Você está na página 1de 3

PROLAPSO DE VALVA MITRAL

INTRODUÇÃO O Prolapso da Válvula Mitral ou PVM também conhecido como Síndrome de Barlow é a anormalidade valvar mais comum do coração ,afetando 5 a 10% da população mundial. A valva mitral normal compõe-se em dois finos folhetos localizados entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo. Estes folhetos ligam-se à parede interna do ventrículo esquerdo por uma série de feixes tendinosos, chamados de cordoalhas. Quando o ventrículo se contrai, os folhetos da valva mitral se ajustam perfeitamente, prevenindo o refluxo de sangue do ventrículo esquerdo para o átrio esquerdo. Quando os ventrículos se relaxam as valvas se abrem permitindo que o sangue oxigenado dos pulmões encha o ventrículo esquerdo. Nos pacientes com Prolapso da Valva Mitral, o aparelho mitral (valvas e cordoalhas) é acometido por um processo chamado degeneração mixomatosa, onde a estrutura proteica do colágeno, o tecido que compõe as valvas, leva ao espessamento, alargamento e redundância dos folhetos e cordoalhas. Quando o ventrículo se contrai, os folhetos redundantes projetam-se (prolapsam) para o átrio esquerdo, chegando às vezes a permitir a regurgitação do sangue para dentro do átrio esquerdo. Quando importante, a regurgitação mitral pode levar a insuficiência cardíaca e a anormalidades do ritmo do coração. São frequentemente acometidas mulheres entre vinte e quarenta anos, mas também os homens apresentam PVM. SINTOMAS Muitos pacientes com PVM são assintomáticos, mas dentre os sintomas mais comuns, está a fadiga em primeiro lugar, talvez como resultado de um desequilíbrio do sistema nervoso autônomo. O sistema nervoso autônomo controla a frequência cardíaca e a respiração, de onde um desequilíbrio poderia causar inadequada oxigenação sanguínea durante exercício e, consequentemente, fadiga e palpitações. Em muitos pacientes com PVM a palpitação é o sintoma mais expressivo. Nestes pacientes existe um potencial para o aparecimento de sérias anormalidades do ritmo cardíaco, requerendo adequada avaliação e a instituição de tratamento apropriado. A dor aguda ou pontadas no peito prolongadas são frequentes em portadores de PVM. A dor no peito raramente ocorre após o exercício e pode não responder aos nitratos (isordil). Ansiedade, ataque de pânico e depressão estão associados ao Prolapso da Valva Mitral. É necessário salientar, entretanto, que a imensa maioria dos pacientes com PVM evolui sem qualquer problema e sem necessitar nenhum tipo de restrição nos hábitos de vida. E, mais ainda, é muito frequente encontrar-se, durante um ecocardiograma, um prolapso da valva sem sinais de degeneração mixomatosa, condição benigna que só necessita de algum tipo de cuidado especial quando associada a regurgitação mitral.

Estudos indicam que mesmo existindo em homens. incluindo o ecocardiograma. CONCLUSÃO Prolapso da Valva Mitral é a anormalidade cardíaca valvar até então mais comum. bastando apenas a execução anual dos exames de rotina. Existe uma associação entre o escape ou regurgitação de sangue através da valva mitral e um ruído ou sopro que pode ser escutado após o som do click. Um holter de 24 é uma gravação contínua do eletrocardiograma num cassete carregado pelo paciente. O teste de esforço em esteira ou bicicleta permite registrar anormalidades do ritmo cardíaco ou isquemia (diminuição da irrigação sanguínea) durante o exercício e ajuda o médico a decidir qual o nível de exercício satisfatório. podendo medir a intensidade do PVM e graduar a regurgitação mitral. usualmente devem tomar antibióticos antes de qualquer procedimento capaz de levar à introdução de bactérias na corrente sanguínea. muitos pacientes não têm sintomas e nem necessitam de tratamento. Pacientes com PVM e regurgitação mitral ou mesmo sem regurgitação. este tipo de prolapso é mais comum em mulheres entre vinte e quarenta anos. permitindo a detecção de anormalidades do rítmo cardíaco.DIAGNÓSTICO Através do uso de um estetoscópio pode se detectar à ausculta cardíaca um estalido ("click") característico. mas com evidência de degeneração mixomatosa ao ecocardiograma. . porém os sintomas mais comuns são fadiga e palpitações. Uma regurgitação mitral importante em pacientes com PVM pode levar a insuficiência cardíaca. TRATAMENTO A vasta maioria dos pacientes com PVM tem excelente prognóstico e não necessita de tratamento. aumento do coração e anormalidades do ritmo. O ritmo anormal é capturado na fita magnética e analisado mais tarde em computador através de um programa especial. A ecocardiografia (imagem ultrssônica do coração) é bastante utilizada no prolapso da valva mitral. onde pode ser detectado pelo médico através de ecocardiograma.

br (acesso em 12/09/2012 ás 18:45) .BIBLIOGRAFIA http://sociedades.cardiol.