuem oito placas. possuem olhos que desempenham uma função complexa que se assemelha com uma máquina fotográfica. excepto os pelecípodos. externa ou ausente. principalmente na parte da cabeça.são achatados dorsoventralmente. ― Gastopodes são moluscos que apresentam os primeiros manifestos de desenvolvimento da cefalização. não possuem conchas nem pé ventral. vivem no mar. o seu corpo encontra-se retorcido. ― Aplacophora . Essa classificação tem a ver com o número de placas que compõem a própria concha e posição do pé ventral. possuem uma única concha. celomados do tipo esquizocélicos. fixos sobre as rochas. a concha pode ser interna. raramente. mesoderme e ectoderme).2011 . em algumas classes corpo enrolado.

A concha corresponde a um exoesqueleto e os moluscos podem ser univalvos. chamada cavidade palial ou cavidade do manto. Encontram-se cerca de 35mil. ― Cephalopoda são moluscos com um sistema cefalizado. ou seja.2011 . porque encontram-se cerca de 35mil fosseis. Este contém glândulas que secretam a concha. polvo). são ditos bivalvos. como na lula. formando uma pena transparente (gládio. o seu pé é rastejante e largo (Ex: lesmas). a sua concha é muito reduzida. Às vezes. se for interna. o género mais conhecido é o dentallium. o manto ou pálio. por baixo das folhas e alguns são pelágicos. No tempo. como na maioria. ― Scaphopoda são moluscos com o hábito de escavarem a terra. Na região posterior do animal. ― Bivalva são todos moluscos que possuem duas conchas.O tubo digestivo é completo e a maioria apresenta na boca uma estrutura característica do grupo. o pneumóstoma. onde encontramos o ânus. chama-se endoconcha. o manto faz uma dobra que delimita uma cavidade entre ele e a massa visceral. às vezes. como uma dobradiça. o seu corpo encontra-se em forma de tubos. e em alguns casos não existe (lula. o seu pé encontra-se dividido em braços.81 Abdul Gafar Daúdo visceral encontra-se enrolada. possui uma única camada de células rica em glândulas de muco e ciliada em geral. Se ela for externa. podem apresentar duas conchas. s/d:155). num sentido anti-orario. Com essa língua munida de dentículos Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Revestimento A epiderme é simples. possuem um pé na posição da cabeça. Alguns vivem na areia. as brânquias e. e no espaço é que eles vivem desde a praia até as grandes profundidades. quando há apenas uma concha. (SAMPAIO e MACHADO. que é a rádula. os poros de excreção e a abertura genital. com a capacidade de fechar e abrir. Neste caso. possuem fendas que ajudam na escavação. diz-se que eles encontram-se distribuídos no tempo e no espaço. pena ou siba). A massa visceral é revestida por uma dobra da pele. Digestão . nas rochas. chama-se exoconcha. o seu corpo é um pouco mole e um dos representantes é a amêijoa.

o pneumóstoma. situados na câmara pericárdica. mostrando vários pares de gânglios unidos por cordões nervosos. possui três pares de gânglios. Em alguns moluscos terrestres (lesma) e nos transmissores da esquistossomose e fasciolose (Biomphalaria e Lymnea) a respiração é pulmonar. A digestão é. O sistema circulatório . A excreção . um cerebral. – Gânglios pedais ou pediosos: localizam-se nos pés e comandam a locomoção. Os Gânglios viscerais: enervam os órgãos internos e têm função vegetativa. – Gânglios cerebróides: localizam-se na cabeça e são centros sensoriais. extracelular. Esta funciona como um pulmão primitivo. ―O coração tricavitário (duas aurículas e um ventrículo) é um órgão musculoso dorsal que recebe o sangue oxigenado proveniente das brânquias e o impulsiona por um sistema ramificado de vasos e de lacunas (hemoceles). ―Cada nefrídio é uma espécie de funil. A rádula não aparece nos bivalvos filtradores como a ostra e o mexilhão. tendo um orifício para a entrada de oxigénio e saída de gás carbónico.É do tipo ganglionar ventral descentralizado. o animal raspa algas e outros alimentos.2011 . – Gânglios pleurais: enervam o manto. nas quais estão mergulhados os órgãos‖ (SAMPAIO e MACHADO. como nos artrópodos. s/d:155). Os moluscos primitivos não têm sistema respiratório.É graças aos nefrídeos ou rins que se encontram em número de um. um pedal (na parte do pé) e outro ao nível do manto. s/d:155). estes apresentam mais um par de gânglios. isto é. dois ou três pares ou órgãos de Bojanus.Na maioria dos moluscos. que retira as excreções da cavidade pericárdica e dos vasos sanguíneos que circulam em sua proximidade‖ (SAMPAIO e MACHADO. portanto. realizada pela própria cavidade palial. Mas segundo SAMPAIO e MACHADO (s/d:155). Pelo conduto do nefrídio as excreções são eliminadas do corpo do animal. A respiração – É graças a várias brânquias (ctenídeos). via de regra. a circulação é aberta (também chamada lacunar) ou hemocélica. muito desenvolvido. a respiração é cutânea ou tegumentar. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . O sistema nervoso . s/d:155). longo e dobrado.82 Abdul Gafar Daúdo quitinosos. possui um pulmão que se encontra na cavidade do manto ou palial (SAMPAIO e MACHADO.

ovíparos ou ovulíparos. sendo.2011 .83 Abdul Gafar Daúdo A reprodução .Os moluscos em geral são dióicos (sexos separados). cruzam interna ou externamente. portanto. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . embora os caracóis terrestres sejam monóicos. A fecundação é recíproca.

junta-se a fase de espiralização para dar forma do corpo.2011 . sendo este um facto importante na resistência do animal. de água doce e terrestres. da qual projetam-se a cabeça e o pé do animal vivo‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Compreende formas marinhas. musculoso e serve para locomoção. O pé é grande. são de todos caracóis que mostram a distorção do corpo (em 90o). ― Espiralização da concha. esta é muito importante pois. também há distorção do corpo é presente em 180º (caso de lesmas). e ― Torção do corpo. ― De alongamento do corpo. são de todos caracóis que a sua respiração é levada a cabo graças aos pulmões. Podemos observar ainda o ânus e o poro excretor. um deles provido de olhos nas extremidades. A cabeça é bem desenvolvida. Nestas espécies. sendo representada pelos caracóis. ― Opistobranquias. Nas formas terrestres. com dois pares de tentáculos sensoriais. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . enquanto que a massa visceral fica encerrada dentro da concha. o manto é vascularizado e funciona como um verdadeiro ―pulmão‖. ― Pulmonata. A última volta termina numa abertura.Dia: 24. A classe Gastropoda subdivide-se em três subclasses com hábitos diferentes: ― Prosobranquias. 2006:66). são de todos caracóis que tem a forma de respiração por brânquias. junto à abertura da concha há um orifício que comunica o meio externo com a cavidade do manto denominado poro respiratório ou pneumostoma. A evolução dos gastrópodes envolveu principalmente quatro fases: ― Fase da cefalização. e lesmas. ―A concha. quando presente.Agosto . aqui eles começaram a reunir os primeiros órgãos dos sentidos. a concha é ausente e em outros é reduzida.2011 Gastropodes 84 Abdul Gafar Daúdo A classe Gastropoda é a maior classe de moluscos. é tipicamente uma espiral cônica compostas de voltas tubulares que contém a massa visceral do animal. As voltas se dão em torno de um eixo central denominado columela. num sentido dorsoventralmente.

2011 . duas glândulas salivares. purificação do sangue. todos estes elementos (cabeça. O caracol apresenta uma aurícula e um ventrículo. Historia Natural Os caracóis terrestres. passando pelos pulmões. Visceral (nas vísceras) e Pedal (no pé). pedras entre outros objectos. possui um poro genital próximo da cabeça do lado direito. levam o sangue do coração as diferentes partes do corpo. Estes deslocam lentamente graças a um músculo que se encontra no pé (columear) que cujo esta é caracterizado como distorção lenta. apresenta ainda um grupo de gânglios. Alimentam-se de pequenos insectos à sua volta (vivos ou mortos). Vivem por baixo das folhas. são mais activos durante a noite. a destacar: Cerebral (encontramos no cérebro). das diferentes partes do corpo ao coração. Oral (encontramos na boca). e no tempo húmido. um intestino dobrado. Fig. O sistema digestivo é completo (uma boca e um ânus).85 Abdul Gafar Daúdo Morfologia do Caracol do Jardim Possui uma cabeça carnosa. um pulmão que participa no processo respiratório que se encontra circundado por vários vasos que desempenham várias funções. em alguns momentos eles fecham a sua concha (por epifragma) ficando nos buracos para evitar a perda de água no interior do Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . um estoma. a sua cabeça une-se directamente ao pé (ventral). troncos. sendo esses. com dois tentáculos onde encontramos um par de olhos. apresenta uma faringe muscular que participa no processo digestivo. como. emulcionados antes de ingeridos. pé e tentáculos) podem entrar no interior da concha através do músculo columilar. 19 – Estrutura do caracol do jardim Existe um epitélio mucoso que permite a segregação do muco que garante o movimento do corpo. possui uma rádula. segrega também uma substância que permite uma cobertura ao animal evitando a dissecação.

a reprodução do caracol é mista (são hermafroditas).o espermatóforo. conhecidos como frutos-do-mar (ostras. mexilhões. Em algumas espécies. O desenvolvimento é directo nos cefalópodes e caracóis terrestres. Essa gônada denomina-se ovotestis. Reprodução De acordo com DE ARAUJO e BOSSOLAN (2006:64). a seguir.Larva trocófora. Nos polvos e lulas. a mais conhecida é semelhante a uma vela. – Anfineuros e escafópodes . a vagina também está directamente ligada a massa visceral. em alguns momentos o desenvolvimento é directo (logo sai o caracol). mas acredita-se que seja um acumulador do sémen masculino. e em outra é indirecta. entretanto. um pénis muscular e uma vagina que se encontra em comunicação com a cavidade interna do manto. – Pelecípodes . só gâmetas masculinos. permitindo o aparecimento de uma larva designada procófora em que se desenvolve passando para a segunda fase designada larva veligera (é a fase intermédia entre larva pocófora e trocofora). o macho usa um dos tentáculos para transferir uma bolsa de espermatozóide para a fêmea . esta fechadura é chamada epifragma (separa o meio ambiente do interno evitando a dissecação do animal). que até então não se conhece a sua função.2011 . A cópula é recíproca. inicialmente. com varias características. é indirecto nos: – Gastrópodes aquáticos . sendo mais comum a fecundação recíproca.86 Abdul Gafar Daúdo animal. uma gônada comum nos dois designada ovotestis.Larvas gloquídia e véliger. existe um flagelo. Alguns caramujos Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Assim. funcionando como macho.Larvas véliger e trocófora. polvo e lulas) ao lado dos crustáceos (camarões e siris). o mesmo animal possui dois sexos (masculino e feminino). Importância São largamente utilizados na culinária. Nos hermafroditas é rara a auto-fecundação. produz gâmetas femininos. funcionando como fêmea. o indivíduo produz.

O tamanho destes varia de 6-70cm de comprimento e até alguns atingem o comprimento de 16-20m. Todos os animais desta classe. os moluscos fornecem pérolas. 2006:67). nas lulas e sépias ela é interna e transparente. isto é. o pé Fig. Os polvos e as lulas são os mais evoluídos dos moluscos. A massa visceral é globosa no polvo e alongada na lula. lulas. são predadores e nadam com relativa rapidez‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. consequentemente. o animal expele a água presente na cavidade do manto por contracções musculares através de um sifão exalante. s/d:153-154). 20 – Estrutura do polvo transforma-se em oito tentáculos no polvo e dez na lula. A primeira câmara contém o animal e as outras apresentam um gás cuja quantidade regula a flutuabilidade e. A maioria apresenta adaptações para um modo de vida mais activo. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . que junto com os tentáculos representam uma modificação do pé.2011 . inclusive mostrando vestígio de cérebro e olhos semelhantes aos dos vertebrados. entre outros. e. argonautas. a profundidade do animal. como é o caso do escargot. A locomoção rápida neste grupo é feita por jato-propulsão. A classe é representada pelos polvos. náutilos. Além disso. que são transformadas em botões. todos são marinhos. e conchas. O nome cefalópodos origina-se do fato de os tentáculos com ventosas saírem diretamente da cabeça (SAMPAIO e MACHADO. até mesmo. apresentam um cérebro desenvolvido devido o seu tipo de locomoção. espiralada e dividida em câmaras por septos. em cabos de guarda-chuva ou de revólver. colares e outros adornos. Classe cephalopoda ―Os cefalópodes formam um grupo muito especializado dentro dos moluscos. para a fabricação de jóias.87 Abdul Gafar Daúdo terrestres também são comestíveis. impulsionando o corpo do animal. A concha é muito reduzida ou ausente. Nos náutilos é externa. denominada pena. que são usados na locomoção e captura de presas.

Os tentáculos tem como função. encontramos uma estrutura de cor esbranquiçada. eles secretam na água um líquido de cor preto. Na estrutura da lula encontramos o colar que divide a cabeça e o manto. pois essa secreção confunde o inimigo. o animal.Agosto . e os braços ajudam na locomoção e alimentação. Os cefalópodos locomovem-se por jato-propulsão. Os tentáculos encontram-se na parte da cabeça. que encontramos distribuídos no manto. este tem a função de dar equilíbrio ao animal. confundindo-se com o ambiente tornando-se pouco visíveis aos seus predadores e as suas presas‖ (JONASSE e XAVIER. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .Dia: 31. ―Na pele das lulas existem estruturas denominadas cromatóforos que têm como função permitir ao animal mudar de cor e. os polvos bem como as lulas possuem uma bolsa de tinta. Na boca.2011 . a captura dos alimentos. Eles defendem-se por camuflagem e. Na parte interna. cujos cromóforos são responsáveis pela coloração dos mesmos. apresenta uma concha interna que tem a função de dar forma e proteger os órgãos internos do animal. apresenta uma bolsa de tinta que tem a função de protecção contra inimigos. a saída de água dá-se através de um sifão. isto é. 2002:130). Quando em perigo. formando uma cortina que encobre a visão do atacante o que lhe possibilita a fuga. por eliminação de tinta. ainda na parte interna. As lulas podem ser luminescentes graças a algumas células chamadas fotóforos.2011 Morfologia e História natural 88 Abdul Gafar Daúdo As manchas que encontramos por cima da lula são chamadas de manto. denominado tecido adiposo que está em forma de um saco com água. encontramos a rádula que ajuda na trituração e digestão dos alimentos. facilitando a sua fuga. Como mecanismo de defesa. representados por dois tentáculos e oito braços com ventosas em cada uma. ainda. O sifão representa o pé ventral desses animais. é desse colar que a água penetra no interior do animal transportando o O 2 para a respiração e essa água é responsável pela locomoção do animal. Mas no interior. No polvo esta característica é ausente o que lhe dá maior flexibilidade.

89 Abdul Gafar Daúdo Fig. 21 – Estrutura da lula – (A) Face dorsal (B) Face ventral e (C) Dissecação da lula Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 .

internamente. Por baixo. encontra-se o peristômio. desliga-se do clitelo e desloca-se para a extremidade anterior da Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Os oligoquetas e os poliquetas possuem celomas grandes. protostômios e celomados. em cada segmento. cada compartimento corresponde a um segmento e inclui uma porção dos sistemas nervoso e circulatório. onde está a boca.a cabeça -. ou seja. 2006:72). Podemos dizer ainda que anelídeos são de todos os invertebrados que se caracterizam por apresentarem o corpo metamerizado. em alguns arquianelídeos o celoma está completamente ausente.Dia: 19 . possui um fino sistema de músculos longitudinais (DE ARAUJO e BOSSOLAN. onde está localizado o ânus e os tecidos que dão origem a novos sedimentos durante o crescimento. mas.2011 . Na extremidade anterior do corpo. nas sanguessugas. o celoma está preenchido por tecidos e reduzido a um sistema de estreitos canais. antes dos verdadeiros segmentos . Eunice. A maioria dos anelídeos possui. é coberto por uma cutícula segregada pela epiderme e. Nereis. 2006:72). Cada segmento está dividido externamente em um ou mais anéis. triploblásticos. Em geral. ou seja. formado por anéis ou segmentos (metâmeros). permitindo-lhes funcionar com relativa independência. dentro do qual serão eliminados óvulos maduros. então. Principais estruturas dos Anelídeos: Clitelo: Órgão que produz um casulo. mas os Polychaeta (as minhocas marinhas) possuem ainda um par de apêndices denominados parápodes (ou ―falsos pés‖). O celoma pode estar dividido numa série de compartimentos por septos. A extremidade posterior do corpo é o pigídio ou telson. segmentado. um par de sedas. Tem como principais representantes a Minhoca.2011 Filo annelida 90 Abdul Gafar Daúdo ―Os anelídeos são animais de corpo alongado. O casulo. se o novo sedimento que surge é designado acron.Setembro . Sanguessuga. com a cavidade do corpo cheia de um fluido onde o intestino e os outros órgãos se encontram suspensos‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. encontra-se o protostômio onde se encontram os olhos e outros órgãos dos sentidos.

Em seu interior. Então. esquizocelomados e protostômios (blastoporo evolui originando a boca). Tiflosole: Dobras da parede intestinal que servem para aumentar a superfície de absorção dos alimentos. celomados (a cavidade do corpo é totalmente revestida pelo celoma). sendo monóicos. e um pigídio (região posterior não segmentada). Ocorrem na água doce ou Salgada e em solos húmidos. 22 – Sistema circulatório dos anelídeos Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . os óvulos fecundados se desenvolvem e originam minhocas jovens. Apresentam um prostômio (lobo carnoso recobrindo a boca) pré-segmentar. Assim. o casulo separa-se do corpo. Cerdas: São estruturas filamentosas que auxiliam na locomoção e na fixação do animal. Características gerais Os anelídeos apresentam o corpo cilíndrico e Metamerizado. Após a fecundação. contendo um gânglio nervoso. comensais. uma longitudinal e outra Circular. Ectoparasitas ou endoparasitas. Esses animais têm um sistema circulatório fechado composto por um vaso sanguíneo Fig. A parede do corpo muscular. possuem um intestino muscular com boca e ânus (completo). Parapódios: Também chamados de pés laterais. ali recebendo espermatozóides de outra. ocorre a fecundação dos óvulos. mesoderme e endoderme). São animais triblásticos (possuem ectoderme.91 Abdul Gafar Daúdo minhoca. relacionadas com a locomoção. Possuem também simetria bilateral. apesar de hermafrodita. O tamanho varia de milímetros (tubifex sp. O celoma funciona como se fosse um esqueleto Hidrostático. frequentemente com camada muscular completa e quatro blocos de músculos longitudinais. são expansões laterais do corpo. Os anelídeos são de vida livre. Em geral e a musculatura é dupla.) Até 3 metros de comprimento. a minhoca realiza fecundação cruzada.

Esta é especializado. São animais Amoniotélicos (excretam amônia). moela. A excreção é levada a cabo graças aos metanefrídeos e protonefrideos. 24 – Sistema excretor dos anelídeos Fig. hemocianina (azul). Sistema Excretor é presente. É formado por um cordão ventral. São monóicos ou dióicos. O sangue apresenta os pigmentos hemoglobina (vermelho). que é um tipo de reprodução assexuada. outras alimentam-se por filtração. uma vez que muitas espécies são predadoras. Fig. havendo a formação da larva trocófora. por com reprodução fecundação A externa ou interna. Apresenta os gânglios cerebróides. do tipo ganglionar ventral. tiflosole e dois cecos gástricos. sub-faringeanos e uma cadeia nervosa ganglionar ventral. a partir do qual saem nervos laterais em cada segmento. A minhoca apresenta dez corações laterais. finalmente. 25 – (A) troca de espermatozóides nos anelídeos e (B) a larva tricófora B Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Para os poliquetas realizam a esquizogênese. do tipo completo. O tubo digestivo é presente.92 Abdul Gafar Daúdo dorsal que leva o sangue no sentido da cauda e outro ventral. clorocruorina (verde) e hemoeritrina (marron). as sanguessugas alimentam-se de sangue de outros animais. Sistema Reprodutor: sexuada Presente. que o traz na direcção oposta. Fig. retiram as excretas do celoma e as lançam na superfície do corpo do animal). Apresentam papo. outras ainda ingerem sedimentos. 23 – Sistema digestivo dos anelídeos O sistema nervoso é presente. com digestão extracelular. devido à variedade das dietas. por sucção. sendo feita por nefrídios (um par em cada segmento do corpo. O desenvolvimento pode ser directo ou indirecto.2011 . dos quais o intestino tem de separar a parte nutritiva.

São animais marinhos. órgãos e dos sentidos bem desenvolvidos. Classe Oligochaeta São anelídeos que apresentam poucas cerdas. e o alimento fica preso no muco ou pela acção ciliar. São animais Fig. cerdas numerosas (geralmente no parapódio). apresentando a larva trocófora. em que as gônadas aparecem como um inchaço durante a estação de reprodução. porém. Esses. servindo em um lado como predadores em invertebrados pequenos. mas muitos autores consideram-nos classes distintas. Outros são predadores activos. sendo que as brânquias localizamse nos parapódios. Algumas espécies são sedentárias (fixas). não apresentam parapódios nem cabeça diferenciada do restante do corpo. têm os papéis ecológicos essenciais. móveis que capturam o corpo morto de animais nas maxilas unidas a suas faringes. Classe Polychaeta São anelídeos que apresentam muitas cerdas e parapódios. 27 – A Minhoca Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . dióicos. São de fecundação externa. Apresentam respiração Fig. Hirudo = sanguessuga) ou Achaeta (sem cerdas) e dois grupos menores. Apresentam clitelo. desenvolvimento indirecto.93 Abdul Gafar Daúdo Classificação O Filo Annelida apresenta 3 grandes classes: Polychaeta (gr. Oligo = poucos + chaíte = cerda) e Hirudinea (Lt.2011 . Polys = muito + chaíte = cerdas). Os Oligochaeta e os Hirudinea pertencem à actual Classe Clitellata. 26 – Estrutura de um polichaeta branquial. Os gâmetas são descarregados no celoma e postos fora do corpo com o nefrídeo ou em consequência da parede do corpo que se rompe. e na outra como alimento para peixes e invertebrados maiores. Oligochaeta (gr. Outros ainda pastam em corais e algas. A maioria é marinha. (Ex. vivem nos tubos enterrados na areia ou na lama.: Eunice. entretanto. nereis). não possuem clitelo.

substâncias nutritivas que se misturam com a terra e agem como adubo. de fecundação interna e cruzada e desenvolvimento directo (sem larva). fertilizando o solo (JONASSE e XAVIER. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .Principais Diferenças entre as Classes de Anelídeos: Características Parapódios Clitelo Respiração Número de sexos Exemplos Poliquetos Presente Ausente Branquial Dióicos Nereis Oligoquetos Ausente Presente Cutânea Monóicos Minhoca Hirudíneos Ausente Presente Cutânea Monóicos Sanguessuga Fonte: Adaptado pelo autor.2011 . (Ex. por meio de pequenos dentes. As espécies parasitas fixam-se no hospedeiro através de ventosas. ―raspam‖ a pele da vítima. aumentando a aeração e a circulação da água. Tabela: 4 . nenhum parapódio. as suas fezes contêm. um corpo dorso-ventralmente aplainado. uma ventosa anterior e posterior (geralmente). mas algumas são marinhas e algumas são terrestres (mas elas requerem ambientes mornos. Classe Achaeta ou Hirudinea São anelídeos que caracterizam-se por não apresentarem cerdas nem parapódios. possuem clitelo. esse muco diminui o atrito com o solo. São animais hermafroditos. Além disso. 28 – Sanguessuga Têm um número fixo dos segmentos (geralmente 34). monóicos. Fig. e geralmente nenhuma cerda. O principal representante desse grupo é a minhoca. provocando hemorragia e sugando o sangue libertado.: Sanguessuga). actua como arado. Ela tem a pele coberta por uma fina película e produz uma substância viscosa. alguns são terrestres de solo húmido. As sanguessugas podem ser predadoras ou parasitas. O celoma não é subdividido por septos na maioria das espécies e é preenchido com o músculo e tecido conjuntivo. Então. Ela cava "túneis". 2011. que é fundamental para a respiração cutânea. A maioria das sanguessugas é encontrada em habitats de água doce. de fecundação externa e cruzada e desenvolvimento directo. A minhoca desempenha um papel importante na fertilidade do solo. 2002:114).94 Abdul Gafar Daúdo aquáticos. monóicos. porém. protege a pele do contacto com possíveis substâncias tóxicas e mantém a humidade. húmidos).

Entretanto. também observado nos poliquetos (os parapódios) (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Com gânglios pares. os insectos.000 espécies. os caranguejos. e com simetria bilateral. celomados.2011 Filo Artrópoda /Articulata 95 Abdul Gafar Daúdo O Phylum Arthropoda (grego arthros = articulação + podes= pés) contém parte dos animais conhecidos. As diferentes espécies estão adaptadas a viver no ar. mas não se sabe se os artrópodes surgiram dos anelídeos ou se ambos surgiram de um ancestral comum e acredita-se que essa ultima hipótese seja mais aceite. nos quilópodes e nos diplópodes.Dia: 21 . salubre ou salgada. glândulas coxais. e os insectos são os únicos invertebrados voadores. primitivamente. traquéias ou pulmotraquéias. e muitos deles com inúmeros indivíduos. Outros são parasitas de plantas ou de animais.    Membros locomotores articulados.  Sistema digestivo completo. glândulas verdes.  Sistema respiratório completo.Setembro . os órgãos de Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . no solo. tórax e abdome. São triblásicos. a excreção ocorre através de estruturas especiais: túbulos de Malpighi.  Sistema nervoso ganglionar. nas aranhas. Origem e Evolução Os artrópodes são protostómios (blastóporo contribui para a formação da boca) e relacionam-se claramente com os anelídeos. bem desenvolvido. pode ser evidenciado pela presença de metameria. o camarão. pulgas. os escorpiões. pela mesma organização do sistema nervoso e. nos crustáceos. na terra. 2006:80). as aranhas.2011 . mais de 1. Têm o corpo segmentado e dividido em três partes: cabeça. pela presença de um par de apêndices por segmento. a respiração acontece através de brânquias. Fazem parte deste filo. cordões nervosos ventrais com gânglios concentrados em cada segmento. centopeias. nesse caso o corpo apresenta-se dividido em duas partes: cefalotórax e abdómen. mil pés e outras formas menos familiares e fosseis. Pode ocorrer fusão da cabeça com o tórax. Características Gerais dos Artrópodes.500. É o único filo de invertebrados com numerosos membros adaptados a vida terrestre. na água doce. nos insectos.

o desenvolvimento pode ser directo ou indirecto. portanto. um crescimento descontínuo. respondem rapidamente aos estímulos. O sangue tem características mistas de sangue e linfa.  São organismos geralmente dióicos (com sexos separados). que contém quitina (polissacarídeo).   Alguns sofrem metamorfose durante o seu desenvolvimento.   Apresentam órgãos dos sentidos bem aperfeiçoados e situados na cabeça. que lhe conferem maior resistência. embora permanecendo mole. A excreção se faz por meio dos tubos de Malpighi (na maioria deles).96 Abdul Gafar Daúdo sentido constituído por antenas e pêlos sensitivos (tácteis e receptores químicos). a seguir. A fecundação é interna. A nova cobertura se endurece por transformações químicas e não unicamente pela exposição ao ar ou a água. é projectado para lacunas no meio dos tecidos. O exoesqueleto é produzido pela epiderme e limita o crescimento do animal. O sistema nervoso. olhos e antenas). Enchendo o corpo de ar ou água para o expandir ao máximo. A pele abandonada recebe o nome de exúvia. As mudas provocam. por isso ocorrem mudas ou ecdises. estruturas mais evoluídas que as nefrídias de uma minhoca. Quando o novo está formado. o sangue circula primeiramente por vasos e. Nos crustáceos é comum o exoesqueleto apresentar-se impregnado de sais de cálcio. os olhos e outros órgãos de sentidos por serem relativamente grandes e bem desenvolvidos. Devido ao peso limitante do exoesqueleto. Antes da nova muda se formar. com metamorfose ou não. A maioria dos artrópodes passa por 4 a 7 mudas até atingir o estágio adulto.  Órgão dos sentidos muito especializado situados na cabeça (órgãos auditivos. o animal espera que o novo exoesqueleto seque e endureça.  A circulação é aberta. o velho é ―solto‖ por enzimas especializadas e um novo é formado por baixo dele. órgãos auditivos (insectos) e estatocistos órgãos de equilíbrio (crustáceos). não existem artrópodes de grande tamanho (nenhum insecto ultrapassa os 27cm de comprimento). isto é. olhos simples e compostos. o exoesqueleto velho abre-se dorsalmente em locais predeterminados e o animal sai lentamente.2011 . daí preferivelmente ser chamado de hemolinfa. São dotados de um exoesqueleto. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . período em que está muito vulnerável. de onde volta depois para os vasos.

Segundo AMARAL e MENDES (s/d:157). antenas e aparelho bucal. devido a luz das diferentes partes do objecto é registada em omatídeos diferentes.97 Abdul Gafar Daúdo Os artrópodes têm capacidade de autotomia e também são capazes de regenerar partes perdidas. são essenciais para a polinização de muitas plantas e são também utilizados como alimento e para a produção de produtos como a seda. apêndices e olhos podem ser regenerados em menor proporção que outros animais inferiores (como os cnidários e lombrizes de terra). Cada um destes consiste em: 1) faceta de córnea ou lente. número de patas. podem ser divididos em cinco classes principais: os insetos. os crustáceos. a qual está dividida numas 2500 facetas microscópicas. Assim. a córnea. o omatídeo. Autotomia é a capacidade de auto amputação voluntária das patas toráxicas. 3) córnea cristalina formada por quatro células córneas. no caso de aprisionamento o animal auto-amputa o membro preso através de um plano de rotura definido. os quilópodos e diplópodos. coberta por uma cutícula transparente. 6) células pigmentárias basais a volta da retina.2011 . Apesar dos artrópodes competirem com o Homem por alimento e provocarem doenças. o mel e a cera. conforme a divisão do corpo. os aracnídeos. Estrutura e funcionamento dos olhos facetados ou composto Possui uma superfície externa redonda. e 7) uma célula de tapete. 2) duas células corneogenas que segregam a lente. Trabalho independente (Procurar saber mais sobre as relações dos artrópodes com o homem). A faceta é o extremo externo de uma unidade visual de forma cónica. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Este olho forma imagem em mosaico ou por oposição. Esta capacidade de regeneração é maior em animais jovens. Classificação dos Artrópodes Os artrópodos. Regeneração ―é a capacidade dos seres vivos de recuperar partes perdidas‖. 4) células pigmentarias distais a volta do cone 5) uma reticula cónica grande formada por 8 células que formam um rabdoma.

Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . pelos tácteis no corpo. Existem 3 classes de quelicerados. Os membros deste grupo diferem na forma do corpo e a natureza dos seus apêndices. caraças.98 Abdul Gafar Daúdo Subfilo Chelicerata /Quelicerada (aranhas e formas afins) Os Cheliceratas (gr.  Geralmente os sexos são separados. mas a maioria dos quelicerados é terrestre e pertence à classe Arachnida. O segundo par são os pedipalpos e encontram-se modificados para realizar diferentes funções nas diversas classes. escorpiões. 2006:85-86). uma única abertura sexual na parte anterior do abdómen. Características Gerais  Corpo geralmente formado por cefalotórax e um abdómen diferentes (excepto em Acarina). tipicamente com seis pares de apêndices articulados. Os pedipalpos são geralmente seguidos de 4 pares de patas‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. ―Nenhum quelicerado possui antenas. São animais terrestres de vida livre e de pequeno tamanho. O primeiro par de apêndices são estruturas alimentares. chamadas quelíceras. Chele=pinça+keros=corno) compõem um grupo variado de aranhas. pedipalpos e quatro pares de patas todas no cefalotórax.  Peças orais e tubo digestivo especialmente adaptados para chupar e em alguns casos com glândulas venenosas. sendo o único subfilo dos artrópodes no qual elas se encontram ausentes.2011 . olhos normalmente simples e pares. sendo duas delas pequenas (Merostomata e Pycnogonida) com espécies marinhas. etc. Fecundação interna. Quelíceros. sem antenas ou mandíbulas. traqueias e sacos brânquias.  Respiração por sacos pulmonares.  Geralmente terrestres e solitários de vida livre de predadores ou parasitas.  Respiração através de tubos de malpighi que são pares por glândulas coxais ou por ambos.  Sistema nervoso com gânglios dorsais (cérebro) e cordão nervoso ventral formado por gânglios pares ou bem concentrado parte anterior. na maior parte ovíparos com desenvolvimento directo ou com fases larvais.

org/wiki/Merostomata). As pernas são bem desenvolvidas e podem ser longas. caraças e outros. os escorpiões. ácaros. Classe Pycnogonida (aranhas-do-mar) Já foram descritas mais de 1000 espécies. São terrestres geralmente com dois pares de peças bucais (queliceros e pedipalpos) e quatro pares de patas. O cefalotórax não tem carapaça e apresenta dois olhos simples.99 Abdul Gafar Daúdo Classe Merostomata São quelicerados aquáticos. Entretanto. sendo a última representada pelos límulos. há aquelas com 5 ou 6 pares. caracterizados por cinco ou seis pares de apêndices abdominais modificados como brânquias e por um télson em forma de esporão na extremidade do corpo. cnidários e briozoários. A maioria das espécies possui 4 pares de patas locomotoras. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . Não há órgãos excretores ou para trocas gasosas. todas incluídas numa única ordem. A classe constitui-se de pequenos artrópodes bentônicos marinhos (menores que 6cm de comprimento). O primeiro apêndice (o quelíforo) é quelado de modo semelhante à quelícera ou pinça. Abundam mais em zonas quentes e secas. o segundo (o palpo) pode ser homólogo ao pedipalpo. até mesmo. Os merostomados são artrópodes exclusivamente aquáticos‖ (http://pt. através das quais matam insectos e outros pequenos animais.wikipedia. com outros artrópodes. Os adultos alimentam-se principalmente de esponjas. O abdómen não é segmentado e é desprovido de apêndices. cujos líquidos e tecidos servem de alimento. Muitas possuem glândulas e unhas venenosas. um segundo par de pedipalpos e télson. O grupo é dividido em duas classes: Eurypterida (extintos) e Xiphosura. Este grupo ―caracteriza-se por ter uma carapaça que protege o cefalotórax do animal. Classe Arachnida /aracnideos Fazem parte desta classe as aranhas. um apêndice espinhoso que se projecta na zona posterior e lembra uma cauda. sendo considerados por muitos zoólogos como não relacionados com os demais quelicerados e.

redondeados e não segmentados e unidos através de uma cintura delgada ou pedúnculo. 2006:88). 2011. Provavelmente os primeiros aracnídeos eram aquáticos.2011 . junto as cascas. entre rochas. desenvolvimento de apêndices especializados à locomoção terrestre. Esta migração de um ambiente aquático para o terrestre exigiu algumas modificações fundamentais. que se comunica com uma glândula venenosa situada dentro do cefalotórax. entre outras. Cada uma das quelíceras Fig. Habitam em varios lugares. etc. (DE ARAUJO e BOSSOLAN. abdome e pós-abdômen Cefalotórax fundido com abdômen Exemplos Aranhas Escorpiões Carrapato Fonte: Adaptado pelo autor. Oito olhos simples situados anteriormente e com seis pares de apêndices na parte ventral do cefalotórax. como: aumento e impermeabilidade da cutícula.000 sp. Ordem Aranae: onde estão incluídas as aranhas. Esta ordem é constituída por mais de 20. as brânquias foliáceas modificaram-se em pulmões foliáceos e traqueias. florestas. os viventes são terrestres. Corpo formado por cefalotórax e abdómen. E nos machos o extremo de pedipalpo converte-se em Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 29 – Estrutura externa da aranha possui um segmento basal e uma unha terminal. Tabela: 5 – Ordens dos aracnideos: Ordem Araneídeos Escorpinídeos Acarinos Divisão do Corpo Cefalotórax e abdômen Cefalotórax. desertos. desde o nível do mar as montanhas mais altas. Morfologia externa da aranha. com um conduto. mas. O pedipalpo é usado para mastigar o alimento. perto do extremo.100 Abdul Gafar Daúdo As aranhas e alguns outros aracnídeos possuem também outras glândulas especiais que segregam finos filamentos de seda. actualmente. Esta é usada na construção de ninhos (teias) e caixas para ovos ou para outros fins.

esófago. 30 – Estrutura interna da aranha (vista lateral) Sistema circulatório: parecido ao dos insectos. com três pares de aberturas ou ostíolos. Injeta-lhe saliva e depois aspira o líquido resultante da digestão dos órgãos da presa. bolsa estercoral e ânus. O coração bombeia o sangue através da aorta e aos seios que existem entre os tecidos. glândula digestiva multiramificada (fígado) recto. onde seus sucos digestivos são injetados no corpo das presas (local onde é feita a digestão do animal). As aberturas externas são: boca situada entre os maxilares e ventralmente no cefalotórax. o intestino recto. alguns de natureza sensorial. o coração é um tubo comprido e estreito. Fig. Do coração sai uma aorta caudal. situado dorsalmente dentro do abdómen. rodeado por um pericárdio tubular. estômago principal com pares de bolsa.101 Abdul Gafar Daúdo recipiente para transferir esperma. Ela não devora a presa. para trás e uma aorta anterior envia artérias pares ao esófago. dentro do abdómen. abertura por uma placa. nas aranhas. apenas pode absorver líquidos.2011 . 4 entradas aos sacos pulmonares e cada lado da abertura genital um espiráculo diante do ânus que se comunica com a traqueia. Organização interna Sistema digestivo: boca. estômago chupador. É do tipo completo e a digestão é extra-celular e extra-intestinal. 2-3 pares de fileiras as vezes unidas cada uma com tubos numerosos donde sai a seda segregada por glândulas localizadas no abdómen. abertura genital antero-ventral do abdómen. Daqui passa Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . muscular e contráctil. O sangue que é incolor. sendo uma dorsal e uma cada pata. Há quatro pares de patas locomotoras formadas cada uma por sete peças e que terminam em duas ou três unhas dentadas. patas. contém corpúsculos incolores e hemocianina dissolvida com pigmento respiratório. Todas as partes externas estão cobertas por uma cutícula com numerosos pêlos. o ânus que é terminal. olhos e glândulas do veneno.

única.102 Abdul Gafar Daúdo aos pulmonares para a aereação ou oxigenação e volta pelas veias pulmonares à cavidade pericárdica. A respiração se verifica através de sacos pulmonares peculiares dos aracnídeos. que descarregam o seu produto entre as patas. O sistema nervoso é concentrado e está formado por um gânglio bilobulado sobre o esófago. o macho procura uma fêmea para acasalar. Podem realizar uma dança nupcial antes de transferir o esperma. Dois receptáculos seminais estão em comunicação com a vagina. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Os pedipalpos são sensitivos (para o facto). Reprodução: os sexos são separados e frequentemente desiguais em tamanho. que se comunica posteriormente com intestino e um a dois pares de glândulas coxais situadas na base do cefalotórax. 2006:92). As traqueias são parecidas as dos insectos. onde ocorre o intercâmbio entre o oxigénio e o dióxido de carbono. cada um com um oviduto sai á vagina. de onde irradiam nervos a todos os órgãos. (DE ARAUJO e BOSSOLAN. que se comunica com uma grande massa nervosa central. tecem uma pequena teia na qual depositam uma gotícula de esperma que logo recolhem na cavidade dos seus pedipalpos. Ela pode ou não matar e comer o macho depois do acasalamento. bastões ópticos e células retinais. Os olhos são simples. introduzindo os seus pedipalpos na abertura vaginal da fêmea. Os machos têm dois grandes testículos ventrais de cada lado do abdómen. A excreção se realiza através de tubos de malpighi. entrando de novo no coração através dos ostíolos. com uma lente quitinosa. sendo as fêmeas maiores. Reprodução da aranha O palpo no macho consiste de um reservatório bulboso do qual se estende um ducto ejaculatório. O ar que entra pela abertura externa do abdómen.2011 . debaixo do intestino. Na fêmea os dois ovários são grandes e ocos. uma capa epitelial. mas a corte não depende só disso. Os machos quando alcançam a maturidade sexual. Bom sentido para o olfacto. circula entre as lâminas. Com os palpos cheios. mas só se encontram no abdómen. reunidos pelos vasos eferentes enrolados a uma vesícula seminal única que conduz a abertura genital. Constituem 15 a 20 lâminas horizontais foliáceas que contém finos vasos sanguíneos.

2011 . as aranhas mudam de forma. escondem-se debaixo de pedras ou em orifícios pouco profundos durante o dia e durante a noite correm livremente para capturar insectos. Nas sucessivas mudas. O acasalamento é procedido por uma dança nupcial e a fêmea produz descendência viva. tamanho e cor. com pedipalpos grandes. o tórax e o abdómen completamente fusionados e sem segmentação. s/d:159). as vezes articuladas com o corpo. e formado por 12 segmentos.103 Abdul Gafar Daúdo Mais tarde esta constrói um saco almofadado onde guarda os ovos. Habitam em regiões quentes e secas. As oito patas estão colocadas lateralmente ao corpo e geralmente tem cerdas. e as fêmeas 7 a 8. Estes indivíduos permanecem no saco durante 2 a 6 semanas. aranhas e outros escorpiões que empregam como alimento. O tegumento é membranoso ou coriáceo. com a cabeça. O corpo é indivisível. Os escorpiões são compridos. ainda após a primeira muda. Outras espécies transportam a prole dentro do abdómen. contém as peças orais. portanto sujeitos a metamorfoses. como todos os aracnídeos. Os ácaros e carrapatos (Ordem Acarina). Outros aracnideos. Pegam o alimento com os pedipalpos. ―são animais dióicos com fecundação cruzada e interna. algumas vezes com placas duras. isto é. porém com desenvolvimento indireto. Fig. Dos ovos nascem indivíduos aos 10 a 14 dias. Uma região anterior comprida e estreita. A larva é hexápode‖ (AMARAL e MENDES. terminados em pinça e um abdómen comprido terminado numa unha venenosa. Os machos passam por até 5 mudas antes da maturidade. aos animais maiores os paralisam picando-lhes. 31 – Estrutura dum escorpião (vista externa ventral) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .

104 Abdul Gafar Daúdo Os sexos estão separados. e faringe chupadora engole sangue que se conserva liquido pela acção de um anticoagulante salivar. Seu estômago dilata-se até encher.2011 . o húmus. Produzem larva eclodidas de ovos escondidos no solo. águas salgadas. pois. pois alguns são causadores de doenças como a sarna. Os carrapatos se alimentam do sangue dos répteis. Algumas relações dos aracnídeos com o homem:  A viúva negra (provoca doenças ao homem quando picado. doces. alergias e outros.  Os ácaros são aracnídeos de importância médica. nas plantas em decomposição. asma. Os ácaros abundam no solo. alimentam-se deixam-se cair e mudam. são transmissores de algumas doenças como a sarna e outras doenças da pele no homem. aves e mamíferos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . os alimentos armazenados. Depois que acham um alimento. outros chupam sangue ou vivem na pele. as peças orais perfuram a pele. Quando encontram um hospedeiro. Os carrapatos podem ficar até um ano sem comer se não encontram hospedeiro. As larvas eclodidas trepam arbustos a espera de hospedeiros apropriados. sangue ou outros tecidos dos vertebrados terrestres. como os carrapatos. é venenosa). Na maior parte das espécies nasce do ovo uma larva hexapoda que se alimenta e muda.  Ácaros provocam doenças em plantas.

A maioria. Os crustáceos com exoesqueleto em forma de concha dura incluem as pulgas de água. olhos compostos. indirecto (AMARAL e MENDES. isto é. s/d:158). sendo tetráceros.   Divisão do corpo em dois segmentos: o cefalotórax (cabeça e tórax) e o abdómen. Número de patas variável de acordo com as espécies. os crustáceos largam a sua crosta e. são dióicos. ostocisto e um número variável de patas. ocelos.   Olhos pedunculados ou sésseis.Setembro . 105 Abdul Gafar Daúdo Os crustáceos são animais principalmente aquáticos.2011 . Estes artrópodes apresentam grande diversidade de formas e tamanhos. muito raramente interna (craca) e o desenvolvimento directo ou. etc. notando-se. Presença de dois pares de antenas (são tetráceros). camarão. Em geral. caranguejos. estatocisto. raramente terrestres. sendo um par de antenas e um par de antênulas. a qual ainda é frequentemente impregnada de sais calcários (casca de siri). Os crustáceos (do latim crusta. contudo. que excretam através das glândulas verdes. ou seja. na maioria dos casos. apresentam-se desprotegidos. ambos com funções sensoriais de tacto e olfacto. de respiração branquial. com fecundação cruzada e externa. Durante a muda para o crescimento. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Alguns carecem de exoesqueleto no abdómen (Pagums sp) e servem-se de conchas abandonadas de caracóis. Quanto ao sexo. são marinhos (costeiros).Dia: 28 . possuam dez patas. Características principais  Corpo revestido por uma crosta quitinosa frequentemente impregnada de sais calcários. poucos são terrestres de lugares húmidos. embora os mais conhecidos branquiados sejam decápodos. durante um certo período. ‗crosta‘) são artrópodes caracterizados principalmente pelo corpo protegido por uma crosta formada pelo espesso exoesqueleto quitinoso (casca de camarão). portadores de quatro antenas.2011 Classe Crustácea Carcinologia: É a ciência que estuda os crustáceos. o corpo divide-se em cefalotórax e abdómen. a distinção entre patas ambulacrárias ou andadoras (grandes e situadas no cefalotórax) e patas natatórias (pequenas e situadas nos anéis do abdómen).

que é coberto pela carapaça e que tem muita importância na classificação do camarão e o abdómen (cauda). Morfologia externa do camarão (malacostraco). abrindo-se para o exterior na base de uma saliência rígida e pontiaguda chamada rostro. cujo este pertence na ordem decápoda.  Circulação aberta (lacunosa) e sangue com hemocianina (pigmento respiratório de cor azul contendo cobre) dissolvida no plasma. Fig. A Cabeça é formada pela fusão de 5 segmentos. Em geral o corpo do camarão está dividido em duas partes: O cefalotórax (cabeça). B. localizadas na parte anterior do corpo (região da cabeção). cada um deles com 1 par de apêndices bifurcados. um apêndice torácico. 32 – A. 1 par de mandíbulas e 2 pares de maxilas.   Reprodução sexuada e evolução por etapas com mudas periódicas. Subdivisão em duas subclasses: Entomostraca (microcrustáceos ou espécies minúsculas) e Malacostraca (crustáceos mais desenvolvidos).106 Abdul Gafar Daúdo  Respiração branquial realizada por brânquias situadas na base das patas ambulacrárias. Morfologia externa Para estudar a morfologia externa dos crustáceos vamo-nos servir do camarão como exemplo.  Excreção feita por glândulas verdes ou antenais. Há 2 pares de antenas (tetráceros).2011 . Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .

o sangue é levado às brânquias onde ocorre a oxigenação do sangue e libertação do CO2. que nas fêmeas. quimioreceptores e respiratórios. o não digerido é eliminado pelo ânus‖ Fig. ficando o sangue carregado de CO2 e resíduos tóxicos. os Urópodes são chamados também natatórios. sendo bombeado e redistribuído ao corpo. O sangue oxigenado segue por lacunas até o coração. 33 – Morfologia interna do lagostim macho. o primeiro par é transformado em órgão copulador. onde penetra por fendas nele presentes. No Abdômen. Sistema Digestivo . Seus apêndices são divididos em dois grupos. a pinça ou quela.―O sistema digestivo composto dos por crustáceos boca é ventral situada entre as mandíbulas onde e triturado e ingerido. protegem os ovos. o sangue abandona os vasos e cai em lacunas. Os Maxilípedes servem para a apresentação de alimento e ainda funcionam como elementos tácteis. Maxilípedes e pereópodes. A morfologia externa das lagostas é muito semelhante a do camarão. Das lacunas dos órgãos. Os pereópodes.O aparelho circulatório é dotado de um coração dorsal que leva o sangue para todos os órgãos. O último segmento é o Telson. formados por lâminas alargadas. nos machos. ou patas locomotoras. usada para ataque ou defesa. onde ocorrem trocas gasosas. Sistema circulatório . 2002:119). (JONASSE e XAVIER.2011 . lançado no sangue e distribuído por todo o corpo. O alimento digerido no estômago e absorvido no intestino. podendo estar fundidos ou não. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . formam nos primeiros segmentos.107 Abdul Gafar Daúdo O Tórax apresenta segmentos com número variável. Os Pleiópodes são natatórios e. Ao chegar nos diversos órgãos. os segmentos não são fundidos e seus apêndices são: Pleiópodes e Urópodes.

2011 . Os olhos compostos são formados por muitas unidades. É um desenvolvimento indirecto. femininas e masculinas que se chamam ovários e testículos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . que se distinguem muito bem nos adultos e. desta segue a zoéia depois a larva mísis que já é semelhante ao adulto que sofre uma última metamorfose transformando-se no camarão. Os ovários situam-se dorsalmente nas cavidades cefalotoráxicas e abdominal. como nos outros amimais iremos estudar apenas as gônadas femininas que são as mais visíveis e sobre as quais se baseia o estudo da reprodução. lobo mediano ou médio e o lobo posterior.Alguns branquiopodes são partenogenéticos. sendo normal a cópula entre um macho e fêmea sexualmente maduros. sésseis ou pedunculados. porém. na base das antenas e órgão tácteis e olfactivos. Há muitas larvas e a mais simples é nauplio. os omatídeos. com apenas 3 pares de patas. Assim o camarão apresenta órgãos sexuais externo masculino e feminino. (JONASSE e XAVIER. Após a cópula os parceiros separam-se e os ovos são fecundados externamente ficando apegados por uma matriz mucosa ao seu abdómen. Os crustáceos possuem glândulas sexuais ou gônadas.Os órgão sensoriais são bem desenvolvidos. Nos machos. nas formas larvais fala-se de desenvolvimento indirecto dependendo da espécie. os estatocistos. com um pouco de dificuldade. Reprodução . caso em que se dirá que é um desenvolvimento directo. situado no primeiro segmento abdominal no meio do primeiro par de pleópodes. apresentam sexos separados. existe o petasma. A maioria das espécies. os ovários são constituídos por 3 partes: lobo anterior. Nas fêmeas esta formação exterior encontra-se na região ventral do cefalotórax entre o último par de pereópodes tem o nome de télico. No camarão. Há órgãos de equilíbrio.108 Abdul Gafar Daúdo Sistema Sensorial . 2002:120). Os olhos podem ser simples ou compostos. Dos ovos podem surgir seres jovens semelhantes aos adultos. também nos jovens. especialmente na região da cabeça. respectivamente.

louva-a-deus) Classificação anotada.(cochinilhas de humidade.2011 . Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 13. As fêmeas possuem um abdómen largo que e utilizado para o transporte de ovos Nos machos. mosquito Aranha. caranguejo. Ordem Anomopoda 7. No caso dos caranguejos. os sexos também se diferenciam externamente. Ordem Laevicaudata 5. Ordem Ctenopoda 6.(camarão. Ordem Spinicaudata 4. Os grupos indicados por um punhal ( ) são extintos e conhecido apenas a partir de fósseis. lagosta. etc) Isopoda . o abdómen e estreito e alguns dos seus segmentos encontram-se fundidos (unidos). Classificação Os artrópodes podem ser classificados em cinco classes principais. Ordem Hoplostraca. Ordem Haplopoda 9. camarão. Ordem Notostraca 10.109 Abdul Gafar Daúdo Nas lagostas e lagostins. Ordem Amphipoda (Scuds ou 2. Ordem Palaeostomatopoda. Ligia sp) Stomatopoda . siri Lacraia Piolho de cobra Existem mais de 25 ordens.(com dez patas locomotoras. Os femininos encontram-se na base do terceiro par de pereópodes e os masculinos na base do quinto par. usando como critério o número de patas. Ordem Kazacharthra 11. 1. Tabela: 6 – Classe dos artrópodes Nª de patas 6 8 10 1 par / segmento 2 par / segmento Classe Insectos Aracnídeos Crustáceos Quilópodes Diplópodes Exemplos Barata. mas apenas pela existência de orifícios sexuais nos pereópodes. ex. das quais se destacam: Decapoda . Ordem Lipostraca 8. o sexo e determinado pela forma do abdómen. escorpião Camarão. Ordem Anostraca 3. Ordem Onychopoda Portfólio de Zoologia S&F nadadores lado) 12.

google.mz/translate?hl=ptPT&langpair=en|pt&u=http://www. fonte de alimento e equilíbrio biológico em ecossistemas aquáticos. 30. Ordem Myodocopida.co. tórax e abdómen. 18. Insecto. `o que tormenta. Ordem Poecilostomatoida. 24.110 Abdul Gafar Daúdo 14. Ordem Monstrilloida. 23. Ordem Ascothoracica. persegue. Classe dos insectos (Entomologia . Ordem Mormonilloida. 25. Ordem: Ostracoda (seedshrimps) Fonte: (http://translate. Ordem Phosphatocopida. somam mais de 850. Ordem: Branchiopoda (cladóceros [pulgas de água]). Os insectos (do lat.ciência que estuda os insectos). 34. moscas. 22. 28. 27. Fazem parte desta classe os gafanhotos. são os únicos invertebrados com a capacidade de voo. Ordem Harpacticoida. 17. já catalogadas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Ordem Platycopida. Ordem Rhizocephala. 29. Apresentam o corpo dividido em cabeça. 36. 35.uv. são de habitat principalmente terrestre. 26. Ordem Misophrioida. 21. mosquitos etc. Ordem Siphonostomatoida. abelhas. s/d:157). 33. são os mais abundantes e estão amplamente distribuídos. 31. Ordem Archaeostraca. 15. respiram por traqueias e excretam por túbulos de Malpighi‖ (AMARAL e MENDES. Ordem Calanoida. 20. não habitam no mar. 32. borboletas. Ordem Halocyprida. Ordem Cladocopida. Ordem Cyclopoida. 19.es/EBRIT/macro/macro_5001_59_5.html) Importância dos crustáceos Dois aspectos de importância básica. Ordem Leperditicopida.2011 . 16. incomoda´) ―são os mais numerosos animais da escala zoológica. Ordem Bradoriida.000 spp. Ordem Podocopida. Ordem Arguloida (piolhos de peixes). São terrestres. piolhos. Ordem Beyrichicopida.

5. possui dois pares de asas (tetrápteros). 3. 8. para a localização de presas (libélulas). directamente aos tecidos.111 Abdul Gafar Daúdo Neste contexto. entretanto. como as pulgas. 6. nadar (besouros-de-água). como correr (formigas). a maioria. A cabeça possui um par de antenas e peças orais mastigadoras. 4. o tórax possui 3 pares de patas articuladas — os insectos são hexápodos (possuem seis patas) e normalmente dois. a grande maioria. Corpo revestido por um envoltório proteico contendo quitina que constitui o exoesqueleto desses animais. A cabeça tem sempre um par de antenas (animais díceros). o piolho.2011 . Embora existam espécies ápteras (sem asas. O tubo digestivo e formado por um intestino anterior. outros são díceros e hexápodos. a maioria é dotada de asas (alguns dípteros ou. chupadoras ou lambedoras. a traça) e dípteras (como as moscas e mosquitos. agarrar e imobilizar vítimas (louva-a-deus). O corpo é dividida em cabeça. As patas são estruturas especializadas com determinadas funções. piolhos e as formigas. médio e posterior. que apresentam apenas um par de asas). Características gerais. como as formigas. 7. alguns com brânquias. Olhos prestando-se para a orientação do voo (abelhas). Respiração através de traqueias ramificadas que levam o oxigénio dos espiráculos pares (furos) situados ao lado do tórax e do abdómen. a pulga. tetrápteros) embora algumas e poucas espécies sejam ápteros. tórax e abdómen. 2. boca e glândulas salivares. Com função táctil e olfactiva. As asas nesses animais. saltar (pulgas). contribui para aumentar sua adaptação à vida terrestre. O abdómen é constituído por 11 segmentos com as patas terminais modificadas em órgãos genitais. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 1. um ou nenhum par de asas. traqueias ou sanguíneas.

substituição daquela espécie de "armadura" por outra maior. depois. Esse fenómeno é chamado muda ou ecdise e tem o seu mecanismo controlado pelas glândulas protorácicas. que funcionam como se fossem vários corações em série. já largado no ambiente.112 Abdul Gafar Daúdo 9. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Coração grande. para picar (pernilongos). Pela sua natureza rígida. recebe o nome de exúvia). Morfologia externa O exoesqueleto protéico contendo quitina é formado pela camada mais externa da epiderme. Produzem ácido úrico como principal excreta nitrogenado. Apresentam peças bucais preparadas para mastigar (baratas e gafanhotos). reinicia a actual dimensão. canalículos que retiram os produtos finais do metabolismo diretamente de celoma (que nestes animais é representado por cavidades no meio dos tecidos — hemocelos — por onde circula a hemolinfa) e os derramam na porção posterior do intestino. 34 – Morfologia externa da abelha. oferece uma razoável protecção ao animal contra predadores e perda excessiva de água. se difunde para lacunas nos tecidos (hemocelos). Alguns possuem órgãos para a emissão de sons e de recepção dos mesmos. sem capilares. 11. para lamber (abelhas). quimioreceptores para o olfacto nas antenas e para o sabor por volta de boca e pêlos tácteis. A hemolinfa é projectada em direcção à cabeça e. o sangue retorna ao vaso dorsal. imediatamente. cavidade corporal em forma de hemocele (celoma reduzido). Os órgãos de sentido são olhos simples e compostos. Assim. Excreção por tubos de Malpighi. para sugar (borboletas). que correspondem à cavidade celomática desses animais. há necessidade de Fig. nem veias. 10. Sangue sem pigmento respiratório. periodicamente. 13. O sistema circulatório compõe-se de vasos finos e um grande vaso dorsal com diversas câmaras contrácteis. expande-se aumentando o seu volume e. Posteriormente. com aorta inferior. O animal se despe do seu exoesqueleto (que.2011 . Sistema nervoso constituído por gânglios supra e infra-esofagicos. 12.

trocanter.113 Abdul Gafar Daúdo A cabeça é o centro sensorial do animal. ― Pergamináceas: finas. Os olhos podem ser ocelos (distinguem a luz e a sombra. Os últimos segmentos são transformados. Em suas nervuras passam vasos. tíbia e tarso. com um par de patas por segmento. fémur. que apresentam também as funções olfactivas e tácteis (BARROS. 58:1988). Morfologia interna Sistema Digestivo . opacas.2011 (estomodeu) de origem ectodérmica. Existem abertura das traqueias. Nela estão localizados seus principais órgãos dos sentidos: as antenas e os olhos. As antenas são órgãos quimioreceptores. traqueias e lacunas sanguíneas. Em alguns. 35 – Morfologia interna da abelha. revelando adaptações para a copulação e a postura de ovos. 1º ano UP-Montepuez . O tórax é o centro locomotor dos insectos. porém não formam imagens) ou olhos compostos ou facetados (formados por pequenas unidades chamadas omatídeos. denominadas espiráculos ou estigmas. mas não são membros verdadeiros e sim uma expansão lateral do tegumento. que se dispõem radiadamente formando um globo grande) estes formam imagens. As asas são estruturas vivas ligadas ao tórax (meso e metatórax). O abdómen é o centro de nutrição dos insectos. É formado por três segmentos: protórax. médio Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia .é do tipo completo e divide-se em três partes: anterior Fig. mesotórax e metatórax. com eles os insectos conseguem ver com nitidez (BARROS. localizadas lateralmente. 58:1988). Os tipos de asa são: ― Membranosas: finas e transparentes (moscas). Cada pata é constituída pelos seguintes artículos: coxa. existe um aguilhão ou ferrão injector de substância irritante. desprovido de apêndices e com uma segmentação nítida. ― Élitros: espessas e opacas (besouro). ― Hemiélitros: são sem nervura e consistência na base e membranosas na ponta. de efeito muito doloroso ou mesmo paralisante sobre pequenos animais. flexíveis e coloridas (barata).

intestino. O Estomodeu e o Proctodeu têm revestimento quitinoso. besouro. O aparelho bucal é adaptado ao tipo de alimentação do animal. Ex: a traça. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . à medida que as mudas ou ecdises se processam. São quase todos ovíparos. não havendo. Reprodução .114 Abdul Gafar Daúdo (mesodeu) de origem mesodérmica e posterior (proctodeu) de origem ectodérmica. Há dupla rede de gânglios que se dispõem ventralmente ao longo do corpo. a sensibilidade gustativa está nos palpos bucais e a sensibilidade táctil em cerdas de apêndices.compõe-se de gânglios. cujo sistema nervoso tem um cordão longitudinal dorsal. Certas moscas e os pulgões são vivíparos. metabolos = mudança). moela. representado pela medula raqueana. esófago. sendo que os localizados na cabeça se fundem para formar uma espécie de cérebro. Por isso. em contraste com os animais superiores (vertebrados). picador (cigarra e piolho) (BARROS. faringe. Ex: o gafanhoto. Sistema Sensorial . O ovo eclode e libera um indivíduo jovem com forma semelhante ao adulto. papo. barata). que é destituída da asas e órgãos sexuais desenvolvidos. São os insectos com metamorfose incompleta: o ovo eclode e libera uma ninfa. podendo ser triturador (gafanhoto. dizemos que o sistema nervoso dos insectos é ventral. estômago.  Hemimetábolos (do grego hemi = metade). em forma de tromba ou probóscida (borboletas). os insectos são dióicos (unissexuados). a sensibilidade auditiva é percebida pelos pêlos e órgão cordotonais das patas.A visão dos insectos (olhos simples e compostos) distingue cores até ultravioleta. a ninfa transforma-se na forma adulta. metamorfose. A fecundação é interna. podendo ou não ocorrer dimorfismo sexual (macho diferente da fêmea). Possui boca. Quanto ao desenvolvimento. ânus.2011 .Quanto à reprodução. e como órgãos anexos. classificam-se em:  Ametábolos (do grego a = não. Sistema nervoso . pulgas) e sugador-lambedor (moscas). portanto. picador-sugador (mosquitos. as glândulas salivares. sugador. denominada imago. 58:1988). a sensibilidade olfactiva situa-se nas antenas.

A ninfa é a forma jovem dos insectos hemimetábolos (um pouco parecida com imago). Para que a metamorfose ocorra é necessário que a taxa de harmónio juvenil na hemolinfa seja muito pequena ou nula. mas em algumas moscas adultas e noutros casos os gânglios são concentrados na parte anterior do corpo. Chama-se larva a forma jovem muito diferente do imago. O mecanismo de produção de sons e em alguns casos o produzem ao voar (batimento das asas) A produção da luz e uma particularidade dos pirilampos e outras formas. estender a área. o caso das traças (SOARES. Muitos ortopteros podem produzir sons. e metabole. as aves e os morcegos são os únicas animais com a capacidade de realizar o verdadeiro voo. O voo dos insectos lhes permite. A muda. etc. Existe. As asas dos insectos são órgãos únicas formados como expansões do tegumento e são amplamente diferentes das asas formadas a partir das extremidades dos vertebrados. nos insectos. entretanto. Voo . etc. ou desta em imago. faltando-lhes apenas o crescimento. mosca e besouro. Pupa é a forma intermediária entre larva e o imago nos holometábolos (do grego holo. alguns mosquitos e moscas. como abelha. e mesmo alguns hemipteros. ‗mudança‘). é desencadeada pelo harmónio ecdisona. dispersar-se e colonizar novos territórios. mas passa apenas de uma fase da larva para outra fase de larva. de procurar alimento.115 Abdul Gafar Daúdo  Holometábolos (do grego holo = total). ‗tudo‘. A forma adulta dos insectos recebe o nome de imago. algumas borboletas nocturnas.2011 . Insetos. Outros insectos Sistema nervoso formado por um par de gânglios por segmento. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . borboleta. ‗todo‘. cuja produção é estimulada pelos harmónios cerebrais. 1997:369).Os insectos. A larva ingere grande quantidade de alimento e realiza mudas até originar a pupa ou casulo ou crisálida: Estes nascem com as mesmas características que terão quando adultos. um outro harmónio — harmónio juvenil — que impede a transformação da larva em pupa. fugir de inimigos. o animal realiza a muda. Caso contrário. com metamorfose completa: o ovo eclode e libera uma larva.

Vestuário através da lã. mel por exemplo. Ordem Siphonaptera (pulgas. podem constituir pragas. borrachudos.Ordens dos insetos Ordem Archaeognatha ou Microcoryphia (traças saltadeiras ) Ordem Thysanura (traças dos livros ) Ordem Thysanopter (tripes) Ordem Hemiptera (percevejos. Tabela 7 . transmitem doenças ao homem e alguns animais domésticos. Classificação dos insectos A classe dos insectos. ripípteros) Ordem Díptera (moscas. lacrainhas. mosquitos. benditos) Ordem Dermaptera (tesourinhas. cigarrinhas. cochonilhas. bichos-do-pé. cigarras. crisopas) Ordem Mecoptera (panorpatos. moscasbrancas. se distribuem em mais de 26 ordens: Trabalho independente (investigar sobre as restantes ordens dos insectos). crisopídeos.116 Abdul Gafar Daúdo Relação com o homem Servem de alimento para o homem.2011 . abelhas. pulgões. bichascadelas) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . esperanças) Ordem Embioptera (oligoneuros ou néticos) Ordem Grylloblattodea (insectos pequenos das regiões frias do hemisfério norte) Ordem Phasmatodea (bichos-pau) Ordem Mantodea (louva-a-deus. grilos. friganas) Ordem Lepidoptera (mariposas e borboletas) Ordem Coleoptera (besouros) Ordem Strepsiptera (estrepsípteros. limpeza (necrófagos) de sujidade. sialídeos) Ordem Ephemeroptera (ephemeras) Ordem Plecoptera (perlópteros ou perlários) Ordem Odonata (libélula) Ordem Orthoptera (gafanhotos.) Ordem Megaloptera (formigas-leão.) Ordem Neuroptera (formigas-leão. moscas-escorpião) Ordem Trichoptera (friganeídeos. mutucas. etc). picadas (vespas. mosquitos. pernilongos. psilídeos). põe-mesas.

Apresentam características morfológicas que os assemelham remotamente aos cordados. Apresentam características tanto de equinodermes como de Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . pois as larvas platónicas possuem vida muito longa. camarão Arachnida Terrestre Ausentes Cefalotórax e abdómen Oito Ausentes Pulmotraqueal Aranhas. que habitam preferencialmente águas profundas e algumas espécies ocorrerem em águas rasas. cupim Crustacea Água salgada ou doce Ausentes Cefalotórax e abdómen Variável Dois pares Branquial Caranguejo. A importância ecológica dos hemicordados é desconhecida e a possibilidade de descobrir-se novas espécies parece remota. Tabela: 8 .Principais Diferenças entre as Classes dos Artropodes: Insecta Habitat principal Asas Divisão do corpo Número de patas Antenas Respiração Exemplos Terrestre Ausentes. o que acarreta ampla distribuição geográfica. de corpo mole e cilíndrico. 1997:373. A classe Pterobranchia compreende colónias de pequenos zoóides tubícolas. tórax e abdómen Seis Um par Traqueal Barata. tórax e abdómen Muitas: dois pares em cada anel Um par Traqueal Embuá ou piolhode-cobra Fonte: Adaptado pelo autor. com segmentação radial. 2011. moscasde-serra. Ordem Hymenoptera (abelhas.) Adaptado pelo autor. vespas.2011 . 2011 – a partir de SOARES.117 Abdul Gafar Daúdo Ordem Blattodea (barrata) Ordem Isoptera (cupins) Ordem Zoraptera (zorápteros) Ordem Psocoptera (piolhos-dos-livros ou psócidos ) Ordem Phthyraptera (piolhos mastigadores (detritívoros) ou sugadores (hematófagos)). Os Hemicordados pertencem ao grupo dos deuterostómios e são enterocélios. um par e dois pares Cabeça. Filo Hemichordata O filo Hemichordata é composto por espécies exclusivamente marinhas. pulga. Trabalho independente (falar de todos aspectos relacionados com o filo Hemichordatos). formigas. formigas-feiticeiras. carrapatos Chilopoda Terrestre Ausentes Cabeça e tronco Muitas: um par em cada anel Um par Traqueal Centopéias ou lacraias Diplopoda Terrestre Ausentes Cabeça. craca.

significando cordaboca) sem homologia com a notocorda dos cordados.(ibdem). comumente alcançando mais de 1 metro de comprimento‖ (http://biolegal. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . utilizaram-se inicialmente para filtrar a comida e secundariamente para a respiração. de corpo vermiforme. & BARNES (2005:1002). Estrutura  Os hemicordados são animais marinhos.blogspot. sem incluir o pedúnculo. As armaduras branquiais faringeas. compácto.  Corpo mole.  Os hemicordados são vermiformes bentónicos.com). com um pedúnculo de fixação. vermiforme. também características dos cordados.―Os representantes da classe Enteropneuta apresentam umas dimensões entre 10 e 45cm de comprimento‖. As semelhanças com equinodermes observam-se nas características larvais.  Alguns são coloniais e vivem em tubos secretados por eles mesmos. de 5 a 14 mm.2011 .118 Abdul Gafar Daúdo cordados.  Conhecem-se 70 espécies de Enteropneustos e 3 pequenos géneros de Pterobranchios  Os hemicordados têm a estrutura tricelómica típica dos deuterostómios Características gerais  ―A classe Enteropneusta engloba espécies solitárias. de águas pouco profundas.  Os representantes da classe Pterobranchia são de menor tamanho. assim. dando-se-lhe então a categoria de um separado filo. FOX. até há pouco tempo considerado um subfilo dos cordados. em função da posse das armaduras branquiais e uma notocorda rudimentar. sendo comparável aos protocordados.  Para RUPPERT. frágeis. o modelo estrutural de cordados é sugerido por terem armaduras branquiais e um cordão nervoso dorsal tubular e curto. Actualmente aceita-se que a chamada notocórdia dos hemicordados é realmente um divertículo bocal (denominado de estomacorda.

Características anatómicas   Duas aberturas de saídas (uma de expulsão e outra para filtração) Probóscide e colar coberto por epitélio ciliado que conduz a água e os nutrientes para a boca. igual ao que ocorre nos cordados. que vivem enterrados no lodo ou na areia normalmente próximos a maré. FOX. divertículo bucal na parte posterior da probóscide. um glomérulo único conectado com os vasos sanguíneos que podem ter funções excretoras  Nervo plexo subepidérmico.  Sistema circulatório com vasos dorsal e ventral e um coração dorsal. dorsal e ventral. com um anel conectivo no colar. & BARNES. os pterobranchios são sésseis. Medem poucos centímetros de comprimento (~ 10 cm) mas podem atingir tamanhos maiores.2011 .  Sistema respiratório mediante armaduras branquiais. numerosas em enteropneustos. Classe Enteropneusta Enteropneusta é uma classe de animais hemicordados. 2005:1002). poucos ou nenhuns em Pterobranchios. mas dividido em dois.119 Abdul Gafar Daúdo  Corpo dividido em probóscide. nos Pterobranchios pode dar-se reprodução sexual ou assexual (em alguns) por gemulação.  Notocorda presente no período de larva.  Os enteropneustos são de vida livre. que inclui cerca de 70 espécies. desaparecendo na fase adulta. colar e tronco. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . que comunicam a faringe com o exterior. maioritariamente coloniais. São animais marinhos. corda nervosa dorsal de oco anel em alguns (RUPPERT. de vida livre. e vivem em tubos que eles segregam.  Sem nefrídeos.  Sexos separados nos enteropneustos. hábitos escavadores. larva em alguns enteropneusta. com gónadas projectadas dentro da cavidade corporal. engrossado para formar dois cordões nervosos. uma cavidade celómica na probóscide.

Da anterior a posterior. acumulando-se nuns moldes espirais muito peculiares que nos permitem uma rápida localização das galerias. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Envolve e sobrepõe o pedúnculo e a extremidade posterior da preboiscinde‖. (RUPPERT. cobrindo a boca com a extremidade do colar. mais ou menos cónico prende-se dorsalmente ao colarinho por um pedúnculo delgado. Forma e função O corpo dos enteropneusta divide-se numa probóscide. Esta é a parte mais activa do animal. Locomoção . 36 – Hemichordato de vida livre.120 Abdul Gafar Daúdo Fig. num colar curto e um tronco largo (protosoma. mesosoma e metassoma) Probóscide – costuma ser curto. & BARNES. Os resto de alimento são expulsos pela abertura posterior do tubo. FOX. Projecta-se sobre a lama e analisa o meio que o rodeia. Colarinho – ―é um cilindro curto que se abre anteriormente para formar a grande boca. na zona ventral. hepática e intestinal. Podem tirar a probóscis pela abertura do tubo para se alimentarem. reduzindo assim a pressão hidrostática e permitindo o avanço do animal. suas três secções são denominadas branquiogenital. FOX.As contracções da musculatura corporal permitem expulsar o excesso de água através das armaduras branquiais. estes podem tornar-se turgentes. donde é ingerido. 2005:1004). facilitando assim a acção de escavação de galerias. porém vigoroso. Partículas de grande tamanho podem ser destruídas. recolhendo alimento por meio de muco que mantém constantemente na sua superfície. Este alimento é transportado por correntes ciliares a um sulco na extremidade anterior do colar e dirigido para a boca. tomando água por estes poros dos sacos celómicos da probóscide e do colar. & BARNES. 2005:1002) O par de cavidades celómicas do colar comunica também mediante por com o exterior. Tronco – constitui a maior parte do corpo.2011 . (RUPPERT.

Aparelho circulatório e excretor .     Esôfago: fendas esofágicas (eliminação de água). em frente para baixo da garganta. se mantém um transporte constante de água. mas acredita-se que há algum intercâmbio gasoso no epitélio muscular branquial. para.2011 . expandem-se até à cavidade e à vesícula cardíaca. donde tem lugar a digestão e a absorção. Abrem as câmaras branquiais. As partículas alimentares expelidas no muco e levadas até à boca pela acção dos cílios da probóscide e o colar separam-se da água branquial que sai através das armaduras branquiais. O sangue entra numa rede de cavidades sanguíneas que constituem o glomérulo que rodeia parcialmente estas estruturas. no colar das veias.  Faringe: fendas faríngicas (respiração. Cecos hepáticos: digestão extracelular. Intestino: formação de fezes. através da faringe.Um vaso mediodorsal sobre o digestivo conduz o sangue.Os hemicordados alimentam-se principalmente pelas correntes ciliares e pelo muco que produzem. O sangue é conduzido à região caudal pelo vaso ventral. uma fila de poros branquiais dispõem-se dorsoventralmente a cada lado do tronco. dorsalmente se dispõem as armaduras branquiais em forma de U. e as câmaras branquiais para o exterior. disposto por baixo do digestivo. Ao não serem verdadeiras brânquias. Abrem as câmaras branquiais.A Respiração é através de fendas faríngicas. situada sobre o divertículo bocal. saindo pelas armaduras. Ânus: eliminação de fezes. dividida em canal branquial e alimentar. através do esófago passar ao intestino. eliminação de água e alimentação). assim. Por detrás da cavidade bucal há uma grande faringe donde.121 Abdul Gafar Daúdo Sistema branquial . Acredita-se que o glomérulo realiza as funções de excreção. assim como na superfície corporal. Tubo digestivo e alimentação . por trás do colar. em forma de U. passando por extensas veias ao digestivo. por trás do colar. desde a boca. a função respiratória do aparelho branquial da faringe parece ser expelir o alimento. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . e são dirigidas posteriormente à zona ventral da faringe. O sangue é incolor. mas acredita-se que há algum intercâmbio gasoso. digestão intracelular e armazenagem. Mediante correntes ciliares.

um órgão ciliado preoral com funções quimioreceptoras) e células fotoreceptoras. Machos com gônadas laranjas e fêmeas com gônadas cinza ou verde. contém células nervosas gigantes que emitem fibras que se põem em contacto com nervos do tronco.122 Abdul Gafar Daúdo Sistema nervoso e sensorial  O sistema nervoso está constituído parcialmente por um complexo subepitelial de células nervosas e fibras que estão em contacto com células epiteliais. e em algumas espécies. 37 – Hemichordato de vida séssil. Vinte e duas espécies encontram-se descritas. preferencialmente. A fecundação é externa. formam os cordões nervosos dorsal e ventral. que lembram superficialmente briozoários.  Os engrossamentos deste complexo.  O cordão do colar é oco. que no princípio se considerou larva de equinoderme.  Este complexo nervoso primitivo faz lembrar o sistema nervoso dos equinodermes e dos cnidários  Os receptores sensoriais incluem células neurosensoriais em toda a epiderme (especialmente na probóscide. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . As gônadas dispõem-se em filas dosolaterais e ambos os lados na parte anterior do tronco. que se juntam na parte posterior do colar mediante anel conectivo. e em algumas espécies desenvolve-se uma larva tornaria ciliada. Classe Pterobranchia A classe Pterobranchia compreende colónias de pequenos zoóides tubícolas. Habitam.  O cordão dorsal continua e prolonga-se pelo colar. Fig. águas profundas e parecem ser mais abundantes em águas circum-antárticas. pelo. emitindo fibras à rede da probóscide.2011 . que um certos estádios lembra a larva bipinaria dos equinodermes. Reprodução e desenvolvimento Os sexos estão separados.

Sistema Nervoso apresenta:é caracterizado pela presença de cordão nervoso dorsal. O modelo básico da classe é muito semelhante ao dos Enteropneustos. como no lofóforo. Sistema Excretor: não apresenta nefrídios e apresenta um glomérulo único ligado aos vasos sanguíneos. assim teremos:  Sexuada com fecundação externa. Características  Os pterobranchios são animais pequenos. Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  A probóscide tem forma de escudo e a sua base tem cinco a nove pares de braços com tentáculos que contém um prolongamento da cavidade celómica do mesossoma. Sistema Circulatório é representado por: Coração dorsal. Sulcos ciliados dos braços e dos tentáculos recolhem alimento. Algumas espécies são dióicas e outras monóicas. Sistema Digestivo composto por: Cílios e muco na região bucal.2011 Portfólio de Zoologia S&F . Sistema Respiratório: é graças a Fendas Faringeanas. ainda que o pedúnculo possa ser mais largo. mas há certas diferenças estruturais em relação com o modo de vida sedentária dos Pterobranchios. Intestino e Ânus. os novos indivíduo reproduzem-se por gemulação a partir de um estolho rastejante basal. que se ramifica pelo substrato.  São sésseis.123 Abdul Gafar Daúdo (http://www.ebrasil.htm).php. Faringe grande (apresenta as fendas faringeanas em forma de ―U‖). cordão nervoso ventral e cordão nervoso dorsal oco na região do colarinho.net/db/biologia/estudos/biologia/biologiag/hemichordata . Esôfago. Sistema Reprodutor: Aqui.sabedoria. normalmente formando grandes colonias e vivendo em tubos secretados por eles. geralmente não excedem os 5mm de comprimento. Vaso dorsal (que conduz o fluxo sanguíneo para a região anterior) e Vaso ventral (que conduz o fluxo sanguíneo para a região posterior).  Assexuada através de brotamento. mas pode também dar-se reprodução assexual por gemação (gemulação).

e a maior parte possuem um endoesqueleto duro com espinhas externas. ouriço/espinho + derma. Todos são celomados. tais como: Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . dependendo da sua abundância. 1997:375). Alguns equinodermes são empregues como alimento e seus ovos foram empregues em varies experimentos. ouriços e dólares do mar (echinoideos). exclusivo desse filo. designa-se em face oral (onde situa-se a boca) e aboral (face oposta à boca) (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Os espinhos são móveis e podem auxiliar o movi-mento. os ofiuros (ofiuroideos). lírios do mar (crinoideos) e pepinos do mar (holoturoidea) além de várias classes extintas. anterior e posterior. ou seja permitem ver a saúde em que se encontra um ecossistema. as estrelas-do-mar (classe asteroideos). pele). lado direito e esquerdo completamente impróprios. com simetria bilateral na fase embrionária e pentaradial na fase adulta. terem um esqueleto interno. Assim. torna os termos dorsal e ventral. compreende exclusivamente marinhos. sem dimorfismo sexual‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Na sua maioria são de vida livre e de movimentos lentos. fazem parte deste filo. 2006:112).Outubro . As estrelas-do-mar podem prejudicar os criadores de amêijoas e ostras. Possuem um sistema ambulacral. São animais de sexos separados (dióicos). por terem uma subdivisão interna do celoma que é usada na locomoção e na captura de alimento.2011 . No corpo dos equinodermas mais comuns. Os ouriços. são usados como indicadores ecológicos. 2006:112). A inexistência de cabeça ou plano bilateral de simetria nesses animais. há algumas projecções externas. ―São destacáveis entre os animais por não apresentarem cabeça. finalmente. não existindo as espécies dulcícolas nem terrestres‖ (SOARES.Dia: 03 . uns poucos são pelágicos. além de lhes proporcionar protecção.2011 Introdução a Echinodermata Filo Echinodermata 124 Abdul Gafar Daúdo ―Os equiodermes (gr. Echinos. suas larvas apresentarem simetria bilateral e sofrerem metamorfose para gerar animais adultos de simetria radial e. mas nenhum é parasitário ou colonial.

125
Abdul Gafar Daúdo

Espinhos: projecções do endoesqueleto; longos ou curtos, móveis (como os ouriços) ou não (como nas estrelas-do-mar); Pés ambulacrais (do latim, ambulare - caminhar): projecção de um sistema interno de canais no qual circula a água do mar filtrada por uma placa porosa, o madrepórito. Esses pés atravessam pequenos orifícios do endoesqueleto para poderem se projectar externamente, e ajudam o animal a se locomover com flexibilidade; Pedicelários - projecções da pele que terminam em pinças. Servem para protecção e defesa; podem ser venenosas (ouriços) ou não (estrelas); mantém o corpo do animal. Papilas - elevações muito pequenas da pele fina; realizam trocas gasosas. Características gerais Uma das características mais marcantes é a presença de um complexo sistema de lâminas, canais e válvulas, denominado sistema aquífero. Este sistema relaciona-se com a locomoção, secreção, respiração, circulação e até mesmo com a percepção do animal.  São animais de vida livre,  Simetria bilateral enquanto larva e formato pentarradial nos adultos.  São triblásticos e celomados.  Corpo sem cabeça nem segmentação.  Possuem endoesqueleto calcário.  Dotados de sistema aquífero.  Animais dióicos, com fecundação externa e desenvolvimento indirecto; produzem larvas ciliadas.  Não possuem sistema excretor especializado.  Têm sistema digestivo completo. Anatomia e fisiologia O corpo não revela segmentação. Desprovidos de cabeça, eles têm um sistema nervoso elementar, com um anel nervoso ao redor esófago, do qual partem nervos radiais que se dirigem os braços ou para os lados (nos que não têm braços).
Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez - 2011

126
Abdul Gafar Daúdo

A superfície do corpo dos equinodermos é recoberta por uma epiderme ciliada, sob a qual encontramos o endoesqueleto, formado por placas calcárias soldadas ou articuladas, geralmente repletas de espinhos. Possuem também células tácteis e olfactivas espalhadas por toda a superfície do corpo dos equinodermos. Nas estrelas-domar, encontram-se grupos de células fotorreceptoras que actuam como minúsculos olhos nas extremidades dos braços. Nos ouriços e estrelas, podemos encontrar pequenas pinças, as pedicelárias, que se prestam à defesa contra os inimigos, captura de alimentos ou para limpeza. Ainda encontramos as brânquias e os pódios para respiração e locomoção. ―O tubo digestivo é completo, excepto nos ofiúros, onde falta o ânus. Cumpre ressaltar que, nos equinóides, a boca é provida de um forte aparelho mastigador, a lanterna-dearistóteles (devido à sua semelhança com uma antiga lanterna grega), formada por cinco longos dentes acoplados numa estrutura calcária fortes e afiados. Nos crinóides, o tubo digestivo curva-se em U, em suma: boca e ânus estão lado a lado‖ (AMARAL e MENDES, s/d:160). Assim, o tubo digestivo desses animais é simples, normalmente completo (alguns sem ânus) e não apresenta um sistema excretor especializados. Os catabólitos são eliminados pelos pódios, hidropulmões ou ânus. Nos equinodermos, a respiração é feita, com frequência, no sistema ambulacrário, ainda que nos asteróides e equinóidos existam pápulas, enquanto nos holoturóides, a respiração é realizada na árvore respiratória ou hidropulmão, onde a água é constantemente renovada. Os equinodermos apresentam um sistema nervoso pouco desenvolvido, que acompanha anatomicamente o sistema ambulacrário, podendo ser dorsal e ventral. O sistema circulatório é ausente ou reduzido ao fluido celômico; celoma recoberto por um peritoneo ciliado, geralmente grande, com amebócitos livres no seu líquido; parte do celoma larvário se converte num sistema vascular hídrico que costuma a ter vários pés tubulares para a locomoção, a captura do alimento e para a respiração.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

127
Abdul Gafar Daúdo

Sexos separados (dióicos) (com raras excepções); iguais externamente; gônadas grandes com condutos simples; ovos abundantes, normalmente fecundados no mar; larvas microscópicas, ciliadas, transparentes e normalmente nadadoras com notáveis metamorfoses. São poucas as espécies vivíparas, algumas também reproduzem-se assexuadamente por divisão e muitas espécies realizam a regeneração com muita facilidade. Entre as estrelas, até mesmo o fragmento de um braço pode reconstituir um animal inteiro. Origem e evolução Os equinodermes e os celenterados tenham sido anteriormente colocados no grupo radiados na classificação, é lógico que teria sido classificado dessa maneira, estes são superiores e que constituem um grupo isolado, pois são de organização mais complexa entre os animais de simetria radial. Razões exclusivas, como o sistema vascular hídrico, o endoesqueleto calcário e os pedicelários (pinças na superfície corporal para captura de alimento e limpeza do corpo), provavelmente provam a sua antiga origem, por estes já terem se diferenciado no cambriano, levando a estes a serem os mais primitivos e superiores em relação aos celenterados. Alguns biólogos consideram que os equinodermes são uma forma regressiva, originada de um tipo que teria sido mais avançado e activo devido ao facto de as larvas terem simetria bilateral e são de vida livre, enquanto que os adultos são de simetria radial e a ausência de cabeça, estas são adaptações que permitem aos animais sedentários achar o alimento em todos os lados. Os equinodermes têm muitas Características dos cordados: ex: a boca forma-se de uma evaginação ectodérmica; o mesoderme forma-se a partir de evaginações do intestino primitivo (e não a partir de células neoplásticas especiais como nos anelídeos e moluscos).

Fig.37 – Alguns representantes do filo equinodermata. (1) Estrela-do-mar, (2) holoturia (pepino do mar), (3) ouriço-do-mar, (4) asteróide, (5) crinóides ou lírios-do-mar.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

mais ou menos cilíndrico. com mentos semelhantes a rizóides.128 Abdul Gafar Daúdo As classes dos equinodermos Classe Crinoidea (Crinóidea) Animais fixos. Alguns são flutuantes. não há mais a continuação do celoma do disco central para os braços. (AMARAL e MENDES. mas recoberto de espinhos grandes e numerosos com certa mobilidade. possuem corpo alongado. com espinhos longos e móveis. que constituem a lanterna-dearistóteles. no ouriço. para a mastigação e o ânus é dorsal. s/d:160). ou achatado e discoidal.2011 . com certa capacidade para nadar. braços e pedecelas. Classe Ophiuroidea (Ofiuóidea) Os ofiúros também apresentam o corpo em forma de estrela. isto é. desprovido de espinhos. Classe Holothuroidea (Holoturóidea) As holotúrias. mole. portanto o tubo digestivo é incompleto. São livres. s/d:160). na bolacha-domar‖ (AMARAL e MENDES. Conhecidos como serpentes-do-mar (Ophiura cinerea) ou estrela-serpente. Sem pedicelárias. Assim. Ainda possuem nos braços espinhos curtos ou longos. que servem para fixação nas rochas. isto é. dotados de um pedúnculo. que aqui são móveis. unidos a um disco central. Conhecidos vulgarmente como lírios-do-mar (Antedon meridionalis). fechada por cinco dentes. corpo achatado em forma de moeda com cinco tentáculos serpentiformes muito móveis. que são os pés Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . com alguns pequenos tentáculos — brânquias — ramificados ao redor da boca. A boca é inferior e não há ânus. É a única classe que apresenta as placas calcárias fusionadas e fixas. articulados. com espinhos curtos e fixos. desprovido de braços ou tentáculos. todavia. Dez tentáculos ramificados que lhes dão aspecto de flor. sem braços. Com pedicelárias. A boca é ventral. nos ouriços-do-mar apresentam o corpo semi-esférico ou globoso. Classe Echinoidea (Equinóidea) Os equinóideos ―possuem o corpo meio esférico. A boca está rodeada por tentáculos.

Possuem manchas ocelares (órgãos visuais) nas extremidades dos braços e abaixo desses. O pepino-do-mar tem hidropulmões para respiração e excreção. está o ânus.‖ (AMARAL e MENDES. que se prestam à defesa. As diferentes espécies vivem entre a linha das marés ate profundidades consideráveis. mas não muito longe da costa. ―As estrelas são carnívoras. lesmas. especialmente nas rochosas e nos canais. que vivem no meio das rochas ou sobre a areia no fundo do mar. ingerem ostras. (1) Face aboral. na extremidade posterior. inter-raios. Os eixos dos braços são denominados raios e os espaços entre os braços. s/d:160). que são estruturas de defesa e captura de alimentos. Vulgarmente. Classe Asteroidea (estrelas-do-mar) As estrelas-do-mar abundam na maioria das costas. Morfologia da estrela-do-mar O corpo está formado por um disco central e cinco braços triangulares.38 – Estrutura externa da estrela-do-mar. A boca está no centro da superfície oral ou Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . em pequenas profundidades. obrigando a ostra a relaxar o músculo. encontramos o sulco ambulacrário de onde saem os pés ambulacrários.129 Abdul Gafar Daúdo ambulacrários modificados e.2011 . redondo. s/d:160). Fig. na face inferior de cada braço. peixes. (2) Face oral ―O corpo é coberto por espinhos fixos. apenas com expansões e retracções dos pés ambulacrários. que formam fileiras. à locomoção e à escavação. sobre a areia e o lado. aos pares. e as pedícelas. que são as brânquias moles para respiração. realizando uma digestão exógena‖ (AMARAL e MENDES. encontramos as pápulas. Entre os espinhos. e. são os pepinos-do-mar. às vezes. Elas apresentam movimentos discretos dos braços ou deslocando-se mesmo sem mexê-los. corais. Na superfície superior possui várias espinhas calcárias que formam parte do esqueleto. Elas são capazes de usar a pressão de sucção por longo tempo. Aí elas injectam o estômago no interior das conchas. abrindo as duas valvas. O ânus é um pequeno orifício localizado próximo ao centro da superfície superior e perto dele está o madrepórito.

que produzem os amebócitos livres existentes no líquido que enche o sistema. que forma e contém o endoesqueleto. 2) o conduto pétreo (por onde circula a água do mar que entra pela placa madrepórica) que se comunica com 3) o conduto anelar ou anel periesofagiano (conduto circular que dá prosseguimento ao canal pétreo) situado a volta da boca. Este líquido e músculos nas paredes do corpo permitem a flexibilidade do corpo.2011 . do qual 4) saem cinco condutos radiais que cada canal radial emite numerosas ampolas. respiração e excreção. O sistema digestivo é composto pela boca. Deste último conduto saem 5) numerosos condutos laterais. um a cada 6) pé ambulacrário. A superfície oral de cada braço está recorrida por um sulco ambulacrário médio rodeado de grandes espinhas.130 Abdul Gafar Daúdo inferior. Todo corpo está coberto por uma epiderme ciliada. No extremo de cada braço há um pequeno tentáculo mole (táctil) e uma mancha ocelar sensível a luz. localizada na face aboral junto ao orifício retal. dele sobressaem vários pés tubulares ou ambulacrários dispostos em 4 (ou duas) series. de aspecto de coador pelo qual pode entrar água do mar. Estes ossiculos estão unidos entre si por um tecido conjuntivo e fibras musculares. estômago em forma de saco formado por duas partes. Existem os corpos de Tiedemann. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Dentro de esqueleto encontra-se o grande celoma delimitado por um epitélio ciliado que contém os órgãos internos. O sistema vascular hídrico / ambulacrário É parte do celoma especializado constituído por 1) madreporito (pequena lâmina circular com numerosos orifícios). semelhante a linfa que cujo esta contém amebócitos livres e contribui na circulação. das quais partem os pés embulacrários na qual se dirigem um a cada braço. um intestino delgado curto que conduz ao ânus (a excreção é assegurada pelo intestino delgado e a boca). Fig. Debaixo está a mesoderme.39 – Estrutura interna da estrela-do-mar. Está cheio de liquido. rodeada por uma membrana peristomática branda. uma armadura de vários ossiculos calcários de várias formas definidas e dispostos segundo uma estrutura regular.

O sistema nervoso compreende um nervo circum-oral com cordões nervosos radiais nos braços. outros. a invaginação produz uma gástrula que mais tarde vem a ser a larva bilateralmente simétrica. A clivagem é rápida e total. flutuantes ou natantes. mas nenhuma parte é eliminada. vivendo junto às rochas no fundo da água Exemplos Lírios-do-mar Ophiuroidea Asteroidea Echinoidea Holothuroidea Ofiuróides Asteróides Equinóides Holoturóides Serpentes-do-mar Estrelas-do-mar Ouriços-do-mar. Alimentação: as estrelas-do-mar alimentam-se de moluscos.2011 . bolachas-do-mar Pepinos-do-mar Fonte: (SOARES. são carnívoros. tornando-se um pendúculo. podendo essas partes regenerar-se ou não após um período de tempo. assim sendo. cada uma das quais possui um pequeno conduto que se abre na parte superior do disco central. e outros invertebrados.131 Abdul Gafar Daúdo O sistema circulatório sanguíneo está reduzido e é difícil de vê-lo. As estrelas-do-mar são capazes de autotomia. depois de algumas semanas a larva se fixa a extremidade. No celoma de cada braço há um par de gônadas. crustáceos. Compreende vasos que rodeiam a boca e 5 vasos radiais. peritónio órgãos internos e pés ambulacrário. Reprodução: As estrelas-do-mar são dióicas. um em cada braço. ou uma auto-mutilação usada como meio de defesa. 1997:375). corpo em forma de medalha com 5 braços finos. E varies nervos que enervam a epiderme. com formato de estrela (número de braços variável) Livres. Em algumas estrelas-do-mar os estágios larvais são abreviados e os jovens emergem como adultos em miniatura. Os peixes podem ser capturados. Tabela 8. semi-esféricos e alguns cobertos de espinhos grandes Poucos movimentos. Os seus braços regeneram-se rapidamente. Livres. (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Autotomia é a capacidade que alguns animais possuem de liberar partes do corpo. Logo após ocorre uma metamorfose. 2006:116). A princípios do verão os óvulos e os espermatozóides são expulsos no mar onde ocorre a fecundação. longos e muito móveis Livres. situados debaixo do conduto radial do sistema vascular hídrico. Classe Crinoidea Em português Crinóides Características Alguns. As classes dos equinodermatas e características das mesmas. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . fixos no fundo do mar (com tentáculos móveis).

Ocorre em todos os habitats. celomados enterocélicos. fibroso e flexível. Compreende alguns grupos invertebrados. 40 . (DE ARAUJO e BOSSOLAN. a notocorda. O nome é proveniente de um delgado bastonete de células. Todos os cordados são vertebrados e compreendem os peixes.2011 . Filogenia dos chordatas Fig. marinho.2011 Estudo do filo chordata e Subfilo Urochordata Filo chordata 132 Abdul Gafar Daúdo Os cordados ―são os mais evoluídos de todos os animais da escala zoológica. répteis. neuromiários epineuros e deuterostômios‖ (AMARAL e MENDES. Os animais pertencentes a este filo. anfíbios. Algumas espécies o conservam por toda a vida. A presença de uma corda dorsal é a principal característica do filo. O filo chordata (gr. s/d:160). Cordão nervoso único e também dorsal (lembre-se de que os invertebrados tem uma dupla cadeia ganglionar nervosa ventral).Outubro . 2006:119).Dia: 05 . de água doce e terrestre. apresentam simetria bilateral. bem como todos os animais vertebrados. aves e mamíferos. vivem nos mais diferentes hábitats e são providos de corpo segmentado.Árvore filogenética dos chordatas Características gerais dos Chordata As principais características dos cordados são:   Presença de notocordio ou notocorda (cordão dorsal) durante o desenvolvimento embrionário. situado na região dorsal. Embriologicamente estes são triblásticos. presença obrigatória no período embrionário ao lado da faringotremia e do tubo nervoso dorsal. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . são dióicos. Chorda = cordão) é o maior filo e ecologicamente mais significante da linha de evolução dos deuterostomia.

persistente ou não no adulto. os cordados apresentam:  Uma notocorda dorsal.  Presença de fendas na faringe. com glândulas anexas .  Sistema circulatório fechado com um coração ventral (excepto em Urochordata). podem ser alterados ou podem desaparecer no adulto.2011 . ímpar e percorre dorsalmente todo o corpo.  Sexos geralmente separados (alguns hermafroditos ou protândricos).  Coração ventral com presença de vasos sanguíneos. é elástica. A corda assemelha-se a um bastonete. Elas persistem. ovíparos. Dela resta apenas um vestígio . a coluna vertebral. eles também apresentam algumas características comuns com outros seres. Em determinados momentos do ciclo vital. é um endoesqueleto formado no mesoderma.  Celoma desenvolvido.  Cauda pós-anal. Cauda projectando-se atrás do ânus. vivíparos ou ovovivíparos.  Todos triploblasticos com celoma bem desenvolvido.  Fendas faríngeas durante algum estágio do ciclo vital.  Tubo digestivo completo. quando presente.  Um tubo nervoso dorsal oco. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . As quatro características (a negrito) formam-se no embrião jovem de todos os cordados.restou nos seres humanos. que definem os cordados. primariamente importante para a propulsão no meio aquático. tais como:  Simetria do corpo bilateral (animais filactérios ou artiozoários). Além dessas particularidades.133 Abdul Gafar Daúdo  Fendas branquiais na faringe durante o desenvolvimento embrionário.  Circulação fechada e sangue com hemoglobina em quase todas as espécies.  O esqueleto. Alguns as conservam por toda a vida. A corda é a estrutura de suporte do esqueleto axial.  Esqueleto interno ósseo ou cartilaginoso.o cóccix. ou uma estrutura dela derivada. formado de um conjunto de vértebras pequenas no fim da coluna vertebral .

epiderme uniestratificada. que passa por uma grande expansão. essas estruturas ou desaparecem. OSTRACODERMI (extinto): Peixes primitivos ANFIOXOS: Delgados semelhante a peixes. Na fase adulta dos vertebrados são mais complexos. no entanto. Escamas grandes. Nos cordados. boca VERTEBRATA ou CRANIOTA Com crânio. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . 5 a 7 pares de brânquias em fendas separadas OSTEICHTHYES: Peixes ósseos. É nessa fase que todo o cordado apresenta as quatro características típicas do grupo: notocorda dorsal. Superclasse PISCES Nadadeiras pares. Mandíbulas primitivas. Tabela 9: Divisões do Filo Chordata e suas particularidades Subfilos Classes e suas principais características APENDICULARIA: diminutos. semelhantes a girinos. esqueleto cartilaginoso. segmentados. 5 a 16 pares de brânquias PLACODERMI (extinto): Peixes primitivos. Pele com escamas ciclóides ou ctenóides. como é o caso da notocorda e das fendas na faringe.134 Abdul Gafar Daúdo Nos grupos de invertebrados. 4 pares de brânquias em uma cavidade comum coberta por opérculo. como é o caso do tubo nervoso. muitas fendas branquiais THALIACEA: Salpas. brânquias. muitas fendas branquiais. pele com escamas sugadora. tubo nervoso dorsal. ou sofrem consideráveis modificação. as características morfológicas sempre foram definidas a partir do estudo de animais adultos. Pele com escamas placóides. levando à diferenciação do encéfalo e da medula espinhal. encouraçados. CEPHALOCHORDATA ou ACRANIA Notocorda e tubo nervoso ao longo de todo o corpo e persistentes. fendas branquiais completas na frente do hióide CHONDRICHTHYES: Tubarões e raias. a caracterização do grupo deve ser procurada na fase embrionária. fendas branquiais persistentes. temporária. Túnica com músculos dispersos. frequentemente fundidas formando escudo cefalotorácico CYCLOSTOMATA: Ciclóstomos. sem escamas. Pele sem escamas. 2 fendas branquiais ASCIDIACEA: Ascídias. Túnica com faixas musculares circulares. fendas branquiais (faríngeas) e cauda pós-anal (endoesqueleto).2011 . arcos viscerais e encéfalo. túnica UROCHORDATA ou TUNICATA Notocorda e tubo nervoso apenas na larva.

41 – Estrutura de uma ascídia (estágio larval e adulta) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . por vezes espessa. coloniais ou formar extensos grupos debaixo da mesma túnica. foi estabelecida a sua posição correcta dentro dos cordados. homeotermos. tunicados). com escamas ou escudos AVES: Aves. 2006:120). A túnica é composta por uma substância denominada tunicina. uns de vida livre e outros. esqueleto ósseo. amamentam os filhotes. Podem ser solitários. O subfilo dos Urocordados ou Tunicados é constituído pelas classes Ascídia. extremidades anteriores transformadas em asas. sem escamas externas. mole. caracterizados pela presença de uma túnica (Tunicata. Fig. Pele húmida.2011 . Comporta aproximadamente 1250 espécies de indivíduos solitários ou coloniais. Pele com penas. homeotermos. pulmões. (DE ARAUJO e BOSSOLAN. REPTILIA: Répteis. de uma substância quimicamente semelhante à celulose. Os urocordados (gr. apenas em 1866. AMPHIBIA: Anfíbios. após um curto período larvar de vida livre. São todos marinhos. Appendicularia e Thaliacea. Variam desde formas microscópicas a outras com 30 cm de diâmetro. Pele com pêlos. 2006:121). Mas foi Aristóteles quem os descreveu primeiro como animais. Embora conhecidos desde o tempo de Aristóteles. vivem fixos. Pele seca. Subfilo Urochordata Muito tempo foi necessário para classificar correctamente estes animais estranhos.135 Abdul Gafar Daúdo Superclasse TETRAPODA Extremidades pares. e após um estudo cuidadoso do seu desenvolvimento larvar. pele cornificada. Fonte: (DE ARAUJO e BOSSOLAN. MAMMALIA: Mamíferos. oura = cauda + chorda = cordão).

A cauda contém uma notocorda de sustentação. seguida das fendas faríngeas (ou fendas branquiais) perfuradas abrindo-se num átrio. Uma vez fixada a um suporte.136 Abdul Gafar Daúdo Características morfológicas e fisiológicas Os tunicados obtém o alimento pela acção dos cílios que se encontram em fileiras nas suas faringes. Sistema vascular e sanguíneo: Há um aparelho circulatório com vasos sanguíneos. a água entra pelo sifão Inalante e cai nas fendas branquiais. cujo sistema nervoso. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . um tubo nervoso dorsal e pares seriados de músculos segmentados laterais. A extremidade anterior apresenta três glândulas mucosas ou adesivas. uma rocha. o que se perpetua na fase adulta. no estágio larval. Nos tunicados existe um cérebro. onde ocorre absorção de nutrientes.Os tunicados constituem um subfilo dos cordados. isto é. saindo pelo sifão exalante e das fendas branquiais as partículas alimentares passam para a faringe e desta para o estômago. endóstilo. 2006:116). daqui. intestino e ânus. as fezes são eliminadas pelo ânus (DE ARAUJO e BOSSOLAN. onde ocorre digestão química. com boca. Os cílios batem formando uma corrente de água que entra na faringe e as partículas microscópicas são capturadas em uma secreção mucosa. onde ocorre a retenção de partículas alimentares. é composto por fibras nervosas dorsais e um cordão nervoso. que na maioria dos casos fica na cauda do animal. O trato digestivo é completo. As larvas são transparentes e livre-natantes. gânglios. um olho mediano e vários otólitos.2011 . por exemplo. por fim. As larvas de tunicados apresentam com todas as características básicas dos cordados. Sistema nervoso e sensitivo . e. as partículas passam para o intestino. Sifão inalante → fendas faríngeas (digestão física) → estômago (digestão química) → intestino (maior absorção para as células) → abrema → cifão exalante (exclusão do material desnecessário). Tegumento: o corpo é coberto por um manto cuticular celulósico segregado pelo epitélio. a larva perde a notocorda e o tubo nervoso dorsal.

mas algumas formas encontram-se em águas profundas.2011 . Ecologia . mas não controlam os batimentos cardíacos. Em alguns adultos desenvolveu-se a vida colonial.137 Abdul Gafar Daúdo Os gânglios controla as contracções musculares e o movimento dos cílios da faringe. onde permanece a vida inteira.Todos urocordados são marinhos. ocorre o desenvolvimento metamorfósico. passando por metamorfoses. reproduzir-se e reproduzem-se podem por também assexuadamente gemiparidade. Tunicados são habitantes de águas razas.Os indivíduos são hermafroditas sexuadamente. Fig. A sua fecundação é externa e a possibilidade de ser cruzada é grande em colónias. o desenvolvimento é indirecto. A fecundação acontece na água. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Depois de umas horas ou dias de vida livre a larva prende-se verticalmente por suas glândulas adesivas a uma rocha ou superfície dura. Reprodução . A larva primária fixa-se ao substrato e. depois. 42 – Desenvolvimento metamorfósico de um tunicado e esquema de organização interna de um adulto. São filtradores. Após o nascimento.

2002:137).2011 Cephalochordata 138 Abdul Gafar Daúdo ―Os cefalocordados são cordados que possuem corda dorsal que se estende de um extremo para o outro e que persiste no estado adulto. apresentando na região dorsal e ventral uma expansão em forma de barbatana‖ (JONASSE e XAVIER. longo. o ânus fica perto da base da nadadeira caudal e o atrióporo é uma abertura adicional na frente do ânus. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . cujo corpo é delgado. sendo os restos alimentares eliminados pelo ânus. 43 – Morfologia externa do Branchiostoma lanceolatum. Este grupo já foi chamado de Anfioxos. A água com partículas alimentares penetra pela boca. A cauda tem uma nadadeira membranosa. a qual se abre ao meio externo por um orifício . na extremidade anterior. afilado nas duas extremidades e não tem cabeça distinta. Possui uma nadadeira dorsal mediana ao longo de quase todo o corpo e a nadadeira pré-anal do atrióporo ao ânus.2011 . O corpo é muito parecido ao de um peixe e vive na areia. As fendas branquiais são desenvolvidas e abrem-se na cavidade denominada átrio. A boca é ventral. comprimido lateralmente. mantendo somente a parte anterior do corpo para fora. Estima-se em cerca de 20 à 30 o número de espécies que o compõem este filo de dimensões não superiores a 10cm.Dia: 10 . tem o corpo achatado lateralmente. Estes animais possuem todas as características de base dos cordados.o atrióporo. cai no átrio e sai pelo atrióporo. Fig. O anfioxo apresenta sexos separados e desenvolvimento externo. São livres e apresentam formações para a locomoção. o alimento segue para o tubo digestivo. Nas fendas. O subfilo dos Cefalocordados (Cephalochordata ou Acrania) é constituído basicamente pelo género Branchiostoma.Outubro . nome já em desuso. A água. A pouca actividade natatória que apresentam é dividida à contração de blocos musculares denominados miótomos. sendo constituídas por câmaras contendo curtos raios de tecido conjuntivo. ao passar pelas fendas.

sendo a fecundação externa.2011 . da faringe. os cefalocordados conservam no adulto as características típicas dos cordados. 44 – Morfologia interna do Branchiostoma lanceolatum. A respiração é graças a passagem de água. contendo oxigénio. O tegumento é uma epiderme mole. O aparelho excretor compreende aproximadamente 100 pares de pequenos nefrídios ciliados nos vestígios dorsais do celoma acima da faringe. com uma fosseta olfactiva. uma pequena mancha ocelar não-sensitiva preto. sendo constituídas por câmaras contendo curtos raios de tecido conjuntivo. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Atrás da boca fica a grande faringe comprimida. Sistema vascular e sanguíneo: aproxima-se ao dos cordados superiores. Encontramos dois pares de nervos centrais. O cordão nervoso acompanha dorsalmente a notocorda e a faringe é ampla e com inúmeras fendas branquiais diagonais. Reprodução: possuem sexos separados. A parte anterior. que se encontra na parte posterior do vestíbulo. forma uma vesícula cerebral mediana. com muitas fendas faríngeas diagonais nos lados. através das fendas faríngeas em cada lado. ligeiramente maior.139 Abdul Gafar Daúdo Possuem uma nadadeira dorsal e uma nadadeira pré-anal do atrióporo ao ânus. Além dos vasos sanguíneos definitivos. O sistema nervoso situa-se acima da notocorda que consiste de um tubo nervoso simples com um pequeno canal central. há espaços abertos de onde o sangue incolor escapa para os tecidos. Ao contrário dos urocordados. para dentro do átrio. as fendas situam-se entre as traves branquiais que contêm vasos sanguíneos. O trato digestivo é simples. Seguese o intestino reto que termina no ânus. com notocorda dorsal estendendo-se até a ponta da cauda. mas falta-lhe o coração. A boca. de pigmento ainda Fig. começa com o capuz oral (vestíbulo) que apresenta cirros bucais. Na região caudal nota-se uma nadadeira membranosa.

pelo que as células embrionárias do notocórdio degeneram e são progressivamente substituídas por células de tecido ósseo provenientes do mesoderma. Subphylum Vertebrata (Animais com coluna vertebral) ―Os vertebrados compreendemos cordados que desenvolvem coluna vertebral. A presença de um fígado como um acessório do aparelho digestivo. Os vertebrados têm um endoesqueleto de cartilagem ou de osso. aves e mamíferos). A principal característica. Coluna vertebral. A presença de brânquias e as repetitivas fendas branquiais. dando lugar/então. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . enterram-se na areia a pouca profundidade da superfície das águas nas costas marinhas sobretudo tropicais. Animais com crânio ossificado e outro com crânio cartilagíneo. Tem sangue com um aristrócito que esta associado a hemoglobina.140 Abdul Gafar Daúdo Ecologia e modo de vida Demonstram uma vida semi-séssil.2011 . portanto. 45 – Exemplo de animais com coluna vertebral         A presença de tecido ósseo. répteis. cujo este não se forma a partir do notocórdio. Algumas características comuns dos vertebrados Fig. com vértebras rodeando o cordão nervoso dorsal. Locomovem-se por movimentos típicos de virar várias vezes o corpo auxiliado pelas nadadeiras. a fonação das vértebras. E o fígado caracteriza-se por ser complexo. Um coração com posição ventral. 1997:377). Este subfilo encontra-se subdividido em sete classes (três classes são de peixes e as outras são anfíbios. de todos os vertebrados é a presença de coluna vertebral no individuo adulto‖ (SOARES. Sistema hormonal complexo.

e outros órgãos internos semelhantes a aqueles dos vertebrados. O notocorda do embrião é substituído pela coluna vertebral no adulto. Os vertebrados mostram todas as 3 características dos Cordados em algum momento das suas vidas. pode se assemelhar aos primeiros vertebrados: ela tem as três características dos Cordados (como a larva dos tunicados). subdivide-se em duas classes: Classe Ostracodermi e Classe Cyclostomata O grupo do Gnatostomata que significa com maxila podemos encontrar para além dos peixes. Coluna vertebral.141 Abdul Gafar Daúdo    Tem um tegumento (pele) com várias camadas. O esqueleto dos vertebrados é tecido vivo (cartilagem ou osso) e cresce junto com o animal. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . Agnata que significa sem maxila esta é um grupo primitivo e muito activo. é evidência de que os vertebrados são segmentados. Os peixes podem ser divididos em dois grupo (superclasses): Superclasse Agnata e Superclasse Gnatostomata Esta divisão dos peixes em dois grupos vai nos conduzir a outra subdivisao. também tem um coração de duas câmaras. Os peixes são aquáticos e por isso respiram por brânquias. Classificação Dividimos os vertebrados em dois grandes grupos: o grupo dos peixes e o grupo dos tetrápodes. Os primeiros vertebrados eram semelhantes a peixes. os mamíferos. um cérebro com três lobos. que é parte de um endoesqueleto flexível mas forte. A coluna vertebral é constituída por segmentos rígidos individuais (vértebras) que circundam um cordão nervoso dorsal oco. Aves e Repteis. Origem e evolução dos Vertebrata. O cordão nervoso é a única característica exclusiva dos Cordados que persiste ao longo de toda vida de todos Cordados. que se parece a uma lança. A reprodução é sexual. Tem barbatanas e a pele encontra-se coberta por escamas. todavia existem alguns peixes hermafroditas. A forma larval da lampraia mais recente. Tem um cérebro grande dividido em várias regiões.

Diferenças com outros Vertebrados  Cabeça pouco diferenciada  Sem mandíbulas verdadeiras  Extremidades pares. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .       Ausência de mandíbulas.2011 . A B Fig. Tabela 10: Principais características. Não possuem mandíbulas. cinturas. Presença de apêndices pares. costelas ou ductos genitais ligados à gônadas. Classe Myxini (feiticeira) Os membros da classe Myxini. Cyclos = circular. Uma narina. tem um crâneo parcial mas não possuem vértebras. As Lampraias têm uma boca redonda chupadora que não possui mandíbulas. Aberturas branquiais Notocorda persistente Fonte: Adaptado pelo autor. 46 – A. mas devem regressar a água doce dos rios para reproduzir. que nadam livremente.142 Abdul Gafar Daúdo Classe Lampraias (Cyclostomata) (gr. Estrutura da boca da lampraia. 2011. Morfologia externa da lampraia truta lacustre. Olho pineal. As Lampraias desovam na água doce e muitos vivem inteiramente na água doce. Algumas Lampraias migram para o mar. stoma = boca) São peixes com corpo alongado. e por essa razão eram classificados junto com as Lampraias nos Agnatha (sem mandíbulas) ou Cyclostomata (boca redonda). O seu esqueleto é cartilaginoso. semelhanças e diferenças com outros vertebrados. predadores de outros peixes. sem mandíbulas. semelhante a enguias. Características principais        Semelhanças com outros Vertebrados Presença de encéfalo Nervos cranianos pares Olhos Ouvidos internos Vértebras segmentadas Sistemas de órgãos Células sanguíneas vermelhas e brancas. B.

143 Abdul Gafar Daúdo Caracteristicas principais  Pele com glândulas de muco. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  Sem fase larval Fig. audição. 2011. 47 – (a).  Órgãos sensoriais: paladar. Diferenças entre Feiticeiras e Lampraias Tabela 11: Principais semelhanças e diferenças entre Feiticeiras e Lampraias.  Sem cerebelo. Morfologia interna da feiticeira.  Olhos degenerados.  Sem nadadeira dorsal. (b).2011 Lampraias Nadadeiras medianas Disco oral (ventosa) Com pequeno cerebelo Olhos desenvolvidos Gônada ímpar Estágio larval longo (larva amocete) .  Dióicos – apresentam as duas gônadas no mesmo indivíduo. Feiticeiras Sem nadadeiras Boca mordedora Sem cerebelo Olhos degenerados Duas gônadas (1 funcional) Sem estágio larval Fonte: Adaptado pelo autor.  Boca mordedora com duas fileiras de dentículos eversíveis. Estrutura da feiticeira. olfato .

destacam-se:  Um desenvolvido endoesqueleto axial e apendicular. Desenvolveram um arco maxilar no esqueleto visceral. A maior vantagem competitiva sobre os agnatas levou esses últimos quase à extinção.144 Abdul Gafar Daúdo Estudo do Subfilo Gnatosthomata Esta linha evolutiva engloba os cordados mais conhecidos popularmente: anfíbios. permitiu aos peixes primitivos arrancar grandes pedaços de algas e animais maiores.2011 . répteis. A característica principal que partilham entre si é a presença de mandíbulas na boca. derivado do surgimento das mandíbulas. Entre as principais características dessa superclasse Ganthostomata. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . peixes. denominado arco hióide. A mandíbula originou-se de uma modificação no primeiro arco branquial. e a parte inferior originou a mandíbula. aplicando forças sobre a coluna. à sucção do alimento ou a captura de pequenos invertebrados. A região das fendas branquiais tem como elementos esqueléticos de sustentação os arcos branquiais. já que actuam como estabilizadores. sendo que a parte superior do arco deu origem à maxila. os cordados estavam restritos à filtração. aves e mamíferos. explorando novas fontes de alimentos. precisa e controlada. porque proporcionaram aos vertebrados a uma natação direccionada. O hábito predador. manipulada por músculos e associada a dentes. tornando-os activos e ágeis nadadores. O surgimento das nadadeiras pares As nadadeiras pares foram a segunda importante inovação. Sem as mandíbulas. O segundo arco branquial. que fica em contacto como crânio. veio associado a muitas modificações no corpo desses animais. Talvez a maior de todas as inovações surgidas durante a história evolutiva dos vertebrados tenha sido o desenvolvimento da mandíbula que. passou a sustentar a mandíbula e mantê-la unida ao crânio. Os arcos branquiais restantes continuaram com sua função original de sustentação das brânquias. constituído por dezenas ou centenas de vértebras fusionadas à coluna vertebral.  Uma peculiar morfologia craniana.

Répteis → dois átrios e dois ventrículos que não são totalmente separados. onde o sangue circula necessariamente no interior de vasos sanguíneos. podendo o desenvolvimento ser direto ou indireto (formas larvais). podendo o coração ser formado por duas.  Um sistema circulatório fechado. branquiais ou pulmonares. conforme o grupo. três ou quatro cavidades.  Um sistema nervoso central (encéfalo e a medula espinhal) e um sistema nervoso periférico (nervos e gânglios nervosos). dependendo da classe taxonômica.  Sistema excretor diferenciando.145 Abdul Gafar Daúdo  Um sistema muscular composto por três tipos de tecidos (estriado esquelético. A maioria vivia primariamente na água doce e. foi o desenvolvimento de mandíbulas. estriado cardíaco e liso). ovoviviparidade ou viviparidade. O passo mais importante na sua evolução. Anfíbios → dois átrios e um ventrículo. Grupo dos Peixes (Pisces) Classe Placoderme Tipos de peixes extintos (fósseis) do Silúrico e Devónico. sendo as trocas gasosas mediadas por estruturas cutâneas. quando comparados com os Ostracodermi. dependendo das condições do meio onde vivem. ureotélicos (eliminam ureia) e os amonioltélicos (eliminam amônia). Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  Sistema tegumentar corpóreo formado por duas camadas coesas (a epiderme externa e a derme interna). Peixes → um átrio e um ventrículo.  Sistema respiratório diversificado. O seu corpo era também coberto por uma placa córnea endurecida. talvez mais tarde nos mares. organismo uricotélicos (eliminam ácido úrico).2011 .  Reprodução sexuada por oviparidade. Aves e mamíferos → dois átrios e dois ventrículos completamente separados.

48 –Alguns representantes dos placodermis do devoniano. boca ventral e fendas branquiais descobertos‖ (SOARES. e ichthyos.2011 . as quimeras e as raias. mas apenas sob forma de escamas placóides. 1997:378). possuem mandíbula. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . existentes. coluna vertebral com grandes restos da corda e as cinturas dos pares de barbatanas. Os representantes dessa classe são os tubarões. os peixes cartilagíneos mantêm restos da placa externa da cobertura do corpo. surgiram no final do Devoniano e final do Siluriano respectivamente. Classe Chondrichthyes Acredita-se que os dois grupos atuais mais importantes. Não possuem beixiganatatória. Período Devoniano. Sendo assim.146 Abdul Gafar Daúdo Fig. nadadeiras pares e mais desenvolvidas e um esqueleto melhor estruturado. embora haja alguns de água doce. apresentam nadadeiras pares e impares. peixe) reflete a característica distintiva mais marcante desses animais: o esqueleto formado por tecido cartilaginoso. O nome Chondrychthyes (do grego chondros. vista superficial. e não por tecido ósseo. Bothriolepis canadensis (a esquerda) e Dunkleosteus armour (a direita). cerca de 408 milhões de anos atrás. 49 – Escamas placóides ampliadas. Fig. cartilagem. arco branquial. Como aquisição em relação aos ciclóstomos. O esqueleto cartilaginoso desses animais é composto por uma cápsula craniana portadora de mandíbulas. quase exclusivamente marinhos. A. Chondrichthyes e Osteichthyes. A maioria dos representantes é marinha. B. O corpo é recoberto por escamas. Em relação aos seus ancestrais. Secção mediana de uma escama. os tubarões e formas similares apareceram no planeta Terra na Era Paleozóica. Os Condricties ―São peixes de esqueleto cartilaginoso.

Fig. até 90cm). 50 – Estrutura interna de Cacção.5 e 18 metros). Fisiologia  Notocorda persistente.  Boca ventral. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  2 Nadadeiras dorsais medianas.2011 .  Nadadeiras peitorais e pélvicas em pares. Principais características dos Peixes cartilagíneos  Grandes (entre 90cm a 12 metros) existindo diferenças notáveis entre cações (Squalus.  Corpo fusiforme ou deprimido dorsoventralmente. tubarões (entre 2. com dentes de esmalte.  Endoesqueleto cartilaginoso (notocorda persistente mas reduzida)  Crânios sem suturas.  Para natação possuem diferentes tipos de nadadeiras. sustentadas por raios. muitas vértebras. 2 bolsas olfatórias. A nadadeira caudal é heterocerca (lobo superior é maior que o inferior).147 Abdul Gafar Daúdo Os peixes cartilagíneos não dispõem de uma cobertura (opercular) das brânquias.  A pele (tegumento) é rija com escamas placóides ou nuas em elasmobrânquios e nua em quimeras. o que torna as 5 fendas branquiais visíveis por fora. cinturas peitoral e pélvica presentes.  Nadadeira caudal heterocerca (dificerça em quimeras). completas e separadas.  Nadadeiras pélvicas transformadas em Clásperes.

podendo ser quanto ao nascimento ovíparos ou ovovivíparos. eles nadam lentamente. sem bexiga natatória. invertebrados e peixes. são usados para quebrar e triturar.  Temperatura do corpo é variável. Algumas raias posuem espinhos venenosos. sendo ictioologia o estudo científico dos peixes. Os peixes mais típicos ou peixes ósseos têm esqueleto ósseo. com seio venoso e cone arterial. contém apenas sangue venoso. Os dos tubarões são triangulares e com bordas serrilhadas usadas para cortar.148 Abdul Gafar Daúdo  Coração apresenta 2 câmaras (1 aurícula e 1 ventrículo). as suas barbatanas peitorais estão expandidas assemelhando-se a asas. Alimentam-se de algas marinhas. As raias eléctricas alimetam-se de peixes que já foram estonteados pelo choque eléctrico de mais de 300v. da maioria dos adultos é a uréia. o nome comum peixe deriva do latim. obtusos e em forma de um ladrilho.  Exibem dez pares de nervos cranianos.2011 . Ecologia e hábitos alimentares Os dentes dos elasmobrânquios refletem seus hábitos alimentares.  Sexos são separados e a fecundação é interna. geralmente têm corpo fusiforme. A maioria das raias habitam o fundo e seus dentes geralmente são pequenos. pisces. As grandes nadadeiras peitorais são usadas para a natação. Os tubarões-serra tem uma serra comprida na parte anterior que é usada para abrir caminho entre cardumes de outros peixes. são cobertos com escamas dérmicas. nadam por meio das nadadeiras e respiram por Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . As raias vivem no fundo do mar junto ao chão. rasgar ou talhar. sem metamorfoses. Classe Osteichthyes Os gregos antigos conheciam os peixes como ichthyes.  Respiração por brânquias presas às paredes opostas de cinco a sete pares de bolsas branquiais.  Excreção dá-se por meio de um tipo de rins mesonéfricos e o principal produto de excreção (nitrogenada) das larvas é a amônia. tendo cada bolsa uma abertura independente em forma de fenda.  Glóbulos vermelhos são nucleados e ovais.

Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Para além das escamas. está coberto de escamas ósseas dérmicas. constituído por cabeça.149 Abdul Gafar Daúdo brânquias. aqui. eles herdaram dos ancestrais Placodermes e Ostracodermes.wordpress. salgada. órgãos de natação. Várias espécies habitam todos os tipos de água. Fig. Tipos de Escamas Os peixes apresentam quatro tipos básicos de escamas. doce. O seu corpo. pois. quente ou fria. quanto ao tipo (ósseo ou cartilagíneo) e forma.2011 . A pele dos peixes ósseos possui muitas glândulas mucosas. salobra.com/2009/07/26/classe-osteichthyes/) Trata-se. A cauda é geralmente hocerca (lobos simétricos). encontramos na superfície as nadadeiras. Estas possibilitam ocupar e explorar a água na sua total dimensão vertical e horizontal. (http://probiokelinton. podem variar. Os esturjões preservaram a cartilagem. dos peixes ósseos que congregam a maior parte das espécies de peixes. O esqueleto ósseo não constitui nova conquista do grupo. As nadadeiras. tronco e cauda. O corpo dos peixes ósseos é geralmente fusiforme. Os peixes têm sido um armazém de alimento protéico para a humanidade desde a antiguidade e muitas espécies fornecem recreação agradável para pescadores amadores. Principais características dos Peixes ósseos Tamanho do corpo: Nos peixes ósseos assiste-se praticamente a ocorrência de todos os tamanhos imaginários. 51 – Extrutura externa do peixe.

filamentos branquiais com a direcção do sangue. Ctenóides: Típica dos peixes ósseos. partes de um filamento. o que deixa sua pele áspera. não possuindo projeções. B. Ciclóides : típica de peixes ósseos. das espécies é branquial (pares de brânquias em arcos implantadas branquiais ósseos). Os olhos são grandes e desprovidos de pálpebras. Ganóides : Não ocorrem em peixes brasileiros. são lisas. brânquias na câmara branquial com o opérculo cortado. crescem por toda vida do peixe. coberta por uma Fig. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . esmaltadas e brilhantes. C. dentro de uma câmara que disposta em cada lado da cabeça. glóbulos vermelhos nucleados. são rômbicas. são finas e crescem por toda vida. contendo só o sangue venoso. D. 53 – Estruturas branquiais de um peixe ósseo. Respiração: na maioria Fig. 2011.2011 . 52 – Sistema circulatório do peixe. com apar ência de uma lixa. 4 pares de arcos aórticos. que conferem aos peixes uma aparência áspera. posição dos filamentos branquiais durante a respiração. A.150 Abdul Gafar Daúdo Tabela 12: Principais tipos de escamas. Placóides : Encontradas em tubarões e arraias. possuem pequenas projeções formando uma coroa de minúsculos espinhos. Os dentes e as mandíbulas estão presentes e também variam no seu desenvolvimento de acordo com a alimentação. A boca é terminal e a localização varia de espécie por espécie acompanhando os hábitos alimentares. Fonte: Adaptado pelo autor. possuem pequenos dentículos dérmicos voltados para trás. Os restos da notocorda persistem em muitos casos Fisiologia dos peixes ósseos Sistema sanguineo e vascular: possuem um coração com 2 câmaras (ventrículo e aurícula) com seio venoso e cone arterial.

geralmente está presente uma bexiga natatória. 54 – Meia secção ilustrando as principais estruturas internas do peixe. pequenos e cônicos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Em outras formas ocorreram modificação para se formar uma espécie de pulmão (nos Dipnoi). algumas vezes com incorporação de larvas bem distintas dos adultos. Fig. etc. Sistema nervoso e sensorial: com lobos ópticos e um cerebelo muito desenvolvido. O alimento que é mastigado vai para a faringe. Excreção: rins mesonéfricos para excreção de amônia e ureia. Sistemática São divididos em: Sarcopterygii (peixes com nadadeiras carnosas. geralmente ovíparos (ou ovovivíparos). com linha lateral. estatolitos para orientação e equilíbrio. os órgãos sensoriais equiparáveis aos cartilagíneos.151 Abdul Gafar Daúdo estrutura óssea chamada opérculo. lobadas) e Actinopterygii (peixes com nadadeiras raiadas). esôfago. Reprodução: dióicos. estômago e intestino. Não há glândulas salivares. O que não foi absorvido é eliminado pelo ânus.2011 . de fecundação externa. Digestão: Possuem mandíbulas e maxilares com muitos dentes.

Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . independentemente das transformações que estas tenham sofrido em adaptação ao tipo de locomoção nos diferentes meios. Este grupo dos vertebrados compreende animais com 4 extremidades (patas) locomotoras. (Os Gimnofionos. com quatro patas e respiração pulmonar na fase adulta‖ (AMARAL e MENDES. dos dois modos e bios . Classe Amphibia Herpetologia é o ramo da biologia que estuda répteis e anfíbios. Pele húmida e glandular. como a Cecília ou Cobra-cega. 2006:136). ―Nos anfíbios. as coanas se abrem na região anterior do tecto da boca. todos outros Tetrápodes são amniados. 2006:136). ricamente vascularizada. Principais características dos Anfíbios A maioria é dotada de quatro membros tetradáctilos para a locomoção em terra. Os Anfíbios que são os únicos Tetrápodes anamniotas ou anamniados (Anamniota). sem escamas. isto é o embrião não apresenta âmnio. placas ou qualquer outro anexo.vida) ―são animais poiquilotérmicos. Eles dominam a vida nos ambientes de terra seca e aquática. fina. s/d:165).Dia: 17 . apta para a respiração cutânea. enquanto em outros podem estar ausentes apenas na mandíbula. Como não existe palato secundário.2011 . Anfíbios (do grego amphi . São os Tetrápodes mais antigos aparecidos na Terra. O número de vértebras é bastante variável (10 à 200). sem escamas externa. Esqueleto: os anfíbios têm o crânio largo e achatado. se comparado a maioria dos peixes. são Ápodes).2011 Superfamilia Tetrapopda (Tetrapodes) 152 Abdul Gafar Daúdo Esta superclasse ―Reúne vertebrados terrestres. a pele é lisa. coberta de muco.ambos.Outubro . foram descritas mais de 4000 espécies‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. eu nesses animais chega a ser mais importante que a respiração pulmonar‖ (DE ARAUJO e BOSSOLAN. Em alguns pode não haver nenhum dente.

153
Abdul Gafar Daúdo

Fisiologia dos anfíbios Respiração: para a vida anfíbia desenvolveram brânquias e respiração cutânea. Há diferenças entre as três ordens. Sistema sanguineo e vascular: Coração com três cavidades: duas aurículas e um ventrículo. O sangue arterial, que entra na aurícula ou átrio esquerdo, e o sangue venoso, que chega à aurícula ou átrio direito, vão se juntar no nível do ventrículo único. Por isso, diz-se que a circulação desses animais é fechada, dupla, porém incompleta (há mistura de sangue arterial com sangue venoso); Sistema nervoso e sensorial: A maioria dos Anfíbios desenvolveu um ouvido médio e membrana timpânica. Actividades estacionais: Anfíbios precisam evitar temperaturas extremas e a seca porque não têm regulação da temperatura do corpo. Durante o inverno rãs e salamandras aquáticas hibernam no fundo de lagos e rios que não congelam; sapos e salamandras terrestres enterram-se ou vão até abaixo da linha de congelamento. Durante a hibernação todos os processos vitais são reduzidos. Reprodução: é a variedade de modos de reprodução e de cuidado parental exibida. A maioria das espécies de anfíbios deposita ovos: na água, na terra ou podem eclodir em larvas aquáticas ou em miniaturas dos adultos terrestres. Desenvolvimento por metamorfoses: larva chama-se girino, com brânquias (inicialmente externas e depois internas) e com nadadeira caudal. Adultos com pernas e pulmões. A fecundação é externa, na água, onde se dá a fertilização. Não há cópula verdadeira. Possuem capacidade de regeneração.

Fig. 55 – Desenvolvimento embrionário da salamandra.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

154
Abdul Gafar Daúdo

Sistemática dos Amphibia Derivam de um ancestral semelhante a um peixe. Estão descritas três ordens: Anura (sem cauda) Exs.: sapo, rã e perereca. Ordens Urodela (com cauda) Exs.: salamandra, proteus e tritão. Apoda (sem patas) Ex.: cobracega (Caecilia). Ordem Urodela ou Caudata: são as salamandras; com cauda bem desenvolvida; mebros sempre presentes, mas podem estar reduzidos; corpo é alongado; quase todas elas são aquáticas; cerca de 350 espécies,

praticamente do Hemisfério Norte. As salamandas são conhecidas por manterem as características larvares no adulto (pedomorfose): linha lateral funcional, ausência de pálpebras e presença de brânquias externas.
Fig. 56 – Representante da Ordem Caudata (salamandra).

Ordem

Anura: os Anuros compreendem os sapos, as rãs e as pererecas. Uma

característica principal é a locomoção por salto. A outra é o desaparecimento da cauda larval no adulto, daí o nome anura, sem causa. Anuros são cosmopolitas (estão praticamente em todo globo terrestre), com cerca de 3500 espécie. Muitas espécies de anuros são comestíveis e entram na gastronomia internacional (Rana esculenta).
Fig. 57 – Representante da Anura (Rana esculenta). Ordem

Ordem Gymnophiona ou Apoda: parecidos com as cobras, sem patas locomotoras (apoda significa desprovido de pernas, patas). Fazem parte as cobras-cegas ou cecílias.
Fig. 58 – Representante da Ordem Apoda (cecilias)

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

155
Abdul Gafar Daúdo

Classe Reptilia (Sauropsida) Os Répteis têm sua origem nos Anfíbios labiritodontes e vêm desde o Carbónico. Com os Répteis começa a evolução dos Amniota totalmente relacionados com a vida na terra seca. O seu nome relacionase com o modo de locomoção, rastejante, embora não se possa generalizar. Além do âmnio, eles possuem o corion (protege o amnio) e o alantóide (trocas gasosas e excreção de excretas embrionárias). O desenvolvimento ocorre sem estágios larvares. Principais características O Tegumento: Os répteis são vertebrados que apresentam a pele seca e recoberta por escamas, uma vez que os pulmões são mais eficientes, dispensando, portanto, a respiração cutânea. Ela protege contra a perda de água e facilita a vida na terra firme. Esqueleto: bem desenvolvido, com extremidades igualmente bem desenvolvidas exceptuando alguns taxa. Geralmente têm 5 dígitos (lagartos, crocodilos, quelónios) ou são ápodos (serpentes). Exceptuando os quelónios com boca parecida com o das aves, a cabeça e a boca dos restantes membros estão bem desenvolvidas. Completamente ossificado; crânio com um côndilo. Os rins metanefros eliminam ácido úrico (uricotélicos), substância praticamente insolúvel em água, que confere às fezes uma tonalidade esbranquiçada. Sistema sangíneo e vascular: A circulação é fechada, dupla e incompleta, fazendo transição de três para quatro câmaras: duas aurículas e um ventrículo parcialmente dividido; com glóbulos vermelhos nucleados. A maioria possui dois átrios e um ventrículo (com o septo de Sebatier quase separandoo em dois); os crocodilianos já possuem quatro cavidades, mas, mesmo assim, o sangue venoso e arterial se misturam através de um orifício - Forâmen de Panizza.
Fig. 59 – Tipos de répteis vivos. A, Crocodylia. B e D, Lepidosauromorpha. C, Chelonia.

Portfólio de Zoologia S&F

Curso de Biologia

1º ano

UP-Montepuez - 2011

algumas serpentes podem permanecer algumas horas de baixo da água.2011 . Durante o Mesozóico foram os vertebrados mais dominantes e ocuparam a maioria dos habitats. isto é. Fig. 60 – Algumas formas de Répteis extintos do Mesozóico. de acordo com o ambiente. Quanto à sua ecologia. Podem correr. B e D. desenvolvimento direto e principalmente ovíparos (os ovos apresentam casca calcária). Reprodução: geralmente com órgãos copuladores bem desenvolvidos e praticam a cópula. um fenómeno chamado bradicardia. mas tartarugas. Outros répteis do préhistórico são Pterosauria. trepar e nadar. Não há uma explicação plausível acerca da sua extinção. crocodilos. mas podendo ser ovovivíparos (cobras venenosas) e até vivíparos (sucuri). são dióicos. A temperatura corporal: é variável (poiquilotérmico. tártarugas. cágados e jabutis estão reunidos na ordem Chelonia. Presentemente temos: 1. com as seguintes características: Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Sistemática dos Répteis A sistemática actual não inclui formas extintas. C. com fecundação cruzada e interna. prendendo a respiração. ou pecilotérmico). Existem em registos fósseis os Dinossauros e os Pterodáctilos. Respiração: pulmonar. rastejar. Lepidosauromorpha. Ordem Chelonia ou Testudines: Na classificação zoológica. Chelonia. os répteis encontram-se em todos ecossistema e desenvolveram vários hábitos alimentares. Plesiosauria e Elchthyosauria.156 Abdul Gafar Daúdo Locomoção: possuem dois pares de extremidades providas de 5 dedos com garras córneas.

Além disso eles desenvolveram as maxilas fortes. sem inalar água. possuem no entanto maxilar e mandibula com bainhas córneas. A força muscular da cauda. ocupando sobretudo águas doces. Possuem narinas na extremidade do focinho e desenvolveram um palato secundário que desloca as passagens de ar para a porção posterior da boca. 2. os Crocodilos são animais terrestres adaptados à viver na água. s/d:166). vivem em água doce. Animais excelentemente predadores. encaixado em uma "concha" firme de carapaça dorsal (arredondada) e outra ventral (plana. garras ou nadadeiras. como as tartarugas e os cágados. um Crocodilo pode respirar somente com as narinas expostas.2011 . enquanto as patas são mantidas contra suas laterais. nos quais se acham ancorados poderosos dentes e apresentam igualmente patas bem desenvolvidas. terminadas em dedos. Fig. Uma aba de tecido. que se origina da base da língua. pesada e lateralmente achatada. ou aquáticos na maior parte da tempo. apenas 21 espécies sobreviveram até à actualidade. unidas pelos lados e cobertas por placas poligonais ou pele coriácia. salgada ou na terra. ausência de dentes. 61 – Tartaruga. Ordem Crocodilia – que contém jacarés. São ovíparos (ovos postos pela fêmea em buracos que elas escavam e depois cobrem) que durante a embriogénese.157 Abdul Gafar Daúdo Corpo grande. pode formar um selo à prova da água entre a boca e a garganta. o sexo em algumas espécies é determinado pela temperatura a que este é exposto no ninho. caimões e gaviais. pois ou são terrestres. tornaram num mecanismo eficaz de captura de presa. Eles são animais semi-aquáticos. A maioria é encontrada em regiões tropicais e subtropicais. crocodilos. Apresentam quatro patas. aliada a da massa da água. são vértebras torácicas e costelas usualmente fundidas com a carapaça. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . como o jabuti. impulsiona seu corpo na água. Crocodilos possuem tipicamente uma armadura corporal dérmica e a cauda. embora existam três espécies que penetram na zona temperada. (AMARAL e MENDES. chamada plastrão). Desse modo.

mas também existem os ovovivíparos (raramente vivíparos). Os crocodilos incluem uma variedade de larguras de focinho. pântanos de mangais. constituidas por todo tipo de mamíferos. são formas de água doce. O Aligator é o maior em comprimento de todos os Crocodilia e dentro dos Reptilia é superado pelo Pitão e Anaconda. China. ocorrem na América Central. (d) gavial.158 Abdul Gafar Daúdo Tal como as tartarugas. (b) jacaré chinês. no Mexico. também come aves e peixes. americano e o gavial. baixas de rios). Crocodylidae: crocodilo de água salgada (dos estuários. (c) crocodilo americano.A maior variação entre os Crocodilia actuais reside no formato da cabeça. Sistemática actual dos Crocodilia A ordem Crocodilia compreende as seguintes famílias: Alligatoridae: Aligator (Alligator mississippiensis). 64 – Crocodilus niloticus sp. os Crocodilos depositam os ovos na zona da praia (rios e costas marinhas). Há ainda crocodilos que possuem focinhos cubano. Fig. os Crocodilidae diferem pouco entre si. crocodilo crocodilo Fig. muito jacaré estreitos: chinês. Gavialidae: com o gavial dos rios do Norte da Índia. O seu desenvolvimento é directo.2011 . Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Fig. jacaré e caimão (Caiman crocodilus). Crocodilus niloticus. atingem mais de 7 metros. são ovíparos. Jacarés e os caimães são formas de focinho largo. Esbeira-se nos rios a espera de suas presas. América do Sul. 63 – Caiman crocodilus. 65 – Gavialidae. 62 – Ilustração das principais diferenças entre os Crocodilia: (a) crocodilo cubano. Quanto à sua estrutura externa e hábitos. Fig. É um predador excelente.

O órgão de Jacobson tem seu ápice de desenvolvimento em serpentes e lagartos e é ligado ao tecto da boca e não ao canal nasal. iguanas. mas respiração cloacal em tartarugas marinhas. Ordem Lepidosauria . O crescimento é feito através de mudas periódicas sob a indução hormonal. ao qual se subordinam as ordens:  Sphenodontia (com a tuatara. ficaram reduzidos (alguns lagartos). excepto os organismos cavadores.2011 . O seu esqueleto está muito modificado. serpentes. Os membros estão providos de 5 dedos terminando em garras córneas e adaptadas para correr. 2 pares de membros locomotores situam-se no mesmo plano do corpo (ventral). Todo o grupo realiza espiração pulmonar.tuatara. Em alguns casos as pernas assemelham-se a remos (tartarugas marinhas). Nos lagartos desenvolveu-se bastante um ouvido médio. o que justifica a locomoção por rastejamento do ventre no solo. Não só. cobras-de-duas-cabeças. rastejar ou trepar. Trata-se de um grupo bem distinguível das outras duas ordens já estudadas. camaleões e gecos. o taxon Lepidosauria pode ser considerado como superordem. que ocorre em ilhas da Nova Zelândia) e Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . lagartos. a sua anatomia de partes moles é igualmente diferente. como fígado e pâncreas. Varanos. O Tecto do crânio é arqueado e não mais achatado como nos anfíbios. Sistemática dos Lepidosaurira Na classificação actual. o ouvido médio e a trompa de Eustáquio. exibem pálpebras mais moveis que as dos anfíbios. ou como se disse estão ausentes (alguns lagartos e todas as serpentes). Características gerais O ouvido do grupo sofre consideráveis alterações. terminando em cloaca. A pele é tipicamente seca e frequentemente encoberta ou por escamas (cobras e lagartos). placas dérmicas e carapaças (tartarugas). As vibrações recebidas são transmitidas por meio do quadrado à columela e então ao ouvido interno. as cobras dispensaram por completo os membros e rastejam com ajuda da contracção muscular. único vivente. com glândulas bem desenvolvidas. O seu sistema digestivo é completo.159 Abdul Gafar Daúdo 3. Nas serpentes desaparecem o tímpano.

Nas serpentes. porém regeneram-se com maior facilidade ainda. Subordem Ophidia: cobras ou serpentes.sem o osso externo (podem engolir grandes presas). Mostram numerosos caracteres derivados no crânio. s/d:167). a flexibilidade do crânio foi aumentada ainda mais. Com órgão de Jacobson . cobra-de-duas-cabeças. interessam-nos os Squamata. Para sua defesa e predação muitas espécies desenvolveram venenos que variam na sua constituição química e. ou seja. O mais evidente destes é a perda da barra temporal inferior e do osso quadrado-jugal . Apresentam o corpo revestido por escamas que são trocadas de tempos em tempos. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .2011 . Mas. portanto são insectívoros. em consequência. Grande capacidade para abrir a boca. a cobra-de-duascabeças. o camaleão. Essa modificação faz parte de uma série de mudanças estruturais do crânio. a lagartixa. que contribuem para o desenvolvimento de uma complexidade de movimentos. a iguana. que formava parte dessa barra.sensíveis às radiações infravermelhas. esqueleto pós-craniano e tecidos moles. Aqui.160 Abdul Gafar Daúdo  Squamata (lagartos.olfacto. O órgão de Jacobson tem seu ápice de desenvolvimento nas serpentes e nos lagartos e é ligado ao tecto da boca e não ao canal nasal. camaleões e gecos). A lingua é bifurcada. os venenos são também muito úteis na indústria farmacêutica. A Naja mossambica é sem dúvida uma das serpentes mais venenosas em Moçambique. (AMARAL e MENDES. Perdem a cauda com facilidade. Costelas flutuantes . ao calor irradiado pelo corpo da vítima. Esses animais em alguns tempos podem trocar de escamas. Sistemática da ordem Squamata Tradicionalmente reconhecem-se as seguintes subordens: Subordem Lacertilia (Sauria): lagartos como a cobra-de-vidro. através da perda da segunda barra temporal. e fossetas loreais . serpentes. Ordem Squamata iguanas. na forma de acção. Venenos desta e de outras serpentes matam a presa de 40 kg de massa em apenas 10 minutos. Vivem no meio terrestre e alimentam-se de insetos. varanos.

mas nem tanto Quatro diferenças anatômicas distinguem os dois maiores répteis do planeta – o Crocodilo e o Jacaré. até 3 metros. desde alguns centímetros. pálpebras nos olhos. o monstro-de-gila.Os crocodilos pertencem a familia Crocodilidae e os jacarés a Alligatoridae.161 Abdul Gafar Daúdo Diferenças com as serpentes: Salvo excepções. Aqui.basiliscos  Família Iguanidae . os lagartos ocorrem em todos os continentes.camaleões  Família Gekkonidae . excepto na Antártida e existem em diversos tamanhos. ex.Monstro-de-gila Diferenças entre Crocodilo e Jacaré Parecidos.2011 . Sistemática da subordem Lacertilia: A lista de famílias dos lagartos é enorme.lagartos varanos e monitores  Família Helodermatidae . alimentando-se de insetos ou pequenos mamíferos. Com mais de 5000 espécies conhecidas actualmente.agâmidas  Família Chamaeleonidae .geckos ou lagartixas  Família Varanidae . mas também há lagartos omnívoros ou herbívoros. como o dragão-de-komodo. e ouvidos externos. São geralmente carnívoros. Os crocodilos e os jacarés pertencem a mesma classe de répteis a classe Crocodiliana porem são de familias diferentes. exibem quatro patas. CROCODILO         Escamas do ventre com poros glandulares Dentes superiores alinhados com os inferiores Cabeça afilada Os dentes têm todos o mesmo tamanho e nenhum deles aparece com a boca fechada JACARÉ Cabeça larga e arredondada Dentes superiores desalinhados com os inferiores O quarto dente de cada lado do maxilar inferior é bem maior que os outros e aparece mesmo com a boca fechada Escamas do ventre sem poros glandulares Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez .  Família Corytophanidae . como as iguanas. eis algumas delas.iguanas  Família Agamidae . como alguns geckos. Algumas formas são venenosas.

regulação térmica.Outubro . formações epidérmicas queratinosas que desempenham várias funções: voo. Existem outros animais com a capacidade de voo (ex. A capacidade de voar possibilita às aves a ocupação de muitos habitats jamais ocupados por outros animais. também o ar. Mas o grande distintivo deste grupo é a capacidade primária de voo. 66 – Quatro tipos de penas (a esquerda). a terra e as águas salgadas e doces. protecção do corpo. áreas providas de penas.2011 Classe das Aves 162 Abdul Gafar Daúdo Aves ―são vertebrados amniotas. Características gerais das aves  Corpo coberto de penas: só crescem em certas áreas da pele chamadas ptérilas. Plumas: penas macias de isolamento. isolamento. insectos. Elas ocuparam. morcegos). caracterizados principalmente pelo corpo coberto de penas. ossos longos parcialmente ocos em contacto com os sacos aéreos dos pulmões‖ (SOARES. Fig. Nenhuma outra classe animal possui penas. na galinha doméstica (a direita). Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . isto é.2011 . por assim dizer. As Aves ocupam todos os continentes. por terem os maxilares transformados em bico e desprovidos de dentes e pela presença de ossos pneumáticos. alantoidianos e homeotérmicos.Dia: 24 . entre as quais há espaços vazios. entre outras. aptérios. Tipo de penas: Penas de contorno: revestimento externo e contorno do corpo da ave. graças à existência de penas.1997:381).

Os bicos estão adaptados a diferentes hábitos de alimentação. glóbulos vermelhos nucleados.  Esqueleto especializado para o voo: forte e totalmente ossificado. 68 – Diferentes tipos de bicos nas aves. ossos porosos ou pneumáticos (facilitam a aerodinâmica). muito eficientes.163 Abdul Gafar Daúdo Filoplumas: minúsculas penas filiformes com poucas barbas e bárbulas. gaviões.  O coração das aves possui 4 câmaras (2 aurículas. Plumas pulverulentas: que impermeabilizam as penas (em garças. o arco aórtico (sistémico) direito persistente. perto das narinas e em torno da boca.  Excreção por meio de rins metanéfricos e o ácido úrico é o principal produto. ou mesmo para preensão de objectos. presos às costelas e ligados a sacos aéreos de paredes finas. eles desempenham várias outras tarefas. Com a sua respiração evoluiu uma caixa vocal na base da traquéia.  A respiração é por pulmões compactos. Fig. dando rigidez.2011 . Cerdas: penas modificadas em forma de pêlo. papagaios).  Temperatura do corpo essencialmente constante (homeotermia).  A boca é um bico prognato (que se projeta) rodeado de uma bainha córnea e desprovida de dentes (pelo menos nas aves viventes). ovais e biconvexos.  Presença de dois pares de extremidades. 67 – Esqueleto de um galo doméstico. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . não só. Os pés possuem geralmente 4 dedos. muitos ossos fundidos. o primeiro transformado em asas e o segundo em patas para locomoção terrestre. Fig. 2 ventrículos separados).

desenvolvimento directo com cuidados-com-a-prôle por um ou por ambos os progenitores. Muitas aves realizam migrações até intercontinentais. Odontognathae: aves dentadas com o género Herperornis b. patos. graças ao seu sistema de orientação bastante desenvolvido. aves litorâneas e outras são nidífugos. Elas encontram-se espalhadas por todos os continentes. ovos com muito vitelo.  O habitat primário das aves foi a terra. Pinguins). Impennes: Pinguins. Albatrozes Pinguins Pelicanos Cegonhas Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . na ordem Sphenisciformes c. Archaeornithes: fósseis com características de répteis. Neognathae: aves típicas agrupadas em perto de 30 ordens.164 Abdul Gafar Daúdo  Fecundação interna. No sistema actual das aves reconhecem-se duas subclasses: 1. Estes animais provavelmente corriam rapidamente com suas pernas posteriores.e. com os quais formam o grupo Sauropsida. Archaeopteryx. envolvidos por uma casca calcária dura e depositados externamente para a incubação. aptos para abandorarem o ninho logo após a eclosão. É o contrário das aves que precisam de ser alimentadas e receberem cuidados no ninho (nidícolas). i. 69 – Morfologia interna do periquito. Fig. Evolução e sistemática das Aves As aves originaram-se de répteis.2011 Portfólio de Zoologia S&F . que os ajuda a encontrarem os locais onde passam os períodos adversos e regressarem à origem sem erros. Neornihes: todas aves actuais agrupadas nas seguintes superordens: a. codornizes. 2. Algumas ordens de aves de Moçambique • • • • • Struitiformes: Procellariiformes: Sphenisciformes: Pelecaniformes: Ciconiiformes: Avestruzes. mas conquistaram mais tarde a água (ex. Os filhotes de galinhas.

Struthioniformes) Spheniscus demersus Diomedea exulans Pinguim do cabo (Spheniscidae. corujas Pássaros (maior grupo de aves actuais) Struthio camelus Avestruz (Struthionidae. Galliformes) Sagittarius serpentarius Secretário (Sagittariidae. Passeriformes). Apodiformes) Nectarinia kilimensis Beija-flor (Nectariniidae. faisões.165 Abdul Gafar Daúdo • • • • • • • Anseriformes: Falconiformes: Galliformes: Columbiformes: Psittaciformes: Strigiformes: Passeriformes: Patos Falcões e outras aves de rapina Galinhas.2011 . Ciconiiforme) Asio capensis Coruja-dos-pântanos (Strigidae. Coraciiformes) Ciconia nigra Cegonha-preta (Ciconiidae. etc. Pombos e rolas Papagaios Mochos. Strigiformes) Numida meleagris Galinha-do-mato (Numididae. Albatroz-viageiro Diomedeidae. Sphenisciformes) Procellariiformes) Apus horus Andorinha-das-barreiras (Apodidae. Falconiformes) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Bycanistes brevis (Bucerotidae.

tendo como função. que tem a função de melhorar a audição.  Presença de pêlos. também ocorre a formação da placenta.  Presença de pêlos em algum estágio da vida. durante o desenvolvimento embrionário. os mares e mesmo no ar. sendo este.Dia: 26 . com localização variável. 1997:381). que torna possível abrigar a sua cria durante toda a formação embrionária (SOARES.  São endotérmicos. com cerca de 4.mama e feros . a presença. o desenvolvimento do útero nas fêmeas. Mamíferos são de todos os animais vertevrados que o seu corpo é revestido por pêlos e. os quais podem ser reduzidos ou completamente ausentes em alguns mamíferos adultos. contribuindo para que Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . nos primeiros dias das suas vidas. bigorna e martelo.portador).5000 espécies actuais. abundam por quase todo o globo terrestre. as principais características dos mamíferos são:  Presença de mamas em número par. Neste contexto. a produção de leite para amamentação dos seus filhotes. explorando amplamente os recursos da Terra.  A presença de glândulas mamálrias em número par. nas fêmeas. um anexo que permite as trocas respiratórias e nutritivas entre o feto e a mãe.Outubro .2011 Classe mammalia 166 Abdul Gafar Daúdo Os mamíferos (do latim mamma . de glândulas mamárias como características básicas do seu corpo.2011 .500 . Os pêlos podem ser reduzidos ou completamente ausentes em alguns mamíferos adultos. o estribo.  Presença de glândulas cutâneas (sebáceas e sudoríparas) em certas regiões do corpo. existem 3 características principais em todos os mamíferos:  A presença de 3 ossos/ossículos no ouvido médio. para além dessas exite outra particularidade desses animais. os quais contribuem para a manutenção da temperatura corpórea e sensorial. Características gerais De um modo geral.  Além da formação do âmnio e do alantóide. que deu origem ao nome da classe.

 Maior capacidade de locomoção rápida.  Defesa contra estranhos (os pêlos que se encontram em forma de espinhos). pois..167 Abdul Gafar Daúdo aquele passe todo o seu período de desenvolvimento no interior do útero materno.  Crânio com dois côndilos occipitais. que excreta um líquido fluído (urina).  Função sensorial (tacto).  Camuflagem para a defesa ou atracção deoutros animais. ouvidos com pavilhões externos carnosos.2011 . o que não permite uma rotação tão ampla da cabeça sobre o pescoço.  Respiração pulmonar.  Cuidado pariental. assim. Evolução provável dos mamíferos Aves Peixes →Anfíbios →Répteis Mamíferos Caracteristicas que demonstram a evolução dos mamíferos  Possuíam dentes cobertos por esmalte. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . já não existia o grupo de seres que os dominava (os dinossauros).  Uma bexiga urinária. Depois da estinção dos répteis maiores. olhos com pálpebras móveis.  Encéfalo altamente desenvolvido.  Boca com dentes nas mandíbulas e maxilas. presença de diafragma separando a cavidade torácica da cavidade abdominal. foi quando esses desenvolveram. garantindo que seja livre dos perigos do meio exterior. os mamíferos abundaram na terra. Funções dos pêlos  Isolamento térmico do corpo. Coração com quatro cavidades distintas. língua usualmente móvel. Evolução Os mamíferos surgiram na Terra no mesmo período que evoluíram os répteis Synapsida no período de triassico.  Circulação dupla e completa.

pela aprendizagem e pela memória retentiva (sua inteligência)). intestinos.2011 . barrete. estômago. órgãos anexos (fígado e pâncreas). O aparelho respiratório é formado por pulmões e vias respiratórias.  Maior capacidade de regulação da temperatura do corpo. Os sexos são separados e cada um tem um par de gônadas que descarregam as células sexuais através de ductos que se abrem perto do ânus ou cloaca (AMABIS e MARTHO. crescimento e reprodução. A circulação do sangue transporta o oxigénio e o alimento para as células e carrega o gás carbónico e os resíduos que serão eliminados. hipófise. faringe. 2006). etc. depois a fêmea retira os Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . nos ruminantes. fecundacao é interna.) produz secreções internas ou hormônios transportados pelo sangue. A excressão (eliminação de resíduos) é graças a transpiração.  Os lábios dos mamíferos possuem capacidade de um fecho hermeneultico.  A presença de glândulas mamárias. que regulam processos do corpo. fezes e urina. mas. olhoso e coagulador. O sistema circulatório é formado de vasos sanguíneos (veias e artérias) e coração com quatro cavidades (duas aurículas e dois ventrículos). devido aos pêlos e pelo facto de possuir maior metabolismo e a divisão do coração em quatro cavidades (a separação completa dos sangues venoso e arterial no coração tornando possível a temperatura regulada do corpo).168 Abdul Gafar Daúdo  O cérebro que se encontra mais desenvolvido e grande (a qual deriva o alto grau de coordenação em todas as atividades. O aparelho urinário é formado pelos rins e vias urinárias. Fisiologia O aparelho digestivo dos mamíferos é formado por: boca. Classificação Existem três subclasses dos mamíferos: Prototheria género Monotremata representada por aqueles que apresentam algumas caracteristias remotas aos répteis como. uma série de glândulas endócrinas (tireóide. o estômago tem quatro cavidades: pança. Para estes animais o sangue venoso não se mistura com o arterial. esófago. Nos vertebrados.

leão Lêmures Macaco Homem Elefantes Leões-marinhos. girafas Cavalos. esquilo. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . a característica principal é a presença de uma bolsa na parte ventral com funcao de completar completar o desenvolvimento do indivíduo.2011 . preguissa Obs. coalas.169 Abdul Gafar Daúdo ovos e os filhotes podem receber leite da mãe assim como dos machos pois os machos também possuem mamas desenvolvidas. cangurus. cuícas). mas está em extinção com o género Marsupialia.: Nos Eutheria não estão colocadas todas as ordens. Eutheria com serca de 4000 especies. capivara. golfinho Porco. focas. coalas. cão. Alguns géneros A tabela a seguir mostra alguns representantes das subclasses de Mammalia. so encontram-se na Australia pois não existem animais desnvolvidos. mas apenas as mais popularmente conhecidas. Metatheria muito conhecida. boi. a principal característica é a presença da placenta que garante o cuidado parental o filhote desenvolve-se no interor e a placenta é responsável pelas trocas gasosas e de substancias entre mãe e meio ambiente e a sua permanência do varia de espécie para espécie. castor Coelho. SUBCLASSE Prototheria Metatheria EXEMPLOS Ornitorrinco e équidnas Gambá. com 272 especies (gambá. antas Morcegos Rato. cangurus. Tabela 13: Principais representantes das subclasses de Mammalia. ORDENS Monotremata Marsupialia Cetacea Artiodactyla Perissodactyla Chiroptera Rodentia Lagomorfa Eutheria Carnivora Prossimia Simia Hominia Proboscidia Pinnipedia Fonte: Adaptado a partir do SOARES (1997:332). (Ornitorrinco e équidnas). lebre Gato. cuícas Baleia.

mas sei que ele é tão pequeno em relação ao caminho que ainda terei que percorrer. essa foi uma experiência enriquecedora. foi uma experiência única.2011 . pude perceber sobre a enorme diversidade dos seres vivos. Este processo tão rico que é a aprendizagem. É só uma chance pra melhorar as próximas!” (Adaptado pelo autor. Por isso. Dizer que. e forneceu-nos inúmeros conhecimentos que estão patentes neste portfólio. mas muito além dos conceitos e teorias. não é o fim do mundo. não só acerca das questões da aprendizagem. inquietações e desejos de continuar. Estar nesses últimos meses estudando sobre a Zoologia Sistemática e Filogenética. Realmente. se nem sempre o planejado sai como esperado. neste caso o professor Zacarias Rosalina João da Silva. foi óptimo o facto de estar em conjunto com os meus colegas. 2011) Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . que nos motivou bastante. desde a sua origem e evolução. que me despertou curiosidade. a partir dos poríferos até aos mamíferos.170 Abdul Gafar Daúdo Conclusão Chegar até aqui foi uma longa caminhada. a minha jornada não terminou. me trouxe um novo olhar e uma transformação na minha forma de pensar. Nada é pra sempre e muito menos por acaso. e espero que este trabalho também não pare por aqui! “Olha para o futuro. em constante contacto com um professor. pois.

Nesse semestre. mas me dedico e vou me dedicar cada vez mais. dos quais fui bem e outros mal. Procurei muito ajuda de colegas e de pessoas de fora pra conseguir entender. fui aprendendo. demorei um pouco a entender a matéria. cumprindo com um dos objectivos de estudante. Zacarias.2011 .171 Abdul Gafar Daúdo Auto avaliação Vejo que com o tempo. Agradeço aos meus colegas que estão do meu lado sempre e você dr. consequentemente fazendo o meu máximo para que melhore minhas notas. Obrigado! Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . aprendemos a ser responsáveis. É só com a persistência que com o tempo. Fiz alguns trabalhos e provas. pela explicação excelente que nos proporcionou durante as aulas desta cadeira.

1a ed. Brasil. 7ª ed. Denise Estorilho Baganha. SANTO Maristela do Espirito. Biologia. E. 1962. Fisiologia Animal Comparada. 4ªed... 2007. Luis e MENDES. Letícia. R. 2a ed. 2006. s/ed. Brasil-SP.Introdução à Zoologia. Biologia. s/d. AMARAL. Fundamentos da zoologia sistemática. 1986. s/ed. José Mariano e MARTHO. Gilberto Rodrigues. Roca. Biologia Ensino Médio. Ícone Audiovisual Ltda. J. Escola e Autores. TORTORA. Zoologia Geral e Comparada. São Paulo. Lisboa. São Paulo. 2000. SIMPSON. 1997. SOARES. São Paulo. José Luis. Microbiologia. 1988. José Luís. & BARNES. Nelma Regina Segnini. FOX. Porto Alegre. Fundação Calouste Gulbenkian. 9ªed. RUPPERT.. Fundamento da Biologia Moderna. 2ª ed. São Carlos. Princípios da Taxonomia Animal. FTC EaD. George Gaylord. Cecília Helena Vechiatto. Florência Celeste e XAVIER. Biologia 11ª Classe.A. 2007. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Lisboa. Scipione ltda. Sp-Brasil. DOS SANTOS. Fundação Calouste Gulbenkian. MATEUS.D. JONASSE. Zoologia dos Invertebrados – Uma abordagem funcional-evolutiva. BARROS. 2002. 2005. Moderna.S. 33aed. Fernando. et al. Biologia II – Noções de Taxonomia e Classificação . São Paulo. R. Ana Paula Ulian e BOSSOLAN. Artemed. Moçambique. Maria Isabel e MACHADO.2011 . São Paulo. Ática S. G. et al. s/ed. Os Seres Vivos. SAMPAIO.172 Abdul Gafar Daúdo Bibliografia AMABIS. ICONE Ltda. 2005. Amilcar. De ARAUJO. Carlos. 1ª Ed. 2006. 6ª ed.

: De referir que as datas destas bibliografias são as mesmas que constam no trabalho.com/2010/05/teoria-da-endosimbiose.ppt http://pt.edu.com.portalsaofrancisco.ws/pri_biologiaonline/filo_rhizopoda.br/alfa/filo-porifera/filo-porifera-1.portalsaofrancisco. http://www.fag.wikipedia.blogspot.com.portalsaofrancisco.br/alfa/filo-cnidaria/filo-cnidaria-1.brasilescola.173 Abdul Gafar Daúdo Referências da internet http://www.htm http://pt.php.com.php http://www.br/biologia/ult1698u93.com.html http://www.htm www.com/2010/10/filo-porifera.org/wiki/Enteropneusta http://pt.net/andreapoca/porferos-449596.html http://educacao. http://www. http://pt.%20Hemichordata.org/wiki/Apicomplexa.org/wiki/Ciliophora.slideshare.html.blogspot.geocities.php. http://lifebiologia.br/professores/karin/.br/alfa/filo-porifera/filo-porifera-4./01. Portfólio de Zoologia S&F Curso de Biologia 1º ano UP-Montepuez . Obs..wikipedia.uol.jhtm http://pt. http://www..org/wiki/Merostomata.pt/bilene/5547/biologia/Celula/Protoz23.com.2011 . http://www.org/wiki/Bact%C3%A9ria http://www.sobiologia.com/biologia/protozoarios. http://mundosatuais.php.terravista.br/conteudos/Reinos2/bioporifero.wikipedia. depednendo do assunto e a data que se tratou o assunto.wikipedia.wikipedia.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful