Você está na página 1de 2

Características de Machado de Assis

• Visão objetiva e pessimista da vida, do mundo e das pessoas.

• Análise psicológica profunda das contradições humanas na criação de


personagens imprevisíveis, jogando com insinuações em que se misturam
a ingenuidade e a malícia, a sinceridade e a hipocrisia.

• Crítica irônica das situações humanas, das relações entre as pessoas e


dos padrões de comportamento. Casamento, família, religião (idéias
burguesas) são envenenados pelo interesse, pelas segundas intenções e
pela malícia.

• Linguagem: estilo conciso, sentenças curtas, equilíbrio entre a linguagem


e o conteúdo. Não se preocupa em descrever fisicamente os ambientes e
os personagens. As descrições prendem-se aos aspectos psicológicos
mais marcantes.

• Envolvimento do leitor pela oralidade da linguagem, pelas surpresas de


que suas histórias (contos e romances) estão cheias e pelas “conversas”
que o narrador estabelece freqüentemente com o leitor, transformando em
cúmplice e participante do enredo (metalinguagem).

• Citação de autores clássicos e da bíblia (cultura e intertextualidade).

• Reflexão sobre a mesquinhez humana e a precariedade da sorte humana.

• Atitude de escárnio diante do poder.

• Os aspectos externos (tempo cronológico, espaço, paisagem) são apenas


pontos de referência, sem merecerem maior destaque.

• Enredo não segue uma ordem cronológica (de tempo em linha reta, tipo
presente-passado e futuro), antecipando a forma moderna de escrever
literatura.

• Infidelidade: é amplamente enfocada e torna-se curioso como Machado de


Assis prioriza a traição feminina (ver, em Dom Casmurro, Capitu).

• Fazem parte da criação machadiana mulheres dissimuladas, mulheres


ambíguas, mulheres muito sensuais e, principalmente, astuciosas. Não
são nem um pouco frágeis como as mulheres românticas, pois Machado
via a mulher como um ser dominador. Por esse motivo, deu às várias
mulheres presentes nas suas obras nomes bem fortes: em Dom
Casmurro, Capitu sugere a idéia de “capitã”, de comandante; em Quincas
Borba, Sofia sugere a idéia de “sabedoria”, entre outras.