Você está na página 1de 1

Compromisso de ser feliz

É comum encontrarmos durante nossa caminhada terrena inúmeros amigos e familiares abraçados em suas desesperanças e passando por momentos de infelicidades. É comum e considerado normal deixarmos nos abater diante de tais contrariedades. Há uma visão que quero compartilhar com vocês: o comum deveria ser a equação inversa, possibilitando talvez um resultado diferente. Há em nós uma força latente que emerge em nós todos os dias, que faz com que busquemos a felicidade. É um objetivo, uma força determinada que nos toma, e nos faz buscar a felicidade. É um compromisso, é um “sentido”, como o olfato, buscar a felicidade, até mesmo quando nos sentimos compelidos à dor, e somarmos em nós energias negativas, que nos apontam em direção contrária a felicidade. Sentimo-nos mal, com o corpo febril ou de dor, será nosso sentido felicidade agindo em nós para a mudança desse estado consciente para um estado mais harmonioso? Ou novamente conceituamos isso como o normal, pois estamos infelizes? Aonde está à busca da cura desse status quo?

infelizes? Aonde está à busca da cura desse status quo ? São questões que devemos meditar,

São questões que devemos meditar, e não tomarmos como verdades absolutas e permitimos que nós guiemos cegos. Devemos absorver com a mesma prudência do remédio que ingerimos para a cura. Vigiemos incessantemente nossas mentes, exercitemos essa prática como em uma academia, que ser torne presente em todos os momentos, façamos jus a esse sentido, se assim pudermos considera-lo.

Para que se torne normal nosso compromisso com a felicidade em todos os momentos.

Razec Abimo Corde (1604-1679)