Você está na página 1de 10

(307)

(313)

(319)

(321) Supremacia do Marxismo!

(326) Marx e sua virada materialista e praxista.

(329) forma sob o contedo.

(330 &331)

(333)

(325) autoconscincia

(336)

((341)

(348) mesmo comentrio de Eagleton

(354 &355)

(362)

(377)

(378) uma viso parecida com a de Eagleton sobre texto literrio ideologia e historia

(382)

(390)

(392)

(394)

(396)

(398& 399)

(403)

(404)

(405)

(406 & 407)

(407 & 408)

(409)

O que jameson aspira defender nesse livro marxismo e a forma apresentar o Metodo dialtico hegeliano, e sua verso marxista, com um enfoque mais praxista, para analise literria e cultural, para isso faz uma observao sobre varias correntes que utilizaram a seus modos para resolver os conflitos de seus contextos esses mtodos. Na segunda parte do livro tenta entender essa dialtica do todo e das partes, forma e contedo. Aproxima-se muito de

Hegel, ao negar o apriorismo e cintifismo tpico de Althusser por exemplo, defende sempre a crtica no objeto em si, e no com pr concepes, e entende a l macherey no contedo latente e manifesto da obra de arte que censurado pela ideologia( termo que ele no usa diretamente).