Você está na página 1de 1

Ermito Agora em meu prprio pas Meus ps voltam a pisar O ermito saiu do barco E mal pode se sustentar Pergunte,

pergunte santo homem O ermito esfregou a fronte Fale disse ele, diga a mim Que homem est de fronte. Embora essa carcaa Tenha enrugado de tanta agonia Que me forou a narrar meu conto At que chegasse o dia Deste ento h certa hora A agonia retorna E at o final desta narrativa O meu corao chora Eu passo como a noite De terra em terra Tenho um estranho poder na fala Assim que a face dele eu vir Saberei que ele deve me ouvir E ensin-lo, tudo que posso pedir.