PLANO DE AULA Professora de Artes: Gisele A.

Ramos Tema da aula A Arte Rupestre

Público alvo Ensino fundamental de 9º ano do segundo ciclo.

Objetivos: Ensinar a relação do homem com a natureza e suas simbologias, compreender a importância da preservação dos registros dos nossos antepassados, descobrir novas formas de fazer arte, usando conceitos deixados para nós desde os tempos das cavernas. Justificativa: Essa aula será aplicada com a finalidade de expressão visual e linguagem corporal, bem como a capacidade perceptiva e criativa do aluno. Cronograma: Essa atividade precisará de quatro aulas de 45 minutos cada, de preferência que seja aula dupla. Procedimentos didáticos / metodológicos : Primeiramente devemos apresentar a teoria juntamente com as fotos, para que os alunos se situem na história. Sempre que possível devemos lembrá-los das heranças deixadas para nós, como o descobrimento do fogo, da roda, da escrita através de símbolos, etc...Depois partimos para a prática e produção das obras, que deverão ser expostas para o restante da escola. Recursos, material e local :

etc.. potes para mistura de tinta. Galeria dos Alunos Arte rupestre: o dia a dia registrado através das pinturas . água.Essa atividade será aplicada em sala de aula. terra de diversas cores e pigmentos naturais. beterraba.. tais como açafrão. depois é só soltar a imaginação. espinafre. Atividade: A atividade consiste em fazer as próprias tintas. usando a cola e o pigmento macerado para obter as cores. onde serão necessários os seguintes recursos: cola branca.

.

o parto de uma criança ou o intercurso sexual. . Mesmo sendo difícil resolver tal polêmica.A arte rupestre é compreendida como o amplo conjunto de desenhos. Inicialmente. Ainda hoje. Em geral. como a palavra e a arte. pode-se deduzir que o homem préhistórico já encarava esse tipo de atividade como algo dotado de um lugar e sentido especial. algumas pesquisas mostram curiosamente que os locais de produção da arte rupestre não eram próximos a algum tipo de aldeia ou morada humana. muitos especialistas discutem se o desenho rupestre pode ser avaliado como uma forma de arte. temos a predominância daqueles que serviam como alimento ou atacavam algum espaço habitado por homens. Geralmente. Entre os animais. este tipo de manifestação artística aparece no interior de cavernas e em outras superfícies rochosas cingidas pela marca da presença humana. essa espécie de manifestação artística aparece como uma clara intenção do homem em registrar as situações que integravam a sua rotina. pinturas e inscrições realizadas pelo homem pré-histórico. podemos perceber que a arte rupestre conta com motivos de feição naturalista. onde temos a presença constante de seres humanos e animais. como o momento da caça. O controle desse elemento natural permitiu o conforto e a segurança necessários para o posterior surgimento de processos de comunicação mais complexos. Para alguns estudiosos. Os homens rupestres são costumeiramente representados de forma isolada ou realizando algum tipo de ação coletiva. não podemos negar que a arte rupestre é uma importante fonte de informações que nos relata sobre o tempo e os costumes de alguns grupos humanos. o desenvolvimento desse tipo de manifestação esteve diretamente ligado ao processo de dominação do fogo. Contudo. Dessa forma.

a presença de motivos geométricos (círculos.Apesar dessa leitura possível. devemos salientar que a interpretação da arte rupestre está repleta de limites e problemas. Ao representar um animal ou um próximo. . devemos citar que a arte rupestre não se limitava ao registro cotidiano ou a marcação de uma situação corriqueira. cruzes. pontos e espirais) demonstra outra faceta complexa e misteriosa dessa arte. Mas isso não implica dizer que o homem pré-histórico fosse desprovido de qualquer senso estético. Muitas pinturas encontradas em cavernas escondidas e regiões pouco habitadas indicam que essa manifestação artística cumpria uma parte dos rituais funerários e religiosos da pré-história. o autor explorava elementos de proporção e tonalidade que teriam como pretensão salientar aquilo que era visto como importante em sua visão particular. Paralelamente. Ao mesmo tempo.